Apl mineral 2017 regulamento prêmio Melhores Práticas em apl de base mineral 2017 pmp apl mineral 2017



Baixar 255.83 Kb.
Encontro14.07.2018
Tamanho255.83 Kb.



APL Mineral 2017

REGULAMENTO


Prêmio Melhores Práticas em APL de base mineral - 2017

PMP APL MINERAL 2017

  1. CARACTERÍSTICAS DO PRÊMIO

O Prêmio Melhores Práticas em APL de base mineral – PMP APL MINERAL 2017, regido por este regulamento, é uma iniciativa da Rede Brasileira de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral - RedeAPLmineral, que visa distinguir e reconhecer anualmente, as Melhores Práticas realizadas no âmbito da cadeia produtiva do setor mineral, que abrange os processos de pesquisa mineral, extração, beneficiamento, transformação mineral e comercialização dos produtos.

Tem por público alvo os atores da mineração de pequeno e médio porte, organizados sob a forma de Arranjos Produtivos Locais de base mineral (APL), que, por esforço próprio ou em parceria/cooperação com entidades afins estabelecidas no Brasil, tenham logrado êxito na realização de métodos e técnicas envolvendo procedimentos gerenciais e tecnológicos, cujos resultados apresentaram ganhos ambientais, financeiros e de mercado ao longo da cadeia produtiva e contribuições para a sustentabilidade de seus negócios.

As Melhores Práticas, para efeito desse regulamento, são os instrumentos, os métodos e as técnicas aplicados por meio de projetos e/ou atividades de cunho tecnológico-administrativos, atinentes a serviços técnicos, sistemas operacionais e tecnologias industriais, processos e produtos fabris, engenharias, qualidade industrial, etc. que obtiveram resultados exitosos voltados para o desenvolvimento sustentável da mineração em pequena escala, notadamente os APL de base mineral.



O Prêmio Melhores Práticas em APL de base mineral busca chancelar, reconhecer e disseminar as atividades e/ou projetos exitosos implementados por empresas e seus profissionais, no segmento da mineração em pequena escala, organizadas sob a forma de APL de base mineral, mediante esforços próprios ou em parcerias com outras entidades - empresas, universidades, centros de P&D, consultoria técnica, laboratórios, agências de fomento, etc., dando visibilidade à sociedade, sensibilizando e estimulando outros atores da cadeia produtiva da indústria mineral do país a replicarem esse tipo de ação.

  1. TIPOS DE PARTICIPANTES

Poderão participar do concurso as Pessoas Jurídicas e as Pessoas Físicas que apresentarem todo e qualquer conjunto de ações afetas ao planejamento, organização, implementação e os consequentes resultados exitosos de uma determinada “Prática” no âmbito de APL de base mineral, desde que realizadas e concluídas no período entre 2006 e 2017.

As Pessoas Jurídicas e as Pessoas Físicas poderão se inscrever em mais de uma categoria, com uma ou mais propostas, desde que estas estejam alinhadas com os critérios estabelecidos neste regulamento.



  1. CADEIAS PRODUTIVAS QUE ABRIGAM APL DE BASE MINERAL1

As propostas de melhores práticas, para efeito do presente concurso, deverão ser pertinentes e em conformidade com os seguintes segmentos industriais da mineração em pequena escala.

  • ÁGUA MINERAL;

  • AGREGADOS PARA A CONSTRUÇÃO CIVIL (brita, areia, cascalho, argila);

  • AGROMINERAIS;

  • CALCÁRIO E CAL;

  • CERÂMICA DE REVESTIMENTO;

  • CERÂMICA VERMELHA;

  • GEMAS, JOIAS E AFINS;

  • GESSO;

  • ROCHAS E MINERAIS EM PEGMATITOS;

  • ROCHAS ORNAMENTAIS; e,

  • SAL MARINHO.



  1. ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DO PMP APL MINERAL

A organização e realização anual do Prêmio Melhores Práticas em APL de Base Mineral é de responsabilidade da Coordenação-Geral da RedeAPLmienral, que para sua implementação instituíra anualmente a Comissão Coordenadora e a Comissão Julgadora do PMP APL Mineral.

Os integrantes da Comissão Coordenadora e da Comissão Julgadora do Prêmio Melhores Práticas, serão indicados e convidados pela Coordenação-Geral da RedeAPLmineral. Suas atribuições e competências são especificadas no item 10 deste Regulamento.



O Regulamento de cada edição do PMP APL Mineral, o Formulário de inscrição da prática, o Modelo orientativo para elaboração do resumo da proposta de prática e o Modelo para elaboração do Pôster da Prática serão disponibilizados anualmente no Portal da RedeAPLmineral pela Comissão Coordenadora (http://redeaplmineral.org.br/melhores-praticas).

  1. TEMÁTICAS DO PRÊMIO MELHORES PRÁTICAS EM APL DE BASE MINERAL OU NA MINERAÇÃO EM PEQUENA ESCALA – 2017



  1. MINERAÇÃO

  2. FORMALIZAÇÃO

  3. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO – COOPERATIVISMO/ ASSOCIATIVISMO/ COOPERAÇÃO LABORATORIAL/ ECONOMIA SOLIDÁRIA

  4. TRANSFERÊNCIA E DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO


  5. TREINAMENTO/CAPACITAÇÃO

  6. INCLUSÃO SOCIAL

  7. GESTÃO E GOVERNANÇA

  8. MEIO AMBIENTE, SAÚDE, SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO.



  1. MODALIDADES

Cada proposta ao Prêmio Melhores Práticas em APL de Base Mineral 2017 deverá ser pertinente a um único tema. O tema escolhido para a proposta deverá fazer menção, obrigatoriamente e de forma correlacionada, com as modalidades abaixo explicitadas, respeitando-se sempre a pertinência em relação ao tema escolhido e as respectivas aplicações no âmbito das empresas organizadas sob a forma de APL de base mineral.

MODALIDADES RELEVANTES A SEREM CONSIDERADAS QUANDO DA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE MELHORES PRÁTICAS:

IMPORTANTE: É necessário que conste nas apresentações das propostas de Melhores Práticas o maior número possível de referências às modalidades abaixo explicitadas, respeitando-se as suas pertinências com as respectivas temáticas.

  • Ações, instrumentos e mecanismos de organização de governança nos APL de base mineral, abrangendo as diversas maneiras como são tomadas as decisões, o desencadeamento das ações e a avaliação do desempenho dos negócios, podendo ser entendida como articulação entre as empresas do APL, governos, instituições, Organizações Não Governamentais (ONGs), empresas, grupos de pessoas e de interesses;

  • Ações, instrumentos e mecanismos de organização, fomento e de desenvolvimento da pequena produção mineral, visando o fortalecimento do sistema de autogestão dos negócios, de forma alinhada com a lógica da competitividade, a busca pela redução de custos de produção, aumento de ganhos por meio da eficiente utilização dos recursos disponíveis, como forma de assegurar a sua sobrevivência de forma legal perante o direito mineral, ambiental, trabalhista e tributário;

  • Ações, instrumentos, mecanismos de organização e desenvolvimento de produtos, processos, serviços e/ou sistemas, mediante soluções tecnológicas que tenham contribuído para o desempenho das operações industriais e/ou serviços e que apresentem resultados relevantes de performance, redução de custos, agilidade, melhoria da qualidade, atendimento ao cliente, aumento da produtividade e competitividade, perspectivas de agregação de valores ao bens minerais explorados e o potencial de inserção e transferência de tecnologia e inovação para os elos afins das cadeias produtivas do setor mineral, notadamente em seus processos de extração, beneficiamento ou de transformação mineral, tendo como público alvo a mineração de pequeno e médio porte, cooperativas e/ou associações de base mineral organizadas em APL;

  • Medidas relativas à eliminação do trabalho forçado e do trabalho infantil, à segurança e saúde nos locais de trabalho, às relações industriais e normas de emprego, capacitação e treinamento de pessoal afins com o tema e como essas medidas têm contribuído para o fortalecimento e aumento da competitividade dos negócios minerais;

  • Geração de emprego e renda a favor da inclusão social e nas atividades da economia solidária - conjunto de atividades econômicas de produção, distribuição, consumo, poupança e crédito, organizados sob a forma de autogestão na mineração de pequena escala, organizada sob a forma de APL de base mineral;

  • Surgimento de empresas (incentivo ao empreendedorismo);

  • Organização, fomento e implementação da pequena produção mineral, com base no cooperativismo ou no associativismo mineral e as decorrentes perspectivas de constituição de novos APL de base mineral;

  • Formalização - aspectos mineral, ambiental, trabalhista e tributário - para os pequenos produtores minerais, notadamente os organizados em APL de base mineral, envolvendo os procedimentos para a obtenção de regularização e atendimento das exigências de funcionamento exigidas por Lei;

  • Ações programáticas e sistêmicas de qualificação e capacitação de RH: gestores de APL de base mineral, de facilitadores de processo afetos aos APL de base mineral, assim como do seu corpo gerencial, técnico e da mão de obra em geral. Essa ação poderá contemplar, ainda, as associações e as cooperativas do setor mineral que detiverem vocação para se tornarem APL de base mineral, mediante capacitação e treinamento ou projetos de educação que apresentem estratégias diferenciadas;

  • Ações de normalização, controle de qualidade e certificação de produtos ou serviços, podendo envolver a metrologia industrial, que contemplem as ações que asseguram a precisão exigida no processo produtivo, a garantia da qualidade de produtos e serviços através da calibração de instrumentos de medição, sejam eles analógicos ou eletrônicos (digitais), e da realização de ensaios, sendo a base fundamental para a competitividade das empresas;

  • Ações, instrumentos, mecanismos de organização e desenvolvimento de alternativas da matriz energética, referentes a processos, serviços e/ou sistemas com soluções tecnológicas ou de engenharia que tenham contribuído para a melhoria da eficiência/desempenho das operações industriais e/ou serviços e que apresentem resultados relevantes de performance, redução de custos, aumento da produtividade e competitividade, implementação de tecnologias limpas, entre outros;

  • Ações, instrumentos, mecanismos de organização e desenvolvimento de conhecimentos, métodos e técnicas para o acompanhamento e operação segura na recuperação ambiental, aproveitamento industrial resíduos dos processos de beneficiamento e da extração mineral.

  • Ações, instrumentos, mecanismos de organização e desenvolvimento de processos inovadores de gestão de negócios empresariais, por intermédio da terceirização de serviços, canais de distribuição, logística, entre outros, que contemplem soluções corporativas para um determinado processo de uma organização, tais como, marketing e comunicação, relacionamento com o cliente, rotina dos departamentos financeiros e de controladoria e outros serviços similares nesses processos, como parte do melhoramento da produtividade e da competitividade.



  1. INSCRIÇÕES

Poderão se candidatar a concorrer ao Prêmio Melhores Práticas em APL de base mineral 2017 as empresas sediadas no Brasil, tanto as da iniciativa privada, quanto as públicas ou de economia mista e instituições científicas e tecnológicas. Os requisitos requeridos para a participação na premiação são referentes às realizações de ações voltadas aos APL de base mineral que resultaram em benefícios para a gestão, para o meio ambiente, para a capacidade produtiva das pequenas e médias empresas de mineração e que possam ser replicadas para outros APL.

As inscrições das Práticas podem ser realizadas no período de 22 de novembro de 2016 a 13 de novembro de 2017, por meio do preenchimento da ficha de inscrição disponível no site www.redeaplmineral.org.br.

As Práticas inscritas devem ter sido implementadas e avaliadas no período compreendido entre 01/01/2006 a 13/11/2017, independentemente do seu tempo de duração, e devem ser apresentadas com dados numéricos reais, em valores absolutos ou relativos, respeitando a base adotada.

A Comissão Julgadora poderá recusar a inscrição ou desclassificar determinada Prática se esta não estiver de acordo com as normas estabelecidas neste regulamento.



  1. ENTREGA DAS PROPOSTAS

As propostas de Melhores Práticas apresentadas deverão ser verídicas em todos os seus dados e informações sob pena de desclassificação.

A organização do prêmio poderá, caso julgue necessário, solicitar à empresa a comprovação de dados e informações relatados, bem como promover visita técnica para comprovação dos fatos.

Para se inscreverem, as entidades deverão preencher a Formulários de Inscrição e de Descrição da Prática, disponíveis no endereço http://redeaplmineral.org.br/melhores-praticas, no período de 22/11/2016 até às 23h59 min do dia 13/11/2017. Ambos os Formulários preenchidos deverão ser enviados para o endereço eletrônico: redeaplmineral@ibict.br. Este endereço deve também ser usado em caso de dúvidas ou problemas de acesso ou envio do formulário.


  1. JULGAMENTO

As propostas serão avaliadas, selecionadas e validadas, segundo os critérios do regulamento, até 20 dias após o encerramento do prazo de entrega das propostas, por uma Comissão Julgadora constituída por membros do governo federal, instituição de pesquisa tecnológica, academia/universidade, agência de fomento ou de financiamento e por representantes do setor empresarial, afins com o tema APL de base mineral, devidamente constituída pela Coordenação-Geral da RedeAPLmineral.

É atribuição da Comissão Julgadora verificar, em conformidade com os critérios de elegibilidade e atratividade, a aderência das propostas de Melhores Práticas a serem premiadas com os temas relacionados:



  1. às atividades da mineração em pequena escala, preferencialmente organizadas sob a forma de Arranjos Produtivos Locais de base mineral;

  2. a observância de seus resultados comerciais, econômicos, técnicos e ambientais; e,

  3. a objetividade e clareza dos seus respectivos textos. Serão ainda verificadas e avaliadas as questões sobre a originalidade das soluções apresentadas, as possibilidades de replicação da prática empresarial, o ineditismo dos casos e as abrangências locais/regionais.



  1. COMISSÃO COORDENADORA E COMISSÃO JULGADORA

A Coordenação-Geral da RedeAPLmineral constituirá, anualmente, a Comissão Coordenadora e a Comissão Julgadora do Prêmio Melhores Práticas, com a participação de profissionais de notório saber no setor mineral, principalmente em temas afetos aos Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral, que serão convidados para auxiliar nos trabalhos de análise e julgamento das propostas apresentadas, a cada ano.

A RedeAPLmineral, por meio do seu portal www.redeaplmineral.org.br dará a devida visibilidade a constituição da Comissão Coordenadora e Comissão Julgadora do Prêmio Melhores Práticas, a cada ano.

Os integrantes da Coordenação-Geral da RedeAPLmineral que participarem da organização e realização do Prêmio Melhores Práticas em APL de Base Mineral atuarão como Comissão Coordenadora do concurso, sendo um dos seus representantes, o Coordenador da Comissão Julgadora.

O julgamento será realizado até 20 dias após o encerramento do prazo de entrega das propostas, cabendo à Comissão Coordenadora, o monitoramento, acompanhamento e a distribuição das propostas a cada jurado.

Não poderá integrar a Comissão Julgadora participante de práticas inscritas.

A Comissão Julgadora, constituída por pelo menos 02 (dois) Membros da Coordenação-Geral da RedeAPLmineral e por pelo menos 8 (oito) profissionais convidados e com experiência e/ou afinidade com a metodologia afetas aos APL de base Mineral, desempenhará a função de analista e julgadora das propostas, consideradas em conformidade com o regulamento.

As atividades da Comissão Julgadora serão desempenhadas em ambiente virtual, em que prevalecerá o intercâmbio de mensagens eletrônicas (e-mails) trocadas entre os jurados e os integrantes da Comissão Coordenadora, a partir das remessas das propostas distintas por jurado, acompanhadas dos formulários de inscrições, fichas de avaliação e de apuração das notas respectivamente.

Decorrido o prazo de análise das propostas pelos julgadores (até 20 dias corridos a partir do prazo estabelecido para as remessas de propostas para análise e concessão das notas), cada membro da Comissão Julgadora enviará suas fichas de avaliação, devidamente gravadas em PDF (Adobe) para o COORDENADOR DA COMISSAO JULGADORA e DA COMISSÃO COORDENADORA, que de posse de todas as fichas de avaliação dos jurados, fará a computação das notas das propostas e apresentará os 03 primeiros vencedores, classificados segundo o critério da maior nota/pontuação obtida.

Os vencedores serão informados logo após a finalização do julgamento e a apuração dos resultados. Porém, somente na cerimônia de premiação serão conhecidas as classificações correspondentes ao primeiro, segundo e terceiro classificados.

A Comissão Julgadora é soberana e o resultado do julgamento não será passível de recurso algum.



  1. PREMIAÇÃO

O evento de premiação é um grande momento de relacionamento do setor, com a presença dos principais executivos e profissionais que praticam e buscam a excelência no desenvolvimento de APL de base mineral.

Os vencedores do Prêmio receberão um troféu de acordo com a classificação ouro, prata ou bronze, um certificado e um tablet, na cerimônia de premiação que ocorrerá ao longo da Cerimônia de premiação nos eventos dos APLs de Base Mineral de 2017, a saber: “XIV Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral e o XI Encontro do Comitê da Rede Brasileira de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral”, a serem realizados no dia 07 e 08 de dezembro de 2017, em Fortaleza/CE. Maiores detalhes serão fornecidos aos vencedores com a devida antecedência pela Comissão Coordenadora.



  1. EXPOSIÇÃO DAS MELHORES PRÁTICAS EM APL DE BASE MINERAL INSCRITAS

Todas as inscrições que estiverem em conformidade com o regulamento do Prêmio Melhores Práticas em APL de Base Mineral 2016, os trabalhos enviados serão objeto de exposição, na modalidade pôster, ao público participante dos eventos dos APLs de Base Mineral de 2017, que ocorrerá na data prevista de dia 19 e 20 de outubro de 2017, em Fortaleza/CE.

Um modelo para elaboração do pôster será disponibilizado no Portal da Rede, juntamente com a ficha de inscrição do prêmio. Para elaboração do mesmo, deverá ser respeitada a seguinte formatação:




  • Tamanho do Pôster: 0,90 m x 1,20 m, retrato.


  • Configurações das Fontes:

  • Título do Pôster: Tipo de Fonte: Times New Roman, Tamanho da Fonte: 84, Caixa Alta, Centralizado, Cor: Branco.

  • Autores: Nome Completo das pessoas que elaboraram o pôster - Tipo de Fonte: Times New Roman, Tamanho da Fonte: 46, Centralizado, Cor: Branco.

  • APL: A que APL/ Entidade pertence: Tipo de Fonte: Times New Roman, Tamanho da Fonte: 38, Itálico, Centralizado,
Cor: Branco.

  • Corpo do Texto - Tipo da Fonte: Times New Roman, Tamanho da Fonte: 36, Cor: Preto.



  1. DIVULGAÇÃO

A Comissão Coordenadora promoverá ampla divulgação do Prêmio Melhores Práticas em APL de base mineral em todas as suas etapas, desde o lançamento oficial até o pós-prêmio, por meio de anúncios na mídia impressa, ações de marketing direto, reuniões e assessoria de imprensa e no Portal da RedeAPLmineral e em links de instituições parceiras.

A RedeAPLmineral, mídia oficial do evento, em sua edição, publicará uma sinopse dos trabalhos vencedores, além de ampla cobertura da cerimônia de premiação.

A inscrição de uma Prática no Prêmio Melhores Práticas em APL de base mineral, sempre e quando for considerada vencedora implica, automaticamente, na autorização prévia e irrestrita da divulgação da Prática inscrita, com todos os dados e informações nele contidos, assim como sua reprodução, que estará a cargo da RedeAPLmineral.


  1. CONSIDERAÇÕES GERAIS

A Comissão Coordenadora se encarregará de definir e/ou implementar anualmente os seguintes pontos complementares:

  • Cota de participação no evento de premiação por Prática vencedora. Na edição de 2017 a cota é de 1(um) participante por Prática vencedora;

  • Exposição, sob a forma de pôsteres, das Melhores Práticas em APL de Base Mineral 2017, que em conformidade com o regulamento, tenham obtido aprovação da Comissão Julgadora;

  • Divulgar a sinopse das Melhores Práticas vencedoras na RedeAPLmineral;

  • Divulgar o título da Prática e do APL de base mineral e/ou da empresa vencedora na premiação;

  • Entregar um troféu pela classificação ouro, prata e bronze;

  • Ter a logomarca do APL de base mineral e/ou da empresa vencedora na publicidade Pós-Evento; e,

  • Ter a Prática divulgada pela assessoria de imprensa da SETEC/MCTI, do CETEM/MCTI e do IBICT/MCTI.

O não cumprimento dos itens descritos neste regulamento implicará a desclassificação automática do trabalho vencedor.

Os casos omissos neste regulamento serão definidos pela Comissão Coordenadora do PMP APL Mineral 2017.



Atenciosamente,

Coordenação-Geral RedeAPLmineral

Anexo: Lista de APL Base Mineral aptos a participarem do PMP APL Mineral 2017

Anexo: Lista de APL Base Mineral aptos a participarem do PMP APL Mineral 2017




Nome do APL

Região

Estado

Cidade Polo

Municípios

Setor Produtivo

1

Oleiro Cerâmico

N

AC

Rio Branco

Acrelândia, Brasiléia, Bujari, Capixaba, Cruzeiro do Sul, Epitacolândia, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Rodrigues Alves e Sena Madureira.

Cerâmica Vermelha

2

Cerâmico Oleiro da Mesorregião Leste

NE

AL

Muricí

Atalaia, Boca da Mata, Capela, Joaquim Gomes, Matriz de Camaragibe, Muricí

Cerâmica Vermelha

3

Extração Artesanal de Granito na Zona da Mata

NE

AL

Muricí

Branquinhas, Muricí e União dos Palmares

Rochas Ornamentais

4

Mineração de Rochas, Calcários, Gipsita e Argilas

N

AM

Presidente Figueiredo

Nova Olinda do Norte, Presidente Figueiredo e Urucará.

Agregados para construção Civil

5

Oleiro Cerâmico de Iranduba

N

AM

Iranduba

Iranduba, Manacapuru, Manaquiri e Manaus

Cerâmica Vermelha

6

Cerâmica Vermelha do Amapá

N

AP

Macapá

Laranjal do Jarí, Macapá, Mazagão, Pedro Branca do Amapari, Porto Grande e Santana

Cerâmica Vermelha

7

Rochas Ornamentais do Amapá

N

AP

Ferreira Gomes

Ferreira Gomes, Tartarugalzinho, Calçoene e Oiapoque

Rochas Ornamentais

8

Cerâmica Vermelha de Barreiros

NE

BA

Riachão de Jacuípe

Riachão de Jacuípe

Cerâmica Vermelha

9

Gemas e Joias

NE

BA

Campo Formoso

Camaçari, Campo Formoso, Feira de Santana e Salvador

Gemas, Joias e Afins

10

Rochas Ornamentais Bege Bahia

NE

BA

Ourolânida

Feira de Santana, Jacobina, Juazeiro, Lauro de Freitas, Mirangaba, Ourolândia e Salvador

Rochas Ornamentais

11

Calcário do Cariri

NE

CE

Nova Olinda

Altaneira, Farias Brito, Jardim, Nova Olinda e Santana do Cariri, na Mesorregião Chapada do Araripe.

Rochas Ornamentais

12

Cerâmica Vermelha do Baixo Jaguaribe/CE

NE

CE

Russas

Alto Santo, Aracati, Jaguaruana, Limoeiro do Norte, Itaiçaba, Morada Nova, Quixeré, Russas, São João do Jaguaribe e Tabuleiro do Norte

Cerâmica Vermelha

13

Cerâmica Vermelha do Crato

NE

CE

Crato

Assaré, Antonina do Norte, Campo Sales, Crato, Nova Olinda

Cerâmica Vermelha

14

Gemas, Joias e Afins

NE

CE

Juazeiro do Norte

Barbalha, Crato, Juazeiro do Norte e Nova Olinda.

Gemas, Joias e Afins

15

Gemas, Joias e Afins

CO

DF

Brasília

Brasília, Candangolândia, Cruzeiro, Guará e Núcleo Bandeirante.

Gemas e Joias e Afins

16

Cerâmica Vermelha Região Noroeste

SE

ES

Colatina

Anchieta, Baixa de Guandu, Boa Esperança, Cachoeira de Itapemirim, Colatina, Governador Lindenberg, João Neiva, Linhares, Marilândia, Nova Venécia, Piúna, Rio Novo do Sul, Santa Teresa, São Roque do Canaã e Serra.

Cerâmica Vermelha

17

Rochas Ornamentais do ES

SE

ES

Cachoeiro de Itapemirim

Região de Cachoeiro de Itapemirim - Alegre, Aracruz, Atilio Vivacqua, Cachoeiro de Itapemirim, Castelo, Conceição do Castelo, Guaçuí, Iúna, Iconha, Itapemirim, Iúna, Jerônimo Monteiro, Mimoso do Sul, Muniz Freire, Muqui, Presidente Kennedy, Rio Novo do Sul, Serra, Vargem Alta, Venda Nova do Imigrante, Vila Velha e Vitória.

Rochas Ornamentais

Nova Venécia

Região Noroeste do ES - Água Doce do Norte, Águia Branca, Alto Rio Novo, Baixo Gandu, Barra de São Francisco, Boa Esperança, Ecoporanga, Governador Lindemberg, Mantenópolis, Montanha, Marilândia, Mucurici, Nova Venécia, Pancas, Ponto Belo, Pinheiros, São Domingos do Norte, São Gabriel da Palha, Vla Valério e Vila Pavão.

Rochas Ornamentais

18

Agrominerais do Sudoeste Goiano

CO

GO

Jataí

Jataí, Montividiu, Perolândia, Rio Verde e Santa Helena

Agrominerais

19

Cerâmica Vermelha do Norte Goiano

CO

GO

Mara Rosa

Alto Horizonte, Barro Alto, Campinorte, Campos Verdes, Carmo do Rio Verde, Crixás, Estrela do Norte, Goianésia, Ipiranga de Goiás, Itapaci, Mara Rosa, Minaçu, Mutunópolis, Niquelândia, Nova Iguaçu de Goiás, Nova Glória, Porangatu, Rialma, Rubiataba, Santa Terezinha de Goiás, Trombas e Uruaçu.

Cerâmica Vermelha

20

Gemas, Joias e Artesanato Mineral de Cristalina

CO

GO

Cristalina

Cristalina

Gemas, Joias e Afins

21

Gemas e Joias de Campos Verdes

CO

GO

Campos Verdes

Campos Verdes

Gemas, Joias e Afins

22

Quartzito de Pirenópolis

CO

GO

Pirenópolis

Cocalzinho de Goiás, Corumbá de Goiás e Pirenópolis.

Rochas Ornamentais

23

Gesso de Grajaú

NE

MA

Grajaú

Grajaú e Codó

Gesso

24

Ardósia de Papagaios

SE

MG

Papagaios

Caetanópolis, Curvelo, Felixlândia, Leandro Ferreira, Maratinho Campos, Papagaios, Paraopeba. Pitangui, Pompéu.

Rochas Ornamentais

25

Calcário

SE

MG

Arcos

Arcos, Campo Belo, Córrego Fundo, Formiga e Pains.

Calcário e Cal

26

Cerâmica Vermelha Monte Carmelo

SE

MG

Monte Carmelo

Abadia dos Dourados, Monte Carmelo, Coramandel e Patrocínio

Cerâmica Vermelha

27

Cerâmica Vermelha de Igaratinga

SE

MG

Igaratinga

Igaratinga

Cerâmica Vermelha

28

Cerâmica Vermelha do Triângulo Mineiro

SE

MG

Ituiutaba

Ituiutaba

Cerâmica Vermelha

29

Cristais de Quartzo

SE

MG

Curvelo

Curvelo, Corinto, Inimutaba, Gouveia, Diamantina e Joaquim Felício

Gemas, Joias e Afins

30

Gemas e Joias do Jequitinhonha e Mucuri

SE

MG

Teófilo Otoni

Araçuaí, Ataléia, Baldim, Caetanópolis, Caraí, Catuji, Coronel Murta, Franciscópolis, Frei Gaspar, Governado Valadares, Itaipé, Itambacuri, Itinga, Ladainha, Malacaheta, Novo Cruzeiro, Novo Oriente de Minas, Ouro Verde de Minas, Padre Paraíso, Pavão, Ponto dos Volantes, Poté, Setubinha, Teófilo Otoni, Turmalina e Virgem da Lapa.

Gemas, Joias e Afins

31

Gemas, Joias e Bijuterias da Região Metropolitana de Belo Horizonte

SE

MG

Nova Lima

Belo Horizonte, Betim, Caeté, Contagem, Ibirité, Lagoa Santa, Nova Lima, Pedro Leopoldo, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Sabará, Santa Luzia e Vespasiano.

Gemas, Joias e Afins

32

Pedra Sabão de Ouro Preto

SE

MG

Ouro Preto

Catas Altas da Noruega, Conceição do Mato Dentro, Mariana, Ouro Preto

Rochas Ornamentais

33

Quartzito de Alpinópolis

SE

MG

Alpinópolis

Alpinópolis, Capitólio, Carmo do Rio Claro, Guapé, Ilicinia, São João Batista do Gloria e São José da Barra

Rochas Ornamentais

34

Quartzito de São Thomé das Letras

SE

MG

São Tomé das Letras

Baependi, Carrancas, Conceição do Rio Verde, Cruzília, Luminárias, São Bento do Abade, São Thomé das Letras e Três Corações.

Rochas Ornamentais

35

Cerâmica da Terra Cozida Região do Pantanal

CO

MS

Rio Verde de Mato Grosso

Campo Grande, Coxim, Rio Verde de Mato Grosso, São Gabriel do Oeste e Três Lagoas.

Cerâmica vermelha

36

Água Mineral

CO

MT

Cuiabá

Campo Verde, Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Dom Aquino, Jaciara, Santo Antônio de Leverger e Tangará da Serra.

Água Mineral

37

APL de Gemas e Joias de Mato Grosso

CO

MT

Cuiabá

Cuiabá e Várzea Grande

Gemas, Joias e Afins

38

Cerâmica Vermelha de São Miguel do Guamá

N

PA

São Miguel do Guamá

Irituia e São Miguel do Guamá.

Cerâmica Vermelha

39

Gemas e joias de Belém

N

PA

Belém

Anannideua, Barcarena e Belém

Gemas, Joias e Afins

40

Gemas e Joias de Itaituba

N

PA

Itaituba

Itaituba, Jacareacanga e Novo Progreso

Gemas, Joias e Afins

41

Gemas e Joias do Sudeste Paraense

N

PA

Parauapebas

Água Azul do Norte, Canaã dos Carajás, Curionóplis, Marabá e Parauapeba

Gemas, Joias e Afins

42

Cerâmica Vermelha de Patos

NE

PB

Patos

Bela Vista, Boa Ventura, Brejo do Cruz, Cachoeira dos Índios, Itaporanga, Juazeirinho, Junco do Seridó, Patos, Picuí, Prata, Santa Cruz, Santa Luzia, Santa Terezinha e São Mamede.

Cerâmica Vermelha

43

Cerâmica Vermelha de Santa Rita

NE

PB

Santa Rita

Alagoa Grande, Belém, Boa Vista, Conde, Congo, Cruz do Espírito Santo, Guarabira, Mamanguape, Massaranduba, Mulungu, Pilões, Pirpirituba, Rio Tinto e Santa Rita.

Cerâmica Vermelha

44

Cerâmica Vermelha

NE

PB

Barauna

Barauna, Cubati, Frei Martinho, Guarabira, Juazeirinho, Junco do Seridó, Nova Palmeira, Pedra Lavrada, Picuí, Seridó e Tenório.

Cerâmica Vermelha

45

Gesso de PE

NE

PE

Araripina

Araripina, Bodocó, Exu, Ipubí, Morelândia, Ouricuri, Santa Cruz, Santa Filomena e Trindade

Gesso

46

Cerâmica Vermelha de Teresina

NE

PI

Teresina

Campo Maior e Teresina

Cerâmica Vermelha

47

Opala do Piauí

NE

PI

Pedro II

Pedro II e Buriti dos Montes

Gemas, Joias e Afins

48

Pedra Mourisca

NE

PI

Castelo

Castelo

Rochas Ornamentais

49

Cal e Calcário da Região Metropolitana de Curitiba

S

PR

Curitiba/Colombo

Adrianópolis, Almirante Tamandaré, Bocaiúva do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Castro, Cerro Azul, Colombo, Conchal, Curitiba, Iracemápolis, Itaperuçu, Ponta Grossa, Rio Branco do Sul, Sengés e Tunas do Paraná.

Calcário e Cal

50

Cerâmica de Campo Largo

S

PR

Campo Largo

Balsa Nova, Campo Largo e Campo Magro.

Cerâmica Vermelha

51

Gemas, Joias e Afins de Chopinzinho

S

PR

Chopinzinho

Chopinzinho

Gemas, Joias e Afins

52

Cerâmica Vermelha de Nova Santa Rosa

S

PR

Nova Santa Rosa

Campo Mourão, Cantagalo, Capanema, Capitão Leônidas Marques, Entre Rios do Oeste, Guaíra, Foz do Iguaçu, Francisco Alves, Itaipulândia, Luziana, Marechal Cândido Rondon, Maripá, Medianeira, Mercedes, Missal, Nova Santa Rosa, Palotina, Pato Bragado, Pato Branco, Santa Helena, São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Serranópolis do Iguaçu, Terra Roxa, Toledo e Vera Cruz Oeste.

Cerâmica Vermelha

53

Areia de Piranema

SE

RJ

Seropédica

Seropédica e Itaguaí

Agregado para Construção Civil

54

Cerâmica Vermelha de Itaboraí

SE

RJ

Itaboraí

Itaboraí, Rio Bonito e Tanguá

Cerâmica Vermelha

55

Cerâmica Vermelha de Campos dos Goytacazes

SE

RJ

Campos dos Goytacazes

Campos dos Goytacazes, Conceição de Macabu, Cardoso Moreira e São João da Barra, na Mesorregião Bacia do Itabapoana.

Cerâmica Vermelha

56

Cerâmica Vermelha do Médio Paraíba

SE

RJ

Paraíba do Sul

Barra do Piraí, Paraíba do Sul, Pinheiral, Piraí, Porto Real, Resende, Três Rios e Vassouras

Cerâmica Vermelha

57

Joia Carioca

SE

RJ

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Gemas, Joias e Afins

58

Rochas Ornamentais do Noroeste Fluminense

SE

RJ

Santo Antônio de Pádua

Bom Jesus de Itabapoana, Cambuci, Italva, Itaperuna, laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Porciúncula, Santo Antônio de Pádua, São José do Ubá e Varre-Sai.

Rochas Ornamentais

59

Água Mineral do Rio Grande do Norte

NE

RN

Parnamirim

Extremoz, Macaíba, Natal e Parnamirim

Água Mineral

60

Cal e Calcário

NE

RN

Governador Dix-Sept Rosado

Governador DixSept Rosado

Calcário e Cal

61

Cerâmica Vermelha de São Gonçalo do Amarante

NE

RN

São Gonçalo do Amarante

Assunção

Cerâmica Vermelha

62

Cerâmica Vermelha de Apodi - Açu

NE

RN

Açu

Açu, Apodi, Governador Dix-Sept Rosado, Ipanguaçu e Itajá

Cerâmica Vermelha

63

Cerâmica Vermelha de Parelhas

NE

RN/PB

Parelhas

Acari, Caicó, Carnaúba dos Dantas, Cruzeta, Currais Novos, Jardim do Seridó, Juazeirinho, Nova Palmeira, Parelhas, Picuí, Santa Luzia, Santana do Seridó e São José do Sabugi

Cerâmica Vermelha

64

Minerais e Rochas em Pegmatitos RN/PB

NE

RN

Parelhas

Acarí, Carnaúbas dos Dantas, Cruzeta, Currais Novos, Equador, Jardim do Seridó, Ouro Branco, Parelhas e Santana do Seridó

Minerais e Rochas em Pegmatitos

PB

Pedra Lavrada

Assunção, Cubati, Frei Martinho, Juazeirinho, Junco do Seridó, Nova Palmeira, Pedra Lavrada, Picuí, Santa Luzia, São José do Sabugi, Seridó, Sossego, Tenório e Várzea

Minerais e Rochas em Pegmatitos

65

Sal Marinho de Mossoró

NE

RN

Mossoró

Mossoró

Sal marinho

66

Rochas Ornamentais - Quartzito RN/PB

NE

RN/PB

Ouro Branco (RN)/ Várzea (PB)

Assunção, Frei Martinho, Juazeirinho, Junco do Seridó, Ouro Branco, Pedra Lavrada, Picuí, Nova Palmeira, São José do Sabugi, Seridó, Tenório, Várzea

Rochas Ornamentais

67

Basaltos do RS

S

RS

Nova Prata

Nova Prata, Paraí, Protásio Alves, Nova Bassano, Bento Gonçalves, Casca e São Domingos do Sul.

Rochas Ornamentais

68

Pedras, Gemas e Joias

S

RS

Ametista do Sul, Guaporé, Lajeado e Soledade

Ametista do Sul, Barra do Quaraí, Guaporé, Itaara, Jarí, Júlio Castilhos, Lajeado, Quevedo, São Pedro do Sul, Salto do Jacuí, Santana do Livramento, São Martinho da Serra, Soledade, Quaraí, Toropi e Tupanciretã,

Gemas, Joias e Afins

69

Cerâmica Vermelha do Vale do Rio Tijucas e Vale do Rio Itajaí

S

SC

Itajaí

Agrolândia, Agronômica, Apiúna, Atalanta, Aurora, Braço do Trombudo, Capivari de Baixo, Chapadão do Lageado, Dona Emma, Ibirama, Imbuia, Itajaí, Ituporanga, Jaguaruna, José Boiteux, Laurentino, Lontras, Rio do Oeste, Rio do Sul, Sangão, Tubarão, Treze de Maio, Trombudo Central, Vidal Ramos, Vitor Meireles e Witmarsun.

Cerâmica Vermelha

70

Cerâmica Vermelha de Morro da Fumaça

S

SC

Morro da Fumaça

Araranguá, Balneário Arroio do Silva, Balneário Gaivota, Canelinha, Cocal do Sul, Criciúma, Ermo, Forquilhinha, Içara, Jacinto Machado, Lauro Müller, Maracajá, Meleiro, Morro da Fumaça, Morro Grande, Nova Veneza, Orleans, Passo de Torres, Praia Grande, Petrolândia, Presidente Getúlio, Presidente Nereu, Santa Rosa do Sul, São João do Sul, Siderópolis, Sombrio, Timbé do Sul, Treviso, Turvo, Urussanga.

Cerâmica Vermelha

71

Cerâmica de Revestimento de Criciúma

S

SC

Criciúma

Armazém, Braço do Norte, Cocal do Sul, Criciúma, Forquilha, Gravataí, Içara, Imbituba, Jaguarunã, Lauro Muller, Morro da Fumaça, Orleans, Pedras Grandes, Sangão, Santa Rosa de Lima, São Martinho, Siderópolis, Treze de Maio, Tubarão e Urussanga.

Cerâmica de Revestimento

72

APL de Cerâmica Vermelha do Agreste Sergipano

NE

SE

Itabaiana

Areia Branca, Campo do Brito e Itabaiana

Cerâmica Vermelha

73

Cerâmica Vermelha do Baixo São Francisco Sergipano

NE

SE

Propriá

Propriá, Santana do São Francisco e Telha

Cerâmica Vermelha

74

APL de Cerâmica Vermelha do Sul Sergipano/SE

NE

SE

Itabaianinha

Estância, Itabaianinha, Pomar do Geru e Umbaúba.

Cerâmica Vermelha

75

Cerâmica de Santo Gertrudes

SE

SP

Santa Gertrudes

Araras, Charqueada, Cordeirópolis, Leme, Limeira, Piracicaba, Rio Claro, Santa Cruz da Conceição e Santa Gertrudes.

Cerâmica Vermelha e de Revestimento

76

Cerâmica de Revestimento de Porto Ferreira

SE

SP

Porto Ferreira

Porto Ferreira

Cerâmica de Revestimento

77

Cerâmica Vermelha de Itu e Região

SE

SP

Itu

Cabreúva, Campinas, Elias Fausto, Jundiaí, Itu, Monte Mor

Cerâmica Vermelha

78

Cerâmica Vermelha de Panorama

SE

SP

Panorama

Ouro Verde, Panorama, Paulicéia, Presidente Epitácio, Presidente Prudente, Regente Feijó, Teodoro Sampaio

Cerâmica Vermelha

79

Cerâmica Vermelha de São João da Boa Vista

SE

SP

São João da Boa Vista

São João da Boa Vista, São José do Rio Pardo, São Sebastião da Grama, Tapiratiba

Cerâmica Vermelha

80

Cerâmica Vermelha de Socorro

SE

SP

Socorro

Socorro

Cerâmica Vermelha

81

Cerâmica Vermelha de Tambaú

SE

SP

Tambaú

Tambaú

Cerâmica Vermelha

82

Cerâmica Vermelha de Tatuí e Região

SE

SP

Tatuí

Boituva, Cerquilho, Cesário Lange, Laranjal, Paulista, Pereiras, Porangaba, Quadra, Tatuí e Torre de Pedra.

Cerâmica Vermelha

83

Cerâmica Vermelha de Vargem Grande do Sul

SE

SP

Vargem Grande do Sul

Vargem Grande do Sul

Cerâmica Vermelha

84

Gemas e Joias da Região Metropolitana de São Paulo

SE

SP

São Paulo

São Paulo

Gemas, Joias e Afins

85

Gemas e Joias de São José do Rio Preto

SE

SP

São José do Rio Preto

São José do Rio Preto

Gemas, Joias e Afins

86

Joias Folheadas de Limeira

SE

SP

Limeira

Limeira

Gemas, Joias e Afins

87

Cerâmica Vermelha de Palmas

N

TO

Palmas

Barrolândia, Cristalândia, Miracema do Tocantins, Miranorte, Nova Olinda, Palmas, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional

Cerâmica Vermelha

88

Esmeraldas de Monte Santo

N

TO

Monte Santo

Monte Santo

Gemas, Joias e Afins




1 Envolvem os APL de base mineral que se encontram em Anexo e que poderá ser modificada por a Comissão Coordenadora mediante sua atualização.




Pág. de


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal