Chacrinha a biografia-1 Ficha Técnica



Baixar 0.98 Mb.
Página1/21
Encontro22.03.2018
Tamanho0.98 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   21

Chacrinha - a biografia

Cover


9788577345106_chacrinha_a_biografia-1

 

Ficha Técnica 



Copyright © 2014 Denilson Monteiro
Copyright © 2014 Eduardo Nassife (pesquisa, entrevistas e roteiro original)
Copyright © 2014 Casa da Palavra 

 

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19.2.1998.


É proibida a reprodução total ou parcial sem a expressa anuência da editora. 

Este livro foi revisado segundo o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. 

 

COPIDESQUE: Bruno Fiuza 



REVISÃO: André Marinho 

CURADORIA: Ricardo Amaral 

FOTOS DE MIOLO E CAPA: Acervo Leleco Barbosa 

PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO: 

TUUT 

PATROCÍNIO 



 

 

 



 

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO 

SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ 

 

M774r 



Monteiro, Denilson 

Chacrinha – a biografia / Denilson Monteiro, Eduardo Nassife. – 1. ed. – Rio de Janeiro : Casa da Palavra, 2014. 

 

ISBN 9788577345106 



 

1. Chacrinha, 1917-1988. 2. Artistas – Brasil – Biografia. I. Nassife, Eduardo. II. Título. 

 

14-15435 CDD: 920.71 



CDU: 929-055.1 

 

 



 

 

CASA DA PALAVRA PRODUÇÃO EDITORIAL 



Av. Calógeras 6 · 1001 

20030-070 · Rio de Janeiro · RJ 

21 2222 3167 / 21 2224 7461 

divulga@casadapalavra.com.br · 

www.casadapalavra.com.br 

9788577345106_chacrinha_a_biografia-2

 

 

 



 

 

HÁ MAIS DE 100 ANOS presente na história do Rio de Janeiro, a Light tem um compromisso que vai além de prestar um serviço de qualidade à população. A empresa é também comprometida com o aprimoramento e o desenvolvimento de toda sua área de concessão. E é por isso que a Light faz questão de investir em iniciativas que fomentem a cultura, a arte e o entretenimento. 



 

Desta forma, a Light se conecta com a biografia do comunicador que foi referência para tantos profissionais no Brasil. Patrocinar e incentivar a disseminação da história de Abelardo Barbosa, o Chacrinha, personalidade responsável por promover inúmeros músicos e artistas de sucesso, é uma satisfação para a Light e uma excelente oportunidade de contribuir com a nossa rica cultura. 

 

Light. Conectada a você. 



 

 

9788577345106_chacrinha_a_biografia-3



 

Agradecimentos 

Agildo Ribeiro; Aglair Cruz; Aloysio Legey; Ana Comini; Anna Ladeira; Antero Leivas; Boni; Carlos Augusto Montenegro; Carolina Benevides; Cassia Fernandes, Clara Gerchman; Clarice Messer; Claudya; Cláudio Galvão; Daniela Schmitz; Deborah Dumar; Edgard Horácio; Edilma Campos; Elba Ramalho; Eleonora Jaeger; Eliane Brandão; Elke Maravilha; Erasmo Esteves; Fábio Júnior; Fábio Stella; Flávio Cavalcanti Júnior; Florinda Barbosa; Gilberto Gil; Gisela Amaral; Haroldo Costa; Helmar Sérgio; Heraldo Correia; Hilton Abi-Rihan; Humberto Oliveira; Isabel Serejo; Jane Duboc; Jairo Roriz; João Kleber; João Roberto Kelly; Jorge Barbosa; José Carlos Guerreiro; José Marques Neto; Júlia Schnoor; Lee Martinez; Leleco Barbosa; Leo Esteves; Lucyanne Mano; Ludmila Pereira; Luisa Barros; Marcus Pitter; Marco Imperial; Maria Helena; Maria Helena Carnevale; Maria Lúcia Rangel; Henrique Alves; Maria Luiza Imperial; Marlene Morbeck; Marly Schall; Miguel Fialho; Nanato Barbosa; Osmar Frazão; Paulo Silvino; Regina Polivalente; Regina Rito; Ricardo Amaral; Ricardo Cravo Albin; Ricardo e Monique Pugialli; Rita Cadillac; Ritchie; Roberta Rangel Newlands; Rodrigo Faour; Rubens Stone; Russo; Sandra Mattera; Sérgio Brito (Titãs); Sérgio Cabral; Tainah Comini; Tavito; Teresa Cristina Sampaio Newlands; Tiago Alves; Tina Turvão; Valdir Siqueira; Vânia Bastos; Viviane Ghreice; Wanderléa; Washington Olivetto; Washington Rodrigues; Wilson Simoninha; Chris; Ana Clara; Seu Monteiro; Luzia; Mônica; e Igor. 

9788577345106_chacrinha_a_biografia-4

 

A Leleco Barbosa, pela valiosíssima colaboração em realizar o sonho de transformar a vida do Velho Guerreiro em livro. 



 

 

A José Marques Neto, grande banco de memória da televisão brasileira. 



9788577345106_chacrinha_a_biografia-5

 

 



 

9788577345106_chacrinha_a_biografia-6

 

Naquela tarde ensolarada de 6 de março de 1982, uma grande parada circense chegou à Zona Sul do Rio de Janeiro. Nela havia de tudo: palhaços, malabaristas, figurantes vestidos como super-heróis, um homem equilibrando-se em pernas de pau e muitas mulheres bonitas. Também havia uma dúzia de motociclistas abrindo caminho para o multicolorido cortejo e uma banda de música com seus componentes trajando vistosas casacas vermelhas, que executava uma conhecida canção: 



 

Abelardo Barbosa 

Está com tudo 

E não está prosa 

 

Em pé, no banco de trás de um dos bugres que faziam parte do alegre cortejo, vestindo uma casaca de paetês vermelhos e, na cabeça, uma cartola revestida com material semelhante e plumas amarelas, estava um senhor de 66 anos, gordo, uma cabeleira crespa e grisalha, que andava em falta com o barbeiro, usando grossos óculos de grau numa armação de aros de acrílico preto. Ele distribuía beijos e sorrisos para o povo, que, nas calçadas, não parava de saudá-lo. Era o soberano maior de toda aquela alegria, o Abelardo Barbosa da canção que a bandinha tocava, o Chacrinha. 



A caravana parou na avenida Lineu de Paula Machado nº 1.006, endereço do Teatro Fênix. Ali se realizaria a grande celebração do retorno, depois de dez longos anos, daquele que era chamado de o “papa da comunicação brasileira” à Rede Globo de Televisão. A emissora, tal qual um pai que casa a única filha, não economizou para que fosse oferecido absolutamente tudo do bom e do melhor para a realização da festa, que tinha cada segundo transmitido em tempo real para todo o Brasil. 

Abelardo desceu do bugre escoltado por seu séquito, sendo conduzido até o interior do teatro. Enquanto isso, lá dentro, o espetáculo já estava montado, aguardando a chegada do astro maior. Havia à disposição do programa cinco câmeras, quatro fixas e uma portátil, uma equipe de trinta pessoas, que abrangia produtores, contrarregras e maquinistas. O cenário criado por Mauro Monteiro era composto por balões de diálogo, como aqueles de histórias em quadrinhos, iluminados por neon em várias cores. No meio do palco havia dois túneis, o da esquerda, por onde, vindos de seus camarins, passariam os convidados, e o da direita, exclusivo de Chacrinha. 

Vestindo seus sensuais maiôs, as chacretes – dançarinas e assistentes de palco que, de tão citadas no cotidiano dos brasileiros, tornaram-se verbete de dicionário – dançavam ao som do tema do programa. Fátima Boa Viagem, Dalva Garça Dourada, Gracinha Copacabana, Rita Cadillac e Áurea Figueiredo eram algumas dessas bailarinas que aqueciam o auditório para o grande momento que se aproximava. 

Contudo, apesar do sorriso que poderia iluminar todo o bairro do Jardim Botânico e ainda ser percebido na Gávea, no Leblon, na Lagoa e no Humaitá, o homenageado estava que era uma tensão só. Nos minutos que antecediam sua entrada no palco, Abelardo Chacrinha Barbosa era como uma criança a caminho do posto de vacinação. Um pouco antes, o Jornal Hoje exibira uma entrevista na qual o apresentador revelava esse nervosismo, que, mesmo após décadas comandando auditórios lotados, teimava em não o abandonar: 

— Qualquer programa que começa eu fico nervoso, porque, muito particularmente, eu já fui a todos os médicos, eu sofro de uma cólica emocional. 

Cólica não passava de um eufemismo, pois, na realidade, do que a barriga do comunicador sofria mesmo era um verdadeiro maremoto intestinal, que a fazia se revirar sem trégua. Com medo de sofrer um desarranjo e acabar passando vergonha enquanto apresentava o programa, ele tomava sempre dois comprimidos de Imosec, remédio que combate a diarreia. Como complemento, por baixo da calça de lamê dourado que compunha o figurino criado por Marlene Morbeck, ele ainda vestia três cuecas, uma invencionice que há um bom tempo havia adotado, como último recurso caso o medicamento não surtisse o efeito esperado. 

Certa vez, o jornalista Sérgio Porto escreveu em sua coluna no jornal Última Hora que Chacrinha era “vítima de um dos sistemas nervosos mais atuantes que Deus já instalou na anatomia de uma criatura”. Era uma descrição perfeita. Aqueles que trabalhavam com Abelardo Barbosa conheciam como ninguém esse nervosismo, que se tornava ainda mais forte nos momentos que antecediam o início de seus programas. Fora a dor de barriga, ele reclamava da equipe, achava que ninguém apareceria no auditório, temia ficar sem voz e era assombrado pelo mais terrível dos seus medos: perder pontos na audiência. Durante seus desabafos, desfilava um enorme repertório de palavrões, cada um mais cabeludo que o outro: 

— Puta que pariu! Equipe de merda essa que eu tenho! Tá tudo errado, caralho! 

Durante essas sessões de esporros no atacado e no varejo, era muito difícil acreditar que aquele homem de boca suja fora coroinha na infância e nunca deixara de frequentar a missa aos domingos, sendo devoto de São Paulo, São Judas Tadeu e São Jorge. Nos momentos de calma, ele justificava esses arroubos dizendo: 

— Tenho o direito de ficar nervoso. Afinal, o homem é um animal histórico e histérico. 

Naquela tarde de estreia, o pânico de Chacrinha estava multiplicado à quinta potência. Era sua volta à emissora na qual fora líder de audiência. Nos seus tempos de Rede Globo, deixara definitivamente de ser visto apenas como um animador de auditório que fazia maluquices diante das câmeras e apresentava cantores de grande apelo popular, para os quais a crítica especializada torcia o nariz. Com a Hora da Buzina e a Discoteca do Chacrinha, que apresentou na emissora do Jardim Botânico a partir de 1967, foi notado pelos intelectuais, que passaram a considerá-lo um fenômeno da comunicação de massa. Dizendo frases simples como “quem não se comunica se trumbica”, era muito melhor compreendido do que longos tratados sociológicos. Sua bagunça televisiva foi abraçada pelo Tropicalismo, que o tinha como fonte de inspiração. Virou até personagem de canção do cantor e compositor Gilberto Gil, um dos cabeças do movimento musical. 

Entretanto, em 1972, Chacrinha deixou a emissora. E da pior maneira possível – aborrecido. Nesse longo período de afastamento, ele rodou por todas as emissoras existentes. Obteve sucesso, flertou com o fracasso, viveu uma tragédia e foi até preso pela irascível ditadura que governava o país. Mas, de repente, quando menos se esperava, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, vice-presidente de operações da Rede Globo, com quem havia ficado estremecido durante a sua saída, o chamou para conversar. Como resultado, foi novamente contratado pela emissora. Seria o dono das tardes de sábado, apresentando durante duas horas o Cassino do Chacrinha. Sendo assim, esse pavor multiplicado era mais do que justificável. Toda a sua vida dependeria do sucesso daquilo que estava prestes a fazer. Exagero? Não para Abelardo Barbosa, um homem para quem o trabalho era como o ar para seu único pulmão. 

Um pouco antes das 16h, Chacrinha deixou o camarim e se dirigiu para o palco. Ele entrou no túnel de paredes vermelhas que o levaria direto ao palco. Ia caminhando num passo cadenciado e, com sua voz esganiçada, que lembrava o som de uma porta com a dobradiça enferrujada, gritava: 

— Alô, ê! Alô, ê! 

A cada passo, a claridade aumentava. Um cinegrafista o seguia, revelando para milhões de espectadores sintonizados naquele momento na Rede Globo uma pequena visão do palco em meio a uma nuvem de fumaça vermelha. Misturada ao tema do programa, executado pelo sonoplasta My Boy, ouvia-se a alegre zoada do auditório, ansioso pela chegada do dono da festa. 

Com os braços abertos, Chacrinha surgiu saudando a todos e sendo ovacionado. A barriga, num milagre que sempre se repetia no momento em que pisava no palco, parou de doer. Sob a luz dos refletores, os fantasmas que o assombravam desapareciam, e, como dizia uma das canções de seus programas, era “hora da alegria”. Mas tudo estava apenas começando. Aquele que era chamado de Velho Guerreiro ainda tinha uma longa batalha pela frente. Até as 18h, a roleta do Cassino do Chacrinha ainda tinha muito o que girar até ele saber se seria ou não vencedor. 

9788577345106_chacrinha_a_biografia-7

 

 



 

9788577345106_chacrinha_a_biografia-8

 

Em Pernambuco, no município de Bom Jardim, ainda no reinado de Dom Pedro II, o fazendeiro Lourenço Ramos da Costa construiu em 1864 um oratório dedicado a São José. Ali, aos domingos, o padre português Antônio Alves da Silva celebrava as missas. Com o passar do tempo, foram surgindo casas ao redor, dando lugar a uma capela, em 1870. Em 6 de junho de 1881 a lei provincial nº 1565 criou a freguesia de São José de Surubim. O nome da cidade veio do santo para o qual Lourenço Ramos levantou o oratório e de um malogrado boi do rebanho do fazendeiro, chamado Surubim, que acabou devorado por uma onça. 



Surubim foi crescendo na medida do possível. De vez em quando aparecia no noticiário policial dos jornais da capital. Noticiaram, por exemplo, uma discussão por posse de terras que terminou com uma das partes esfaqueando a outra; o ataque, em julho de 1912, foi comandado pelo terrível cangaceiro Antônio Silvino, que obrigou os moradores do povoado a lhe entregar dinheiro e objetos de valor. 

Alegria era na festa de Nossa Senhora das Dores, que começava pela manhã com a missa solene, com toda a cidade comungando, procissão, ladainha e bênção do Santíssimo Sacramento. Quem visitava a cidade ficava impressionado com o cortejo, que percorria todas as ruas, exibindo os andores de São José, o padroeiro, e o da Mater Dolorosa. À noite, havia queima de fogos e apresentação da banda de música União Surubinense no coreto da praça, enquanto casais passeavam e visitavam as barraquinhas onde eram vendidos doces, salgados e cerveja. 

Na cidadezinha também havia romances, um deles entre jovens de classes sociais diferentes. Pobre de pai, mãe e parteira, Antônio do Rego Medeiros acabou se apaixonando por Aurélia Barbosa, filha de uma família de posses. Medeiros e Barbosa não tinham como tornarem-se amigos de infância. Em quase qualquer lugar do mundo, pobres e ricos eram como água e óleo; em Surubim não haveria de ser diferente. Porém, mesmo com uma barreira social do tamanho das muralhas de Jericó, Antônio teve sua paixão por Aurélia correspondida e acabou levando a moça ao altar. Mas, sem dispor de um níquel que fosse para comprar roupa para a cerimônia, a família do noivo não deu o ar da graça na igreja. Foi uma festa apenas para os Barbosa. 

Como era de se esperar, a vida do casal não encontrou facilidades. Antônio trabalhava como mascate, vendendo material de armarinho de porta em porta para as senhoras surubinenses: linhas, agulhas, alfinetes, veludos, colchetes e fitas de seda. Dias difíceis para Aurélia, cujo tempo de conforto que vivera na casa dos pais tornara-se apenas uma lembrança enevoada. Mas ao menos uma alegria os dois tinham que ter. E tiveram, a maior delas: o nascimento do primeiro filho do casal, às 17h do dia 30 de setembro de 1917. Um parto em casa, que deu bastante trabalho ao médico e exigiu muito de Aurélia, cuja vizinhança chegou até a pensar que ela própria não resistiria. Mas resistiu, e deu à luz um menino, batizado José Abelardo Barbosa de Medeiros. 

Como a vida em Surubim não dava sinal de que iria melhorar, Antônio Medeiros decidiu tentar a sorte em outra cidade. Pegou Aurélia e o pequeno Abelardo e partiu rumo a Caruaru. Com seis meses de vida, dentro de um cesto de palha amarrado no costado de um jegue, o menino enfrentou com os pais, que iam a pé, os oitenta quilômetros que levavam à aparente terra prometida. 

Chegando à cidade depois da exaustiva viagem, a família Medeiros terminou indo morar numa casa humilde, mas com um enorme quintal onde o pequeno Abelardo passava os dias brincando. Cresceu subindo nas árvores e correndo de um lado para o outro. 

Após uma boa dose de sacrifício, Antônio Medeiros conseguiu juntar dinheiro e comprou um pequeno caminhão. Quando chegou à rua onde morava com a novidade, o rapaz foi saudado pela vizinhança como um herói nacional, o retrato de um vencedor. Era o primeiro morador proprietário de um veículo motorizado. 

Quando viu o caminhão do pai, Abelardo pediu para dar uma volta. Feliz da vida com a compra que, tinha certeza, iria mudar a vida da família, Antônio atendeu ao pedido do garoto sem pestanejar. Na cabine do veículo pintada de verde, na alegria dos seus 4 anos, o pequeno Abelardo ia apertando uma buzina dourada enquanto andava com o pai pelas ruas da cidade. Ele acabou virando ajudante de Antônio Medeiros, que em Caruaru, assim como em feiras e vilas próximas, continuava vendendo seus artigos de armarinho e agora, também, água. Para chamar a atenção da clientela, Abelardo ia apertando a buzina dourada, enquanto, numa algazarra só, a molecada corria atrás do caminhão. 

Mas a vida de mascate em Caruaru ficou estagnada, e Antônio Medeiros decidiu que a solução era novamente tentar a vida em outra cidade. Após cinco anos, a família pegou a estrada mais uma vez. Mas agora, ao menos, era de caminhão, nada de jegue. Foram para Campina Grande, Paraíba, onde havia muitas plantações de algodão, que era vendido para as regiões Sudeste e Sul, e também para fora do país. 

Em Campina Grande, o algodão ainda era transportado em lombo de burro. Era uma oportunidade e tanto para Antônio Medeiros, que, por ter seu caminhãozinho verde, conseguiu ser contratado para transportar a mercadoria até as cidades onde havia estações de trem. Embarcado nos vagões, o algodão seguia para o porto e depois zarpava em navios. 

Quando o pai de Aurélia faleceu, deixou para ela uma herança que possibilitou a compra de um sítio, onde os Medeiros foram morar. A família, então, era um tantinho maior, com a chegada dos filhos Gerson, Gercy e Maria do Socorro. 

Alfabetizado na cidade, Abelardo se preparava para cursar o ginásio. Estudava quando podia, pois sua prioridade era trabalhar para ajudar dentro de casa. Enquanto seus amigos se divertiam na pracinha, o garoto fazia caldo de cana e o vendia na feira. Por conta dessa precoce vida de trabalhador, acabou reprovado no exame de admissão. 

Mas a vida dos Medeiros começou a melhorar. A venda do caldo de cana e dos legumes plantados no quintal da feira rendia um dinheiro razoável a Aurélia. Além disso, o transporte de algodão fez com que Antônio conseguisse comprar dez caminhões. Abelardo aproveitava a borracha das câmaras velhas dos pneus da frota do pai para fabricar baladeiras – com seu espírito de pequeno comerciante, pegava esses estilingues e vendia na feira para a molecada caçadora de passarinhos. 

Aos 10 anos, Abelardo debutou num palquinho que havia na cidade, participando de uma peça infantil no pequeno teatro. Também trabalhou como divulgador, bilheteiro, diretor, locutor e ator principal. Contou histórias, fez piadas e conseguiu arrancar risos e aplausos do público. Um prodígio. 

Enquanto o filho revelava seu talento nas artes cênicas, Antônio continuava perseguindo uma vida melhor para a família. Para isso, decidiu mudar novamente de atividade. Vendeu seus caminhões e investiu o dinheiro em seu próprio estabelecimento comercial. Inaugurou a loja Nova Aurora, que vendia tecidos, sapatos, chapéus e seu velho conhecido material de armarinho. 

Abelardo ajudava em tudo o que podia na loja: trabalhava no balcão, fazia faxina, controlava o estoque e até zelava pela decoração da vitrine. Usando objetos de papelaria, criou enfeites que chamavam a atenção de quem passava pela rua e acabavam levando mais pessoas a entrar para conhecer melhor a Nova Aurora. 

Quando completou 15 anos, o primogênito dos Medeiros foi para o Recife fazer o ginásio como interno do Colégio Marista. Nas horas vagas, continuava com a sua vida de garoto laborioso, trabalhando como ajudante numa loja de tecidos que lembrava a Nova Aurora. No entanto, os dias de prosperidade da família Medeiros duraram pouco. Antônio se atrapalhou com os negócios e acabou falindo. Já acostumado com a vida no Recife, Abelardo foi pego de surpresa pela notícia. Interrompeu os estudos no terceiro ano ginasial e voltou para Campina Grande, onde arranjou emprego numa loja grande chamada Florentina. Pau pra toda obra, trabalhou de vendedor a faxineiro, funções com as quais já tinha intimidade de sobra. Nenhum serviço era indigno para o rapaz movido pela vontade de não deixar a família passar necessidade. 

Antônio Medeiros já não era mais o jovem apaixonado que Aurélia conhecera em Surubim. Com o fracasso nos negócios, ele se afastara da família e se tornara mulherengo. Do Antônio do passado, só o que permaneceu foi a pobreza. Cansada dessa vida em comum sem perspectivas, Aurélia decidiu terminar sua história com o marido. Pegou os filhos e foi embora. 

O problema era que, por pior que fosse um casamento, uma mulher separada nunca era bem-vista. Aos olhos da sociedade, ela deveria permanecer casada até que um dos dois morresse. Se fosse o marido, a mulher deveria cumprir o seu papel de mãe e viúva séria, esquecendo a ideia de um segundo matrimônio. Sendo assim, não era de estranhar que Aurélia não encontrasse apoio em sua decisão. A oposição já começava dentro de casa, com Abelardo e os demais filhos voltando-se contra ela, por temerem ser apontados na rua pela vizinhança. Aurélia também viu suas duas irmãs afastarem-se dela, obrigadas pelos maridos, que não as queriam envolvidas com um mau exemplo. Até a família de Antônio, que nem no seu casamento foi, também surgiu para dar opinião, considerando o desquite um absurdo. 

Pela lei, desquitados não podiam se casar novamente, mas essa era a última das preocupações da mãe de Abelardo, que desejava apenas criar seus filhos em paz. Em busca de melhores oportunidades e de se ver livre do falatório de gente linguaruda, Aurélia deixou Campina Grande para trás, mudando-se para o Recife com Abelardo, Gerson, Gercy, Maria do Socorro e o caçula, Jarbas. Na capital pernambucana, montou uma pensão para estudantes e comerciários na casa onde moravam, na rua União. A fim de que sobrasse mais um quarto para alugar, e entrasse um dinheirinho a mais na renda da família, Abelardo transformou a garagem da pensão em seus aposentos. Acabou fazendo amizade com os outros rapazes da rua onde morava. Gostava de ficar na esquina à noite, sentado no meio-fio, conversando. Gostava de contar histórias engraçadas que acabavam arrancando risos dos amigos. 

Desde 1906, o alistamento militar era obrigatório a todo brasileiro que completasse 18 anos. Contudo, quando Abelardo chegou a essa idade, não se mostrou muito animado em cumprir com tal obrigação. Para se livrar do quartel, alterou a data de nascimento na carteira de identidade, ficando um ano mais velho. Mas era um plano ingênuo demais para dar certo. Ele foi descoberto e, para evitar a cadeia, acabou ingressando no Batalhão de Tiro de Guerra. 

Cumprido o serviço militar, o rapaz voltou à vida de civil com sede de divertimento. Apesar da vida humilde que levava, com seu jeito comunicativo e sua facilidade em fazer amizades Abelardo encontrou um jeito de frequentar as festas da alta sociedade recifense. Essa experiência, inclusive, o levou a descrever as cenas que presenciava nessas reuniões sociais e artísticas – ou, como dizia, o “disse me disse dos camarins” – em uma coluna num jornal que ele próprio criou: O Repórter. Mas essa experiência inicial como jornalista teve breve duração, foram apenas quatro edições. 

Buscando coisa mais certa na vida, o rapaz enxergou na Medicina o melhor caminho. Começou a se preparar para prestar o vestibular, mas precisava evitar qualquer desvio na sua concentração durante as horas de estudo. Não podia correr o risco de ter algum amigo batendo à sua janela, convidando-o para a farra. Arranjou uma maneira de resistir às tentações. Vestindo apenas uma cueca, foi até sua mãe e lhe entregou a camisa e a calça, pedindo que ela escondesse essas peças de roupa juntamente com todas as outras. Por nada no mundo ela deveria lhe dar uma peça de roupa que fosse. Dona Aurélia quis saber o sentido daquela doidice do filho, e ele explicou: 



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   21


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal