As duas faces do destino



Baixar 2.17 Mb.
Página1/30
Encontro05.03.2018
Tamanho2.17 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   30



LANDULFO ALMEIDA
AS DUAS FACES DO DESTINO
Novo Século

2012



Para minha filha Luana Almeida.

Quando ouvia as histórias de ninar criadas pelo pai seus olhos brilhavam, repletos de fascinação e curiosidade. Graças a ela redescobri minha criatividade.

Aos seis anos decidiu escrever um livro. Ensinou-me desde cedo que não existe tempo certo para se começar.

Seu coração cheio de amor e bondade, sua alma sedenta de conhecimento e sua mente sempre ativa são minha eterna inspiração.

E para meu cunhado, amigo e irmão Paulo César Ferreira Cunha. Sua presença constante foi sempre acompanhada de apoio e incentivo. Infelizmente não está mais entre nós, mas sua memória nunca nos deixará. De onde estiver, certamente está torcendo por mim.


Agradecimentos
Sem a tolerância de minha esposa, Patrícia Gomes Barbosa Lima, e minha amada filha, Luana Barbosa Lima Alves de Almeida, que permitiram a minha ausência em inúmeros momentos de lazer, sempre com sorrisos de incentivo e compreensão nos lábios, não poderia ter concluído esta obra. Serei eternamente grato a elas.

Gostaria também de agradecer a três pessoas muito especiais que, cada uma a seu modo, encorajou-me a percorrer o caminho entre o primeiro rascunho e uma obra publicada. O doutor em Comunicação, professor Ernani Coelho Neto, leitor ávido e de mente afiada, foi generoso o suficiente para ler o original de As Duas Faces do Destino e, a despeito de suas falhas, encontrar nele virtudes e exaltá-las a ponto de me incentivar a buscar sua publicação. Não esquecerei suas palavras ao dizer: "Landulfo, você é um escritor". Minha grande amiga Ana Karina Tinoco que encontrou tempo em sua agenda de executiva para se envolver com os personagens, afeiçoar-se especialmente à Olívia e ainda ser verdadeira sobre as potencialidades e fragilidades do texto. Marília Bahiense, amiga sempre presente e irmã em meu coração, doou seu tempo à análise de cada parágrafo, contribuindo valiosamente com suas opiniões.



Por fim, não poderia deixar de agradecer à Editora Novo Século pela oportunidade oferecida a este autor.


Nota do autor
Todos os personagens e fatos aqui descritos são fictícios e em absolutamente nada pertencem à realidade. Dito isso, esforcei-me para entender, até onde minha capacidade de compreensão permitiu, teorias da Física, algumas linhas de pesquisa futurísticas da Medicina e o universo dos investimentos bilionários. Sempre que necessário, moldei-os em favor da história, preservando a proximidade adequada para com a verdade de modo a transmitir ao leitor a sensação de estar diante de uma hipótese fantástica e nunca de um ridículo absurdo.
PRÓLOGO
Após a formulação da Teoria da Relatividade por Einstein, uma grande questão remanesceu. Mais abrangente que as Leis de Newton, além de outros fenômenos, ela traduzia com perfeição as forças exer­cidas entre os grandes objetos, porém não explicava os fenômenos ele­tromagnéticos. Um outro conjunto de leis, já consolidadas à época, era necessário para tal. Desde então, físicos de todo o mundo tentam encontrar uma única equação mestra, capaz de ser aplicada tanto às forças gravitacionais quanto às eletromagnéticas. Mesmo em seu leito de hospital, nos seus últimos dias, Einstein mantinha um caderno de anotações, lutando furiosamente para descobrir essa equação. Estava certo de sua existência.
13 de abril de 2005 - 02h13
Os pássaros em revoada pareciam dar o alarme geral na floresta de euca­liptos, provocando a atenção dos animais silvestres para os passos humanos, intrusos naquele habitat. Nervosos, os dois homens atravessavam apressados por entre as árvores milimetricamente plantadas. Perdidos e assustados, tan­gidos pela adrenalina, não tinham noção de onde iam. Estavam apenas feli­zes pela ausência de passos em seu encalço. A diversidade de sons tornava os pensamentos confusos e os movimentos erráticos. Onde estavam exatamente? Não ousavam trocar palavras, temiam serem percebidos. O céu escuro e sem estrelas não lhes servia de guia. Seguiram os sons das máquinas, fugindo do crepitar da floresta e seus perigos desconhecidos, até a chuva indolente tor­nar impossível distinguir a direção. Sem se intimidar, continuaram. Corriam a esmo cada vez mais rápido, quando, sem aviso, a floresta ficou para trás, como uma cortina gigante plantada pelo ser humano, mas cuja exuberância exalava, em meio ao seu perfume, a onipresença divina. À frente deles, um novo mundo se abria. Em uma rodovia malcuidada, poucos ousavam enfrentar a tempestade. Escondendo dos viajantes o perigo, as poças de chuva oculta­vam os buracos onde o asfalto cedera, criando verdadeiras armadilhas para os motoristas incautos. Sorrisos largos nos rostos encharcados, entreolharam-se. O que viam era uma paisagem ensolarada, uma estrada feita de ouro e pedras preciosas, repleta de possibilidades, o caminho para o futuro pelo qual tanto lutaram. Era a chance de mudar o destino. Deixaram tudo para trás, família, amigos, carreira e honra, apenas para chegar ali. Não havia retorno nem direito a arrependimento. Um deles verificava na sacola lacrada a integridade de seu conteúdo. O livro ainda estava seco, porém precisavam encontrar abrigo para protegê-lo. Neste momento nada era mais importante.

13 de abril de 2005 - 02h17
A poucos metros de distância a mesma paisagem servia de moldura para outra cena. A chuva torrencial canalizada pelas copas dos eucaliptos escorria vultosamente pela mata alagando sua superfície. A cada passo, ela ouvia o som de seu peso espalhando a água, um potencial alerta de sua presença. Não podia ser detectada. Ao se aproximar, a chuva não mais funcionaria como escudo. Só lhe restava parar de correr e aguardar. Enquanto ignorassem sua presença teria uma chance. As seqüências de eucaliptos, a chuva e a noite vazia de estrelas lhe serviriam de manto. Prostrou-se de costas para o tronco de uma das árvores, atenta a qualquer movimento.

Conforme a adrenalina se dissipava, como que diluída pela chuva, os fortes ventos balançavam as árvores, perpassavam as folhagens e atingiam sua pele molhada. Tirou do ombro a alça da pequena sacola térmica, depositando-a no chão a seu lado e garantindo liberdade de movimentos caso a luta se apresentasse. Instintivamente, os braços envolveram o peito na tentativa de aquecer o corpo. As mãos friccionavam os braços em um esforço inútil para gerar calor. O ar gélido navegava sem cerimônia por sua pele, invadindo indiscriminada­mente os poucos redutos protegidos sob a fina roupa. Em pouco tempo os den­tes já tremiam sem controle. Uma sensação de desespero lentamente tomava conta de suas emoções. Àquela altura o frio abrira caminho para que outro inimigo, a realidade, penetrasse em seus ossos. Até agora não tivera tempo para pensar em todas as conseqüências relacionadas aos últimos acontecimentos. A verdade dos fatos era como um soco no estômago, deixando-a sem ar, fazendo crescer um vazio em seu peito. A angústia se espalhava por seu ser em veloci­dade alarmante. A vontade de gritar invadia a garganta e era apenas contida pela certeza de estar colocando a vida em perigo, caso qualquer som escapasse de seus lábios.

Não pôde conter as lágrimas descendo desgovernadas sobre a face, misturando-se à água da chuva. Enfim, derrotada, o rosto se transfigurou em dor intensa, refletindo a agonia em sua alma. Jamais se sentira tão só e tão perdida em toda a sua vida. As mãos cobriam o rosto em um gesto de descontrole, enquanto seu peso desabava sobre os joelhos e um grito ecoava apenas em sua mente.

Meu Deus... O que foi que eu fiz!


DESTINOS CRUZADOS
A mecânica quântica surgiu após a Teoria da Relatividade e a formulação das leis do eletromagnetismo. Através dela, descobriu-se a existência da Força Nuclear Forte, responsável por unir nêutrons e prótons em um átomo, e a Força Nuclear Fraca, que permite aos Nêutrons se transformarem em prótons, liberando radiação no pro­cesso. Dessa teoria nasceu a bomba atômica. Experimentos com o cho­que de partículas revelaram a existência de "partículas mensageiras", cuja troca entre os corpos explicaria as forças de atração. Foram des­cobertas partículas mensageiras para explicar as forças nuclear forte, fraca e a eletromagnética. Ainda não havia unificação entre essas e a Lei da Gravidade ou a Teoria da Relatividade de Einstein. Para tal, seria necessária uma mudança dramática de paradigma.
1. Coincidências existem?
Mais um dia se arrastava. Às vezes, na maioria das vezes, o exercício de simplesmente permanecer vivendo parecia apenas uma obrigação. Há muito não se sentia realmente vivo, apenas passando pela vida. Embora fosse ótima companhia em uma festa, sempre brincando, conversando com todos, no fundo a sensação era próxima das palavras de Raul Seixas: "... ah, mas que sujeito chato sou eu; que não acha nada engraçado; macaco, praia, carro, jornal, tobogã; eu acho tudo isso um saco...". De fato a música Ouro de tolo descrevia com perfeição seu estado de espírito naqueles últimos anos. Fazia boa presença nos eventos e mantinha aceso o contato com os amigos através de telefonemas periódicos e encontros esporádicos, impelido, geralmente, menos pelo prazer e mais por um senso de obrigação, uma necessidade de manter certa estrutura social.

Em seu ponto de vista, nada justificava aquele sentimento, afinal tinha tudo, ou pelo menos tudo o que 99% da população não possuía. Um bom apartamento de três quartos em um bairro de classe média alta em Salvador, um SUV Toyota novo, amigos, uma bela conta bancária, saúde. Enfim, racio­nalmente não podia reclamar.

Não desconsiderava sua cota de sofrimento. A morte lenta do pai pelo cân­cer, três anos antes, em especial as últimas semanas na UTI, tratou de consumir a última parte da esperança inocente de sua juventude deixando em seu lugar um olhar frio e analítico diante do futuro. A tristeza foi agravada pelo fato de nunca terem sido realmente próximos. O relacionamento dos dois sempre foi, no mínimo, atribulado e ele se culpava um pouco por isso. Atingir o posto de senador da República por quatro mandatos consecutivos seria um grande feito para qualquer um, mas para um homem nascido na pobreza como o senador César Cortes Lima, representava ainda mais e trazia como efeito colateral uma postura superior e prepotente, propícia a atrair "parasitas" e a afastar os que realmente o amavam. Pelo menos era assim que Bruno pensava e aí estava o cerne das dificuldades entre eles. Contudo, não podia negar o bom coração do pai, sempre capaz de se revoltar contra as injustiças aos menos favorecidos e, portanto, não era merecedor da distância imposta por Bruno em seus últimos anos. Mas isso agora era passado, não havia mais nada a fazer, era tarde demais.

Sentindo o peso dos quarenta anos, sem nunca ter encontrado sua alma gêmea e tendo abandonado uma carreira, com a qual jamais se empolgara, para se acomodar atuando de maneira independente como trader da bolsa de valores, sentia verdadeiramente que não existissem mais sonhos. A vida seria uma repetição maçante do que já vivera, um loop infinito. Amante do cinema, lembrava-se eventualmente de um filme dos anos oitenta, "Feitiço do Tempo", no qual o sujeito se via preso repetindo o mesmo dia indefinidamente até descobrir como quebrar o encanto. Em seu caso, contudo, tratava-se da vida real e desta não havia escapatória, apenas o cotidiano e a morte.

Ele sabia bem o motivo de tantas divagações, além do normal, mesmo para ele. O telefone desligado mecanicamente na noite anterior denunciava a ocasião. Não suportava receber telefonemas na data da morte do senador. O seu falecimento no dia 24 de dezembro estragou as comemorações de Natal para Bruno.

Bom, se ia ficar pensando na vida, avaliou que fosse em um lugar mais agradável. Levantou-se da cama, tomou seu banho exageradamente quente, fez a barba, algo raro naqueles dias, talvez umas duas vezes por semana, colocou a sunga mais nova e escolheu o short e a camiseta como se fosse para um churrasco na casa de amigos ao invés de andar na praia. Gostava de se vestir bem quando se sentia "para baixo". Calçou a meia, o tênis, jogou no ombro uma toalha para o caso de ter vontade de dar um mergulho antes de voltar, e se dirigiu à porta. Ao tocar a maçaneta, subitamente se lembrou do sonho daquela noite.


As imagens iam e vinham como quadros recortados em uma pelí­cula de cinema. Uma casa grande... Um apartamento... Uma criança de seis ou sete anos... Ele reconhecia o corredor onde a criança andava e o carpete sob seus pés descalços. Seria uma lembrança ou um sonho? Em um pequenino hall onde se cruzavam a eyitrada para a sala de jantar, a porta de vidro da cozinha, um lavabo e a porta do escritório de seu pai, uma mesinha de telefone era o único móvel. Era noite, provavelmente tarde, não sabia bem a hora. Sentia que o pai não estava em casa naquela noite. Ele seguia algo... Um choro, bem baixinho...

Mamãe?



A mãe estava sentada na mesa de jantar. Uma caixa de sapatos aberta revelava ser o depositário de fotos antigas, agora espalhadas sobre a longa mesa de mármore. Com oito assentos, a mesa lhe pare­cia imensa e não imaginava o porquê de sua mãe estar lá, à noite e sozinha. Passado um instante, virou-se assustada, ao perceber sua presença.

  • Você acordou meu amor? - enxugava rapidamente os olhos, enquanto abria os braços para o amado filho.

Ele a abraçou o mais forte que pôde. Depois mirou seus olhos ainda contendo o abraço.

  • Por que você está chorando, mamãe?

  • Estou com saudades de seus avós, meu filho, só isso. Não se preo­cupe. Nas férias os visitaremos em Salvador e eu matarei as saudades — mentiu.

  • Por que moramos em Brasília se eles moram em Salvador, mamãe?

  • Já te expliquei isto meu amor. É por causa do trabalho do papai. Todos os senadores são obrigados a morar na capital do país.

Ele fez uma expressão de reconhecimento. Lembrava-se agora. O pai era um homem muito importante, fazia um trabalho nobre e a família precisava estar sempre junta. Era o que lhe diziam.

  • Quem é este, mamãe?

A foto em preto e branco sobre a mesa mostrava um homem caucasiano, usando paletó branco e gravata borboleta escura, montado em uma bicicleta e fazendo pose. Usava um chapéu típico dos filmes antigos da década de 1950 e sorria. A praça onde se encontrava era vagamente familiar. Não reconhecia o homem, mas ele certamente parecia muito feliz.

  • Não é ninguém importante, meu filho. Estava procurando fotos dos seus avós e esta, de um conhecido, estava entre elas — levantou-se enquanto falava e segurou sua mão. — Vamos dormir. Está tarde.

Pensou em anotar para não esquecer, certo de ter sido uma lembrança e não um sonho. Ou talvez tenha sonhado com uma versão de um aconteci­mento. Perguntaria à mãe depois, embora não acreditasse que ela se lembraria do fato, tivesse sido realidade ou não. Como já estava à porta deixou para lá, não era importante, e saiu trancando a fechadura atrás de si.

Abriu o teto solar e as janelas da RAV-4, colocou os óculos escuros e curtiu um CD de Raul nos poucos minutos necessários para chegar ao Jardim dos Namorados, principalmente levando em conta a ausência de tráfego típica da tarde de Natal, onde deixou o carro e iniciou a caminhada programada.

Aquele ponto da Avenida Otávio Mangabeira provavelmente ganhara o nome como resultado das dezenas de namorados, os quais, na década de 1970, estacionavam ali os carros para trocarem intimidades. Em frente ao mar, o platô representava no passado um local distante e suficientemente reservado. Hoje o nome não fazia mais sentido. Um grande restaurante, uma praça e a ciclovia impediam que qualquer visitante desfrutasse de privacidade. A cidade crescera vertiginosamente nas últimas décadas e hoje podia-se considerar aquele bairro tão denso e vivo como era o centro da cidade quarenta anos atrás. Ainda era, contudo, uma vista bonita e um dos lugares onde mais gostava de correr. Ao lado da ciclovia a calçada margeava o mar, separando-se deste na maior parte do caminho exclusivamente pela extensão da praia e pela diferença de nível. Em vários pontos as ondas chocavam-se fortemente às pedras, garantindo um espetáculo de sons e imagens nas tardes de mar agitado. Naquela quinta-feira decidira apenas andar, espantar suas tristezas e apreciar a natureza.

Alternando o olhar entre a via de cooper e o lindo mar à sua direita, checou o relógio. Era 17h25. Não haviam se passado nem quinze minutos e já estava esquecendo a paisagem e pensando na programação da noite, quando a notou pela primeira vez. Cerca de vinte metros à sua frente, correndo, em uma calça leg lilás, típica de ginástica, pochete mínima, emborrachada, cor-de-rosa bem forte, assentada perfeitamente na linha da cintura. Um top tipo biquíni mar­cado nos contornos em branco, cabelos negros presos atrás, traços finos e pele bem branca. Aparentava ter cerca de l,75m, ao longo dos quais se distribuía um belo corpo. Nada exuberante demais ou chamativo, mas tudo proporcio­nal. Cintura fina, seios médios, coxas sem gordura e curvas aparentes nas panturrilhas, mesmo de frente. Se isoladamente os traços não eram chamativos, o conjunto definitivamente jamais passaria despercebido, não naquelas roupas. E quando passou por ela seus olhos se cruzaram. Eram de um azul-escuro dife­rente de tudo que já vira e, podia jurar, vislumbrou um mínimo sorriso no átimo de segundo quando sua visão periférica ainda a seguia.

Por um instante quase se virou e começou a correr também, tentando alcançá-la, mas logo se apercebeu do ridículo que seria. Além do mais, nunca ouvira falar de uma paquera durante o cooper ter funcionado. Certamente não era o perfil dele. Então desistiu, esperando, ou melhor, desejando se encontra­rem novamente no futuro.

Quase vinte minutos depois, ao chegar ao topo do aclive que marcava o início do Jardim de Alah, percebeu corredores se aproximando por trás. instintivamente obrigou-se a olhar, temendo se tratar de marginais e não de atletas, algo não de todo estranho na área. Embora fosse um bairro nobre era próximo à praia e a praia aceitava todos os públicos. Enganara-se, além de um casal de gordinhos na casa dos cinqüenta, apenas ela vinha em sua direção. Desta vez andando a passos rápidos, logo passaria por ele. Ficou atento, curioso em ver a figura de costas e checar aquela parte do corpo considerada a preferên­cia nacional, para confirmar se a mulher realmente era tão maravilhosa quanto parecera inicialmente.

Cerca de um minuto depois do casal passar, ainda na expectativa, sentiu uma súbita tontura, que evoluiu muito rápido, faltou o ar, depois o chão, e então... Tudo apagou.

Quando abriu os olhos, sentiu terem se passado apenas alguns segundos, estava deitado de costas sobre o gramado, ao lado da via de cooper, e, de cócoras ao seu lado, visivelmente assustada, estava a garota dos olhos azuis. Bruno desejou levantar com um salto, estava envergonhado, mas no primeiro impulso sentiu a tontura voltando e achou prudente não cair duas vezes na frente de uma mulher tão bonita. Felizmente não havia mais ninguém ali, apenas ela. Os poucos transeuntes dispensavam não mais que um rápido olhar à cena, enquanto seguiam seu caminho, retomando o passo ao perceber a situação sob controle.


  • Você está se sentindo bem? Devia ficar deitado mais um pouco, ou pelo menos sentado. Foi uma queda e tanto.

  • Estou bem, não sei... O que aconteceu?

  • Você estava andando, parecia ter tropeçado e sem mais nem menos caiu. Por sorte eu estava bem perto, quase do seu lado, e caiu na minha direção. Tentei lhe segurar, mas não deu, só consegui reduzir um pouco a queda.

  • Nossa! Mil desculpas por isto.

  • Não... Não foi nada... Se quiser posso te levar na emergência de algum hospital.

Enquanto ela falava, Bruno foi se levantando. No mesmo ritmo ela o seguiu, visivelmente preocupada em ampará-lo caso sucumbisse novamente. Felizmente estava se sentindo melhor.

  • Não, pelo amor de Deus, você já fez muito. Eu não almocei hoje, deve ter sido apenas um mal-estar, uma "fraqueza". Vou ligar para uma amiga médica, se ela achar necessário, vou para algum hospital. - Ao se perceber falando rápido demais, fez uma pausa para respirar antes de retomar a conversa. — Olha... Muito obrigado, se não fosse você eu poderia ter me machucado. Vou devagarzinho para o carro e vai ficar tudo bem. Meu nome é Bruno — estendeu a mão em cumprimento, imediatamente correspondido.

  • O meu é Adrianna. Com dois "enes" — ao se apresentar exibiu o primeiro sorriso até ali. — Deixe eu te acompanhar até o carro pelo menos, assim fico mais tranqüila, ok?

Ele se esforçou muito para não sorrir ao dizer sim. Pelo menos algo de bom parecia surgir daquele vexame. Teria uma chance de conversar com ela. As circunstâncias eram tudo, menos ideais, mas ela não parecia estar com pena, então ele tinha uma chance.

Aparentava ter uns trinta anos, era realmente bonita. Não sorria o tempo todo e quando o fazia era sempre um "quase" sorriso, daqueles que se desfa­zem antes de se formar completamente. Um meio-sorriso, em que um canto dos lábios se contraía ligeiramente mais, formando uma desigualdade instigante. Um sorriso tímido, podia-se dizer. Certamente esse era o único traço de timidez nela, ele pensou. Como um todo, ela emanava autoconfiança e decisão.



  • Nunca lhe vi correndo por aqui. Você vem sempre? - Bruno estava ciente do clichê, mas ausente de idéias a curiosidade levou a melhor. Diante da situa­ção, se não impressionava, também não causaria mais dano a sua imagem. Pior do que já estava não poderia ficar.

  • Hoje foi o primeiro dia, mudei-me para Salvador este mês.

Ao ouvir aquilo percebeu o sotaque, não era mesmo nordestino, embora não conseguisse associá-lo a nenhum outro lugar. A dicção era perfeita, no estilo de âncoras de TV, notavelmente indistinto.

  • Veio com a família? — Teve até vergonha da tentativa clara de descobrir se ela era casada, mas simplesmente precisava saber.

  • Minha mãe faleceu há muito tempo e meu pai partiu recentemente - fez uma pausa antes de prosseguir. — Morava em Brasília e resolvi vir para um lugar onde conhecia pouca gente, queria mudar de ares e como sempre tive bons momentos na Bahia... Mudei-me — falou isto dando de ombros sinalizando dar pouco valor ao fato.

A história era triste, porém a ferida parecia cauterizada, ou pelo menos ela disfarçava bem. Não pôde deixar de notar nas entrelinhas de seu relato uma informação deveras importante. Não havia mencionado marido ou filhos e estava na cidade havia apenas um mês, logo era provável que ainda não estivesse namorando ninguém. E se estivesse certamente não poderia ser algo muito sério. Ele tinha chances.

Pensou em comentar o fato de já ter morado em Brasília, mas logo desis­tiu. Traria à baila o fato do pai ter sido senador e isso poderia ser interpre­tado como pomposo da parte dele, ou pior, o assunto se conduziria ao seu falecimento. Decerto a morte era sempre um assunto a ser evitado em uma paquera. Não ressuscitaria aquelas memórias por opção. Salvando-o do silên­cio ela continuou.



  • Você deve estar me achando doida, não?

  • Muito pelo contrário. Acredito piamente em mudanças se elas são feitas com o objetivo de nos aproximar da felicidade, de criar um ambiente mais propício a ela. Devemos usar todos os recursos possíveis, todas as forças e cami­nhar na direção de nossas crenças. Se há alguma chance de sermos mais felizes é nossa obrigação nos agarrarmos a ela com unhas e dentes.

Teve vontade de perguntar sobre trabalho. Qual era a sua profissão? Havia conseguido emprego na cidade? Porém sabia onde isso os levaria, às perguntas de mesmo teor sobre ele. Falar já no primeiro contato que vivia de renda não seria muito impressionante, a não ser que ele fosse um playboy milionário e, embora vivesse bem, não era milionário no sentido amplo da palavra, lamentavelmente. Ainda buscava na mente algo inteligente para dizer quando, não por sua escolha, se aproximaram do ponto onde havia estacionado.

  • O meu é aquele ali. Posso lhe acompanhar até o seu carro? — Ele apon­tou, se arrependendo logo em seguida. Devia ter aguardado chegar mais perto, assim aproveitaria sua companhia por mais alguns metros.

  • Não, vou correr mais um pouco.

  • Olha... Você foi excepcionalmente atenciosa, além do que qualquer um poderia esperar, então... Não me leve a mal, mas simplesmente não me perdoaria se não tentasse. Gostaria muito de levá-la para jantar amanhã, se não tiver outro compromisso. Como um gesto de agradecimento - ao falar, manteve o olhar fixo no dela. Estava mesmo decidido.

Ela retornou intensamente o olhar, parecia estar analisando-o, decidindo. Depois de alguns momentos retribuiu usando o meio-sorriso que o seduzira.

  • Ok. Trebisache às 9h da noite.

Era um restaurante freqüentado pelas classes alta e média alta da cidade e bastante conhecido por sua atmosfera romântica.

  • Maravilha — falou com mais alegria e surpresa do que gostaria de demons­trar. Precisou lutar para conter o entusiasmo. Embora tivesse feito o convite com voz firme, transmitindo confiança, não acreditava nas próprias chances de sucesso. Aquilo não acontecia na vida real, não com ele. - Onde eu te pego?

  • Não precisa, te encontro lá.

Ele entendeu. Pegá-la em casa a exporia. E se ele fosse um assassino ou algum tipo de maníaco? Gostou de ela ser cuidadosa.

  • Me dá seu telefone?

Ela sorriu de novo, agora de forma marota, de canto de boca e respondeu quase ao mesmo tempo em que se virava e reiniciava o seu cooper.

  • Não.

  • Ah! Feliz Natal! — gritou enquanto se afastavam, mas ela só levantou a mão e acenou, ainda de costas. Não se virou.

No carro, Bruno ligou para Márcia, uma amiga clínica geral e normalmente a primeira pessoa em quem pensava quando precisava de conselhos médicos. Caiu na caixa postal. Tentou Mauro, outro grande amigo, cirurgião geral. Nada também. Discou então o número do seu melhor amigo, Natanael, ou Natan, como os mais chegados o chamavam. Natan se especializou inicialmente em cardiologia, migrando logo no início da carreira para a medicina nuclear, especialidade relacionada ao diagnóstico por imagem utilizando partículas radioati­vas. Embora a particularidade de seu trabalho o tivesse afastado, havia muitos anos da clínica médica propriamente dita, ele ainda constituía a primeira opção de aconselhamento para Bruno quando a situação era grave. Por isso mesmo evitava abusar dele quando considerava o caso de importância menor.



  • Alô, Zoinho?

Hoje em dia poucos ainda o chamavam por esse apelido de infância. No colégio, quando estudavam juntos, amigos desde a quarta série, Natan sofria de miopia grau doze e precisava de óculos tipo "fundo de garrafa". Depois da cirurgia, aos 21 anos, ganhou não só a alforria dos óculos e lentes de contato, mas também um incremento na auto-confiança, especificamente no departa­mento relacionado ao trato com as mulheres. Desde então se tornou um Don Juan inveterado, comprometido a satisfazer o máximo de garotas possível e jurando jamais contrair matrimônio. Brincando, dizia considerar um ato de egoísmo se entregar a uma esposa privando todas as outras de sua selecionada companhia.

  • Está vivo! Liguei diversas vezes para saber se você queria almoçar na casa dos meus pais, e você, para variar, não atendeu o celular.

O tom de voz era irônico e provocativo, um claro indicativo da insatisfação de Natan, uma reação já antecipada por Bruno.

  • Você está cansado de saber que eu não atendo celular hoje.

  • Rapaz... Você tem que acabar com isto. Ninguém merece! Tem que supe­rar isto.

  • Vamos aos poucos, me dê mais tempo, ok? Mas eu não liguei para falar disto, conheci uma supergata hoje e vou jantar com ela amanhã. Isso é importante.

  • Ela está cobrando quanto?

  • Engraçado, hahaha.

Bruno contou todo o ocorrido em detalhes, ao final Natan foi solene.

  • Em primeiro lugar, você teve sorte! Segundo, você teve muita sorte. E isso é deveras estranho considerando que normalmente você é ridiculamente azarado, o que me leva à seguinte teoria: você desmaiou e imaginou a coisa toda.

Os dois riram em uníssono. A amizade deles era leve assim, repleta de intimidade e brincadeiras. Aquele, contudo, era apenas o comportamento superficial, conheciam-se profundamente e trocavam opiniões sobre quase todos os assuntos. De investimentos financeiros a questões familiares, contavam sempre com o outro como balizador de suas decisões. Ao final da conversa, sob pressão, Bruno se comprometeu a aproveitar o incidente para iniciar um check-up geral na primeira semana do Ano-novo. Caso se sentisse tonto novamente ligaria para o amigo, ele garantiu. Natan era um irmão por opção, portanto a insis­tência não o incomodava. Com mais veemência ainda, fez Bruno prometer que contaria todos os detalhes do jantar com Adrianna.


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   30


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal