Camille Flammarion o fim do Mundo



Baixar 0.51 Mb.
Página1/16
Encontro29.11.2017
Tamanho0.51 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16

www.autoresespiritasclassicos.com

Camille Flammarion
O Fim do Mundo
Título do original em francês

La Fin Du Monde

1893




Cometa Halley


Conteúdo resumido


Em um misto de ficção, ciência e romance, Flammarion descreve a trajetória física e espiritual do nosso planeta, com as ocorrências precursoras do chamado fim do mundo. Datas e eventos são hipotéticos.

Sua pretensa autenticidade visa apenas dar corpo à ficção, onde um cometa se chocaria com a Terra, fato que a ciência atual (muito depois da feitura do livro) admite já ter ocorrido na antiguidade.

Descreve o planeta daqui a dez milhões de anos e fala simbolicamente dos últimos dias de sua existência física.

- - - - -


Vi depois um novo céu e uma terra nova, pois o primeiro céu e a primeira terra haviam passado.
Apocalipse, XXI, 1.
- - - - -


Sumário


Primeira Parte
No século XXV – As teorias 5

I
A ameaça celeste 5

II
O cometa 16

III
A sessão do Instituto 26

IV
Como acabará o mundo 44

V
O Concílio do Vaticano 73

VI
A crença no fim do mundo através dos tempos 82

VII
O choque 102



Segunda Parte
Dentro de dez milhões de anos 116

I
As etapas futuras 116

II
As metamorfoses 132

III
O apogeu 140

IV
Vanitas vanitatum 154

V
Omégar 160

VI
Eva 167

VII
O último dia 173



Epílogo
Dissertação filosófica 184




Primeira Parte
No século XXV – As teorias

I
A ameaça celeste


Implague æternam timuerunt sœcula noctem.
VERGILIO, Geórgicas, I, 568.
A magnífica ponte de mármore que liga as ruas de Rennes e Louvre e que, debruada de estátuas de sábios e filósofos célebres delineia monumental avenida conducente ao novo pórtico do Instituto, estava literalmente apinhada. Multidão inquieta parecia antes rolar que marchar, ao longo do cais, desbordando de todas as ruas transversais, em demanda do edifício, já de há muito invadido pela onda tumultuária. Nunca, jamais, antes da constituição dos Estados Unidos da Europa, nas épocas da barbárie, quando a força primava ao direito, o militarismo governava a Humanidade e a infâmia da guerra, sem tréguas, a estultícia humana; nunca, nas grandes revoluções como nos dias tumultuosos das declarações de guerra, as cercanias do Parlamento e a Praça da Concórdia apresentaram semelhante espetáculo. Não eram já agrupamentos fanáticos em torno de uma bandeira, a buscarem uma arma, seguidos de curiosos e desocupados, ávidos de emoções e novidades; era todo o povo inquieto, sôfrego, terrificado; era o amálgama compacto de todas as classes sociais, atido à decisão de um oráculo, esperando febril o resultado do cálculo de célebre astrônomo, prometido para esse dia de uma segunda-feira, às 3 da tarde, na Academia das Ciências. Através da transformação política e social dos homens e das coisas, o Instituto de França sobrevivia e detinha ainda, na Europa, a palma da ciência, das letras e das artes. Todavia, o eixo da civilização deslocara-se para a América do Norte, às margens do lago Michigan.

Estamos em pleno século vinte cinco.

O novo edifício do Instituto, de altíssimos zimbórios e terraços, havia sido reconstruído em fins do vigésimo século, de entre os escombros da grande revolução internacional-anarquista, que, em 1950, arrasara grande parte da metrópole francesa, como se das entranhas do solo lhe houvera rebentado a cratera de um vulcão.

Ainda na véspera, domingo, espalhada pelas avenidas e praças públicas, toda a população parisiense teria visto a barquinha de um balão deslizando lentamente e como que desesperado e indiferente às coisas do mundo. Os aviadores alegres não mais sulcavam o espaço com a vivacidade habitual. Aeroplanos, peixes aéreos, aves mecânicas, helicópteros elétricos, máquinas voadoras, tudo se retraíra e imobilizara. As estações aéreas, locadas na cimeira das torres e dos arranha-céus, permaneciam vazias e desertas. Dir-se-ia que toda a vida humana se estagnara em seu curso. Em todos os semblantes, preocupações e angústias. Todos se interpelavam sem mesmo se conhecerem, e a mesma pergunta rebentava de lábios trêmulos em semblantes desfigurados: será verdade? A mais terrível das epidemias não teria apavorado tanto, quanto àquela predição astronômica, que andava agora em todas as bocas. Mais, ainda: não teria feito tantas vítimas, visto que a mortalidade já entrara a crescer, sem causa conhecida. A todo o momento, cada qual se via sacudido por um frêmito de terror.

Alguns, querendo parecer mais fortes e menos alarmados, se arrimavam a hipóteses vagas e mais ou menos aleatórias: pode ser que haja engano; ou então: ele se desviará, não há de ser nada; havemos de recobrar do susto, etc.

Todavia, a incerteza é, muitas vezes, mais terrível que a própria catástrofe. Um golpe brutal fere-nos de chofre e nos abate mais ou menos: dele despertamos, tomamos nosso partido, restabelecemo-nos e continuamos a viver. Aqui, porém, era o desconhecido, era a aproximação dum evento, inevitável, misterioso, extramundano e formidável. Era a morte fatal, sim, mas de que modo? Choque, arrasamento, combustão incendiária, envenenamento atmosférico com asfixia pulmonar? Que suplício esperar? Ameaça horripilante, mais que a morte em si mesma! O sofrimento espiritual também tem limites. Temer sem tréguas, perguntar todas as noites pelo que nos reserva o amanhã, vale por sofrer mil mortes. E que dizer do medo? O medo, que coagula o sangue nas artérias e aniquila as almas; o medo, espectro invisível que ali rondava sobrepujando todas as mentes e todos os corações?

Havia um mês que todo o comércio paralisara. O Comissariado Administrativo (sucedâneo do Parlamento de outrora) suspendera as sessões, pois ali, mais que alhures, as divagações haviam chegado ao cúmulo. Paralisadas de oito dias as Bolsas de Paris, Londres, Nova Iorque, Chicago, Melbourne, Pequim! De fato: que valia cogitar de negócios, de política, de planos e reformas quaisquer, se o mundo ia acabar? Ah, a política! Haveria quem se lembrasse de a ter praticado? Era como se tudo caminhasse no vácuo. Os próprios tribunais não tinham significação: ninguém vai roubar, ou matar, quando tudo vai perecer. A Humanidade já não tinha o que a estimulasse, o coração lhe pulsava precipite e como que prestes a mobilizar-se. De todos os lados surgiam fisionomias alteradas, macilentas, insones, e só a faceirice feminina, ainda que mal disfarçada, parecia resistir à obsessão da catástrofe iminente.

É que, de resto, a situação era mesmo gravíssima, por não dizer desesperadora, até no conceito dos mais estóicos.

Nunca, nos fastos da Humanidade, a raça de Adão se encontrara ameaçada de semelhante perigo. As ameaças cósmicas pairavam sobre ela sem remissão. Era um problema de vida ou de morte.

***

Três meses mais ou menos, antes da data em que estamos, o Diretor do observatório do monte Gaorisancar havia telefonado aos principais observatórios do planeta um recado nestes termos:

Descobrimos, às 21h., 16m., 42s., um cometa telescópico de ascensão retilínea a 49º, 53’, 45’’ de declinação boreal. É um cometa esverdeado.”

Não se passava um mês que não fossem descobertos e anunciados cometas telescópicos por diversos observatórios,1 sobretudo depois que astrônomos intrépidos se instalaram nos altos cimos asiáticos de Gaorisancar, Dapsang e Kintechindjinga; nos sul-americanos de Aconcágua, Illampon, Chimborazo; assim como no Kilima-N'djaro africano e no Elbrouz e Mont-Blanc, europeus. Destarte, aquele comunicado não havia, de começo, impressionado mormente aos sábios, familiarizados com o seu conteúdo. Grande número de observadores procurara focalizar o cometa na posição assinalada, acompanhando-o atentos. Os Neuastronomischenachrichten publicaram suas observações. Um matemático alemão calculara uma primeira órbita provisória, com as efemérides do movimento. Logo que foi divulgada essa órbita com as suas efemérides, outro sábio japonês fazia curiosíssima notação, isto é: que, segundo o cálculo, o cometa deveria baixar das alturas do infinito para o Sol e cruzar o plano da eclíptica aos 20 de Julho, num ponto pouco afastado do em que se encontraria a Terra naquela data. Pelo que, acrescentava, seria imprescindível multiplicar as observações e retomar o cálculo, para fixar a distância a que passaria o cometa e, só assim, prejulgar uma colisão com a Terra, ou com a Lua.

Uma senhorita, laureada do Instituto e candidata à Diretoria do Observatório, agarrara o pretexto para fincar-se na sala dos telefones, a fim de captar imediatamente todos os despachos. Em menos de 10 dias, obtivera ela mais de uma centena e, sem perder um instante, ei-la passando três dias e três noites a refazer o cálculo, baseada na série de todas as observações. O resultado foi que o calculista alemão errara na distância do periélio, e a conclusão do astrônomo japonês era inexata, no concernente à passagem pelo plano da eclíptica, que se adiantara de cinco ou seis dias. O interesse do problema tornava-se, porém, maior, visto que a distância mínima entre o cometa e a Terra afigurava-se mais curta que a calculada pelo japonês. Sem cogitar, no momento, da possibilidade de um choque, todos esperavam encontrar na perturbação enorme que o astro errante ia sofrer, da parte da Terra e da Lua, um novo meio de avaliar, com precisão rigorosa, a massa de uma e de outra, e, possivelmente, índices preciosos do repartimento das densidades no interior do nosso orbe. A jovem calculista encarecia e justificava, destarte, a necessidade de observações mais numerosas e minudentes. Na véspera da sessão, tinha ela já explicado a órbita, num comício acadêmico.

Contudo, era no Observatório de Gaorisancar que se centralizavam todas as observações. Montado no pico mais elevado do mundo, a 8.000 metros de altitude, entre neves eternas que os novos processos da química elétrica haviam rechaçado a muitos quilômetros de em torno; sobranceando quase sempre, a centenas de metros, as nuvens mais altas; pairando numa atmosfera pura e rarefeita, a visão telescópica dir-se-ia ali centuplicada. Distinguiam-se a olho nu os círculos lunares, os satélites de Júpiter e as fases de Vênus. Nove ou dez gerações familiares haviam já habitado a montanha asiática, lá se aclimando e identificando com a rarefação atmosférica. É certo que os primeiros haviam rapidamente perecido, mas a Ciência e a Indústria conseguiram atenuar os rigores do frio, graças ao armazenamento dos raios solares, e a aclimação se fizera gradualmente, tão bem como nos tempos idos, em Quito e Bogotá, onde se viam, desde os séculos XVIII e XIX, populações felizes, em abastança, e mulheres que bailavam noites a fio, sem se fatigarem, numa altitude em que os excursionistas do Monte-Branco mal arriscariam alguns passos sem lhes faltar a respiração. Uma pequena colônia astronômica instalara-se, pouco a pouco, nos flancos do Himalaia e o Observatório granjeara, por seus trabalhos e descobertas, o título de primeiro do mundo. Seu principal instrumento era a famosa equatorial de 100 metros de foco, com auxílio da qual chegaram a decifrar os sinais hieroglíficos que, de milênios, vinha Marte baldamente emitindo para a Terra. Enquanto os astrônomos europeus discutiam a órbita do novo cometa e constatavam que ela deveria efetivamente atravessar a do nosso planeta, de feição a com ele chocar-se no espaço, o Observatório asiático expedira um novo fonograma:



O cometa vai tornar-se visível a olho nu. Sempre esverdeado, dirige-se para a Terra.”

Viessem da Europa, Ásia ou América, os cálculos astronômicos já não ofereciam dúvida sobre a sua exatidão. Os jornais cotidianos bolsaram a notícia alarmante, ilustrada de comentários trágicos e inúmeras entrevistas, que atribuíam aos sábios as mais esdrúxulas opiniões. Não faltava quem exagerasse os cálculos, gravando-os com dissertações mais ou menos fantasistas. Mas, a verdade é que a imprensa periódica de todo o mundo, sem exceção, transformara-se de há muito em mero agente de mercantilismo. Essa imprensa que, noutros tempos, tantos serviços prestara à causa do livre pensamento e, portanto, ao progresso humano, estava agora a soldo dos governos e do capitalismo, aviltada e manietada por compromissos de toda a espécie. Não havia jornal que se não reduzisse a objeto de comércio. A questão, o problema de cada qual, resumia-se no aumento da tiragem e na receita dos anúncios mais ou menos estrambóticos. “Fazer dinheiro”, eis tudo. Por isso e para isso, maquinavam falsas notícias, que desmentiam logo tranqüila e imediatamente; minavam a todo o instante a segurança do Espaço, mascaravam a verdade, atribuíam aos sábios falsos conceitos, caluniavam atrevidamente, semeavam escândalos, mentiam, arrazoavam assassínios e ladroeiras, multiplicavam os crimes por sugestão, davam as fórmulas de explosivos recentemente imaginados, envenenavam seus próprios leitores e traíam todas as classes sociais no só intuito de sobreexcitar a curiosidade pública e “vender a folha”. Nada mais que negócios e reclames. Ciências, arte, literatura, filosofia, estudos e pesquisas, nada interessava. Um ator de segunda ordem, uma atriz obscura, um tenor, uma cantora, um ginasta, um corredor, um andarilho, um atleta, sobretudo um bandido da pior espécie podiam, de um dia para outro, tornar-se mais célebre que o mais eminente dos sábios, ou o mais benemérito dos inventores. Publicavam-se retratos dos mais fortes corredores, como dos mais ilustres patifes e assassinos. Às vezes, davam-se ao trabalho de mascarar essa bestice com floreios patrióticos, que os valorizassem um tantinho mais. Contudo, o que predominava era a economia da folha. Por muito tempo deixara-se o público mistificar. Todavia, na época em que nos achamos, ele havia despertado e já não dava crédito a balelas impressas, de sorte que não existiam jornais propriamente ditos, mas apenas folhas de anúncios e reclames de utilidade comercial. A primeira notícia lançada por todas as publicações cotidianas era a de que um cometa se aproximava com incrível velocidade e ia chocar-se com a Terra na data prefixada. A segunda notícia acrescentava que o astro vagabundo poderia ocasionar uma catástrofe universal, pelo envenenamento do ar respirável. Esta dupla predição fora, aliás, acolhida por toda a gente, com displicente incredulidade, não produzira maior efeito que o da descoberta da fonte de Juventa ao porão do Palácio das Fadas, em Montmartre, (surgido das ruínas do Sagrado-Coração) e que também se anunciava como coisa sensacional.

Literatos, poetas e artistas valeram-se do pretexto para celebrar em prosa, em verso e ilustrações de toda espécie, as viagens cometárias através das regiões celestes. Aqui, era o cometa afrontando um enxame de estrelas aterradas; ali, precipitando-se, cambalhotando, ameaçando a Terra adormecida. Tais personificações simbólicas entretinham a credulidade pública, sem acréscimo dos primeiros terrores. Dir-se-ia que se familiarizavam com a idéia de um encontro, sem maiores temores. É que a maré das impressões populares oscila como os barômetros.

Ao demais, os próprios astrônomos, de começo, não se tinham inquietado com a probabilidade do encontro, sob o ponto de vista das conseqüências atinentes aos destinos humanos, tanto que as revistas de Astronomia (as únicas que ainda mereciam conceito) nada haviam dito nesse particular, mesmo a título conjetural. Encararam o problema pelo prisma das matemáticas puras, considerando-o apenas corno um caso interessante da mecânica celeste. Nas entrevistas que deram, limitou-se a responder que o encontro era possível, provável mesmo, mas destituído de interesse para o público.

De súbito, novo fonograma, desta vez emitido do Monte Hamilton, na Califórnia, vinha alertar fisiologistas e químicos:

As observações espectroscópicas atestam que o cometa é constituído de massa assaz condensada, composta de vários gases, nos quais predomina o óxido de carbono.”

O negócio complicava-se. O encontro era coisa certa. Se os astrônomos até então não se preocupavam mormente, acostumados a considerar inofensivas essas conjunções celestes, a ponto de se esquivarem, e alguns, de entre eles, despedirem a reportagem abelhuda, declarando que o assunto, de pura alçada astronômica, não interessava ao vulgo, agora tocava aos médicos o alarme e o debate, agitado quanto às hipóteses de asfixia ou envenenamento. Menos indiferentes à opinião pública, eles, os médicos, não escorraçavam os publicistas e, muito ao invés, concorriam para que em poucos dias a questão tomasse outro aspecto. De astronômico, tornou-se fisiológico; e os expoentes mais célebres da medicina começaram a retratar-se nas revistas ilustradas, com legendas deste teor: dão-se consultas sobre o cometa. A variedade, a diversidade e o antagonismo das apreciações foram a ponto de originar controvérsias e polêmicas apaixonadas, através das quais eram os médicos averbados de charlatães.

Contudo, cioso dos interesses da ciência, o Diretor do Observatório de Paris mantinha-se mudo em face da controvérsia que, por mais de uma feita, desvirtuara a verdade astronômica. O Diretor era um ancião respeitável, cujos cabelos haviam encanecido no estudo dos grandes problemas da cosmologia. Sua palavra era universalmente acatada e ele decidiu, finalmente, transmiti-la à imprensa, notificando-lhe a prematuridade de quaisquer conjeturas, enquanto a assembléia dos técnicos, reunida no Instituto, não chegasse a uma conclusão.

Já dissemos que o Observatório de Paris sempre se mantivera à testa do movimento científico, graças à operosidade de seus membros. Sobretudo, pela transformação dos seus métodos de observação, tornara-se simultaneamente santuário de estudos teóricos e núcleo telefônico dos seus congêneres, situados longe e mais favorecidos pela altitude e condições atmosféricas. Era, enfim, um asilo de paz no qual imperava a mais completa harmonia. Os astrônomos ali se consagravam, uma vida inteira, aos progressos da ciência, estimando-se e respeitando-se, indenes de inveja e ciúmes, e esquecendo méritos pessoais para só exaltarem os alheios. O Diretor era o primeiro a exemplificar e, assim, quando falava, fazia-o em nome de todos os colegas. A dissertação técnica, por ele publicada, teve o seu momento de atenção, mas, a verdade é que o problema astronômico já estava fora do cartaz. Ninguém contestava nem discutia o encontro do cometa com a Terra, que granjeara foros de matemática certeza. O que preocupava os espíritos era a constituição química do cometa. Se a sua passagem pela Terra viesse absorver o oxigênio da atmosfera, não haveria como evitar a asfixia imediata. Fosse o azoto combinar com os gases cometários e seria, ainda, a morte precedida de enorme delírio e de uma como alegria universal, um exaltamento de todos os sentidos, decorrentes da subtração do azoto e do acréscimo proporcional do oxigênio em função pulmonar. A análise espectral assinalava, sobretudo, o óxido de carbono. O que as revistas científicas discutiam, primordialmente, visava a saber se a mistura deste gás deletério com o ar respirável envenenaria a população em bloco, homens e animais, conforme afirmava o Presidente da Academia de Medicina.

Oxido de carbono! Não se falava de outra coisa. A análise espectral não poderia enganar-se, os métodos eram seguros, rigorosos os processos. Toda gente sabia que a mínima partícula desse gás, aspirado, era morte a termo breve. A essa altura, novo despacho do Gaorisancar vinha confirmar e agravar o do Monte-Hamilton, dizendo:

O cometa, cujo volume aumenta dia a dia e já excede ao da Terra trinta vezes, acabará envolvendo-a totalmente.”

Trinta vezes o diâmetro do nosso globo?! Mas, então, mesmo que ele passasse entre a Terra e a Lua, afetaria ambas, visto que uma ponte dessa extensão bastaria para ligar-nos ao satélite. Depois, a verdade é que, nesses três meses, cujo histórico sumariamos, o cometa deslocara-se dos planos telescópicos, tornara-se visível a olho nu e agora aí estava pairando todas as noites, gigantesco, ameaçador, à face das estrelas. A crescer de noite para noite, dir-se-ia fosse o próprio Terror materializado e impendente de todas as cabeças, caminhando lenta e gradualmente, qual espada formidanda e inexorável. Um último ensaio fora tentado, não para desviá-lo do seu roteiro – idéia aventada por certa classe de utopistas, que de nada duvidam e ousaram imaginar o recurso de um poderoso ciclone elétrico, produzido por baterias dispostas na região passível de ser atingida – mas para reconsiderar o problema em todos os seus aspectos e tranqüilizar, possivelmente, os espíritos, reanimar-lhes a esperança com alguma falha das previsões já emitidas, ou qualquer nesga nos cálculos e observações consumadas. Quem diria não ser o encontro tão funesto como pretendiam os pessimistas? Uma discussão geral devia travar-se naquela noite de segunda-feira, no Instituto, isto é, quatro dias antes do fatídico encontro, previsto para o dia 13 de Julho. O mais célebre astrônomo da França, então Diretor do Observatório; o Presidente da Academia de Medicina, fisiologista e químico eminente; o Presidente da Sociedade Astronômica, hábil matemático, e oradores outros, entre os quais notabilíssima dama justamente afamada por suas descobertas no campo das ciências físicas, iam ilustrar os debates. Sim, a última palavra não fora ainda pronunciada e nós vamos, portanto, franquear o velho domo do vigésimo século para assistir à discussão.

Antes de o fazer, porém, examinemos nós mesmo esse famigerado cometa, que aí está desvairando todas as mentes.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   16


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal