A formaçÃo da língua portuguesa



Baixar 13.86 Kb.
Encontro26.12.2017
Tamanho13.86 Kb.

A FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA
Em 1600, preocupou alguns autores, voltou a ser objeto de estudos lingüísticos. Não interessa uma língua, e sim toda a família latina, com línguas nacionais integradas na estrutura lingüística de seus países. Há divergência no como e por que as línguas latinas se diferenciaram. Contribuem para a dificuldade: 1o) o latim clássico não corresponder às línguas das províncias. 2o ) o material lingüístico não se organizou ainda suficientemente, segundo critérios históricos e geográficos. 3o ) a rigidez com que se traçou a genealogia das línguas românicas. A importância do assunto transcende os limites da Filologia. Na Idade Média, as línguas românicas eram a “linguagem”, a língua vulgar, o “romance”, oposto ao latim clássico escrito, oficial. Eram orais e regionais, não tinham denominação, dizia-se “o falar de Portugal” “a linguagem castelhana”. Eram tanto a corrupção do Latim Clássico como a sua base, da qual o Latim foi extraído e gramaticalizado, para fixar uma forma estável, ante a miscelânea de línguas. As línguas românicas provêm do Latim Vulgar, levado pelos comerciantes, colonos e funcionários. Era diferente do Latim Clássico, na pronúncia, morfologia, sintaxe e vocabulário.

Na segunda metade do século XIX, o Latim Vulgar teve muito destaque pelo estabelecimento do Indo-europeu, do Proto-germânico, e da genealogia lingüística. Havia idéia de homogeneidade no Latim Vulgar. As migrações contribuíram para a unificação da língua em todo o Império. Todas as línguas românicas evoluíram de uma base comum, separada do Latim Literário. As divergências entre as línguas românicas já existiam no Latim Itálico ( falado somente na Península Itálica ). As tentativas de reconstrução do Latim Vulgar esbarram nas visões locais. Um Latim Vulgar homogêneo é uma abstração. As divergências explicam-se, em parte, por diferenças cronológicas na romanização das províncias e por mais ou menos afastamento da metrópole ( a área mais afastada é mais conservadora). Além da oposição entre a língua falada e escrita, há diferenças diastráticas, diassituativas e diafásicas. Há tripla variação, também, em Latim: no tempo, no espaço e nas camadas sociais. Essa variação foi levada às províncias. No século III, havia um Latim único nas províncias, mas era uma camada de areia movediça sobre as diferenças regionais que eclodiram nos diversos romances. Há relações lingüísticas entre as penínsulas Itálica e Ibérica. ( Ex: ter por haver, o final pronunciado u, o infinito pessoal no sul da Itália, o perfeito simples na Sicília etc ). Assim como os “brasileirismos” são, muitas vezes, trazidos de dialetos portugueses, os “lusitanismos” também podem ser importações ou formações paralelas. É importante não generalizar às pressas. Esse estudo requer colaboração de outras disciplinas.


Pode-se dividir a România em dois grupos:
Gália Centro Sul da Itália

România Ocidental Ibéria România Oriental

Norte da Itália Balcãs
Essa divisão pode ser resultado da divisão administrativa feita por Diocleciano. As províncias ocidentais ficaram centradas em Milão e as orientais, em Roma. A influência dos usurpadores da Gália, a união da Gália e da Ibéria sob um prefeito comum e divisões eclesiásticas posteriores podem ser outros motivos para essa divisão. Existe a hipótese de que a Ibéria, depois da fragmentação do Império Romano, contituÍsse um todo lingüístico, diverso das outras províncias, entre o Latim Vulgar e uma diferenciação mais forte. Houve duas linhas de colonização: uma do sul ( português e espanhol), outra do norte ( catalão ). Essa é a fronteira lingüística mais antiga da Península Ibérica. Os romanos, primeiramente, fundaram duas províncias, na Ibéria: Hispânia Citerior ( norte e nordeste ) e Hispânia Ulterior. ( sul e sudeste ). A Hispânia Ulterior era mais culta e conservadora. Mais tarde, a Ulterior se divide em Bética e Lusitânia, enquanto a Citerior se divide em Tarraconense e, depois, Cartaginense e Galécia. A Galiza ( Galécia ) e adjacências participaram da influência romana da Província Ulterior.

catalão português

Província Citerior Província Ulterior

aragonês astúrio-leonês
O castelhano tem traços de um e de outro grupo. O português é, evidentemente, conservador, mas isso não é exclusividade do português, não é resultado de evolução mais lenta, mas sim, da incorporação na Hispânia Ulterior. As afinidades se devem à descendência das mesmas correntes de romanização. A Galícia, fundada em 216, por Caracalla, abrangia a Astúria e a Cantábria. É discutível se a autonomia política, até a invasão germânica, teve conseqüências lingüísticas. Nos séculos V e VI, os godos unificaram a península; duas províncias reagiram: a Galícia e a Cantábria, ao norte.

Para a divisão do grupo cl em ch ( português, galego e asturiano ) e ll ( castelhano ), houve uma fase comum anterior ( ll também na Cantábria ) O mesmo aconteceu com o grupo ct ( em português it e em castelhano ch ) Os falares da Galícia e da Astúria Ocidental são diferentes dos falares da Cantábria e da Astúria Oriental. O espanhol tem um pouco de cada um deles.

Com a invasão dos árabes, os cristãos refugiaram-se nas Astúrias, dividindo a Galícia como uma cunha. Formaram-se os reinos da Galícia, Leão-Astúrias e Cantábria; essa última é mais reformista e mais independente que as outras duas. Do português para o espanhol, ao norte, há linguas intermediárias. Ao sul, a fronteira lingüística é nítida.

Em algumas regiões, a influência árabe foi breve, deixou intatos os idiomas românicos e sua divisão. Porém, os moçárabes não só conservaram a sua língua até a Reconquista, como também contribuíram para a transformação das línguas vindas do Norte e para a formação dos dialetos e línguas literárias, também vindas do Norte. Constituíram um substrato resistente. Em geral, prevaleceu a língua dos reconquistadores, mas talvez as variantes no português medieval se possam explicar por uma colaboração entre as duas camadas. O Norte desenvolveu sons que o Sul não conhecia: há distinções entre sem e cem, mesa e franqueza. Este último fato, o espanhol tem como regionalismo andaluz, o português inclui na língua oficial, (mais sensível ao Norte) o que lhe dá caráter progressista.



Leia mais: MEIER, Harri. Ensaios de Lingüística românica. Cultrix.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal