Capítulo I introduçÃO À administraçÃo financeira objetivos



Baixar 230.18 Kb.
Página1/4
Encontro02.06.2018
Tamanho230.18 Kb.
  1   2   3   4

PARTE
UM


VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Iniciamos nosso estudo de Administração Financeira examinando o papel do administrador financeiro e os objetivos da Administração Financeira. Descrevemos também diversas modalidades de organização de empresas e as vantagens e desvantagens de cada uma.



CAPÍTULO I

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA



OBJETIVOS:

Espera-se que, ao terminar a leitura do capítulo, você tenha adquirido boa noção sobre:



  1. Os tipos básicos de decisões em administração financeira e o papel do administrador financeiro.

  2. Os objetivos do administrador financeiro.

  3. As implicações financeiras das diferentes modalidades de organização de empresas.

  4. Os conflitos de interesse que podem surgir entre administradores e proprietários de empresas.






I.1 – Conceituação de Finanças

É a arte e a ciência de administrar fundos, isto é, aplicar princípios econômicos, contábeis e conceitos do valor do dinheiro no tempo às tomadas de decisões em negócios.

A palavra “arte” implica que existem algumas oportunidades para ser criativo na administração de dinheiro. E a palavra “ciência” implica que existem alguns fatos comprovados subjacentes às decisões financeiras.

Praticamente todos os indivíduos e organizações obtêm receitas ou levantam fundos, gastam ou investem. O processo, as instituições, os mercados e os instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos, formam os fundamentos do estudo das Finanças.

Tradicionalmente, os tópicos de finanças são agrupados em quatro áreas principais:


  • Finanças Empresariais (Corporate Finance)1.

  • Investimentos

  • Instituições Financeiras

  • Finanças Internacionais

As Finanças estão estreitamente relacionadas com



  • Marketing

  • Contabilidade

  • Administração

  • Você



I.2 – FINANÇAS e CONTABILIDADE


Para os Contadores, as Finanças é uma leitura obrigatória. Em pequenas empresas em especial, os contadores geralmente são solicitados tanto a tomar decisões financeiras como cumprir as obrigações tradicionais da contabilidade. Cada vez mais, como a complexidade do mundo financeiro continua a crescer, os contadores precisam conhecer Finanças, para entender as implicações de muitos dos novos tipos de contratos financeiros, e seu impacto sobre as demonstrações financeiras. Além disso, a contabilidade de custos e as finanças empresariais estão intimamente relacionadas, dividindo muito dos mesmos assuntos e preocupações.

Os analistas fazem uso intensivo das informações contábeis: são os seus usuários mais importantes. Conhecer Finanças ajuda os contadores a reconhecerem os tipos de informações mais valiosas e, mais genericamente, como as informações contábeis serão realmente usadas (e manipuladas) na prática.

I.3 – FINANÇAS EMPRESARIAIS

Para poder sobreviver e prosperar, uma empresa precisa satisfazer seus clientes. Ela deve, também, produzir e vender produtos e serviços obtendo um lucro. Para poder produzir, ela precisa de muitos ativos – fábrica, equipamentos, escritórios, computadores, tecnologia, etc. A empresa precisa decidir:



  1. Quais ativos comprar e,

  2. Como pagar por eles.

Em ambas as decisões o administrador (ou gestor) financeiro tem uma função importante. A decisão de investimento, isto é, a decisão para investir em ativos do tipo fábrica, equipamentos e conhecimentos práticos, é, em grande parte, responsabilidade do gestor financeiro. As decisões financeiras, a escolha de como pagar esses tais investimentos, também são de responsabilidade do gestor financeiro.

Não devemos nos esquecer ainda das atividades financeiras cotidianas, como cobrança e pagamento a fornecedores. A administração destas atividades chama-se administração de capital de giro.

As Finanças Empresariais consistem, em linhas gerais, no estudo destas decisões. É o que vamos fazer a seguir.
I.4 – O ADMINISTRADOR FINANCEIRO.
A função do administrador financeiro freqüentemente está associada a um alto executivo da empresa, geralmente denominado diretor financeiro ou vice-presidente de finanças (em inglês, Chief Financial Officer

= CFO). O organograma simplificado abaixo destaca a atividade financeira em uma grande empresa.




Conforme ilustrado, o diretor financeiro coordena as atividades de tesouraria e controladoria. A controladoria lida com contabilidade de custos e financeira, pagamentos de impostos e sistemas de informações gerenciais. A tesouraria é responsável pela administração do caixa e dos créditos da empresa, pelo planejamento financeiro e pelas despesas de capital. Essas atividades de tesouraria estão todas relacionadas às questões levantadas acima, e o capítulo a seguir lida principalmente com esses assuntos. Nosso estudo enfatiza principalmente as atividades em geral associadas com a tesouraria. Em pequenas empresas, a tesouraria e a controladoria podem ser desempenhadas pela mesma pessoa, e haverá apenas um departamento.



I.5 – ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO DE FINANÇAS EMPRESARIAIS




Diz respeito aos investimentos a longo-prazo da empresa, mais especificamente, ao planejamento e gerência destes investimentos a longo-prazo.

Nesta função, o administrador financeiro procura identificar oportunidades de investimentos que possuem valor superior a seu custo de aquisição. Em termos gerais, isso significa que o valor dos fluxos de caixa gerados pelo ativo excede o custo de tal ativo.

Independentemente do investimento em consideração, o administrador financeiro precisa preocupar-se com o montante de fluxo de caixa que espera receber, quando irá recebe-lo e qual a probabilidade de recebe-lo. A avaliação da magnitude, da distribuição no tempo e do risco dos fluxos de caixa futuros é a essência do orçamento de capital.




  • ESTRUTURA DE CAPITAL

Refere-se à combinação específica entre capital de terceiros a longo-prazo e capital próprio que a empresa utiliza para financiar suas operações. O administrador financeiro possui duas preocupações nessa área. Primeiro, qual o montante que a empresa deve tomar emprestado?. Segundo, qual a fonte mais barata de fundos para a empresa?

Adicionalmente à combinação de recursos, o administrador financeiro deve decidir exatamente sobre como e onde levantará os recursos. Cabe a ele então a tarefa de escolher as fontes e os tipos de empréstimos.

Refere-se à administração dos ativos de curto-prazo da empresa, tais como estoques, e aos passivos de curto-prazo, tais como pagamentos devidos a fornecedores. É uma atividade cotidiana que assegura que os recursos sejam suficientes para continuar a operação.

As questões seguintes devem ser respondidas sobre o capital de giro:


  1. Quais devem ser os volumes disponíveis de caixa e estoque?

  2. Devemos vender a crédito para os nossos clientes?

  3. Como obteremos os recursos financeiros a curto-prazo que venham ser necessários?

As três áreas que acabamos de descrever – orçamento de capital, estrutura de capital e administração de capital de giro – são categorias amplas. Cada uma inclui uma variedade de tópicos.





Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal