C. A. F. Pintão , M. Imaizumi 1 Dept of Mechanical Engineering fe unesp cep 17033-360 Bauru sp, Brazil



Baixar 43.16 Kb.
Encontro03.01.2018
Tamanho43.16 Kb.

PROPRIEDADES MECÂNICAS EM LAMINADOS FIBRAS DE VIDRO E FIBRA DE CARBONO EM RESINA EPÓXI.


M. C. Capella 1 . C. A. Soufen 1, G. V. Correia 1, O. S. Grizola 1,

C. A. F. Pintão 2, M. Imaizumi 2
1 Dept of Mechanical Engineering - FE - Unesp - CEP 17033-360 Bauru SP, Brazil

2 Dept of Physics - FC - Unesp - CEP 17033-360 Bauru SP, Brazil

kapellla@yahoo.com.br

RESUMO
O reconhecimento da funcionalidade dos compósitos de fibra de vidro e fibra de carbono está estabelecido, mas o desenvolvimento do processamento destes materiais e à produção de compósitos laminados de ambos, nos últimos anos, com melhores propriedades mecânicas das resinas, alcançou resultados mais satisfatórios, estimulando o estudo e investigação desses materiais. Ensaios de tração foram preparadas em ambos os compósitos com três tipos de resina epóxi, para formar laminados de 2,4 e 6 camadas para comparações das propriedades mecânicas. Nos dados obtidos foram observados que há quase uma relação matemática demonstrando pequenas variações nos valores. A resina Arazyn 4,9#00 tem uma maior resistência à tração com a fibra de carbono. A resina GY 279 e LY 5052 com fibras de vidro são melhores do que os laminados de fibra de vidro com resina Arazyn 4.9#00. A melhor densidade é da resina LY 5052.

Palavras chaves: Laminados, compósitos, fibra de vidro, fibra de carbono, resinas, propriedades mecânicas.
INTRODUÇÃO
A exigência dos requisitos de desempenho em estruturas aeroespaciais, navais e automobilísticos vem proporcionando o desenvolvimento de novos materiais, bem como de novas técnicas de fabricação. Normalmente elevados valores de resistência e rigidez específicas são procurados, obtendo-se frequentemente soluções por meio da utilização de materiais compósitos, particularmente polímeros termofixos dotados de reforços fibrosos. Quando comparados com os metais, os componentes de materiais compósitos poliméricos são resistentes ao ataque químico, são não magnéticos, não condutores, apresentam uma excepcional relação resistência/peso e uma expressiva redução de peso.(1 )

Na elaboração de um componente estrutural em material compósito procura-se otimizar o aproveitamento das ótimas propriedades mecânicas associadas aos reforços fibrosos. A seleção dos reforços leva sempre em conta aspectos que variam desde o custo desses materiais até o desempenho pretendido e a técnica de fabricação. Podemos considerar uma estrutura sob a ação de determinados carregamentos, tais como carregamentos estáticos, dinâmicos ou mesmo esforços combinados, os componentes que a compõem tem que estar capacitados a desempenhar ações de acordo com as condições previstas ou estabelecidas em projetos. Estas condições são alcançadas pela capacidade do elemento de reforço que confere à estrutura elevadas propriedades específicas de resistência e módulo de elasticidade na direção da fibra. Fibras de vidro e fibras de carbono são os elementos de reforços mais utilizados para a fabricação de materiais compósitos. Juntamente com a variação da matriz polimérica (resina epóxi) e a aplicação de ensaios de tração e flexão poderemos comparar qualitativamente estas propriedades e posteriormente a caracterização via microscopia óptica e eletrônica de varredura, fornecerão um panorama destas resinas com relação ao grau de impregnação, propagação de trincas, vazios estruturais e etc. (2)

Diversos autores asseveram que uma grande questão na elaboração de projetos com compósitos está relacionada aos vazios existentes e o grau de impregnação da resina com as fibras. Onde estes fatores influenciam as características mecânicas e posteriormente a qualidade final do produto.

Materiais compósitos, também conhecidos como materiais conjugados ou materiais reforçados, tem sua origem na própria natureza. A madeira, por exemplo, é constituído por fortes e flexíveis fibras de celulose ligadas por um plástico natural chamado lignina. A ideia de se reforçar plásticos utilizando fibra de vidro baseou-se na estrutura do bambu e começou na década de 40. Depois, a partir da década de 60, os compósitos poliméricos estruturais, denominados avançados, que tinham o seu uso restrito a alguns setores, como na indústria bélica, na produção de mísseis, foguetes e aeronaves de geometrias complexas, tiveram sua utilização ampliada. Atualmente, estruturas de alto desempenho e baixo peso vêm sendo utilizados também em indústrias automotivas, esportivas e construção civil. As fibras de carbono foram os primeiros reforços utilizados para aumentar a rigidez de compósitos avançados leves, comumente utilizados em aeronaves, equipamentos de recreação e aplicações industriais. Durante a década de 70, os esforços visavam a redução dos custos das fibras através do uso do precursor piche menos dispendioso. Cientistas e engenheiros, tem estudado formas de combinar vários tipos de fibras para produzir uma nova geração de materiais, na maioria das vezes para a melhoria de combinações de características mecânicas como: rigidez, tenacidade, resistência a altas temperaturas e etc.(2)

Atualmente inúmeras pesquisas relativas a fibra de vidro e fibra de carbono, visam estudar melhorias nas qualidades mecânicas e tudo isto esta relacionado com a matriz polimérica, que se desenvolve de forma exponencial, onde melhorias são adicionadas para gerar um produto que atenda as necessidades de projeto.

O termo compósito refere-se aos materiais fabricados a partir de dois ou mais constituintes, a nível macroscópico, normalmente, uma matriz sintética reforçada com fibras industriais ou naturais, e seu uso vem sendo primordial em componentes estruturais de alto desempenho, como os utilizados em aviões, navios, automóveis, entre muitas outras utilidades. No caso estudado, os materiais de reforço são fibras de vidro e de carbono imersas em uma matriz sintética a base de epóxi.(3)

As primeiras ideias sobre a produção de fios de fibra de vidro surgiram no início do século XIX. No entanto, foi só a partir de 1939 que elas começaram a ser comercializadas, destinando-se principalmente à fabricação de produtos para isolação térmica e como reforço em materiais Na constituição de materiais compósitos de matriz polimérica ( termorrígida ou termoplástica) as fibras são atualmente os reforços mais utilizados. As fibras de carbono foram os primeiros reforços utilizados para aumentar a rigidez e resistência de compósitos avançados leves, comumente utilizado em aeronaves, equipamentos de recreação e aplicações industriais.(3)

As resinas epóxi são uma classe de resinas termorrígidas de alto desempenho, e que possui uma grande variedade de aplicações, podendo ser usada como resinas de laminação, adesivos, selantes, tintas, vernizes, entre outras aplicações. Elas podem ser definidas como todas aquelas em que as ligações químicas ocorrem através de grupos de radicais epóxi, que são o centro da reação. Sua conversão em uma resina termofixa ocorre através do processo de polimerização pela adição de um endurecedor, que, uma vez adicionado, inicia uma reação irreversível de ligação de moléculas.(4)

A fibra de vidro é um tipo de fibra obtido pelo processo de fundição do vidro, que após ser fundido, ele atravessa uma fieira, onde são produzidas as fibras. Após o processo de fiação, as fibras são recobertas com um material de encimagem. A fibra de vidro se caracteriza pelo seu baixo custo, sua alta resistência à tração, e a grande inércia química.(3)

Já as fibras de carbono são obtidas pela pirólise controlada de precursores orgânicos em forma de fibras, e sofrem posterior tratamento de carbonização, grafitizagão e oxidação. O termo fibra de carbono, geralmente refere-se a uma variedade de produtos filamentares compostos com mais de 90% de carbono, filamentos esses de 5 a 10 μm de diâmetro, produzidos através da pirólise da poliacrilonitrila (PAN), piche ou raiom.(2)

Os estudos estarão relacionados com camadas pares (2 e 4 camadas), tanto para a fibra de vidro, quanto a fibra de carbono, tendo como fator comparativo a variação de duas da matriz polimérica que é a resina epóxi e sua caracterização.

Um importante aspecto na avaliação destes ensaios é entendimento da influencia que a resina tem na composição do material. A forma e o modo de fratura gerada pelo ensaio auxiliará na busca de novas resinas que tenham características tecnológicas superiores as atuais.

A composição dos corpos de provas em camadas pares atende a solicitação de vários projetos, além de gerar uma estimativa quantitativa sobre a resistência que cada tipo de resina pode proporcionar aos materiais envolvidos.

Estes ensaios estão amparados por normalizações internacionais, que versam desde o procedimento de confecção dos corpos de prova, técnicas para a aplicação do ensaio, retirada de partes específicas dos corpos de prova a serem analisadas para microscopia. O manejo inadequado do material e a utilização de ferramentas impróprias para o trabalho podem comprometer a qualidade dos corpos de prova, produzindo danos que nem sempre são devidamente percebidos antes dos ensaios. Cada tipo de ensaio exige corpos de prova de dimensões bem definidas, inclusive com tolerâncias bem estabelecidas. Fica claro desse modo, a importância de seguir a orientação das normas, que no presente estudos se baseará nas normas ASTM, mais especificamente ASTM D7264(5) e ASTM D3039(6). Posterior aos ensaios mecânicos, a caracterização via microscopia óptica, fornecerão dados concernente a microestrutura da fibra e da resina, vazios interlaminares, graus de impregnação da resina com a fibra, características da forma de propagação de trincas e ruptura das fibra.

Um importante aspecto neste estudo é a relação das propriedades mecânicas e a caracterização, pois esta análise possibilitará uma compreensão da relação entre a fibra (vidro e carbono) e a matriz polimérica (resina epóxi), onde teremos duas resinas para o estudo comparativo.

A pesquisa verificou a influência das resinas na confecção dos compósitos e as perspectivas das resinas mencionadas quanto suas propriedades mecânicas para futuros projetos tanto na área aeroespacial, quanto naval e automobilístico.

Comparou-se as propriedades mecânicas das fibras de vidro e fibras de carbono em camadas (2 e 4 camadas) e de três resinas epóxi. Através dos ensaios mecânicos, serão colhidos dados concernentes ao estudo. Posteriormente caracterização complementará a analise do modo de falha destes compósitos, via microscopia óptica.
MATERIAIS E MÉTODOS

No presente estudo, utilizou-se tecidos de fibra de vidro TB – 180g/m², fibra de carbono CVU-334-HM-0,50 – 91%, densidade – 1,76g/cm³,, espuma de Divinycell, tendo como base polimérica resinas epóxi Arazyn 4.9#00, GY 279 e LY 5052 e seus respectivos endurecedores. Confeccionou-se laminados puros e laminados sanduíches. A confecção destes laminados deu-se pela forma laminação por contato (hand lay-up) utilizando ainda os seguintes materiais; serra de fita Raimann STC, modelo BP7MA, Paquímetro Mitutoyo, precisão de 0,05mm, Balança de precisão Marte, modelo AL500, luvas de Látex para manuseio. O processo de vácuo inverso serviu no processo de fabricação, auxiliando a resina na impregnação. Após curadas extraiu-se os corpos de prova dentro dos padrões ASTM (ASTM D 3039 e ASTM D 6856, ASTM D 7264), confeccionado-se e numerou-se 10 corpos de prova para cada uma das seguintes situações: Fibra de vidro pura, fibra de vidro com Divinycell com as resinas GY 279 e LY 5052 e laminados de fibra de Vidro puro com a resina Arazyn 4.9#00 e laminados de fibra de carbono com resina Arazyn 4.9 #00. Para o ensaio de tração e flexão foi utilizado uma maquina universal de ensaios EMIC, modelo DL20000, Software Tesc versão 1.10, que fixado o corpo de prova, aciona-se a máquina, iniciando-se a tração sobre o corpo de prova. Este é tracionado até sua ruptura, e os resultados do ensaio são coletados pelo software Tesc, presente em um computador acoplado à máquina. Analogamente ao ensaio de tração, o ensaio de flexão é realizado na mesma máquina de ensaios, trocando-se as garras por um apoiador duplo fixo (cutelos), e um fletor móvel, onde o corpo de prova apoiado recebeu a solicitação do fletor como demonstrado nas figuras 1, 2 e 3 a seguir.


01

02


Figura 1. 01- Máquina de Ensaios Universal, Ensaio de tração, 02 – Ensaio de flexão em três pontos.

Foram utilizados 5 corpos de prova para cada ensaio (tração e flexão), e a partir dos resultados obtidos para cada corpo de prova, foram calculados os valores médios de limite de resistência a tração, limite de resistência a compressão e também a densidade média para cada montagem.(9) Em seguida começou-se o processo para caracterização via microscópica óptica, onde seguiu determinados procedimentos para a preparação das amostras, que é a retirada das amostras nas direções longitudinais e transversais do exemplar em analise (extração), corte, montagem e identificação, embutimento (com resina de laminação e endurecedor), lixamento (lixas 320, 400, 600 e 1000), polimento com pasta de diamante com granulometria de 6 μm e 1μm e limpeza com água e álcool. Posteriormente as amostra foram colocadas em recipientes adequados a fim de evitar contaminações. O microscópio óptico utilizado foi da marca OLYMPUS 50 S. Trabalhou-se com ampliações de 50X e 500X, utilizando-se na figura 3 apenas em 50X.



RESULTADOS E DISCUSSÕES

È apresentado na tabela 1 os dados obtidos do ensaio de tração verificando-se alta resistência da fibra de carbono se comparada com a fibra de vidro. Sendo a resina LY 5052 superior a GY 279.

Tabela 1 – Dados obtidos com as condições de ensaios de tração.


Materiais

Densidade g/cm³

Limite de resistência (MPa)

Alongamento (%)

Escoamento (MPa)

Fibra + Divinicell - resina GY279

0,315

26,36

45,93%

18,6

Fibra + Divinicell - resina LY 5052

0,32

32,29

37,84

24,25

Fibra de Vidro - resina GY 279

1,61

242,37

9,25%

184,35

Fibra de Vidro - resina LY 5052

1,54

388,75

8,83%

126,95

Fibra de vidro resina arazyn 4.9#00

1,69

186,60

-

-

Fibra de carbono arazyn 4.9#00

1,40

464,00

-

-



(A) (B)



(C) (D)

Figura 2 – Fotomicrografias ópticas (50X) das condições estudadas para fibra de vidro com resina: A – resina GY279 com divinycell, B - resina LY5052 com divinycell, C- fibra de vidro com resina GY279, D - fibra de vidro com resina LY 5052.

A microscopia apresentada na figura 2 revelou uma boa uniformidade da fibra de vidro composto com resina epoxi, e o compósito de fibra de vidro sanduíche divinycell epóxi resinoso compósito de fibra de vidro e epoxi favo resinoso.



CONCLUSÕES

Os resultados mostraram que GY279 resina produzida uma maior resistência à tracção, se comparado com a mesma configuração, mas com resina e LY5052 Arazyn 4.9. Por outro lado, a melhor densidade era de LY5052 seguido por GY279 e subsequentemente Arazyn 4.9. Em relação às amostras com enchimento de resina com LY5052 Divinycell produziu maior resistência e densidade menor do que GY279 resina. O enchimento com o favo de mel produzido os piores resultados, tanto na resistência mecânica e densidade. A microscopia revelou uma boa uniformidade da fibra de vidro composto com resina epoxi, e o compósito de fibra de vidro sanduíche divinycell epóxi resinoso compósito de fibra de vidro e epoxi favo resinoso.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

  1. Marinucci,G – Materiais compósitos poliméricos: fundamentos e tecnologia – Editora Artliber, pg 70, 2011.

  2. Wiebeck, H; Harada, J – Plásticos de engenharia: tecnologia e aplicações – Editora Artliber, pg 196, 208, 2005.

  3. LEVY NETO, F.; PARDINI, L. Compósitos estruturais: Ciência e tecnologia - Edgard Blücher, p 19-23, 61-75; 2006.

  4. NASSEB, J. Manual de construção de barcos. Editora Book Look, p 55-62, 84-85; 2004.

  5. ASTM D3039, Test Method for Tensile Properties of Polymer Matrix Composite Materials

  6. ASTM D7264, Test Method for Flexural Properties of Polymer Matrix Composites Materials

  7. ASTM D 790, Test Method for Flexural Properties of Unceitoad and Reinforced Plastics and Electrical Insulating Materials.

  8. ASTM D6856, Stantard Guide for Testing Fabric-Reinforced “Textile” Composite Materials.

Agradecimentos: Ao Engº Marcos Villela da Empresa CIEL Fibra S.A. pelo material e conhecimentos doados.

A FAPESP pelo financiamento da participação do Congresso.

ABSTRACT

The recognition of the functionality of glass fiber composites is already established, but the development in recent years in both manufacturing and weaving of the fibers as well as the development of the resins and possibility of filling aroused and stimulated the interest of our study and research. Traction tests were elaborated in glass fiber composites with three types of epoxy resin and composite sandwich with the same fiber and resins and fillings in Divinycell and Honeycomb. The results showed that GY279 resin produced a greater resistance to traction if compared to the same configuration but with LY5052 resin and Arazyn 4.9. On the other hand, the best density was from LY5052 followed by GY279 and subsequently Arazyn 4.9. In relation to the specimens with filling LY5052 resin with Divinycell produced better resistance and lower density than GY279 resin. The filling with Honeycomb produced the worst results in both mechanical resistance and density.



©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal