Centro de Ensino médio 03 de Ceilândia



Baixar 441.63 Kb.
Página1/6
Encontro23.01.2018
Tamanho441.63 Kb.
  1   2   3   4   5   6


Governo do Distrito Federal

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal – SEE - DF

Diretoria Regional de Ensino de Ceilândia - DREC

Centro de Ensino Médio 03 de Ceilândia Sul
PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
P. P . P.
Proposta pedagógica

“Todo jardim começa com um sonho de amor. Antes que qualquer árvore seja plantada, ou qualquer lago seja construído, é preciso que as árvores e os lagos tenham nascido dentro da lma. Quem não tem jardins por dentro, não planta jardim por fora. E nem passeia por ela...” Rubem Alves

É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua pratica.

Paulo Freire

Ceilândia-DF, 07 de dezembro 2008


ÍNDICE PÁGINA

1- APRESENTAÇÃO 03
2- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA MANTENEDORA E INSTITUIÇÃO 04
3- MISSÃO 05
4- HISTÓRICO DA ESCOLA 05
5- DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO PRESENTE 06
6 - OBJETIVOS 08
7- PRINCÍPIOS NORTEADORES 09
8- ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 11
9- ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 14
10- METAS PARA 2008 15
11- MÉTODOS DE AVALIAÇÃO 17
12 - BIBLIOGRAFIA 18
13- ANEXOS 20

13.1- PROJETOS INTERDISCIPLINARES

13.2- PROJETOS ESPECIAIS DO CEM 03

2-DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA MANTENEDORA E INSTITUIÇÃO
2.1- DA MANTENEDORA


2.1.1-

Mantenedora



SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DF

2.1.2 - CGC

00.394.676/0001-07

2.1.3- Endereço

SGA 607 s/nº módulo D – Brasília - DF - CEP

70.850.070



2.1.4- Telefone

(061) 3901-7993


2.2 – DA INSTITUIÇÃO EDUCACIONAL


2.2.1 – Instituição

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 03 DE CEILÂNDIA

2.2.2 - Endereço

QNM 13 Área Especial – Ceilândia -

2.2.3 - Telefone

(061) 3901-3747

2.2.4 -Localização

Zona Urbana

2.2.5- Divisão

DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE CEILÂNDIA

2.2.6 – Data de criação da Instituição de Ensino

12 de novembro de 1971

2.2.7 - Reconhecimento

Portaria 003 de 12 de janeiro de 2004 - SEDF

2.2.8- Turno de Funcionamento

Matutino, Vespertino e Noturno

2.2.9 Nível de ensino ofertado

Ensino Médio e EJA nos 3 segmentos

3- Missão

O Centro de Ensino Médio 03 tem como missão: Desenvolver competências e habilidades, de modo a favorecer a habilitação nos jovens da dimensão da participação social, permitindo-lhes uma formação global; promover um engajamento entre educadores e comunidade local, procurando uma maior valorização do espaço escolar tanto por parte de alunos como dos funcionários da escola; resgatar o papel da escola como formadora e socializadora, onde ofereça um espaço de construção e vivência em que todos possam questionar e superar a exclusão social e toda forma de preconceito; construindo uma sociedade mais justa.


4- HISTÓRICO DA ESCOLA

O Centro de Ensino Médio 03 foi inaugurado em 12 de novembro de 1971, tendo suas atividades iniciadas nesta mesma data, como Centro de Ensino de 1º grau. A professora Maristela Barbosa de Almeida foi a primeira diretora designada para dirigir o Estabelecimento de Ensino.

Em 11 de fevereiro de 1977, a Resolução nº. 95-CD transformou a escola em centro Interescolar nº. 01 de Ceilândia, que foi posteriormente vinculado ao Complexo Escolar “B” de Ceilândia. Em 17 de outubro recebeu a denominação de Centro Educacional 03 de Ceilândia. E em 2000 o nome foi novamente alterado para Centro e Ensino Médio 03 de Ceilândia, quando a Escola passou a ser especializada em Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos.

Ao longo de todos esses anos nossa Escola enfrentou vários problemas, tais como: falta de segurança, violência, problemas financeiros, falta de recursos materiais e, principalmente, a precariedade das instalações do prédio. A comunidade escolar tem sofrido com salas em estado precário, falta de iluminação, insuficiente para atender turno, entre outros.

Mas, apesar das dificuldades, a escola sempre procurou desenvolver projetos buscando atender aos anseios da comunidade escolar e à política educacional em vigor no DF em acordo com a LDB.
5- DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO PRESENTE
No ano de 2006 foi elaborado um questionário para diagnosticar os interesses dos alunos do ensino regular matutino quanto aos rumos a serem tomados pelos mesmos após a conclusão do ensino médio. A pesquisa foi aplicada no turno matutino, num total de 421 alunos entrevistados.

O resultado total da pesquisa, contudo observa-se nas três séries do ensino médio o mesmo resultado de interesse em ingressar na universidade particular e de prestar concurso público. No mesmo formulário perguntou-se sobre quais as áreas de conhecimento que seriam, para ele, de importância aprofundar os conhecimentos.

As áreas de SAÚDE E PREVENÇÃO, de LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS, seguida de ARTE e CULTURA foram apontadas pelos alunos como aquelas de maior interesse em aprofundamento e maior número de atividades na escola relacionadas com estes temas.

Baseando-se nesta coleta de opiniões e após vários debates durante as coordenações pedagógicas, o grupo docente do turno matutino (ensino regular) do CEM 03 conclui que para o ano de 2007, os projetos interdisciplinares (PI) deverão seguir como temas principais aqueles indicados pela comunidade escolar. Reuniram-se equipes que formularam os projetos interdisciplinares a seguir apresentam-se em anexo a proposta pedagógica:




  • SAÚDE E PREVENÇÃO

  • MÍDIA E FORMAÇÃO ESCOLAR

  • ÉTICA E CIDADANIA


6- OBOBJETIVOS
a) Conduzir a aprendizagem a um processo reconstrutivo e político, de modo que as aulas não tenham caráter meramente instrutivo de treinar, informar. Mas ao contrário que elas Possam permitir ao aluno confrontar com a realidade, questionar, pesquisar e assim tornar-se sujeito de suas idéias.
b) Fazer o aluno perceber que não se aprende sem esforço e não se aprende somente na aula. Mas, ao contrário, é possível até aprender sem ela. Uma vez que,o aprendizado acontece quando o aluno faz, experimenta o conhecimento.
c) Permitir a cada professor explicitar e socializar para o restante do grupo seu projeto de trabalho, a fim de que o trabalho coletivo seja viabilizado. Ou seja, cada um deverá elaborar projeto pedagógico próprio, para depois se fazer o coletivo da escola.
d) Fazer com que toda e qualquer proposta ou teoria, individual ou coletiva esteja voltada para aprendizagem / formação do aluno e também possa propiciar melhores condições de trabalho ao professor.
e) Promover. a interdisciplinaridade e contextualização dos componentes curriculares, visando uma formação global do educando, de forma a tornar-se este mais apto a assimilar mudanças, mais autônomo em suas escolhas.

f) Garantir a participação mais efetiva dos pais ou responsáveis e promover a integração dos diversos segmentos da comunidade escolar.

g) Atender o aluno com necessidade especial, auxiliá-lo em seu trabalho de superação das condições limitantes, ajudá-lo a criar uma auto-imagem positiva e uma visão de mundo realística e possibilitar-lhe aceitar-se, enquanto ser diferente;
7- PRINCÍPIOS NORTEADORES
7.1 Ensino Médio Regular

Constitui princípios básicos do nosso Projeto Político Pedagógico: a interdisciplinaridade e a contextualização.

A contextualização do conhecimento se faz necessária, porque esse é um dos recursos que a escola pode utilizar para tirar o aluno da condição de espectador passivo, de um acumulador de conhecimentos, a sujeito do processo de ensino aprendizagem, um agente transformador de si mesmo e do mundo.

Nesse sentido, o conhecimento deve ter como ponto de partida a experiência do estudante, sua vivência como cidadão, um agente ativo de sua comunidade e o contexto onde ele vai atuar como trabalhador. O aluno aprende apenas quando se torna sujeito da sua aprendizagem e, para isso, precisa participar das decisões que dizem respeito ao projeto da escola.

Com o outro princípio - a interdisciplinaridade - pretende-se fazer o aluno entender que conhecimento não é algo estanque e que todo conhecimento mantém um diálogo permanente com outros conhecimentos. Um diálogo que poderá ser de questionamento, de confirmação, de negação, de ampliação, de aspectos a serem identificados.

A equipe do CEM 03 pretende vivenciar projeto interdisciplinar que tenha como marca a responsabilidade individual. Não se pretende, porém, anular a contribuição de cada ciência em particular, mas, apenas, uma atitude que venha a impedir que se estabeleça a supremacia de determinada disciplina, em detrimento de outras igualmente importantes .

Podemos, assim, formar um grupo que estabeleça uma comunicação entre os domínios do saber que tenha a ousadia da busca e da pesquisa, visando a construção coletiva do novo conhecimento.

A partir de uma vivência desses dois princípios - interdisciplinaridade e contextualização – acreditamos ser possível a escola e o professor contribuírem para a aquisição de competências e habilidades, ao invés de simplesmente transmitir informações, já que os conteúdos não são objetivos de ensino, mas sim entendidos corno meios para construção das habilidades e competências necessárias para sua cidadania e profissionalismo.



7.3 Educação Inclusiva
LDB, em seu Art. 58, estabelece que a Educação Especial é preferencialmente, oferecida na rede regular de ensino, visando a integração da criança e do jovem com necessidades educacionais especiais com os demais alunos do ensino regular.

O CEM 03 flexibiliza o processo de ensino e aprendizagem, de modo a atender às diferenças individuais dos alunos em sala de aula e dispõe de serviço de apoio com sala de recurso em DM (projeto em anexo) favorecendo o processo educacional não apenas aos alunos desta escola, mas de alunos das proximidades Que estudam em escolas Que não dispõem deste atendimento especializado.

A estrutura física da escola foi adaptada para atender aos alunos de

Deficiência Física (DF) com a construção de rampas de acesso aos corredores Que exigiam escadas e para os pátios mais altos. Portanto, estas rampas não são ideais à locomoção destes alunos por serem muito íngremes. Foram enviados pedidos de melhorias nestes acessos ao, setor de engenharia da Secretaria de Educação, mas ainda não recebemos resposta. Também foram adquiridos perante a Regional de Ensino, mobiliário específico para atender aos alunos de DF (carteiras e cadeiras).

No Ensino Médio Regular (turno matutino) para os casos de alunos com necessidades educacionais com DM, as propostas curriculares flexibilizaram-se de forma a atender suas diferenças individuais, seguindo as orientações do CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO BÁSICA DO DF. Foi oferecido a estes alunos atendimento na sala de apoio/recurso localizada nesta escola (projeto em anexo)
8- ORGANIZACÃO ADMINISTRATIVA
8.1 Clientela Escolar
Nossa clientela é formada por alunos com faixa etária a partir de

14 anos. Nossos alunos são provenientes de diversas classes sociais, haja vista a realidade econômica da cidade.



8.2. Modalidades de Ensino

Ensino Médio - no turno matutino e Educação de Jovens e Adultos

nos turnos vespertino e noturno

­
8.3 Alunos matriculados em 2008
Ensino Médio:_890 Educação de Jovens e Adultos: 2.200
8.4 horário de funcionamento

- Matutino: 07h 15 às 12h 30.

-Vespertino: 14h às 18h.

- Noturno:19h às 23h.


8.5 Recursos humanos

* –––– professores

* 01 apoio à direção

* 01 Diretor * 01 Chefe de secretaria

* 01 Vice-Diretora * 01 Orientador educacional

* 02 Sup. pedagógicos

* vigilância terceirizada

* 02 Supervisores administrativos

* Limpeza terceirizada

* 04 Coordenadores pedagógicos para o EJA



8.6 Dependências

. 26 salas utilizáveis

. 03 Laboratórios (Química, Física e Biologia)

. 01 Auditório

. sala de professores

. secretaria

. 01 sala de vídeo
- Grêmio Estudantil: no ano letivo de 2006 foi eleito o Grêmio Estudantil do CEM 03, composto pelos alunos a seguir, com participação efetiva nos diversos projetos da escola:


  • Presidente: Higor Sávio da Silva

  • Vice-presidente: Jônathas Nery da Cruz

  • Secretário Geral: Hudson leonardo dos S. Silva

  • Tesoureiro Geral: Marcela Fabiane de Jesus

  • 1º tesoureiro: Julio césar da Silva

  • Diretor de Imprensa: Erik de Oliveira leal

  • 10 Suplente: Claudemir A. Barbosa

  • Diretor de Esporte: Wellis Laerder S. Costa

  • Vice Diretor de Esporte: Débora Maria Martins

  • Diretor de Cultura: Tayara -Marayse A. de Araújo

  • Vice-diretor de Cultura: Crislayne AoS. Mendes

  • 10 Suplente de Cultura: Jardênia Pereira Mendes

  • Diretor de Assuntos Femininos: Liana Alves Silva

  • Diretor de Assuntos Sociais: Lucas da Silva Aires

  • Vice-diretor de Assuntos Sociais: Luana Cristina Aires

  • Diretor Administrativo: Anna Carolvne Silva Barbosa



9- ORGANIZACÃO CURRICULAR
O CEM 03 segue os Parâmetros Curriculares Nacionais e o Currículo da educação básica das escolas públicas do Distrito Federal: ensino médio. Para que as competências e habilidades sejam alcançadas com sucesso e o estudante não se sinta entediado tendo apenas aulas expositivas e dentro da sala de aula, procuramos enriquecer os conteúdos propostos por meio de projetos pedagógicos interdisciplinares em diversos temas. Temos o orgulho de constatar que todas as áreas do conhecimento estão envolvidas nestes projetos, que encantam nossos alunos.

Os projetos a seguir estão em anexo ao final da Proposta Pedagógica de 2008.



9.1- ENSINO MÉDIO REGULAR (MATUTINO)


  • PROJETOS INTERDISCIPUNARES

    • PD I – SAÚDE E PAREVENÇÃO

    • PD II - MÍDIA E FORMAÇÃO ESCOLAR

    • PD III - ÉTICA E CIDADANIA



  • PROJETOS ESPECIAIS ESPECÍFICOS

  • CIENCIAS E HUMANIDADES - CORRELAÇÕES E APLICAÇÕES*

  • FEIRA DE CIÊNCIAS

  • FEIRA CULTURAL

  • JORNAL "PLUGADÃO"

  • GINCANA CULTURAL*

  • SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA*

  • BANDA MARCIAL DO CEM 03*

    • CONJUNTO MUSICAL “TOQUE ESPECIAL”*

    • BAN DA MARCIAL “TOQUE ESPECIAL” *

  • AERÓBICA*

  • HIP-HOP

  • SALA DE APOIO! SALA DE RECURSO*

  • INTERVALO CULTURAL


9.1- EJA (VESPERTINO E NOTURNO)



  • FEIRA CULTURAL

  • SEMANA DA CONSCIENCIA NEGRA*

  • BANDA MARCIAL DO CEM 03*

    • CONJUNTO MUSICAL “TOQUE ESPECIAL”*

    • BANDA MARCIAL “TOQUE ESPECIAL”*



  • AERÓBICA

  • SALA DE APOIO/SALA DE RECURSOS

  • INTERVALO CULTURAL

  • PROJETO VIVÊNCIA

  • PROJETO GRI




  • LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA



10- METAS PARA 2008
- Respeitar a realidade dos alunos, buscando tornar a aprendizagem mais significativa;
- Aproximar os conteúdos à realidade dos alunos, propondo aulas que despertem o interesse e a curiosidade;
- Promover encontros com pais e professores para debater temas educativos ;
- Oferecer momentos de integração das famílias no ambiente escolar com ampla participação das mesmas nas SEMANA CULTURAL montadas pelos alunos;
- Promover momentos de descontração e lazer aos professores e comunidade escolar;
- Valorizar o esforço, a responsabilidade e a participação e não só o resultado final;
- Promover trabalhos interdisciplinares nas áreas afins, utilizando as linguagens para expressar habilidades em ciências e humanidades;
- Incentivar constantes atualizações e formação de professores;
- Realizar reuniões pedagógicas entre professores e Direção para propostas e avaliações relativas ao trabalho pedagógico;
- Realizar Feiras de Ciências e Cultura com a apresentação de trabalhos que abordem as diferentes áreas do conhecimento (dependendo do tema a ser trabalhado);
- Realizar Festa Junina - com o objetivo de manter a tradição, preservando a cultura popular e promovendo momentos de descontração, integração e lazer para a comunidade escolar;
- Implementar o Jornal da Escola para incentivar a leitura e a escrita e,

também, divulgar os acontecimentos da escola e de ações diversas


-Realizar visitas pedagógicas aos diversos locais e eventos que disponibilizam este tipo de atividade no DF a serem programados e agendados ao longo do ano com propostas interdisciplinares.

-Consciência Negra, promover atividades que valorizem a cultura afro-brasileira buscando, assim, conscientizar os alunos sobre a importância e valor do negro na cultura brasileira e, dessa maneira, dirimir preconceitos.

TRANSIARTE


Anexos I

Projetos
Interdisciplinares

Governo do Distrito Federal

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal – SEE - DF

Diretoria Regional de Ensino de Ceilândia - DREC

Centro de Ensino Médio 03 de Ceilândia Sul

PARTE DIVERSIFICADA


PROJETO INTERDISCIPLINAR

PD - II

TEMA: A MÍDIA NA FORMAÇÃO ESCOLAR

Projeto pedagógico, interdisciplinar apresentado na área de Códigos e Linguagens, especialmente na disciplina de Língua Portuguesa. Tendo como público alvo estudantes da 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação.

Autora: Professora Andréa da Cruz Strini

Colaboração: Professor Luis Fernandes do Nascimento Lima


APRESENTAÇÃO
Trazer para o quotidiano escolar os meios de comunicação como conteúdo é um grande desafio. Pois a sociedade atual está muito próxima das novas tecnologias e a escola por sua vez, em muitos aspectos, ainda está fora do tempo. Infelizmente as novas tecnologias não são de acesso de todos, apesar dos esforços do Estado e da própria sociedade em possibilitar as escolas, e ao corpo docente o manuseio destas ferramentas tecnológicas como instrumento para se trabalhar os conteúdos.

A mídia é mais do que uma forma de divulgar um produto ou um serviço. Ela divulga estilos de vida, padrões de beleza e comportamentos que traduzem valores e expectativas. Ter isso em mente auxilia na compreensão do real desejo de consumo e da verdadeira necessidade de adquirir produtos e serviços. Nesse sentido, a escola tem o grande desafio de preparar o aluno para não ser um mero receptor, mas alguém que saiba transformar informação em conhecimento. Perceber Ainda que a informação é resultante da percepção de outrem, com suas devidas especificidades, como: princípios, valores morais, ideologias etc. E o olhar crítico, exige, antes de tudo, um conhecimento mais aprofundado destes “poderosos” meios de comunicação.

A escola constitui-se mediadora entre a informação transmitida pela mídia e seus alunos como espectadores, com o duplo efeito de permitir uma inserção mais consistente destes na sociedade e de aprofundar seus conhecimentos enquanto atores dos processos históricos. Pois, dentre os papeis de cada aluno ou aluna é de procurar aprender, a se construir ou a se reconstruir enquanto pessoa humana.

Entre outros objetivos esta proposta de trabalho busca a inserção do jovem no processo comunicativo “indivíduo-mundo”, universalizando o acesso à informação midiática com firme propósito de integrá-lo ao ambiente escolar como porta de entrada para a “sociedade adulta”, uma vez que uma das metas da instituição também constitui na preparação do indivíduo para o mercado de trabalho, com postura adequada, afim de que possa ter maiores chances no ingresso profissional. E esta é uma forte preocupação do corpo docente, não abrindo mão da formação humana destes, enquanto cidadãos éticos e críticos, comprometidos com o futuro social do seu próprio país.



JUSTIFICATIVA
De acordo com os princípios sagrados pela Constituição Federal e pela legislação ordinária sobre a matéria, toda escola deve estar comprometida com a universalidade da Educação. Portanto se faz necessário que a escola ofereça ferramentas de inserção do corpo discente a informação como meio de inclusão cidadã a sociedade e incorpore os meios de comunicação como motivação, conteúdo de ensino ou análise crítica.

Segundo José Manuel Moran "A escola pode e precisa estabelecer pontes com os Meios de Comunicação. Pode utilizá-los como motivação do conteúdo de ensino, como ponto de partida mais dinâmico e interessante diante de um novo assunto a ser estudado. Podem os Meios apresentar o próprio conteúdo de ensino (...) bem como ser, eles próprios, objeto de análise, de conhecimento. (...) Eles não eliminam o papel do professor; ao contrário, ajudam-no a desenvolver suas tarefas principais, que é a de obter uma visão de conjunto, educar para uma visão mais crítica." "A escola precisa, enfim, no seu Projeto Educativo, considerar a questão dos Meios de Comunicação e da comunicação como parte integrante - e não marginal - do processo educativo integral do novo aluno-cidadão, visando construir uma sociedade realmente democrática".

Os jovens no mundo atual vivem um intenso processo de transformação, conseqüente do desenvolvimento do sistema capitalista e da intensa globalização. Desta forma, os educandos não podem ficar restritos exclusivamente ao contexto da sala de aula para construção do conhecimento. A mídia, juntamente com outras fontes de influência educativa, deve ser considerada. O pleno exercício da educação exige conhecimentos e domínio do saber, necessitando ser desenvolvido pelas diferentes áreas, para que aconteça a formação global.

Diante disso e pensando no conhecimento cognitivo dos nossos educandos, esta proposta de trabalho interdisciplinar propõe-se estabelecer relação direta dos alunos com a informação midiática, com orientação crítica para formação ética e cidadã.

Neste processo, é importante repensar os padrões metodológicos do ensino tradicionalista que aos poucos está sendo substituído por novas formas de educação inclusiva, humanística, global e contextualizada para que possa atender as demandas sociais e do mundo em constante mudança e transformação.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal