AvaliaçÃo da resistência adesiva da interface dentina radicular/cimento/fibras de vidro utilizando diferentes tipos de cimentos resinosos por meio do teste de microtraçÃo e push out



Baixar 17.03 Kb.
Encontro15.05.2018
Tamanho17.03 Kb.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA ADESIVA DA INTERFACE DENTINA RADICULAR/CIMENTO/FIBRAS DE VIDRO UTILIZANDO DIFERENTES TIPOS DE CIMENTOS RESINOSOS POR MEIO DO TESTE DE MICROTRAÇÃO E PUSH OUT.
Danielle Afonso; Dr Jefferson Ricardo Pereira (Orientador)
Introdução
Com o grande avanço tecnológico de novas técnicas e materiais, novas alternativas para os núcleos metálicos fundidos têm surgido constantemente no mercado odontológico. Os pinos de fibra de vidro, que possuem a vantagem de necessitar de pouca quantidade de desgaste intra-radicular para acomodação destes pinos e possuem módulo de elasticidade próximo ao da dentina, e por serem translúcidos podem resultar em melhores propriedades estéticas.

Atualmente, o cimento comumente utilizado na cimentação de pinos pré-fabricados de fibra de vidro é o cimento resinoso. Os cimentos resinosos são amplamente utilizados para a fixação de próteses fixas, inlays, onlays e pinos intra-radiculares, porém, a resistência adesiva é sensivelmente influenciada pela técnica empregada para cada tipo de cimentação.

O deslocamento do pino é reportado em vários trabalhos, como sendo a principal causa das falhas, e pode estar relacionada à deteriorização do cimento pelas cargas funcionais resultantes dos esforços mastigatórios e a susceptibilidade de alteração higroscópica.

Embora a aplicação clínica dos pinos de fibra de vidro encontre-se bem documentada na literatura a resistência adesiva da interface dentina/cimento/pino apresenta problemas que são inerentes às técnicas de adesão no interior do canal radicular.


Palavras chave: Cimento resinoso, pino de fibra de vidro, resistência microtração e push out.
Materiais e Métodos
Foram selecionados 80 caninos humanos através do banco de dentes da UNISUL. Estes foram seccionados padronizando 15mm de estrutura radicular. Após esse procedimento as raízes passaram por um tratamento de canal utilizando a técnica escalonada regressiva, limpos e obturados através da técnica de condensação lateral, ficando armazenados em água destilada por 10 dias.

As raízes foram então desobturadas com pontas Rhein aquecidas deixando 4 mm a 5 mm de guta percha no ápice radicular. Os condutos foram então limpos e os pinos de fibra de vidro foram provados no canal.

A seguir as raízes foram adaptadas em uma caixa metálica que continha uma placa metática em seu interior com perfurações para adaptação das raízes. Os espécimes foram divididos em oito grupos de dez, diferenciados pelo tipo de cimento: Grupo I e V- C & B Cement (Bisco), Grupo II e VI – Panavia (Kuraray), Grupo III e VII - Allcem (FGM) e Grupo IV e VIII – Multilink (Ivoclar). Os Grupos I a IV foram testados a partir do teste de microtração enquanto os outros grupos através do teste de Push Out. Após a adaptação da raiz, os canais receberam condicionamento ácidos e adesivo, para então ter seus respectivos cimentos manipulados de acordo com o fabricante e cimentados para adaptação no pino de fibra de vidro.

Após esse procedimento os espécimes foram seccionados em três níveis superficial, médio e profundo para então 40 deles passarem pelo ensaio de resistência a adesão – microtração e outros 40 pelo ensaio de resistência a extrusão – push out.

Os valores em N foram estatisticamente analisados através do teste de Análise de Variância a dois critérios (Two-way ANOVA), que indicará se há diferença estatística entre os grupos. Em caso afirmativo, a comparação das médias será feita através do Teste de Tukey que indicará entre quais grupos as diferenças existem. Em todos os testes, o nível de significância utilizado será de α=0,05.
Resultados e Discussão
Houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos. Vários são os fatores que podem influenciar os resultados da pesquisa, tal como tratamento de canal realizado, anatomia do conduto, fator C, controle de umidade, entre outros.
Conclusão
Mais estudos na área são necessários, todavia nesse estudo houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos.
Referências Bibliográficas
1. Stockton LW. Factors affecting retention of post systems: a literature review. J Prosthet Dent 1999;81:380-5.

2. Torbjorner A, Fransson B. A literature review on the prosthetic treatement of structurally compromised teeth. Int J Prosthodont 2004; 17(3):369-76.

3. Pereira JR, de Ornelas F, Conti PC, do Valle AL. Effect of a crown ferrule on the resistance of endodontically treated teeth restored with prefabricated posts. J. Prosthet Dent 2006;95(1):50-4.

4. Pereira JR, Mendonça Neto T, Porto V de C, Pegoraro LF, Valle AL. Influence of the remaining coronal structure on the resistance of teeth with intraradicular retainer. Braz Dent J 2005;16(3):197-201.

5. Oliveira JA, Pereira JR, Valle AL, Zogheib LV. Fracture resistance of endodontically treated teeth with different heights of crown ferrule restored with prefabricated carbon fiber post and composite resin core by intermittent loading. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod 2008;106:e52-7.

6 . Zogheib LV, Pereira JR, Valle AL, Oliveira JA, Pegoraro LF. Fracture Resistance of Weakened Roots Restored with Composite Resin and Glass Fiber Post. Braz Dent J 2008;19: 329:33.

7. BOUDRIAS, P.; SAKKAL, S.; PETROVA, Y. Anatomical post design meets quartz fiber technology: rationale and case report. Compend Contin Educ Dent, v.22, n.4, p.337-40, 342, 344 passim; quiz 350, Apr 2001.

8. Dijken JWV, Hoglund-Aberg C, Olofsson AL. Fired ceramics inlays: a 6-years follow up. J Dent 1998; 26: 219-25.

9. Gateau P, Dayley B. In vitro resistance of glass ionomer cements used in post-and-core applications. J Prosthet Dent 2001; 86: 149-55.

10. Hoglund C, Dijken JWV, Olofsson AL. A clinical evaluation of adhesively luted ceramic inlays. Sweed Dent J 1992; 16: 169-71.

11. BOLHUIS, P.; DE GEE, A.; FEILZER, A. Influence of fatigue loading on four post-and-core systems in maxillary premolars. Quintessence Int, v.35, n.8, p.657-67, Sep 2004.

12. BOLHUIS, P.; DE GEE, A.; FEILZER, A. The influence of fatigue loading on the quality of the cement layer and retention strength of carbon fiber post-resin composite core restorations. Oper Dent, v.30, n.2, p.220-7, Mar-Apr 2005.

13. MONTICELLI, F., et al. Clinical behavior of translucent-fiber posts: a 2-year prospective study. Int J Prosthodont, v.16, n.6, p.593-6, Nov-Dec 2003.

14. WISKOTT, H.W.; NICHOLLS, J.I.; BELSER, U.C. Stress fatigue: basic principles and prosthodontic implications. Int J Prosthodont, v.8, n.2, p.105-16, Mar-Apr 1995.

15. Mejare I, Mjor IA. Glass ionomer and resin-based fissure sealants: a

clinical study. Scand J Dent Res 1990; 98: 345-50.


16. McCABE JF. Resin-modified glass-ionomers. Biomater 1998; 19: 521-7.



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal