Banda de música da polícia militar



Baixar 65.12 Kb.
Encontro05.01.2018
Tamanho65.12 Kb.


BANDA DE MÚSICA DA POLÍCIA MILITAR:

MÚSICA E MÚSICOS NO CEARÁ (1854-1954)

BAND MUSIC OF MILITARY POLICE:

MUSIC AND MUSICIANS IN CEARÁ (1854-1954)

Inez Beatriz de Castro Martins*

inezbeatrizmartins@gmail.com
RESUMO: A presente pesquisa trata de um trabalho interdisciplinar entre os campos da História e Música tendo como objeto de estudo a Banda de Música da Polícia Militar (PM) do Ceará. A Banda da PM é a mais antiga banda militar do estado e guarda em sua sede importantes documentos musicais (partituras), escritos e imagéticos que possibilitam a compreensão da história sócio musical da cidade de Fortaleza, particularmente o século XIX, período com poucas informações históricas musicais conhecidas. O recorte temporal motivou-se por ser o ano de 1854 o de fundação da Banda e o ano de 1954 o que a Banda recebeu um nome específico – Banda de Música Major Xavier Torres. Este artigo propõe-se refletir, de forma inicial, as fontes imagéticas (fotografias) preservadas na sede desta corporação. São seis fotografias retiradas dos músicos da Banda nos períodos que vão de 1879 a 1932. A discussão e problematização levantada neste artigo estão diretamente relacionadas com a imagem de 1879.

Palavras-chave: banda de música, fontes iconográficas, negros e mestiços.


ABSTRACT: This research is an interdisciplinary work between the fields of History and Music where the object of the study Band Music Military Police (PM) of Ceará. The Band of the PM is the oldest military band in the state and keep its headquarters in important musical documents (scores), written and imagery that allow the understanding of socio musical history of the city of Fortaleza, particularly the nineteenth century, a period with few historical information musical known. The time frame motivated by being the year 1854 of the founding of the band and the year 1954 the band received a specific name - Music Band Major Xavier Torres. This article aims to reflect, so initial imagery sources (photographs) preserved at the headquarters of this corporation. There are six photographs taken from the band's musicians in periods ranging from 1879 to 1932. The discussion and questioning raised in this article are directly related to the image of 1879.
Keywords: band music, iconographic sources, blacks and mestizos.
INTRODUÇÃO:
No Ceará, a tradição de bandas de música é muito marcante. Em 2005 foi cadastrado o número de 135 bandas pela Secretaria de Cultura do estado, entre as civis e militares1. Hoje esse número pode chegar a mais de 2002 num contexto geral de 184 municípios. Esses números demonstram a influência dessa prática para as cidades cearenses onde, em alguns lugares, existem mais de uma banda em funcionamento na mesma cidade.

Compreendendo a importância cultural dessas organizações no que se refere diretamente à formação dos músicos no Ceará é que a Secretaria de Cultura do Estado do Ceará criou em 1996 o Projeto Bandas (seguindo a proposta de incentivo e apoio iniciada pela Funarte em 1976). Posteriormente, o Projeto Bandas Ceará passou a ser chamado de Sistema Estadual de Bandas, regido pela lei n° 13.811 de 16 de agosto de 2006, com objetivos específicos de dar apoio formativo, articular os contatos entre as diversas bandas, ser um mediador entre elas em assuntos relacionados a provimento de recursos, assuntos administrativos, e outros (NETO; MARTINS, 2011).

A banda militar mais antiga do Estado é a Banda da Polícia Militar do Ceará, inicialmente criada com o nome de Banda do Corpo Policial3 criada pela Lei n° 688 de 28 de outubro de 1854 (RODRIGUES, 195-, p.46). Já são 158 anos de atuação musical quase que ininterrupta4 na cidade de Fortaleza. Durante todos estes anos a Banda guardou em sua sede uma quantidade bastante expressiva de partituras (mais de 1000) contadas entre as de uso corrente (peças tocadas frequentemente) e as do arquivo permanente (peças fora de uso) (COTTA; SOTUYO, 2006, p. 22-23).

De uma maneira geral, observam-se características militares marcantes na maioria das bandas civis em atividade hoje no estado. Esse “ethos” militar pode ser constatado em vários aspectos como na disposição oval ou em filas no posicionamento dos músicos no palco, os uniformes dos integrantes, no comportamento rígido estabelecido pelos maestros na condução dos ensaios e apresentações, no uso comum do repertório. Vale ressaltar que muitas das bandas civis foram fundadas por maestros que fazem ou fizeram parte de alguma corporação militar (especialmente da Banda da Polícia e a do Corpo de Bombeiros).

Marc Bloch (2001, p.65) compreende a história não como uma ciência do passado e sim onde “presente e o passado se interpenetram. (...) Se, para quem quer compreender mesmo o presente, a ignorância do passado deve ser funesta, a recíproca - embora, não esteja sempre tão nitidamente alertado - não é menos verdadeira”.

A presença de um número significativo de bandas no Estado do Ceará, a observação de uma forte influência das bandas militares sobre as bandas civis, a característica musical longeva da Banda da Polícia, a preservação de um acervo histórico musical centenário, gerando uma forte potencialidade para a descoberta de documentos que possam recontar a história musical do passado da cidade, especialmente no século XIX e início do século XX foram as razões que me motivaram a pensar a Banda da Polícia Militar do Ceará como objeto de estudo. Como a reflexão do passado musical cearense poderia então me ajudar a compreender a realidade musical atual de Fortaleza? O que a Banda da Polícia tem a contar sobre a sua participação na história sócio-musical desta cidade?

Partindo dessas motivações, iniciei em julho de 2010, juntamente com minha equipe de pesquisa5, um trabalho de limpeza, separação e catalogação prévia das partituras do acervo da Banda da Polícia seguindo a metodologia de catalogação adotada pela arquivista da Banda6. O objetivo inicial foi tentar encontrar alguma partitura ainda do século XIX até o ano de 1954. O recorte temporal foi baseado no ano de criação da Banda e no ano em que ela recebeu um nome particular e permanente, diferenciado do nome da corporação (Banda de Música Major Xavier Torres), após anos seguidos de mudanças constantes (HOLANDA, 2004, p. 31).

Do século XIX foi encontrada apenas a partitura “A Corporação”, uma marcha do compositor Euclides Paiva7 de 1897. Do início do século XX até sua primeira metade foram encontradas muitas partituras entre aberturas de óperas, valsas, composições inéditas de compositores cearenses além de marchas e dobrados.

Como fontes históricas, essas partituras têm a possibilidade de revelar nomes dos músicos e funções que desempenhavam (compositores, arranjadores, copistas) na cena musical de Fortaleza do passado. Em muitos casos, nomes totalmente esquecidos dos relatos da história musical cearense ou, se referenciados, não existiam possibilidades de análises de suas obras musicais, pois não haviam documentações em partituras para estudo. As composições encontradas possibilitam a recriação de uma paisagem sonora de época.

Existem algumas composições que chamam mais atenção que outras por causa de alguma particularidade. É o caso da peça Ao Ceará Livre de Carlos Gomes, composta no dia 29 de março de 1884, quatro dias depois da abolição dos escravos no Ceará8. É bastante significativa a relação entre as datas e a importância que Carlos Gomes deu à abolição da escravidão demonstrada pela escrita de uma composição em homenagem a data. Pessoalmente, a música parece emergir de si um valor simbólico e intrínseco a ser analisado musicalmente numa possível conexão com as questões sociais e políticas da época.

Além desses documentos musicais, foi adquirida uma cópia do livro Resumo Histórico da Polícia Militar (1835-1955) pertencente ao Museu Histórico dessa Instituição. O livro contem leis regimentais que tratam da origem da Polícia, informações sobre sua organização interna, as diversas mudanças do nome da corporação, participações nas guerras, relato dos costumes como compra de fardamento, punições aos membros da Polícia e informações administrativas da banda. O autor baseou-se em pesquisa realizada em documentos do Arquivo Público do estado anotando a localização das informações no próprio livro. Outra importante fonte encontrada na sede da Banda foram seis imagens (fotografias) da Banda da PM tirados em períodos históricos diferenciados (de 1879 a 1932), onde aparecem os músicos que fizeram parte da Banda. Essas seis imagens demonstram ser inéditas e originais no contexto histórico musical cearense. O levantamento desse material iconográfico está em fase inicial de estudo e de problematização. Este artigo pretende apresentar os primeiros questionamentos instigados por essas imagens.
AS IMAGENS:

As seis fotografias estão em preto e branco, algumas mais nítidas que as outras. As duas imagens mais antigas encontram-se na página 48 do Resumo Histórico. As outras estão dispostas em quadros no salão de ensaio na sede da Banda. Em todas elas existem uma informação escrita logo abaixo da fotografia a qual transcrevemos a seguir:



  1. 1879 – Banda de Música

  2. 1885 – Banda de Música

  3. Banda de Música do Batalhão de Segurança, tendo ao centro (1ª fila) o ensaiador, Maestro Penido – 1910 –

  4. Banda de Corneteiros do Regimento Policial do Ceará – 1924 –

  5. Banda de Música da Força Policial do Estado (PMCE) – 1929 –

  6. Banda de Música do Corpo de Segurança Pública – 1932 –

Os registros iconográficos têm sido usados nas mais novas gerações de historiadores brasileiros como uma fonte privilegiada e que em associações com outros registros, informações, usos e interpretações transformaram-se em certidões visuais do passado (PAIVA, 2006, p.11-14). Panofsky (2009, p.47-64) distingue três níveis de percepção baseada na relação de compreensão da obra de arte (imagem): a primeira, a descrição pré-iconográfica baseada na experiência prática do observador; a segunda, a análise iconográfica, que pressupõe familiaridade com temas e conceitos obtidos de leituras ou tradição oral; a terceira, a interpretação iconológica que se baseia mais na “intuição sintética” que análise.

A educação do olhar já foi pregada desde a Antiguidade por Platão que entende que sem uma mediação da razão a imagem é lida como um simulacro do real, ou seja, cria a ilusão de realidade (BORGES, 2011, p. 23-24). Da mesma forma que o pintor, o fotógrafo-artista quer representar mais que informar, condensar no retrato artístico, as qualidades e o essencial do indivíduo como imagem simbólica (IDEM, 2011, p.44).

Meneses (2003, p.11-36) propõe uma reflexão sobre o deslocamento das fontes visuais para um tratamento mais abrangente da visualidade como uma dimensão importante da vida social e dos processos sociais. À discussão histórica das imagens introduz a Antropologia Visual como um novo campo disciplinar que, além de reconhecer o papel informativo das fontes visuais toma consciência de sua natureza discursiva. Na passagem do visível para o visual propõe três modalidades de tratamento: o documento visual como registro produzido pelo observador; os documentos visuais como registro ou parte de observável, na sociedade observada; e a interação entre observador e observado. Sobre a fotografia, reconhece que é o campo que melhor tem demonstrado a dimensão histórica e social, multiplicando os enfoques: ideologia, mentalidades, variáveis políticas, instituição do observador, quadros do cotidiano, marginalização social.

Os registros iconográficos têm sido importantes fontes de questionamento e entendimento do passado. Agregando esse aspecto informativo histórico social, existe uma natureza discursiva das fontes imagéticas a serem compreendidas e reveladas. As imagens da Banda de Música da PM serão analisadas sobre esses dois prismas. Neste trabalho será descrito o conteúdo de uma das fotografias e as reflexões associadas a essa imagem.

A primeira fotografia de 1879 retrata 38 músicos dispostos em quatro fileiras. Nela vemos claramente o rosto de todos os presentes. Na primeira fileira existem 10 homens dispostos em pé no chão; na segunda, terceira e quarta fileiras estão dispostos 8 homens em cada uma, em degraus diferenciados. Na fila superior à direita, existem três garotos. O último da direita está segurando uma lira e os outros dois, o sax horn, aparentemente de tamanhos diferenciados. Quase todos os músicos estão portando instrumentos de sopro. A percussão está representada pelo bumbo e uma caixa apoiada no chão à esquerda da foto e a outra no centro respectivamente. Existem dois senhores na última fila superior e no meio que aparentemente não estão portando instrumentos. Pode-se supor que um deles seja o maestro ou mesmo o percussionista. Todos estão fardados, usando boné. No livro de Holanda (2004, p. 24), vemos a mesma foto e nela é possível constatar que eles estão usando sapatos.

Num primeiro momento o que instiga nessa imagem é a composição étnica da banda: ela é formada por negros, mestiços, brancos e crianças. Como não se dispõe de outras fontes não é possível identificar o perfil social e étnico de cada músico. Mas pode-se confirmar que dois deles podem ser considerados negros pela sua cor bastante escura; dois outros parecem ser mestiços (mulatos, a pele aparenta um pouco mais clara do que as dos outros negros). Uma das crianças também é mestiça, num cruzamento de branco (ou negro) com o índio. E os outros, são brancos? Não é possível afirmar nesse momento. Alguns parecem mais brancos que outros (e por isso mestiços?) como o garoto que segura a lira, cuja aparência de europeu é marcante.

Funes (2007, p. 106) afirma que o perfil étnico do estado em 1991 continua apontando para o mesmo perfil étnico levantado nas estatísticas populacionais em todo o século XIX: a predominância de um povo de características mestiças, denominado à época de pardos. O mestiço era (é) figura bastante presente no Ceará.

Mas quem são esses sujeitos que fazem a Banda do Corpo Policial da cidade de Fortaleza em pleno século XIX? Trabalhadores livres que encontram na Banda da Polícia um espaço de mobilidade social? Observando outras cidades do Brasil, a função de músico era uma das atividades artesanais em que os mulatos livres, desde os tempos da colônia, escolhiam como ocupação de sobrevivência, por não estarem diretamente ligada às atividades econômicas principais do período. É provável, portanto, que fazer música na banda da Polícia Militar tenha sido também uma nova possibilidade de ocupação e mobilidade social para os trabalhadores livres de Fortaleza no século XIX. “Fazer música foi, primeiramente, uma das poucas oportunidades de trabalho, como qualquer outra atividade manual; depois, meio de promoção social” (MONTEIRO, 2006, p.4).

Se por um lado, ser músico na Banda da Polícia Militar era considerado um patente inferior, hierarquicamente apenas acima dos soldados (RODRIGUES, 195-, p.14-15, 44), por outro lado, tomando por referência a Banda do Exército de outros localidades, esses músicos gozavam de mais prestígio entre os oficiais superiores (estado maior) do que os outros do estado menor. A razão baseava-se no fato deles estarem em maior contato com os oficiais por causa da própria característica do trabalho da Banda (apresentações oficiais) e porque tinham possibilidade de conseguir uma renda extra proporcionada pelas apresentações externas (BINDER, 2006 p. 105). Essa remuneração extra recebida em apresentações externas à corporação foi apresentada pelo escritor cearense Eduardo Campos (1996, p. 41) que cita uma tabela discriminada de apresentações e valores cobrados em contrato pela Banda de Música do 49° Batalhão de Caçadores.

É provável que essa renda extra também tenha sido prática comum na Banda da Polícia. Isso porque a lei que criou esse grupo fixou o efetivo em 15 músicos e um mestre de música. Esse efetivo variou poucas vezes chegando a ter 19 músicos em 1872 divididos em três classes (RODRIGUES, 195-, p. 46, 49). Na fonte imagética de 1879 podem ser vistas 38 pessoas. Retirando as três crianças esse número cai para 35 homens (34, se retirarmos também o mestre de música, que era pago separadamente).

Tomando por base o pagamento a 19 músicos como em 1873 (IDEM, p.48-49), como os outros 15 músicos eram pagos? Se não havia uma remuneração estabelecida em lei para eles, quais os supostos benefícios que faziam com que esses 15 homens estivessem na Banda sem ganhar? Será que haveria o mesmo costume observado no Exército de terem os chamados soldados aprendizes, homens que já pertenciam a corporação e passavam a estudar música com o mestre da banda, mas continuavam recebendo como soldado (BINDER, 2006, p.107)? Dessa forma seria assegurado o pagamento desses outros soldados que não constavam previamente na lista dos pagantes da Banda. Haveriam vantagens que poderiam ser consideradas interessantes e que compensariam estar na Banda tocando sem ganhar (como o fato de aprender um instrumento tão moderno para a época e ter a possibilidade de ser professor de música na cidade)? O sustento viria do contrato das apresentações extras?

Outra questão relativa a esta questão é sobre a entrada desses músicos não listados na Banda: eles pertenciam a corporação policial ou eram músicos extras como as crianças? Entravam na Banda pela via do recrutamento dos soldados, a convite do mestre de música, por vontade livre do interessado? Qual o interesse da Polícia ter esses músicos “extras”? Terão eles sido recrutados de forma imposta como mandava o regimento da Polícia e talvez por isso impossibilitados de receber o soldo?9 Haveria uma ordem para que alguns recebessem e outros não? O aumento do número de integrantes da Banda tinha alguma relação com os discursos de modernidade, progresso vigente no período?

O castigo de chibata era um costume usado para castigar escravos cativos. Em uma citação de um jornal do Ceará do século XIX, o autor comenta que esse tipo de castigo também foi usado pelos políticos cearenses como forma de exercer seu poder e influência sobre as pessoas (Jornal O CEARENSE, 1851 apud CORDEIRO, 2007, p.143). No livro sobre o Resumo Histórico aparecem duas referências sobre esse tipo de castigo.

Art.7° Na disciplina este corpo se regerá pelos regulamentos Militares ora em vigor no que não estiverem em opposição com a presente Ley; mas nunca se usará do castigo de xibata (sic) (RODRIGUES, 195-, p.15). (..) de acordo com a Lei n. 853, de 23 de agosto de 1858, que aboliu o castigo da chibata, sendo, portanto, a nossa Corporação uma das primeiras no País abolir, oficialmente, tão vergonhoso quão inícuo modo de correção (IDEM, 195-, p. 46).
Em 1858, portanto, o castigo da chibata foi abolido da Polícia cearense deixando claro que era um costume oficialmente prescrito na Lei e existindo não somente no Ceará, mas em todo o País. Afinal, a Lei acima declara que foi essa corporação a primeira a abolir esse castigo oficialmente. Portanto, o que representou simbolicamente essa ação para a Polícia local e para o movimento abolicionista cearense?

Retornando à imagem de 1879, o fato dos homens retratados estarem segurando instrumentos musicais nos remete a outro ponto: como esses músicos aprenderam a tocar esses instrumentos de sopro? É importante ressaltar que alguns destes instrumentos que aparecem na fotografia (diversos tamanhos de saxhorn, saxofone, oficleide, trompete, helicon, clarinete) eram considerados modernos para a época, criados no século XIX como o saxofone (c. 1840) e o oficleide (1817). Outros passaram por alterações mecânicas estruturais revolucionárias na época como a inclusão do sistema de válvulas (pistons=pistões), por exemplo, nos clarins (passando a serem chamados de trompetes) (OLING, WALLISH, 2004, p.89-119).

Mas onde e como a Banda adquiriu esses instrumentos? Vinda de outros estados ou por meio de importação direta com a Europa por navio? A “modernidade” desses instrumentos sugere a constituição de um ambiente musical com a presença de compositores e arranjadores (locais e de outros lugares), de pessoas aptas a consertarem os instrumentos, um comércio de partituras. Como estes músicos da banda, talvez negros e mestiços oriundos de espaços de escravidão, como eles aprenderam a tocar estes instrumentos “modernos”? Como se deu esse aprendizado musical? Esses músicos também eram professores? Onde? Tocavam de ouvido ou por partitura?

Sobre as partituras, encontramos no acervo da Banda apenas uma composição do século XIX, datada de 1897. Existem muitas outras datadas das três primeiras décadas do século passado. Como a corporação as adquiriu já que existe referência de obras editadas em Madrid, na Itália, de muitas aberturas e partes de óperas europeias copiadas a mão? Como se dava a circulação e a obtenção deste repertório na cidade: por importação, trazida de outros estados ou os dois? Qual o valor simbólico que se pode agregar a este contexto social e para a compreensão desses sujeitos, músicos de banda, a existência de música grafada? Não podemos deixar de comentar que a execução dessa música culta europeia exigia um aprendizado específico para sua decodificação e a compreensão da terminologia italiana. As especificidades da técnica instrumental e da leitura musical sugerem que os negros e mestiços da Banda eram letrados.

A imagem de 1879 carrega em si um ineditismo para a história musical de Fortaleza: os músicos saem do anonimato, mostram a cara, ou melhor, o corpo inteiro. Até o presente momento não existe referência de registros imagéticos do século XIX retratando músicos cearenses numa prática musical de banda de música. Inédito também pelo fato de ver registrado a figura de negros e mestiços participando em uma mesma prática musical conjuntamente com brancos, numa representação de cultura erudita. As referências associativas de música e negros no Ceará recaem normalmente sobre as descrições das festas dos Autos do Rei do Congo, no samba e maracatu, na compreensão de uma cultura africana atuante.

(...) através desta pesquisa, propõe-se o estudo das “festas de negros em Fortaleza”, nas últimas décadas do século XIX, particularmente os sambas, os congos (ou autos de rei congo), as coroações de reis e rainhas negros na Irmandade do Rosário dos Homens Pretos, os maracatus, além de outros ajuntamentos de caráter festivo vivenciados por negros (MARQUES, 2008, p.12-13).


As festas juninas constituíam outro ciclo festivo em que os folguedos possibilitavam alegrias aos negros. Era, e é, tempo de boi-bumbá (FUNES, 2007, p. 124).
Os últimos Reis do Congo que houve em Fortaleza, minha terra natal, foram o negro Firmino, ex-escravo de meu pai, e angra Aninha Gata. Esta ainda conheci aí por 1897 ou 1898 (BARROSO, 1962, p.374).
A fotografia de 1879 testifica a presença do negro cearense em uma prática cultural diferenciada, a da banda de música. Mas não de uma cultura negra que se mistura a uma branca na banda e sim de um negro que faz música com mestiços e brancos, tocando uma música em comum, considerada culta, erudita para a época. O repertório característico da tradição das bandas são as marchas, hinos e dobrados. No levantamento das obras catalogadas nesse período do acervo da Banda observa-se que o repertório preservado é basicamente disposto de títulos de aberturas de óperas e valsas no estilo europeu.

Quanto as crianças e adolescentes retratadas na imagem de 1879 da Banda, o que fazem elas aí? Em sua pesquisa sobre Bandas Militares, Binder (2006, p. 118-119) encontrou informações sobre a existência de uma regulamentação em 1842 sobre uma companhia de menores do Arsenal de Guerra do Império no Rio de Janeiro ligada ao Exército. Esta unidade acolhia crianças de oito a doze anos que eram enjeitadas, órfãos indigentes, menores abandonados, ou filhos de pais pobres. Em 1867, a idade mudou de 12 para 19 anos. Nessa escola as crianças tinham aulas de música instrumental, primeiras letras e desenho linear. Em 1842 a regulamentação era válida para os Arsenais em Pernambuco e na Bahia.

Com a reorganização do decreto em 1872, as unidades do Pará, Rio Grande do Sul e de Mato Grosso passaram a incluir estes Arsenais. O mestre de música era empregado do Arsenal. Em 1876, criaram-se mais duas escolas de menores: uma em Minas Gerais e a outra em Goiás. Binder (2006, p. 120) relata ainda que nessas novas escolas a novidade foi o ensino “de instrumentos metálicos de sopro do sistema –Saxe – dos três gêneros: soprano, tenor e baixo”. Vale ressaltar que esses diferentes tamanhos de saxhorn estão registrados na fotografia de 1879.

Mesmo sem se referir a Fortaleza, parece que a corporação da Polícia também recebia crianças na sua formação. Não foi encontrada nenhuma informação direta sobre esse assunto no livro do Resumo Histórico da Polícia, mas existe a menção da doação do instrumental da Banda para o “Collegio dos Educandos” (RODRIGUES, 195-, p. 47). Seria esta escola similar a de formação de jovens aprendizes da escola do Arsenal do Rio de Janeiro?


CONSIDERAÇÕES FINAIS
O arquivo da Banda da PM demonstrou ser um importante acervo de informações históricas sócio-musical da cidade de Fortaleza. Mas questões ainda não explicadas em sua documentação podem ter nos estudos de História Comparada sua resposta. A História Comparada tem sido uma tendência da pesquisa na área no século XXI. Ao invés de buscar resultados particulares, exclusivos, singulares, essa perspectiva entende que as realidades são conectadas temporal e espacialmente, em contorno e contexto mais amplos (PAIVA; IVO, 2008, p.10). A conexão entre histórias só tem sentido entre contextos, “conjunto de ideias e de crenças, práticas, formas de organização religiosas e étnicas, maneiras de se relacionar inter e intra grupos e culturas. (...). Fora dele, ela se confunde com a comparação simplória e fácil” (PAIVA, 2008, p.14).

Nesta perspectiva assuntos ainda pouco delineados na história sócio musical do Ceará e retratados na imagem de 1879 como a presença de trabalhadores livres, mestiçagem, negros, o movimento abolicionista, podem ter na História Comparada sua conexão e reflexão.

“Os músicos envolvidos com a prática musical no Brasil do século XVIII e XIX foram, predominantemente, mestiços [mulato]; e em menor número, negros e brancos” (MONTEIRO, 2006 p.1). Essa constatação da história da música brasileira parecia deixar de lado o Ceará na inserção das práticas musicais do período. Afinal “a percentagem do sangue africano é pequena nas veias do cearense” (GIRÃO, 1984, p.79). O mito do “Ceará não tem negros” era bastante presente na historiografia do estado (FUNES, 2007, p.102). Ao contrário, a imagem de 1879 da Banda demonstra claramente que o Ceará não foi uma exceção quanto à presença de negros e mestiços fazendo uma cultura musical europeia. Essa fotografia insere o estado no panorama musical característico do século XVIII e XIX no restante do país e provoca um espírito investigador nas questões voltadas ao negro e o mestiço fazendo música aos moldes do estilo europeu.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

AZEVEDO Otacílio de. Fortaleza descalça, reminiscências. 2. ed. Fortaleza: UFC, Casa José de Alencar, 1992 (Coleção Alagadiço Novo, 36).

BARROSO, Gustavo. À Margem da História do Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1962.

BINDER, Fernando Pereira. Bandas Militares no Brasil: difusão e organização entre 1808-1889. 2006. 3 v. Dissertação (Mestrado em Música). Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Estadual Paulista-UNESP, São Paulo, 2006.

BLOCH, Marc. Apologia da Historia ou ofício de historiador. Tradução de Anfré Telles. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2001. Título original: Apologie pour l’historie; ou Métier d’historien.

BORGES, Maria Eliza Linhares. História e Fotografia. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. (Coleção História e Reflexões, 4).

CAMPOS, Eduardo. Inventário do quotidiano (breve memória da cidade de Fortaleza). Fortaleza: 1996. Disponível em: <http://www.eduardocampos.jor.br/_livros/e20.pdf> Acesso: 05 de set. 2012

CORDEIRO, Celeste. O Ceará na segunda metade do século XIX. In: SOUZA, Simone de (Org.).Uma nova história do Ceará. 4.ed. ver. e atual. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2007. p. 135-161.

COTTA, André Guerra; BLANCO, Pablo Sotuyo. Arquivologia e Patrimônio musical. Salvador: Edufba, 2006.

FUNES, Eurípedes Antônio. Negros no Ceará. In: SOUZA, Simone de (Org.).Uma nova história do Ceará. 4.ed. ver. e atual. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2007. p. 162-191.

HOLANDA, João Xavier de. Banda de Musica Major Xavier Torres - 150 anos - 1854-1954. Fortaleza: Edição do autor, 2004.

MARQUES, Janote Pires. Festas de Negros em Fortaleza: territórios, sociabilidades e reelaborações (1871-1900). 2008, 1 v. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, História visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.23, n°45, p.11-36, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbh/v23n45/16519.pdf> Acesso em: 16 ago 2012

MONTEIRO, Maurício. Música e mestiçagem no Brasil. Nuevo Mundo Mundo Nuevos. 2006. Disponível em: <http://nuevomundo.revues.org/1626>. Acesso em: 08 set. 2012.

NETO, Argemiro C. de Oliveira; MARTINS, Inez B. de C. Sistema Estadual de Bandas de Música – Ceará. In: XVI SEMANA UNIVERSITÁRIA, 2011, Fortaleza. Anais eletrônicos... Disponível em: <http://semanauniversitaria.uece.br/anais/paginas/tiposDeEncontro.jsf>. Acesso em: 20 abr. 2012.

OLING, Bert; WALLISH, Heinz. Instrumentos de Sopro. In: Enciclopédia dos Instrumentos Musicais. Lisboa: Livros e Livros, 2004, p.89-119.

PAIVA, Eduardo França. História e Imagens. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. (Coleção História e Reflexões, 1).

______________. Histórias Comparadas, Histórias Conectadas: Escravidão e Mestiçagem no Mundo Ibérico. In: PAIVA, Eduardo França; IVO, Isnara Pereira. (Orgs.). Escravidão, mestiçagens e histórias comparadas. São Paulo: Annablume, 2008. p.13-25. (Coleção Olhares).

PAIVA, Eduardo França; IVO, Isnara Pereira. Apresentação. In: PAIVA, Eduardo França; IVO, Isnara Pereira. (Orgs.). Escravidão, mestiçagens e histórias comparadas. São Paulo: Annablume, 2008. p.09-12. (Coleção Olhares).

PANOFSKY, Erwin. Iconografia e Iconologia: uma introdução ao estudo da Arte da Renascença. Significado nas Artes Visuais. In: Significado nas artes visuais. Tradução de Maria Clara F. Kneese e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2009. p.47-87. (Debates, 99) Título original: Meaning in the Visual Arts.



RODRIGUES, Abelardo. Resumo Histórico da Polícia Militar (1835-1955). Fortaleza: Imprensa Oficial, 195-.


* Professora assistente do Curso de Música da UECE, maestria da Orquestra de Sopros da UECE.

1<http://www.secult.ce.gov.br/sistemas-conselhos-e-foruns/sistemas-estaduais/Municipios%20Aderiram%20 ao%20SEBAM-CE.pdf> Acesso 06 de setembro de 2012.

2 Valor informado pelo representante do próprio Sistema Estadual em contato telefônico no dia 08 de setembro de 2012 com a proponente. Houve uma tentativa por parte da Secult em fazer um recadastramento das bandas do Estado, mas não foi concretizado. Dessa forma, o valor de 200 é aproximado podendo, segundo o próprio representante, chegar de 230 a 240 bandas.

3 Na lei de criação da Banda o termo dado é Corpo Policial. Contudo, na emenda anterior apresentada em 1841 na Assembleia Legislativa da Província foi usado o termo “Força Policial” para designar a criação de mais uma companhia da Polícia (RODRIGUES, 195-, p.14). Durante as décadas iniciais de funcionamento a Polícia Militar recebeu diversos nomes. Somente em 1947 é que passa a ser chamada de Polícia Militar do Ceará. A Banda acompanhava as denominações da Companhia. Quando completou 100 anos, em 1954, ela recebeu um nome específico: “Banda de Música Major Xavier Torres”.


4 Segundo os relatos orais dos integrantes da Banda da PM, ela nunca parou de exercer suas atividades. Contudo, no livro Fortaleza Descalça, Otacílio Azevedo (1992, p. 54) escreve: “De 1910 a 1920 era Fortaleza uma verdadeira colméia de músicos. Com a deposição do presidente Acióli, dissolveu-se a Banda da Polícia Militar e todos aqueles bons elementos.”

5 A equipe de pesquisa foi constituída pela arquivista da banda Joiânia Marques, minha bolsista de Iniciação Científica/UECE Kamila Serpa, e meus bolsistas de Iniciação Artística/UECE Mônica Laurentino, Marcilane Cruz, Glauber Pereira e Willian Ciriaco.


6 A metodologia empregada pela arquivista segue dois procedimentos: o primeiro, realizado numa folha de papel, onde são anotados dados musicais como nome da obra, autor, copista/instrumentador, instrumentação, gênero musical, data, registro (segue a ordem da catalogação no computador), observações. Essa folha é ajuntada com a partitura específica dentro de uma folha plástica e acondicionada em caixas ou pastas suspensas. O outro procedimento é repassar essas informações escritas para o computador usando um programa de catalogação de livros (e não de partituras). Este procedimento é feito porque o programa usado é um software de livre acesso. Por causa disso, algumas outras informações relevantes no processo de busca musical, consideradas relevantes não são coletadas (por exemplo, um incipit da música catalogada).

7 Não existem informações sobre quem é esse compositor.

8 A obra que está no arquivo da Banda não é autógrafa. As cópias foram feitas da partitura impressa e copiadas por Pedro Cassino Nogueira (Barretos, Rio de Janeiro, 1951) e Alberto Mendes da Rocha (Fortaleza, novembro de 1951).

9 “O alistamento para este Corpo, será voluntário; se porem no fim de três mezes ter aberto alistamento, não tiver concorrido numero sufficiente de voluntarios para levar o Corpo a seu estado completo, o Presidente da Província mandará proceder o recrutamento forçado, regulando-se pelas instruções de dez de julho de 1822 (RODRIGUES, 195-, p.44).



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal