Artigo simpósio integralidade



Baixar 65.84 Kb.
Encontro05.01.2018
Tamanho65.84 Kb.




Escuta como cuidado: o que se passa nos processos de formação e de escuta?

ANA LUCIA C. HECKERT


É possível ensinar? É possível ensinar a escutar? O que significa a escuta como cuidado? Pensamos cuidado, ensino e escuta como processos que não guardam entre si uma relação de externalidade. Nesta medida, nos afastamos da compreensão de que há um outro sobre o qual atuamos, intervimos e depositamos conhecimentos e técnicas, de quem extraímos saberes, de quem cuidamos. Partilhamos da compreensão de que sujeitos e objetos se constituem nas relações, e não como unidades independentes e que guardam uma relação de interação entre estas unidades. Neste sentido, é preciso que façamos uma inflexão nas questões anteriores, indagando: o que se passa na formação? O que se passa na escuta?

Paulo Freire (1978) já havia nos advertido acerca de uma perspectiva bancária na relação com o outro, apontando que não haveria em um pólo um sujeito de suposto saber e, no pólo oposto, um sujeito destituído de saber. Pensar a formação, a escuta e o cuidado na perspectiva bancária traz vários e sérios efeitos. Portanto, a pergunta “É possível ensinar a escutar?” nos lança neste terreno de provocações. Tais provocações nos atiçam à produção de outros sentidos, diversos daqueles já instituídos, do que temos tomado como escuta e como ensino.

Freud já nos teria advertido que educar é tarefa impossível, posto que sua realização jamais poderia ser alcançada integralmente (MILLOT, 1987). O que estaria sendo afirmado aqui não nos parece da ordem da incapacidade de uma educação, de sua impotência, mas sim da ordem da impossibilidade do controle e da sujeição de modo absoluto, da impossibilidade das generalizações. O que Freud nos auxiliou a perceber é que a escuta não é algo que se ensina por um ato pedagógico, pela transmissão de um conteúdo a ser aplicado. Como nos alerta Kupermann (2004), o mais importante não pode ser transmitido como técnica.

Ao contrário disso, a escuta (clínica) para Freud, como nos mostra Kastrup (2007), exigiria uma espécie de atenção flutuante,1 uma vez que o perigo da focalização da atenção do analista é que essa “concentração” o levaria a negligenciar aspectos fundamentais – e mais, o levaria a “descobrir o que já sabe” (Freud apud KASTRUP, 2007, p. 1).

Se entendemos que ensinar é abrir-se ao estranhamento, àquilo que em nós não há respostas prévias e é índice de nossa ignorância, também poderíamos dizer que ensinar a escutar é tarefa impossível. E esta impossibilidade se daria porque estaríamos transitando num campo de simplificação da escuta, reduzida, exclusivamente, ao “ouvir pedidos”, a coletar dados a partir de perguntas encaminhadas com respostas prontas, a uma técnica a ser operacionalizada. Sairíamos do campo da escuta como experimentação e nos manteríamos no terreno da confirmação de hipóteses previamente traçadas. Ou seja, permanecemos capturados num método de escuta em que a meta tem a primazia em relação ao caminhar (meta/hodos). Mas, se aceitamos o desafio de que a escuta requer transitar num terreno complexo,2 talvez seja necessário entendê-la como hodos meta, isto é, no caminhar é que a direção (meta) se constitui (BENEVIDES; PASSOS, 2000). Portanto, tomar essa provocação nas mãos nos arrasta para um campo de discussão acerca dos processos de formação, exigindo que coloquemos em análise o conceito de cuidado e o conceito de formação.

Neste ensaio, priorizaremos o debate acerca da formação e da escuta, uma vez que muitos autores (AYRES, 2003; MERHY,1999; TEIXEIRA, 2003) têm trazido importantes contribuições à problematização do cuidado em saúde, indicando, especialmente, que o cuidar não pode ser reduzido a uma dimensão técnica. Ou seja, o cuidado não se restringe à apropriação de tecnologias “duras”, tampouco deve se efetuar como ato individualizador e culpabilizador do outro por suas condições de vida, de trabalho e de saúde. Discutir as práticas de cuidado impõe, necessariamente, análise dos processos de gestão e de trabalho na saúde. Ao mesmo tempo, no campo da saúde pode-se perceber que o tema da comunicação, inclusão e escuta dos usuários e profissionais de saúde tem ganhado relevo.

A interrogação acerca do debate proposto nos permite, então, traçar outras provocações. Seria o caso de debater se é possível ensinar a escuta como cuidado ou se trata de interrogar o que se passa na escuta, o que se passa nos processos de formação? Poderíamos, então, tomar a formação em duas linhas, que se entrecruzam permanentemente: como produção de escuta surda3 e como modo de construção da escuta como experimentação. Para isso, nosso debate se inicia com uma breve análise dos processos de formação para, em seguida, problematizar a questão da escuta.
Fôrmas de ação, formas de ação: a formação como usina

O debate atual no campo da formação tem acentuado a importância de revisão dos modos como vimos compreendendo e intervindo nesse campo. Apesar das muitas contribuições oriundas de várias áreas (educação, educação popular, psicologia, etc.), ainda persiste entre nós uma acepção de formação vinculada à transmissão de conhecimentos e informações, permeada por um viés comportamentalista-cognitivo que visa à mudança de atitudes. Esse viés se presentifica, seja nos cursos de formação dos profissionais de saúde, seja nos chamados processos de capacitação dos profissionais, bem como no campo da Educação em Saúde.

A aposta em processos de formação, em seu viés libertário e produtor de autonomia, difere daquelas noções que tomam a educação como repasse de informações de um emissor a um receptor. Compreendendo que tais pólos (emissor e receptor) são entes já dados, já formatados, preexistentes, não se consegue entender que a produção de sujeitos se faz no encontro entre forças e processos de vários matizes. As tessituras desses vários matizes se afastam daquelas ações de formação eminentemente prescritivas, modeladoras, voltadas à mudança de comportamento e tomando os sujeitos em abstrato, metro-padrão modelar e homogêneo.

As ações de formação fundamentadas em teorias da aprendizagem de corte cognitivo-comportamentalista desprezam os saberes e experiências dos sujeitos, focalizando a doença e pouco contribuindo na produção de saúde. Aliás, cabe ainda indagar qual noção de saúde permeiam estas práticas. A saúde seria um estado de equilíbrio a ser encontrado e quando este equilíbrio se coloca como uma impossibilidade entra em cena a compreensão de que ter saúde seria lidar com os limites já impostos ao corpo. Neste caso, ter saúde seria regular o des-regulado, aprender a conviver com impossibilidades. Como afirma Cyrino (2005), parte-se da compreensão de que há uma relação direta e mecânica entre conhecimento e comportamento. Neste caminho, as práticas de educação em saúde, por exemplo, visariam à mudança do comportamento inadequado e reforço dos comportamentos prescritos como saudáveis.

O que prevalece nas perspectivas cognitivo-comportamentalistas é a compreensão de que há uma relação direta entre homem e meio externo, a aprendizagem implica mudança comportamental e se dá como conseqüência da relação estímulo-resposta, das informações veiculadas, dos conhecimentos transmitidos. Ou seja, parte-se do pressuposto de que é possível mudar o comportamento por meio do processo de aprendizagem, modelando-o e reforçando-o; é possível prever, controlar e determinar os caminhos da aprendizagem. Desse modo, a transmissão de informação de forma planejada, com objetivos bem definidos, e avaliação externa das etapas desenvolvidas, seriam fatores a garantir um bom processo de aprendizagem e, como conseqüência, a alteração do comportamento pretendido.

Cabem algumas perguntas? O que estamos definindo como comportamento saudável? O que significa reduzir o humano ao seu “comportamento”? O que significa afirmar que os “comportamentos inadequados” se dão por falta ou equívoco de informação? Seria possível alterar estilos de vida (tomados como construções abstratas e a-históricas) sem compreender que tais “estilos” constituem-se em um entrecruzamento de múltiplos processos?

De início podemos afirmar, sem maiores receios, que as perspectivas de formação, baseadas numa compreensão do sujeito como passivo, destituído de saberes competentes ao cuidado de si, assumem caráter modelar e moralizador, posto que utilizam como parâmetros prescrições divorciadas do cotidiano dos sujeitos, de seus saberes e de suas experiências. Trata-se, na verdade, da imposição (muitas vezes sutil) de saberes a um outro, supostamente visto como sujeito passível de tutela. De um lado, um emissor (conhecimento técnico-científico); do outro, um receptor (sujeito passivo destituído de saber) que deveria conscientizar-se e/ou apropriar-se de um saber competente.

Contudo, vários aportes teóricos, vindos das ciências humanas inclusive, têm mostrado que a produção de saúde, o controle social etc. não têm correspondência direta com a “falta” de informações “pertinentes”. As jovens que engravidam, não tiveram filhos, necessariamente, por falta de informações. O tabagista não mantém o uso de tabaco por desconhecimento dos danos à sua saúde. O diabético não atende às prescrições, não efetiva cuidados prescritos, exclusivamente por um déficit de informações, por ignorância de conhecimentos e práticas adequadas. Os profissionais de saúde não mudam suas práticas por desconhecimento de um suposto saber competente. O controle social não se efetiva apenas por falta de informações relativas às políticas de saúde.

Há aí um terreno complexo em que perspectivas conceituais reducionistas não dão conta de compreender. As informações, a apropriação de conhecimentos técnico-científicos, por si só, não redundam em mudança das práticas. Desse modo, podemos já afirmar que as ações de formação que se fazem de forma verticalizada, ou até mesmo apenas horizontalizada, não têm condições de alterar as práticas instituídas e naturalizadas pelos sujeitos.

As mudanças nas práticas vinculam-se às apostas que podemos efetivar no sentido de criar ações de formação problematizadoras das evidências que nos constituem como sujeitos (FOUCAULT, 1984), do cuidado em saúde como prática que se efetua em meio ao compartilhamento de experiências.

Dessa perspectiva de formação, em sua versão unilateral e tecnicista, acopla-se a noção de cuidado, ainda hegemônica, como processo individual de proteção do corpo, da saúde, independentemente das condições sociais, históricas, culturais e econômicas. O cuidado, como ato solitário e individual, torna-se mais um meio de culpabilização dos indivíduos, de responsabilização individual pelo que ocorre em suas vidas. O cuidado, definido como iniciativa individual (de profissionais e/ou usuários), habilidade de solucionar problemas, como meio de controlar os fatores que interferem negativamente na promoção de saúde, como capacidade de lidar com limites impostos ao corpo, despreza questões fundamentais. Uma delas seria que a solução de problemas se atém a certo quadro de problemas recortados por um conjunto de saberes eminentemente técnicos, por relações de poder que desprezam o que os próprios sujeitos definem e anunciam como problema em suas vidas cotidianas.

A autonomia, prescrita nesta acepção de cuidado, está referida a uma autonomia que é exercida e construída individualmente, e não a um processo de negociação e construção coletiva. Ainda que as práticas de cuidado coloquem em cena a relação entre sujeitos, as prescrições (homogeneizadoras) do que seja produção de saúde fundamentam-se em especialismos desqualificadores dos saberes cotidianos, dos saberes construídos pelos sujeitos para lidar com a variabilidade e imprevisibilidade que constituem o humano.

Ressaltamos, assim, que a formação acaba por se engendrar como fôrmas de ação (HECKERT, 1992), produtora de ecos a serem repetidos indistintamente. Trata-se de processos de formação divorciados dos processos de intervenção que refletem sobre, pensam sobre, interferem sobre, mas não refletem/pensam/interferem com os sujeitos. Quando os processos de formação operam por meio da fragmentação de saberes, descolada dos processos de trabalho,4 dos sussurros e cheiros do mundo em que vivemos, acabamos por realimentar latifundiários do saber que tutelam os sujeitos. E é neste sentido que a formação é um vetor fundamental na produção de saberes/fazeres modeladores das formas de existência, ao mesmo tempo em que pode se constituir como espaço de compartilhamento de experiências.

Quando afirmamos que a formação não se reduz a um processo de transmissão de conhecimentos/informações, tampouco se faz de modo contínuo e somatório, é porque compreendemos que todo processo de formação se produz no encontro com a alteridade.5 Todo processo de formação é processo de produção de subjetividade e se faz em meio a processos de luta que implicam movimentos de desterritorialização e reterritorialização6.

Foucault, ao chamar atenção para uma noção de saber como luta, batalha entre forças, contrapunha-se àquelas postulações do conhecimento como uma matéria já dada a priori, disponível no mundo para ser apreendido e aplicado. Ao contrário da noção do conhecimento como ferramenta de compreensão e explicação do mundo, Foucault (1979, p. 27) afirmava que o saber “[...] é feito para cortar.” Apontando para uma compreensão de conhecimento como efeito de relações de poder e saber, esse filósofo também colocava em questão postulações de uma suposta soberania do sujeito (existente a priori), livre e desinteressado, que produziria saberes em um deserto de história, economia, política, cultura.

Essas relações de “poder-saber” não devem então ser analisadas a partir de um sujeito do conhecimento que seria ou não livre em relação ao sistema de poder; mas é preciso considerar ao contrário que o sujeito que conhece, os objetos a conhecer e as modalidades de conhecimento são outros tantos efeitos dessas implicações fundamentais do poder-saber e de suas transformações históricas [...] não é a atividade do sujeito de conhecimento que produziria um saber, mas o poder-saber, os processos e as lutas que o atravessam e que o constituem, que determinam as formas e os campos possíveis do conhecimento. (FOUCAULT, 1983, p. 30).


Tomar a formação, a produção do saber, como efeito de processos em luta nos abre a possibilidade de fazê-la funcionar como um dispositivo potente de intervenção, como usina de produção. É neste sentido que temos afirmado a formação como potência disruptiva (HECKERT; NEVES, 2007), o que nos lança num campo de análise e interrogação permanente do estado de coisas instituído (as formas) e da abertura ao imponderável e imprevisível campo dos movimentos de criação. Ao ressaltar o caráter intervencionista do conhecimento, recusa-se a falsa dicotomia saber-fazer, formar-intervir, teoria-prática; afirmando que formar é intervir.

Contudo, é importante ainda advertir que a afirmação da indissociabilidade formar-intervir está entrelaçada a uma aposta ético-política de produção de vidas dignas de serem vividas, de recusa e indignação com o estado de coisas (formas instituídas) que ainda vigora no campo das políticas públicas. Tal estado de coisas diz respeito tanto aos recursos públicos destinados à saúde, à iniqüidade nas políticas públicas de saúde e abrangem, também, práticas arraigadas em preconceitos segregadores, processos de gestão verticalizados, fragmentação e precarização dos processos de trabalho, modelos de atenção focalizados na queixa-conduta, baixa resolutividade nas práticas de atenção-gestão da saúde, tutela e desqualificação dos sujeitos, dentre outros.

Desse modo, afirmar tais princípios impõe a discussão dos modos de fazer os processos de formação. No lugar de regras prescritoras, de práticas bancárias, de fortalecimento dos especialismos, a formação-intervenção requer ser acionada como dispositivo de abertura a outras sensibilidades, colocando em cena, sempre, a análise das instituições que atravessam os processos de formação de modo a ampliar os graus de transversalidade.7

Com essa discussão queremos apontar que somente é possível pensar numa escuta como experimentação, como reinvenção de si e do mundo, se colocamos em análise os processos de formação em que os modos de escuta são engendrados. O que é escutado e como se escuta está atravessado por um campo de práticas sempre em movimento entre formas e forças.


Os processos de formação: escuta surda e escuta como experimentação

Retomamos agora a discussão dos modos de escuta visando a analisar como os processos de formação se dão na encruzilhada, numa espécie de fio da navalha, entre a produção de escuta surda e da escuta-experimentação. Baptista (2000), quando analisou os processos de formação como fábrica, como modo de produção de sujeitos, indicou que esses processos se forjavam em meio a várias práticas e produziam diversos efeitos. Dentre eles, destacou a escuta surda como efeito de práticas de formação intimizadoras, pautadas nos preceitos cientificistas de neutralidade que, no lugar de se contaminar pelos movimentos da vida, os afasta em nome da rigorosidade e objetividade e contribui para a repetição dos modos de existência instituídos.

Intimizar a vida quer dizer colocá-la para dentro, destituí-la da história das práticas humanas, esvaziando sua multiplicidade de formas e de conexões. A partir daí, o público e o privado se dicotomizam em antagônicos espaços, reificam-se [...]. Fechada, a vida perde movimento, força política, e o capital se multiplica, obscurecendo a visibilidade da produção dos modos de vida [...]. Sem movimento, desmaterializa-se, tornando-se dádiva ou estorvo, diluindo do cotidiano a emergência e o espaço da produção – do assujeitamento e da transgressão. (BAPTISTA, 1999, p. 34).

Estamos chamando de escuta surda aquelas práticas que ouvem sem escutar. O que isto significa? Uma escuta surda se constitui quando no lugar de indagar as evidências que nos constituem como sujeitos, nos deixamos conduzir por estas, reificando-as. Produz-se aí uma medicina das evidências, uma psicologia das evidências, uma enfermagem das evidências que, tendo seus procedimentos dirigidos por naturalizações, pouco consegue captar as singularidades que permeiam o humano, a variabilidade e imprevisibilidade que constitui o vivo. Neste sentido, a escuta acaba sendo reduzida a um ato protocolar, a uma técnica de coleta de evidências, de sinais, ou ainda, a um jogo interpretativo. A escuta surda produz como efeito a tutela e a culpabilização dos sujeitos, uma vez que fala por, fala de, em nome de, no lugar de falar com o outro.

Essas questões nos levam a realçar um outro elemento em nossa discussão e que diz respeito ao especialismo, ao lugar do profissional de saúde no processo de escuta. O discurso competente é aquele que, permeado pela separação entre técnica e política, se outorga como portador de uma verdade sobre o sujeito, sobre o corpo, sobre a saúde. Detentor de um suposto saber (técnico e neutro), ao profissional caberia a análise e compreensão sobre o sujeito, captando suas dificuldades, problemas, necessidades. Ou ainda, permeado por intenções participativas e democratizadoras, caberiam aos profissionais “conscientizar” os sujeitos acerca dos processos que permeiam suas próprias vidas, indicando caminhos. Trata-se, ambas, de práticas que falam pelo sujeito, falam do sujeito, mas não falam com os sujeitos escutando e problematizando necessidades e projetos de vida. O especialismo produz uma escuta surda, por erigir o cuidado como tarefa exclusiva do profissional de saúde, deixando ao usuário o lugar de objeto de sua ação.

Poderíamos dizer que essa escuta permaneceria no campo de uma escuta moral, prescritora de modos de vida, julgadora de práticas, deixando-se conduzir por valores instituídos sem a correspondente indagação destes mesmos valores. Mantém-se, portanto, capturada no plano das formas constituídas. A escuta surda seria, então, aquela que reduz o sujeito a uma suposta identidade, não percebendo que a subjetividade não se reduz a um “eu”, não porta uma essência, pois quando nos conduzimos por essas noções tomamos os desvios, as variações, o que difere, como erros e perturbações a serem corrigidos e controlados, como desequilíbrio a ser contido. A escuta surda, como nos alerta Baptista (1999), não se lembra do rosto e dos nomes dos usuários e dos profissionais, da cor dos olhos e da pele, dos cheiros, das rugas e cicatrizes (marcas do vivido), dos saberes e histórias.

Assim, a formação, o ensinar, dissociados dos processos de intervenção, entendidos como ato de transmissão de conhecimentos, como técnicas a serem aplicadas, produzem sujeitos e modos de existência; produzem escutas surdas. Formatam o escutar como técnica a ser transmitida por meio de um ato pedagógico em que se têm como efeito a repetição do mesmo.

Como ensinar a dar ao pente função que não é do pente (BARROS, 2001)?

Abordar a escuta num plano de abertura à alteridade implica desviar do campo da escuta como técnica para transitar no plano da escuta como experimentação, como perturbação dos modos de vida instituídos. Neste caso, poderíamos dizer que não se trata de ensinar a escutar, mas de entrar em contato, atiçar este plano do coletivo do qual todos emergimos, onde há saberes-experimentações, e não saberes como fôrmas previamente definidas a serem aplicados. Mas isso requer de início esclarecer que não estamos advogando uma posição basista que entende que o saber está no povo – como se o povo fosse o outro –, mas afirmando que o povo, o comum, somos todos e qualquer um (BENEVIDES, 2007).

Essa escuta sensível dos processos de produção de saúde, dos movimentos da vida, busca captar o que estamos em vias de diferir (FOUCAULT, 2000), a produção de novos possíveis que se forjam em meio aos processos de naturalização das práticas.

Ensinar-cuidar-escutar são práticas que criam mundos, produzem realidades e, portanto, convocam a uma análise permanente das implicações8 com as instituições que as atravessam. Com isso estamos falando que as práticas de cuidado, os modos de escuta, são engendrados num campo de relações de saber e poder que precisamos colocar em análise permanentemente. Não se trataria, então, de evitar preconceitos, naturalizações, mas de colocá-los em discussão. O que é privilegiado no processo de escuta, o que é desprezado, silenciado ou acolhido, diz respeito às implicações e aos encontros que se efetuam entre os sujeitos em questão. Portanto diz respeito não a um campo intersubjetivo, mas às linhas macro e micropolíticas que constituem esses sujeitos. Como apontam Mairesse e Galli (2002), no processo de escuta se expressa tanto o que se deseja escutar, o que se pede para falar e o que é falado; o que se oferta e o que se demanda. Neste ato de escuta no campo da saúde estão em cena os pedidos que são ouvidos (primeiro movimento) e as demandas que precisam ser analisadas (posto que não são naturais), podendo nesse processo operar inflexões e desvios que nos permitem também criar outras demandas, outras apostas.

A convocação que têm permeado algumas apostas no campo da formação é o deslocamento da escuta do plano de um “eu” que ouve outro “eu”, para colocá-la no plano dos encontros entre práticas, forças, movimentos. Ou seja, tomar a escuta como produção da diferença,9 como estranhamento dos modos de existência instituídos e banalizados. Esse deslocamento só é possível com a afirmação de princípios ético-políticos, e que dizem respeito à afirmação da vida e a responsabilidade coletiva com aquilo que criamos.

Esta sutil arte da escuta, não se forja com práticas de formação piedosas e tecnicistas, que compreendem os sujeitos como entes abstratos e destituídos de experiência. O desafio é criar modos de operar os processos de formação de forma a experimentar a desestabilização das nossas certezas, a provocar a formulação de novos problemas, e não apenas a solução para problemas já formulados. Ou seja, processos de formação-intervenção como dispositivo de abertura a outras sensibilidades (escuta). É na escuta-cuidado que (re)criamos as relações, o mundo e, desse modo, torna-se fundamental criar estratégias que nos permitam escutar as diferenças que nos desassossegam (ROLNIK, 2006). A escuta-experimentação não visa a apreender uma realidade, uma verdade do sujeito, e sim abrir espaço para criação de modos de existência compatíveis com uma vida solidária e generosa, acompanhar os movimentos que criam paisagens por vezes suaves, por vezes endurecidas, por vezes mortificadoras.

Afirmar a escuta como experimentação significa indicar que as necessidades do outro, com o qual lidamos, precisam ser incluídas, não por uma operação humanista e piedosa, mas como elemento perturbador e analisador dos modos de vida naturalizados, das práticas de saúde instituídas. Mas uma escuta sensível implica, necessariamente, ouvir os vestígios, ver os movimentos. Como salienta Lavrador (2006, p. 2), envolve uma disponibilidade subjetiva de afetar e ser afetado pelo outro, colocar em análise nossos preconceitos, endurecimentos, indiferenças, intolerâncias. Requer a “escuta do outro, das vozes e dos silêncios do mundo” (MACHADO; LAVRADOR, 2007, p. 9).

Com Foucault (1983, p. 269), temos aprendido que é necessário “ouvir os roncos surdos das batalhas”, roncos estes que são índice das lutas e não meramente os resultados das batalhas. Nestes roncos estão as astúcias criadas no viver, as invenções que (re)criam a vida em sua singularidade. A escuta se faz nos interstícios, entre vozes e silêncios, entre forças e formas, exercitá-la é nosso desafio (in)terminável, (im)possível, posto que é nas errâncias dos processos de formação que a escuta se abre como arte, como modo de compartilhamento de experiências.
Referências

AYRES, J. R. C. M. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. v. 8, n. 14, p. 73-91, set/2003-fev/2004.

BAPTISTA, L. A. A fábrica de interiores: a formação psi em questão. Niterói: EDUFF, 2000.

______. A cidade dos sábios. São Paulo: Summus, 1999.

BARROS, M. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Record, 2001.

BENEVIDES, R.; PASSOS, E. Clínica e transdisciplinaridade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 16, n. 1, p. 1-23, jan-abr. 2000.

BENEVIDES, R. Anotações acerca da escuta e do cuidado em saúde. 2007. mimeo.

CYRINO, A. P. P. As competências no cuidado com o diabetes mellitus: contribuições à educação e comunicação em saúde. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

______. O que são as Luzes? In: MOTTA, M. B. (Org.). Michel Foucault: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense, 2000. p. 335-351.

______. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

GUATTARI, F. Revolução molecular. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.



HECKERT, A. L. C. A produção dos latifundiários do saber: a formação do psicólogo em questão. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1992.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia & Sociedade, v. 19, n. 1, p. 15-22, 2007.



KUPERMANN, D. Por uma outra sensibilidade clínica: fale com ela, doutor! Disponível em: http://www.uff.br/ichf/publicacoes/revista-psi-artigos/2004-1-Cap8.pdf. Acessado em: 17 set 2007.

LAVRADOR, M.C.C. Ferramentas para uma clínica institucional. Anotações. 2006. mimeo,

LOURAU, R. Implicação e sobreimplicação. In: ALTOÉ, S. (Org.). Renê Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004.

MACHADO, L. D.; LAVRADOR, M. C. Subjetividade e loucura: saberes e fazeres em processo. Vivência, n. 32, p. 1-27, 2007.

MAIRESSE, D.; GALLI, T. Dizer, escutar, escrever: redes de tradução impressas na arte de cartografar. Psicologia em Estudo, v. 7, n. 2, p. 111-116, jul.-dez, 2002.

MERHY, E. E. O ato de governar as tensões constitutivas do agir em saúde como desafio permanente de algumas estratégias gerenciais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 4, n. 2, p. 305-314, 1999.

MILLOT, C. Freud antipedagogo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987.

NEVES, C. E. A. B.; HECKERT, A. L. C. Modos de formar e modos de intervir: quando a formação se faz potência de produção do coletivo. In: PINHEIRO, R.; BARROS, M. E. B.; MATTOS, R. A.; (Orgs.). Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Cepesc, 2007.

ROLNIK, S. O mal-estar na diferença. Disponível em: http://www.pucsp.br /nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/Malestardiferenca.pdf Acessado em: 5 out 2006.

TEIXEIRA, R. R. O acolhimento num serviço de saúde entendido como uma rede de conversações. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Cepesc, 2003. p. 89-111.





1A atenção flutuante em Freud consistiria num esforço em manter a atenção numa espécie de mobilidade, o não privilégio a priori de elementos da fala do paciente, uma abertura que implica abrir mão de preconceitos. Em outro sentido, diverso ao de Freud quando traz a importância de que os preconceitos do analista não interfiram na seleção do material a ser escutado, a Análise Institucional traz como contribuição a noção de implicação que abordaremos em outro momento deste artigo.

2 Aludimos aqui ao paradigma da complexidade que aponta para a heterogênese dos processos, contrapondo-se às explicações causais e lineares. Neste caso, não caberia dizer que os processos são “mais” ou “menos” complexos, uma vez que isso significa estabelecer uma relação hierárquica entre os mesmos. Complexo diz respeito à imprevisibilidade e variabilidade que constitui o vivo, à multiplicidade de vetores que produzem determinada prática, determinado objeto,

3 Tomo a idéia de escuta surda de empréstimo de Baptista (1999 e 2000).

4Aqui não identificamos trabalho com assalariamento ou emprego, mas como uma trama, um campo complexo e instável, uma rede de conexões que se produz incessantemente. Os trabalhadores, para realizarem as tarefas definidas nos ambientes laborais, acordadas com a chefia e com os demais companheiros, elaboram, a cada situação que se coloca, um modo de trabalhar, maneiras de realizar o trabalho, improvisam ações, inventam estratégias que expressam a inteligência própria do trabalho humano. Com essa finalidade produzem determinado tipo de organização do trabalho, ou seja, uma forma específica de agir, de se relacionar com os colegas e de estabelecer regras específicas na divisão de tarefas. Além disso, o trabalho é constituído por um conjunto de atividades simultâneas, que possuem características diferentes e são exercidas por trabalhadores de diversas áreas, com saberes e experiências específicas. A atividade do trabalho, portanto, é submetida a uma regulação que se efetiva entre os trabalhadores, numa dinâmica que se realiza em meio a saberes, valores, experiências. A essa dinâmica nomeamos processo de trabalho. Trabalhar é gerir, é gerir junto com os outros.

5 Encontro aqui não diz respeito ao encontro de um eu com um outro, seja este outro um conhecimento, uma tecnologia, ou um outro “eu”. Alteridade não é o encontro com aquilo que difere de mim, mas com o que difere em mim. (MACHADO; LAVRADOR, 2007).

6 Os territórios são campos delimitados que se articulam uns aos outros e incluem tanto um espaço geográfico, como um espaço existencial. Contudo, os territórios podem sair de seu curso, destruindo-se, desmanchando-se, ou ainda endurecendo-se. A desterritorialização diz respeito ao “desmanchamento” de uma forma já instituída e a reterritorialização seria a tentativa de recomposição dos territórios em processo de desterritorialização. A este respeito, ver Guattari e Rolnik (1986, p. 323).

7 A transversalidade se opõe, conforme apontado por Guattari (1981, p. 95), à pura verticalidade e à simples horizontalidade. Diz respeito ao grau de abertura à alteridade, tendendo-se a realizar-se quando se opera um aumento do grau de comunicação entre os diferentes membros de cada grupo, entre os diferentes grupos.

8 A noção de implicação é forjada no campo da Análise Institucional, buscando confrontar-se ao cientificismo objetivista e neutro que postula a possibilidade de separação e distanciamento entre pesquisador e objeto. Ao contrário dessa neutralidade, a Análise Institucional afirma que sempre estamos implicados naquilo em que intervimos. Contudo, a implicação não deve ser uma espécie de verificação, constatação, tampouco deveria significar a compreensão do envolvimento pessoal e individual do pesquisador, dos trabalhadores sociais, com o campo de intervenção. É desse modo que será afirmada a importância não de constatar implicações, mas de operar a análise das implicações com as instituições (práticas sociais) que atravessam um dado campo, uma dada prática. A análise de implicação nos permite incluir os efeitos analisadores dos processos de intervenção, analisando a posição do profissional (pesquisador) nas relações sociais, na trama institucional. A implicação é um “nó de relações” (LOURAU, 2004, p. 190). Sempre presente em nossa atuação profissional, a implicação diz respeito aos nossos pertencimentos, investimentos libidinais, referências, posição de classe etc.

9 Falamos de produção da diferença e não do diferente. A diferença diria respeito ao plano das forças, à processualidade que interroga e desmancha territórios instituídos, o diferir de nós mesmos, das formas naturalizadas de existência. O “diferente de” remete a um campo de reconhecimento de identidades já formatadas, ao plano das formas já configuradas.


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal