A educação em Portugal (1986-2006)



Baixar 1.06 Mb.
Página9/19
Encontro05.07.2018
Tamanho1.06 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   19

Referências bibliográficas

ABREU, Zina (2000). Ensino Recorrente na Região Autónoma da Madeira. Um estudo exploratório sobre o 3º ciclo do ensino básico. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

AFONSO, Almerindo (1998).Políticas educativas e avaliação educacional. Braga: Universidade do Minho.

ALBUQUERQUE, Acácio (1998). Departamentos curriculares. Dissertação de mestrado. Universidade de Aveiro.

ALONSO, Maria Luísa e ROLDÃO, Maria do Céu. (2005).Ser Professor de 1º ciclo – construindo a profissão. Braga: Universidade do Minho/Almedina.

ALONSO, Maria Luísa (1996). Inovação curricular e formação de professores. Jornal Rumos, nº 12, pp. 4-5.

ALONSO, Maria Luisa (1999a). Inovação curricular, formação de professores e melhoria da escola. Tese de doutoramento. Instituto de Estudos da Criança. Universidade do Minho.

ALONSO, Maria Luísa (1999b). Desenvolvimento curricular e projecto educativo de escola. In A. Estrela et al (1999). Investigação e reforma educativa. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, pp. 49-64.

ALONSO, Maria; MAGALHÃES, Maria José; PORTELA, Isabel; LOURENÇO, Graça (2002), Projecto PROCUR. Contributo para a mudança nas escolas. Braga: Centro de Estudos da Criança/Universidade do Minho.

ALMEIDA, Madalena (2006). A área curricular não disciplinar de Formação Cívica no 3º ciclo do ensino básico. Contributos para o desenvolvimento pessoal e social do aluno. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

ALVES, Esmeralda (2003). Observação, participação e relação educativa: implicações do projecto educativo no clima de escola. Dissertação de mestrado. Universidade do Algarve.

ALVES, M. Palmira; Estêvão, Carlos; Morgado, J. Carlos (2005). Desenvolver e avaliar competências na escola: metanarrativas de legitimação em confronto. In G. Figari; P. Rodrigues; M. P. Alves; P. Valois (org.), Avaliação de competências e aprendizagens experienciais. Saberes, modelos e métodos. Lisboa: Educa, pp. 255-275.

ALVES, Maria Palmira (2001). O papel do pensamento do professor nas suas práticas de avaliação. Tese de doutoramento. Universidade do Minho/Universidade de Grenoble.

ALVES, Maria Palmira (2004). Currículo e avaliação. Uma perspectiva integrada. Porto: Porto Editora.

AMIGUINHO, Abílio; AFONSO, Carlos; BRANDÃO, Carlos (1998). Dinâmicas de integração, organização e funcionamento numa escola básica integrada. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

AMIGUINHO, Abílio (1992). Formação e inovação. O projecto “ECO” em Arronches: um estudo de caso centrado na vivência e na apropriação do percurso de formação pelos professores. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

ANDRÉ, Jorge Manuel (2003). A transição do ensino básico para o ensino secundário: um contributo para o estudo das dificuldades da aprendizagem dos alunos do 10º ano. Dissertação de mestrado. Universidade do Algarve.

ANTUNES, João Lobo (2002). Educação e cultura científica - uma reflexão. In CNE., Qualidade e avaliação da educação. Lisboa: CNE, pp. 319-327.

ARAÚJO, Maria de Fátima (2005). Decisões de planeamento dos educadores de infância, face à publicação das orientações curriculares para a educação pré-escolar. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa.

AZEVEDO, Joaquim (2000). O ensino secundário na Europa. Porto: Edições Asa., Joaquim et al (1997).Educação pré-escolar. In ME (ed.). A evolução do sistema educativo e o PRODEP, Estudos temáticos, vol. II. Lisboa: Ministério da Educação, pp. 17-110.

BALL, Stephen (2006). Education policy and social class. The selected works of Stephen Ball. London: Routledge.

BARREIRA, Carlos (2003). Avaliação das aprendizagens em contexto escolar. Estudo das atitudes dos docentes face ao modelo de avaliação do ensino básico. Tese de doutoramento. Universidade de Coimbra.

BARREIRA, Carlos e PINTO, Jorge (2006). A investigação em Portugal sobre avaliação das aprendizagens dos alunos (1990-2005). Investigar em Educação, 4, 21-105.

BARROSO, João et al (1998). A construção de uma cultura escolar de sobrevivência. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

BENAVENTE, Ana (1992). A reforma educativa e a formação de professores. In A. Nóvoa e T. Popkewitz (org.), Reformas educativas e formação de professores. Lisboa: Educa, pp. 47-69.

BENAVENTE, Ana (1998). In Público, 27 de Dezembro de 1998.

BENTO, Paulo (2000). Formação pessoal e social: que identidade e formato curricular? Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

BONAMI, M. (1996). Logiques organisationnelles de l’école, changement et inovation. In M. Bonami & M. Garant (eds.), Systémes scolaires et pilotage de l’innovation. Bruxelles : De Boeck, pp. 185-216.

BONÊCO, Helder (2001). O perfil de competências do aluno à saída da escolaridade básica. Um estudo sobre as representações dos professores do 9º ano de escolaridade. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

BRAGA, Carlota (1999). Adaptações curriculares para alunos com dificuldades de leitura no apoio pedagógico acrescido à disciplina de Língua Portuguesa. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

BRAGA, David (1999). Avaliar n (a) voz dos alunos (representações da prática da avaliação formativa numa escola. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

BRAGA, Fátima (1998). Formação inicial e práticas curriculares de professores principiantes. Um estudo de caso. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

BRAGA, Fátima (2005). Ramo Educacional FLUP: um projecto reconceptualizado. Tese de doutoramento. Braga: Universidadde do Minho.

CACHAPUZ, António; Francisco, Jacinto; Leite, Elvira (1997). Ensino secundário: situação e perspectivas. In A evolução do sistema educativo e o PRODEP. Estudos temáticos, vol. II. Lisboa: Ministério da Educação, pp. 191-352.

CAEIRO, António (2005). Concepções de Educação Visual e Tecnológica. Um estudo sobre as concepções de futuros professores de Educação Visual e Tecnológica. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa.

CAETANO, Ana Paula (2001). A mudança dos professores em situação de formação pela investigação-acção. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

CAMACHO, Maria José (2004). Professores em início de carreira: horizontes de desenvolvimento, inovação e mudança na formação de professores. Dissertação de Mestrado. Universidade da Madeira.

CAMPBELL, Elizabeth (2006). Curricular an professional authority in schools. Curriculum Inquiry, 36(2), 111-118.

CAMPINA, Luísa (2000). Uma abordagem às representações sociais do professor sobre o desenvolvimento pessoal e social do aluno na escola. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

CAMPOS, Bártolo Paiva (1993). Da reforma disciplinar às inovações curriculares locais. In Actas do enconro de ensino-reforma curricular. Vila Franca de Xira: Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.

CAMPOS, Cristina (2003). A integração curricular: A intencionalidade das práticas no discurso dos professores do 1º ciclo do ensino básico. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

CANÁRIO, Rui (2005). O que é a escola? Porto: Porto Editora.

CANÁRIO, Rui; ROLO, Clara; ALVES, Mariana (1997). A parceria professores/pais na construção de uma escola do 1º ciclo. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

CAPELAS, Maria Alice (2004). Implicações curriculares da concretização da Área de Projecto nos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.  

CARDOSO, Abílio (1993). Análise de provas globais ou globalizantes: contributo para a avaliação do currículo de Português-Língua Materna no 2º ciclo do Ensino Básico. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

CARVALHAL, Maria do Rosário (2005). A representação das práticas pedagógicas: O pensamento e as decisões de planeamento educativo de educadores de infância. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

CARVALHO, Maria Helena (2003). A implementação da reorganização curricular no 1º ciclo do Ensino Básico. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho.

CASTELLS, M. (2000). O poder e a identidade. A era da informação, economia, sociedade e cultura, vol III. S. Paulo: Paz e Terra.

CASTRO, Ermita (2002). Educação ambiental. Dimensão transversal do currículo. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

CASTRO, Rui Vieira; DUARTE, Conceição; AFONSO, Almerindo Janela (1998). Reforma, escola e meio: discursos sobre as práticas em contexto local. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

CASTRO, Rui; Afonso, Almerindo, Pacheco, José; Magalhães, J (1993. Conteúdos e contextos de reforma curricular no 11º ano de escolaridade. Lisboa: I.I.E.

CERCA, António (2004). A coadjuvação no contexto da monodocência no 1º ciclo do ensino básico. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

CORDEIRO ALVES, Francisco (1997). O encontro com a realidade docente. Um estudo exploratório (auto)biográfico. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

CORREIA, Maria da Conceição (2003). Que concepções de plano curricular na formação inicial dos enfermeiros? Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

COSTA, Jorge Adelino; DIAS, Carlos; VENTURA, Alexandre (2005). Reorganização curricular do ensino básico. Projecto, decreto e práticas nas escolas. Aveiro: Universidade de Aveiro.

COSTA, Jorge Adelino; VENTURA, Alexandre; DIAS, Carlos (2002). Do projecto curricular de escola ao projecto curricular de turma. In Ministério da Educação (ed.), Gestão flexível do currículo. Reflexões de formadores e investigadores. Lisboa: Departamento da Educação Básica, pp. 63-95.

COSTA, Vitorino (1995). Educação pré-escolar, que realidade, que currículo? Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

COUTO, Cecília (1998). Professor: o início da prática profissional. Tese de doutoramento. Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa.

COUTO, Maria Ludovina (1997).As provas globais e a sua influência no funcionamento de um grupo disciplinar e na uniformização do currículo - estudo de caso. Dissertação de mestrado. Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Católica.

CRAVEIRO, Maria Clara (1999). Orientações curriculares para a educação pré-escolar e identidade profissional de educadores de infância.Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

CRONN, François e BRUN, Jean (2004). A noção de competência, reveladora de fenómenos de transposição no ensino da matemática. In J. Dolz e E. Ollagnier (org.),O enigma da competência em educação. Porto Alegre: Artmed, pp. 79-86.

CUNHA, António Duarte (2006). A selecção de conteúdo – um estudo sobre as representações dos professores de Língua Portuguesa do 2º ciclo do Ensino Básico. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

DÁCIO, Alice (2004). Práticas organizativas de gestão curricular ao nível da escola - um estudo de caso. Dissertação de Mestrado. Instituto de Educação, Universidade Católica Portuguesa.

DINIS, Raquel (2002). Gestão curricular no 1º ciclo do ensino básico discursos e práticas. Dissertação de mestrado. Universidade de Aveiro.

 DINIS, Raquel (2002). Gestão curricular no 1º ciclo do ensino básico: discursos e práticas. Departamentos de Ciências da Educação e Didáctica e Tecnologia. Dissertação de Mestrado. Universidade de Aveiro.

DINIS, Raquel e ROLDÃO, Maria do Céu (2004). Gestão curricular no 1º ciclo do ensino básico: discursos e práticas. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes e N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 59-77.

EMÍDIO, Tavares (1981). Ensino secundário. In M. Silva e M. Tamen (org.), Sistema de ensino em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 91-221.

ESTEVES, Maria Manuela (1991). Contributo para uma análise de necessidades de formação contínua de professores do 2º ciclo do Ensino Básico. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

ESTEVES, Maria Manuela (1999). A investigação enquanto estratégia de formação de professores: um estudo. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

ESTRELA, Albano (1998). Investigação e reforma educativa. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

ESTRELA, Elsa (2006). Os discursos em (des)continuum. Mapeando discursos no âmbito da reorganização curricular do ensino básico. Dissertação de Mestrado. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

FERNANDES, Preciosa (2005). Da reforma curricular do ensino básico dos finais dos anos 80 à reorganização curricular dos finais dos anos 90. Uma análise focalizada nos discursos. In C. Leite (org.), Mudanças curriculares em Portugal.Transição para o século XXI. Porto: Porto Editora, pp. 51-73.

FERREIRA, Carlos (2004). Das concepções às práticas de avaliação formativa em professores do 1º ciclo do ensino básico de diferentes situações profissionais. Tese de doutoramento. Universidade Trás-os-Montes e Alto Douro.

FERREIRA, José Brites (1997). Continuidades e descontinuidades no Ensino Básico – a sequencialidade de objectivos. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

FERREIRA, José Brites (1999). Continuidades e rupturas no ensino básico: a sequencialidade de objectivos. In A. Estrela (1998), Investigação e reforma educativa. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, pp. 65-87.

FLORES, M. Assunção (1997). Professores e necessidades dos professores principiantes na recontextualização curricular. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

FONTOURA, Maria Madalena (2000). A investigação enquanto estratégia de formação de professores: um estudo. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

FORMOSINHO, João (1991). Currículo pronto-a-vestir de tamanho único. In F. Machado e M. F. Gonçalves, Currículo e Desenvolvimento Curricular. Porto: Edições Asa, pp. 262-267.

FORTE, Maria Barbosa (2004).Formação contínua: contributos para o desenvolvimento profissional e a (re) construção das identidades dos professores do 1º ciclo. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

FRANCO, António (2003). Os programas de educação física do ensino primário em Portugal nas décadas de 60, 70 e 80 do século XX: contextos, conteúdos e modelos de implementação. Tese de doutoramento. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

FREITAS, Maria Luísa; Silva, Eugénio; Santos, Maria Luísa (1998). Uma escola à procura de rumo. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

GASPAR, Maria Ivone (1995). Ensino Secundário em Portugal – que currículo? Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

GASPAR, Teresa (2003). Políticas curriculares e democratização do ensino. Estudo do modelo comparado ma criação do ensino secundário unificado. Lisboa: Ministério da Educação.

GIL, Dulcineia (1998). Reflexões de professores de língua Portuguesa do 2º ciclo do Ensino Básico sobre a avaliação das aprendizagens. Dissertação de mestrado. Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Católica.

GODINHO, Maria de Lurdes (2005). As orientações curriculares para a educação pré-escolar. Um quadro de referência para os educadores? In C. Leite (org.), Mudanças curriculares em Portugal.Transição para o século XXI. Porto: Porto Editora, pp. 33-49.

GONÇALVES, Glória Josefina (2004). Colaboração e educação: colaboração entre docentes do 1º Ciclo do ensino básico. Influências no desenvolvimento profissional e no Desenvolvimento Curricular. Dissertação de Mestrado. Universidade da Madeira.

GOUVEIA, João Brazão (2004). Apoios pedagógicos aos alunos com dificuldades de aprendizagem. Dissertação de Mestrado. Universidade da Madeira.

GOUVEIA, Maria Fernanda (2005). Projecto curricular de escola. Um desafio à organização curricular da escola. Dissertação de Mestrado. Universidade da Madeira.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence (ed.) (1985). The invention of tradition. Cambridge: University Press.

JORGE, Henriqueta (1994). A avaliação escolar. Evolução e descontinuidades: desde 1836 até aos nossos dias (1994). Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

KLIEBARD, Herbert (1995). The struggle for the American curriculum, 1893 - 1958 (2ª ed.). New York: Routledge.

LEITE, Carlinda (2005). A territorialização das políticas e práticas educativas. In C. Leite (org.), Mudanças curriculares em Portugal.Transição para o século XXI. Porto: Porto Editora, pp. 15-32.

LEITE, Maria Luísa (1998). Contribuição para uma análise do significado da avaliação do rendimento escolar em Ciências naturais: um estudo com professores e alunos. Dissertação de mestrado. Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Católica.

LEITE, Carlinda (1998). As palavras mais do que os actos? O multiculturalismo no sistema educativo português". Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade do Porto.

LEMOS PIRES, Eurico et al (1998). Das comunidades educativas às vizinhanças escolares. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

LEMOS PIRES, Eurico (1996). Memória da construção de uma lei. Jornal Rumos, nº 12, pp. 10-11

LEMOS, Valter (coord.) (1997). Contextos de eficácia em escolas do 1º ciclo. Estudo de caso. Lisboa: Ministério da Educação.

LIMA, Licínio (1992). A escola como organização e a participação na organização escolar. Braga: Instituto de Educação.

LOURENÇO, Conceição (2003). A gestão flexível do currículo: implicações nas práticas curriculares dos professores no caso de uma escola. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

MACHADO, Maria Paula (2006). O papel do professor na construção do currículo. Um estudo exploratório. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

MARTINS, Jorge; NAVE, Gracinda; LEITE, Fernando (2006). As autarquias e a educação em 2001/2003 na região norte. Maia: Associação Nacional de Professores.

MARQUES, Brites e COSTA, Jorge Adelino (2004). A (des)articulação curricular entre o 1º e o 2º ciclos do ensino básico. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes e N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 129-141.

MARQUES, Brites (2002). A articulação curricular entre o 1º e 2º ciclos do ensino básico: um estudo de caso num agrupamento vertical de escolas em gestão flexível do currículo. Dissertação de mestrado. Universidade de Aveiro.

MARQUES, Carla (2003). Concepções e práticas curriculares de professores de Matemática e Ciências da Natureza do 2º ciclo do ensino básico no âmbito da diferenciação curricular. Departamentos de Ciências da Educação e Didáctica e Tecnologia. Dissertação de Mestrado. Universidade de Aveiro.

MARQUES, Ermelinda (2004). A transição do pré-escolar para o 1º ciclo. Perspectivas de educadores e professores sobre as estratégias de transição. Dissertação de mestrado. Universidade do Algarve.

MARQUES, Maria Clara (2004). Modalidades de formação frequentadas e discursos docentes sobre a reorganização curricular do ensino básico: estudo exploratório. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade do Porto.

MARTINS, Filomena (1998). A influência das práticas de avaliação formativa de professores no processo de ensino-aprendizagem. Dissertação de mestrado. Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Católica.

MATOS, Maria Manuela (2004). Práticas de gestão curricular no 1º ciclo do ensino básico: O atendimento às diversidades no interior da turma. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

MIRANDA, Maria Olinda (2002). A escolaridade obrigatória: as representações dos professores. Um estudo exploratório. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho.

MONS, Nathalie (2004). Politiques de décentralisation en éducation : diversité internationale, légitimations théoriques et justifications empiriques. Revue Française de Pédagogie, 146, 41-52.

MOORE, Rob e YOUNG, Michael (2001). O conhecimento e o currículo na sociologia da educação: em busca de uma ressignificação. In A. F. Moreira (org.), Ênfases e omissões no currículo. Campinas: Papirus Editora, pp. 195-227.

MORAIS, Maria Emília (2004). Abordagem às concepções alternativas – eficácia do recurso aos mapas conceptuais como estratégia de ensino. Dissertação de Mestrado. Instituto de Educação. Universidade Católica Portuguesa.

MOREIRA, António Flávio (2005). Porquê ter medo dos conteúdos? In M. Z. Pereira e A. P. Moura (org.), Políticas e práticas curriculares. Impasses, tendências e perspectivas. João Pessoa: Ideia, pp. 11-42.

MORGADO, José Carlos (1998). A (des)construção da autonomia curricular. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

MORGADO, José Carlos (2000). Indicadores de uma política curricular integrada. In J. A. Pacheco (org.), Políticas de integração curricular. Porto: Porto Editora, pp. 167-185.

MORGADO, José Carlos (2003). Processos e práticas de (re) construção da autonomia curricular. Tese de doutoramento. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

MORGADO, José Carlos (2005). A autonomia curricular na opinião dos professores: um estudo exploratório. Comunicação apresentada no Fórum sobre profissionalismo docente em transição: as identidades dos professores em tempos de mudança. Braga: Universidade do Minho (policopiado).

MORGADO, José Carlos e Martins, Fernando Benjamim (2006). Projecto curricular: mudança de práticas ou oportunidade perdida? Actas do XIV Colóquio da AFIRSE/AIPELF - Para um balanço da investigação em Educação de 1960 a 2005. Teorias e práticas. Lisboa: Universidade de Lisboa (em publicação).

NEVES, Maria Manuela (1995). Potencialidades de um projecto educativo na formação contínua dos professores. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

NOBRE, Cidália (2004). Os métodos de ensino utilizados pelo professor e o feedback do aluno na sala de aula. Dissertação de mestrado. Universidade do Algarve.

NÓVOA, António (2004). Currículo e docência: a pessoa, a partilha, a prudência. In E. Gonçalves; M. Z. Pereira; M.E. Carvalho. (org), Currículo e contemporaneidade. Questões emergentes. Campinas: Aliena Editora, 2004, pp. 17-29.

PACHECO, José (2006). Uma perspectiva actual sobre a investigação em Estudos Curriculares. Conferência realizada no XIV colóquio da AFIRSE/AIPELF - Para um balanço da investigação em Educação de 1960 a 2005. Teorias e práticas. Lisboa: Universidade de Lisboa (em publicação).

PACHECO, José (2005a). Descentralizar o discurso curricular das competências. Revista de Estudos Curriculares, 3 (1), 65-91.

PACHECO, José (2005b). Estudos curriculares. Para a compreensão crítica da educação. Porto: Porto Editora.

PACHECO, José (2002a). Políticas curriculares. Porto: Porto Editora.

PACHECO, José (2002b).Critérios de avaliação na escola. In Ministério da Educação, Avaliação das aprendizagens: das concepções às práticas. Lisboa: Departamento da Educação Básica, pp. 53-64.

PACHECO, José (2002c). Notas para uma síntese de uma década de consolidação dos estudos curriculares. Investigar em Educação, 1(1), 227-273.

PACHECO, José (2001). Currículo: teoria e práxis (2ª ed.).Porto Editora.

PACHECO, José (2000).Flexibilização curricular: algumas interrogações. In J. A. Pacheco (org.), Políticas de integração curricular. Porto: Porto Editora, pp. 127-145.

PACHECO, José (1998). Projecto curricular integrado. Lisboa: Ministério da Educação.

PACHECO, José (1995). O pensamento e a acção do professor. Porto: Porto Editora.

PACHECO, José (1993). O pensamento e a acção do professor em formação. Tese de doutoramento. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

PACHECO, José (1990). Planificação didáctica. Braga: Universidade do Minho.

PACHECO, José e MORGADO, José Carlos (2003). Construção e avaliação do projecto curricular de escola. Porto: Porto Editora.

PACHECO, José e VIEIRA, Ana Paula (2006). Europeização do currículo. Para uma análise das políticas educativas e curriculares. In A. F. Moreira e J. A. Pacheco (org.), Globalização e educação. Desafios para políticas e práticas. Porto: Porto Editora, pp. 87-126.

PACHECO, José et al (2000). Projecto de investigação-acção-formação: os currículos alternativos. In J. Pacheco; J. Morgado; I. Viana (org.), Políticas curriculares: caminho da flexibilização e integração - Actas do IV Colóquio sobre questões curriculares. Braga: Universidade do Minho, pp. 381-418.

PACHECO, José e PEREIRA, Nancy (2006). Globalization and educational identities. Ruptures and doubts. Paper presented to The Second World Curriculum Studies Conference – Curriculum as international conversation.Tampere, Finlândia.

PACHECO, José et al (1996). O impacto da reforma curricular no pensamento e na acção do professor: Relatório de investigação. Braga: Universidade do Minho.

PATRÍCIO, Manuel (1991).A problemática do currículo na reforma educativa em curso. Revista Educação, 3, 9-12.

PERALTA, M.ª Helena (2000). Currículo: o plano como texto. Um estudo sobre a aprendizagem da planificação na formação inicial de professores de Alemão. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

PEREIRA, Amândio (1995). Área-Escola. Que desenvolvimento do currículo? Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

PEREIRA, Fernanda; COSTA, Nilza; NETO-MENDES, António (2004). Colaboração docente na gestão do currículo – o papel do departamento curricular. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes; N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 143-158.

PEREIRA, João (2005). O trabalho colaborativo dos professores. Dissertação de mestrado. Universidade dos Açores.

PEREIRA, Nancy (2006). Projecto Educativo. Um estudo sobre as representações de professores do 1º ciclo do Ensino Básico. Dissertação de mestrado. Universidade Portucalense.

PEREIRA, Nancy e PACHECO, José (2005). Projecto educativo: da utopia à realidade. Um estudo qualitativo. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, 4, 39-58.

PESTANA, Francisco (2003). Atitudes parentais face à educação, à participação na escola, à avaliação e à disciplina de Educação Física. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

PIMENTEL, João (2005).Currículo e Inovação. Estudo de caso sobre Kairós-Coriscolândia. Dissertação de mestrado. Departamento de Educação. Universidade dos Açores.

PINAR, William (2004). What is curriculum theory? New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers.

PINAR, William (ed.) (1975). Curriculum studies. The reconceptualization. Berkeley: Cutchon Publishing Company.

PINAR, William et al (1995). Understanding curriculum. New York: Peter Lang.

PINTO, Manuel (2000). Uma estratégia de análise da dinâmica das microestruturas do processo ensino-aprendizagem numa classe do 10º ano. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

POPKEWITZ, Thomas (2001). Lutando em defesa da alma. A politica do ensino e a construção do professor. Porto Alegre: ArtMed.

RAMALHO, Maria Helena (1994). A construção do projecto educativo. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

RAMOS, Luís Artur (2004). A Educação Física no 1º ciclo do ensino básico. A realidade dos professores. Dissertação de Mestrado. Universidade da Madeira.

RAMOS, Maria da Piedade e Costa, Jorge Adelino (2004). Os professores e a (re)construção do currículo na escola: a construção de projectos curriculares de escola e de turma. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes e N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 79-97.

Reis, Paulo (2005).Construir e avaliar o Projecto Curricular de escola. A modelização pela referencialização. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

Rodrigues, Carlos (1994). Sócio-história das reformas educativas em Portugal (1936-1986). A emergência da Área-Escola em contexto curricular. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

RODRIGUES, Maria Ângela (1999). Metodologias de análise de necessidades de formação na formação profissional contínua de professores. Contributos para o seu estudo. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

RODRIGUES, Maria Albina e Sá-Chaves, Idália (2004). Gestão curricular e cultura de escola: relação entre as dimensões curriculares instituída e instituinte. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes e N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 99-112.

RODRIGUES, Pedro (1998). Avaliação da formação pelos participantes em entrevista de formação. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

ROLDÃO, Maria do Céu (2003a). Gestão do currículo e avaliação de competências. Lisboa: Editorial Presença.

ROLDÃO, Maria do Céu (2003b). Diferenciação curricular revisitada. Conceito, discurso e práxis. Porto: Porto Editora.

ROLDÃO, Maria do Céu (2005). Formação e práticas de gestão curricular. Crenças e equívocos. Porto: Edições Asa.

ROSA, Maria Carla (2005). Concepções e práticas de planificação de professores estagiários. Dissertação de Mestrado Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

ROSMANINHO, Maria Natália (2002). Educação Visual e Tecnológica na organização curricular do 2º ciclo do ensino básico. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

SAIAGO, Ivete (2000). Sala de estudo como modalidade de apoio educativo. Contributo para a definição de padrões de qualidade de uma sala de estudo na óptica dos intervenientes. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

SALGUEIRO, João (2005), O projecto de gestão flexível do currículo e as possibilidades de construção de práticas emancipatórias na escola. In C. Leite (org.), Mudanças curriculares em Portugal.Transição para o século XXI. Porto: Porto Editora, pp. 177-204

SANTOS, Fernanda (2003). As actividades de enriquecimento curricular em contexto de mudança. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

SANTOS, Isabel Maria (1994). O projecto MINERVA na escola: das expectativas à realidade. Um estudo de caso em duas escolas do 2º ciclo do Pólo do Projecto MINERVA da ESSE de Lisboa. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

SANTOS, José (1999). Contributo para o estudo da implementação das turmas com currículos alternativos. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

SANTOS, Júlia (2005). As percepções dos professores do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia sobre a Gestão Flexível do Currículo. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa.

SANTOS, Maria da Conceição (2003). Concepções implícitas dos professores e práticas de avaliação. Dissertação de mestrado. Universidade do Algarve.

SANTOS, Maria Marcelina (2005). O planeamento de ensino no 1º Ciclo do Ensino Básico. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa..

SÉRGIO, António (s/d). Sobre a educação primária e infantil. Lisboa: Edições Inquérito.

SERPA, Margarida (2005). Avaliação da aprendizagem escolar. Perspectivas de professores do ensino básico. Tese de doutoramento. Universidade dos Açores.

SERRA, Célia (2002). Articulação curricular entre a educação pré-escolar e o 1º ciclo do ensino básico: estudo de caso numa escola básica integrada. Dissertação de mestrado. Universidade de Aveiro.

SERRA, Célia; Costa, Jorge Adelino e Portugal, Gabriela (2004). Da educação pré-escolar ao 1º ciclo do Ensino Básico: (des)articulação curricular num agrupamento vertical de escolas. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes e N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 45-57.

SILVA, Lília (2004). O processo de construção da reorganização curricular do Ensino Básico. Análise de textos políticos. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

SILVA, Olinto (2003). Reorganização curricular do Ensino Básico: novas dinâmicas na escola? Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade do Porto.

SOUSA, Francisco (2004). “Pedagogia por competências” e “pedagogia por objectivos”: que relação? Revista de Estudos Curriculares, 2(1), 121-40.

SOUSA, Francisco (2005). Gerir o currículo na encruzilhada das diferenças: Contributo para a conceptualização da diferenciação curricular. Tese de doutoramento. Universidade dos Açores.

SOUSA, Maria da Conceição (2005). A aprendizagem precoce das Línguas Estrangeiras no 1º ciclo do ensino básico e formação de professores. Dissertação de Mestrado. Universidade da Madeira.

SOUSA, Maria Luísa (2004). Diferenciação curricular na sala de aula – um estudo de práticas docentes. Dissertação de Mestrado. Instituto de Educação. Universidade Católica Portuguesa.

TOMÉ, Isaque (2005). Os rankings das escolas secundárias em Portugal: da(s) intencionalidade(s) à sua representação nos agentes educativos em contexto escolar. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

TRINDADE, Orlanda (2002). O currículo no jardim de infância: as concepções e as práticas dos educadores. Dissertação de mestrado. Universidade de Aveiro.

TRINDADE, Orlanda e Roldão, Maria do Céu (2004). O currículo no jardim de infância: as concepções e as práticas dos educadores. In J. A. Costa; A. Andrade; A, Neto-Mendes e N. Costa (org.), Gestão curricular. Percursos de investigação. Aveiro: Universidade de Aveiro, pp. 9-20.

VALE, Maria Jorge (2006). Arte, currículo e avaliação. A avaliação dos alunos do 2º ciclo do Ensino Básico na disciplina de Educação Visual e Tecnológica. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

VEIGA SIMÃO, Ana (1992). Estratégias de aprendizagem, estratégias de ensino. Dissertação de mestrado. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

VEIGA SIMÃO, Ana (2001). Construção e avaliação de uma intervenção em estratégias de aprendizagem integradas no currículo escolar. Tese de doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

VIANA, Isabel (2000). Recurso a uma prática educativa por projecto. Contributos para a análise da importância por projectos na prática e na formação docente. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

VIDINHA, Francisco (2003). Dinâmicas e processos decisionais na construção do currículo: O caso do plano de estudos do curso de complemento de formação em enfermagem. Dissertação de mestrado. Faculdade de Motricidade Humana. Universidade Técnica de Lisboa.

VIEGAS, Humberto (2004). No caminho de uma educação (mais) inclusiva. Diferenciação e adequação curricular. Dissertação de mestrado. Universidade do Algarve.

VIEIRA, Ana Paula (2006).O mandato europeu para a educação e a sua recontextualização nacional. Dissertação de mestrado. Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho.

VIEIRA, Manuela (2005), A gestão flexível do currículo e da inovação. Um olhar construído a partir dos balanços das escolas. In C. Leite (org.), Mudanças curriculares em Portugal. Transição para o século XXI. Porto: Porto Editora, pp. 149-170.

YOUNG, Micahel (1998). The curriculum of future. From the "new sociology of education" to a critical theory of learnin. London: Falmer Press.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   19


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal