A valiaçÃo da compactaçÃo do solo em sistemas florestais e cana-de-açÚcar resumo



Baixar 24.13 Kb.
Encontro17.01.2018
Tamanho24.13 Kb.


A

VALIAÇÃO DA COMPACTAÇÃO DO SOLO EM SISTEMAS FLORESTAIS E CANA-DE-AÇÚCAR


Resumo


O relevante papel na conservação do solo, esta relacionado ao melhor entendimento dos processos que governam a sua funcionalidade, como os atributos físicos do solo, sendo também utilizados como indicador da qualidade ambiental. O objetivo deste trabalha foi avaliar a compactação do solo através da analise de densidade do solo e densidade relativa em dois sistemas. O trabalho foi conduzido no município de Rio Brilhante em uma área de cultivo de cana-de-açúcar e fragmento de vegetação nativa. Em cada área foram realizadas amostragens de forma aleatória em duas camadas (0,00 – 0,10 e 0,10 – 0,20 m), com cinco repetições. Foram avaliados os atributos físicos do solo, densidade do solo (Ds) e densidade relativa (Dr). Os resultados obtidos indicam que a área de cana-de-açúcar pode apresentar maior comprometimento do solo na camada de 0,10-0,20 m, quando comparado as demais áreas e camadas.

PALAVRAS-CHAVE: Qualidade do solo, Atributos físicos do solo, sistema de manejo.



Objetivo

O presente trabalho teve como objetivo avaliar a compactação do solo em sistemas florestais e cultivo de cana-de-açúcar, através de análises dos atributos físicos densidade do solo e densidade relativa.



Metodologia
  1. Local do trabalho


O trabalho foi conduzido no município de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul (21°48'S/ 44°32'W). O solo é classificado como Latossolo Vermelho Eutrófico típico, de textura argilosa (EMBRAPA, 2006). De acordo com o sistema de classificação de köppen (Cwa), o clima é caracterizado como mesotérmico úmido, verões quentes e invernos secos. As áreas de estudo estão caracterizadas por dois remanescentes de vegetação nativa, com fisionomia florística de área de transição entre Cerrado e Mata Atlântica (SISLA, 2010), que foram adotadas como áreas testemunhas identificadas como N1 e N2, e uma área de cultivo de cana-de-açúcar, identificada como CN.
  1. Procedimento


Para determinação da Densidade do solo (Ds), amostras indeformadas foram coletadas com auxílio de amostrador de Uhland e anéis de aço (Kopecky) de bordas cortantes e volume interno de (100 cm³) nas camadas 0,00-0,10 m e 0,10-0,20 m, com cinco repetições aleatórias em cada camada nas áreas avaliadas e encaminhadas ao laboratorio, o qual seguiu metodologia descrita pela EMBRAPA (1997). Para determinação da Densidade relativa (Dr), amostras deformadas foram coletadas em cada área estudada com auxilio de um enxadão da superfície até a profundidade 0,30 m e encaminhada ao laboratório, o qual seguiu a metodologia de ensaio de proctor (STOLF et al., 2011).

C. Análise Estatística

Os resultados dos atributos avaliados foram submetidos à análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste de Scott-Knott, a 5% de significância, pelo programa SISVAR (FERREIRA, 2011).
Resultados e Discussões

Observando as médias dos valores e a significância destes para densidade do solo (Ds) e densidade relativa (Dr) nota-se que ocorreram diferenças significativas entre as áreas em cada camada estudada (tabela 1).

Tabela 1. – Médias dos valores de densidade do solo (Ds) e densidade relativa (Dr) nas camadas de 0,00-0,10 m e 0,10-0,20 m nas áreas de vegetação nativa e cultivo de cana-de-açúcar.


ÁREAS

Ds

Dr

Ds

Dr

----------------(g cm-3) -----------------

0,00-0,10 m

0,10-0,20 m

N1

1,04 a1

0,74 a1

1,13 a1

0,81 a1

N2

1,12 a1

0,90 a2

1,13 a1

0,91 a2

CN

1,14 a1

0,79 a1

1,27 a2

0,88 a2

CV (%)

8.56

8,9

8.56

8,9

Médias seguidas pela mesma letra e número não diferem estatisticamente pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade CN (Cana-de-açúcar), N1 (vegetação nativa 1) e N2 (vegetação nativa 2).

Com relação à Ds, nota-se que, na camada de 0,00-0,10 m, não houve diferença estatística entre as áreas de vegetação nativa e cultivo de cana-de-açúcar (CN) (p< 0,05). Resultado semelhante foi obtido por Cavenage et al.(1999), que não observaram diferença significativa entre o solo de Cerrado e área de plantio de culturas anuais (milho) e por Portugal et al. (2008), que não encontraram diferenciação da Ds entre vegetação nativa e área de cultivo de cana- de- açúcar. Este fato pode estar relacionado ao revolvimento do solo da área cultivada, que promove maior aeração e, consequentemente, diminuição da densidade, corroborando com Bertol et al. (2000), que afirmam que o preparo convencional do solo aumenta o volume de poros, a permeabilidade e o armazenamento de ar na camada de solo preparada.

Tormena et al. (2008) afirmam que a Ds acima de 1,16 g cm-3 corresponde ao limite que compromete o sistema radicular das plantas e afeta a qualidade física do solo. Assim, ao observar os valores de Ds na camada de 0,10-0,20 m, a área de cultivo de cana-de-açúcar apresenta maior comprometimento do sistema radicular, diferindo estatisticamente das áreas de vegetação nativa.

Com relação Dr, nota-se que, na camada de 0,00-0,10 m os maiores valores foram observados em área de vegetação nativa (N2). Entretanto, podemos aferir que este valor, embora acima do considerado critico segundo Beutler et al (2005) que varia de 0,80 g cm-3 a 0,84 g cm-3, não apresenta comprometimento ao desenvolvimento radicular das plantas, pois deve ser levado em consideração o teor de matéria orgânica e outros atributos do solo. Na camada de 0,10-0,20 m, vegetação nativa 2 (N2) e cultivo de cana-de-açúcar (CN) não diferem estatisticamente.



Conclusão

Os resultados obtidos indicam que a área de cana-de-açúcar pode apresentar maior comprometimento do solo na camada de 0,10-0,20 m, quando comparado as demais áreas e camadas.


Referências Bibliográficas




  1. BERTOL, I.; SCHICK, L; MASSARIOL, J.M.; REIS, E.F.; DILLY, L. Propreiedades físicas de um Cambissolo Húmico álico afetadas pelo manejo do solo. Ci. Rural, 30: 91-95, 2000.



  1. BEUTLER, A.N.; CENTURION, J.F., ROQUE, C.G. & FERRAZ, M.V. Densidade relativa ótima de Latossolos Vermelhos para a produtividade de soja. R. Bras. Ci. Solo, 29:843-849, 2005.



  1. CAVENAGE, A.; MORAES, M.L.T.; ALVES, M.C.; CARVALHO, M.A.C. FREITAS, M.L.M.; BUZETTI, S. Alterações nas propriedades físicas de um Latossolo Vermelho-escuro sob diferentes culturas. R. Bras. Ci. Solo, 23:997-1003, 1999.



  1. EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2.ed. Rio de Janeiro, Ministério da Agricultura e do Abastecimento, 1997, 212p.



  1. EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de pesquisa de solo. Sistema Brasileiro de classificação de solo. 2. Ed. Rio de Janeiro, RJ, 2006.



  1. FERREIRA, D.F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e agrotecnologia (UFLA), 35 (6), p. 1039-1042, 2011.



  1. PORTUGAL, A.F.; COSTA, O.D.V.; COSTA, L.M.; SANTOS, B.C.M. Atributos químicos e físicos de um Cambissolo Háplico Tb distrófico sob diferentes usos na Zona da Mata Mineira. R. Bras. Ciência do Solo, 32:249-258, 2008.



  1. SISLA – Sistema Interativo de Suporte ao Licenciamento Ambiental (IMASUL), 2010. Disponível em: http://sisla.imasul.ms.gov.br/sisla/pesquisa.php Acesso: 14/06/2013



  1. STOLF, R.; THURLER, A.M.; BACCHI, O.O.S.; REICHARDT, K. Method to estimate soil macroporosity and microporosity based on sand content and bulk density. R. Bras. Ci. Solo, 35:447-459, 2011.



  1. TORMENA, C.A.; SILVA, A.P.; IMHOFF, S. DC.; DEXTER, A.R. Quantification of the soil physical quality of a tropical Oxisol using the index. Sci. Agric. 65 (1): 56-60, 2008.








Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal