Colesterol hdl



Baixar 54.2 Kb.
Encontro29.04.2018
Tamanho54.2 Kb.

Inserir o nome do Laboratório

Procedimento Operacional Padrão

COLESTEROL HDL

Página de 4

POPBIO xxx/xx



COLESTEROL HDL



INDICAÇÃO MÉDICA DO EXAME

A determinação do colesterol ligado às lipoproteínas é útil na investigação das dislipidemias e faz parte da avaliação do risco de doença coronariana isquêmica.


PRINCÍPIO

As lipoproteínas de muita baixa densidade (VLDL) e as lipoproteínas de baixa densidade (LDL) são quantitativamente precipitadas e, após centrifugação, o colesterol ligado às lipoproteínas de alta densidade (Colesterol HDL) é determinado no sobrenadante.



AMOSTRA


Preparo do paciente

O paciente deve estar com peso e dieta estáveis por três semanas e em jejum de 12 a 14 horas (O jejum não é imprescindível para a dosagem de colesterol total, mas o é para a determinação dos triglicérides e frações do colesterol). A abstinência alcoólica é desejável nas 72 horas que antecedem o teste. Evitar garroteamento por período superior a 2 minutos e colher após repouso de 5 minutos.


Tipos de amostra


Usar soro.

Armazenamento e estabilidade da amostra

O analito é estável por 3 dias entre 2 – 8 ºC.


Volume mínimo


(Definir o volume mínimo a ser encaminhado para análise)

Volume ideal


(Definir o volume ideal a ser encaminhado para análise)

Critérios para rejeição da amostra


Presença de hemólise intensa.

Fazer referência ao manual ou POP de colheita, separação e distribuição de material.
PRODUTO UTILIZADO

Colesterol HDL, Ref. 13-50 ANVISA - 10009010026

Labtest Diagnóstica

Av. Paulo Ferreira da Costa, 600

Lagoa Santa, MG, 33400-000
Precipitante: Armazenar entre 2 – 8 ºC.

Contém ácido fosfotúngstico 1,5 mmol/L e cloreto de magnésio 54 mmol/L.



Padrão - 20 mg/dL: Armazenar entre 2 – 8 ºC. Armazenar bem vedado para evitar evaporação.
Precauções e cuidados especiais

  1. Os cuidados habituais de segurança devem ser aplicados na manipulação do reagente. Fazer referência ao manual ou POP de segurança.

  2. Os reagentes não abertos, quando armazenados nas condições indicadas são estáveis até a data de expiração impressa no rótulo. Durante o manuseio, os reagentes estão sujeitos à contaminação de natureza química e microbiana que podem provocar redução da estabilidade. O laboratório deve estabelecer a estabilidade em suas condições operacionais.


EQUIPAMENTOS

Procedimento manual


  1. Fotômetro capaz de medir com exatidão a absorbância em 500 nm ou filtro verde (490 a 540 nm).

  2. Banho-maria mantido à temperatura constante (37 ºC).

  3. Pipetas para medir amostras e reagentes.

  4. Cronômetro.

Procedimento automatizado


Indicar o nome, modelo e o local onde se encontra o equipamento analítico; fazer referência ao manual ou POP para utilização do mesmo.

Procedimento alternativo


Indicar o equipamento alternativo e os procedimentos para medição dos ensaios. Enumerar as diferenças esperadas quando procedimentos manuais substituem procedimentos automatizados.
CONTROLE DA QUALIDADE

Materiais


Identificar os materiais para controle interno e externo da qualidade (fabricante, número de catálogo), instruções de preparo e frequência da utilização dos mesmos.

Limites de tolerância

Descrever o procedimento para definição dos limites de tolerância, o sistema adotado para utilização do mapa de Levey-Jennings e das regras de controle e as providências a serem tomadas diante de valores que ultrapassem tais limites. Fazer referência ao manual ou POP para utilização dos materiais de controle.

Verificação de novo lote de controles e/ou reagentes

Descrever o procedimento de verificação de novos lotes de controles e de reagentes.

Gerenciamento dos dados


Definir como os dados relativos ao controle da qualidade são arquivados e gerenciados.

Fazer referência ao manual ou POP de garantia da qualidade.
PROCEDIMENTO

Procedimento manual - Precipitação das VLDL e LDL


  1. Em um tubo 12 x 75 colocar:

Soro 0,25 mL

Precipitante 0,25 mL



  1. Agitar vigorosamente durante 30 segundos. A agitação sugerida é fundamental para obtenção de resultados consistentes.

  2. Centrifugar a 3.500 rpm por pelo menos 15 minutos para obter um sobrenadante límpido.

  3. Pipetar o sobrenadante límpido imediatamente após a centrifugação, tomando o cuidado para não ressuspender o precipitado, a fim de evitar resultados falsamente elevados.



Procedimento manual - Dosagem do colesterol HDL


Utilizar com o Reagente 1 - Colesterol Liquiform Labtest Cat. 76.

  1. Tomar 3 tubos de ensaio e proceder como a seguir:







Branco

Teste

Padrão

Sobrenadante

-----

0,1 mL

-----

Padrão (nº 2)

-----

-----

0,1 mL

Reagente 1

1,0 mL

1,0 mL

1,0 mL




  1. Misturar e colocar no banho-maria a 37 ºC durante 10 minutos. O nível da água no banho deve ser superior ao nível do reagente nos tubos de ensaio.

  2. Determinar as absorbâncias do teste e padrão em 500 nm ou filtro verde (490 a 540 nm) acertando o zero com o branco. A cor é estável por 60 minutos.
Procedimento automatizado

Fazer referência ao manual ou POP para utilização do equipamento analítico. Anexar o guia de aplicação dos reagentes para o sistema automático.

Precauções e cuidados especiais

  1. Para manusear e descartar reagentes e material biológico, aplicar as normas estabelecidas de segurança. Fazer referência ao manual ou POP de segurança.
  2. A limpeza e secagem adequadas do material são fatores fundamentais para a estabilidade dos reagentes e obtenção de resultados corretos. Fazer referência ao manual ou POP de limpeza e verificação da qualidade da limpeza dos materiais.


  3. A água utilizada no laboratório deve ter a qualidade adequada a cada aplicação. Assim, para preparar reagentes e usar nas medições, deve ter resistividade 1 megaohm ou condutividade 1 microsiemens e concentração de silicatos 0,1 mg/L (água tipo II). Para o enxágüe da vidraria a água pode ser do tipo III, com resistividade 0,1 megaohms ou condutividade 10 microsiemens. No enxágüe final utilizar água tipo II. Quando a coluna deionizadora está com sua capacidade saturada ocorre a produção de água alcalina com liberação de vários íons, silicatos e substâncias com grande poder de oxidação ou redução que deterioram os reagentes em poucos dias ou mesmo horas, alterando os resultados de modo imprevisível. Assim, é fundamental estabelecer um programa de controle da qualidade da água. Fazer referência ao manual ou POP de água reagente.

  4. Manter sempre a relação Amostra/Precipitante igual a 1:1.

  5. Após a centrifugação, remover o sobrenadante límpido dentro de 15 minutos, para evitar resultados falsamente elevados.


CÁLCULOS

Devido a diluição 1:2 aplicada às amostras durante o procedimento de precipitação das VLDL e LDL, o valor do Padrão para cálculo dos resultados deve ser corrigido para 40 mg/dL.


Absorbância do teste

HDL mg/dL = x 40

Absorbância do padrão

g

/dl = g/dl

Devido a grande reprodutibilidade que pode ser obtida com a metodologia, o método do fator pode ser empregado.

40

Fator de calibração =



Absorbância do padrão
Cálculo da concentração do Colesterol VLDL e LDL

A concentração do Colesterol VLDL e LDL pode ser calculada utilizando a equação de Friedewald, que é exata para amostras cujas concentrações de triglicérides não ultrapassem 400 mg/dL e não pertençam a pacientes portadores de lipoproteinemia do Tipo III.

Equação de Friedewald:

Colesterol VLDL = Triglicérides / 5

Colesterol LDL = Colesterol Total - (HDL + VLDL)

RESULTADOS

Unidade de medida


mg/dL

Conversão de mg/dL para Unidade SI: mmol/L = mg/dL x 0,026


Valores desejáveis ou recomendados


Estes valores devem ser usados apenas como orientação. Eles substituem os valores de referência e são determinados a partir de dados epidemiológicos, calculados estatisticamente, que relacionam os níveis do Colesterol com a prevalência de doença coronariana isquêmica (DCI).


mg/dL

Desejável

Risco moderado

Alto risco

Colesterol LDL

 130

130 – 159

 160

Colesterol total

 200

200 – 239

 240

Colesterol HDL (m)

 55

35 - 55

 35

Colesterol HDL (f)

 65

45 - 65

< 45

LIMITAÇÕES DO PROCEDIMENTO
Linearidade

1- A reação é linear até 200 mg/dL. Quando for obtido um valor igual ou maior que 200 mg/dL, diluir a amostra 1:2 com NaCl 150 mmol/L (0,85%), realizar nova medição e multiplicar o resultado obtido pela diluição. Indicar o procedimento de diluição utilizado no laboratório.
Interferências

1- Amostras lipêmicas e ocasionalmente amostras não lipêmicas podem apresentar o sobrenadante turvo. Neste caso diluir a amostra 1:2 com NaCI 150 mmol/L e repetir a precipitação. Multiplicar o resultado final por 2. Caso o sobrenadante permaneça ainda turvo a amostra não pode ser utilizada para determinar o colesterol HDL.

2- Algumas amostras, principalmente lipêmicas, podem apresentar o sobrenadante límpido com um precipitado na sua superfície que não deve ser pipetado, para evitar resultados falsamente elevados.

3- Valores de Bilirrubina acima de 5 mg/dL produzem resultados falsamente diminuídos.

4- Tem sido relatado aumento nos níveis de colesterol HDL com o uso de estrógenos e pílulas contraceptivas. Tiazídicos e bloqueadores beta-adrenérgicos não seletivos podem reduzir o colesterol HDL.

5- Para uma revisão das fontes fisiopatológicas e medicamentosas de interferência nos resultados e na metodologia, sugere-se consultar Clin Chem 1975;21:1D-432D.
SIGNIFICADO CLÍNICO

O colesterol circulante nos seres humanos encontra-se distribuído entre as três maiores classes de lipoproteínas: as Lipoproteínas de Baixa Densidade (LDL) as Lipoproteínas de Densidade Muito Baixa (VLDL), e as Lipoproteínas de Alta Densidade (HDL). Quantidades menores de colesterol estão presentes nas Lipoproteínas de Densidade Intermediária (IDL) e na Lipoproteína-a (Lp-a).

A determinação da concentração sérica do Colesterol da Lipoproteína de Alta Densidade (HDL-C) constitui parte integrante da avaliação laboratorial do metabolismo lipídico e tem sido utilizada para estimar o risco de desenvolvimento de Doença Arterial Coronariana (DAC).

Encontra-se bem estabelecida a relação inversa entre a concentração do HDL-C e DAC. O estudo clássico de Framingham, conduzido entre 1969 e 1971, apontou evidências de uma forte associação negativa entre os níveis do HDL-C e a incidência de DAC em homens e mulheres (com idade superior a 50 anos). Os resultados de diversos estudos clínicos e epidemiológicos têm demonstrado que o aumento de 1 mg/dL na concentração do HDL-C reduz em 2 a 3% o risco de desenvolvimento de DAC.



As concentrações do Colesterol Total e do Colesterol HDL dependem de metabolismos distintos e não se deve fazer qualquer tentativa de buscar correlação entre seus níveis de concentração.
REFERÊNCIAS

  1. Friedewald WT, Levy RI, Fredrickson DS. Estimation of the concentration of the low-density lipoprotein cholesterol in plasma without use of the preparative ultracentrifuge. Clin Chem 1972; 18: 499-502.

  2. Inmetro – Boas Práticas de Laboratório Clínico e Listas de Verificação para Avaliação, Qualitymark ed., Rio de Janeiro, 1997.

  3. Tonks DB. Quality Control in Clinical Laboratories, Warner-Chilcott Laboratories, Diagnostic Reagents Division, Scarborough, Canada, 1972.

  4. 2o Congresso Brasileiro sobre Dislipidemias. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Brás Cardiol 1996:67:1-16.

  5. Virella MFL, Stone P, Ellis S, Colwell G. Clin Chem 1977; 23:882-884.

  6. Warnick RG, Naguyent T, Albers AA. Clin Chem 1985; 2:217-222.

  7. Warnick RJ. Handbook of lipoprotein testing. Washington:AACC Press, 1997.

  8. Warnick RG, Wood PD. Clin Chem 1995; 41:1427-33.

  9. Westgard JO, Barry PL, Hunt MR. Clin Chem 1981; 27: 493-501.

  10. Colesterol HDL, Instruções de Uso, Labtest Diagnóstica.







Nome

Assinatura

Data

Elaborado por:







___/___/___

Aprovado por:







___/___/___

Implantado por:







___/___/___

Substitui POP:




Revisado por:







___/___/___

Revisado por:







___/___/___

Revisado por:







___/___/___

Desativado por:







___/___/___

Razão:







Número

Destino

Cópias









Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal