Aprendizagem



Baixar 28.79 Kb.
Encontro20.04.2018
Tamanho28.79 Kb.

Roberta Merino Masina


Curso de Formação de Professores- Sogab

Aprendizagem


O processo de aprendizagem pode ser definido de forma sintética como o modo como os seres adquirem novos conhecimentos, desenvolvem competências e mudam o comportamento.

Aprender vem de “ad” (junto de alguém ou algo) e “praehendere” (tentar prender, agarrar, pegar).

Seres Humanos e as Tartarugas

Aprendemos porque somos seres inacabados : as tartarugas nascem “sabendo” o que precisam. Nacem na praia sem a presença da mãe. Mesmo assim, elas “sabem” que devem ir para o mar, caso contrário podem acabr na boca de algum predador. Os seres humanos contudo, se abandonados , mesmo com alguns meses de vida, eles morreriam. Nascem frágeis. Se os pais não os alimentam, morrem. Por isso precisamos aprender, fazemo-nos relação com o outro, mediados pelo mundo, pela realidade em que vivemos.

Se aprendemos algo que não tem sentido, não atende a alguma necessidade, não aprendemos. O que aprendemos tem que significar para nós. Alguma coisa ou pessoa é significativa quando ela deixa de ser indiferente.esquecemos o que aprendemos sem sentido, o que não pode ser usado. Guardar coisa inútil é burrice. “O corpo aprende para viver. É isso que dá sentido ao conhecimento. O que se aprende são ferramentas, possibilidades de poder. O corpo não aprende por aprender. Aprender por aprender é estupidez”. (Ganote, 2003)

Empirismo

 

É um movimento que acredita nas experiências como únicas (ou principais) formadoras das idéias, discordando, portanto, da noção de idéias inatas.



Esta é a tese que se opõe ao racionalismo. A única fonte do conhecimento humano é a experiência. O espírito humano é vazio , uma tábula rasa. A experiência tem papel preponderante.

Locke foi o fundador moderno de tal postura afirmando que a psique era um papel em branco e que tudo provinha da experiência não existindo conhecimento inato. Mill e Hume seguem a mesma linha afirmando que não há proposições a priori e até mesmo as leis básicas do pensamento são resultado de experiências de outrora.

Locke argumentou que a mente seria, originalmente, um "quadro em branco" (tabula rasa), sobre o qual é gravado o conhecimento, cuja base é a sensação. Ou seja, todas as pessoas, ao nascer, o fazem sem saber de absolutamente nada, sem impressão nenhuma, sem conhecimento algum. Todo o processo do conhecer, do saber e do agir é aprendido pela experiência, pela tentativa e erro.

Na Antigüidade


Aristóteles deu grande importância à indução baseada na experiência sensível.A idéia de que todos os conhecimentos são provenientes das experiências aparece pela primeira vez, embora muito pouco definida, nos filósofos sofistas, que acreditavam na visão relativa do mundo, sintetizada na frase de Protágoras: O homem é a medida de todas as coisas. Essa máxima mostra que o mundo é conhecido de uma forma particular e muito pessoal por cada indivíduo, sendo a experiência, certamente, fator importante para esse conhecimento.

Na Idade Média


Durante quase toda a Idade Média, o pensamento cristão subordinava a filosofia à religião, fazendo as preocupações com a experiência sensível darem lugar a "idéias" como Deus.

Opondo-se à doutrina agostiniana, a escolástica acreditava que fé e empirismo não eram excludentes, e sim complementares.


Na Idade Moderna


A partir de Francis Bacon, foi sendo elaborado um método que sistematizasse as impressões dos sentidos

Na Idade Moderna, graças aos trabalhos do filósofo inglês Francis Bacon, o empirismo começou a se delimitar tal como o conhecemos hoje. Bacon criticava tanto o conhecimento que não fosse proveniente dos sentidos quanto os próprios empiristas de épocas anteriores. Para ele, o método utilizado por empiristas anteriores não era sistemático: embora recolhessem dados da experiência, essas informações eram "capturadas" ao acaso, sem o auxílio de um método rigoroso e sem constituir um todo coerente.


O Empirismo britânico


John Locke é considerado o fundador do empirismo britânico, em oposição ao racionalismo que predominava na maior parte da Europa continental. Em seu livro Ensaio Sobre o Entendimento Humano, Locke descreve a mente humana como uma tabula rasa (literalmente, uma "ardósia em branco"), onde, por meio da experiência, vão sendo gravadas as idéias. A partir dessa análise empirista da epistemologia, Locke diferencia dois tipos de idéias: as idéias simples, sobre as quais não se poderia estabelecer distinções, como a de amarelo, duro, etc., e as idéias complexas, que seriam associações de idéias simples (por exemplo ouro — que é uma substância dura e de cor amarelada). Com isso, formaría-se um conceito abstrato da substância material.

No Século XIX


Várias escolas filósoficas foram influenciadas pelo empirismo, destacando-se principalmente o positivismo e o fenomenalismo. Igualmente numerosas foram as tentativas de relacionar empirismo e racionalismo

O Empirismo lógico


Entre as correntes contemporâneas de empirismo destaca-se o empirismo lógico (também conhecido como positivismo ou neopositivismo lógico, embora alguns não concordem com essa sinonímia), uma tentativa de sintetizar as idéias essenciais do empirismo britânico (por exemplo, a forte ênfase na experiência sensorial como base para o conhecimento).
Apriorismo
É a hipótese, oposta ao empirismo, segundo o qual o indivíduo, ao nascer traz condigo, já determinadas, as condições do conhecimento e da aprendizagem que se manifestaram imediatamente ( inatismo) ou progressivamente pelo processo geral de maturação

O indivíduo conhece porque já tem em si o conhecimento. A concepção de conhecimento que acredita se conhece já se traz algo, ou inato ou programado na bagagem genética, para amadurecer mais tarde, em etapas previstas. Os aprioristas são todos aqueles que pensam que o conhecimento acontece em cada indivíduo porque ee já traz, em seu sistema nervoso, o programa pronto. O mundo das coisas ou dos objetos tem função apenas subsidiária: abastece, com conteúdo, as formas existentes a priori (determinadas previsamente).

Falas dos professores que caracterizam:

Ninguém pode transmitir. É o aluno que aprende”.

“Ah! Isso é difícil, porque acho que ninguém pode ensinar ninguém, pode transmitir, pode tentar mostrar.”

“Acho que a pessoa aprende praticamente por si”.

“O conhecimento para a criança é intuitivo, não se ensina, não se transmite”.

“O conhecimento é alguma coisa que a gente tenta despertar no aluno”.

Se a epistemologia do professor for apriorista, ele tentará a subestimar o tremendo poder de determinação que as estruturas sociais, em particular a linguagem, tem sobre o indivíduo. Conceberá esse indivíduo como um semideus que já trazem toda a sabedoria ou, pelo menos, o seu embrião. É claro que, inconscientemente, aceitará que só certos estratos sociais tenham tal privilégio : os índios, os não negros, os não pobres.

 

EXEMPLOS:


1. Por que uns assimilam e outros não? Por que um tirou nota melhor e o outro não? Vem da própria criança; umas tem condições e outras não.
2. Quanto mais inteligente uma criança, maior vai ser o desenvolvimento dela...Eu por exemplo tenho um irmão mais velho que não caiu pro esporte, não sei por quê; eu sempre me dei bem no esporte.
Modelos Epistemológicos: Empirismo e Apriorismo





Empirismo

Apriorismo

Relação sujeito com o meio

Meio age sobre o sujeito

Sujeito age sobre o meio

Erro

Execrado, abominado na qual são fornecidos exercícios para a promoção do acerto

É dado complacência na qual cada sujeito é o que é

Papel do professor

Transmissor/ expositor de conhecimentos, estimulador

Facilitador, organizador das condições favoráveis ao insight

Papel do Aluno

Receptor de conhecimentos, responde aos estímulos (fazer conexões), passivo (renuncia ao direito de pensar). Os alunos não querem pensar, são preguiçosos, o aluno é considerado uma tábula rasa.

Desenvolver o conhecimento que possui, deixar que venha à tona.

Ensino

Transmissão, punição (notas), castigo, treino, disciplinamento

Organização do campo de percepção em que a inteligência é inata. Como o saber é de nascença, existem pessoas que não conseguem aprender mesmo (déficit herdado – sou burromesmo) e os que tem maior dificuldade de aprendizagem são os pobres, carentes e marginalizados.

Conhecimento

Informação, idéia ou noção adquirida, é vivência, experiência adquirida, é tudo o que fica armazenado no pensamento e a partir da vivência de cada um.

Re-conhecimento conteúdos inatos

Aprendizagem

Adquirir conhecimento, absorver o que é transmitido, modificação do comportamento, exercício ou prática inicial de matéria aprendida, experiência, cópia (emissão de respostas)

Dar sentido aos estímulos a partir das estruturas internas e pré-formadas no sujeito

Inteligência

Por acúmulo de conhecimentos, pois o aluno inicialmente é uma tabula rasa

Inata


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal