Andando no Espírito :: Adorar



Baixar 1.04 Mb.
Página8/20
Encontro05.12.2017
Tamanho1.04 Mb.
1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   20

1 » Querer

Jesus não obriga ninguém, é uma escolha nossa. Muitos querem ser evangélicos, mas não querem ser discípulos autênticos. Quando o discurso de Jesus pesou, muitos na multidão foram embora. Mas os discípulos permaneceram. Decida agora onde você quer estar.

2 » Negar-se

Isso nos fala de renúncia de tanta coisa em nós que não agrada a Deus. Mentira, orgulho, fama, avareza, sensualidade... muitas vezes coisas tão sutis tentam minar nossa fé em Jesus, mas é tempo de renunciar tudo por amor a Jesus. Até seu próprio querer como fez Abraão que entregou o que lhe era mais precioso. Mas abençoou as famílias das nações com aquela decisão.

3 » Tomar a cruz a cada dia

É o esgotamento do Eu. “Não mais eu, mas Cristo vive em mim.” Gl 2.20. Se tomar a cruz de Cristo, ressuscito com Ele e vivo a vida dele aqui na terra. E sou cheio do Espírito que o ressuscitou dentre os mortos. A morte, o pecado, as obras da carne já não operam em mim, mas sim o fruto do Espírito: amor, paz, alegria, longanimidade... Se isso não é visível em nós, é bom questionarmos se de fato somos discípulos. Vale a pergunta: Tenho tomado a minha cruz?

4 » Seguir Jesus

Muita gente quer o título, a posição, mas não o preço. Certa vez um homem admirando um conhecido pregador da Palavra, no seu coração desejou aquela posição. E na mesma hora o Espírito o ministrou: você não sabe o preço que ele paga por isso. Ele humildemente se alinhou ao propósito de Deus ali. Seguir Jesus tem um preço, resta saber se estamos dispostos a pagá-lo. E só cada um sabe qual é seu Isaque, quais são suas riquezas para entregar ( no caso do jovem rico), e melhor ainda Deus conhece e sonda nosso coração.

Em fim, temos uma caminhada a percorrer. E só causaremos impacto de fato em nossa terra se formos discípulos de Jesus que têm realidade de vida. Assim o mundo vai olhar e ver a própria vida de Deus em nós. Esse tem sido um clamor do nosso coração. Por mais que uma mudança cultural, mas sim no espírito de cada pessoa da nossa cidade, de nossa nação; a começar por nós a Igreja. Que o Pai nos ensine a sermos discípulos de verdade e que nossa vida reflita a sua luz, para iluminar o mundo que está em trevas. Brilhe discípulo de Jesus!!!

“Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.”  Mt 5.16

Adegemauro Faria


juventudeviva.com.br

 
A manifesta presença de Deus


“Existe um lugar em Teu coração, ó Deus, que ansiamos encontrar, um lugar onde podemos nos esconder e encontrar a Tua verdade. Ó Pai, nos mostre, e nos leve a este lugar."  Amém!

A grande necessidade da igreja hoje é a de descobrir, ver, reconhecer e viver em meio a glória inefável de Deus. Uma nova medida de intimidade com Deus é o que precisamos para que os nossos corações sejam completamente capturados e envoltos por Sua constante glória, porém, é necessário que hajam líderes, exemplos, condutores para que possam haver seguidores. Paulo não apenas ensinou o caminho mas trilhou o mesmo, conduzindo gerações e gerações de seguidores. Ele mesmo disse: “Sejam meus imitadores como eu imito a Cristo”.

O mundo não quer religião, e deseja muito menos que alguém lhe diga o que fazer ou deixar de fazer. Não devemos usar palavras persuasivas, e sim a demonstração do poder de Deus. Só o poder de Deus e a atuação constante do Espírito Santo nas vidas dos membros de uma igreja é que irá convencer o mundo de seu pecado levando-o aos pés de Jesus. Hoje em dia existem tantas denominações diferentes, divisões, vexames, erros escandalosos, heresias e amarguras em meio ao chamado “corpo de Cristo”. Há algum tempo estive na Itália e um pastor - líder de uma denominação pentecostal o qual acredita que o avivamento começará em sua igreja - virou para mim e disse: - “Eu sei que isto tudo que tem acontecido nos cultos é e provém de Deus, mas eu não aceito e não quero isto para mim e muito menos para os meus”. Incoerente, porém interessante, não? Alguma coisa está errada em algum lugar. Temos que descobrir o erro e levá-lo ao pé da cruz.

Uma pergunta importante que temos que fazer é a seguinte: “Como podemos nos diferenciar das demais seitas, religiões e credos perante os olhos do mundo? O que diferencia os nossos cultos de qualquer outra reunião social?“ É a presença manifesta de Deus! Aquele que tiver a água da vida para oferecer irá saciar os sedentos. Gostaria de dificultar a questão mas a realidade crua é que só a presença manifesta de Deus irá fazer a diferença. Como conseguir que este poder venha operar em nosso meio? Através da entronização de Deus sobre os nossos louvores e Sua habitação em nosso meio. Isto conseguimos através da verdadeira adoração, do rendimento total, da entrega pessoal e da liberdade total, e sem restrições, dada ao Espírito de Deus para que Ele seja o Senhor Supremo em nossas vidas como em nossos cultos. A nossa oração tem que ser: “Deus, seja DEUS em nosso meio! Eu quero mais de Ti e muito menos de mim!”. Não podemos dar aquilo que não temos. A presença manifesta de Deus é a marca e o sinal distinto que nos diferencia do demais credos. Uma vez que os pecadores notam isto, correm atrás da realidade que todos almejam, a qual é conhecer e servir a um Deus vivo, que transforma, que opera milagres e que ainda revela o Seu amor, a Sua alegria, a paz, o fogo e a glória a quem realmente quiser. O Espírito Santo tem uma tarefa e tanto a realizar hoje; um quanto difícil. Ele está incumbido de preparar a noiva de Cristo. Baseando-me no que tenho visto em muitos lugares ao redor do mundo, e do Brasil. Contudo, eu garanto uma coisa, a noiva, quando pronta, não será uma noiva rabugenta, triste, destituída de força e poder, adúltera, que vive uma vida de amargura apenas se agüentando da melhor maneira possível até o seu príncipe chegue. Não! Não! Não! A mesma será uma noiva vibrante, maravilhosa, deslumbrante, linda, sorridente, alegre, poderosa, V-I-V-A..., o que me faz lembrar da minha esposa, ó Papai que presente..., uau..., contudo, continuemos...

Muitos têm desejado posições sem ter caráter, poder sem ter autoridade, e a presença de Deus sem pagar o preço. Porém uma posição no reino de Deus só é possível uma vez que assumimos o caráter de Deus em nós mesmos. O poder de sermos testemunhas com manifestações de sinais e prodígios só é alcançado a medida que nós nos rendemos à autoridade do Espírito Santo (Zac. 4: 6). Só se consegue a presença de Deus uma vez que pagamos o preço de termos um coração puro e mãos limpas. Tudo que desejamos está em Deus. Como poderemos ensinar alguém o que não temos aprendido? Como poderemos guia-los onde não temos ido? O mistério do reino é, segundo a epístola de Paulo aos irmãos em Colossos, “Cristo em mim - em nós - a esperança da glória” - (Col. 1: 27). O mundo jamais notará que estivemos com Jesus se de fato não tivermos tido com Ele. Entretanto, ninguém terá de perguntá-lo: “Onde você estava?”, tendo estado com Ele, com o grande Eu sou, pois a diferença será evidente. Qual foi a diferença, notada pelos filhos de Israel, na pessoa de Moisés, uma vez que ele desceu do monte Sinai, após estar com Deus? O seu rosto brilhava. Sabemos aonde temos que ir contudo o nosso problema, infelizmente, é chegar lá! A pureza de coração não é uma situação onde fazemos ou deixamos de fazer, e sim um clamor contínuo, e um anseio melindroso, que requer uma atitude constante de querer ser agradável aos olhos de Deus! Tudo o que eu faço, digo, sou tem que expor a pureza divina que há em mim. Antes de ser proferido pelos lábios tem que gerar raízes no coração.

Deus quer que tenhamos a eternidade em nossos corações. Viver não apenas pelo hoje e sim pela eternidade evitando assim a “crise de santidade” – santo, dia sim, dia não. Tenho sentido recentemente a necessidade de compartilhar isto com os sedentos pela verdade, pois a verdade nos liberta, não é mesmo? A medida que viajo ao redor do Brasil, e do mundo, tenho visto, e sentido, que muitos não entendem a respeito desta pequena palavra intrigante, e ao mesmo tempo de potência explosiva: Adoração.

Caro leitor, estaremos usando este espaço a cada mês para esclarecer um pouco mais – segundo a capacitação do Amado de nossas almas – para esclarecer um pouco quanto a verdadeira adoração. Deus Pai está à procura de verdadeiros adoradores. E ai, vamos realizar os Seus sonhos?

Aproveite toda e qualquer oportunidade que você tiver de se perder na presença de Deus. O homem falha, Deus, nunca falha!

Aos seus pés



David M. Quinlan

Dicas ao dirigentes de louvor

É com grande alegria que observamos líderes, pastores e ministros de música tendo uma grande sede por desenvolver o seu talento na obra de Deus, que é a direção do louvor congregacional. Para a glória de Deus já encontramos farto material que tratam deste tema. Infelizmente, nem sempre foi assim. A verdade é que apenas de alguns anos para cá é que estudos tratando especificamente deste assunto vem se tornando populares. A razão disto talvez foi a falta de importância que muitas igrejas davam aos seus dirigentes ou devido à recente explosão da música cristã, pegando muitas comunidades de surpresa. De qualquer forma, deixo registrado este artigo como uma fonte de dicas que auxiliarão o amado leitor na direção do louvor congregacional.

Vamos as dicas!

Bem, o primeiro tópico que quero tratar é a questão da transmissão de segurança. O dirigente de louvor deve saber transmitir segurança aos irmãos enquanto conduz. Por esta razão devem ser evitados o nervosismo, a voz tremida, o semblante amedrontado, as falas decoradas, etc. Seja natural! Se isto for difícil a você, te aconselho a ler livros sobre o assunto (falar em público) ou começar a dirigir reuniões com menor número de pessoas, como estudos bíblicos, grupos de jovens, cultos de semana etc. É claro que muita gente exigirá tempo para perder o nervosismo, mas de qualquer maneira valerão as dicas acima.

Outro ponto a ser tratado é a questão da técnica musical. O dirigente de louvor congregacional deve ter mínimo de musicalidade para não cantar desafinado, nem descompassar os músicos e a igreja. Acho ótimo que um ministro de música saiba tocar pelo menos um instrumento. Isto melhorará em muito a sua percepção musical e o seu metrônomo "interno". É realmente difícil estar na direção do louvor sem pelo menos saber entrar na música, manter-se na afinação, cantar dentro do ritmo, etc. A solução para este problema é obviamente o estudo da teoria e prática musical, com exercícios para aperfeiçoar a voz e o ouvido.

Um tópico que não deve ser deixado de ser tratado é a preparação na Palavra. O dirigente de louvor deve saber pregar tanto na forma cantada como na falada. Se você já está envolvido nesta área a algum tempo, já deve saber que a direção do louvor exigirá um bom conhecimento bíblico. Julgo este tópico essencial, e que deve ser olhado com muito cuidado para que ninguém caia no erro de falar ou cantar doutrinas erradas. A Palavra de Deus deve ser a base para tudo.

A questão da expressão do dirigente também deve ser colocada em pauta. É bom que o dirigente de louvor resplandeça alegria, simpatia, amor, paz, etc. Muitas vezes já participei de reuniões em que o dirigente cantou com a "cara fechada", e pareceu-me que ele deveria estar irado com alguma coisa. Isto me prejudicava e também prejudicava a igreja enquanto louvávamos a Deus. Muitas vezes também já participei de reuniões onde o dirigente estava com o semblante caído, demonstrado estar abatido e cansado. Isto fazia com que muitas pessoas desanimassem também. Costumo dizer que o dirigente deve expressar o que a música está transmitindo. Se é alegria, se é paz, se é unidade, se é guerra etc., depende da ocasião e do cântico.

É necessário também que o dirigente de louvor saiba desvincular a direção do louvor das pessoas ao seu redor. Às vezes observamos pessoas dirigindo o período de louvor congregacional com medo do pastor, de outros líderes, de outros dirigentes, como se eles fossem avaliar o seu serviço. Muitos ainda pensam que o sucesso do louvor dependerá das autoridades presentes, ou do avaliar dos outros irmãos. Saiba que a direção do louvor congregacional dependerá de ti e do Senhor, e da comunhão entre ambos. Não centralize suas atenções nas pessoas. Você deve estar ciente de que o louvor é para o Senhor e só. Mesmo quando você está falando às pessoas, você está fazendo isto por Ele e para Ele.

Uma questão que também deve ser estudada é a crítica. Toda pessoa que está em frente a uma platéia está sujeita a críticas. O dirigente de louvor deve saber filtrar as críticas construtivas e aprender a consertar os erros que comete sem perceber. Como experiência própria, várias vezes já fui exortado pela minha família quando errava na direção do louvor congregacional. Muitas destas críticas foram bênção em minha vida. Erros como falar demais, falar de menos, cantar demais, expressão e semblantes caídos, volume do som, desorganização, etc., são as falhas mais comentadas. Os dirigentes devem estar preparados para ouvi-las constantemente e aprender aceitar os seus erros. Nunca se esqueça: "Nenhum dirigente de louvor é perfeito e um pouco de humildade não faz mal a ninguém"!

Um abração em Cristo Jesus




Ramon Tessmann

www vidanovamusic.com/ramon
       DONS HOJE?  LÍNGUAS
 

Os dons espirituais, são poderes ou graças que o Espírito Santo confere aos servos  de Deus para a edificação da igreja (Hb 2.4 e 1Pe 4.10). A manifestação dos dons na vida do crente é a confirmação do “Batismo do Espírito Santo”.  Os dons são objetos de predições no Antigo Testamento, em Isaias 35.4-6 (“Digam aos desanimados: “Não tenham medo; animem-se, pois o nosso Deus está aqui. Ele vem para nos salvar, ele vem para castigar os nossos inimigos.” Então os cegos verão, e os surdos ouvirão; os aleijados pularão e dançarão, e os mudos cantarão de alegria. Pois fontes brotarão no deserto, e rios correrão pelas terras secas.) e em Joel 2.28,29 (“E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões; até sobre os servos e sobre as servas derramarei o meu Espírito naqueles dias.”). Eles são de diferentes espécies (“Existem tipos diferentes de dons espirituais, mas é um só e o mesmo Espírito quem dá esses dons. Existem maneiras diferentes de servir, mas o Senhor que servimos é o mesmo. Há diferentes habilidades para realizar o trabalho, mas é o mesmo Deus quem dá a cada um a habilidade para fazê-lo.” 1Co 12.4-6). Paulo enumera alguns (“...tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: se profecia, seja segundo a proporção da fé; se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o que ensina esmere-se no fazê-lo; ou o que exorta faça-o com dedicação; o que contribui, com liberalidade; o que preside, com diligência; quem exerce misericórdia, com alegria”. Rm 12.6-8  e  “Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo o mesmo Espírito, a palavra do conhecimento; a outro, no mesmo Espírito, a fé; e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar; a outro, operações de milagres; a outro, profecia; a outro, discernimento de espíritos; a um, variedade de línguas; e a outro, capacidade para interpretá-las... Segui o amor e procurai, com zelo, os dons espirituais, mas principalmente que profetizeis.” 1Co 12.8-10; 14.1), mas, o Espírito Santo é livre e não se restringe à relação deixada pelo apóstolo; novas formas de ações surgem no decorrer da história do povo eleito.

O Senhor Jesus, possuía os dons e os usava para a edificação da multidão que O seguia (“Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós.”  Mt 12.28), este exemplo precisa ser observado pelos servos que foram agraciados, os talentos espirituais não são para a glória do homem, sim, para a edificação do Reino de Deus, através da manifestação do poder e autoridade.

A primeira referência do derramamento do Espírito sobre a igreja está em At 2.1-4 (“Quando chegou o dia de Pentecostes, todos os seguidores de Jesus estavam reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho que parecia o de um vento soprando muito forte e esse barulho encheu toda a casa onde estavam sentados. Então todos viram umas coisas parecidas com chamas, que se espalharam como línguas de fogo; e cada pessoa foi tocada por uma dessas línguas. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, de acordo com o poder que o Espírito dava a cada pessoa.”), é o Pentecostes; neste dia o dom do Espírito Santo permitiu a todos os apóstolos falarem em outras línguas (idiomas), sendo entendidos por pessoas de diferentes países

É inadmissível a rejeição do Batismo no Espírito Santo, bem como, os dons. A Palavra é clara na explanação, não deixando margens para dúvidas. Afirmar que os dons do Espírito ficaram restritos ao Pentecostes é heresia, esta tese contraria todas as cartas Paulinas, pois, foram escritas em datas posteriores ao Pentecostes. A conversão de Paulo aconteceu por volta do ano 37 dC, sete anos após a descida do Espírito Santo no Pentecostes (30 dC).

O Dom de Línguas:
Os dons são diversos e todos eles úteis à edificação da igreja. O dom de línguas é visto por algumas denominações como único sinal do “Batismo no Espírito”, (se não falas em línguas, não és batizado!) é um entendimento errôneo, sem base bíblica. O principal texto usado para comprovar esta tese é o que descreve o Pentecostes, no entanto, as línguas ali faladas não foram estranhas ou de anjos, sim, idiomas regionais. O falar em línguas em algumas vidas realmente é a confirmação do enchimento com o Espírito, mas, não é possível generalizar.

O Batismo do Espírito só é possível em vidas que cultivam a santidade (“Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus.” 2 Co 7.1). A condição de santos é impostas a todos que querem viver na presença do Senhor, estes estão habilitados a receberem os dons reservados, não especificamente línguas. As vidas que produzem os frutos da carne (Gl 5.19-21), estão em pecado, afastadas de Deus e incapacitadas de serem usadas pelo Espírito Santos, se falam em línguas, profetizam, etc. provavelmente são movidas pelo espírito de engano.

a) Línguas:  Sinal da graça de Deus (At 10.44 e 19.6)
É possível  contemplar a graça de Deus na vida do homem de diversas formas, quando vemos alguém dobrado diante do Trono louvando em línguas é maravilhoso, edifica a vida de todos e com certeza sobe como “aroma agradável” às narinas do Pai. O dom de línguas é a forma mais pura de louvor e adoração, pois, é o próprio Espírito que se apresenta diante do Eterno Rei.

b) Línguas: Não é o dom mais importante (1Co 12.4-11 e 1Co 14)
Paulo, escrevendo aos de Corinto, afirma: “Dou graças a Deus, porque falo em outras línguas mais do que todos vós.” Estas palavras testificam a profunda comunhão e intimidade com o Espírito, no entanto, ele não exaltou este dom, pelo contrário, procurou doutrinar a igreja no uso correto, afirmando que o falar em línguas é para edificação pessoal. A descrever os dons por importância, situou o de línguas entre os menores.
Não há motivos ou fundamentos para que esta realidade seja invertida em nossos dias.

c) Línguas: Não é sinal de Batismo (At 2.1-13 , 1 Co 14 e 1 Co 12.4-11)


É comum entre os pentecostais a afirmação: Só é batizado no Espírito se falar em línguas!
Não há textos na Bíblia taxativos sobre esta questão, os usados para justificar esta tese não são suficientemente claros, a principal base para esta afirmação é o relato do Pentecostes (At 2.8-11), mas, se observado mais detidamente, conclui-se que não foram línguas estranhas ou de anjos, sim, idiomas, eram homens de diversas nações que encontravam-se reunidos ali.
no meio pentecostal, igrejas que exigem como prova ou confirmação do Batismo no Espírito, o falar em línguas, esta obrigação tem produzido situações constrangedoras em muitos.
Imagine: Uma vida santa, pura e reta, porém, não agraciado com o dom de línguas, sim com outro dom.
Será sempre visto como alguém que não tem verdadeiramente o Espírito.
Outra situação: Alguém que tenha uma vida fora dos padrões de Deus.
Levado pela sagacidade, decora algumas expressões e começa a repeti-las, provavelmente será visto por todos como cheio do Espírito, porém, o que opera em tais vida com certeza é o espírito de engano. Não esqueçam jamais, o Senhor não usa vasos quebrados ou imundos! É necessário viver em santidade, para ser instrumento do Senhor.

d) Línguas: Na igreja com ordem
(1Co 14.27-33)
As tradições existentes dentro das igrejas possuem profundas raízes, forte o suficiente para contestar os ensinamentos bíblicos. Com relação ao dom de línguas, vê-se que em muitos “arraiais” as orientações do Apostolo Paulo não são observadas corretamente.  As tradições estão em primeiro lugar. Falar línguas não faz o homem santo como muitos pensam. Viver a Vontade de Deus, esta sim, faz o homem ser Santo. O uso do dom de línguas na igreja é objeto de extensa orientação, cuidadosamente descrita, exatamente para que os erros hoje comuns não prevalecessem. É preciso ler a Palavra e deixar que o Espírito de Deus a imprima no coração, como regra de fé e prática.

Infelizmente, constata-se que a zelosa palavra do Apostolo não é observada como digna de crédito e uma espécie de desordem, toma lugar no culto.


É evidente que o culto deve ser alegre, expressão de amor e gratidão ao Eterno, mas, algumas determinações deixadas pelo próprio Deus não podem ser desconsideradas.
Vivemos os últimos tempos, são dias nos quais o Espírito está sendo derramado de uma forma jamais  vista em toda a história da humanidade, mas, para tomar parte neste mover é preciso conhecer o Senhor. Santidade e pureza, são condições que habilita-nos a sermos instrumentos úteis nas mãos do Deus Vivo. Sejamos pois, santos!
O verdadeiro servo, o homem cheio do Espírito, deixa-se levar pelo mover real, procurando observar as determinações de Deus para o bom andamento da igreja.  
Eu, creio e aceito os dons sem exceções. Inclusive, a igreja à qual sou membro, e totalmente direcionada pelo Espírito de Deus que através de seus profetas (usados em profecias, visão, sonhos, etc.) determina a forma do agir. 

Elias R. de Oliveira 



Ensaios são uma bênção

Os ensaios em grupo são considerados fundamentais dentro de um ministério de música. Isto é inquestionável. Hoje em dia vejo que muita gente tem dado bastante importância a este ponto em especial, outros não têm levado o assunto tão a sério. A estes últimos deixo um alerta: é hora de mudar! As reuniões de ensaio fazem muita diferença na área musical da igreja, tanto para melhor, quanto para pior! A coisa é séria realmente.

O problema do ensaio mal conduzido ou mal aproveitado é tão sério quanto o problema de não ensaiar. Ocorrendo assim há possibilidade de várias conseqüências ruins aparecerem rapidamente:

>> cansaço físico do grupo;

>> cansaço mental do grupo;

>> futuro desentrosamento musical;

>> pouco aproveitamento e pouco aprendizado;

>> desperdício de tempo, que é muito precioso;

>> desunião, falta de comunhão, discussões, atritos;

Nosso modelo...

Pensando neste problema em particular (mau proveito), descreverei a estrutura dos ensaios do pessoal do Ministério Vida Nova de Criciúma, Santa Catarina. O modelo que estudei tem sido uma bênção para o nosso grupo devido à importância direcionada tanto à parte espiritual quanto à parte musical. Gostaria que fosse uma bênção ao seu grupo também. Por esta razão, preste atenção nos detalhes e absorva o que você achar melhor. Se necessário adapte algumas regras ao modelo de ensaio de sua equipe. Vamos em frente?

Reservado aos músicos...

Bem, os nossos ensaios são realizados sempre nos sábados à tarde. O horário entre 14.30 hs a 15:30 hs pertence somente aos instrumentistas. Nós oramos por cerca de 10 minutos e depois iniciamos a parte musical. Temos esse tempo para discutir as músicas, criar arranjos, definir tonalidades, introduções e finalizações e ensaiar.

Reservado aos cantores...

Às 15:30 hs os vocais chegam para o seu ensaio, que também será particular. Exatamente neste tempo há oração com o grupo completo. Após isto os músicos se dirigem a uma sala especial para orar enquanto os vocais ensaiam. É dada atenção especial às vozes, assim como arranjos, tonalidades, semitonações, correções etc.

Nota: você percebeu a importância de haver um tempo especial separado para os instrumentistas e para os cantores? Será muito proveitoso trabalhar os dois grupos separados, e depois juntá-los...

Ensaiando em conjunto...

Às 16:00 hs os músicos são chamados para o ensaio completo. As músicas são ensaiadas de forma geral, o grupo todo toca ou canta. Temos esse tempo para entrosar os instrumentistas e cantores, e para que eles formem uma visão comum da música ensaiada (visão global). Todos devem se familiarizar com as introduções, alterações de tonalidade, finalizações, pontos críticos etc., além de ter na memória a letra da música. Todos são levados a cantar a música e memorizar sua melodia enquanto ensaiam.

Estudando a Palavra de Deus...

Das 17:00 Hs em diante há um tempo de estudo da Palavra de Deus, naturalmente relacionado a louvor, adoração, música etc. Esta é parte do ensaio que mais amo. Nós descobrimos que podemos aprender coisas maravilhosas com os nossos companheiros de ministério. Podemos aprender muitas lições ouvindo experiências de nossos irmãos. É um tempo muito edificante...

Intercedendo...

Após a Palavra temos outro momento muito especial: a intercessão! Temos um tempo onde todos intercedem a Deus pelo ministério, pelo Pastor, pelos líderes, pela cidade, pelas almas perdidas, por santificação, por amor etc. Da mesma forma, oramos e ministramos uns com os outros, proferindo palavras de bênção e profetizando sobre a vida de cada um.

Nota: O tempo de intercessão não pode ser negligenciado num ensaio! Neste tempo os músicos e cantores se revestem, buscam unção, poder, sensibilidade, discernimento, sabedoria, humildade etc...

Conclusão

Bem, o nosso grupo consegue executar este modelo de ensaio num total de 3 horas e meia. Nestas três horas e meia temos tempo para discutir e ensaiar a parte musical, orar, estudar a Palavra de Deus e ter comunhão uns com os outros. Descobri há algum tempo que esta dinâmica é bem proveitosa, tanto musical como espiritualmente. Temos provado, não só um tempo musical, mas também um tempo de edificação. É uma bênção! Espero que você e seu grupo também possam fazer de seus ensaios uma BÊNÇÃO! Esforce-se para que isto aconteça... para a glória de Deus!

Um abração em Cristo Jesus





1   ...   4   5   6   7   8   9   10   11   ...   20


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal