Apêndice a



Baixar 284.38 Kb.
Página1/4
Encontro16.01.2018
Tamanho284.38 Kb.
  1   2   3   4



Títulos ordem alfabética
Os títulos abaixo se referem aos 305 títulos, até então, levantados e sistematizados com seus respectivos comentários e referências bibliográficas.

ABRINDO as comemorações (...). Folha de São Paulo, São Paulo,15abr.2001.Mais!, n.479, p.3.


(F) Trata-se de uma entrevista com Fernanda Correia, designer e neta de Cecília Meireles, que comenta a exposição “O reino da poesia”, organizada por ela e por Piedade Grinberg. A mostra acerca da vida de Cecília faz parte da comemoração do centenário de nascimento da poetisa.
AGUIAR, Conde Ronaldo. O rebelde esquecido: tempo, vida e obra de Manuel Bonfim. 1998. Tese (Doutorado)- Universidade de Brasília, Brasília, p.299-307.
(F) O texto apresenta fragmentos de um documento escrito por Manuel Bonfim em que ele manifesta o seu descontentamento sobre uma das principais instituições do Brasil, a Escola Normal. Desta forma, ele demonstra a sua opinião acerca do acontecimento que mobilizou essa instituição devido a um desentendimento de Hans Heilborn, diretor da escola, com a aluna Cecília Meireles, apontada nesse texto como “normalista”. Há, ainda, trechos de artigos publicados no Jornal do Comércio em relação a esse fato.
AGUILAR, Ana Maria G. C. Imagem e poesia em Cecília Meireles: uma leitura de “Viagem”. 2002. 126f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura)- UNESP, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, S. José do Rio Preto.
(E) Este trabalho analisa, em linhas gerais, a relação entre poesia e imagem na obra Viagem de Cecília Meireles, mais precisamente, nos poemas Motivo, Retrato, Canção. O estudo apresenta uma reflexão sobre a relação da poesia ceciliana com os ideais poéticos do Modernismo. Além disso, comentam-se alguns conceitos teóricos referentes à definição de imagem, em que se destacam as concepções de Octavio Paz e Vitor Chklovski, as quais são usadas como embasamento para as análises dos poemas referidos acima. Assim, esses textos cecilianos são estudados minuciosamente, ressaltando-se a presença do “novo” e do “velho”, elementos estes que constituiriam uma imagem dentro da poesia ceciliana.
ALMEIDA, Lúcia Fabrini de. Os Orientes de Cecília. Ângulo, Lorena n.90, p.30-34. out/dez.2001.
(E) O artigo comenta a grande admiração de Cecília Meireles pela cultura oriental, principalmente pela Índia. Além disso, a autora do artigo faz uma comparação de alguns poemas de Cecília com os de Mirabai, uma jovem poetisa indiana. Lúcia Fabrini apresenta, ainda, alguns exemplos de um possível dialogismo entre as essas duas poetisas.
ALÓS, Anselmo P. ; WOITECHUMAS, Regis M. Quando Cecília se completa: a sombra, o reflexo, e a busca da unidade subjetiva. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 144-149.
(E) O texto apresenta uma análise dos poemas “Minha Sombra” e “Mulher ao Espelho”. Desta forma, demonstram-se em ambos poemas a imagem da sombra e do reflexo que representariam a fragmentação do “eu-lírico”, que estaria em constante busca da completude e da totalidade existencial.
ALVES, Henrique L. Mercedes La Valle, tradutora do Brasil. O Escritor, São Paulo, n. 80. p.12, mar.1997.
(F) O artigo comenta a grandiosa atuação da italiana Mercedes La Valle como tradutora de autores de língua portuguesa. O texto aponta alguns escritores, como Cecília Meireles, e obras, como Os Lusíadas, que foram traduzidas por ela.
ALVES, José A. S. Brasil e Portugal: olhares. Revista do Centro de Estudos Portugueses. São Paulo, n. 3, p.35-39, 2000.
(F) O artigo, inicialmente, ressalta o intercâmbio cultural entre Portugal e Brasil e a influência mútua exercida por eles. Em seguida, comenta-se a contribuição dos críticos literários portugueses Adolfo Casais Monteiro e Jorge de Sena ao estudo da literatura brasileira. Desta forma, o texto apresenta algumas abordagens feitas por esses estudiosos sobre a poesia de Cecília Meireles.
AMÂNCIO, Moacir. A busca do sentido de todas as línguas. O Estado de S. Paulo, São Paulo, ano 20, n.1063, 11mar.2001. Caderno 2, p. D5.
(F) O artigo apresenta uma nota com uma lista das principais traduções da história na opinião de grandes intelectuais. Uma das traduções tidas como grandiosas, segundo o estudioso Lauro Machado, é a de Bodas de Sangue, de Federico García Lorca , feita por Cecília Meireles.
AMÂNCIO, Moacir. Cecília Meireles Um claro enigma. O Estado de S. Paulo, São Paulo, ano 21, n.1078, 24jun.2001. Caderno 2, p.1.
(B) O texto comenta da complexidade quanto à análise dos poemas de Cecília Meireles. Além disso, o artigo menciona a comemoração do centenário de nascimento da poetisa e também traz uma breve biografia sobre ela.
AMBROSIO, Oscar d’. O lirismo essencial. Jornal da UNESP, São Paulo, ano16, n.162, p.12, nov.2001.
(E) O artigo faz alguns comentários sobre a escritora Cecília Meireles através de relatos de estudiosos da obra ceciliana, como Ana Maria Domingues de Oliveira e Rubens Eduardo Frias. O texto ressalta a importância de sua obra e a preocupação da poetisa quanto à Educação, mostrando que ela não era indiferente à realidade social brasileira. Ademais, o artigo traz uma nota de recomendação de leitura de algumas cecilianas disponíveis no mercado.
ANDRADE, Oswald de. Voto a descoberto. In:___ . Telefonema. São Paulo: Globo, 1996.p. 369.
(F) Trata-se de um item do índice remissivo da obra Telefonema de Oswald de Andrade, apresentando um pequeno comentário sobre Cecília Meireles.

ANGIOLILLO, Francesca. Mostra e livro seguem trilhas de Cecília. Folha de S.Paulo, São Paulo, p. E4, 21ago.2001.


(F) O artigo fala de dois eventos em homenagem ao centenário de Cecília Meireles. Um deles, Cecília Meireles: Poeta Viajante consiste uma mostra de fotos, escritos e documentos sobre as viagens da poetisa. O outro é o lançamento do livro de Leila Gouvêa que estuda a influência da poesia portuguesa em Cecília Meireles e vice-versa. Além disso, o artigo traz uma nota sobre o Seminário Internacional Cecília Meireles: 100 anos, promovido pela USP.
ANGIOLILLO, Francesca; MACHADO, Elek Cassiano. Três versões do Olimpo. Folha de São Paulo, São Paulo, p.E1, 10mar.2001.
(F) Trata-se de uma reportagem acerca de três antologias, que segundo apresenta a matéria, seriam seleções de poemas e de autores brasileiros. Os referidos livros são: Os cem melhores poetas brasileiros do século de José Nêumanne Pinto, Os cem melhores contos brasileiros do século de Italo Moriconi e 100 anos de poesia - panorama da Poesia Brasileira do século 20 de Claufe Rodrigues e Alexandra Maia. Cecília Meireles, juntamente com oito autores, são considerados unanimidades conforme apresenta o artigo, uma vez que todos eles estão presentes nas obras citadas.
E AQUI Estou. Presentes bem pensados. Época, São Paulo, n.188, p.109, 24dez.2001.
(F) O artigo traz uma seleção de livros, CDs , DVDs que são indicados. Uma das recomendações é o livro Poesia Completa, de Cecília Meireles da editora Nova Fronteira. Essa recomendação, além de falar sobre a obra faz alguns comentários bastante sucintos sobre o “modernismo” de Cecília.
ARAÚJO, Homero J. V. Os grandes sonhos e a força dos vermes- Sacrifício, história e cruzamento de vozes em “Romanceiro da Inconfidência”. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p.64-78.
(E) O ensaio aponta as diferentes vozes presentes no Romanceiro da Inconfidência. O autor do texto atribui a essas vozes uma função específica e, desta forma, ressalta a presença de variação de timbres e tons apresentados nessa obra.
ARIAS, Juan. Cien años de la Gran poeta de Brasil. El País, Montevideo, p.17, 10nov.2001.
(B) Trata-se de uma nota que traz breves comentários sobre Cecília Meireles. Além disso, menciona a comemoração do centenário de nascimento da poetisa.
ARREGUY, Clara. Maria Fernanda celebra Cecília. Sem referência à fonte.
(F) A reportagem comenta sobre ao espetáculo teatral Cecília que conta com a atuação de Maria Fernanda, atriz e filha de Cecília Meireles. Segundo revela o texto, a peça apresenta poemas da obra Cânticos da poetisa. Ademais, a matéria apresenta uma nota com detalhes acerca do elenco e dos organizadores.
AZEVEDO FILHO, Leodegário A. Cronista da Educação. Educação, Rio de Janeiro, ano 28, n.245, p.30-32, set.2001.
(D) O texto faz uma abordagem sobre as crônicas escritas por Cecília nos jornais cariocas e da participação da poetisa no Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932), o que revelaria a preocupação de Cecília Meireles com o ensino humanístico e popular. O professor Leodegário comenta a existência de grande quantidade de crônicas de Cecília, as quais foram divididas em vários núcleos temáticos. A partir desse estudo ele acredita estar mostrando esse lado de Cecília que muitos desconhecem. O artigo apresenta, ainda, uma crônica da poetisa publicada no Diário de Notícias em 10 de dezembro de 1932 no Rio de Janeiro. O professor Leodegário não menciona, em seu ensaio a obra A farpa na lira, de Valéria Lamego, publicada em 1996, sobre a mesma atuação de Cecília.
AZEVEDO FILHO, Leodegário A. Prosa de poeta. Cult, São Paulo, ano 5, n.51, p.56-58, out.2001.
(E) Este artigo faz parte da reportagem de capa da revista em comemoração ao centenário de Cecília Meireles. O autor deste artigo fala sobre o seu estudo acerca da prosa ceciliana (reunião e sistematização dos textos). Além disso, Leodegário salienta a importância das crônicas cecilianas sobre Educação que segundo ele traz questões bastante reflexivas e atuais. Ademais, esse texto traz uma nota sobre a programação do Colóquio Cecília Meireles & Murilo Mendes, promovido pela UFRGS.
BARROS, João de . Mar absoluto. Diário de Lisboa, Lisboa, ano 26, 27set.1946.
(F) O texto faz um sucinto comentário bastante elogioso da obra Mar Absoluto de Cecília Meireles.
BAÚ da Cecília. Poesia sempre, Rio de Janeiro, ano 8, n.12, p.252-281, mai.2000.
(A) Como o próprio nome do título sugere, trata-se de um agrupamento de textos relacionados a Cecília Meireles. Primeiramente, há uma cópia datilografada do poema Improviso de Manuel Bandeira, em seguida um soneto do livro Espectros de Cecília, além de duas crônicas de Augusto Schimidt sobre a poetisa, assim como um manuscrito de um poema sem título. Por fim, há ainda traduções de poemas que teriam sido feitas pela autora de Vaga Música e uma bibliografia bastante completa sobre a poetisa. Os textos são intercalados com muitas fotos de Cecília Meireles.
BELON, Antonio Rodrigues. A poesia e a pintura de Cecília Meireles. In: CENTRO DE ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS DO PARANÁ, 14., 2000, Maringá. Anais... Curitiba: UFPR, 2001. CD-ROM.
(E) O artigo apresenta uma análise do poema “Natureza Morta” do livro Mar Absoluto e outros poemas (1945) de Cecília Meireles. Desta forma, o texto compara a representação da natureza morta na pintura com a do poema ceciliano referido acima, apontando a semelhança existente entre essas diferentes manifestações de arte.
BELON, Antonio Rodrigues. A poesia de Cecilia Meireles em Solombra. 2001. 201f. Tese (Doutorado em Literaturas de Língua Portuguesa)- UNESP, Faculdade de Ciências e Letras, Assis.
(E) Esta tese de doutorado divide-se, basicamente, em três principais capítulos que, por meio de um levantamento dos lexemas-chave da obra Solombra de Cecília Meireles, propõe, analisar a visão poética, a concepção do homem entre outros aspectos presentes nos poemas dessa obra. Assim, tenta-se a partir dos aspectos levantados sobre Solombra compreender a poética ceciliana. No primeiro capítulo comentam-se os elementos terra, água, ar e fogo presentes no texto ceciliano em questão. Em seguida, aponta-se a relação desses quatro elementos enquanto temporalidade e especialidade e o intelecto “como formação das possibilidades e impossibilidades de indagações e comunicações”.
BERNARDINI, Aurora F. A elegância e sensibilidade de Cecília viajante. Jornal da Tarde, São Paulo, 19dez.1998. Disponível em: <<http://www.jt.estadao.com.br/noticias/98/12/19/sa3.htm>>.Acesso em: 20fev.2002.
(E) Trata-se de um comentário sobre as crônicas escritas por Cecília Meireles entre o período de 1941 e 1952, mais especificamente sobre as crônicas de viagem. A autora do artigo atribui algumas especificidades a esses textos e de forma ilustrativa exemplifica essas afirmações a partir de alguns fragmentos.
BIBLIOTECA Nacional (...). Biblioteca Nacional reflete sobre crise. O Globo, Rio de Janeiro, 15out.1998. Caderno 2, p.3.
(F) Trata-se de um comentário sobre a crise vivida pela Biblioteca Nacional devido a alguns cortes de verbas. O texto aponta que apesar das dificuldades financeiras a instituição promete manter o projeto Poesia Sempre que prevê a publicação de dois mil exemplares com uma homenagem à Rússia, além de algumas entrevistas de 25 poetas mulheres brasileiras e um dossiê Cecília Meireles.
BONAPACE, Adolphina P. A poesia de Cecília Meireles: breves aspectos. Poesia sempre, Rio de Janeiro, ano 8, n.12, p.207-219, mai.2000.

(E) O texto faz parte de um dossiê sobre Cecília Meireles, desta forma, este analisa sucintamente cinco poemas de Cecília, os cincos motivos da rosa, publicados em Mar Absoluto. Além disso, juntamente a este artigo são apresentadas algumas fotos da poetisa e um manuscrito do poema In Memoriam de Mario Quintana em homenagem à autora de Vaga Música.


BORDINI, Maria da Glória. História e poesia no Romanceiro da Inconfidência. Brasil/Brazil, Porto Alegre, ano 9, n.15, p. 81-96, jun. 1996.
(E) O artigo inicialmente questiona a teoria que vê como incompatível a presença do lirismo relacionado à função mimética. Assim, o texto aponta a obra Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles como uma exceção. Desse modo, demonstra-se a preocupação histórica presente neste livro, bem como o não “comprometimento com nenhuma versão hegemônica” sobre o tema. Além disso, são feitos alguns comentários quanto à estrutura do Romanceiro, esclarecendo, portanto, o modo como Cecília tece a história da Inconfidência Mineira nesta obra.
BORDINI, Maria da Glória. Política, criança e poesia infantil. In: PAULINO, Graça (org.). O jogo do livro infantil. Belo Horizonte: Dimensão, 1997. p. 45-57. (Coleção lendo e ensinando)
(E) O texto propõe uma reflexão acerca da presença da função política na poesia infantil. Desta forma, Bordini ressalta os poemas “O mosquito escreve” de Cecília Meireles; “Maroca”: a vovó cocota”, “Pássaro preso vitrola” de Antonio Barreto e “Basta” de Carlos Queiroz Telles, apontando a construção poética e a representatividade política neles presentes.
BRIDI, Marlise V. ; OLIVEIRA, Ana Maria D. ; PEIXOTO, Maria Helena F. Mulheres de valor e valores de mulher: Cecília Meireles, Clarice Lispector e Maria Teresa Horta. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, 9., mai.2002, São Paulo. Caderno de resumos. São Paulo: Instituto de Pesquisas Lingüísticas- PUC, 2002, p.8.
(F) Trata-se de um resumo sobre a mesa redonda intitulada Mulheres de valor e valores de mulher: Cecília Meireles, Clarice Lispector e Maria Teresa Horta apresentada no 9° Congresso brasileiro de Língua Portuguesa promovido pela PUC de São Paulo.

BUENO, Alexei. Em torno do Romanceiro da Inconfidência. Poesia sempre, Rio de Janeiro, ano 8, n.12, p.220-232, mai.2000.


(E) O texto faz parte de um dossiê sobre Cecília Meireles. Bueno tece vários comentários acerca do Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles, estabelecendo um paralelo com outras obras brasileiras. Juntamente a este artigo são apresentados alguns desenhos de Correia Dias, uma foto de Cecília com Mario de Andrade, além de um manuscrito de uma carta (18/03/1943) do autor de Macunaíma à poetisa.
BUENO, Luis. Cecília Meireles - O impasse da eternidade. Folha de S. Paulo, São Paulo, 4nov.2001. Mais!, p.12.
(E) O artigo tece alguns comentários sobre a obra Viagem de Cecília Meireles e de alguns aspectos presentes na poética ceciliana, como a musicalidade, o impasse entre o tempo e eternidade, entre outros. Além disso, menciona a atuação de Cecília como jornalista, estudiosa do folclore brasileiro etc. Ademais, o artigo traz uma nota sobre o Colóquio em homenagem ao centenário de Murilo Mendes e Cecília Meireles, promovido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Caderno do Ciclo de Exposições sobre Arte no Rio de Janeiro. Tempos de Guerra. Galeria de Arte BANERJ, Rio de Janeiro, mar./abr. 1986.
(F) Trata-se de um caderno informativo do Ciclo de exposição sobre Arte, o qual apresenta uma seleção de documentações textuais e iconográficas relativas à exposição. Há depoimentos de Maria Helena Vieira da Silva, esposa de Arpad Szenes, que conta da admiração e da relação do casal por Cecília Meireles.
CAMARGO, Luís. “O mosquito escreve”, de Cecília Meireles: o poema e suas ilustrações. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 4, n.24, p.34-50, nov/dez.1998.
(E) O artigo traz uma análise do poema O mosquito escreve da obra Ou isto ou aquilo de Cecília Meireles. Tal estudo baseia-se na “proposta” do poema juntamente com as ilustrações apresentadas em cinco distintas edições da obra já citada. Segundo o autor do artigo deve

haver uma harmonia entre a ilustração e a proposta do poema, uma relação de “coerência” e “convergência” e não de contradição entre imagem e poema.


CAMARGO, Luís . Ou isto ou aquilo:a poesia da ilustração. Proleitura, Assis, ano 7, n.25, fev.2000, p.1-2.
(E) O texto traz uma entrevista feita pela professora Ana Maria Domingues de Oliveira com Luís Camargo, autor e ilustrador de livros infanto-juvenis e também estudioso da obra ceciliana. A entrevista concentra-se nos comentários acerca da dissertação de mestrado de Luís Camargo acerca das ilustrações da obra Ou isto ou aquilo de Cecília Meireles.
CAMARGO, Luís. A poesia infantil de Cecília Meireles. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 150-162.
(E) Trata-se de um ensaio que aborda alguns aspectos relativos à poesia infantil de Cecília Meireles. Primeiramente, Camargo faz um panorama da história da literatura infantil no Brasil. Em seguida, através do poema “Menino Azul” da obra “Ou isto ou aquilo”, o autor do texto comenta as ilustrações realizadas em algumas edições acerca desse poema, ressaltando a importância de outros recursos de linguagem, como a ilustração, no auxílio da compreensão textual.
CAMARGO, Luís H. Poesia Infantil e Ilustração: estudo sobre “Ou isto ou aquilo” de Cecília Meireles. 1998. 203f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária)- UNICAMP, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas.
(E) Trata-se de uma dissertação de mestrado que, em linhas gerais, analisa por meio de cinco diferentes edições da obra Ou isto ou aquilo de Cecília Meireles a relação que se estabelece entre texto e ilustração nos poemas “Colar de Carolina”, “O mosquito escreve” e “Ou isto ou aquilo”. Com base nos pressupostos teóricos da função da linguagem, especificamente, de Roman Jakobson, bem como nos conceitos da conotação e da denotação, da retórica da imagem e da coerência intersemiótica este trabalho tenta mostrar até que ponto tais ilustrações “convergem” ou “contradizem” a relação entre poema/imagem.

CAMARGO, Luís. Projeto Gráfico, Ilustração e leitura do texto poético. Horizontes, Bragança Paulista, v.15, p.125-141,1997.


(E) O artigo analisa cinco diferentes ilustrações do poema Os carneirinhos da obra Ou isto ou aquilo de Cecília Meireles. O autor do texto questiona até que ponto tais ilustrações conseguem ser fiéis em relação ao sentido do poema em questão, enfatizando, desta forma, a importância da ilustração no auxílio à leitura e à interpretação textual.
OS CAMINHOS do mundo poético de Cecília Meireles. O Globo, Rio de Janeiro, 22mar.1999. Caderno 2, p.2.
(F) A nota fala sobre a programação do seminário Nos mares absolutos de Cecília, segundo o texto, o evento conta com o lançamento das obras em prosa de Cecília Meireles pela editora Nova Fronteira.
CANDIDO, Antonio. Lembrança de Luis Martins. In: Recortes. São Paulo: Companhia de Letras, 1993. p. 178-181.
(F) Trata-se de um texto com relatos saudosistas sobre alguns acontecimentos relacionados ao escritor Luis Martins. Segundo Candido o modernismo não exerceu uma influência “demolidora” nas obras de seu grande amigo Martins, assim como, nas obras de Ronald de Carvalho e Cecília Meireles.
CAPELAS JÙNIOR, Afonso. Cultura aprisionada. Saber, São Paulo, ano 2, n.9, p.8-13, set.2002.
(F) O artigo ressalta algumas questões relacionadas às disputas judiciais entre herdeiros que impedem a reedição de obras de autores primordiais à cultura brasileira, como, Cecília Meireles, Monteiro Lobato, Guimarães Rosa, Mazaroppi, Di Cavalcanti e Ligia Clark.
CARPI, Maria. Cecília e o claro/escuro da poesia: “Solombra”. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 93-97.

(E) A partir de alguns versos de Cecília Meireles, mais precisamente das obras Solombra e Romanceiro da Inconfidência, a autora do ensaio comenta a constante presença da Luz e da Sombra nesses textos poéticos, assim como na poética ceciliana.


CORRÊA, Luciana Borgerth Vial. Infância, escola e literatura infantil em Cecília Meireles. 2001. 134f. Dissertação (Mestrado)- PUC-RJ, Rio de Janeiro.
(E) Esta dissertação de mestrado trata sobre o conceito de infância, escola e literatura infantil na concepção de Cecília Meireles, enfatizando a inserção da poetisa no contexto de intelectuais da Escola Nova que atuaram na estruturação do ensino no Brasil. O estudo divide-se, basicamente, em três partes. Na primeira, por meio de textos da própria Cecília, comenta-se a preocupação da escritora com as questões relacionadas à Educação brasileira, que juntamente com os Pioneiros da Escola Nova visavam a construção de um Brasil moderno. Já na segunda parte, analisa-se a concepção de infância enfatizada pelos escolanovistas que acreditavam que a partir da escola e da infância é que se teria a percepção do ideal de sociedade. Na última parte, com base nos conceitos abordados nos capítulos anteriores sobre escola e infância, discute-se a importância da literatura infantil, bem como papel e o lugar que esta ocupa na formação da criança.
CARVALHAL, Tania Franco. Reinvenção. In: Mulher em prosa e verso. Porto Alegre: Movimento, 1988. p.55.
(A) Trata-se de um poema em homenagem a Cecília Meireles de autoria de Tânia Franco Carvalhal.
CARVALHO, Bernardo. Crônicas anacrônicas. Folha de S. Paulo, São Paulo, p.6, 15jan.2000.
(D) Trata-se de uma resenha acerca do livro Crônicas de Viagem 2 de Cecília Meireles pela editora Nova Fronteira. O autor do texto ressalta o grande tom nostálgico de Cecília que, segundo ele, também se faz presente nessa obra.
CARVALHO, Joaquim Montezuma de. Carta inédita a Ana Maria Domingues de Oliveira. Lisboa, 12out.2000.
(B) A carta traz algumas informações de publicações portuguesas acerca de Cecília Meireles, além disso, apresenta um desenho da poetisa feito por Correia Dias.
CARVALHO, Joaquim de Montezuma de . Inventário crítico sobre Cecília Meireles. Diário de Açores, Açores, p. 10-11, 14mar.2002.
(D) O artigo faz um comentário bastante elogioso acerca da obra Estudo crítico da bibliografia sobre Cecília Meireles de Ana Maria Domingues de Oliveira. Além disso, apresenta uma biobibliografia sobre Cecília extraída do livro citado acima.
CASTELLO, José. Escrita com o coração. Isto é, São Paulo, n.1494, p.115, 20mai.1998.
(F) Trata-se de um comentário sobre a obra Quarta-feira de Eric Nepomuceno. O autor do texto aborda a dificuldade de ser “lírico” nos tempos atuais, apontando que um desses obstáculos equivaleria em ser “lírico” depois de grandes poetas, como Cecília Meireles, Vinicius de Moraes, Manuel Bandeira e Carlos Drummond.
CASTEX, Ana Cristina. A Prosa poética de Cecília Meireles. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 185-190.
(E) O texto aborda a presença de elementos poéticos na prosa de Cecília Meireles. Desta forma, aponta-se a poeticidade existente em trechos do texto “Reino da solidão”, da obra Giroflê, Giroflá, e da crônica “João, Francisco, Antônio”.
CASTRO, Marilda de Souza. Paisagens e vozes da história /história. Revista do Centro de Estudos Portugueses, Belo Horizonte, v. 21, n.28/29, p.19-48, jan./dez.2001.
O ensaio analisa o diálogo entre Literatura e História presente no Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles. O texto, ainda, tece comentários acerca dessa obra, ressaltando alguns conceitos teóricos do filósofo Walter Benjamin, como também a polifonia de vozes de Mikhail Bakhtin que estariam presentes no Romanceiro.
CATANI, Afrânio M. Escola Nova. Folha de São Paulo, São Paulo, 12out.2002. Jornal de Resenhas, p. E7.
(D) Trata-se de uma resenha acerca do livro Crônicas de Educação de Cecília Meireles, organizado por Leodegário A Azevedo Filho.
CAVALCANTE, Djalma. Passagem para a Índia. Cult, São Paulo, ano 5, n.51, p.53-55, out.2001.
(F) Este artigo pertence à reportagem de capa da revista em homenagem ao centenário de nascimento de Cecília Meireles. O autor do texto faz alguns comentários sobre a grande presença do “orientalismo” na poética ceciliana, bem como a influência do hinduísmo e do escritor Tagore na obra de Cecília.
CAVALIERE, Ana M. V. Cecília Meireles sem isto nem aquilo. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, p.1-3, 30jun.2001. Disponível em: <http://www.job.com.br/papel/cadernos/ideias/2001/06/29/joride20010629011.html. Acesso em : 7jul.2001.
(D) Trata-se de um comentário sobre o primeiro volume do livro Crônicas de Educação. Segundo o artigo, esse livro reune crônicas de Cecília Meireles escritas nos jornais cariocas Diário de Noticias (1930-1933) e Manhã (1941-1943) . Além disso, o texto ressalta o engajamento da poetisa quanto às questões educacionais brasileiras.

CECILIA e Mario. Folha de São Paulo, São Paulo, 15dez.1996. Mais!, p.11.


(F) Trata-se de uma breve nota de divulgação da antologia Cecília e Mario que apresenta poemas do autor de Macunaíma. De acordo com o texto este livro teria sido organizado por Cecília Meireles, além de conter um prefácio de Alfredo Bosi.
CECÍLIA em Portugal. Folha de São Paulo, São Paulo, 23set.2001. Mais!, n.502, p.20.
(F) A nota refere-se à divulgação do lançamento da obra Cecília em Portugal de Leila V. B. Gouvêa pela editora Iluminuras. Segundo o texto, o livro traz algumas análises das três passagens de Cecília Meireles em Portugal.
CECILIA Meireles. Orfeo, Santiago, n.15-16, p.7-23, nov.1965.
(B) Esta edição apresenta uma seleção de poetas brasileiros, dentre eles, Cecília Meireles, que é a homenageada pela revista. As páginas sobre a poetisa apresentam uma biografia e diversos poemas de Cecília, os quais encontram-se em português com suas respectivas traduções em espanhol.
CECÍLIA Meireles celebra centenário. Folha de São Paulo, Campinas, 8nov.2001. Folha Acontece, p.E3.
(F) Trata-se de uma divulgação do cronograma do evento Cecília: realidade e sonhos promovido pelo Sesc Campinas em comemoração ao centenário de nascimento da poetisa.
CECÍLIA Meireles. Classe, São Paulo, ano 17, n.90, p.08, 30dez.2001.
(F) A nota elogia o lançamento do livro Poesia Completa de Cecília Meireles pela editora Nova Fronteira, considerando esta obra como uma das melhores notícias relacionadas à comemoração do centenário da poetisa.
CECILIA Meireles.Disponível em:

<http://artista.pt.fortunecity.com/palavras/23/julh01ceciM.htm>. Acesso em: 08fev.2002.
(B) O texto apresenta uma biografia sobre Cecília Meireles juntamente com alguns textos da poetisa.
Centenário de Cecília Meireles. IEA: São Paulo, 2001. folder.
(F) Trata-se de um programa de divulgação do Seminário Internacional Cecília Meireles: 100 anos (23 a 25 out.2001), realizado pela IEA, Área de Literatura Brasileira da FFLCH-USP. O evento em homenagem ao centenário de nascimento de Cecília Meireles propõe debates, conferências e atividades artísticas acerca da poetisa.
CHAVES, Flávio Loureiro. No grande espelho do tempo. Zero Hora, Porto Alegre, 3nov.2001. Cultura, p.8.
(F) O artigo traz breves comentários sobre o Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles. O autor do artigo ressalta a importância dessa obra na literatura brasileira que não se limitaria somente em investigar um fato histórico.
CHAVES, Maria Deosdédite Giaretta. Do fundo da memória extrai-se o Metal Rosicler- Um estudo da poesia de Cecília Meireles. 2000. 149f. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa)- USP, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo.
(E) Este estudo divide-se em quatro partes. Na primeira, a autora do trabalho esclarece o “corpus” desta dissertação é constituído pelos poemas da obra Metal Rosicler, de Cecília Meireles. Desse modo, propõe-se uma abordagem acerca de algumas estruturas lingüísticas e estilísticas como forma de estabelecer uma relação com a expressividade estética dos poemas. Desta forma, na segunda parte desse trabalho aborda-se alguns conceitos teóricos, como os de Saussurre, Hjelmslev, Jakobson, entre outros. Tais pressupostos são exemplificados através de fragmentos de alguns poemas da obra em questão. Já na terceira parte, são feitos comentários acerca da obra Metal Rosicler, como também se analisam alguns poemas. Por fim, na ultima parte são feitas algumas considerações finais sobre as interpretações apresentadas nessa dissertação.
CHEGARAM esta manhã a Lisboa a poetisa brasileira Cecília Meireles e o artista português Correia Dias. Diário de Lisboa. Lisboa, 12out.1934.
(B) Trata-se de um comentário sobre a chegada de Cecília Meireles e seu marido Correia Dias a Portugal. Além disso, o artigo traz uma entrevista com a poetisa e uma foto da autora de Solombra com seu marido.

CLEMENTE, Elvo. A universidade brasileira. Zero Hora, Porto Alegre, p.4, 19dez.1984.


(F) O texto comenta acerca da situação da Universidade brasileira, o autor do artigo cita uma frase de Cecília Meireles como forma de propor um questionamento sobre o desperdício de tempo, que segundo ele, seria um dos grandes motivos que retardam o avanço da Universidade.
COELHO, Irene da Silva. Cem anos de Cecília Meireles. Revista de Ciências, Educação e Artes Dom Domenico, Guarujá, v.1, n.1, p.121-5, jan/jul.2001.
(B) Trata-se de um texto que apresenta uma visão geral e sucinta sobre a vida e obra de Cecília Meireles, desde a sua infância até a sua morte.
COELHO, Marcelo. Um continente ignorado. Folha de São Paulo, São Paulo, 27jun.1999. Mais!, p.9.
(F) Trata-se de alguns comentários sobre a Antologia da Poesia Portuguesa Contemporânea – um panorama, organizada por Alberto da Costa e Silva e Alexei de Bueno. O texto menciona que essa obra teve como ponto de partida a antologia Poetas Novos de Portugal, organizada por Cecília Meireles e por João Alves.
COELHO, Irene da Silva. A lavra da palavra na crônica de Cecília Meireles- Discurso e estilo. 2001. 162f. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) – USP, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo.
(E) Trata-se de um estudo relacionado à prosa ceciliana, particularmente, as crônicas Compensação, Escolha seu sonho e Tristeza de cronista, presentes no livro Escolha seu sonho, publicado em 1964 pela Editora Record. A dissertação, primeiramente, faz alguns comentários sobre a vida e a obra da poetisa. Em seguida, são feitas algumas considerações teóricas referentes aos conceitos sobre linguagem, intertexto, estilística que são utilizados como base para análise desse trabalho. Logo após a essas explanações teóricas, as crônicas são analisadas e comparadas, enfocando o caráter poético presente na prosa ceciliana. Por fim,

a autora apresenta suas conclusões e faz sugestões de como essas crônicas poderiam ser trabalhadas em sala de aula dentro da disciplina de língua portuguesa.


COELHO, Nelly N. Cecília Meireles: vida e obra. Revista do Centro de Estudos Portugueses, Belo Horizonte, v. 21, n.28/29, p.11-17, jan./dez.2001.
(E) O artigo apresenta dados biobliográficos de Cecília Meireles. Além disso, faz alguns comentários acerca da poética ceciliana.
COELHO, Nelly N. O eterno instante de na poesia de Cecília Meireles. In:___. A literatura feminina no Brasil Contemporâneo. São Paulo: Siciliano, 1993. p.35-55.
Ensaio escrito em 1961, publicado in Tempo, solidão e morte (São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1964) e reformulado em 1991. Confira a referência correspondente.
CONY, Carlos Heitor. Zélia na Academia. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 82, n.26711, p.A2, 21mai.2002.
(F) A nota trata da posse de Zélia Gattai na Academia Brasileira de Letras na cadeira que teria sido ocupada por nomes como, Machado de Assis e o seu próprio marido, Jorge Amado. O autor do texto considera uma justa nomeação e menciona nomes de outras escritoras, como, Cecília Meireles e Clarice Lispector que, segundo ele, deveriam também ter sido reconhecidas pela ABL.
COSTA, Cecilia. O reino de Cecília entre sedas, rosas e poesia. O Globo, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/arquivo/literatura/20010419/18lit10.htm>. Acesso em: 22abr.2001.
(F) O texto faz alguns comentários sobre a exposição “O reino da poesia” organizada por Fernanda Correia Dias, neta de Cecília Meireles, e por Piedade Grinberg. A mostra faz parte de uma das homenagens ao centenário de nascimento da poetisa.
COSTA, Cristiane; NINA, Cláudia. Centenário. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p.01-03, 3nov.2001. Disponível em: http://jbonline.terra.com.br/jb/papel/cadernos/ideias/2001/11/02/joride20011102012.html

Acesso em: 4out.2003.


(F) Trata-se de um texto com vários informes sobre eventos relacionados ao universo cultural acadêmico, como, debates, ciclo de palestras, seminários, entre outros. Desse modo, são feitas três referências acerca de Cecília Meireles. Duas delas referem-se à comemoração do centenário de nascimento da poetisa. Já a outra, corresponde a uma nota de divulgação sobre a entrega de prêmios do concurso Cecília Meireles de corpo e alma.
COSTA, Mila S. ; FRANÇA, Melissa M. ; Norma GOLDSTEIN. A múltipla Cecília. Polifonia, Cuiabá, ano 4, n.4, p.45-70, 2002.
(E) Trata-se de um ensaio que destaca o engajamento de Cecília Meireles em projetos de sua época. O texto, inicialmente, aponta alguns aspectos da tese Espírito Vitorioso apresentada, em 1929, por Cecília Meireles a uma banca da Escola Normal do Distrito Federal, concorrendo a uma vaga como professora de literatura, concurso, o qual a poetisa acaba sendo reprovada. Em seguida, comenta-se acerca das obras Batuque, Samba e Macumba (1935) e Artes Populares (1952), ambas de Cecília que abordam aspectos do folclore brasileiro. Além disso, o ensaio faz algumas considerações em relação ao Romanceiro da Inconfidência. Por fim, aborda-se a atuação da poetisa como jornalista e educadora através de trechos presentes no livro Criança meu amor (1924), na cartilha A festa das letras e em alguns artigos publicados na Página de Educação do Diário de Noticias.
COUTO, José Geraldo. Está tudo aqui. Folha de S. Paulo, São Paulo, p.E1,1dez.2001.
(F) Trata-se de um artigo de divulgação do livro Figuras do Brasil com contos, poemas, ensaios, crônicas, memórias e perfis de 80 autores dos últimos 80 anos que tiveram artigos publicados na Folha de S. Paulo. Dentre esses autores selecionados está a poetisa Cecília Meireles.
CRETTON, Maria G. A essência lírica na poesia ceciliana. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 87-92.
(E) Trata-se de um ensaio que a partir de alguns versos cecilianos aborda o lirismo presente na obra poética de Cecília Meireles. Desse modo, demonstram-se traços líricos existentes na poética da autora de Mar Absoluto, considerando-a como a “expressão máxima do lirismo na Literatura Brasileira”.
CRÔNICAS de Viagem. Veja, São Paulo, ano 32, n.42, p.209, 20out.1999.
(F) A nota faz uma recomendação ao livro Crônicas de Viagem, de Cecília Meireles pela editora Nova Fronteira, 285 páginas. Segundo o autor da nota, essa obra apresenta uma coletânea de crônicas que tratam basicamente do tema do cotidiano e de alguns locais por onde Cecília passou.
CRÔNICAS de Viagem 3. Folha de São Paulo, São Paulo, 9abr.2000. Mais!, n.426, p.24.
(F) Trata-se de uma nota de divulgação do lançamento do livro Crônicas de Viagem 3 de Cecília Meireles pela editora Nova Fronteira.
CRUZ, Antonio D. A Viagem na poesia de Cecília Meireles, Lilá Ripoli e Helena Kolody: uma poética da travessia. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 194-200.
(E) Por meio de alguns poemas de Cecília Meireles, Helena Kolody e Lila Ripoll, o ensaio aborda a temática da viagem presente na poética dessas escritoras. desta forma, conclui-se que “a viagem” assume dentro desses textos uma espécie de travessia percorrida pelo eu-lirico em busca do sentido da própria existência.
CRUZ, Gutemberg. Cecília: a reinvenção da vida. A Tarde, Salvador, 7nov.1991.
(B) O artigo traz um sucinto comentário sobre vida e obra de Cecília Meireles, como também menciona a presença da musicalidade na poética ceciliana.

CURY, Maria Z. F. Cartas na mesa: Cecília Meireles escreve a Henriqueta Lisboa. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 79-86.


(E) O ensaio fala da troca de correspondências entre as poetisas Cecília Meireles e Henriqueta Lisboa, mais especificamente das cartas enviadas por Cecília à poetisa que tratam dos mais diversos assuntos. Além disso, ressalta-se a importância desses tipos de texto e do seu caráter revelador.
DAL FARRA, Maria Lúcia. Poesia de mulher em Língua Portuguesa. In:____. ____. Abrindo Caminhos- Homenagem a Maria Aparecida Santilli. Coord e ed. Benilde Justo Caniato e Elza Mine. São Paulo: Vida & Consciência, 2002. p.337-353 . (Coleção Via Atlântico, 2).
(E) Trata-se de um ensaio que, primeiramente, faz algumas considerações acerca da escrita feminina e escrita masculina. Em seguida, apresenta-se uma sucinta biografia de algumas poetisas de língua portuguesa, como, Florbela Espanca, Gilka Machado, Cecília Meireles, Zila Mamede, Adélia Prado e Paula Tavares. O texto, ainda, aponta por meio de alguns poemas o modo como cada autora representa alguns dos diferentes aspectos relacionados ao universo feminino.
DAMASCENO, Darcy. Além da imagem das coisas. Minas Gerais- Suplemento Literário, Belo Horizonte, ano5, n.183, p.7, 28fev.1970.
(F) O texto faz algumas considerações em relação à poesia de Henriqueta Lisboa e juntamente ao artigo há uma foto de Henriqueta com Cecília Meireles, Heitor Grillo e Lucia Machado de Almeida.
DESENTENDIMENTO obriga Maria Bethânia a tira música de seu disco. 24ago.2001. Disponível em: <>. Acesso em: 27ago.2001.
(F) A nota fala sobre a retirada da música Imagem do álbum Maricotinha de Maria Bethânia, em virtude dessa canção possuir trechos de alguns poemas de Cecília Meireles. Isto se deu por não ter havido acordo entre a família da poetisa e a gravadora, para uma possível liberação dos direitos autorais dos poemas.
DEZ poemas inéditos de Cecília Meireles. Revista de Cultura Brasileña, Madrid, n.32, p.79-95, dec.1971.
(F) A matéria apresenta 10 poemas inéditos (em relação à data de publicação deste artigo) de Cecília Meireles traduzidos em espanhol. Além disso, o texto traz uma carta de Heitor Grilo, marido da poetisa, enviada especialmente a revista, que revela a sua preocupação e todo o procedimento adotado para reunir os poemas inéditos de Cecília.
DIAS, Mauricio Santana. Os dez mais brasileiros. Folha de são Paulo, São Paulo 2jan.2000. Mais!, n.412, p.17-9.
(F) Trata-se de uma seleção, realizada pelo jornal Folha de São Paulo, dos melhores trinta poemas brasileiros. O Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles aparece nessa lista ocupando a trigésima posição.
DIAS, Mauro. Sueli Costa musicou o ‘Romanceiro’. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 24jan.2001, Caderno 2, p.D5.
(E) Este artigo comenta a apresentação e o trabalho realizado pela compositora Sueli Costa sobre o Romanceiro da Inconfidência. Segundo o artigo, a compositora teria musicado grande parte dessa obra, privilegiando os poemas que abordam o universo feminino.
DISSERTAÇÕES e teses defendidas na área de Literatura Brasileira em 2001. Teresa, São Paulo, n.3, p.321, 2002.
(F) Trata-se de uma apresentação sobre a dissertação de mestrado de Rejane Tito de Araújo intitulada Tempo de flor: motivos da rosa de Cecília Meireles. Segundo o texto, tal estudo tem por objetivo analisar minuciosamente os cinco “motivos da rosa”, poemas estes que integram a obra Mar absoluto e outros poemas.
DUARTE, Constância L. Considerações sobre a crônica feminina no Brasil. In: CONGRESSO ABRALIC, 4., 1994, São Paulo. Literatura e Diferença: Anais... São Paulo: ABRALIC, 1995. p.213-220.
(E) O artigo comenta a atuação das escritoras Cecília Meireles, Raquel de Queiroz, Dinah Silveira de Queirós e Adalgiza Nery como cronistas, ressaltando o caráter moderno de seus textos, bem como a contribuição dessas mulheres ao jornalismo literário brasileiro.
Edital 33 do Correio. Série Literatura Brasileira: Centenário de nascimento de Cecília Meireles. Rio de Janeiro, 2001. folder.
(F) Trata-se de um impresso do correio sobre o lançamento do selo comemorativo em homenagem ao centenário de nascimento de Cecília Meireles. O folheto informativo traz uma breve biografia em português e em inglês acerca da poetisa.
Editora Nova Fronteira. Não sou alegre nem sou triste sou poeta: Prospecto da Editora Nova Fronteira. Rio de Janeiro.
(F) Trata-se de uma edição especial que apresenta a relação de todas as obras de Cecília Meireles publicadas pela editora da Nova Fronteira. Além disso, o catálogo informativo traz uma biografia e a bibliografia da poetisa.
ENTRE o efêmero e o eterno. Nova Escola, São Paulo, ano14, n.119, , p.54-55, fev.1999.
(E) O texto apresenta uma sucinta biografia sobre Cecília Meireles, como também fotos da poetisa. Além disso, o artigo sugere algumas possíveis atividades que poderiam ser aplicadas em sala de aula a partir de textos cecilianos.
ESCOLHA o seu sonho. Nova, São Paulo. n.54, p.104-111, mar.1978.
(F) Trata-se de uma matéria que apresenta as crônicas: Amáveis, Arte de ser feliz, Da solidão

e Compensação, de Cecília Meireles.

Estação das Letras. Programação do primeiro semestre 1999- Oficinas de leitura e escrita. Rio de Janeiro,1999. folder.
(F) Trata-se de um informativo acerca de oficinas e cursos promovidos pela Estação das Letras. O impresso apresenta uma atividade especial intitulada Nos mares absolutos de Cecília que propõe uma introdução à obra de Cecília Meireles em cinco aulas, estas prevêem a participação de alguns estudiosos sobre a autora de Viagem, além de contar com a presença da filha da poetisa, Maria Fernanda.
ESTENSSORO, Hugo. A lira do Modernismo. Bravo!, São Paulo, ano 5, n.50, p.58-67, nov.2001.
(F) O artigo integra a reportagem de capa da revista em homenagem ao centenário de nascimento de Cecília Meireles. O texto apresenta algumas fotos e uma pequena biografia da poetisa. O autor, ainda, tece vários comentários sobre o espaço que a poetisa ocupa na poesia brasileira do século XX e da dificuldade de alguns estudiosos em enquadrá-la em um dado movimento literário.
ESTEVES, Antônio R.; OLIVEIRA, Ana M. D. Cecília Meireles tradutora de García Lorca. ENCONTRO DE PROFESSORES DE LÍNGUA E LITERATURAS ESTRANGEIRAS. 4., 1996, Assis. Anais... São Paulo: Arte&Ciência, 1996. p.25-28.
(E) Trata-se de uma comunicação apresentada no IV EPLLE. O texto faz algumas considerações em relação à tradução de Bodas de Sangre, do escritor espanhol Federico García Lorca, feita por Cecília Meireles. Desse modo, apontam-se alguns aspectos negativos e positivos desse trabalho de tradução realizado pela poetisa.
EVANGELISTA, Maria J. Cassiano Nunes conversa com Cecília: afinidades estéticas. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 201-206.
(E) A partir de uma interpretação do poema Conversa com Cecília de Cassiano Nunes, o texto propõe uma reflexão sobre a poética de Cecília Meireles e Cassiano.

A EXPOSIÇÃO comemorativa. 19abr.2001. Disponível em: <http://www.uol.com.br/odia/odiad/cd190408.htm>. Acesso em: 22abr.2001.


(F) Trata-se de uma nota sobre a mostra O reino da poesia em comemoração ao centenário de nascimento de Cecília.
FIGUEIRA, Gastón. Gabriela Mistral y el Brasil. Revista de Cultura Brasileña, Madrid, v.6, n.20, p.57-60, mar.1967.
(F) Trata-se de um artigo que comenta a relação de Gabriela Mistral com o Brasil durante os anos que ela morou na cidade do Rio de Janeiro. O texto, ainda, cita alguns ensaios que a escritora teria dedicado ao Brasil. Além disso, o artigo elogia a troca cultural existente entre os países latinos, prova disso, seria a tradução de obras brasileiras para o espanhol, como a dos escritores Jorge Amado, Cecília Meireles, Euclides da Cunha.
FERREIRA, Izacyl G. Poesia, poetas, poemas. O escritor, São Paulo, n.104, p.18, ago.2003.
(F) O texto destaca alguns poetas, como Pedro Salinas, Geir Campos e Cecília Meireles. Desta forma, apresenta-se um poema da obra Solombra e outro do livro Retrato Natural, intitulado “Canção do amor-perfeito”, bem como um breve comentário sobre Cecília.
FIGUEREDO, Lenita Miranda de. Cecília Meireles, 20 anos depois. Folha da Tarde, São Paulo, 12nov.1984.
(A) A autora do artigo manifesta a sua saudade e o seu sentimento de perda em relação a sua mãe e a sua grande amiga Cecília Meireles.
FREIRE, Carlos Torres. Seminário debate legado de Cecília Meireles. Folha de São Paulo, São Paulo, p.E4, 23out.2001.
(F) O artigo traz um breve comentário sobre o Seminário Internacional Cecília Meireles: 100 anos, promovido pela USP em comemoração ao centenário de nascimento de Cecília Meireles. Além disso, menciona a programação desse evento.

FREIRE, Natércia. Pastora de nuvens. Província de São Pedro, Porto Alegre, n.8, p. 35-38, mar. 1947.


(E) O texto, inicialmente, faz algumas considerações sobre Poesia. Em seguida, apresentam-se alguns poemas de Cecília Meireles, intercalados a sucintos comentários. O autor, também ressalta a presença do lirismo ceciliano, apontando a poetisa como a “mais transcendente lírica da nossa língua”.
FUKELMAN, Clarisse. A poesia incompleta de Cecília Meireles. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p.01-04,3nov.2001. Disponível em: http://jbonline.terra.com.br/jb/papel/cadernos/ideias/2001/11/02/joride20011102012.html

Acesso em: 4out.2003.


(F) Trata-se de uma resenha sobre a obra Poesia Completa: edição do centenário de Cecília Meireles. Além disso, o texto comenta acerca da poética ceciliana, destacando a sua diversidade, bem como a grandiosidade da poetisa.
GOLDSTEIN, Norma Seltzer. A poesia para crianças e a divulgação de hábitos saudáveis. Proleitura, Assis, ano 7, n.25, p.8, fev.2000.
(F) Trata-se de um texto que faz alguns comentários acerca da obra A festa das letras de Cecília Meireles em co-autoria com Josué de Castro. Essa obra teria sido lançada pela primeira vez em 1937 , destinada às crianças .
GOLDSTEIN, Norma S. “Romanceiro da Inconfidência” de Cecília Meireles. São Paulo: Ática, 1998. 128p. (Coleção Roteiro de Leitura)
(E) Trata-se de uma edição bastante didática que apresenta uma visão panorâmica sobre a obra Romanceiro da Inconfidência, como também, acerca do contexto histórico e dos movimentos literários que estão relacionados à Inconfidência Mineira. Para explicar os importantes aspectos presentes nessa obra ceciliana, Goldstein aborda, sucessivamente, as partes em que se divide o poema épico: Falas, Cenários e Romances, enfatizando o modo como Cecília representa poeticamente os fatos históricos que se referem à Inconfidência Mineira. Além disso, a obra apresenta um texto de Eduardo Moretten com observações ligadas ao cinema e das diferentes formas que a figura de Tiradentes aparece representada nos filmes brasileiros.
GOMES, Gínia M. Cecília Meireles na Itália. In: MELLO, Ana Maria L. (org). Cecília Meireles e Murilo Mendes (1901-2001). Porto Alegre: Uniprom, 2002. p. 111-116.
(E) O texto aborda a recorrência do tema da viagem na literatura universal. Desta forma, aponta-se as crônicas de Viagem de Cecília Meireles, mais especificamente, as crônicas relativas à Itália, como um grande exemplo de narrativas de viagem.
GOTTLIB, Nádia Battella. Portugal em Cecília. Cult, São Paulo, ano 5, n.51, p.62-63, out.2001.
(E) O artigo pertence à reportagem de capa da revista em homenagem ao centenário de Cecília Meireles. O texto comenta o livro Cecília em Portugal de Leila Gouvêa. Essa obra, segundo a autora do artigo, ressalta a recepção da poesia ceciliana em Portugal, assim como o empenho de Cecília em divulgar a poesia brasileira no país de Fernando Pessoa.
GOUVÊA, Leila V. B. Os achados decisivos de Mário na poética madura de Cecília. Revista da Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, v. 59, p.155-159, jan./dez.2001.
(F) O artigo menciona algumas considerações que Mario de Andrade teria feito acerca da lírica ceciliana.
GOUVÊA. Leila V. B. Agora, toda a prosa. JL, Lisboa, p.23, 15jul.1998.
(F) O artigo comenta a expectativa acerca de alguns lançamentos de textos (alguns inéditos) de Cecília Meireles em comemoração ao centenário de nascimento da poetisa pela Editora Nova Fronteira. O texto chama atenção para o lançamento da obra em prosa de Cecília, organizada por Leodegário A.de Azevedo Filho.
GOUVÊA, Leila V. B. O avesso de uma poética. Teresa – Revista de Literatura Brasileira, São Paulo, n.2, p.285-289, 2001.
(D) Trata-se de uma resenha acerca dos volumes Crônicas de Viagem 1, 2 e 3 que reune crônicas de Cecília Meireles, organizado por Leodegário A. de Azevedo Filho. O texto tece comentários acerca dos diferentes aspectos presentes nessa coletânea de crônicas, apontando-as como esclarecedoras para a compreensão da obra poética ceciliana.
GOUVÊA, Leila V. B. A capitania poética de Cecília Meireles. Cult, São Paulo, ano 5, n.51, p.42-47, out.2001.
(E) Este artigo integra a reportagem de capa da revista em comemoração ao centenário de nascimento de Cecília Meireles. O texto, basicamente, ressalta a importante atuação de Cecília não somente como poetisa, mas também como tradutora e prosadora (escritora de crônicas) etc. A autora do artigo considera a obra de Cecília enriquecedora ao modernismo brasileiro, distinguindo-se deste através de seu lirismo profundo. Além disso, Leila Gouvêa também faz alguns comentários sobre o Romanceiro da Inconfidência e de uma possível leitura alegórica do Brasil atual a partir de alguns poemas dessa obra.
GOUVÊA. Leila V. B. Cartas de Cecília Meireles. JL, Lisboa, p.5-6, 24fev.1999.
(F) O artigo comenta a publicação de dois livros que segundo a autora do texto são de grande valia para os estudiosos da obra de Cecília Meireles. Um deles é Cecília uma poética do eterno instante de Maria Margarida Maia Gouveia e o outro seria a publicação de cartas inéditas que Cecília teria escrito a Armando Cortes Rodrigues. Além disso, menciona-se a relação de amizade entre a poetisa e Armando Cortes e das cartas por eles trocadas.
GOUVÊA, Leila V. B. Cecília Meireles. Folha de São Paulo, São Paulo, p. A3, 18jul.2003.
(F) Trata-se de um breve comentário feito por Leila Gouvêa, com elogios e críticas, em relação à resenha de Marcelo Pen sobre livro “Batuque, samba e macumba” de Cecília Meireles. A autora do texto aponta como equivocada a observação de Pen ao dizer que as pesquisas afro-brasileiras da escritora de Vaga Música eram voltadas para as elites.

GOUVÊA, Leila V. B. Cecília Meireles : Cartas a Cortes- Rodrigues. Revista da Biblioteca Mario de Andrade, São Paulo, v. 57, p.199-204, jan./dez.1999.


(E) O artigo menciona algumas personalidades as quais Cecília Meireles teria trocado correspondências, dentre elas, Côrtes-Rodrigues. O texto, ainda, apresenta trechos de cartas trocadas entre eles , comentando alguns assuntos mais recorrentes nessas cartas.
GOUVÊA, Leila V. B. Cecília Meireles e a crítica. In: SEMINÁRIO NACIONAL MULHER E LITERATURA, 7., 1997, Niterói. Anais... Niterói: EdUFF, 1999. p.521-526.
(F) O artigo comenta, basicamente, sobre a falta de estudos mais abrangentes e representativos acerca de Cecília Meireles. Além disso, ressalta-se o esquecimento da crítica em relação à poetisa. O texto também menciona alguns comentários feitos por ilustres personalidades, como Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Drummond e Murilo Mendes referentes à poética ceciliana.
GOUVÊA, Leila V. B. Cecília e os poetas. Veredas, Rio de Janeiro, ano 6, n.68, p.40-44, ago.2001.
(F) O artigo traz alguns breves relatos de autores modernistas, como Carlos Drummond Murilo Mendes, Mário de Andrade e Manuel Bandeira sobre Cecília Meireles, enfatizando, principalmente as observações feitas por esses dois últimos escritores. A autora explicita a sua admiração pela poetisa, considerando-a “nossa imortal cantora do instante”.
GOUVÊA, Leila V. B. Cecília em Portugal. São Paulo: Iluminuras, 2001. 123p.
(E) Trata-se de um livro denominado pela própria autora como um “ensaio biográfico”, que apresenta diversas informações referentes às experiências de Cecília Meireles em terras portuguesas. O capítulo intitulado “Viagem” faz alguns comentários relacionados à viagem que Cecília fez à terra de Camões em 1934. Em “Os amigos portugueses”, como o próprio título do capítulo sugere, são apontados alguns dos grandes amigos portugueses de Cecília Meireles. Paralelamente, são citados alguns poemas que a poetisa teria dedicado a eles. Já no capítulo “Fernando Correia Dias”, além de expor alguns dados da biografia do primeiro marido de Cecília, comenta-se a visita que o casal fizera à família de Correia Dias em Portugal. Em seguida, o capítulo “Poesia, educação e folclore” ressalta a atuação da poetisa quanto a tentativa de difundir a cultura de seu país em Portugal. Desta forma, menciona-se algumas conferências proferidas por ela em terras portuguesas, o que reflete sua preocupação em divulgar a cultura brasileira. Já em “Pessoa. História de um (Des) Encontro” comenta-se o descontentamento da poetisa por não ter conhecido Fernando Pessoa, ressaltando a admiração de Cecília pelo autor de Mensagem. Além disso, são feitas algumas comparações entre ambos escritores. Em ‘Crítico e outros amigos portugueses” aborda-se a recepção de algumas obras cecilianas em Portugal. O capítulo também aponta importantes nomes da crítica portuguesa e suas respectivas considerações acerca da autora de Viagem. Por fim, o capítulo “Lisboa Revisitada. E a ilha” fala, basicamente, da viagem de Cecília à Ilha de São Miguel em 1951. Partindo deste mesmo ano, Gouvêa comenta, cronologicamente, outras viagens que a poetisa teria realizado até 1964, ano de sua morte.
GOUVÊA, Leila V. B. Cecília Meireles: manuscritos lusíadas. Convergência Lusíada, v. 19, número especial, p.247-258, 2002.



  1   2   3   4


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal