As transformaçÕes e as mudanças globais



Baixar 1.04 Mb.
Página6/34
Encontro12.12.2017
Tamanho1.04 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   34

OS VÁRIOS SISTEMAS FLORAIS EXISTENTES.


Os florais se tornaram conhecidos no mundo inteiro, muitos são os pesquisadores que trabalham para conhecer as virtudes curativas das plantas. Porém os mais conhecidos são: Alasca, Amazonas, Deserto, Australianos, Gaia, Saint Germain, Mata Atlântica, Marinhos, Mantiqueiras, Brasileiros, Nona Essência, Californianos. Minas Nordeste...

FLORAIS DE MINAS.


Desenvolvido na década de 80 pelo mineiro doutor em Ciências pela USP, Breno Marques da Silva e Ednamara Batista Vasconcelos e Marques.

Após experimentar grandes transformações com as essências florais do Dr. Bach, Breno modificou sua visão do mundo, buscando o aprimoramento moral e espiritual. Iniciando seu trabalho com as flores do nosso cerrado, procurando identificar quais teriam relação com os florais de Bach.

Suas essências foram descritas a partir de um vasto conhecimento alquímico que ambos puderam reunir a respeito de cada planta.

Os florais de minas, possui uma maior sintonia com a alma do brasileiro, pois crescem à nossa volta e nessa convivência mútua aprendem a perceber e a compreender a nossa gente.

Suas essências são obtidas através do método solar.

É um dos mais completos, vai trabalhar não só aspectos de ânimo em geral incluindo questões relacionadas à sexualidade, sensitividade e desenvolvimento psíquico e espiritual.

Atualmente estão distribuídas em 3 Kits; Profissional, Doméstico e Criatividade e Espiritualidade.

ESSÊNCIAS PARA O MEDO




. MIMOSA . PSIDIUM . SAMBUCUS . PASSIFLORA . BIPINATUS . TRIMERA . PLANTAGO . AMBROSIA .

MIMOSA


(Mimosa puddica)
Nome popular: Mimosa, sensitiva, vergonhosa, dormideira, dorme-dorme. Bach = Mimulus.

Característica: Medo de ser, de descobrir a sua própria capacidade.
MEDOS:Teme exageradamente o mundo material, os animais, as intempéries, as ventanias, chuvas fortes, trovões, relâmpagos, água (rio, lago, piscina), mato, alturas, elevadores. Injeções e hospital (infecções), são obcecados por doenças (hipocondríacos), temem o próprio sofrimento.

Qualquer mau físico ficam deprimidos na expectativa de alguma doença, mais grave. Medo obsessivo de ladrões, de acidentes, fracasso pessoal, repressão e agressão alheia, da morte e do parto, medo de doenças contagiosas, câncer, Aids, lepra, paralisia. Tem medo da dependência e da dor.

São indivíduos supercuidadosos na convalescença, refletindo o temor de não recuperarem.

Podem organizar para si uma delicada constituição corporal. Quando em desarmonia enxergam a vida material terrena como um enorme e perigoso fardo a ser carregado.

São hipersensíveis a luz excessiva, aos sons e barulhos, aos movimentos rápidos. A planta se fecha, por qualquer toque, vento, etc.
INDICAÇÃO: É a essência básica para a timidez, o acanhamento, a gagueira e o nervosismo com as tarefas cotidianas. Pessoas propensas a corar, suar muito, ter enurese e transtornos intestinais quando sob pressão externa.

Usar nos períodos de transição da vida: adolescência, menopausa, andropausa, velhice. Medo de iniciar qualquer empreendimento, medo de se expor, primeiro emprego.

No físico pode surgir: hemorróidas, prisão de ventre, afecções renais, policistites, taquicardia, dores de cabeça, insônia, pressão alta.

Aspectos positivos: a calma, a coragem, a determinação e a persistência com que caminha na vida e realiza seus empreendimentos.

Objetivo: o objetivo da essência, é despertar essas virtudes opostas ao medo, despertando a fé.

Habitat da planta: nascem geralmente onde o homem pode sentir medo. Como: travessias de estrada de ferro, nas encostas muito acentuadas e nas curvas perigosas das rodovias. Suas antenas captam tudo do astral. Tudo que esta em volta. Tanto o caule quanto os frutos são cheios de espinhos, realçando a perspectiva defensiva da planta.

FITOTERAPIA: Usa as folhas e raízes para combater as afecções do fígado, prisão de ventre (forma de chá) e externamente na cura de tumores e reumatismos articular, usando o emplasto. Sendo indicada para erisipelas e abscessos. A infusão das folhas (chá), tem que ser bem diluída, pois é tóxica em alta concentração.

Usada na forma de gargarejo nas inflamações da boca e garganta.

Homeopatia antiga era indicada nas cefalalgias, vertigens, erupções cutâneas, flatulências e elefantíase.


PSIDIUM


(Psidium virescens)
Nome popular: Gabiroba. Bach = Cherry plum (cerejeira)

Característica: indivíduos impulsivos, violentos e que têm medo de perder o controle sobre a razão.

Conflito interno: como se um elo foi quebrado.

Objetivo: É despertar na alma formas criativas de abertura e suavidade, convidando assim o indivíduo a se conectar com suas poderosas reservas espirituais, fontes puríssimas de serenidade.
Indivíduos psidium só enxergam saídas violentas e se reconhecem como de “estopim curto”. Nos quadros extremos a pessoa sente que suas forças estão exaurindo, os nervos esticando e o ponto de ruptura pode se dar a qualquer momento (surtar). Bloqueio energético, descontrole na área dos sentimentos.

A personalidade típica pode apresentar um desenvolvimento craniano com excessiva dilatação na região acima das orelhas e também exagerada separação entre os olhos, que tendem a ser esbugalhados ou arregalados, quase não piscam.

Tais dilatações são reflexos no físico da enorme pressão interna que a alma exerce sobre a personalidade, ansiando progredir. E o esforço tremendo da personalidade para manter as forças da escuridão abaixo da superfície ou consciência.

São barreiras criadas no desenvolvimento espiritual, principalmente antes de se dar grandes e decisivos passos evolutivos. Personalidade altamente adoecida e dominadora, impedindo a evolução da pessoa, a evolução do ser.

As crianças tem ímpetos de quebrar objetos, agredir os outros ou mesmo se auto-mutilar quando tensas.

Marcas fisionômicas na face, em especial na conformação labial. O infantilismo da alma é retratado na conformação labial também infantil: boca excessivamente pequena em relação a dimensão do rosto e da idade. Os lábios grossos demais, principalmente o inferior; nos casos extremos tendem a se dobrar, imitando criança fazendo beicinho.

0 sistema glandular é preferencialmente afetado, trazendo uma gama de distúrbios paralelos. Tais como: enxaquecas severas, labirintite, prisão de ventre, sono agitado, pesadelos envolvendo guerras e destruições, enurese, bruxismo e sonambulismo. Afeta rins e bexiga.

A pessoa Psidium, passa uma segurança que não tem.

A virtude oposta ao medo do auto-descontrole é a serenidade e a sabedoria frente as provações.

Indicado para os estados obsessivos, histeria e as explosões incontroláveis de ira; para o medo da loucura e do suicídio. Nas separações (marido/mulher, pais/filhos, perdas de pessoas amadas), perdas materiais. Nas situações que exija controle a nível celular (AIDS, epilepsia, câncer, etc.).

A planta cresce nas bordas das estradas de terra, por onde as enxurradas passam rente às raízes semidescobertas. As flores são alvas e suavemente perfumadas e se abrem dos brotos arredondados como uma pequena explosão.

Fitoterapia: sua raiz e antidiarréica e diurética e a infusão das folhas e brotos são adstringentes. Os frutos são ricos em sacarina, mucilagens e nutrientes, indicado na prisão de ventre.



SAMBUCUS

(Sambucus australis)
Nome popular: sabugueiro. Bach = não tem correspondência (NTC).

Característica: medo do descontrole do corpo físico.

Objetivo: regular o ritmo do ser (eu), procurando estabelecer um sincronismo entre o interno e o externo.
Teme o descontrole e a falha do corpo físico, principalmente nas situações em que concentração, coordenação e controle são requeridos. Medo do descontrole do sistema neuro-sensorial (sustos). Respiração nervosa.

A personalidade sambucus pode apresentar dificuldades na coordenação motora, tiques nervosos e repuxões nos membros, principalmente nas “voltas de lua”. Nestas ocasiões o desconforto mental e emocional pode se acentuar ou aparecer. Pessoas que captam muito imagens e sons do ambiente que são assimilados de forma descompensada, devido ao grande número de informações, uma esponja.

Indicado para quando houver agressividade verbal e física. Para o comportamento desordenado e fortemente obsessivo. Para clarividentes com mediunidade desequilibrada. Para tremores, tíquetes, certos tipos de esclerose e muitos distúrbios noturnos com pesadelos, enurese e bruxismo. Serve como coadjuvante nas situações de descontrole motor infantil, nas disritmias, nos tremores nervosos dos alcoólatras e dos idosos. Na gagueira, hábito de roer unha e nas disfunções urinárias.

Aplica-se aos casos de descontrole, semelhante ao Psidium, porém aqui o foco de atuação é o corpo físico. A grande lição é: embora o corpo físico seja limitado e imperfeito, o que importa é a estabilidade e a coragem moral a ser conquistada definitivamente pela alma.

A planta originária da Austrália, mas se encontra hoje em quase todo mundo. As flores são brancas e miúdas, muito aromáticas, em forma de cachos, grande e arredondado lembra a lua cheia.

Fitoterapia: as flores frescas são eméticas e laxativas, secas são empregadas nos resfriados, anginas e gripes. Na febre do sarampo, provoca rapidamente a transpiração, desaparecendo a febre. A casca, a raiz e as folhas são indicadas na retenção de urina, na hidropisia, reumatismo, enfermidades eruptivas como o sarampo, rubéola, escarlatina e a varíola.

Externamente toda a planta é usada no tratamento das inflamações superficiais da pele, furúnculos, erisipela, nas queimaduras e também nas hemorróidas.

As flores contém hormônios sexuais e são úteis na menopausa e andropausa. Paracelso recomendava na cura da epilepsia, doença de São Vito. Seu poder medicinal é conhecido a milhares de anos antes de Cristo.

Atualmente a medula desse arbusto é aproveitada em experiências de eletrostática pelo poder que tem de acumular e armazenar energia elétrica.

As suas flores em infusão eram utilizadas antigamente para lavar os olhos e o rosto das gestantes.

Se usava os ramos, espalhando em lugares que queria afugentar cobras, sapos e animais peçonhentos. Os arbustos plantados ao lada das casas a protegia dos malefícios, livrando também de moscas, pulgas e insetos.

A infusão concentrada das folhas era empregada pelos antigos jardineiros e lavradores para regar pequenas plantas atacadas por lagarta.

Usada na cura de doenças epidêmicas, (varíola, lepra e outras).

Usado na homeopatia da década de quarenta, nos casos de coriza, asma e laringite.






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   34


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal