A madeira como material de construçÃO



Baixar 103.26 Kb.
Encontro05.12.2017
Tamanho103.26 Kb.


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

DISCIPLINA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO





A MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO
A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que vem sendo utilizada desde os primórdios da civilização.

Diversas pesquisas têm sido desenvolvidas no sentido de tratar a madeira para sua utilização em diversas etapas construtivas. As madeiras em seu estado natural têm características próprias que podem ser alteradas com tecnologia moderna. Algumas destas características mais importantes são:




  • apresenta resistência mecânica tanto à esforços de tração corno à compressão, além de resistência atração na flexão

  • tem resistência mecânica elevada em relação ao seu peso próprio pequeno.

  • tem resistência à choques e cargas dinâmicas absorvendo impactos que dificilmente seriam com outro materiais.

  • tem fácil trabalhabilidade permitindo ligações simples

  • boas características de absorção acústica. bom isolamento térmico

  • custo reduzido e é renovável, desde que convenientemente preservada

  • apresenta diversos padrões de qualidade e estéticos.

Na medida em que técnicas modernas foram sendo adotadas na tentativa de melhoria de suas qualidades, passou a ser mais utilizada visto que estes procedimentos melhoram sua boas qualidades e eliminam ou minoram as inconvenientes que podem ser:




  • perda de propriedades e surgimento de tensões internas secundarias devido a problemas de secagem e umidade. Estes problemas são resolvidos com controle da umidade e da secagem com controle

  • fácil deterioração em ambientes agressivos que desenvolveram agentes predadores como fungos, cupins. mofo. etc.

  • heterogeneidade e anisotropia naturais de sua constituição fibrosa. alem de suas dimensões limitadas. podendo estes inconvenientes serem resolvidos pela laminação, contraplacados e aglomerados.

A madeira como material de construção é depois do aço o material mais utilizado. Pode ser utilizada em diversas etapas desde as fundações até os acabamentos, passando tanto pela estrutura como por material auxiliar. Pode ser usada também em diversos tipos de construção como em estradas de ferro, galerias, etc.


Pode ser utilizada como combustível, tendo entretanto um poder calórico baixo, sendo entretanto bastante utilizada para este fim.
Além disto serve como matéria prima para papel, resinas, álcoois, plásticos, sendo o papel o seu principal sub-produto.


Origem e produção:
A madeira, como material de construção é produto do beneficiamento do tronco de árvores, que chamaremos “lenho”. As características de anisotropia e heterogeneidade são decorrentes da sua origem. Suas características também são decorrentes das diversas espécies existentes. A classificação é:
1. Endógenas: aquela em que o desenvolvimento do caule se dá de dentro para fora como as palmeira e bambus. E pouco aproveitada como material de construção.

2. Exógenas: aquela em que o crescimento do caule se dá de fora para dentro, com adição de novas camadas em forma de anel, chamados anéis anuais de crescimento. Estas árvores classificam-se em ginospermas e anginospermas.
As ginospermas são árvores coníferas e resinosas, tendo folhas em forma de agulha não fornecendo frutos. São madeiras de lenho mais mole e correspondem à 35% das espécies conhecidas.
As anginospermas são árvores frondosas conhecidas no Brasil como madeira de lei, sendo desta maneira conhecidas por serem abatidas na época da colonização, de acordo com a lei vigente. representam 65% das espécies conhecidas.
As árvores são compostas de raiz, caule e copa. A raiz é o apoio da árvore ao solo, tendo a finalidade de retirar do solo os sais minerais para seu desenvolvimento. O tronco alem de sustentar a copa conduz por capilaridade a seiva bruta da raiz às folhas, como a seiva elaborada das folhas para o lenho em crescimento. A copa desdobra-se em galhos e folhas, alem das flores e frutos. As folhas transformam a seiva bruta em elaborada.
O lenho é a parte da árvore que nos interessa como material de construção. Sua constituição é diversificada e suas partes são:
Casca: É a proteção do tronco alem de conduzira seiva elaborada nas folhas para o tronco. A parte externa é morta e denominada cortiça, a parte interna por onde passa a seiva é denominada floema. A parte externa pode ser renovada visto que é elemento morto, não apresentando interesse como material de construção com exceção de alguns casos onde é aproveitada como material de acabamento e termoacústicas. A parte interna da casca transporta a seiva das folhas ao caule.


  • Câmbio: E uma camada muito esbelta que se situa entre a casca e o lenho, constituída de tecido vivo sendo tão importante quanto à parte interna da casca. Seu seccionamento produz a morte da árvore, sendo esta uma maneira eficiente de permitir a seca da mesma em pé. O estrangulamento do tronco com um arame impossibilita seu desenvolvimento e conseqüente morte. Estando em pé a secagem é natural evitando trancas e rachaduras comuns em espécies como o eucalipto. A partir do câmbio são gerados os anéis anuais de crescimento que podem ter coloração diferenciadas, dependendo da época do ano em que se encontram e do tipo de madeira. Apertados indicam árvores com alta resistência, largos, com baixa resistência, definindo-se a idade da árvore pelo número de anéis encontrados. Problemas decorrentes de estiagens, pragas, etc., provocam defeitos que irão alterar as características físicas e mecânicas da madeira.

Lenho: É o núcleo do tronco, sendo portanto a parte resistente da árvore. Desta parte é retirada através de desdobro do material utilizado na construção civil. É constituído pelo alburno que é a parte mais externa, e pelo cerne que é a parte central do tronco, sendo formado por células mortas ou esclerosadas. Este fato torna-o mais resistente visto não existir nesta região a seiva, e consequentemente não ser atrativo à insetos e outros agentes de deterioração. A utilização do alburno e do cerne não deve ser diferenciada apesar desta diferença visto que alem de compor entre 25 e 50% do tronco o alburno é a parte que melhor absorve conservantes.


Medula: E o miolo central do tronco, sendo esta parte constituída de tecido frouxo muitas vezes já apodrecido. Sua presença em material serrado constitui um defeito.
A produção da madeira como material de construção inicia-se no corte da árvore, passando pela toragem, falquejamento, desdobro e beneficiamento.
O corte deve ocorrer em épocas oportunas, sendo no Brasil aconselhável o processo ser efetuado nos meses de inverno, ou sem R. Este fato é importante na secagem do tronco por ser a mesma mais lenta provocando menos rachaduras ou fendas, alem de atraírem poucos insetos por estarem com pouca seiva elaborada.

A toragem é o processo de desgalhamento e corte em tamanhos de 5 à 6 metros que facilitam o transporte. Também nesta etapa são falquejadas e descascadas. O processo de falquejamento é o corte de costaneiras, ficando a seção aproximadamente quadrada o que impede o tombamento no transporte alem da economia de espaço entre troncos.


O desdobro é a etapa final para transformação em material de construção. São feitos de duas maneiras. O desdobro normal que produz peças inteiras de lado à lado do tronco (fig. a). A outra é o desdobro radial que corta o tronco na direção do seu diâmetro evitando-se entretanto a medula ( fig b).

Fig b

Fig a

O desdobro radial produz peças de melhor qualidade, tendo menor rachaduras durante a secagem, menores empenamentos e defeitos provenientes da heterogeneidade. E inconveniente devido ao alto custo de produção, sendo aconselhável somente em aplicações especiais.


A última etapa da produção da madeira é o aparelhamento da peça ou beneficiamento da mesma. Aparelhamento é a padronização das medidas ao passo que o beneficiamento é sua utilização com acabamento aparente.

PROPRIEDADES FÍSICAS DAS MADEIRAS

Os diversos tipos de madeira existentes proporcionam que o seu uso seja específico para cada tipo de aplicação. A escolha só pode ser acertada se forem conhecidos as propriedades físicas e sua resistência às solicitações mecânicas.


Este conhecimento somente será possível se os resultados médios dos ensaios que são executados forem conhecidos. Estes ensaios são realizados levando-se em conta tanto os fatore naturais como tecnológicos decorrentes da realização destes ensaios. Os fatores naturais são:


  • a espécie da madeira já que cada uma delas têm as suas características, o que impõe um completo conhecimento de cada uma delas.

  • massa especifica do material que é um índice de material resistente por unidade de volume. Por este valor já se pode determinar todos os demais parâmetros da madeira

  • localização no lenho já que variações na retirada do corpo de prova influenciam diretamente na resistência da amostra

  • presença de defeitos que podem provocar diversas alterações na resistência das peças. Dependem da distribuição, dimensões e localização

  • umidade que pode alterar profundamente as características do material. A propriedade hidrófila da madeira faz com que, dependendo de sua condição de uso, sejam completamente diferentes as suas propriedades. No estado seco a resistência mecânica é a maior possível, ao passo que saturada apresenta a sua menor resistência.

Os fatores tecnológicos são os decorrentes da forma de execução dos ensaios. As dimensões dos corpos de prova, sua localização no lenho, velocidade das cargas aplicadas podem alterar ou até falsear um ensaio.


Os ensaios normalizados pela ABNT no MB-26/40, onde é mostrado o desenvolvimento e cuidados do método Monin, que trata desde a forma de extração dos corpos de prova, sua orientações dentro do lenho, altura e posição do corpo de prova, cuidados com relação à verificação de todas as partes do lenho, teor de umidade e forma do carregamento.
Características Físicas
As características a serem analisadas são, a umidade, a retratibilidade, a densidade, a condutibilidade térmica, elétrica e fônica alem da resistência ao fogo. as características de cada material permitem a escolha do melhor material para a sua melhor aplicação. Existem materiais muito bons para determinadas aplicações sendo incompatíveis com outras. Este conhecimento permite a escolha ideal para cada projeto.
Umidade - Após a extração da árvore, sua seiva permanece no material em três estados: a água de constituição, a de impregnação e a livre.

A de constituição não pode ser eliminada nem na secagem, sendo portanto impossível a sua retirada. Quando a água contêm somente esta água diz-se que a madeira está completamente seca. Par atingir esta condição basta a madeira ser deixada em estufa à uma temperatura de 100 à 150oC.

A água de impregnação aparece entre as fibras e células lenhosas. Esta água provoca um inchamento considerável na madeira, alterando todo o comportamento físico mecânico do material. Quando esta água impregna todo a madeira sem escorrimento diz-se que a madeira atingiu o teor de umidade de saturação ao ar.

Após a madeira se encontrar neste estado qualquer outro incremento de umidade pouco importa na sua qualidade, pois está somente preenchendo vasos capilares. Esta condição é chamada de água livre. Quando evaporada ao ar livre, a umidade estando no ponto de saturação do ar, ou seja sem esta água livre, a umidade esta em torno de 30%, sendo entretanto este valor muito variável, principalmente com relação ao tipo de material.

Deixando-se o material exposto ao ar até a perda da água de impregnação diz-se que a madeira está seca ao ar tendo uma umidade em tomo de 13 à 17%. Esta medida é obtida através de pesagens sucessivas sem alterações significativas do peso da amostra.

A nomenclatura mais correta e comum para estes diversos estados e:


madeira verde - umidade acima de 30%

madeira semi seca - acima de 23%

madeira comercialmente seca - entre 18 e 23%

madeira seca ao ar - entre 13 e 18%

madeira dessecada - entre O e 13%

madeira seca - 0%


Retratibilidade - É a propriedade de variação volumétrica da madeira quando ocorre a variação de umidade entre o estado seco e a condição de saturada ao ar. Pode ser inchamento ou contração, denominado trabalho da madeira.

A retratibilidade pode ser medida tanto na forma volumétrica como na linear. A volumétrica é medida com absoluta precisão em três estágios de umidade; verde, seca ao ar e seca em estufa. A linear é a medição nas três direções do corpo de prova nos mesmos estados de umidade que a medição volumétrica.

Ensaios mostram que a retratibilidade axial pode ser desprezível, que a tangencial é o dobro da radial e que a volumétrica é aproximadamente o somatório das três.

O comportamento diferenciado na retratibilidade pode afetar a qualidade do lenho, podendo aparecer, fissuras, rachas, fendas de secagem, etc. Três cuidados podem ser adotados de modo a minorar este efeito:




  • peças com teores de madeira compatíveis com o ambiente a ser empregada

  • desdobro e emprego adequados

  • impregnação das peças com óleos e resinas

A madeira quando for utilizada deverá atender condições de uso. Alguns cuidados à serem adotados são:





Construções submersas ou contato com água

Madeiras saturadas com 30% de umidade

Construções expostas como torres, postes, cimbramentos.

Madeiras comercialmente secas com 18 à 23% de umidade

Construções abertas como galpões e hangares

Madeira seca ao ar com 13 à 18% de umidade

Locais secos e fechados como telhados

Madeiras secas ao ar

Locais fechados e aquecidos

Madeiras bem secas com 10 à 12% de umidade

Locais com aquecimento artificial

Madeira seca artificialmente


Densidade: É considerada em termos da massa específica aparente, ou seja, peso por unidade de volume aparente, referida à umidade na qual for determinada.
Dh = Ph/Vh

A Norma brasileira corrige a umidade para 15% de umidade, que é uma umidade normal.


A densidade pode ser entendido como o índice de compacidade das fibras da madeira, mostrando uma maior ou menor quantidade de fibras por unidade de volume aparente. Pode-se correlacionar diversos tipos de madeira conforme esta característica. A densidade varia com a umidade e a posição no lenho.
Condutibilidade elétrica: Quando bem seca é excelente isolante elétrico ao passo que úmida torna-se condutora. Varia com as espécies
Condutibilidade térmica: mau condutor independente da espécie
Condutibilidade sonora: Não é bom isolante acústico porém quando usado em tratamento acústico funciona bastante bem por terem boa capacidade de absorção dos sons.
Resistência ao fogo: Os estudos de capacidade de resistência ao fogo devem ser feitos com temperaturas em torno de 8500C, que é a temperatura em incêndios. Deste modo a madeira não pode resistir de maneira alguma nestas condições. O comportamento da madeira deve ser estudado na forma preventiva, sendo a propagação um efeito quase que natural.
Em seu estado natural a madeira inicia a combustão em torno de 275uC, desde que haja oxigênio para a combustão. A combustão superficial forma uma capa de madeira calcinada que impede a passagem do ar dificultando a queima. Esta capa tem aproximadamente 10 mm de espessura, e se a temperatura permanecer constante a queima cessa. Peças com menos de 25 mm não devem ser usadas porque não formam a capa de proteção, destruindo-se rapidamente.
Em incêndios de grande temperatura, com mais de 8500C, peças de madeira não rompem imediatamente devido à este fator, permanecendo portanto com alguma resistência. Uma peça de aço em temperaturas próximas de 3000C já estão em processo de escoamento.
Em coberturas de incêndio este fatores podem ser levados em consideração. Peças com menos de 10 mm tem alto risco de combustão, com 25mm têm fator de risco menor e com mais de 50mm podem ter menos risco que estruturas metálicas.
O aumento de sua resistência à combustão pode ser obtido com produtos ignífugos ou retardadores de combustão.

PROPRIEDADES MECÂNICAS DAS MADEIRAS
São as características de resistência da madeira à diversos tipos de esforços à que estão sujeitas as estruturas. Numa primeira classificação poderíamos ter as características principais e secundárias. esta classificação é devido às propriedades anisotrópicas do material
As características principais são a resistência aos esforços no sentido axial, ou no sentido das fibras. Compressão, tração, flexão estática e dinâmica. As características secundárias são as que ocorrem perpendicularmente às fibras. Compressão e tração normal às fibras, torção, cisalhamento e fendilhamento.
Todas as características estão diretamente ligadas às propriedades anisotrópicas, à absorção de umidade e à densidade de fibras, sendo que quanto maior for esta quantidade maior será a resistência da peça.
Compressão em peças curtas
Corpos de prova retirados de toda a seção transversal do lenho de acordo com o MB 26 da NBR 6230, com tamanho de 2x2x3 cm, de lugares pré determinados e isentos de defeitos, tomando-se o cuidado de carrega-los na direção paralela às fibras. Os corpos de prova são ensaiados em prensas até o rompimento, sendo esta a tensão de limite de ruptura.
De uma tora são retirados 80 corpos de prova sendo 40 em estado verde e 40 secos ao ar. A série verde que está a favor da segurança fornece valores médios que serão utilizados no dimensionamento de peças estruturais. A série seca ao ar depois de corrigida para a umidade de 15% serve como resultado comparativo com outras espécies lenhosas.
O teor de umidade tem fator preponderante na qualidade da resistência da madeira. Quando verde tem resistência quase constante, aumentando a medida que vai secando. Quando seca em estufa chega à sua resistência máxima.
A massa específica também influi significativamente na capacidade de resistência á compressão, sendo que quanto maior a massa maior a resistência.
Os defeitos que possam existir em partes do lenho proporcionam uma redução na capacidade resistente, que serão levados em consideração nos cálculos de coeficiente de segurança para determinação das tensões admissíveis e são da ordem de 75%.
Elasticidade na compressão: Na compressão simples a madeira comporta-se como material elástico sob tensões de até % da tensão limite de resistência. Até este estágio as tensões são proporcionais às deformações, conforme seu módulo de elasticidade. A determinação deste módulo é normalizado pela MB 26 sendo o módulo de elasticidade calculado conforme a equação
E = p/p(kglcm2)
Compressão em peças longas - Flambagem: Na compressão em peças longas com possibilidade de flambagem os corpos de prova são de 2 x 2 x variável, retirados em diversos locais da tora, sendo os ensaios executados com prensas, devendo os corpos serem apoiados de modo a refletirem um apoio livre. A variação da altura dos corpos de prova servem para mudar o índice de esbeltez da peça, sendo
=lfl/i índice de esbeltez
i = raio de giração onde I = momento de inércia e S = área

Para cada valor do índice de esbeltez determina-se por rompimento a tensão critica de flambagem, dada por:


fl = Pcrit / 5

obtendo-se uma curva experimental com compressão simples para X < 40, flambagem  para 40 80. No trecho elástico a curva se adapta à curva de Euler descrita pela equação;


fl = 2E/2
O limite de aplicação desta fórmula é dada pela tensão no limite de proporcionalidade que pode ser adotada como igual à 2/3 da tensão limite de resistência à compressão de peças curtas.
fl =(2/3). p = 2E/20

que pode produzir a expressão:



que origina uma expressão diferenciada para a fórmula de Euler
fl =(2/3). c . (0/)2

válida para o trecho elástico da flambagem em pilares de madeira.

No trecho com flambagem inelástica não é válida a formula de Euler, sendo utilizada uma fórmula empírica adotada pela NB 11, que é expressa por

O trecho com índice de esbeltez menor do que 40 é o trecho onde não aparece flambagem, ou seja peças curtas.

Resistência à tração axial
Por ser um material fibroso este é o tipo de esforço que melhor se distribui na madeira. Praticamente não ocorre ruptura do material por tração, pois nas ligações, a diminuição das seções transversais devido à introdução dos conectores provoca com que o rompimento ocorra exatamente nestes pontos. De forma inversa do que ocorre nas peças comprimidas a tração provoca a aproximação das fibras, o que proporciona uma resistência bastante maior que a verificada à compressão, algo em torno de 2,5 vezes maior.

os corpos de prova normalmente são compridos com uma adaptação para presilhas que proporcionaram a tração.





Resistência à flexão estática
Os ensaios são realizados em corpos de prova de 2 x 2 x 30 cm em número de 80 ensaios retirados estes corpos de diversos pontos do lenho. Os ensaios são feitos em séries verdes e secas ao ar. Os corpos são carregados 110 centro até a ruptura, estando os corpos apoiados em suas extremidades. Os ensaios são feitos de modo que os corpos de prova não rompam em menos de dois minutos. São medidas a flecha e a carga de ruptura. A tensão é calculada pela expressão
(kgf7cm2)
que é uma expressão válida para corpos elásticos, homogêneos e isótropos. Como a madeira é anisótropa sendo a resistência à tração 2,5 vezes maior que a de compressão, é necessário cuidado na flexão elástica visto que estes esforços aparecem associados nesta situação. A parte superior do corpo de prova está

comprimida ao passo que a inferior está tracionada. Caso a carga ultrapasse o limite de compressão a linha neutra desloca-se para baixo. Este fator aumenta em peças de grande altura fazendo com que a peça se rompa por ruptura das fibras tracionadas com cargas elevadas de ruptura.


A vantagem da adoção do critério dos materiais isótropos e lineares da Norma Brasileira leva a resultados mais conservadores com menores valores de tensão limite, portanto a favor da segurança.

Índice de Rigidez

A tensão limite de resistência na ruptura não leva em consideração a deformação das peças com relação à flexão estática. E necessário que se determine i índice de rigidez das diversas espécies de madeira. Este índice é calculado através da relação entre o vão e a flecha no instante da ruptura.

Em ensaios com madeira seca ao ar este índice pode ser analisado da seguinte maneira
entre 40 e 50 madeira rígida

L/f entre 30 e 40 madeira pouco rígida

entre 20 e 30 madeira flexível


As madeiras pouco rígidas rompem sem grandes deformações o que pode ocasionar acidentes graves. As madeiras flexíveis não podem ser utilizadas como estruturais devido à deformação exagerada.
Resistência à compressão normal às fibras
Submetida a este tipo de esforço, logo após um pequeno estágio elástico, a madeira começa a deformar-se indefinidamente sob cargas crescentes. Esta resistência depende fundamentalmente da extensão da área de aplicação da carga, sendo maior a resistência quanto maior for a área livre de carregamento em áreas adjacentes a este carregamento.


40kg/cm2

20% de deformação

Nas figuras indicadas se o carregamento for perpendicular as fibras, num material que na primeira hipótese resista a 80 kWcm2 na terceira situação resistirá à metade, estando as deformações também indicadas nas figuras.


Resistência à tração normal às fibras
Nesta situação as fibras são afastadas provocando o rasgamento do material e sua conseqüente destruição. Esta resistência deve ser portanto ser muito analisada sendo aconselhável não se utilizar peças de madeira sob este tipo de esforço. No caso de ser necessário a utilização de estribos ou peças metálicas que impeçam esta destruição é interessante.
Coeficientes de segurança
A fixação de coeficientes de segurança ajustados a cada tipo de esforço estrutural permitem a redução das tensões admissíveis dos diversos tipos de madeira. Os fatores analisados são os seguintes:
1. Perda de resistência por defeitos, que é obtido a partir dos resultados dos ensaios das peças isentas de defeito comparados com aqueles com defeitos. A redução é de 3/4 este coeficiente.

2. Duração das cargas, que no caso das cargas permanentes devem ser mantidas abaixo de limite de proporcionalidade. Abaixo deste limite o material não sofre influencia. Os coeficientes de segurança a serem adotados são de % para a compressão simples e de 9/16 para a flexão estática.

3. Variabilidade de resultados, que podem ocorrer nos ensaios mecânicos dos corpos de prova. A dispersão dos resultados chega à ordem de 25%, isto devido a heterogeneidade da madeira. O fator de redução portanto é 3/4.

4. Possibilidade de sobrecargas que neste caso é o coeficiente de segurança, correspondendo à incerteza na previsão de cargas acidentais que possam ocorrer na estrutura. Este coeficiente é normalmente 2/3.
Sendo uma peça de pinho ensaiado em laboratório que tenha resistência à compressão de 242 kg/cm2 e de flexão de 437 kg/cm2 de tensão admissível como segue
c = 3/4 x 3/4 x 3/4 x 2/3 x 242 = 70 kf/cm2

f = 3/4x9/16x3/4x2/3 x437 = l00kg/cm2


apresentado terá valores
Preservação da madeira
A durabilidade das peças de madeira esta diretamente ligada à preservação de suas características. Diversos fatores alteram estas condições, tais como fungos, insetos que atacam o tecido lenhoso. A resistência à estes agentes depende da qualidade da madeira, localização dentro do lenho, presença de tanino, assim como de fatores externos como umidade, temperatura, arejamento, etc. Estes fatores podem ser combatidos através de produtos preservantes que irão provocar vida útil mais longa ao material.

A madeira como material orgânico é atacada por organismos vivos sobrevivendo através dela. estes ataques provocam o apodrecimento.


Os principais processos de preservação podem ser classificados em
1. processo de impregnação superficial

2. processo de impregnação por pressão reduzida

3. processo de impregnação por pressão elevada

Independentemente do processo de preservação à ser utilizado, o primeiro fator à ser adotado é a secagem do produto, sendo necessário o descascamento do tronco, a retirada da seiva, trabalho das peças como bitolagem, furação, etc.

Alem de melhorar a qualidade do material, a secagem este facilita a

impregnação dos preservantes. Alem disso a secagem em estufa possibilita a

esterilização das peças eliminando parasitas e germes que ocasionam o

apodrecimento.

A retirada da casca provoca a eliminação de um local onde os fungos e insetos localizam-se preferencialmente.

A desseivagem é uma prática muito antiga e importante no beneficiamento da madeira. Uma maneira eficiente é o transporte através do transporte em rio, onde a seiva é substituída por água, através da capilaridade e osmose. este processo facilita a posterior secagem visto que é mais fácil retirar a água que a seiva.


Processo de impregnação artificial
São processos de pinturas superficiais, ou por imersão das peças em preservantes. Este procedimento é econômico sendo recomendável somente em peças não expostas. Tanto na imersão como na pintura a impregnação dificilmente será superior à 2 ou 3mm, sendo suficiente para tratamento contra inseto e pequenas trincas e fendas.
Processo de impregnação sob pressão reduzida
Processo de impregnação por pressões naturais, conseguindo-se penetração em todo o alburno. pode ser efetuado de duas maneiras.
a) Processo de dois banhos, um quente e outro frio. Em um recipiente é colocado o impregnaste aquecido à temperatura de ebulição da água, sendo as peças introduzidas neste líquido, ali ficando por quatro horas. Após este período as peças são retiradas e colocadas imediatamente no mesmo líquido, sendo entretanto frio por um período de 30 minutos. A expulsão do ar aquecido provoca força a entrada do impregnante através da pressão atmosférica sobre o vácuo relativo. E um processo bastante efetivo recomendado para topo de postes, mourões de cerca tanto na parte enterrada como na superior.
b) Processo de substituição da seiva sendo possível somente em peças verdes sendo portanto um processo lento. As peças de madeira são imersas no imunizante havendo a troca da seiva por capilaridade e osmose. Uma peça de 15 cm de diâmetro por 3 metros de comprimento demora no verão aproximadamente 60 dias para estar imunizada.
Processo de impregnação em autoclaves
São os mais eficientes, normalmente indicado para peças que estarão sujeitas a diversos tipos de predadores. Existem dois processos clássicos:
a) De células cheias, sendo as peças carregadas em autoclaves, sob vácuo de 70 cm de mercúrio por duas horas. Com este processo é retirado o ar e a água do tecido lenhoso. Em seguida o madeira é exposto a ~ banho do preservante sob pressão de 10 atm, durante três horas, sob uma temperatura entre 90 e 1000C. Finalmente o material é submetido à vácuo de 30 cm de mercúrio, por 30 minutos, a fim de retirar o excesso de preservante.
b) de células vazias, sendo as peças submetidas a uma pressão inicial de 3 atm, a seco, por noventa minutos. Após este período é aplicado um banho à pressão de 10 atm, sob temperatura de 90 à 1000C pelo tempo de três horas. Um novo vácuo é aplicado que retira todo preservante contido no material, pela expulsão do ar sob pressão inicialmente inserido.

Os principais produtos preservantes são sempre tóxicos, fungicidas, inseticidas ou antimoluscos, diluídos em óleo ou água. Devem apresentar as seguinte características:


 alta toxidez à organismos xilófagos

 alto grau de retenção ao tecido lenhoso

 alta difusibilidade através do tecido lenhoso

 estabilidade

 incorrosivel para metais e para a própria madeira

 segurança aos operadores.


Madeira transformada
A madeira como já foi visto é um material heterogêneo e anisótropo. Os processos de transformação da madeira procuram alterar estas características tornando o material mais homogêneo.

A madeira laminada é o corte da madeira em tábuas que são coladas com colas especiais, diminuindo a ocorrência de defeitos nas peças. Á medida que as tábuas vão sendo cortada mais finas, tornando-se lâminas, estas peças podem ser coladas ortogonalmente sendo chamadas então de madeira compensada ou contraplacados.

A madeira quando destruída como resíduos de madeira cortada ou serrada, podem ser reconstituídas com resinas e colas especais, sob pressão são chamadas de aglomerados.

Finalmente as madeiras reconstituídas que são aquelas oriundas de uma fragmentação mecânica, onde o tecido é reduzida à polpa dispersa, passando depois por uma reaglomeração sob pressão, utilizando-se de resinas e colas, da origem a um material onde as fibras não tem direção principal. Este material que tem a mesma textura da madeira pode ser submetido a diversas alterações com aplicação de produtos como os plásticos de madeira, do tipo baquelite, plásticos de papel, que são papeis de alta resistência associados como os contraplacados, através de uma resina resistente, resistindo à forças de tração da ordem de 2500 kg/cm2.. As ligas lignocelulósicas supercompactadas, que são fibras reagrupadas pela lignina, densificadas por alta pressão, denominadas benatite, que é usada para estampar metais. As ligas de madeira que são o preenchimento dos espaços vazios do tecido com resinas compatíveis e constituídas de pequenas moléculas de alta penetração, como as resinas fenólicas. As qualidades da madeira ficam preservadas alem de serem acrescidas das qualidades necessárias às técnicas modernas. Este material quando aquecido se transforma em baquelite no interior da célula, formando um componente permanente chamado compreg, sendo inteiramente impermeável, com grande resistência e dureza, com densidade 1,4 kg/dm3.



Arquivo: materiais_madeira.doc Versão: 0.0 Data: 01/10/99 página:/




©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal