Bondade suprema



Baixar 1.33 Mb.
Página1/46
Encontro02.12.2017
Tamanho1.33 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   46

Bondade suprema

Seu Astrogildo era um velhinho afável e dotado de grande generosidade e muito dinheiro. Ele estava há vários meses na UTI e resolveu mostrar o testamento aos filhos, genros e noras.

O velhinho viu tanta alegria nos olhos dos herdeiros que, quando eles deixaram a UTI, ele não hesitou um instante em dar-lhes a felicidade esperada: enforcou-se na mangueirinha do oxigênio.



Percival, o jardineiro

 

Culto, educado, cortês e, acima de tudo, um bom e meticuloso jardineiro. Assim era o Percival.

Como amante das flores, Percival tinha uma queda toda especial pelas mudinhas. Ele colocava as mudinhas na cova com muito cuidado e socava bastante a terra por cima delas.

Até que um dia a polícia o prendeu por assassinato.




O regime de Auricleide
ou
Como Auricleide perdeu peso em uma semana

Na segunda-feira, Auricleide decidiu iniciar o regime: uma dieta de emagrecimento.

Na terça-feira, ela cortou a cerveja.

Na quarta-feira, foi a vez da pizza: pizza nunca mais. E assim, ela cortou a pizza.

Auricleide cortou as batatinhas na quinta-feira e, no mesmo dia, começou a ficar inquieta com tanto corte.

Sexta-feira. Dia de cortar bolos e doces e a inquietação se transformou em depressão.

No sábado, em depressão, ela cortou o pulso direito. No domingo, em depressão profunda, Auricleide cortou o pulso esquerdo.


 

Dieta globalizada

Faço dieta americana, uso produtos franceses, malho com um personal neozelandês, faço ginástica localizada com uma russa e não adianta nada: não consigo diminuir essa bunda brasileira.

Mas, pensando bem, por que não deixar a bunda, que é brasileira de nascença, como está ?


 

A felicidade

A felicidade é que nem uma borboleta esvoaçante. Quanto mais corres para apanhá-la, mais ela te engana e te ilude.

Porém se dedicares a tua atenção a outras coisas, ela retornará e pousará suavemente nos teus ombros.

Aí é só pegar a borboleta, matá-la, espetá-la com um alfinete e depois prendê-la num painel com uma etiqueta:

Aqui jaz uma borboleta feliz.



A zebrinha

A bela zebrinha é uma adolescente muito inquieta e quer conhecer o mundo. Ela sai passeando por aí, vai andando, andando e vê uma galinha. Curiosa, ela vai saber o que é aquilo.

— Sou uma galinha, você não conhecia?

— Não, não conhecia. O que é que você faz? Pra que é que você serve?

— Eu boto ovos. Todo o dia eu boto um ovo.

Lá mais na frente a zebrinha vê uma vaca, vai conversar com ela e faz a mesma pergunta. A vaca responde:

— Eu dou leite. Todo dia eu dou mais de vinte litros de leite.

E a zebrinha continua a conhecer o mundo. Tudo lhe é novidade. Aí ela encontra um cavalo e faz mesma pergunta:

— O que é que você faz? Pra que é que você serve?

— Vem cá e tira esse pijama aí que eu te mostro, vem — responde o cavalo.





Uma galinha em Brasília


Caso raro: descobriram numa cidade do interior do país uma galinha que botava ovos quadrados. O dono da galinha levou o animal para Brasília para ser investigado por uma instituição de pesquisas. Os pesquisadores ficaram muito curiosos e viram uma oportunidade de escrever artigos, monografias e teses sobre o assunto. No acordo com a instituição de pesquisa, ficou decidido que a galinha iria receber uma remuneração — coisa muito justa, por sinal.

Os dois — a galinha e o dono — se mudaram para Brasília e lá se instalaram. A partir daí, a galinha começou a botar ovos ovais, como toda galinha digna desse nome. Foi assim no primeiro dia, no segundo e no terceiro. O dono achou que devia ter sido o impacto da viagem, problemas de adaptação com o clima da capital do país, uma coisa dessas. Mas no quarto dia ele ficou preocupado: viu que a remuneração estava ameaçada (ele estava era de olho no dinheiro dela) e foi conversar com a galinha. Queria saber qual a razão da mudança no formato dos ovos.

— É o seguinte — disse a galinha. — Agora que eu sou funcionária pública federal, você acha que eu vou continuar a sacrificar o meu cu botando ovo quadrado?


O Rei da Selva

O Leão, o Rei da Selva, vai saindo de um bar na savana. Tem um péssimo aspecto e todas as características de um bêbado. É. É isso aí: ele está completamente embriagado. Ele passa perto de uma raposa, levanta ela pela cauda e pergunta:

— Quem é o Rei da Selva?

— É o senhor. Todo mundo sabe disso, seu Leão.

O Leão solta a raposa no chão e passa por um veado. Levanta o veado do chão e pergunta a ele:

— Quem é o Rei da Selva?

— O meu reizinho é você, seu Leãozinho.

Solta o veado no chão e vai encontrando a tartaruga, o coelho, a hiena, o lobo, o avestruz. A todos repete a pergunta e sempre recebe a mesma resposta: o Leão é o Rei da Selva. Daí a pouco, ele encontra um enorme elefante, segura a tromba dele e pergunta:

— Quem é o Rei da Selva?

O elefante dá aquela olhada lá de cima, enrola a tromba no leão e joga ele numa pedra. Pega o leão outra vez, joga ele para cima e o leão cai no chão meio zonzo. Repete isso várias vezes até que o leão, já sem forças, diz ao elefante:

— Tá bom, pode parar, pode parar. Já que você não sabe quem é o Rei da Selva não precisa ficar assim tão nervoso não.



  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   46


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal