Carreiras diplomáticas



Baixar 130.78 Kb.
Encontro13.01.2018
Tamanho130.78 Kb.



EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Leia o texto para responder à questão 1.


Em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns após outros lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar, via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço que elas despiam suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pelo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas das mãos. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam-se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas.

(Aluísio Azevedo, O Cortiço)
1. O fragmento acima pode ser considerado:


  1. narrativo, pois ocorre entre seus enunciados uma progressão temporal de modo que um pode ser considerado anterior ao outro.

  2. um típico fragmento dissertativo em que se observam muitos argumentos.

  3. descritivo, pois não ocorre entre os enunciados uma progressão temporal: um enunciado não pode ser considerado anterior ao outro.

  4. descritivo, pois os argumentos apresentados são objetivos e subjetivos.

2. Leia o texto:


Filosofia dos Epitáfios
Saí, afastando-me dos grupos e fingindo ler os epitáfios. E, aliás, gosto dos epitáfios; eles são, entre a gente civilizada, uma expressão daquele pio e secreto egoísmo que induz o homem a arrancar à morte um farrapo ao menos da sombra que passou. Daí vem, talvez, a tristeza inconsolável dos que sabem os seus mortos na vala comum; parece-lhes que a podridão anônima os alcança a eles mesmos.

(Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas)


Do ponto de vista da composição, é correto afirmar que o capítulo “Filosofia dos Epitáfios”


  1. é predominantemente dissertativo, servindo os dados do enredo do ambiente como fundo para a digressão.

  2. é predominantemente descritivo, com a suspensão do curso da história dando lugar à construção do cenário.

  3. equilibra em harmonia narração e descrição, à medida que faz avançar a história e cria o cenário de sua ambientação.

  4. é predominantemente narrativo, visto que o narrador evoca os acontecimentos que marcaram sua saída.

Leia o texto abaixo para responder à questão 3.

É universalmente aceito o fato de que sai mais cara a reparação das perdas por acidentes de trabalho que o investimento em sua prevenção. Mas, então, por que eles ocorrem com tanta frequência?

Falta, evidentemente, fiscalização. Constatar tal fato exige apenas o trabalho de observar obras de engenharia civil, ao longo de qualquer trajeto por ônibus ou por carro na cidade. E quem poderia suprir as deficiências da fiscalização oficial – os sindicatos patronais ou de empregados – não o faz; se não for por um conformismo cruel, a tomar por fatalidade o que é perfeitamente possível de prevenir, terá sido por nosso baixo nível de organização e escasso interesse pela filiação a entidades de classe, ou por desvio dessas de seus interesses primordiais.

Falta também a educação básica, prévia a qualquer treinamento: com a baixíssima escolaridade do trabalhador brasileiro, não há compreensão suficiente da necessidade e benefício dos equipamentos de segurança, assim como da mais simples mensagem ou de um manual de instruções.

E há, enfim, o fenômeno recente da terceirização, que pode estar funcionando às avessas, ao propiciar o surgimento e a multiplicação de empresas fantasmas de serviços, que contratam a primeira mão de obra disponível, em vez de selecionar e de oferecer mão de obra especializada.

(O Estado de S.Paulo – 22 de fevereiro de 1998 – adaptado)
3. Assinale a opção que apresenta as palavras-chave do texto.


  1. aceitação universal – constatação – benefício – escolaridade

  2. investimento em prevenção – deficiências – entidades – equipamentos

  3. falta de fiscalização – organização – benefício – mão de obra

  4. prevenção de acidentes – fiscalização – educação – terceirização

  5. crescimento – conformismo – treinamento – empresas

4. Numere o conjunto de sentenças de acordo com o primeiro, de modo que cada par forme uma sequência coesa e lógica. Identifique, em seguida, a letra da sequência numérica correta (Baseado em Délio Maranhão).




  1. Cumpre, inicialmente, distinguir a higiene do trabalho da segurança do trabalho.

  2. Na evolução por que passou a teoria do risco profissional, abandonou-se o trabalho profissional como ponto de referência para colocar-se, em seu lugar, a atividade empresarial.

  3. Há que se fazer a distinção entre acidentes do trabalho e doença do trabalho.

  4. O Direito do Trabalho reconhece a importância da função da mulher no lar.

  5. Motivos de ordem biológica, moral, social e econômica encontram-se na base da regulamentação legal do trabalho do menor.

( ) A culminação desse processo evolutivo encontra-se no conceito de risco social e na ideia correlata de responsabilidade social.

( ) Daí as restrições da jornada normal e ao trabalho noturno.

( ) A necessidade de trabalhar não deve prejudicar o normal desenvolvimento de seu organismo.

( ) Enquanto esta é inerente a determinados ramos de atividade, os primeiros são aqueles que ocorrem pelo exercício do trabalho, provocando lesão corporal.

( ) Constitui aquela o conjunto de princípios e regras destinados a preservar a saúde do trabalhador


A sequência numérica correta é:


  1. 1, 3, 4, 5, 2

  2. 3, 2, 1, 5, 4

  3. 2, 5, 3, 1, 4

  4. 5, 1, 4, 3, 2

  5. 2, 4, 5, 3, 1

5. As propostas abaixo dão seguimento coerente e lógico ao trecho citado, exceto uma delas. Aponte-a:


Provavelmente devido à proximidade com os perigos e a morte, os marinheiros dos séculos XV e XVI eram muito religiosos. Praticavam um tipo de religião popular em que os conhecimentos teológicos eram mínimos e as superstições muitas.

(Janaína Amado, com cortes e adaptações)




  1. Entre essas, figuravam o medo de zarpar numa sexta-feira e o de olhar fixamente para o mar à meia-noite.

  2. Cristóvão Colombo, talvez o mais religioso entre todos os navegantes, costumava antepor a cada coisa que faria os dizeres: “Em nome da Santíssima Trindade farei isto”.

  3. Apesar disso, os instrumentos náuticos representaram progressos para a navegação oceânica, facilitando a tarefa de pilotos e aumentando a segurança e confiabilidade das rotas e viagens.

  4. Nos navios, que não raro transportavam padres, promoviam-se rezas coletivas várias vezes ao dia e, nos fins de semana, serviços religiosos especiais.

  5. Constituíam expressão de religiosidade dos marinheiros constantes promessas aos santos, individuais ou coletivas.

6. Indique a ordem em que as questões devem se organizar no texto, de modo a preservar-lhe a coesão e coerência (Baseado no texto de José Onofre).


1. O País não é um velho senhor desencantado com a vida que trata de acomodar-se.

2. O Brasil tem memória curta.

3. É mais como um desses milhões de jovens malnascidos cujo único dote é um ego dominante e predador, que o impele para a frente e para cima, impedindo que a miséria onde nasceu e cresceu lhe sirva de freio.

4. "Não lembro", responde, "faz muito tempo".

5. Lembra o personagem de Humphrey Bogart em Casablanca, quando lhe perguntaram o que fizera na noite anterior.

6. Mas esta memória curta, de que políticos e jornalistas reclamam tanto, não é, como no caso de Bogart, uma tentativa de esquecer os lances mais penosos de seu passado, um conjunto de desilusões e perdas que leva ao cinismo e à indiferença.


a) 1, 2, 6, 5, 4, 3.

b) 2, 5, 4, 6, 3, 1.

c) 2, 6, 1, 3, 5, 4.

d) 1, 5, 4, 6, 3, 2.

e) 2, 5, 4, 1, 6, 3
7. Nos períodos abaixo, as orações sublinhadas estabelecem relações sintáticas e de sentido com outras orações.


  1. Eles compunham uma grande coleção, que foi se dispersando à medida que seus filhos se casavam, levando cada qual um lote de herança. (PROPORCIONALIDADE)

  2. Mal se sentou na cadeira presidencial, Itamar Franco passou a ver conspirações. (MODO)

  3. Nunca foi professor da UnB, mas por ela se aposentou. (CONTRARIEDADE)

  4. Mesmo que tenham sido só esses dois, (...) já não se configuraria a roubalheira (...) ? (CONCESSÃO)

A classificação dessas relações está correta somente nos períodos




  1. I, II e III

  2. II e IV

  3. I e III

  4. II, III e IV

  5. I, III e IV

8. Os princípios da coerência e da coesão não foram violados em:




  1. O Santos foi o time que fez a melhor campanha do campeonato. Teria, no entanto, que ser o campeão este ano.

  2. Apesar da Sabesp estar tratando a água da Represa de Guarapiranga, portanto o gosto da água nas regiões sul e oeste da cidade melhorou.

  3. Mesmo que os deputados que deponham na CPI e ajudem a elucidar os episódios obscuros do caso dos precatórios, a confiança na instituição não foi abalada.

  4. O ministro reafirmou que é preciso manter a todo custo o plano de estabilização econômica, sob pena de termos a volta da inflação.

  5. Antes de fazer ilações irresponsáveis acerca das medidas econômicas, deve-se procurar conhecer as razões que, por isso as motivaram.

9. Assinale a única conjunção incorreta para completar a lacuna do texto.


A partir do ofício enviado pelo fisco, começou-se a levantar informações sobre a sonegação de imposto de renda no mundo do esporte no Brasil. “O futebol já é o quarto maior mercado de capitais do mundo”, diz Ives Gandra Martins, advogado tributarista e conselheiro do São Paulo Futebol Clube, ______________ só agora a Receita começa a prestar atenção nos jogadores. Em outros países não é assim. Nos Estados Unidos, ano passado, a contribuição fiscal do astro do basquete Michael Jordan chegou a 20,8 milhões de dólares.

(Exame – 27 de agosto de 1997)




  1. todavia

  2. conquanto

  3. entretanto

  4. não obstante

  5. no entanto

10. Escreva diante de cada texto, adaptado de Aliomar Baleeiro, o número do operador lógico abaixo que preenche corretamente a lacuna:


( ) É característica da taxa a especialização do serviço em proveito direto ou por ato do contribuinte, _______________, na aplicação do imposto, não se procura apurar se há qualquer interesse, direto ou indireto, por parte de quem o paga

( ) Em 1896, Amaro Cavalcânti ponderava a palavra ‘taxa’, sem embargo de ser igualmente usada como sinônimo geral de impostos, não devia ser assim entendida ou empregada; _________, na sua acepção própria, designa o gênero de contribuição que os indivíduos pagam por um serviço diretamente recebido.

( ) O pagamento das taxas é facultativo; é, por

assim dizer, o preço do serviço obtido e ________ em que cada um o exige ou dele tira proveito.

( ) As taxas se devem revestir sempre do caráter de contraprestação inerente a essa espécie de tributos. Ao adotar-se interpretação outra, malograr-se-ão todas as cautelas da Constituição, que estabeleceu e quer uma rígida discriminação de competência, _____________, prevendo a reedição de velhos abusos fiscais mascarados com o nome de taxas, preceituou proibição inequívoca.

( ) As despesas de administração da justiça poderiam ser pagas convenientemente por uma contribuição particular, ______________ que a ocasião o exigisse.

( ) Enquanto pelas taxas, o indivíduo procura obter um serviço que lhe é útil pessoalmente, o Estado, _____________, procura, pelo imposto, os meios de satisfazer as despesas necessárias da administração.

( ) Os clássicos, assim como os contemporâneos, não divergem sobre a noção básica de taxa, ____________ se separem acerca de outros pontos acessórios.


(1) embora

(2) ao passo que

(3) à medida

(4) tanto assim que

(5) na medida


  1. visto como

  2. ao contrário

A sequência numérica correta é:




  1. 6, 5, 1, 3, 4, 7, 2

  2. 2, 5, 6, 7, 4, 3, 1

  3. 1, 7, 5, 4, 2, 3, 6

  4. 1, 3, 2, 6, 5, 7, 4

  5. 2, 6, 5, 4, 3, 7, 1

11. Marque a opção que não constitui paráfrase do segmento abaixo:


O abolicionismo, que logrou pôr fim à escravidão nas Antilhas Britânicas, teve peso ponderável na política antinegreira dos governos britânicos durante a primeira metade do século passado. Mas tiveram peso também os interesses capitalistas, comerciais e industriais, que desejavam expandir o mercado ultramarino de produtos industriais e viam na inevitável miséria do trabalhador escravo um obstáculo para este desiderato.

(P. Singer, A formação da classe operária, São Paulo, Atual, 1988, p.44)
a) Na primeira metade do século passado, a despeito da forte pressão do mercado ultramarino em criar consumidores potenciais para seus produtos industriais, foi o movimento abolicionista o motor que pôs cobro à miséria do trabalhador escravo.

b) A política antinegreira da Grã-Bretanha na primeira metade do século passado foi fortemente influenciada não só pelo ideário abolicionista como também pela pressão das necessidades comerciais e industriais emergentes.

c) Os interesses capitalistas que buscavam ampliar o mercado para seus produtos industriais tiveram peso considerável na formulação da política antinegreira inglesa, mas teve-o também a consciência liberal antiescravista.

d) Teve peso considerável na política antinegreira britânica, o abolicionismo. Mas as forças de mercado tiveram também peso, pois precisavam dispor de consumidores para seus produtos.

e) Ocorreu uma combinação de idealismo e interesses materiais, na primeira metade do século XIX, na formulação da política britânica de oposição à escravidão negreira.
12. A linguagem do texto é predominantemente denotativa, empregando-se as palavras em sentido próprio, na alternativa:


  1. Editores, escritores, professores e alunos têm opiniões divididas. A maioria, no entanto, concorda: o acordo é inoportuno e, não raro, contraditório.

  2. O brasileiro gosta muito de ignorar as próprias virtudes e exaltar as próprias deficiências, numa inversão do chamado ufanismo. Sim, amigos, somos uns Narcisos às avessas, que cospem na própria imagem.

  3. Poluído por denúncias de corrupção, Luiz Antonio de Medeiros é considerado fósforo riscado.

  4. Incumbidos de animar a explosão hormonal da juventude uberabense, Zezé Di Camargo e Luciano levaram 30 mil reais por sua apresentação.

  5. Levou o nome de “fúria legiferante” o período entre 1964 e 1967, que cimentou com profusão de leis o edifício institucional da nova ordem econômica.

13. Assinale a opção que não constitui uma inferência das ideias do trecho abaixo.


Na tentativa de explicar a ocorrência de fome nos países subdesenvolvidos, surge, após a Segunda Guerra Mundial, a teoria demográfica neomalthusiana, logo perfilhada pelos países desenvolvidos e pelas elites dos países subdesenvolvidos. Segundo essa teoria, uma população jovem numerosa, resultante das elevadas taxas de natalidade verificadas em quase todos os países subdesenvolvidos, exige grandes investimentos sociais em educação e saúde. Com isso, diminuem os investimentos produtivos nos setores agrícola e industrial, o que impede o pleno desenvolvimento das atividades econômicas e, portanto, da melhoria das condições de vida da população. Ainda segundo os neomalthusianos, quanto maior o número de habitantes de um país, menor a renda per capita e a disponibilidade de capital a ser distribuído pelos agentes econômicos.

(Eustáquio de Sene e João Carlos Moreira, Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização, São Paulo: Scipione, 1998, pp. 338/9, com adaptações)


  1. O crescimento populacional é o responsável pela ocorrência da miséria.

  2. Em consequência das elevadas taxas de natalidade, os países subdesenvolvidos veem-se impedidos de alcançar o pleno desenvolvimento das atividades econômicas.

  3. Sem programas efetivos de controle de natalidade acessíveis às camadas mais pobres, toda política de redistribuição de renda tenderá ao fracasso.

  4. Uma população numerosa condena muitos jovens a engrossar o enorme contingente de mão de obra desqualificada que ingressa anualmente no mercado de trabalho.

  5. À medida que as famílias obtêm condições condignas de vida, tendem a diminuir o número de filhos para não comprometerem o acesso de seus dependentes aos sistemas públicos de educação e saúde.

14. Indique o único segmento que serve como argumento contrário à defesa da manutenção do ensino superior gratuito no Brasil.


a) Há um princípio de justiça social segundo o qual o pagamento por bens e serviços deve ser feito desigualmente, conforme as desigualdades de ganho.

b) A Europa considera investimento a formação de quadros de nível superior.

c) Nos EUA, a maior parte do orçamento das melhores universidades é composta por doações, convênios com empresas ou órgãos federais, fundos privados, cursos de atualização profissional.

d) Nos EUA, o montante arrecadado pelas universidades de seus estudantes, a título de taxas escolares, não chega ao percentual de 20% de seu orçamento global.

e) No Brasil, país com renda per capita de aproximadamente US$ 2 mil, uma taxa escolar de US$ 13 mil/ano por aluno, conforme estimativa do Banco Mundial, é quantia astronômica.
15. Indique o único item que serve como argumento favorável à defesa da legalização da pena de morte no Brasil.
a) A incapacidade de um ser humano julgar o outro com a isenção de ânimo.

b) O sistema carcerário encontra-se privado das condições necessárias capazes de promover a reabilitação para a plena convivência social.

c) A irreparabilidade do erro jurídico.

d) O sensacionalismo da mídia ao expor o sentimento dos familiares e amigos do réu diante da consumação da pena.

e) Os estados americanos que legalizaram a pena de morte apresentaram um recrudescimento no número de crimes violentos.
16. A revista Veja (27/09/89, p. 5) entrevistou um endocrinologista e sobre ele afirmou:
"... acostumou-se a tratar todo tipo de moléstia metabólica, desde disfunções hormonais até o diabetes, sem jamais ter perfilado entre aqueles que consideram um grama um peso na consciência."
Marque a declaração desse médico que segue a mesma direção argumentativa do texto sublinhado.
a) Mas a culpa da manipulação também é do próprio obeso, que quer resolver seus problemas através de fórmulas instantâneas.

b) O gordo é explorado por uma indústria que reúne médicos, indústrias farmacêuticas, institutos de beleza e autores de livros sobre dietas.

c) Os carboidratos têm a vantagem de ser uma alternativa mais saudável na dieta que as gorduras e as proteínas.

d) A neurose das dietas está transformando em pecado o prazer de comer uma refeição saborosa.

e) Essa história de ter de comer em determinados horários quando se faz dieta é bastante questionável. Teoricamente, o ideal é que a pessoa coma várias vezes ao dia.


17. Num determinado ponto do discurso de posse como Arcebispo de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara faz um raciocínio baseado em quatro proposições. Ordene tais proposições, obedecendo ao esquema:

1- proposição genérica;

2- proposição acidental;

3- proposição resolutiva;

4- proposição consecutiva.


  1. A melhor maneira de combater o erro é libertar as parcelas de verdade prisioneiras dentro dele.

  2. Quando o erro perde a verdade que nele se esconde, deixa de ter poder de sedução e consistência interior.

  3. Deus fez a inteligência voltada para a verdade.

  4. Quando a inteligência adere ao erro é seduzida pela alma de verdade que existe dentro de todo erro.

A ordenação correta é:


1 2 3 4

a) I II IV III

b) I IV II III

c) III IV I II

d) III II I IV

e) II III I IV


18. Leia o poema:
Já sobre a fronte vã se me acinzenta

O cabelo do jovem que perdi.

Meus olhos brilham menos.

Já não tem jus a beijos minha boca.

Se me ainda amas, por amor, não ames:

Trairias-me comigo.



(Fernando Pessoa)
A ideia principal do texto é:
a) um amante que encontra uma antiga paixão, dos seus tempos de mocidade.

b) um amante que fica lembrando as emoções no papel e confessa que nunca a esqueceu.

c) um amante que já está com os cabelos grisalhos em sua fronte.

d) um amante pedindo que o amor continue, como antes, senão ele vai ser traído.

e) a autodescrição do amante, revelando o seu envelhecimento e sua perda de vitalidade.
Leia o texto abaixo para responder às questões 19, 20 e 21.
A natureza sempre foi a grande inspiradora da nossa poesia. Desde Bento Teixeira Pinto, no alvorecer da nacionalidade, até os árcades, no século XVII, os românticos, os parnasianos e os simbolistas, no século XIX, aos poetas contemporâneos, não é difícil perceber essa influência predominante. Não possuímos, como os gregos antigos, os latinos e os franceses da Idade Média, o calor, a imaginação atrevida, a grandiloquência e o sopro heroico imprescindível à musa épica. Preferimos à epopeia cantada a epopeia realizada. Quem, até agora, cantou a conquista da floresta amazônica pelo cearense, a imensidade silenciosa dos sertões, as lutas contra os usurpadores estrangeiros, o episódio formidável das bandeiras? Bilac, por exemplo, no Caçador de Esmeraldas, tão formoso e comovido, deu-nos apenas um fragmento da aventura sem par dos bandeirantes. Seu poemeto admirável não traduz inteiramente nem as condições mesológicas do cenário, nem a totalidade da ação moral dos homens que empreenderam o milagre do desbravamento do solo brasileiro.

É certo que, aos seus versos sobram sentimento e paixão, mas falta-lhes justamente a visão panorâmica, a largueza cíclica exigida pelo motivo. Bilac apreciou apenas uma face do heroísmo: a tenacidade ambiciosa. Viu unicamente um aspecto do ambiente: o pitoresco, a fantasia graciosa e delicada do meio físico. Sua poesia mostra-se, aí principalmente descritiva. À semelhança de Bilac, todos os nossos poetas épicos desde Santa Rita Durão e Basílio da Gama até Magalhães e Porto Alegre, foram, sobretudo, descritivos. O Caramuru e o Uraguai revelam, antes do mais, o propósito de pintar, ou simplesmente enumerar as excelências da nossa terra, a sua exuberância, a sua opulência, a sua formosura. As batalhas, os recontros, os episódios gloriosos que ali são narrados, têm a natureza rápida, a instantaneidade passageira das guerrilhas, das emboscadas súbitas, dos assaltos inopinados. Vê-se que o interesse primordial dos autores estava mais na pura representação das coisas que nos estudos dos caracteres. O heroísmo desaparecia ante a maravilha dos painéis pintados. As florestas, as cachoeiras, os rios e as montanhas dominavam com as suas mil vozes misteriosas e as suas massas brutais a frágil criatura humana. Eis porque, até hoje, não temos propriamente um poema épico, senão alguns cantos heroicos, repassados de um sopro contínuo de lirismo, muito peculiar à nossa psique, e onde está, realmente, a nossa verdadeira índole poética.



(Ronald de Carvalho, In O Espelho de Ariel, p. 227-8)
19. As seguintes teses são apresentadas no texto, exceto:
a) A literatura greco-romana e a literatura francesa medieval caracterizam-se pela presença de poesia épica.

b) A reação às invasões estrangeiras não é tema frequente na poesia nacional.

c) Os feitos heroicos brasileiros não estão devidamente registrados em obras literárias.

d) A descrição de belezas naturais é privilegiada na literatura brasileira.

e) Na descrição literária dos episódios históricos de heroísmo e bravura predomina a análise dos sentimentos humanos.
20. Se substituirmos a palavra destacada pela palavra entre parênteses não alteramos o sentido dos enunciados exceto em:
a) Seu poemeto admirável não traduz inteiramente nem as condições mesológicas do cenário, nem a totalidade da ação moral dos homens (ecológicas).

b) As batalhas, os recontros, os episódios gloriosos que ali são narrados, têm a natureza rápida (reencontros).

c) Quem até agora cantou o episódio formidável das bandeiras? (magnífico).

d) As batalhas têm a natureza rápida, a instantaneidade passageira das guerrilhas, das emboscadas súbitas, dos assaltos inopinados (imprevistos).

e) Desde Bento Teixeira Pinto, no alvorecer da nacionalidade, até os poetas contemporâneos percebe-se essa influência (albor).
21. As palavras que compõem cada um dos pares estão relacionadas entre si morfológica ou semanticamente, exceto no caso de:
a) índole – indolência.

b) ação – ativo.

c) paixão – passional.

d) amazônica – hileia.

e) primordial – primeiro.
22. Marque o item que apresenta uma ilustração confirmatória da tese postulada no seguinte texto:
Pode-se afirmar que a distribuição injusta de bens culturais, principalmente das formas valorizadas de falar, é paralela à distribuição iníqua de bens materiais e de oportunidades.

(S. M. Bortoni)
a) Prova disso são os modernos “shopping centers”, cujo espaço foi arquitetonicamente projetado para permitir a convivência harmoniosa da empregada e da “madame”, do porteiro e do ministro, enfim, de ricos e pobres.

b) Temos na diversidade dos programas de televisão um exemplo de que diferença outrora marcante entre cultura de elite e cultura popular hoje está reduzida a uma mera questão de grau.

c) A iniquidade na distribuição de bens culturais no Brasil encontra demonstração inequívoca na oposição que ainda hodiernamente se faz entre casa-grande e senzala.

d) Demonstra este fato o esforço que fazem dirigentes políticos e sindicais provenientes das camadas baixas da sociedade para dominar a variedade padrão da língua portuguesa.

e) Os chamados "meninos de rua", menores abandonados e meninas prostituídas testemunham, no Brasil da modernidade, a falência das elites em dividir o bolo da economia.
23. Indique a alternativa que interpreta corretamente o trecho transcrito abaixo:
Esta minha a que chamam prolixidade, bem fora estaria de merecer os desprezilhos, que nesse vocábulo me torcem o nariz. A mais copiosa das orações não é, ainda assim, difusa, quando o assunto não comportara menos dilatado tratamento. Não haverá prolixidade, em não havendo sobejidão; e o discurso não entra a cair no vício de sobejo senão quando excede a medida à matéria do seu tema. Só principia a superabundância, onde se começa a descobrir a superfluidade.

(Ruy Barbosa)
a) No trecho, Ruy Barbosa rebate as críticas dos que lhe impõem a pecha de orador sobejo em superficialidade.

b) Ruy Barbosa desdenha dos vocábulos desprezíveis por fazerem eles o discurso cair no vício de sobejo.

c) A caracterização de um discurso prolixo, para Ruy, deve considerar a largueza do assunto a ser tratado.

d) Depreende-se do trecho que a medida da prolixidade é inversamente proporcional à medida da sobejidão.

e) O conceito de prolixidade, em Ruy Barbosa, incorpora as noções de complexidade temática e seletiva do auditório.
24. Marque a única sequência que, ao completar o trecho abaixo, atenda às exigências de coerência, adequação semântica e formulação de argumentos.
O uso que se faz das madeiras nobres é outra prova de insensatez, agravando o desmatamento indiscriminado, em si mesmo uma aberração. Ocorre que, na ânsia de promover o aumento da nossa receita cambial,
a) os empresários do setor madeireiro alinham-se aos ecologistas contra a extinção das madeiras nobres.

b) deixa-se de exportar essa madeira, para usá-la na indústria de marcenaria nacional.

c) dificulta-se a exportação justamente para os países que mais remuneram essa madeira.

d) a indústria tem preferido desenvolver os projetos que exigem grande consumo de madeiras nobres.

e) facilita-se a exportação dessa madeira, em toras, o que é desvantajoso financeiramente, em relação à madeira elaborada.
Leia o texto abaixo para responder às questões 25 e 26.
Um dos mais respeitados colégios particulares da cidade de São Paulo está fechando suas portas por causa da briga crônica entre pais de alunos e donos de escolas em torno das mensalidades escolares.

(Veja, 27/09/89, p. 114)
25. Assinale o trecho que constitui uma premissa do fato relatado.
a) As escolas que pagam salários baixos a seus professores e funcionários são as que mais dão lucros.

b) Para manter a qualidade do ensino requerida pela sociedade, as escolas privadas estão incrementando convênios com empresas e indústrias.

c) O ensino privado custa caro e tende a ficar mais caro com as necessidades tecnológicas impostas a cada dia pela moderna educação.

d) No vácuo criado pela ausência do Estado no ensino secundário proliferaram as escolas privadas.

e) Como decorrência do crescimento populacional urbano, existe hoje, nas grandes metrópoles, um grande déficit de salas de aula.
26. Assinale a alternativa que contém uma consequência do fato relatado.
a) Duas escolas se prontificaram a admitir os alunos da escola extinta. Uma delas está contratando boa parte de seu corpo docente.

b) A interferência do governo na fixação dos índices de reajuste das mensalidades escolares é consequência do "lobby" bem sucedido dos proprietários de escolas privadas junto ao MEC.

c) O triste desfecho desse fato é emblemático da situação da educação brasileira.

d) Dois meses depois que o governo federal liberou os preços das mensalidades escolares, a Justiça de São Paulo decidiu que os reajustes voltam a ser controlados, não podendo exceder os índices mensais de inflação.

e) O Sindicato dos Professores de São Paulo realizou um levantamento segundo o qual esta é a escola que melhor remunera os professores.
Leia o texto abaixo para responder à questão 27.
Na Idade Média, ao contrário da festa oficial, o carnaval era o triunfo de uma espécie de liberação temporária da verdade dominante do regime vigente, da abolição provisória de todas as relações hierárquicas, privilégios e tabus.

(M. Bakhtin, A cultura popular na Idade Média e no Renascimento,

São Paulo, Hucitec Brasília Ed. da UnB, 1987)
27. Indique o item em que as festas oficiais da Idade Média são caracterizadas de acordo com o que se depreende do texto acima.
a) Nessas festas, elaboravam-se formas especiais de comunicação, francas e irrestritas, impregnadas de uma simbologia da alegre relatividade das verdades e autoridades no poder.

b) Essas festas tinham por finalidade a consagração da desigualdade; nelas, as distinções hierárquicas destacavam-se intencionalmente.

c) Eram autênticas festas do tempo futuro, das alternâncias e renovações.

d) Essas festas opunham-se a toda perpetuação, a toda regulamentação e aperfeiçoamento, apontavam para um ideal utópico.

e) Contrastando com a excepcional segmentação em estados e corporações da vida diária, essas festividades sustavam a aplicação dos códigos correntes de etiqueta e comportamento.
28. Assinale o item que apresenta argumento enfraquecedor da tese seguinte.
É preciso reconhecer que o imperialismo representou sem dúvida um grande estímulo para a vida econômica do País. Entrosando-a num sistema internacional altamente desenvolvido, como é o do capitalismo contemporâneo, realizou necessariamente nela muitos dos seus progressos.

(Caio Prado Júnior)
a) O aparelhamento moderno de base com que contaria a economia brasileira até vésperas da II Grande Guerra, foi quase todo ele fruto do capital financeiro internacional.

b) A contribuição internacional veio no sentido de dotar o País de estradas de ferro, portos modernos, serviços urbanos, grandes indústrias, que não teria sido possível instalar apenas com os recursos nacionais.

c) A inversão de capital estrangeiro provoca alívio momentâneo sem aumentar a capacidade real do País para cobrir débitos e cumprir obrigações decorrentes do afluxo de recursos internacionais.

d) Com a contribuição material vieram o espírito de iniciativa, os padrões de qualidade, o exemplo e a técnica de países altamente desenvolvidos.

e) O ritmo acelerado da vida econômica brasileira, que está, qualitativamente próximo ao nível do mundo moderno, é, em grande parte, reflexo da ação imperialista.
29. Identifique a letra que contém a introdução apropriada para integrar o trecho abaixo.
Mesmo tão diminutas, são as responsáveis pelas reações químicas que ocorrem nos seres vivos, dos vegetais e microorganismos ao homem. São as enzimas.
a) Elas medem pouco menos de um milésimo de milímetro e estão presentes, aos milhares, em todas as células.

b) Uma enzima é uma molécula de proteína, formada por uma sequência de aminoácidos.

c) Não se tem notícia de outro ingrediente envolvido em tantos processos industriais e de tão grande potencial para novas aplicações.

d) Elas só foram descobertas no século passado. Até então, a transformação química de substâncias orgânicas que resultava em bebidas e pão, por exemplo, era mal compreendida.

e) Cada célula possui milhares de moléculas de enzimas, cada uma exercendo sua função catalisadora sobre uma substância específica chamada de substrato.
30. Leia com atenção o segmento abaixo para responder à questão.
As relações dos cidadãos com os dirigentes se pautaram, ao longo dos séculos, pelo assistencialismo e a subserviência. Os indivíduos nunca participaram de nada. E isso faz com que nosso espírito de mobilização seja mínimo e o de organização, caótico. Mais difícil mesmo que reunir as pessoas é conseguir ordenar, sistematizar a sua participação. A verborragia dissipa a capacidade de ação. E é crítica a nossa capacidade crítica; não fomos formados para a análise desapaixonada de fatos ou situações; por isso mesmo, nossas opiniões são tão fluidas e nossas posições, tão personalistas.

("Brasil: meio milênio", de ROBERTO B. PISCITELLI, em: HUMANIDADE, n.º 15.87/88)
Marque o item que não completa corretamente a sentença abaixo, de acordo com o que se depreende do trecho lido.
A dificuldade de arregimentação e de organização participativa dos cidadãos deve-se ao fato de,
a) nas reuniões, as pessoas falarem muitas coisas sem relevância para o que se está discutindo.

b) ao longo dos séculos, o povo ter sido excluído das decisões dos dirigentes.

c) no momento da ação, à vontade dos indivíduos sobrepor-se o interesse coletivo.

d) historicamente, a classe dirigente ter-se colocado como provedora dos seus subordinados.

e) a eles, faltar a capacidade de análise crítica e objetiva..
Leia o texto abaixo para responder às questões 31 e 32.
Um desafio cotidiano
Recentemente me pediram para discutir os desafios políticos que o Brasil tem pela frente. Minha primeira dúvida foi se eles seriam diferentes dos de ontem. Os problemas talvez sejam os mesmos, o país é que mudou e reúne hoje mais condições para enfrentá-los que no passado. A síntese de minhas conclusões é que precisamos prosseguir no processo de democratização do país.

Kant dizia que a busca do conhecimento não tem fim. Na prática, democracia, como um ponto final que uma vez atingido nos deixa satisfeitos e por isso decretamos o fim da política, não existe. Existe é democratização, o avanço rumo a um regime cada vez mais inclusivo, mais representativo, mais justo e mais legítimo. E quais as condições objetivas para tornar sustentável esse movimento de democratização crescente?

Embora exista forte correlação entre desenvolvimento e democracia, as condições gerais para sua sustentação vão além dela. O grau de legitimidade histórica, de mobilidade social, o tipo de conflitos existentes na sociedade, a capacidade institucional para incorporar gradualmente as forças emergentes e o desempenho efetivo dos governos são elementos cruciais na sustentação da democratização no longo prazo.

Nossa democracia emergente não tem legitimidade histórica. Esse requisito nos falta e só o alcançaremos no decorrer do processo de aprofundamento da democracia, que também é de legitimação dela.

Uma parte importante desse processo tem a ver com as relações rotineiras entre o poder público e os cidadãos. Qualquer flagrante da rotina desse relacionamento arrisca capturar cenas explícitas de desrespeito e pequenas ou grandes tiranias. As regras dessa relação não estão claras. Não existem mecanismos acessíveis de reclamação e desagravo.

Sérgio Abranches, Veja, 23/08/200 (com adaptações)
31. Com relação às ideias do texto, assinale a opção incorreta.
a) O autor considera que o modelo de democracia do Brasil resolverá os problemas políticos do país.

b) Um regime democrático caracteriza-se pela existência de um processo contínuo de busca pela legitimidade, justiça, representatividade e inclusão.

c) Democracia é uma das condições de sustentação do desenvolvimento, mas não a única.

d) Enquanto não houver mecanismos acessíveis de reclamação e desagravo, as relações entre poder público e cidadãos não serão regidas por meio de regras claras.

e) De acordo com o desenvolvimento da argumentação, o pedido estabelecido no primeiro período do texto, e que deu origem ao ensaio, não pôde ser atendido, razão pela qual o texto não é conclusivo.
32. Assinale a opção correta, a respeito das relações de sentido estabelecidas no texto.
a) A decretação do “fim da política” (2º parágrafo) traria, como consequência, a satisfação dos praticantes da democracia – representantes e representados.

b) A ideia de “democracia” está para um produto acabado assim como “democratização” está para um processo.

c) Relações entre poder público e cidadãos excluem-se do processo de aprofundamento e legitimação da democracia.

d) Cenas explícitas de desrespeito aos cidadãos têm como causa imediata a emergência de nossa democracia histórica.

e) Não havendo busca do conhecimento como sustentação histórica, não há democracia e, consequentemente, não há política.
Leia o texto a seguir para responder à questão 33.
Um aspecto crucial para o bom funcionamento do sistema tributário é a importância estratégica da administração tributária. A efetividade e a eficácia do sistema tributário dependem da administração tributária, que desempenha um papel, fundamental e imprescindível, de instrumento de garantia da aplicação efetiva da legislação. Grande parte dos problemas do sistema brasileiro não poderá ser resolvida exclusivamente no plano da legislação. Há uma relação importante entre a fragilidade dos órgãos da administração e determinadas deficiências do sistema tributário nacional. Com uma administração tributária desprovida de recursos materiais e humanos, numa economia complexa e de proporções continentais como a brasileira, o sistema tributário, por mais concebido que possa ser sob o ponto de vista da legislação, deixará fatalmente a desejar em termos de qualidade, eficácia e justiça fiscal.

(www.unafisco.org.br)
33. Marque como corretos os itens que constituem continuação coesa e coerente para o texto.


  1. Portanto, é fundamental o fortalecimento da máquina fiscal, que torna a administração tributária mais efetiva.

  2. Diante dessa evidência, hoje há um consenso quanto ao prescindível papel que desempenha o fortalecimento da administração tributária como efetivo instrumento de garantia da eficácia de todo o Sistema Tributário.

  3. Para que a administração tributária seja fortalecida e efetiva são também fundamentais o cumprimento voluntário das obrigações tributárias e a percepção do risco de sonegar por parte do contribuinte.

  4. Embora a máquina fiscal não se mostre capaz de recuperar as obrigações tributárias descumpridas, então resta comprometida a eficácia de todo o sistema.

  5. Em última análise, é uma fiscalização fortalecida que vai definir o limite da efetividade da administração tributária, e, por consequência, do Sistema Tributário.

A quantidade de itens corretos é


a) 1

b) 2


c) 3

d) 4


e) 5
34. Assinale a opção que está de acordo com as ideias do texto.
O principal problema brasileiro, que consiste na retomada da confiança para possibilitar o crescimento, só terá solução possível a partir do momento em que houver um quadro favorável a uma redução substancial dos juros básicos da economia. Para isso, as reformas tributária e previdenciária são pré-condições estratégicas.

A tributária é fundamental para desonerar a indústria e elevar o poder aquisitivo dos salários, proporcionando escala e competitividade que ajudarão na substituição das importações e no crescimento consistente dos saldos positivos na balança comercial.

A previdenciária é imperiosa para construir um sistema autossustentável de seguridade social, que concomitantemente invista um grande volume de poupança em projetos produtivos de longo prazo.

(Emerson Kapaz, “Para reverter o pessimismo, Folha de S.Paulo, 31/07/2002)


  1. Os juros básicos da economia, se reduzidos, impulsionariam as reformas tributária e previdenciária.

  2. Um sistema autossustentável de seguridade social traria as condições para que o crescimento permita a redução dos juros.

  3. A retomada da confiança para possibilitar o crescimento contribui para promover a elevação dos salários.

  4. Com a desoneração da indústria e com a elevação dos salários, há condições estratégicas para a reforma tributária e para investimentos em projetos produtivos de longo prazo.

  5. As reformas tributária e previdenciária são o passo prévio para favorecer a redução dos juros básicos da economia, e, consequentemente, a retomada da confiança para que haja crescimento.

35. Para que o texto abaixo apresente coesão, coerência de ideias e progressão temática, é necessária a inserção de dois dos trechos nomeados a seguir como (A), (B) e (C) nos espaços [*] e [**].


Metade dos postos de trabalho com carteira assinada já é preenchida por profissionais que têm, no mínimo, o ensino médio. Para os cargos mais altos, as exigências estão aumentando.

[*]


Os trabalhadores permanecem em emprego menos qualificado durante o período em que estão estudando e, depois de formados, sentem-se preparados para tentar um posto mais elevado.

Essa nova leva de trabalhadores já é conhecida como a “geração do canudo”. Educar a força de trabalho constitui um dos maiores desafios de qualquer país e era uma grande trava ao desenvolvimento do Brasil.

[**]

A compensação pode ser confirmada nos contra-cheques. Em valores reais, o salário dos executivos triplicou nas últimas décadas.



(VEJA ESPECIAL, maio de 2002, com adaptações)


  1. Tanto que a qualificação para as funções de alta gerência e de diretoria requer dezessete anos de estudo, dois a mais do que era requisitado dos diretores de empresas brasileiras no passado.

  2. Por isso, com o desenvolvimento da economia, que vai diferençar as pessoas, seja os operários controlando máquinas pesadas, seja os altos executivos dirigindo multinacionais, é o investimento na prática que neutraliza as lacunas da graduação.

  3. Nos anos 80, a mão de obra tinha, em média, três anos de estudo. Atualmente os trabalhadores brasileiros estudam cerca de cinco anos. Continuam entre os menos instruídos e os menos produtivos do mundo, mas a curva de educação é ascendente.

Deve-se inserir, respectivamente, em [*] e [**]:

a) A e B

b) A e C


c) B e C

d) B e A


e) C e B
Leia o texto a seguir para responder à questão 36.
No passado, para garantir o sucesso de um filho ou de uma filha, bastava conseguir que eles tirassem um diploma de curso superior. Uma vez formados, seriam automaticamente chamados de “doutor” e teriam um salário de classe média para o resto da vida. De uns anos para cá, essa fórmula não funciona mais. Quem pretende garantir o futuro dos filhos, além do curso superior, terá de lhes arrumar um capital inicial. Esse capital deverá ser suficiente para o investimento que gerará um emprego para seu filho.

Todo emprego requer investimentos prévios, algo óbvio mas esquecido por nossos políticos e governantes.



(Stephen Kanitz, VEJA, 5/6/2002, com adaptações)
36. Marque a opção que não dá continuidade coerente ao texto.


  1. Criar um emprego não é somente oferecer um salário e colocar o indivíduo para trabalhar. Muito antes de contratar um porteiro, é necessário construir uma guarita para alojá-lo.

  2. Alguns dirão chocados: a que ponto chegamos, ter de comprar o próprio emprego! Mas no fundo sempre foi assim. Todos nós precisamos de um capital inicial para começar a trabalhar.

  3. Se não forem os pais a investir no próprio filho, quem será? Quem comprará as máquinas, os equipamentos, o escritório, os computadores para que ele possa começar a trabalhar?

  4. Americanos ganham oito vezes mais que brasileiros não porque trabalham oito vezes mais, mas porque investem muito mais em estoque, máquinas e equipamentos, aumentando brutalmente a produtividade de seus filhos.

  5. Fica evidente que todos os investimentos prévios no combate à miséria devem propor um programa integrado de políticas sociais. Várias propostas apontam as fontes de recursos que, em geral, representam redirecionamentos de outros pagamentos.

Leia o texto abaixo para responder à questão 37.


Questão velha, polêmica e controvertida, que constitui obstáculo à ação das autoridades administrativo tributárias, mas que sempre viva e exacerbadamente atual, é a do “sigilo bancário”, pois frente ao crédito tributário e ao Fisco, aquele como um bem público relevante e indisponível e este na busca de cumprir os objetivos a que se destina de aferir a real capacidade contributiva, arrecadar tributos, promover a igualdade e a justiça fiscal, colocam-se a preservação e a garantia dos direitos fundamentais invioláveis de privacidade e intimidade inerentes às pessoas dos contribuintes.

(Mary Elbe G. Q. Maia, “A inexistência de sigilo bancário frente ao poder-dever de investigação das autoridades fiscais”, Tributação em Revista, julho/setembro de 1999)
37. Assinale a proposição nuclear do texto, aquela que contém a ideia-síntese em torno da qual se desenvolve sintática e semanticamente o parágrafo.


  1. Questão velha, polêmica e controvertida é a do sigilo bancário frente ao crédito tributário e ao Fisco.

  2. Frente ao crédito tributário e ao Fisco, coloca-se a questão do sigilo bancário como um obstáculo à ação das autoridades administrativo-tributárias.

  3. Por ser um bem público relevante e indisponível, o crédito tributário deve preservar e garantir o direito de privacidade do contribuinte.

  4. A preservação dos direitos fundamentais de privacidade dos contribuintes frente ao crédito tributário e ao Fisco deve ser colocada na discussão da questão do sigilo bancário.

  5. Na tarefa de cumprir os objetivos de aferir a capacidade contributiva, arrecadar tributos e promover a igualdade e a justiça fiscal, o Fisco deve preservar e garantir a questão do sigilo bancário dos contribuintes.


GABARITO
1.C

2.A


3.D

4.E


5.C

6.B


7.E

8.D


9.D

10.E


11.A

12.A


13.E

14.A


15.B

16.D


17.C

18.E


19.E

20.B


21.A

22.D


23.C

24.E


25.C

26.A


27.B

28.C


29.A

30.C


31.E

32.B


33.C

34.E


35.B

36.E


37.D



MÓDULO DE PORTUGUÊS E REDAÇÃO – Agnaldo Martino




Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal