Antropologia IV: estruturalismo



Baixar 15.85 Kb.
Encontro16.05.2018
Tamanho15.85 Kb.

Instituto de Ciências Humanas

Departamento de Ciências Sociais

ANTROPOLOGIA IV: ESTRUTURALISMO


CÓDIGO: CSO044

Carga horária: 60 Horas Aula



Ementa

O paradigma estrutural de Lévi-Strauss e o estruturalismo na Antropologia francesa. A troca como fundamento da vida social. A proibição do incesto e a teoria da aliança matrimonial. Natureza e cultura. O método fonológico e a análise estrutural em Antropologia. Teoria geral da comunicação: linguagem, economia e parentesco. Modelo e estrutura. Antropologia e história. A eficácia simbólica. A ilusão totêmica e os sistemas classificatórios. A ciência do concreto: as categorias sensíveis e o pensamento selvagem. O espírito humano e a lógica dos mitos. Hierarquia e individualismo em Louis Dumont. Estrutura e sistema de valores. O estudo antropológico da ideologia moderna ocidental. Limites e perspectivas atuais do método estrutural.



BIBLIOGRAFIA

DA MATTA, Roberto, 1978. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar.

DA MATTA, Roberto, 1997. "Panema: uma tentativa de análise estrutural", in Ensaios de Antropologia Estrutural. Petrópolis: Vozes.

DOSSE, François, 1993-1994. História do estruturalismo, 2 vols. São Paulo: Ensaio; Campinas: Unicamp.

DUMONT, Louis, 1975. Introducción a dos teorías de la antropología social. Barcelona: Editorial Anagrama.

DUMONT, Louis, 1985. O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco.

DUMONT, Louis, 1992. Homo hierarchicus (1966), São Paulo: Edusp.

DUMONT, Louis, 2000. Homo aequalis (1977). Bauru: Edusc.

ECO, Humberto, 1976. A estrutura ausente. São Paulo: Perspectiva,81.

GHASARIAN, Christian, 1999 (1996). “A teoria de Lévi-Strauss”, in Introdução ao estudo do parentesco. Lisboa: Terramar.

HÉRITIER, Françoise. 1989. “Parentesco”, in Enciclopédia Einaudi, vol. 20 (Parentesco). Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

LATOUR, Bruno, 1994. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34.

LEACH, Edmund 1977. As idéias de Lévi-Strauss. São Paulo: Cultrix.

LEIRNER, Piero de Camargo, 2003. Hierarquia e individualismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

LÉPINE, Claude, 1974. O inconsciente na antropologia de Lévi-Strauss. São Paulo: Ática.

LÉVI-STRAUSS, Claude & ERIBON, Didier, 1990. De perto e de longe. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1966. “A família” (1956), in H. L. Shapiro, Homem, cultura e sociedade. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1968. “O triângulo culinário”, in B. Pingaud (org.), L’Arc - Documentos. São Paulo: Documentos.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1975. “Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1975. Totemismo hoje (1962). Petrópolis: Vozes.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1976. Antropologia estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1976. O pensamento selvagem (1966). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1979. Tristes trópicos (1955). Lisboa: Edições 70.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1982. As estruturas elementares do parentesco (1949). Petrópolis: Vozes (Antropologia, 9).

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1986. Minhas palavras. São Paulo: Brasiliense.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 1987. Mito e significado. Lisboa: Edições 70.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 2003. “Introdução: a obra de Marcel Mauss” (1950), in M. Mauss, Sociologia e antropologia, São Paulo: Cosac & Naify..

LÉVI-STRAUSS, Claude, 2004. O cru e o cozido (Mitológicas v. 1) (1964). São Paulo: Cosac & Naify.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 2004. Do mel às cinzas (Mitológicas v. 2) (1967). São Paulo: Cosac & Naify.

LÉVI-STRAUSS, Claude, 2006. A origem dos modos à mesa (Mitológicas v. 3) (1968). São Paulo: Cosac & Naify.

MERLEAU-PONTY, Maurice, 1980 (1960). “De Mauss a Claude Lévi-Strauss”, in Textos selecionados. São Paulo, Abril (coleção Os Pensadores).

MERQUIOR, José Guilherme, 1991. De praga a Paris: uma crítica do estruturalismo e do pensamento pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

PEIXOTO, Fernanda, 1998. Lévi-Strauss no Brasil: a formação do etnólogo. Mana, 4 (1): 79-107.

SAUSSURE, Ferdinand de, 1969. Curso de lingüística geral (1915). São Paulo: Cultrix.

SEEGER, Anthony, 1977. "Pôr que os índios Suya cantam para suas irmãs?", in VELHO, G., org., Arte e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

SIMONIS, Yvan, 1969. Claude Lévi-Strauss ou ‘A paixão do incesto’. Lisboa: Moraes.

SOUZA, Marcela Coelho de & FAUSTO, Carlos, 2004. “Reconquistando o campo perdido: o que Lévi-Strauss deve aos ameríndios”. Revista de Antropologia, 47 (1): 87-131.

SPERBER, Dan, 1970. Estruturalismo e antropologia. São Paulo: Cultrix.

SPERBER, Dan, 1978. O simbolismo em geral. São Paulo: Cultrix.

SPERBER, Dan, 1992. “Claude Lévi-Strauss, hoje”, in O saber dos antropólogos. Lisboa: Edições 70.



TODOROV, Tzvetan, 1993. “Lévi-Strauss”, in Nós e os outros: a reflexão francesa sobre a diversidade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo & ARAÚJO, Ricardo Benzaquen, 1977. "Romeu e Julieta e a origem do Estado", in Arte e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal