Andando no Espírito :: Adorar



Baixar 1.04 Mb.
Página4/20
Encontro05.12.2017
Tamanho1.04 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   20

Judson Oliveira

www juda.com.br

A responsabilidade é sua!

Avivamento já! Este é o clamor contido no coração do verdadeiro adorador. Um regresso à santidade por meio do arrependimento sincero, verdadeiro e modificador.

Precisamos de uma consciência convertida, levando-nos desesperadamente de volta ao primeiro amor, onde tudo era extremamente simples e fácil. O nosso amor era radical e de caráter inteiriço. Fazíamos tudo e qualquer coisa por Ele, a qualquer hora e sem o menor constrangimento.

Éramos fiéis seguidores e amantes devotos. Naquela época, vivíamos a plenitude de Mt. 11: 30, não é verdade? Precisamos voltar a esta “praça dos namorados” onde O encontramos pela primeira vez e nos apaixonarmos por Ele, só que desta vez, por uma eternidade. Por que é que tantos caem desta altura? - Ap. 2: 4 e 5. O que pode ser mais importante do que o Amado de nossas almas? Fazemos com Ele o que muitas vezes fazemos com os nossos cônjuges.

Você se lembra do seu período de namoro? Geralmente é uma loucura. As vidas giram e consumem-se por um desejo infinito de estarem juntas. Até durante as desavenças, ainda que calados, os inseparáveis, corajosamente ficam juntos. A eternidade parece não ser o suficiente para se acolherem aos braços da pessoa que tanto amam. O maior inimigo deste período é o irredutível Sr. Relógio, e o sogro exigente e inflexível chega num próximo segundo lugar. O diabo, quando muito, fica num desesperado terceiro lugar, a não ser que atue diretamente no primeiro e segundo colocados... São tantas as desculpas e culpados, menos os “pombinhos”, é claro. São períodos de inovação, criatividade, super paciência e “muito amor”. Mas depois de alguns anos, já casados, as nuvens sobre as quais habitam e passeiam vão ficando cada vez mais ralas e acabam firmando os pés em terra seca. Embora o amor desponte ardorosamente em maneiras outrora desconhecidas e a dependência mútua acentua-se, a atenção devida e exigida, por ambas as partes, não alinha-se às necessidades vigentes do minuto a minuto. Eu sei que isto não é uma constante, contudo acontece, não é verdade? Cada vez mais, se tem menos tempo para o cônjuge e é doado mais tempo para o trabalho ou “chamado”.

Fazemos o mesmo com Jesus, só que de uma maneira pior. Vamos nos acostumando com o Seu serviço, com a Sua onipresença, o chamado sacerdotal, enfim, o cotidiano do átrio e esquecemo-nos que existe algo mais intenso e extremamente mais íntimo e glorioso, a presença manifesta de Deus no Santíssimo Lugar. Pior é já O tratarmos com descaso, sabendo-se que ainda nem celebramos o enlace matrimonial.

O que escrevo é uma realidade infeliz e visível na casa de Deus. Da próxima vez que fores a um santuário, se a glória de Deus não lhe envolver como um pai envolve a um filho amado em seus braços, observe o alto nível de atividade e desconsideração para com Deus, na casa de Deus.

A casa de Deus deveria ser um lugar de adoração e não de ativismo. Nós, membros da equipe do “Ministério Fogo e Glória”, temos visto e ficado aterrorizados com a falta de reverência e o desapreço de muitos para com o Galardoador daqueles que O buscam - Hb. 11: 6. A batalha NÃO é nossa, Ele peleja por nós, diz as Sagradas Escrituras, todavia, insistimos terminantemente em atentarmos a tudo, e a todos na hora de cultuarmos a Deus. Temos que discernir as estações. Existe hora para tudo. Não insinuo com isto que é necessário desrespeitar a todos e tudo que se move, mas uma palavra de sabedoria e orientação de vez em quando cai muito bem.

Muitas vezes invertemos os maiores mandamentos de Deus. O primeiro é amar a Deus de TODO o seu coração, de TODA a sua alma e de TODO o seu entendimento (forças), e em segundo lugar, amar a nosso próximo como a nós mesmos - Mt. 22: 37 - 39. Prezado leitor, é muito amor! Contudo, às vezes damos mais reverência, respeito, atenção, temor, e amor ao nosso próximo do que damos ao nosso Aba Pai, ou seja, Paizinho. Estas irreverências ocorrem do mais alto escalão de uma igreja - se é que existe isto na casa de Deus, e perante os Seus olhos - até o mais menosprezado. Conversa fora de hora, movimentação desnecessária, distrações inúmeras - até mesmo sobre a plataforma -, a total dependência do homem, falta de observância dos imperativos divinos, estrelismos, programações para acomodar os caprichos do homem, telefone celular..., eu disse telefone celular? Permita-me o espaço e a graça para expandir sobre este instrumento bem-vindo, porém, profanado. Perdoa-me a franqueza, mas o celular ativo na igreja é o cúmulo da insensibilidade, imaturidade e ausência de confiança em nosso Refúgio, Fortaleza e socorro bem presente. Na casa de Deus temos que estar disponíveis para Deus e não para as distrações geradas pelo inimigo de nossas almas. A linha para falarmos com Deus jamais está ocupada, e não precisamos de nenhum “novo carro” feito pelas mãos do homem para falarmos com Ele (leia I Crônicas 13 para ver a lição cara que Davi aprendeu usando os métodos humanos a despeito da motivação honrosa e correta). Agora, se isto não bastar, ligue para o operador celestial Jeremias, e peça-lhe para discar o número 33: 3. Tendo ouvido as suas palavras de sabedoria, peça para falar com João, no ramal 8: 32. Deus jamais discará o número do seu celular, embora, isto não seja impossível, só que creio que Ele prefere vir pessoalmente. A Bíblia diz que Ele - pacientemente - bate na porta do Seu coração - enquanto você... fala com o seu irmão - Ap. 3: 20. Não aplicando esta infortunada inobservância à sua pessoa, sei que você deve conhecer alguém que usa desta falta de conhecimento. Fale ou interceda por ele. A Bíblia nos diz que não podemos entristecer o Espírito, e esta distração tem sido usada para fazer justamente isto - Ef. 4: 30. Se a palavra de Deus nos adverte contra isto, temos que observar o mesmo com abundante atenção. A nossa atenção não pode descarrilar. Perdemos muito com isto; Ele também!

A visão que temos de Deus, influencia a nossa atitude e o nosso relacionamento para com Ele, afetando até mesmo a nossa maneira de O adorarmos. Pare e reflita sobre isto. A profundidade do nosso louvor e adoração (imperativos divinos) é inteiramente relativa ao conhecimento que temos de Deus, e este por sua vez, é inteiramente refletido em nossas ações e em nosso comportamento 24 horas por dia.

Conclusão

É melhor eu ir desacelerando por aqui. Você há de convir comigo que há uma carência muito grande de intimidade para com Deus por parte da noiva de Cristo. Eu sei que existem pessoas desesperadas no mundo que aguardam um deslocamento nosso nesta direção para invadirem a igreja. Atraia a Deus e Ele atrairá os homens.


Aos seus pés



David M. Quinlan

www fogoegloria.com.br
Adoradores injustiçados!

Tiago 1.2-4: “Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes”.

Tenho recebido dezenas de e-mails desesperados. São testemunhos estarrecedores, histórias simplesmente inacreditáveis acontecendo no seio da Igreja. A maioria das mensagens destes e-mails clamam por uma só coisa: justiça, a qualidade que leva os cristãos a agirem corretamente uns com os outros. Alguns adoradores estão clamando por justiça? Que justiça é esta?

Uns clamam por justiça porque seu pastor não dá liberdade na hora do louvor congregacional, outros estão magoados com o líder de ministério por causa da sua dureza ou falta de caráter, outros clamam por santidade e compromisso com Deus: “Irmão Ramon, aqui em minha igreja ninguém quer compromisso com Deus, ninguém ora, lê a Bíblia ou participa assiduamente das reuniões. O louvor não está fluindo, o baterista está saindo da igreja, o grupo de louvor está um caos!!!”. Outros desabafam: “Irmão, a minha igreja não investe em equipamento e não valoriza os membros do ministério e o pior, a filha do pastor está cantando no meu lugar. Não agüento mais o nepotismo”. Outros “injustiçados” bradam: “Em nosso grupo de louvor não há respeito, não há liderança. O meu talento e o meu chamado estão sendo prejudicados... acho que estou perdendo meu ministério. Pessoas sem talento algum (diga-se, desafinadas) estão fazendo parte da equipe. Não suporto mais a falsidade e as perseguições que ando sofrendo”. “Irmão Ramon, você poderia orar por mim porque estou sendo injustiçado?”.

Não! Com certeza não vou orar para que Deus te livre das lutas e das “injustiças” que você está sofrendo, meu irmão. É melhor que você peça a Deus forças para suportar todas as dificuldades e ainda possa perguntar: “Como eu posso crescer ao enfrentar este problema?”, “O que eu posso aprender com as coisas que eu ainda não entendo? O que eu posso aprender com o tradicionalismo do meu pastor? O que eu posso aprender com a desorganização do grupo de louvor? O que eu posso aprender com a falta de compromisso de meus companheiros? O que posso aprender com as perseguições que ando sofrendo?”. Veja bem o que diz a Bíblia:

Rm 5.3-4: “E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança”.

É interessante como a Bíblia nos leva a enxergar as lutas e provações de um outro ângulo. As Escrituras não nos levam a considerar as dificuldades um mal, mas um caminho para o crescimento espiritual, para níveis mais profundos na adoração. A murmuração e o desânimo acabam quando enxergamos as lutas como a Bíblia enxerga, tanto tentações malignas (serrote = nos leva para baixo) como provações de Deus (escada = nos leva para cima); as tribulações produzem perseverança. Desta forma, os adoradores entenderão que ao invés de clamarem por justiça, bradarão: “Senhor, dá-me forças porque quero ser provado! Quero ser experimentado! Quero crescer! Quero me tornar mais maduro!”. E as orações ignorantes cessarão: “Senhor, castiga o fariseu do meu pastor... revela a igreja que eu estou certo, que meu líder está errado, envergonha ele meu Deus, não tenhas misericórdia, por tu és o Deus da justiça”!

Atos 14.20: ”fortalecendo a alma dos discípulos, exortando-os a permanecer firmes na fé; e mostrando que, através de muitas tribulações, nos importa entrar no reino de Deus”.

Meu irmão, sei que você pode estar sofrendo terrivelmente neste momento por algo que está acontecendo na tua igreja. Isto pode estar te trazendo tristeza momentânea, mas saiba que há um lado bom nisso tudo. É isto que a Bíblia quer te mostrar! Quando você passar por isso você estará mais maduro na fé, estará mais experimentado, crescido espiritualmente, e será um adorador num nível cada vez mais profundo. Uma vez ouvi de Bob Fitts que o verdadeiro adorador é provado nas situações difíceis, nas lutas, nas provações permitidas por Deus. Por experiência vivida posso afirmar que isso é verdade. Hoje glorifico a Deus porque não sou mais uma criança espiritual. Tenho aprendido a agrada-Lo cada dia mais e a ser um adorador em níveis cada vez mais profundos... por quê? Tenho aprendido a me alegrar nas tribulações... elas vão gerar em mim esperança e fé no Senhor! Todas as dificuldades que enfrentei no ministério de música de minha igreja me fizeram muito bem... hoje posso ver claramente isso, bem como Abraão pode enxergar muitas coisas após ser provado por Deus no Monte Moriá. As lutas que enfrentamos hoje podem nos fazer adoradores melhores amanhã (Fp 3.13,14)!!!

Então aqui vai uma réplica para vocês que têm me pedido para orar por justiça: eu não vou orar por justiça! Vou orar para que Deus vos fortaleça nas tribulações... vou orar para que haja crescimento espiritual e os adoradores possam caminhar por lugares mais altos, através das provações. Como Jesus, oro: “Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal...” (João 17:15). Deus, não nos tire as provações, mas use-as para nos fazer melhores cristãos...

Um abração em Cristo Jesus


Ramon Tessmann

www vidanovamusic.com/ramon
A bênção de Deus
 

Com bênçãos Deus coroou os atos da criação. Primeiro ele abençoou o homem e o seu trabalho. Depois abençoou o sétimo dia. Homem, trabalho e dia foram abençoados. O homem o foi para poder empreender tudo o que o Criador lhe determinou que fizesse. O sétimo dia foi abençoado e santificado (separado) para ser ocasião de descanso. Abençoando-os, Deus relacionou-se intimamente com o homem, com o trabalho e com o necessário descanso, realidades que ele próprio idealizou.

         O Deus previdente abençoou o descanso, pois pensava no homem desobediente que, separado dele, não saberia associar o trabalho com o descanso, nem daria atenção aos limites que devem reger tanto um como o outro. A fonte do descanso não está, simplesmente, em um dia. Ela se encontra no Senhor que fez o tempo e quer ver o homem, coroa da criação, operante e, ao mesmo tempo, descansado. Deus não o criou para a esgotante fadiga.

         Não dando atenção ao necessário descanso em Deus, o homem torna-se cansado, oprimido, ansioso e desanimado. Jesus percebeu isso vendo as situações estafantes em que as pessoas viviam. Então, falou-lhes: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11.28). E, para que seus discípulos não continuassem afadigados com o trabalho de cada dia – “porque eles não tinham tempo nem para comer, visto serem numerosos os que íam e vinham”, convidou-os: “Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto” (Marcos 6.31).

         O conselho apostólico é: “Não andeis ansiosos de cousa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” (Filipenses 4.6,7). O Apóstolo mostra que não é preciso chegar à ansiedade. Há uma alternativa para ela - a oração. O resultado maior de estarmos na presença de Deus em oração, além da resposta que teremos ao que lhe pedimos, é que seremos inundados com a “paz de Deus”. Paz da qual Jesus disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14.27). Alegremo-nos, porque a paz que provém de Deus, a qual Jesus nos dá, é uma das expressões do fruto de Espírito – daquele que reside em nosso coração.    

         Jesus faz uma pergunta: “Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?” (Mateus 6.25). Depois, pediu que observassem as aves do céu e considerassem os lírios do campo, e vissem que neles não há nenhuma ansiedade, opressão, estafa ou distúrbios emocionais, pois descansam no Deus que os alimenta e os veste. E nós, por que nos inquietamos? Por que imitamos os gentios em suas situações de angústia, temores e preocupações, se somos filhos d’“aquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o poder que opera em nós” (Efésios 3.20) ?

         Descansar em Deus - o Senhor que abençoou o homem, o trabalho e o repouso - é a riqueza à nossa disposição para que dela usufruamos ao nos sentir sobrecarregados, ansiosos, frustrados e até mesmo depressivos. Confiemos na palavra que Deus falou através do profeta: “E será que, antes que clamem, eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei” (Isaías 65.24). Que nossa fé repouse no Abençoador que abençoou o homem, o trabalho e o descanso e quer ver-nos operosos e descansados nele. Amém.

Erasmo Ungaretti


fonte: adorar.net
BENÇÃO  E  MALDIÇÃO


“...de uma só boca procede benção e maldição.” Tg 3.10

O mundo espiritual é uma realidade onde encontra-se os seres espirituais, não podemos vê-los mas sentimos sua influência direta na vida. Muitos cristãos ainda não despertaram para este fato e vivem cegos, recebendo em si as conseqüências de sua incredulidade.


Abençoar e amaldiçoar é uma autoridade dada aos homens por Deus desde a antiguidade e vemos na Palavra a sua seriedade. As recomendações feita pelo Senhor são inúmeras quanto ao falar, pois, as palavras podem dar vida ou morte.
Mateus 12.36,37
“Digo-vos que toda palavra frívola ( fútil, leviana, volúvel, vã) que proferirem os homens , dela darão conta no dia do juízo. Porque pelas tuas palavras serás justificado, e pela tuas palavras serás condenado.”

Tiago 3.10


“... De uma só boca procede benção e maldição.”

Marcos 11.23


“ Se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar... Assim será...”

Marcos 11.14,21


“...Nunca jamais coma fruto de ti... A figueira que amaldiçoaste, secou.”

A palavra e dotada de poder para abençoar e amaldiçoar.



AMALDIÇOANDO A SI PRÓPRIO ( Sl 109.17)
Geralmente se vê esta questão de outro ângulo, sempre como sendo amaldiçoado por alguém; mas na maioria das vezes auto-amaldiçoa-se de forma involuntária e recebem na vida as conseqüência pela liberação de palavras e expressões indevidas, por exemplo:

Sou idiota; não presto para nada; meu destino é sofrer; sou azarado; nasci para o fracasso; nunca vencerei; sou danado; e muitas outras. Estas expressões quando proferidas, autorizam aos espírito demoníacos a agir fazendo acontecer o declarado. Portanto cuidado com as palavras.

A auto-estima também é abalada quando se fala do corpo, por exemplo:
Não gosto do cabelo; da boca; dos olhos; dos dentes; do nariz ; sou gordo etc. estas lamentações abre as portas para o maligno agir e a situação torna-se muito grave.

Muitos nos momentos de dificuldade ou mesmo ao divertir-se fazem pedidos terríveis. Isto é dar brecha ao diabo e ele age. Veja o exemplo judeu:


“Caia sobre nós o seu sangue, e sobre nossos filhos (Mt 27.24,25)

O resultado é visível até nos dias atuais; perseguições, mortes, exílios, guerras intermináveis, etc. Assim é a vida dos Israelitas.

A Palavra tem muito poder! (Mt 15.11 e Tg 3.6)

AMALDIÇOANDO O PRÓXIMO ( Ec 7.22)
Quanto ao próximo, deve-se ter o cuidado de não proferir palavras não edificantes, pois pode-se amaldiçoá-lo. Na Bíblia vê-se o exemplo de Noé, que amaldiçoa seu filho Canaã .
“... Maldito seja Canaã..” (Gn 9.24-27)

E assim foi amaldiçoado, poucas palavras mas o suficiente para a desgraça de alguém.


Deve-se ter um cuidado especial com palavras ou expressões que verdadeiramente desconhecemos o significado, como exemplo veja:
Danado, muito comum no Brasil, mas seu significado é condenado ao inferno. (Dicionário Aurélio)

AMALDIÇOANDO AS AUTORIDADES (Ex 22.28 e Ec 10.20)
Devido as grandes dificuldades o homem está muito propenso a descarregar nas autoridades (vereador, prefeito, dep.,governador, presidente e outras) os seus males e geralmente o faz com palavras pesadas, de maldição. Os cristãos precisam ter o cuidado de não procederem de forma pecaminosa a semelhança dos ímpios; a vontade de Deus é que sejam abençoados, que orem por eles.

Quando os governantes são amaldiçoados , as conseqüências recaem sobre seus cidadãos (Rm 12.14) .



AMALDIÇOANDO OS FILHOS ( Gn 9.24-27)
É extremamente fácil praticar o ato da maldição contras os filhos. Por serem cheios de energia e em muitos casos desobedientes, teimosos e respondões, facilmente enerva os pais, que usam palavras e expressões de maldição.

Pais, cuidado com os termos usados em relação a seus filhos, falem palavras edificantes , construtivas e positivas; assim certamente serão honrados pelo Deus vivo.


Paguem o preço pelo filho, orando; jejuando; ensinando; levando-os aos montes; vales e matas para orar.

Elias R. de  Oliveira



Benção e Maldição II

Todo homem, pois seja pronto para ouvir, tardio pra falar ... Se alguém não tropeça no falar é perfeito... Ora, a língua é fogo; é mundo de iniqüidade; a língua está situada entre os membros de nosso corpo, e contamina o corpo inteiro e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como é posta ela mesma em chamas pelo inferno... A língua, porém, nenhum dos homens é capaz de domar... Com ela bendizemos ao Senhor; também com ela amaldiçoamos os homens, feito à semelhança de Deus: de uma só boca procede benção e maldição... Seis cousas o Senhor aborrece... Língua mentirosa... Testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.”


(Veja os textos na integra: Tg 1.19; 3.1-12 e Pv 6.16-19)

O ser humano possui uma particularidade muito especial, pois além da vida física, carrega em si a uma outra vida, que o torna um ser espiritual. Esta situação o difere dos demais animais criados pelo Senhor Deus e o capacita a desenvolver uma intimidade com o espiritual, seja, com o Todo Poderoso ou por conseqüência de uma opção ou simplesmente pelo fluir da vida com o maligno. E devido a esta espiritualidade natural, ele detém em suas palavras autoridade para abençoar ou amaldiçoar; dar vida ou tirar vida.

Os servos do Senhor, homens chamados pelo Espírito Santo e lavados no Sangue do Senhor Jesus, necessitam dar uma atenção muito especial às palavras que proferem, pois, estão cheios da autoridade de Deus (Lc 10.19,20); e o mau uso da língua pode trazer sérios danos sobre sua própria vida ou de outrem. Uma vida de constante vigilância e direcionada pelo Espírito Santo é a solução para manter a nossa língua sob domínio e no temor do Senhor.

Os ensinamentos que nos são dados por Deus, em relação ao falar são muitos. Neste breve artigo, descrevo alguns. Abra teu coração e permita que o Espírito Santo ilumine teu entendimento e estejas pronto a ouvir sua voz.



a) Todo homem, seja pronto para ouvir. (Tg 1: 19)
"Se o ouvirem e o servirem, acabarão seus dias em felicidade, e os seus anos em delicias". Jó 36.11

O Senhor Deus, aconselha ao homem para que aprenda a ouvir, e valoriza os servos que na obediência aos princípios eternos, tornam-se bons ouvintes.


”... chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios tolos...” (Ec 5.1). O abrir a boca em muitos casos não é uma atitude sábia, e pode levar-nos ao erro. É preciso aprendermos ouvir, tanto o certo quanto o errado e, após uma reflexão o falar. Assim, não proferiremos palavras néscias. “...e do muito falar, palavras néscias.” (Ec 5.3) A condição de ouvinte é um conselho que encontramos em toda a Bíblia, veja algumas referencias:
”Inclinai os vossos ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá...” (Is 55.3)
”Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas...” Ap 2.17
”As palavras dos sábios, ouvidas em silêncio valem mais do que os gritos de quem governa...” Ec 9.17
“Tenho ouvido, ó Senhor...” Hc 3.2
“Agora, pois, se atentamente ouvirdes a minha voz...” (Ex 19.5)
”Povos todos, escutai isto, daí ouvidos, moradores todos da terra...” (Sl 49.1)
”Melhor é ouvir a repreensão do sábio...” (Ec 7.5) entre outros.

É notório portanto, que o Senhor deseja que os seus seguidores sejam bons ouvintes, que saibam ouvir tanto o certo quanto o errado e após, uma analise que fale na autoridade do Espírito Santo.



b) Todo homem seja, tardio para falar (Tg 1.19)

O Senhor nos ensina que devemos ser tardios no falar, ou seja, é preciso pensar antes, não sermos precipitados nas declarações ou em expor nossas conclusões. Às vezes a primeira impressão, leva-nos à conclusões que não correspondem com a realidade de uma situação. Bom e calar-se!


Veja o conselho de Salomão:
“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma... Sejam poucas as tuas palavras...” (Ec 5.2,3)
“Não consintas que a tua boca te faça culpado... Como na multidão dos sonhos há vaidade, assim também nas muitas palavras...” (Ec 5.6,7)
”O homem prudente, este se cala.” (Pv 11.12)
“Até o tolo, quando se cala, é tido por sábio” ( Pv 17.28)
”No muito falar não falta transgressão, mas o que modera seus lábio é prudente” (Pv 10.19)

  Escolhidos do Senhor, deixe que a vossa língua seja dominada pelo Espírito de Deus e saibam falar ou calar-se na hora certa. É sábio quem pede ao Senhor domínio sobre sua língua.




1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   20


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal