As transformaçÕes e as mudanças globais



Baixar 1.04 Mb.
Página1/34
Encontro12.12.2017
Tamanho1.04 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   34



TERAPIA FLORAL.
SISTEMA FLORAL DE MINAS.

RESULTADO DE PESQUISAS PUBLICADAS.

MARIA AUGUSTA DA SILVEIRA

Terapeuta Natural e Corporal.

AS TRANSFORMAÇÕES E AS MUDANÇAS GLOBAIS

“Tudo que é verdadeiro deve se transformar, e somente o que se transforma permanece verdadeiro”. Jung.

Os desafios de nossa época exigem que toda fragmentação dê lugar à integração. Isso não é a fusão dos indivíduos no coletivo, mas, antes, significa que as pessoas devem manter sua individualidade dentro do coletivo, e que o coletivo esteja na alma individual.

Vivemos uma época muito especial de nossa história, uma época de grandes e rápidas transformações; com todos os processos de mudanças, há exigências de deixar o que é velho morrer e deixar o novo aflorar. É algo que exige desapego, coragem, persistência e o enfrentar de riscos e do desconhecido. A convivência com as crises nos mostra a falência do modelo tradicional e a pressão por soluções novas. Em todo lugar se busca uma forma nova, ainda indefinida, como se o antigo já não nos atendesse mais, porém, ainda não sabemos muito bem o que queremos. As maneiras de mudar o mundo variam muito. Há os que querem tudo rápido, pela via da revolução. Há os que acham que nada vai mal, que as dificuldades atuais são passageiras e logo tudo voltará à antiga ordem. E há o caminho do meio, em que o fluxo da vida faz com que as transformações ocorram de forma firme e inexorável.Todo o movimento de transformação, de alguma forma, engloba essas mudanças radicais, que foram prenunciadas há décadas pelo criador da Antroposofia, Rudolf Steiner; a astrologia classifica a nossa época como a transição para a Era de Aquário; os místicos anunciam o fim dos tempos e o início de uma nova era; a verdade é que a aproximação conjunta de um final de década, com um final de século e um final de milênio nos convida cronologicamente a rever os paradigmas e bases sobre as quais se apóia a nossa civilização. É uma época ao mesmo tempo difícil e maravilhosa; difícil, pois exige que cada um de nós deixe o conhecido e se lance em algo novo (o que gera angústias e exige fé), mas é também maravilhoso, pois oferece a oportunidade ímpar de construir com as próprias mãos um mundo novo, pelo qual todos ansiamos.



“CONHEÇA A TI MESMO”


“O conhecimento é o primeiro passo da liberdade. A arte de conhecer é a arte de concretizar a liberdade. Todo sofrimento provém da ignorância: ignorância do que sou, ignorância de quem sou, do que somos. A arte de conhecer é a chave do segredo da vida, e um caminho para a saúde, a felicidade e a vida eterna” (Michio Kushi)

“Quando cada ser humano entende todos os outros, o amor e a compaixão prevalecem. Quando cada ser humano entende a arte da natureza, a saúde e a paz prevalecem. Palavras que não foram escritas estão vivas por toda parte, e são pronunciadas pelo universo. Quando entendemos todas elas, sem que falte nem uma única, teremos aberto o livro do segredo da vida eterna”. (Michio Kushi).

“Do oceano ao continente, do deserto à montanha, da flor ao animal, do espaço ao tempo, tudo é governado pela Lei Universa., Yin e Yang estão em toda parte; sem eles, nada existe e nada se transforma”. (Michio Kushi).

“Uma parte manifesta o todo; o todo reflete uma parte. O pequeno representa o grande. O grande equivale ao pequeno. Às vezes parecem ser a mesma coisa, às vezes parecem ser opostos. Mas todos eles parecem com coro para louvar a glória do universo infinito”. (Michio Kushi).“Conhecer as coisas é conhecer a si mesmo. Conhecer mais é uma forma de nos tornarmos mais humildes e modestos. Aquele que torna a si mesmo o mais modesto conhece tudo e atinge a consciência universal da vida eterna”. (Michio Kushi).



O homem viajou ao espaço, está viajando através do corpo humano, com o novo projeto Genoma, mas desconhece a sua essência. Conhecer a si mesmo é o novo paradigma.

A seguir vou reproduzir literalmente trechos de palestras, entrevistas, artigos e livros do Dr. Bach, de 1930 a 1936.

“ É essencial compreender que o homem tem dois aspectos: um espiritual e um físico, e que dos dois, o físico é infinitamente menos importante. Sob a orientação de nosso EU Espiritual, nossa Vida Imortal, o Homem veio ao mundo para adquirir conhecimento e experiência e para se aperfeiçoar como ser físico. O corpo físico sozinho, sem comunhão com o Espiritual, é uma concha vazia, uma rolha sobre as ondas, mas, quando há união, a vida é uma alegria, uma aventura de interesse absorvente, uma jornada cheia de felicidade, saúde e conhecimento. Nossa evolução começa como um bebê recém-nascido, sem conhecimento e com todo interesse autocentrado... conforme avançamos vem o desejo de poder... continuamos voltados para nós mesmos...então vem o ponto de viragem: o nascimento do desejo de estar a serviço dos outros e aí começa a batalha... precisamos transformar o ego em abnegação, a separação em unidade.

“Não estamos todos aprendendo a mesma lição ao mesmo tempo. Uma está dominando o orgulho; outro, o medo; outro, o ódio e assim por diante, mas o fator essencial para a saúde é que aprendamos a lição que nos foi destinada. O que importa é que vivamos em harmonia com os ditames de nossa alma, a saúde depende da obediência aos mandamentos interiores e do estar de acordo com nosso próprio EU Espiritual. Nossa alma nos coloca um determinado estágio de vida melhor que se ajusta à nossa evolução e onde melhor podemos aprender a lição necessária, e ajusta a nossa evolução onde melhor podemos aprender a lição necessária, e qualquer que seja nossa posição, é necessário unicamente cumprir aquele trabalho estabelecido para nós e tudo fluirá bem. A doença é o resultado de um conflito que surge quando a personalidade se recusa a obedecer os ditames da alma e há desarmonia entre o Eu Espiritual ou Superior e a personalidade inferior, que é como nos conhecemos.

“A vida se resolve na transmutação das qualidades inferiores do Eu nas virtudes superiores da unidade abnegada, através de um esforço lento e gradual e deve ser uma evolução feliz. Para transmutar o ego em ausência do ego, o desejo em ausência de desejo e a separação em unidade é preciso uma evolução constante e gradual em que precisamos dominar cada estágio à medida em que progredimos. A doença ocorre quando fracassamos em seguir o nosso Eu Espiritual, surgindo o conflito que produz a doença. De acordo com o estágio particular em que estamos falhando, desenvolve-se no plano físico uma mentalidade definida e é esta mentalidade que mostra ao médico a causa fundamental real do problema do paciente e lhe dá a chave para o tratamento bem sucedido.A partir daí pode se determinar qual o esforço que se espera que o doente faça, onde ele está fracassando, e assim pode-se deduzir qual o tratamento correto para que alcance o bem-estar.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   34


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal