Avaliação do potencial para reciclagem agrícola dos biossólidos (lodos) provenientes de reatores



Baixar 3.72 Mb.
Página1/103
Encontro02.12.2017
Tamanho3.72 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   103

Avaliação do potencial para reciclagem agrícola dos biossólidos (lodos) provenientes de reatores (UASB seguido de filtro triplo anaeróbio) que tratam efluente hospitalar.


Bolsista: Walace Rodrigues da Silva
Nome em cit. bibliográficas:
SILVA, Walace R.
Orientador(a):
Dalton Marcondes Silva
Nome em cit. bibliográficas:
SILVA, Dalton M.
Coorientador(a):
Wilma de Carvalho Pereira
Nome em cit. bibliográficas:
PEREIRA, Wilma C.
E-mail:
ecalaw@bol.com.br
Unidade:
ENSP
Departamento:
DSSA
Lab. / Núcleo:
MACROPOLUENTES
Evento: XIII Reunião Anual de Iniciação Científica

Resumo:

Os biossólidos são ricos em macronutrientes cálcio e fosforo e nos micronutrientes zinco e cobre,Essa característica é particularmente importante nos solos fixadores de fóforo,pois sua natureza organica protege o fosfato da oxidação,aumentando sua disponibilidade, reduzindo os custos com fertilizantes e corretivos, uma vezque torna os elementos já existentes mais acessíveis,diminuindo a acidez do solo.Os solos da região de Paracambi são classificados como argissolos (vermelho e amarelo)são ácidos .

Serão realizadas a coleta do material seguindo as normas de amostragem de solos da ABNT.NBR B6457/86 e para os biossólidos as amostras devem ser representativas,serão estudadas as característicasdos biossólidos com relação aos teores de matéria orgânica,concentrações de metais, pH e etc.

Metas operacionais:

1:realizar coleta do material-os lodos digeridos e secos produzidos na ETEem estudo;

2:Realizaçõa de análises laboratoriais do solo;

3:Montagem do experimento;

4:Montagem de um banco de dados e interpretação dos resultados;

5:Elaboração do relatório final;
Publicado ou submetido? não

Situação: Em execução
Palavras-chave:
1:
SOLOS
2:
BIOSSÓLIDOS
3:
REATOR UASB

Título do projeto do orientador: Avaliação do potencial para reciclagem agrícola dos biossólidos (lodos) provenientes de reatores (UASB seguido de filtro triplo anaeróbio) que tratam efluente hospitalar.

Programa/projeto: CNPq - FIOCRUZ/PIBIC
Apoio financeiro: Não

Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq:

Grande Área: Ciências Agrárias    5.00.00.00-4
Área:
Agronomia    5.01.00.00-9
Sub-Área: Ciência do Solo    5.01.01.00-5
Especialidade:
Manejo e Conservação do Solo    5.01.01.06-4

Detecção de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) em Alimentos



Aluno: Renata Trotta Barroso Ferreira
Nome em cit. bibliográficas: FERREIRA, Renata T. B.
Vínculo Institucional: Servidora
Tipo de Bolsa: Sem Bolsa
E-mail: rtrotta@incqs.fiocruz.br
Curso: Mestrado em Vigilância Sanitária
Ano de Ingresso: 2005
Orientador(a): Paola Cardarelli
Nome em cit. bibliográficas: CARDARELLI, Paola
Segundo(a) orientador(a):
Nome em cit. bibliográficas:
Pesquisador(a) Colaborador(a):
Nome em citações bibliográficas:
Área de Concentração: Ciência e Tecnologia de Alimentos
Evento: IX Jornada Científica da Pós-Graduação

Resumo:

As plantas transgênicas já fazem parte do nosso dia a dia e estão sendo comercializadas ou em fase  de teste no mundo inteiro. Novos eventos  de transformação estão ocorrendo em diversos laboratórios do mundo e os alimentos contendo organismos geneticamente modificados (OGM) já ocupam prateleiras em muitos supermercados. A soja tem sido amplamente consumida enquanto ingrediente em produtos processados como  embutidos, biscoitos, sucos, produtos cárneos, sopas, leites, farinhas, etc.

O Brasil regulamentou o plantio e a comercialização da soja geneticamente modificada, estabeleceu o limite de 1% para a informação no rótulo de produtos alimentícios que contenham ou sejam constituídos por OGM e criou o símbolo que deve constar na embalagem para produtos que encontram-se nesta situação.

A adequação dos produtos alimentícios à legislação  brasileira sobre os limites de OGM para rotulagem é baseada na sua detecção, identificação e quantificação.

Métodos  baseados  na PCR podem ser utilizados tanto em análises qualitativas como em quantitativas. A PCR em Tempo Real é utilizada na etapa de quantificação e baseia-se na atividade da exonuclease 5’-3’ da Taq DNA polimerase e na degradação específica de sondas (Princípio Taq Man).

Através da análise de 158 amostras, constatou-se a presença de soja RR, utilizando a técnica da Nested PCR,  em 48 amostras (30,3 %): 7 soja em grãos, 13 bebidas e pós para bebidas, 3 rações, 3 proteínas de soja, 6 sopas desidratadas, 6 produtos cárneos, 1 massa, 2 pós para preparo de alimentos, 4 plantas, 7 farinhas de trigo . A quantificação será realizada nestas amostras para verificação do cumprimento da legislação de rotulagem.



Palavras-chave:
1: OGM
2: soja RR
3: PCR

Apoio financeiro:
1: Fiocruz
2: Outros
3: ANVISA

Está inserido no PAPES 3? Não

Está inserido no PDTIS? Não

Está inserido no PDTSP? Não


Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq:

Grande Área: Ciências Agrárias    5.00.00.00-4
Área: Ciência e Tecnologia de Alimentos    5.07.00.00-6
Sub-Área: Ciência de Alimentos    5.07.01.00-2
Especialidade: Avaliação e Controle de Qualidade de Alimentos    5.07.01.06-1
Comparação da analgesia pós-operatória da morfina, cetoprofeno e morfina + cetoprofeno administrados antes ou após a ovariossalpingo-histerectomia em cães

Aluno: Fabio Otero Ascoli
Nome em cit. bibliográficas: ASCOLI, Fabio O.
Vínculo Institucional:
Tipo de Bolsa: FIOCRUZ
E-mail: fabioascoli@terra.com.br
Curso: Doutorado em Biologia Celular e Molecular
Ano de Ingresso: 2004
Orientador(a): Hugo Caire de Castro Faria Neto
Nome em cit. bibliográficas: CASTRO-FARIA-NETO, Hugo C.
Segundo(a) orientador(a):
Nome em cit. bibliográficas:
Pesquisador(a) Colaborador(a): João Henrique Neves Soares
Nome em citações bibliográficas: SOARES, João H. N.
Área de Concentração: Imunofarmacologia
Evento: IX Jornada Científica da Pós-Graduação

Resumo:

Nas últimas décadas, os médicos veterinários e seus clientes passaram a preocupar-se com a dor e seus efeitos adversos que interferem na qualidade de vida dos animais, modificando a abordagem na avaliação da dor ( Hellyer, 1999­­a). Segundo Gaynor (1999), a dor possui um papel de extrema importância na preservação da vida, porém respostas excerbadas podem causar morbidade e mortalidade.O objetivo deste estudo é comparar a analgesia pós-operatória em grupos de cães tratados com cetoprofeno, morfina e morfina + cetoprofeno antes ou após a ovariossalpingo-histerectomia e avaliar a relação entre a produção de mediadores inflamatórios e a dor pós-operatória. Serão utilizadas 60 cadelas de raças diferentes, hígidas, com peso compreendido entre 6 e 30 Kg e idade entre 1 e 5 anos. Em todos cães, a medicação pré-anestésica será realizada com acepromazina (0,02 mg.kg-1), a indução com tiopental (10 mg.kg-1) e a manutenção com halotano na concentração de 1,3%. Os animais serão divididos em seis grupos: Grupo I (cetoprofeno 2 mg.kg-1no pré-operatória), Grupo II (cetoprofeno 2 mg.kg-1no trans-operatória), Grupo III (morfina 0,5 mg.kg-1no pré-operatória), Grupo IV (morfina 0,5 mg.kg-1no trans-operatória), Grupo V (cetoprofeno 2 mg.kg-1+ morfina 0,5 mg.kg-1no pré-operatória) e Grupo VI (cetoprofeno 2 mg.kg-1+ morfina 0,5 mg.kg-1no trans-operatória). A dor pós-operatória será avaliada durante 48 horas (1, 2, 3, 4, 6, 8, 10, 12, 24, 36 e 48 horas)  utilizando a escala analógica visual e a escala da Universidade de Melbourne. Todas as avaliações serão filmadas para posterior análise por outros dois avaliadores. Tabém será coletada amostras de plasma nos períodos pré-operatório, 6, 12, 24 e 48 horas após a cirurgia para análise de óxido nítrico, prostaglandina E e cortisol.



Palavras-chave:
1: Analgesia
2: Mediadores inflamatórios
3: Cães

Apoio financeiro:
1: Fiocruz
2:
3: UFF

Está inserido no PAPES 3? Não

Está inserido no PDTIS? Não

Está inserido no PDTSP? Não


Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq:

Grande Área: Ciências Agrárias    5.00.00.00-4
Área: Medicina Veterinária    5.05.00.00-7
Sub-Área: Clínica e Cirurgia Animal    5.05.01.00-3
Especialidade: Anestesiologia Animal    5.05.01.01-1
Avaliação da ocorrência de leishmaniose tegumentar americana em cães e gatos domésticos, correlacionados aos casos humanos residentes em área endêmica na região do Mendanha, Município do Rio de Janeiro.

Aluno: Fabiano Borges Figueiredo
Nome em cit. bibliográficas: FIGUEIREDO, Fabiano B.
Vínculo Institucional: Mestrando
Tipo de Bolsa: CAPES
E-mail: fabiano@ipec.fiocruz.br
Curso: Mestrado em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas
Ano de Ingresso: 2004
Orientador(a): Tânia Maria Pacheco Schubach
Nome em cit. bibliográficas: SCHUBACH, Tânia M. P.
Segundo(a) orientador(a): Armando de Oliveira Schubach
Nome em cit. bibliográficas: SCHUBACH, Armando O.
Pesquisador(a) Colaborador(a): Maria de Fátima Madeira
Nome em citações bibliográficas: MADEIRA, Maria F.
Área de Concentração: Doenças Infecciosas
Evento: IX Jornada Científica da Pós-Graduação

Resumo:

INTRODUÇÃO: No Estado do Rio de Janeiro, a leishmaniose tegumentar americana (LTA) causada por Leishmania (Viannia) braziliensis é endêmica. O padrão epidemiológico predominante de transmissão ocorre no intra e no peridomicílio, condicionada à adaptação de algumas espécies de flebotomíneos, em especial da Lutzomyia intermedia, ao meio ambiente modificado da periferia da cidade, acometendo seres humanos, cães e eqüinos. Embora animais domésticos sejam encontrados infectados por L. (V.) braziliensis em regiões com ocorrência de casos humanos, pouco se conhece sobre sua susceptibilidade à infecção e sobre os aspectos clínicos da doença nesses animais. OBJETIVO: Verificar a ocorrência de LTA em cães e gatos domésticos naturalmente infectados. METODOLOGIA: Foi realizada busca ativa de cães e gatos domésticos domiciliados e semidomiciliados em moradias de casos índices humanos de LTA, atendidos no Centro de Referência em Leishmanioses-IPEC entre 2002 e 2004, e seus vizinhos, residentes em região endêmica do município do Rio de Janeiro. Os animais foram submetidos a exame clínico e biópsias de lesão cutânea, para cultura, exame direto e histopatológico. RESULTADOS: Foram visitados 62 domicílios: 22 com casos humanos índices e 40 domicílios vizinhos, habitados por 248 pessoas, destas 34 com LTA atual ou passada. Foram examinados 52 cães sendo que 55,7% machos e 44,2% fêmeas. Lesões cutâneas sugestivas de LTA foram observadas em 51,9% dos cães e desses o diagnóstico parasitológico foi confirmado em 14 cães (51,9%). Foram examinados 42 gatos, sendo 52,4% machos e 47,6% fêmeas, dos quais cinco (11,9%) apresentavam lesões cutâneas. De três (7,1%) desses isolou-se L. (V.) braziliensis. No exame histopatológico pode-se visualizar formas amastigotas nos três felinos. CONCLUSÃO: Na área estudada, encontrou-se um elevado percentual de cães e gatos infectados. 

Palavras-chave:
1: leishmaniose tegumentar americana
2: cães
3: gatos

Apoio financeiro:
1: Fiocruz
2: Fiocruz
3:

Está inserido no PAPES 3? Não

Está inserido no PDTIS? Não

Está inserido no PDTSP? Não


Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq:

Grande Área: Ciências Agrárias    5.00.00.00-4
Área: Medicina Veterinária    5.05.00.00-7
Sub-Área: Medicina Veterinária Preventiva    5.05.02.00-0
Especialidade: Doenças Infecciosas de Animais    5.05.02.03-4
Estudo comparativo da virulência entre isolados de Sporothrix schenckii provenientes de gatos com esporotricose naturalmente adquirida.

Aluno: Luiz Rodrigo Paes Leme
Nome em cit. bibliográficas: PAES-LEME, Luiz R.
Vínculo Institucional: Bolsista
Tipo de Bolsa: CAPES
E-mail: luizleme@ipec.fiocruz.br
Curso: Mestrado em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas
Ano de Ingresso: 2005
Orientador(a): Tânia Maria Pacheco Schubach
Nome em cit. bibliográficas: SCHUBACH, Tânia M. P.
Segundo(a) orientador(a): Cintia de Moraes Borba
Nome em cit. bibliográficas: BORBA, Cintia M.
Pesquisador(a) Colaborador(a):
Nome em citações bibliográficas:
Área de Concentração: Doenças infecciosas
Evento: IX Jornada Científica da Pós-Graduação

Resumo:

A Esporotricose é causada pelo fungo dimórfico Sporothrix schenckii. A infecção costuma ocorrer pela inoculação traumática de materiais contaminados, acometendo principalmente pessoas em contato com o solo e vegetais. Em 1952, Singer & Muncie sugeriram a possível transmissão da esporotricose felina ao homem e, atualmente, consideram-se proprietários, médicos veterinários e tratadores uma nova categoria de risco ocupacional, a qual eventualmente se infectam através do contato, da mordedura ou da arranhadura de gatos doentes. A partir de 1998 uma epidemia de esporotricose vem sendo identificada no Rio de Janeiro, onde o gato possui papel fundamental na transmissão desta micose. Pouco é conhecido sobre a susceptibilidade e resistência ao S. schenckii, e a virulência do S. schenckii tem sido alvo de investigações, tais como: capacidade de crescimento a 37o C, proporção de carboidratos (rhamnose/mannose) da parede celular, enzimas extracelulares (fosfatase), proteinases (proteinase I e proteinase II), produção de melanina e lipídios da parede celular. Em relação aos mecanismos de defesa do hospedeiro, estudos têm sugerido que a imunidade mediada celular desempenha um importante papel na proteção do hospedeiro contra este fungo. No presente estudo, a virulência de isolados do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul será comparada em modelo murino, estudando-se as características morfológicas dos isolados, os sinais clínicos observados na progressão da doença nos camundongos, a sobrevivência dos camundongos, os aspectos histopatológicos e a verificação da presença de S. schenckii em diferentes sítios anatômicos. Através do presente estudo pretende-se verificar se eventuais diferenças na virulência observada em camundongos, de isolados de Sporothrix schenckii originados do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul, que poderiam sugerir que fatores relacionados ao fungo possam explicar parcialmente a diferença de comportamento epidemiológico nas duas regiões geográficas.



Palavras-chave:
1: virulência
2: Sporothrix schenckii
3: gatos

Apoio financeiro:
1: Fiocruz
2: CAPES
3:

Está inserido no PAPES 3? Não

Está inserido no PDTIS? Não

Está inserido no PDTSP? Não


Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq:

Grande Área: Ciências Agrárias    5.00.00.00-4
Área: Medicina Veterinária    5.05.00.00-7
Sub-Área: Medicina Veterinária Preventiva    5.05.02.00-0
Especialidade: Doenças Infecciosas de Animais    5.05.02.03-4
Padronização da técnica de imunoperoxidase no diagnóstico da leishmaniose tegumentar americana canina

Aluno: Isabele Barbieri dos Santos
Nome em cit. bibliográficas: BARBIERI-DOS-SANTOS, Isabele
Vínculo Institucional: Bolsista
Tipo de Bolsa: CAPES
E-mail: isabele@ipec.fiocruz.br
Curso: Mestrado em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas
Ano de Ingresso: 2005
Orientador(a): Tânia Maria Pacheco Schubach
Nome em cit. bibliográficas: SCHUBACH, Tânia M. P.
Segundo(a) orientador(a): Rogerio Tortelly
Nome em cit. bibliográficas: TORTELLY, Rogerio
Pesquisador(a) Colaborador(a): Leonardo Pereira Quintella
Nome em citações bibliográficas: QUINTELLA, Leonardo P.
Área de Concentração: Doenças Infecciosas
Evento: IX Jornada Científica da Pós-Graduação

Resumo:

A leishmaniose tegumentar americana (LTA) causada pela Leishmania (Viannia) braziliensis é endêmica no Estado do Rio de Janeiro. Nos cães se caracteriza pela presença de lesões cutâneas ulceradas localizadas principalmente nas orelhas, bolsa escrotal, focinho e membros. Na rotina, a confirmação do diagnóstico da LTA canina é realizada através da demonstração do agente etiológico, por meio do exame citopatológico, histopatológico ou da cultura de tecido. Entretanto, mesmo quando associados, estes métodos podem não detectar o parasito, devido a escassez de formas nas lesões de pele e das limitações das técnicas habituais de diagnóstico. É possível que a pesquisa de antígenos parasitários “in situ”, por meio da técnica de imunoperoxidase em cortes histológicos, possa contribuir como um método alternativo de diagnóstico. O método imunohistoquímico é particularmente sensível, pois detecta a presença de formas amastigotas e permite a visualização de padrões “celular” e/ou “vascular” e/ou “neural” para lesões ativas. O objetivo deste estudo é padronizar a reação de imunohistoquímica, pela técnica da imunoperoxidase com soro policlonal de coelho anti-Leishmania sp, no diagnóstico da LTA canina; descrever as alterações histopatológicas das lesões cutâneas; comparar a sensibilidade e a especificidade da imunohistoquímica com as técnicas de diagnóstico usuais; investigar a ocorrência de possíveis reações cruzadas com a esporotricose; descrever padrões “celular” e/ou “vascular” e/ou “neural” para lesões ativas de Leishmania sp; e implantar a técnica na rotina do Laboratório de Anatomia Patológica do IPEC. Serão utilizados 110 fragmentos conservados em formol tamponado 10%, de lesões cutâneas ulceradas de cães procedentes do Estado do Rio de Janeiro, que serão agrupados em 3 grupos. No grupo 1, serão incluídos 40 fragmentos de cães com LTA; no grupo 2, 40 fragmentos de cães com esporotricose; e  no grupo 3 (grupo controle), 30 fragmentos de cães com neoplasias. Estes fragmentos serão submetidos a exame histopatológico corados pela hematoxilina-eosina e outras colorações especiais, se necessárias e imunohistoquímico.



Palavras-chave:
1: Leishmaniose tegumentar americana
2: Cão
3: Imunohistoquímica

Apoio financeiro:
1: Fiocruz
2: CAPES
3:

Está inserido no PAPES 3? Não

Está inserido no PDTIS? Não

Está inserido no PDTSP? Não


Classificação do trabalho na Tabela de Áreas do Conhecimento do CNPq:

Grande Área: Ciências Agrárias    5.00.00.00-4
Área: Medicina Veterinária    5.05.00.00-7
Sub-Área: Medicina Veterinária Preventiva    5.05.02.00-0
Especialidade: Doenças Parasitárias de Animais    5.05.02.04-2

Verificação da presença de formas amastigotas e de antígenos de Leishmania em cortes histológicos de cicatrizes cutâneas e de pele sadia de pacientes com leishmaniose tegumentar americana.




Bolsista: Luisa Helena Monteiro de Miranda
Nome em cit. bibliográficas:
MIRANDA, Luisa H. M.
Orientador(a):
Armando de Oliveira Schubach
Nome em cit. bibliográficas:
SCHUBACH, Armando O.
Coorientador(a):
Leonardo Pereira Quintella
Nome em cit. bibliográficas:
QUINTELLA, Leonardo P.
E-mail:
luisahmiranda@ig.com.br
Unidade:
IPEC
Departamento:
Doenças Infecciosas
Lab. / Núcleo:
Serviço de zoonoses
Evento: XIII Reunião Anual de Iniciação Científica

Resumo:

INTRODUÇÃO: A leishmaniose tegumentar americana (LTA) se apresenta com úlceras cutâneas que, tratadas ou não, evoluem para cicatrização em meses ou até anos. Relatos de reativação sugerem a persistência do parasita. O diagnóstico depende da demonstração parasitológica e a técnica de imunoperoxidase é uma alternativa sensível. Em lesões ativas este método é capaz de detectar a presença das formas amastigotas e de marcar o citoplasma de células fagocitárias, endoteliais e neurais da derme. Em tecido cicatricial, foi descrita a marcação de células fagocitárias e endoteliais, mas não de formas amastigotas. OBJETIVO: Verificar, pela técnica de imunoperoxidase, a presença de formas amastigotas e de antígenos de Leishmania em lesões ativas, cicatrizes cutâneas e pele sadia de pacientes com LTA. MATERIAL E MÉTODOS: De fevereiro a junho de 2005, cortes histológicos de 20 lesões ativas suspeitas de LTA foram examinados em hematoxilina-eosina (HE). Novos cortes do mesmo material foram utilizados na padronização da reação de imunohistoquímica (IHQ). A IHQ foi realizada com inibição da peroxidase endógena por solução de metanol e peróxido de hidrogênio em água destilada, recuperação antigênica em panela de vapor com tampão citrato e bloqueio de ligações inespecíficas com solução de leite em pó com albumina bovina. Os cortes foram incubados em câmara úmida "overnight" a 4°C com soro imune de coelhos anti-Leishmania (Leishmania) chagasi, na diluição de 1:400. O complexo avidina-biotina foi empregado como sistema de detecção. A revelação foi realizada com diaminobenzidina. Como controle positivo, foram utilizados casos com numerosas amastigotas vistas na HE. RESULTADOS: Na coloração pela HE, 5 casos (25%) foram positivos. A IHQ foi positiva em 10 casos (50%), aí incluídos todos os 5 casos positivos na HE.CONCLUSÃO: A reação de IHQ foi mais sensível que a coloração pela HE na detecção de amastigotas nas lesões ativas estudadas, podendo eventualmente ser útil para este fim em lesões cicatrizadas e pele sadia. A avaliação da marcação em células mononucleares, endoteliais e neurais e o estudo de lesões cicatrizadas e pele sadia serão etapas subsecutivas do projeto.


Publicado ou submetido? não

Situação: Em execução
Palavras-chave:
1:
Leishmaniose tegumentar americana
2:
Imunohistoquímica
3:
Cicatriz

Título do projeto do orientador: Avaliação da persistência do parasito em pacientes de leishmaniose tegumentar americana e correlações epidemiológicas.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   103


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal