Abnt/CB–02 projeto de revisão abnt nbr 15575–1 jul 2012 recomendamos a comissão autora: Aprovar com observações de forma em anexo



Baixar 66.93 Kb.
Encontro29.11.2017
Tamanho66.93 Kb.

ABNT/CB–02

PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR 15575–1

JUL 2012
RECOMENDAMOS A COMISSÃO AUTORA:
Aprovar com observações de forma em anexo

Segue abaixo nossas recomendações/observações:




1ª Observação CBIC:
APRESENTAÇÃO

2) Este Projeto de Revisão é previsto para cancelar e substituir a edição anterior (ABNT NBR 15575–1:2012), quando aprovado, sendo que nesse ínterim a referida norma continua em vigor;
Substituir por:
2) Este Projeto de Revisão é previsto para cancelar e substituir a edição anterior (ABNT NBR 15575–1:2008), quando aprovado, sendo que nesse ínterim a referida norma continua em vigor;
2.1) A exigibilidade, da edição anterior ABNT NBR 15575–1:2008, entre o período de 12 de novembro de 2010 à 12 de março de 2013, foi suspensa.
2.2) A exigibilidade deste Projeto de Revisão nos novos projetos a serem protocolados se dará 6 meses após sua publicação, prazo de carência necessário para os diversos setores se adaptem às novas mudanças do texto normativo.
Comentário: (2.1) correção e inclusão de item que esclarece período de revisão com exigibilidade suspensa e garante segurança jurídica para o período; (2.2) estabelecer o prazo máximo (que é mínimo dada a complexidade) de 6 meses para os novos projetos ter condições de adaptar às novas exigências da Norma de Desempenho, uma vez que o texto definitivo desta revisão será conhecido, dado o cronograma de análise de consultas da Comissão de Estudos, apenas em março/2013.

2ª Observação CBIC:

Introdução
...
A forma de estabelecimento do desempenho é comum e internacionalmente pensada por meio da definição de requisitos (qualitativos), critérios (quantitativos ou premissas) e métodos de avaliação, os quais sempre permitem a mensuração clara do seu atendimento.
As Normas assim elaboradas visam de um lado incentivar e balizar o desenvolvimento tecnológico e, de outro, orientar a avaliação da eficiência técnica e econômica das inovações tecnológicas.

Comentário: A despeito de terem sido levantados várias vezes à discussão na Comissão de Estudos e não tratados efetivamente, principalmente o primeiro deles, existem dois aspectos que inviabilizam temporariamente o que os trechos destacados acima preconizam, são eles:
a) Falta de uma rede de laboratórios para atender a demanda Brasil

 

b) Existência de diversos ensaios, cujos aparatos deverão ser desenvolvidos/construídos pelos Laboratórios. Esta não padronização destes aparatos poderão gerar diferenças de resultados entre laboratórios, colocando em risco a própria credibilidade da NBR 15575. Como exemplo, podemos citar os seguintes ensaios:



 

 

Referente a NBR 15575-4:

 

Anexo A: Determinação da resistência dos SVVIE às solicitações de peças suspensas - Método de ensaio: Cantoneira L (a norma traz as dimensões, mas não diz o material, peso, etc)



Anexo C: Verificação, em laboratório, da estanqueidade à água de SVVE - Método de ensaio - aparelhagem completa para medição - não há informações suficientes para construção padronizada. O ideal seria ter um projeto com dimensões e especificações de todo o aparato bem mais detalhada.

Anexo D: Verificação da permeabilidade à água de SVVIE - Método de ensaio - aparelhagem completa para medição - a norma traz a dimensão da câmera, mas não diz qual material a mesma deve ser confeccionada, não diz o volume da bureta, etc - não há informações suficientes para uma construção padronizada do aparato.

Anexo E: Verificação do comportamento de SVVE exposto à ação de calor e choque térmico - método de ensaio - não traz dimensões do painel radiante, nem detalhamento deste painel, não deixa claro qual o dispositivo para aspersão de água, que tipo de termopares e registradores de temperatura - novamente não há informações para uma construção padronizada do aparato.

Anexo G: Verificação do comportamento de SVVE sob ação de cargas horizontais distribuídas - este anexo foi baseado em uma norma NBR 5643/1983, que também não apresenta um detalhamento do aparato.

 

Referente a NBR 15575-5:

 

Anexo D: Determinação da estanqueidade à água do SC - Método de ensaio - aparelhagem completa para medição - não há informações suficientes para a construção padronizada do aparato.


Solicitamos que estes aspectos sejam seria e efetivamente tratados na Análise de Votos desta Consulta, pois estamos convencidos que a sua omissão fragilizará sobremaneira a implantação desta Norma.

3ª Observação CBIC:
3 Termos e definições
3.4 componente

unidade integrante de determinado elemento da edificação, com forma definida e destinada a atender funções específicas (por exemplo, bloco de alvenaria, telha, folha de porta)


Substituir por:
3.4 componente

unidade integrante de determinado sistema da edificação, com forma definida e destinada a atender funções específicas (por exemplo, bloco de alvenaria, telha, folha de porta)


Comentário: entendimento que um componente não faz parte de um elemento e sim de um sistema da edificação.
3.11 dia típico de verão

definido como um dia real, caracterizado pelas seguintes variáveis: temperatura do ar, umidade relativa do ar, velocidade do vento, radiação solar incidente em superfície horizontal para o dia mais quente do ano segundo a média do período dos últimos 10 anos. A Tabela A.2 apresenta os dados para algumas cidades


Substituir por:
3.11 dia típico de verão

definido como um dia real, caracterizado pelas seguintes variáveis: temperatura do ar, umidade relativa do ar, velocidade do vento, radiação solar incidente em superfície horizontal para o dia mais quente do ano segundo a média do período dos últimos 10 anos. A Tabela A.2 do Anexo A apresenta os dados para algumas cidades.


Comentário: melhoria do texto.
3.12 dia típico de inverno

definido como um dia real, caracterizado pelas seguintes variáveis: temperatura do ar, umidade relativa do ar, velocidade do vento, radiação solar incidente em superfície horizontal para o dia mais frio do ano segundo a média do período dos últimos 10 anos. A Tabela A.3 apresenta os dados para algumas cidades.


Substituir por:
3.12 dia típico de inverno

definido como um dia real, caracterizado pelas seguintes variáveis: temperatura do ar, umidade relativa do ar, velocidade do vento, radiação solar incidente em superfície horizontal para o dia mais frio do ano segundo a média do período dos últimos 10 anos. A Tabela A.3 do Anexo A apresenta os dados para algumas cidades.


Comentário: melhoria do texto.
3.13 durabilidade

capacidade da edificação ou de seus sistemas de desempenhar suas funções, ao longo do tempo e sob condições de uso e manutenção especificadas.


Substituir por:
3.13 durabilidade

capacidade da edificação ou de seus sistemas de desempenhar suas funções, ao longo do tempo e sob condições de uso e manutenção especificadas no Manual de Uso, Operação e Manutenção.


Comentário: melhoria do texto – texto mais esclarecedor.
3.17 requisitos do usuário

conjunto de necessidades do usuário da edificação habitacional a serem atendidas por este (e seus sistemas), de modo a atender às suas funções.


Substituir por:
3.17 requisitos do usuário

conjunto de necessidades do usuário da edificação habitacional, tecnicamente estabelecidas na presente norma, a serem atendidas por este (e seus sistemas), de modo a atender às suas funções.


Comentário: melhoria do texto – ‘circunscrever’ o amplo universo de necessidades do usuário dentro do propósito da Norma.
3.35 prazo de garantia certificada

período de tempo, acima do prazo de garantia legal, oferecido voluntariamente pelo fornecedor (incorporador, construtor ou fabricante) na forma de certificado ou termo de garantia ou contrato, para que o consumidor possa reclamar dos vícios (defeitos) verificados na compra de seu produto. Este prazo pode ser diferenciado para cada um dos componentes do produto a critério do fornecedor.


Substituir por:
3.35 prazo de garantia estendida

período de tempo, acima do prazo de garantia legal, oferecido voluntariamente pelo fornecedor (incorporador, construtor ou fabricante) na forma de certificado ou termo de garantia ou contrato, para que o consumidor possa reclamar dos vícios aparentes (defeitos) verificados na compra entrega de seu produto. Este prazo pode ser diferenciado para cada um dos componentes do produto a critério do fornecedor.


Comentário: melhoria do texto – o termo ‘certificada’ pode ser entendido erroneamente que o fornecedor deva certificar a extensão do prazo de garantia voluntário que ele oferece; no caso de edificações os vícios devem ser na entrega do produto e não na compra, em função do lapso de tempo entre um momento e o outro.
vida útil VU

período de tempo em que um edifício e/ou seus sistemas se prestam às atividades para as quais foram projetados e construídos considerando a periodicidade e a correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo Manual de Uso, Operação e Manutenção (a vida útil não pode ser confundida com prazo de garantia legal e certificada)


Substituir por:
vida útil VU

período de tempo em que um edifício e/ou seus sistemas se prestam às atividades para as quais foram projetados e construídos considerando a periodicidade e a correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo Manual de Uso, Operação e Manutenção (a vida útil não pode ser confundida com prazo de garantia legal e certificada estendida)


Comentário: melhoria do texto – substituição do termo ‘certificada’ por ‘estendida’, caso seja aprovada pela CE.
3.43 vida útil de projeto VUP

período estimado de tempo para o qual um sistema é projetado a fim de atender aos requisitos de desempenho estabelecidos nesta Norma, considerando o atendimento aos requisitos das normas aplicáveis, o estágio do conhecimento no momento do projeto e supondo o atendimento da periodicidade e correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo Manual de Uso, Operação e Manutenção (a VUP não pode ser confundida com tempo de vida útil, durabilidade, prazo de garantia legal e certificada)


NOTA A VUP é uma estimativa teórica de tempo que compõe o tempo de vida útil. O tempo de VU pode ou não ser confirmado em função da eficiência e registro das manutenções, de alterações no entorno da obra, fatores climáticos, etc.
Substituir por:
3.43 vida útil de projeto VUP

período estimado de tempo para o qual um sistema é projetado a fim de atender aos requisitos de desempenho estabelecidos nesta Norma, considerando o atendimento aos requisitos das normas aplicáveis, o estágio do conhecimento no momento do projeto e supondo o atendimento da periodicidade e correta execução dos processos de manutenção especificados no respectivo Manual de Uso, Operação e Manutenção (a VUP não pode ser confundida com tempo de vida útil, durabilidade, prazo de garantia certificada estendida)


NOTA A VUP é uma estimativa teórica de tempo que compõe o tempo de vida útil. O tempo de VU pode ou não ser confirmado atingido em função da eficiência e registro das manutenções, de alterações no entorno da obra, fatores climáticos, etc.
Comentário: melhoria do texto – substituição do termo ‘certificada’ por ‘estendida’, caso seja aprovada pela CE; o tempo de VU não é uma estimativa teórica para ser ‘confirmado’, como no caso da VUP.

4ª Observação CBIC:
5 Incumbências dos intervenientes

5.2 Fornecedor de insumo, material, componente e/ou sistema

Cabe ao fornecedor de sistemas caracterizar o desempenho de acordo com esta Norma.

Convém que fabricantes de produtos, que sem Normas Brasileiras específicas ou que não tenham seus produtos com o desempenho caracterizado, forneçam resultados comprobatórios do desempenho de seus produtos com base nesta Norma ou em Normas específicas internacionais ou estrangeiras.

Substituir por:

5 Incumbências dos intervenientes

5.2 Fornecedor de insumo, material, componente e/ou sistema

Cabe ao fornecedor de insumo, material, componente /ou sistemas caracterizar tecnicamente o desempenho de acordo com esta Norma.

Convém que fabricantes de produtos, que sem Normas Brasileiras específicas ou que não tenham seus produtos com o desempenho caracterizado, forneçam resultados comprobatórios do desempenho de seus produtos com base nesta Norma ou em Normas específicas internacionais ou estrangeiras.

Comentário: convencimento de que apenas os dados de desempenho dos sistemas serão insuficientes para projetar habitações voltadas para o desempenho e, por conseguinte, construir também. Toda a cadeia produtiva dever ser ‘convocada’ a atender a norma de desempenho, caso contrário sua implantação e atendimento serão fortemente prejudicados.

5.5 Usuário

Ao usuário ou seu preposto cabe realizar a manutenção, de acordo com o estabelecido na ABNT NBR 5674 e o Manual de Uso, Operação e Manutenção, ou documento similar (ver 3.26).

O usuário não pode efetuar modificações que piorem o desempenho original entregue pela construtora.
Substituir por:
5.5 Usuário

Ao usuário ou seu preposto cabe realizar a manutenção, de acordo com o estabelecido na ABNT NBR 5674 e o Manual de Uso, Operação e Manutenção, ou documento similar (ver 3.26).

A construtora não poderá ser responsabilizada pelas modificações realizadas pelo O usuário que possam alterar não pode efetuar modificações que piorem o desempenho original entregue pela construtora.

Comentário: melhoria do texto – deixar mais claro e aumentar segurança jurídica.


5ª Observação CBIC:
6 Avaliação de desempenho
6.1 Generalidades

6.1.2.1 Recomenda-se que os resultados desta investigação sistemática, que orientaram a realização do projeto, sejam registrados por meio de documentação fotográfica, memorial de cálculo, observações instrumentadas, catálogos técnicos dos produtos, registro de eventuais planos de expansão de serviços públicos ou outras formas conforme conveniência.
Substituir por:
6.1.2.1 Recomenda-se que os resultados desta investigação sistemática, que orientaram a realização do projeto, sejam registrados documentados por meio de registro de imagens documentação fotográfica, memorial de cálculo, observações instrumentadas, catálogos técnicos dos produtos, registro de eventuais planos de expansão de serviços públicos ou outras formas conforme conveniência.
Comentário: melhoria do texto – deixar mais claro que não se trata de registrar (cartório?!) a documentação de investigação.

6ª Observação CBIC:
6 Avaliação de desempenho
6.7 Documento com os resultados da avaliação do sistema

6.7.1 O relatório resultante da avaliação de desempenho deve reunir informações que caracterizem o edifício habitacional ou sistema analisado.
Substituir por:
6.7.1 O relatório resultante da avaliação de desempenho deve reunir informações que caracterizem o edifício edificação habitacional ou sistema analisado.
Comentário: melhoria do texto – adequação ao novo nome da Norma que traz o termo ‘edificação’.

7ª Observação CBIC:
8 Segurança contra incêndio
8.1 Generalidades

Os requisitos desta Norma relativos à segurança contra incêndio são pautados em:

 proteger a vida dos ocupantes das edificações e áreas de risco, em caso de incêndio;

...


garantir condições razoáveis para o emprego de socorro público, onde se permita o acesso operacional de viaturas, equipamentos e seus recursos humanos, com tempo hábil para exercer as atividades de salvamento (pessoas retidas) e combate a incêndio (rescaldo e extinção);

Substituir por:
8 Segurança contra incêndio
8.1 Generalidades

Os requisitos desta Norma relativos à segurança contra incêndio são pautados em:

 proteger a vida dos ocupantes das edificações e áreas de risco, em caso de incêndio;

...


garantir condições razoáveis para o emprego de socorro público, onde se permita o acesso operacional de viaturas, equipamentos e seus recursos humanos, com tempo hábil para exercer as atividades de salvamento (pessoas retidas) e combate a incêndio (rescaldo e extinção);


Comentário: melhoria do texto – exclusão dos termos ‘áreas de risco’ e ‘razoáveis’ pois a primeira não foi especificada e pode favorecer a interpretação com abrangência desconhecida, e a segunda é subjetiva.

8ª Observação CBIC:

8 Segurança contra incêndio

8.2.1.2 Proteção contra risco de ignição nas instalações elétricas

As instalações elétricas das edificações habitacionais devem ser projetadas de acordo com a ABNT NBR 5410 e Normas Brasileiras aplicáveis.

NOTA Especial atenção deve ser dada para evitar o risco de ignição dos materiais em função de curto-circuitos e sobretensões.


Substituir por:
8.2.1.2 Proteção contra risco de ignição nas instalações elétricas

As instalações elétricas das edificações habitacionais devem ser projetadas de acordo com a ABNT NBR 5410 e Normas Brasileiras aplicáveis.

NOTA Especial atenção deve ser dada para Recomenda-se evitar o risco de ignição dos materiais em função de curto-circuitos e sobretensões.

Comentário: melhoria do texto – exclusão do termo ‘especial atenção..’, pois subjetivo e o termo ‘recomenda-se’ ser mais apropriada na linguagem da normalização.

9ª Observação CBIC:
8 Segurança contra incêndio

8.5.1.3 Assegurar estanqueidade e isolamento

Os sistemas ou elementos de compartimentação que integram os edifícios habitacionais devem atender à ABNT NBR 14432 para minimizar a propagação do incêndio, assegurando estanqueidade e isolamento.



Substituir por:
8.5.1.3 Assegurar estanqueidade e isolamento

Os sistemas ou elementos de compartimentação que integram os edifícios edificações habitacionais devem atender à ABNT NBR 14432 para minimizar a propagação do incêndio, assegurando estanqueidade e isolamento.



Comentário: melhoria do texto – adequação ao novo nome da Norma que traz o termo ‘edificação’.

10ª Observação CBIC:

9 Segurança no uso e na operação

9.2.3 Premissas de projeto

Devem ser previstas no projeto e na execução formas de minimizar, durante o uso da edificação, o risco de:

a) queda de pessoas em altura: telhados, áticos, lajes de cobertura e quaisquer partes elevadas da construção;

b) acessos não controlados aos riscos de quedas;



Substituir por:
9.2.3 Premissas de projeto

Devem ser previstas no projeto e na execução formas de minimizar, durante o uso da edificação, o risco de:

a) queda de pessoas em altura: telhados, áticos, lajes de cobertura e quaisquer partes elevadas da construção;

b) acessos não controlados aos locais com riscos de quedas;



Comentário: melhoria do texto – maior clareza.

11ª Observação CBIC:

11 Desempenho térmico

11.5 Edificações em fase de projeto

11.5.2 A unidade habitacional que não atender aos critérios estabelecidos para verão deve ser simulada novamente considerando-se as seguintes alterações:

ventilação: configuração da taxa de ventilação de cinco renovações do volume de ar do ambiente por hora (5,0 Ren/h) e janelas sem sombreamento;

sombreamento: inserção de proteção solar externa ou interna da esquadria externa com dispositivo capaz de cortar no mínimo 50 % da radiação solar direta que entraria pela janela, com taxa de uma renovação do volume de ar do ambiente por hora (1,0 ren/h);

Substituir por:

11.5.2 A unidade habitacional que não atender aos critérios estabelecidos para verão deve ser simulada novamente considerando-se as seguintes alterações:

ventilação: configuração da taxa de ventilação de cinco renovações do volume de ar do ambiente por hora (5,0 Ren/h) e janelas sem sombreamento;

sombreamento: deve ser garantido pela existência de dispositivos inserção de proteção solar externa (brise, toldo, outros) a ser incorporado à construção, ou na sua inexistência por dispositivos internos instalados pelo usuário, conforme recomendação no Manual de Uso, Operação e Manutenção ou interna da esquadria externa com dispositivo capaz de cortar no mínimo 50 % da radiação solar direta que entraria pela janela, com taxa de uma renovação do volume de ar do ambiente por hora (1,0 ren/h);

Comentário: melhoria do texto – eliminar a interpretação de que as construtoras deverão ser responsáveis pela inserção de dispositivos interno de sombreamento, como persianas.

12ª Observação CBIC:

14 Durabilidade e manutenibilidade

14.2.2 Método de avaliação

...


Os valores de Vida Útil de Projeto também podem ser comprovados por verificações de atendimento das Normas Brasileiras requeridas na data do projeto, bem como constatações em obra do atendimento integral do projeto pela construtora.

Substituir por:

14.2.2 Método de avaliação

...


Os valores Os prazos de Vida Útil de Projeto também podem ser comprovados por verificações de atendimento das Normas Brasileiras requeridas na data do projeto, bem como constatações em obra do atendimento integral do projeto pela construtora.

Comentário: melhoria do texto – maior clareza sobre os quais são os ‘valores’ de VUP, além do fato de todo o texto que antecede este parágrafo também usar o termo ‘prazo’.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal