Andando no Espírito :: Adorar



Baixar 1.04 Mb.
Página9/20
Encontro05.12.2017
Tamanho1.04 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   20

Ramon Tessmann

www vidanovamusic.com/ramon

 
Enfrentando tribulações


A alguns meses senti o desejo de estudar os principais problemas enfrentados por uma equipe de louvor, disponibilizando soluções e palavras de ânimo aos meus amados irmãos. Foi com esta motivação que decidi escrever este artigo, sem a pretensão de ser a palavra final no assunto. Mas por favor leia o que eu tenho a dizer a você!

Uma das coisas que o Diabo mais tem raiva é ver o nosso Senhor recebendo louvor e adoração. Realmente, ele não gosta ao ver os filhos de Deus se prostrando, cantando, batendo palmas, sorrindo, tendo unidade, erguendo as mãos, fazendo gestos e além de tudo, prestando adoração a Deus! Uma das coisas que ele pediu que Jesus fizesse foi "...se prostrado me adorares...".

É por esta razão que muitas lutas e tribulações batem a porta de uma "equipe de louvor", pois os músicos cristãos são separados para propiciar estes momentos de adoração e louvor direto a Deus, nos cultos. Os músicos são unicamente separados para dirigir o povo no período de louvor congregacional. Assim, o Diabo tenta muitas vezes fazer um caos dentro de um grupo. Ele põe empecilhos, traz desânimo, cria pequenas confusões, tudo para haja um mal relacionamento entre os membros do ministério e conseqüentemente afetar o período de louvor e adoração congregacional. Querido leitor, preste atenção nas explicações abaixo:

Alguns problemas e soluções

Pecado - Um grave problema é haver pecado oculto dentro do grupo de louvor. Seja ele mágoa, rancor, raiz de amargura, pecado não confessado, etc. Quem está nesta situação corre o risco de ser acusado pelo Diabo e estar com a consciência pesada, além de prejudicar também o restante do grupo. Solução: Tudo deve ser confessado: seja ao irmão ou seja a Deus! É importante não deixar o pecado criar raiz dentro do coração para não haver piores conseqüências. Todos devem ter humildade para reconhecer que erraram diante de Deus, e se for necessário, diante do grupo!

Corações que precisam ser transformados - Já encontrei vários músicos que reclamaram de seus companheiros de grupo dizendo: "Fulano de tal não é convertido" , "o nosso baterista só quer saber de bateria" , "o nosso guitarrista não tem coração de adorador". Solução: Primeiramente, você tem que aprender a agradecer a Deus por aqueles músicos que Ele tem te dado. Depois você tem que aprender a orar por eles, ao invés de ficar reclamando! Você sempre deve lembrar: Uns adquirem maturidade espiritual mais cedo, e outros mais tarde. Aí é que entra a paciência e o esperar em Deus...

Tradicionalismo - O tradicionalismo tem sido um grande problema para muitas equipes de louvor, assim como já foi para a nossa. Ex: em nossa igreja já tivemos preconceitos contra a instrumentos (bateria), estilos musicais, expressões de louvor (como palmas e gestos), etc. O tradicionalismo nos faz, muitas vezes, seguirmos à risca ritos e práticas nunca encontrados na Bíblia, mas que são seguidos para honrar e lembrar da tradição e não de DEUS! Solução: Nestes casos, a equipe de louvor deve esperar pacientemente no Senhor, orando e jejuando, para que Deus liberte sua igreja de todo preconceito, ritos e práticas que não são bíblicos, assim como idéias e pensamentos sem fundamento!

Falta de músicos - muitos irmãos desanimam ao ver que um músico de sua equipe saiu da igreja, se "desviou", ou largou o ministério de música. Bem, esta é a fase que eu chamo de "deserto" e é difícil de explicar em poucas palavras. Ás vezes, Deus permite que enfrentemos um deserto em nosso grupo, para que Ele veja até aonde vai nossa fé e perseverança, assim como fez com Abraão e Jó. Para sermos ungidos temos que aprender a pagar o preço. E foi exatamente isto que aconteceu com o pessoal do Ministério Vida Nova, que passou por períodos delicados, mas Deus foi fiel, e foi acrescentando, acrescentando,... Solução: Nunca desanime! Lembre-se que, muitas vezes Deus permite que nós passemos pelo deserto, assim como fez com Abraão e Isaque, Daniel na cova dos leões, O povo hebreu no deserto, Davi e Saul, e todos os outros. "Não se constrói uma equipe de louvor abençoada sem sofrimento, sem luta!".

Atrito - É comum encontrarmos por aí, músicos com o coração cheio de orgulho, soberba e inveja, não mantendo um bom relacionamento com o restante do seu grupo. Não é difícil ouvirmos: "Eu toco melhor do que você", "Era eu que deveria ter cantado hoje", "Você está apenas aprendendo", etc. Uma equipe que não vive em comunhão, não pode cantar comunhão!!! Acho importante ressaltar que a nossa língua tem poder para destruir um grupo, portanto, cuidado com as fofocas, mentiras, falatórios, etc. Solução: Trate seus irmãos como se eles fossem mais do que você. Elogie o seu companheiro de grupo, dizendo: "Você é um sacerdote de Deus", "Deus te separou para esta obra", "Você é uma bênção!", etc. Não dê brecha para o inimigo atuar na área do relacionamento dentro do seu grupo. Exorte os seus companheiros quando eles tiverem cometendo algum erro contra o próximo, e igualmente aprenda a honrá-los como filhos de Deus!

Insubmissão - Um dos erros fatais dentro de uma equipe é a insubmissão ao "líder de louvor" ou até mesmo ao Pastor, o que acaba se transformando em rebeldia. Bem, não temos muito o que comentar sobre este item, é só ler a Palavra de Deus para observarmos que Deus se agrada de coração submisso. Solução: o líder de louvor deve pedir direção a Deus para tratar da ovelha insubmissa com amor e muitas vezes com dureza! É como diz a Bíblia: "Obedeceis os vossos mestres...". Muitas vezes o músico insubmisso pode até ficar um tempo sem tocar ou cantar (em disciplina), até entender que deve obedecer uma autoridade estipulada por Deus!

Conclusão

Espero que você tenha aprendido um pouquinho mais sobre este tema. Não esqueça que Deus é fiel, e nunca desanime. Apesar de todas as lutas e problemas, trabalhar com Ministério de música é uma honra, pois estamos levando pessoas a adorarem a Deus... e isto é a sua vontade!

Um abração em Cristo Jesus




Ramon Tessmann

www vidanovamusic.com/ramon

Escolhidos do Senhor!

O Senhor fez o homem perfeito, santo, à Sua imagem, amou profundamente e proporcionou todos os meios possíveis para que a sua estadia no Éden fosse a melhor possível; no entanto, Adão e Eva não souberam retribuir o amor sublime do Criador, deixou-se corromper. O pecado entrou e destruiu a comunhão natural entre Deus e o homem. Davi afirma: “Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe.” (Sl 51:5) esta é a situação da humanidade.

Mas, o Senhor não desiste! Ele não desistiu do homem! Ele amou primeiro!

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor.” Ef 1.3,4

Nós os escolhidos do Senhor para amá-Lo e alegrá-Lo com a nossa vida, devemos depositar toda a esperança e confiança no Senhor Jesus, no qual temos os pecados purificados (“Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos”. Rm 4.7), vivemos para Ele por Ele. O Todo Poderoso afirma: “Sim, bem-aventurado é o povo cujo Deus é o SENHOR!” (Sl 144.15), você meu irmão, é um bem-aventurado!

Conhecer e servir a Deus requer de nós uma vida responsável e comprometida com a Sua obra. São obrigações que enche o nosso coração de gozo ao desempenhá-las.

As perseguições sempre existirão, afinal, estamos lutando contra um inimigo eterno, cujo desejo é ver-nos derrotados. Mesmo com a liberdade de culto, direito constitucional, ainda somos afligidos por alguns, devido a nossa fé e esperança eterna. O Senhor Jesus alertou-nos dizendo:  “Bem-aventurados sois quando os homens vos odiarem e quando vos expulsarem da sua companhia, vos injuriarem e rejeitarem o vosso nome como indigno, por causa do Filho do Homem.” (Lc 6.22). As afrontas não são motivos para deixar-nos abater, sim, motivos para glorificarmos a Deus pela oportunidade de sofrermos em Seu nome. Nos sabemos em quem temos crido!  “Aleluia! Feliz aquele que teme a Deus, o SENHOR, que tem prazer em obedecer aos seus mandamentos!” (Sl 112.1).

A força dos escolhidos está no Senhor, nEle reside todas as nossas expectativas de vida (“Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração se encontram os caminhos aplanados.” Sl 84.5); e são felizes, pois o desejo maior e satisfazer a vontade de Deus (“Felizes as pessoas que têm fome e sede de fazer a vontade de Deus, pois ele as deixará completamente satisfeitas.” Mt 6.5). Todo este mover maravilhoso desperta no coração o desejo de estarmos juntos, em união com os irmãos (“Como são felizes aqueles que tu escolhes, aqueles que trazes para viverem no teu Templo! Nós ficaremos contentes com as coisas boas da tua casa, com as bênçãos do teu santo Templo...  Felizes são os que moram na tua casa, sempre cantando louvores a ti!” Sl 65.4; 84.4). É a união promovida pelo  sangue de Cristo, ela quebra as barreiras, sejam elas sociais ou raciais, ajuntando-nos num só feixe!

Os escolhidos são homens que sabem esperar no Senhor, não se deixam tomar pelas preocupações e ansiedades desta vida (“Felizes são aqueles que põem a sua esperança nele!” Is 30.18), e mesmo quando os horizontes se mostram negros, sem esperança, sabem alegrar-se no Senhor, pois confia em Seu amparo (“Meus irmãos, sintam-se felizes quando passarem por todo tipo de aflições.” Tg 1.2). Mesmo em meio aos problemas, não pecam contra o Pai (“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam.” Tg 1.12). Vigiam e esperam no Eterno (“Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor, quando vier, os encontre vigilantes.” Lc 12.37). A perseverança contempla-nos com a vitória.

São irrepreensíveis no viver, exemplos no lar, homens dignos no desempenho de sua funções, sejam, profissionais, estudantis e sociais, que honram seus compromissos, que falam unicamente a verdade e permitem que Cristo seja visualizado em suas vidas (“Felizes são os que não podem ser acusados de nada, que vivem de acordo com a lei de Deus, o SENHOR!” Sl 119.1). Os atos demonstram um coração puro e sensível ao Espírito de Deus (“Felizes as pessoas que têm o coração puro, pois elas verão a Deus.” Mt 5.8), aptos a serem exemplo de santidade ao próximo (“Felizes são aqueles que vivem uma vida correta, aqueles que sempre fazem o que é certo!” Sl 106.3). A humildade e a bondade são testemunhadas por todos (“Felizes as pessoas humildes, pois receberão o que Deus tem prometido... Felizes as pessoas que têm misericórdia dos outros, pois Deus terá misericórdia delas.” Mt 5.5,7). E o nome do Todo Poderoso é honrado.

Estas são as qualidades que devemos cultivar em nossa vida, afinal, somos homens chamados para a santidade; frutos do grande amor de Deus que se revelou no sacrifício de Cristo Jesus, que amou primeiro!

Oh graças!

Elias R. de Oliveira


Eternamente protegidos!

O cuidado do Senhor é muito especial para com os Seus escolhidos, é um amor tão profundo que jamais será compreendido pela finita mente humana. Mas, em breve, quando estivermos na glória gozando das eternas delícias preparadas com tanto zelo para os fiéis, haveremos de compreender e seremos eternamente agradecidos. É o amor que permanece inabalável, mesmo quando loucamente nos rebelamos contra Ele (“Se somos infiéis, ele permanece fiel.” 2Tm 2:13). E este zelo indescritível do Pai se estende por toda a nossa vida.



”Sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo.” (1Pe 1.5) A afirmação é que somos guardados pelo poder de Deus, ou seja, não há nada maior neste mundo. A proteção que gozamos é imensurável, no entanto, está condicionada a nossa fé. Para que possamos gozar dos cuidados de Deus é imprescindível que o nosso coração esteja plenamente ancorado no Pai, cheio da genuína fé que leva-nos a viver em santidade e produzindo os frutos do Espírito. Deus é fiel e cumpre o que nos é prometido (“Que Deus, que nos dá a paz, faça com que vocês sejam completamente dedicados a ele. E que ele conserve o espírito, a alma e o corpo de vocês livres de toda mancha, para o dia em que vier o nosso Senhor Jesus Cristo.  Aquele que os chama é fiel e fará isso.” 1Ts 5.23,24; “Todavia, o Senhor é fiel; ele vos confirmará e guardará do Maligno” 2Ts 3:3).

É impossível ao servo viver sem a proteção contínua de Deus, a nossa vida é totalmente dependente dos cuidados celestiais (“Se o SENHOR não proteger a cidade, não adianta nada os guardas ficarem vigiando.” Sl 127.1), nEle devemos esperar e confiar, pois no tempo oportuno o socorro vem (“Deus é o nosso refúgio e a nossa força, socorro que não falta em tempos de aflição.” Sl 46.1). Mesmo que aparentemente demore, não falhará jamais (“Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos atemorizeis diante deles, porque o SENHOR, vosso Deus, é quem vai convosco; não vos deixará, nem vos desamparará.” Dt 31.6). A nossa esperança precisa está depositada no Senhor, que zela por nós!

A proteção do Senhor aos santos, e manifesta em diversos aspectos. Por exemplo:
1- Preservando-nos. “O SENHOR guarda a todos os que o amam.” Sl 145.20
2- Fortalecendo-nos. “Mas o Senhor me assistiu e me revestiu de forças.” 2Tm 4.17
3- Sustentando-nos. “...mas os justos, o SENHOR os sustém.” Sl 37.17
4- Guardando-nos do mal. “Mas o Senhor Jesus é fiel. Ele lhes dará forças e os livrará do Maligno.” 2Ts 3.3
5- Impedindo-nos de cair. “Deus pode evitar que vocês caiam e pode apresentá-los sem defeito e cheios de alegria na sua gloriosa presença.” Jd 24
6- Conduzindo-nos. “Eis que eu envio um Anjo adiante de ti, para que te guarde pelo caminho e te leve ao lugar que tenho preparado.” Ex 23.20
7- Guardando-nos das tentações. “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” 1Co 10.13
8- Amparando-nos nas perseguições. “17  De todos sereis odiados por causa do meu nome. Contudo, não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça.” Lc 21.17,18
9- Nos momentos de calamidades. “Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia, pois em ti procuro segurança! Na sombra das tuas asas eu encontro proteção até que passe o perigo.” Sl 57.1
10- Nos perigos. “Deus livrará você de perigos escondidos e de doenças mortais.” Sl 91.3
11- Enquanto dormimos. “Quando me deito, durmo em paz, pois só tu, ó SENHOR, me fazes viver em segurança.” Sl 4.8

Somos o povo separado do Senhor e devemos como tal reconhecer a grande misericórdia de Deus, possuirmos um coração grato e cheio de amor; e a exemplo de Davi, exclamar:

O SENHOR é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador. O meu Deus é uma rocha em que me escondo. Ele me protege como um escudo; ele é o meu abrigo, e com ele estou seguro.” Sl 18.2  

Irmãos queridos, esta mensagem nos apresenta o grande amor protetor de Deus, agora cientes que somos guardados, resta-nos apenas declarar com todo o nosso coração, para que todos ouçam e glorifique ao Rei:

Mas os que buscam abrigo em ti ficarão contentes e sempre cantarão de alegria porque tu os defendes. Os que te amam encontram a felicidade em ti.” Sl 5.11

Elias R. de Oliveira



Eu te quero, meu Deus!

Jeremias 29:11-13 são um dos meus textos bíblicos favoritos. “Eu é que sei que pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz e não de mal, PARA VOS DAR O FIM QUE DESEJAIS. Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. 13 buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração”.

Posso te fazer uma pergunta bem direta? Qual o fim que você deseja para você mesmo (a)?

O texto bíblico afirma que o Senhor Deus JEOVÁ é que sabe os pensamentos que ele tem a seu respeito, que são pensamentos de paz e não de mal para te dar o fim que você deseja e eu então repito a pergunta: qual o fim que você deseja para si mesmo? O seu futuro será circunstancial ou será um destino traçado pelo próprio Deus?

As Escrituras afirmam em Isaías 64:4 que o nosso Deus trabalha para aqueles que nele esperam, mas, precisamos esperar por algo em Deus e de Deus.

“Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu Deus além de ti, que trabalha para aquele que nele espera”.

Ou seja, Deus precisa de uma expectativa fluindo do nosso interior para aplicar sobre ela ou até mesmo contra ela o destino que ele planejou para cada um de nós.

Ao fazer referência a Isaías 64 em 1 Coríntios 2:9,10, o apóstolo Paulo nos diz pelo Espírito que essas coisas nos são reveladas pelo Espírito Santo que nos foi dado no dia em que aceitamos a Jesus como nosso Senhor e Salvador. Em Isaías 64:4 diz que o nosso Deus trabalha para aqueles que nele esperam e em 1 Coríntios o texto bíblico afirma que

“Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam. Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito...”.

Como podemos perceber, essas coisas maravilhas não estão disponíveis para todos, mas, somente para aqueles que esperam em Deus, para aqueles que amam a Deus.

Sempre que o nosso Senhor Jesus era abordado por alguém necessitado ele fazia com que tal pessoa declarasse a sua necessidade perguntando: que queres que eu te faça... Nos dando a entender que esse é um princípio que deve ser praticado por alguém que deseja algo de Deus. E você, que queres que o Senhor faça por você? Fale em voz alta agora mesmo enquanto você lê as minhas palavras, fale para o que o Espírito Santo que está aí onde você está possa interceder por você diante de Deus até mesmo com gemidos inexprimíveis se preciso for. Fale, e a sua vida nunca mais será a mesma.

Em Mateus 6:33 o nosso Senhor diz: busque o reino de Deus em primeiro lugar e a sua justiça que todas as outras coisas te será acrescentada... O reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo segundo está afirmado na carta aos Romanos 14:17. Se buscares a justiça, o próprio Espírito Santo nos afirma pela boca dos profetas que o fruto da justiça é a paz e o fruto da paz é a alegria.

Isaías 32:17 “O efeito da justiça será paz, e o fruto da justiça, repouso e segurança, para sempre”.

Salmo 126:1-3 “Quando o SENHOR restaurou a sorte de Sião, ficamos como quem sonha. Então, a nossa boca se encheu de riso, e a nossa língua, de júbilo; então, entre as nações se dizia: Grandes coisas o SENHOR tem feito por eles. Com efeito, grandes coisas fez o SENHOR por nós; por isso, estamos alegres”.

Quando buscamos o reino de Deus em primeiro lugar todas as coisas tais como comida, bebidas, vestes, moradia – necessidades básicas, tudo isso nos será acrescentado. Mas, meus amados leitores, nós ainda podemos ir além. Se além de buscar o reino de Deus nós nos dispormos a buscar o Deus do reino, o Salmo 37:4 diz:

“agrada-te do Senhor e ele satisfará aos desejos do teu coração”.

Isso é muito mais que ter as necessidades supridas. Quando buscamos o Rei do reino, somente porque Ele é lindo, por que Ele é Santo, sim Ele nos dará muito mais do que necessitamos, ele nos dará o que o nosso coração deseja ainda que não tenhamos necessidade daquilo desejamos.

E aqui começamos a alinhar o fim que desejamos com o destino de Deus para nós. Nós podemos escolher as coisas relativas à nossa vida, nós podemos até mesmo escolher se vamos servir fielmente ao Senhor ou não, mas nós não podemos escolher o propósito para o qual fomos criados. O fato é que nós não fomos criados para um propósito, e sim por causa de um propósito. E segundo o livro de Atos17:27 nós fomos criados para buscarmos a Deus. Esse é o nosso destino, buscar a Deus. Quando entendemos isso e fazemos isso alinhamos a nossa vontade com a vontade de Deus e isso libera o mundo espiritual e conseqüentemente o mundo material.

Em Apocalipse 4:11 está escrito: “Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas”.

Entenda, caros leitores, que tudo que existe, existe por causa da vontade de Deus, inclusive eu e você. Antes de sermos criados nós fomos desejados por Deus. Você existe porque Deus quis você para ser totalmente dele. Ele te desejou e te criou para Ele. Você é a coisa mais preciosa de toda a criação de Deus.

Porém, Ele nos deu liberdade de escolha e, por causa dessa liberdade, Adão e Eva decidiram viver longe da presença do Eterno, mas, quando nos arrependemos dessa decisão de Adão e ansiamos e declaramos: Papai, eu te quero, eu quero estar em Tua doce presença, o seu braço forte está estendido para nós e a sua mão poderosa nos toca e nos transporta de uma situação para outra: da separação eterna de Deus para a comunhão eterna com Deus. Da humilhação para um lugar de glória. Da posição de criatura para a posição de filho e filha de Deus. Do império de Satanás para o Reino do Filho do amor de Deus. Da escassez para o suprimento, do suprimento para a abundância, da abundancia para a superabundância. Aleluia.

O braço forte do Senhor é o Senhor Jesus Cristo e a mão poderosa de Deus é o Espírito Santo. O seu braço foi estendido para sempre e a Sua mão te acaricia agora mesmo enquanto você lê essas simples linhas. Renda-se a Ele e sinta o Seu poder transformador sobre você agora mesmo. A sua vida jamais será a mesma. Alinha a seu desejo com o desejo de Deus e ocupe a sua santa posição em Sua presença agora mesmo. È na presença de Deus que todas as coisas são superabundantes. Há um lugar na presença dele que está reservado desde os tempos eternos para você. E, através do sacrifício na Cruz, o nosso Senhor Jesus Cristo te garantiu o direito legal de ocupar esse lugar na presença de Deus.

E agora, o que você está desejando? O Senhor te dará o fim que desejas...

Até a próxima



Antônio Cirilo
www santageracao.com.br

A maior expressão de adoração

Nas expressões de adoração que utilizamos em nossos cultos coletivos para, como igreja, exaltarmos ao nosso Deus, encontramos a possível exteriorização dos nossos sentimentos para com a pessoa de Deus, assim como do nosso entendimento de quem Ele realmente é.
 

Quando introduzo a palavra `possível`, é porque pode-se praticar uma expressão de adoração a Deus quando o sentimento real do coração não é este. Aliás, isso foi muito combatido pelo Senhor Jesus em relação aos escribas e fariseus, chamando-os de hipócritas. Pode-se também praticar qualquer das expressões sem o entendimento devido do seu significado, a exemplo daqueles que sofrem do efeito ‘macaco-papagaio', ou seja, gesticulam meramente imitando e falam meramente repetindo.

 

Na passagem mais preciosa do novo testamento sobre adoração, Jesus nos ensina o resumo dos elementos que devem estar presentes na nossa adoração cotidiana: “em espírito e em verdade”. Tentando traduzir melhor, sentimento e entendimento. É interessante notar também que tal ensino não acontece na sinagoga e sim à beira de um poço, e que, quem está por lá não são os “do clero” e sim uma mulher da escória da sociedade da época, trazendo-nos a idéia de que o ensino do capítulo 4 do evangelho de João tem a ver com algo que é para o dia-a-dia, o cotidiano das pessoas comuns, inclusive o clero.



 

 E é essa adoração em tudo o que fazemos, seja comer, beber ou qualquer outro fazer que irá inspirar e motivar a nossa adoração coletiva, fruto de um conjunto de experiências pessoais vividas com o Senhor Jesus e de um conhecimento cada vez mais racional de quem Ele é. Tudo isso deve estar fazendo parte não de um equilíbrio, que para acontecer exige a retirada de partes, mas de uma temperança, que aglutina todos os temperos em uma só panela.

 

Muitas das expressões de adoração estão mencionadas na Bíblia, tais como, o cantar, o acompanhamento de instrumentos musicais, o erguer das mãos, gritos de júbilo, o ofertar, o aplaudir, a oração, o prostrar-se, o dançar. Isso não significa que todas tenham de acontecer em um mesmo momento. Também não significa que a exemplo de uma receita de bolo onde a falta de um ingrediente afeta o resultado final, algumas das expressões não possam deixar de ser utilizadas no culto.



 

Há também a questão cultural, que varia no tempo e no espaço. No nosso próprio contexto de Brasil há muito pouco tempo a dança, assim como alguns instrumentos musicais não eram aceitos nos momentos de culto e hoje o são, porém, ainda há os casos de comunidades possuírem um contexto cultural diferenciado, o que deve ser respeitado.

 

Há aquelas expressões de adoração que apesar de não mencionadas na Bíblia, são aceitas em determinados contextos como possível exteriorização de um sentimento genuíno. É o caso, por exemplo, do assovio, utilizado normalmente juntamente com aplausos em momentos de euforia na celebração. É claro que qualquer das expressões de adoração, dentre as mencionadas na Bíblia ou não, têm que ser exercitadas com ordem e decência. Mas os nossos conceitos sobre ordem e decência também podem divergir, e aí? Tudo isso pode gerar muita confusão e divisão se não encararmos como pertinente às nossas culturas, que, repito, variam no tempo e no espaço, seja de país para país, ou de comunidade para comunidade.



 

Mas será que assovios podem ser considerados como expressões de adoração e aceitos em nossos cultos? Será que pulos ao ritmo das músicas o são? É certo que cada um de nós possui uma história singular, equações de características temperamentais diversas, preferências e reações as mais variadas, inclusive em relação ao momento de vida.

 

Glória a Deus por isso! É como uma torcida de futebol, todos torcem pelo mesmo time, mas reagem de formas diferenciadas ao externar a sua alegria no momento do gol. O nosso Criador, além de extremamente criativo, é aquele que conhece os corações, os sentimentos e as motivações.



 

Creio que tais questões fazem parte daquelas discutíveis entre os cristãos e mencionadas pelo apóstolo Paulo em Romanos 14, na época se comer carne sacrificada a ídolos ou não, se deviam guardar dias especiais para adorar a Deus ou não, hoje, se devemos expressar adoração de tal forma ou não, dentre tantas outras discussões. Há bem pouco tempo discutíamos sobre o uso da bateria nos ‘templos', ou de aplausos em certas reuniões, ou sobre o reconhecimento da dança como expressão de adoração. E talvez tais discussões ainda estejam bem presentes no nosso meio.

 

O fato é que continuamos discutindo e, possivelmente, em nome de uma autêntica expressão de adoração, deixando de adorar a Deus com a maior das expressões que pode existir, o amor. Quantas vezes ao longo da história as discussões tornaram-se mais importantes do que os seus próprios debatedores, gerando pontos de vista firmados, porém relacionamentos quebrados.



 

Pensar em expressar adoração a Deus não pode apenas envolver uma verticalidade egoísta e sim o acréscimo de um sentido horizontal na direção do irmão. Paulo inicia o capítulo 14 de Romanos orientando-nos a acolher o irmão, mesmo não tendo ele a nossa opinião, e conclui o assunto no capítulo 15 dizendo: “Portanto, aceitem uns aos outros para a glória de Deus, assim como Cristo aceitou vocês...”

 

Se continuarmos o texto veremos que o objetivo final era, a exemplo de Cristo, que se tornou servo dos judeus, “para fazer com que os não judeus louvassem a Deus pela sua bondade”, que partamos em direção do nosso irmão que pensa igual ou diferente seja qual for a temática, inclusive a forma de louvar, com o intuito de que a grandeza de Deus seja vista, ou seja, para a glória de Deus.



 

Quando vislumbramos a grandeza de Deus não há como não adorá-Lo. Assim acontece quando contemplamos os céus, que sem palavras exibe Sua grandeza. Assim pode acontecer conosco se, além de expressarmos louvor a Deus talvez cantando, tocando, erguendo as mãos, gritando, ofertando, aplaudindo, orando, prostrando, dançando, ou mesmo pulando ou assoviando, simplesmente amarmos. Celso, filósofo romano anticristão do segundo século, teve de admitir relutantemente: “Veja como se amam esses cristãos”.

 

Além de um testemunho para os que não conhecem a Cristo, amar implica numa decisão. Assim como no relacionamento entre marido e mulher podemos decidir edificar ou manipular, o mesmo acontece em relação ao nosso irmão. A Bíblia nos ensina que os dons existem para a edificação da igreja. Mas quem é a igreja, senão o nosso irmão? E servir à igreja é abençoar ao irmão, mais do que a instituições, ou mais do que a nós mesmos, fazendo com que ele cresça inclusive na fé, edificando-o.



 

Lembremo-nos que pela existência do nosso querido ou não tão querido irmão está também a nossa possibilidade de exercer de fato uma verdadeira adoração. E já que dentre todos os seres criados pelo próprio Deus para a Sua adoração, o ser humano é o único a quem foi dada a condição de fazê-lo com intencionalidade, podemos decidir, tanto eu quanto você, ter como meta expressar uma genuína adoração a Deus, decidindo amar ao nosso irmão. Como podemos amar a Deus a quem não vemos, se não amamos àquele a quem vemos? Da mesma forma, como celebrar a quem não vemos se...

 

Augusto Guedes



Fonte: seradorador.com.br


O JUSTO VIVERÁ PELA FÉ

"E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé."Gl  3.11



A fé é indispensável a todos que se doam ao Senhor, pois sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6)


1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   20


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal