Comunicação e Cultura do Ouvir



Baixar 78.96 Kb.
Encontro15.05.2018
Tamanho78.96 Kb.

Comunicação e Cultura do Ouvir1

José Eugenio de O. Menezes2


Aprender a compreender os processos de comunicação na contemporaneidade é um desafio que supõe dinâmicas de investigação, busca de raízes, espaços de vinculação, bem como tempos para ouvir ou orquestrar experiências, objetos de pesquisa e perspectivas emergentes. A vinculação de pessoas e objetos de estudo, como veremos em seguida, possibilita a progressiva articulação dos Grupos de Pesquisa ao redor de algumas opções do tecido de práticas e perspectivas teóricas em Comunicação.
O crescimento do número de pesquisadores do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero3 interessados em compreender a importância do ouvir e dos meios sonoros no contexto das mudanças culturais presentes nas práticas de Comunicação na Contemporaneidade, permitiu a articulação do Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura do Ouvir.
A denominação do grupo, sua ementa e palavras-chave são passíveis de ajustes que ocorrerão no desenvolvimento das pesquisas em andamento.
Ementa: A comunicação como sistema de vinculação social que possibilita a organização da cultura como macro-sistema comunicativo. Os meios sonoros, tradicionais ou em rede, como ambientes de vinculação e participação. A cultura do ouvir, a construção de paisagens sonoras e as narrativas da contemporaneidade. Dimensões simbólicas, informativas e lúdicas dos produtos mediáticos. As narrativas jornalísticas. Palavras-chave: comunicação, cultura do ouvir, meios sonoros, teoria da comunicação, escalada da abstração, narrativa e jornalismo.


Comunicação e Cultura

Os laços entre campos que historicamente se aproximam e se interpenetram, como num movimento de contínua retroalimentação, demarcam o que chamamos de Cultura e o que denominamos Comunicação. Na medida em que estudamos objetos concretos como, por exemplo, o meio rádio por ondas eletromagnéticas ou redes digitais, observamos a importância da teia de vínculos na qual estamos envolvidos quando falamos de processos comunicativos. Conforme observamos em Rádio e Cidade: Vínculos Sonoros, o rádio tem a capacidade de vincular os corpos e, em conjunto com outros meios, possibilitar a sincronização da vida em sociedade (Menezes, 2007: 19). As experiências de vinculação presentes na comunicação face a face4, na comunicação onde um dos atores utiliza equipamentos de amplificação do corpo, como nos meios impressos, e na comunicação mediada5 por equipamentos eletrônicos utilizados pelos protagonistas envolvidos, mostram que Comunicação e Cultura são termos que indicam posturas de compreensão do mesmo fato que permite a vida em sociedades: os processos de vinculação.


Assim, ao pensarmos a comunicação como sistema de vinculação social que possibilita a organização da cultura como macro-sistema comunicativo, colocamos em diálogo diferentes investigações sobre os meios. Com a leitura dos trabalhos de Harry Pross, jornalista e radialista, e Dietmar Kamper (1936-2001), pesquisador de antropologia histórica e sociologia do corpo, ambos ex-professores da Universidade Livre de Berlim, aprendemos que no momento em que as tecnologias de imagens e sons tudo querem mostrar e esclarecer, obrigando os corpos a se adequarem aos ritmos das máquinas, compreendemos que toda pesquisa sobre comunicação começa com o estudo dos corpos em vinculação. O corpo, com todos os seus sentidos, permite a apropriação do espaço e do tempo de vida pessoal, o compartilhamento do espaço e do tempo com os outros e, na medida em que crescem os vínculos materiais ou simbólicos, na medida em que se complexifica a comunicação, a apropriação do espaço e do tempo de vida dos outros (Baitello, 2005:69 e Menezes, 2006:74).
Pelo fato de toda comunicação implicar vinculação entre corpos, face a face ou mediada por redes de equipamentos, consideramos, com Harry Pross, que toda comunicação sempre começa e retorna aos corpos (Pross apud Baitello, 2005: 71). Como compreendemos que, no entrelaçamento de comunicação e cultura, os corpos estão antes e depois dos equipamentos, interessam-nos: a instância corpo como fundante de todos processos de vinculação, a complementaridade entre os meios e a referência de todos os meios ao corpo.
Como já analisamos no texto As formas de percepção e as mudanças culturais (Menezes, 1999), em 1936, quando escreveu o texto A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica, Walter Benjamin, já observava que “o tipo e o modo de organização da percepção sensorial humana – o meio em que ela se dá – é determinado não apenas natural, mas também historicamente” (Benjamin, 1994). Na mesma linha, algumas décadas depois, também Marshall McLuhan analisou, em Understanding Media (1964), as mudanças culturais que ocorrem na medida em que se transformam os meios, por ele considerados extensões do homem. Nesta perspectiva de investigação, nas últimas décadas do século XX, encontramos os trabalhos do filósofo tcheco Vilém Flusser (1920-1991) que propôs o conceito de escalada da abstração para explicar a história dos meios de comunicação.
Flusser mapeou o crescimento da abstração na medida em que experimentamos a comunicação tridimensional (com o corpo), a comunicação bidimensional (as imagens), a comunicação unidimensional (o traço e a linha da escrita) e a comunicação nulodimensional (o número, os algoritmos das imagens técnicas) (Menezes, 2005: 9). Ao descrever este cenário das transformações que experimentamos, não pretendeu catalogar todos os processos comunicativos, mas indicar o que ganhamos e o que perdemos no trânsito entre os diferentes processos. Vivendo nos entremeios da comunicação tridimensional, bidimensional, unidimensional e nulodimensional, observamos que não se trata apenas de denunciarmos os riscos de incomunicação presentes nas mediações eletrônicas, mas observarmos que comunicação e incomunicação estão presentes tanto na comunicação direta entre os corpos como na comunicação mediada por aparatos. Não se trata de sonharmos com uma volta a uma comunicação predominantemente tridimensional, mas de transitarmos entre processos de vinculação ora mais próximos do corpo e ora mais próximos das mediações nulodimensionais (Menezes, 2006: 74).
Entre as ciências da cultura que podem subsidiar nossa reflexão, destacamos as propostas do tcheco Ivan Bystrina e as perspectivas do chamado Colégio Invisível ou Escola de Palo Alto. Com Bystrina (1995) aprendemos a distinguir e relacionar o mundo da natureza ou “primeira realidade” e o mundo dos símbolos, que ele denomina “segunda realidade”. O homem não vive apenas num mundo biológico ou no mundo das interações sociais proporcionadas pela linguagem, mas especialmente num universo simbólico permeado de crenças, narrativas, histórias, religiões, ciências e artes. Vive em um universo de textos imaginativos que ultrapassam a mera finalidade de preservar a sobrevivência material e se propõem a superar o medo existencial. Essa perspectiva simbólica pode ajudar na compreensão dos objetos dos pesquisadores do Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura do Ouvir.
Os pesquisadores americanos que deram origem ao chamado Colégio Invisível ou Escola de Palo Alto, destacaram que cada indivíduo participa da comunicação, mais do que é sua origem ou ponto de chegada. Questionaram o modelo linear ou telegráfico que marcava os estudos da Teoria Matemática da Informação elaborada por Claude Shannon e propuseram, ainda ao redor de 1950, o que hoje denominamos um modelo orquestral de comunicação, que traduz o primeiro sentido do termo tanto em latim (communicare, communis) como em inglês ou francês: por em comum, participação e comunhão. Aos pesquisadores de formação antropológica, como Gregory Bateson, Erving Goffman, Edward T. Haal e Ray Birdwhistell, como também a psiquiatras como Paul Watzlawick, devemos o despertar para uma leitura comunicacional do mundo social e um método etnográfico de análise dos fenômenos.
Eles nos ensinam a considerar o que chamam de princípio goffmaniano: “(...) a ordem interacional é também uma das modalidades da ordem social. Trabalhar sobre as interações é in fine trabalhar sobre a sociedade inteira” (Winkin, 1998: 144). Por método etnográfico os autores da Escola de Palo Alto entendem o “descer a campo” para observar fenômenos comunicativos em lugares concretos como bares, restaurantes, estações, piscinas e, acrescentamos, telecentros e lan houses. A metodologia de uma Antropologia da Comunicação considera que o universal está “bem no coração do particular” e supõe o desenvolvimento de três competências por parte de um pesquisador: aprender a ver, aprender a estar com e aprender a anotar as observações para posterior compreensão (Winkin, 1999: 132).

Na apresentação de A Nova Comunicação. Da teoria ao trabalho de campo, de Yves Winkin (1998), obra introdutória à história e aos paradigmas da Escola de Palo Alto publicada no Brasil, o antropólogo e comunicólogo Etienne Samain enfatiza que “comunicação e antropologia dão-se muito bem e comunicam-se muito mal”. Lembra que essas ciências humanas se imaginam mais do que se conhecem, narcisam-se mais do que se exploram mutuamente. Nessa linha, mostra que pensar antropologicamente a comunicação significa praticá-la, isto é, “investigar etnograficamente os comportamentos, as situações, os objetos que, numa comunidade dada, são percebidos como portadores de um valor comunicativo” (Samain in Winkin, 1998: 9 e 11). Entendemos que alguns conceitos e especialmente a prática etnográfica da Escola de Palo Alto contribuirão para a compreensão dos objetos de pesquisa do que chamamos Comunicação na Contemporaneidade.


Meios Sonoros: ambientes de vinculação
Quando pensamos em meios sonoros no contexto da convergência das mídias, nas misturas entre ambientes tradicionais como rádio e televisão com os ambientes digitais, entramos diretamente em contato com duas noções que deverão ser investigadas: a circularidade e a interação em contexto de ecossistemas de comunicação. Ou ainda, conforme as palavras de Lucien Sfez para se referir às pesquisas de Gregory Bateson ou de Paul Watzlawick, acima citados:
Posta desse modo, a noção de circularidade leva à de interação generalizada do observado e do observador. A interação se torna, ela mesma, sistema. Todos os temas habituais do sistemismo em sua metáfora orgânica são aqui retomados: subsistemas, meios, comunicações verticais e horizontais entre os elementos, totalidade, não-somatividade, eclusão de relações unilaterais entre os elementos, retroação, eqüifinalidade, homeostasia etc. (Sfez, 2007: 73).
Os meios sonoros propiciam ambientes de vinculação através dos quais homens e mulheres podem experimentar diversas paisagens sonoras. Ouvir com o corpo inteiro e não apenas através de um simples fone de ouvido, como enfatiza o engenheiro acústico Sami Douek, é uma experiência que permite o resgate do corpo com toda sua sensorialidade6.
O estudo dos ambientes de vinculação sonora serão ampliados no diálogo com o conceito de paisagem sonora proposto pelo músico e radiomaker canadense R. Murray Schafer: “Paisagem sonora – o ambiente sonoro. Tecnicamente, qualquer porção do ambiente sonoro vista como um campo de estudos. O termo pode referir-se a ambientes reais ou a construções abstratas, como composições musicais e montagens de fitas, em particular quando consideradas como um ambiente” (2001: 366).

Narrativas da contemporaneidade
Quando observamos a história dos meios sonoros necessariamente retomamos a importância da narrativa lembrando que, por exemplo, a dimensão ressonadora do rádio está carregada dos ecos ressoantes das trombetas tribais e dos tambores antigos (McLuhan, 1974: 337). Assim, nas reportagens veiculadas em meios sonoros, tanto no rádio como na rede mundial de computadores, encontramos contadores de histórias que, captando a diversidade sonora dos ambientes, levam os ouvintes ou internautas a saborear a jornada dos protagonistas da comunicação na contemporaneidade. Narrar não é apenas o talento de alguns, mas uma necessidade vital, ou precisamente nas palavras de Cremilda Medina: “O que se diz da realidade constitui outra realidade, a simbólica. Sem essa produção cultural – a narrativa – o humano ser não se expressa, não se afirma perante a desorganização e a inviabilidade da vida (Medina, 2003: 47).
Já na narrativa grega encontramos exemplos que nos fazem pensar. Amarrado ao mastro da embarcação e ciente que seus marujos estavam com os ouvidos tampados com cera, Ulisses não se deixou seduzir pelos sons encantadores das sereias. Orfeu, por sua vez, através do canto e da cítara, amansou as criaturas representadas como pássaros ou peixes com cabeça de mulher e seguiu sua viagem (Menezes, 2007). Esses cenários mitológicos misturam-se com paisagens sonoras mais recentes onde as sirenes das fábricas anunciam a hora do início e do fim do período de trabalho, onde figuras femininas inebriam, encantam e seduzem.

A importância das narrativas se faz presente nas experiências de grandes reportagens das jornalistas Vera Lúcia Fiordoliva (Estado de São Paulo de ponta a ponta, 1999), Filomena Salemme (Um retrato da fome no Brasil, 2002) e Rosely Forganes (Vozes do Timor, 2000) veiculadas pela Rádio Eldorado7. Estes exemplos de narrativas radiofônicas revelam a necessidade de contar histórias sem limpar todos os sons que, mais do que atrapalhar a definição da qualidade do áudio, na verdade, o enriquecem quando captam a riqueza do cenário sonoro (Menezes, 2006: 77). Mostram que quando um repórter capta a paisagem sonora, opera com sons que exigem ouvidos, mais que olhos penetrantes como bem mostrou Joachim-Ernest Berendt ao frisar que se o símbolo máximo da acuidade visual é a águia que escolhe sua presa, o ouvido pode ser considerado como uma concha que analogicamente remete a receptividade, aconchego e abertura (Berendt, 1997: 178).



Da mesma forma que Walter Benjamin, no texto O Narrador, já mostrava que a narrativa “mergulha a coisa na vida do narrador para em seguida retirá-la dele” (1994: 205), podemos dizer que um repórter de rádio que experimenta uma paisagem sonora também coloca toda sua pele no contexto da narrativa que produz em áudio para transmissão eletromagnética ou disponibilização na Internet. As perspectivas da narrativa serão ampliadas, por exemplo, a partir dos estudos do mitólogo Joseph Campbell, como faz a jornalista e pesquisadora Monica Martinez ao mostrar que “a estrutura narrativa mítica, antes de ser um modelo fechado, é um mapa de direções, de possibilidades”; permite ver que “não se trata de uma lógica binária, nem de blocos redutores, mas de formações auto-organizadas que dialogam entre si, remetendo-se uma às outras” (Martinez, 2008: 51).
Cultura do Ouvir
Quando nos referimos a cultura do ouvir8 buscamos as raízes dos processos comunicativos, ou melhor, buscamos pistas das fases históricas nas quais um ou alguns dos chamados órgãos dos sentidos foram mais privilegiados nos diversos ambientes culturais. Christoph Wulf, um dos integrantes do Centro Interdisciplinar para Antropologia Histórica da Universidade Livre de Berlim, relembra que grande parte do mundo dos sons, tons e rumores que nos circundam está sujeita a mutações históricas, sociais e geográficas. Os sons do universo rural, por exemplo, são diferentes dos sons que conhecemos após a revolução industrial, mecânica e eletrônica9.
Para compreender a importância do ouvir, Wulf faz uma análise ontogenética enfatizando que já aos quatro meses e meio o feto têm condições de reagir a estímulos acústicos, que o ouvido se desenvolve antes da vista e que o ouvir é condição prévia para que se desenvolvam os sentimentos de segurança e pertencimento. No ambiente sonoro, muito antes das palavras com significados específicos, um bebê percebe o timbre da voz, o seu tom, a sua articulação, fundamentais na relação com os interlocutores.
A repetição de determinados sons do ambiente familiar, em formas de ritos sempre renovados, com os mesmos rumores e os mesmos tons de voz, favorece a ambientação do bebê em uma rede de sons. Na escuta de si mesmo e na escuta do outro, "o ouvido desenvolve um papel fundamental na constituição da subjetividade e da sociabilidade" (Wulf, 2002: 463). As repetições lingüísticas ritualizadas e articuladas em ritmos, bem como as imitações dos sons conhecidos, estimulam a capacidade mimética. Segundo Wulf, através de variações imitativas o bebê começa a falar e a compreender; com a possibilidade de se “fazer ouvir, adquire uma nova competência social graças a qual sua personalidade pode se desenvolver” (2002: 463).
Mostrando as relações entre o olho e o ouvido, Wulf lembra que enquanto o primeiro reduz o mundo a uma imagem bidimensional, o segundo capta a tridimensionalidade do espaço. Enquanto o olho, altamente centrado, percebe objetos que se encontram à sua frente, de forma estática, o ouvido permite o senso de equilíbrio, o sentido de localização no espaço e a percepção da sucessão dos sons na perspectiva do tempo.
Na cultura grega, segundo Wulf, a passagem da oralidade, do período de Homero10, para a ênfase na visão e decifração da escritura foi gradualmente percebida quando, na época de Platão, se cumpriu a gradual passagem do predomínio da vista sobre os outros sentidos. O próprio Platão teria valorizado de forma ambivalente a importância da visão requerida pela escrita: deu total destaque ao falar e ao ouvir na dinâmica dialógica do filosofar, mas ao mesmo tempo frisou, na Alegoria da Caverna, a importância da visão como meio privilegiado de conhecimento. Por outro lado, os mitos de Narciso e Eco ou de Apolo e Marsia11, podem ser lidos, segundo Wulf, como expressões da tensão entre ouvir e ver, resolvidas em favor do ver.
Ainda de acordo com Wulf, após a difusão da escrita aconteceram profundas mudanças culturais. “A afirmação de formas de pensamento logocêntrico que se seguiram à difusão da cultura escrita exigiram processos de abstração que apresentam evidente afinidades como o ver” (2002: 465).
Quando nos referimos à cultura do ouvir advogamos a necessidade de pesquisarmos com maior profundidade as relações entre a visão e a audição nos processos comunicativos. Se, como já observamos, por uma perspectiva temos o olho que reduz o mundo a uma imagem bidimensional, em outra temos o ouvir e a percepção da tridimensionalidade do espaço. Perguntamos: o cultivo do ouvir pode enriquecer os processos comunicativos hoje muito limitados à visão? O cultivo do ouvir pode nos ajudar a viver melhor num mundo marcado pela abstração?

A expressão Cultura do Ouvir foi o tema de uma palestra12 proferida por Norval Baitello Junior no seminário A Arte da Escuta, em 1997, na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio do de Janeiro. Na ocasião o autor apresentou caminhos para o diálogo com Joachim-Ernst Berendt13 e Dietmar Kamper14. Das relações entre o universo do ouvir e o do ver, dialogando com Berendt, o autor destaca que:

Assim, o ouvir e o ver, operações perceptivas associadas a cada um destes dois universos, requerem ambos o cuidado e o cultivo dos próprios limites. O ouvir, mais vinculado ao universo do sentir, da paixão, do passivo, do receber e do aceitar. O ver, mais associado ao universo da ação, do fazer, da atividade, do atuar, do agir e do poder... (BAITELLO, 2005: 106).

Analisando o processo de reprodução inflacionária de imagens e a progressiva cegueira para estas mesmas imagens, dialogando com Kamper, Norval Baitello propõe, como intertítulo da palestra e do artigo citado, a afirmação: “um novo milênio para o ouvir”.

O que resulta desta incrível combinatória é a redescoberta e o resgate do mundo do ouvir, a necessidade de uma nova cultura do ouvir. E de uma outra temporalidade. E de um novo desenvolvimento da percepção humana para as relações mais profundas, para os nexos profundos, para os sentidos e para o sentir (2005: 108).

No verbete Fantasia, publicado no Vom Menschen. Handbuch Historische Antropologie, organizado por Christoph Wulf, o próprio Dietmar Kamper, conforme resgatamos da tradução italiana (2002: 1037), pergunta: “É possível dissolver a fixação espacial do olho? Não se devem reforçar as capacidades do ouvido” ? Tratam-se de perguntas que podem ser cotejadas com a proposta de se substituir a agressividade do olhar pela receptividade do ouvido feita por Joachim-Ernst Berendt em Nada Brahma (1993).


Como pistas para a continuidade dos estudos sobre a cultura do ouvir ainda podemos citar a importância da relação eu-tu na perspectiva de Martin Buber, os limites e a insuficiência da fórmula eu-tu segundo a leitura de Merleau-Ponty e, ainda, o predomínio dos discursos sobre os diálogos e a solidão no meio das massas, “conseqüência da dificuldade crescente para entrarmos em comunicação dialógica uns com os outros”, conforme apontado por Vilém Flusser (1983: 59). Essas questões necessariamente devem ser lidas no contexto dos desafios contemporâneos das relações entre comunicação, jornalismo, não-violência e cultura da paz, termos que se contrapõem ao universo das relações entre comunicação15, exclusão social e guerra16.

Diálogos com outros Grupos de Pesquisa
O conjunto de pesquisadores, objetos de estudo e perspectivas de enfoques do Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura do Ouvir estão entrelaçados tanto com grupos de pesquisa das duas linhas de pesquisa do Mestrado da Cásper Líbero, como com grupos de instituições como Intercom e Compós. Destaca-se inicialmente a inspiração para as relações entre comunicação e cultura estudadas no âmbito do Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia, que nasceu na PUC de São Paulo em 1992 e hoje também reúne pesquisadores que atuam em vários programas de pós-graduação em comunicação em diferentes universidades.
Linha de Pesquisa Comunicação e Mídia do Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia.

Estudo dos veículos de comunicação enquanto sistemas de mediação, suas raízes histórico-antropológicas, seus usos sócio-político-culturais e os cenários que se desenham a partir de seus desenvolvimentos mais recentes. Mídia primária, secundária e terciária. Mídia, tecnologia e sistemas simbólicos. Mídia e sincronização social. Palavras-chave: Mídia e sincronização social; mídia e sistemas simbólicos; mídia e tecnologia; mídia primária, secundária e terciária17.



GP – Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom

Abrange estudos, dentro de diferentes perspectivas teóricas e metodológicas, a respeito do meio rádio – em suas manifestações comercial, estatal e pública, incluindo abordagens educativas e comunitárias – e de outros meios sonoros, preocupando-se com aspectos como a teoria, a linguagem, as técnicas, o mercado, a história, a ética, a arte, a programação, a experimentação, a educação e os conteúdos de jornalismo, de publicidade e de entretenimento. Compreende, ainda, pesquisas a respeito da música como manifestação comunicativa, da fonografia e das diversas formas de utilização do áudio em ambientes multimídia ou não, trabalhando as questões da sonoridade em sua ampla gama de manifestações como fenômeno comunicacional18.



GT - Grupo de Trabalho Comunicação e Cultura da COMPÓS.
Arqueologia dos textos da cultura e dos media. Genealogia da cultura a partir dos meios. Corpo, subjetividade, cultura e comunicação. Meios de comunicação, sensibilidades, afecções e percepções. As representações culturais da visualidade, da oralidade, da gestualidade e dos territórios simbólicos. Ecologia da comunicação: cenários e efeitos culturais das praticas midiáticas. As questões da imagem e seus desdobramentos: imaginário cultural e cultura da imagem19.

Desafio epistemológico
Os pesquisadores e pesquisadoras que atuam no âmbito da Comunicação e Cultura do Ouvir, na medida em que consideram que todo o corpo está aberto ao universo sonoro, na medida em que frisam sentidos além da cultura da imagem, serão desafiados a contribuir na reflexão sobre uma epistemologia da comunicação que vá além da questionável matriz logocêntrica do Ocidente. Esse desafio foi sinteticamente formulado por Etienne Samain, antropólogo que, entre outras histórias que marcam sua vida, coordenou o Programa de Pós-gradução em Comunicação e Multimeios da Unicamp:
O verbal escrito instaurou-se como ordem epistemológica e fizemos tanto da fala como da escrita, as crenças (para não falar em dogmas) e as alavancas de nossas faculdades de apreensão e intelecção. Não é somente possível como necessário livrar-se desta epistemologia da comunicação que ignora, enquada e reduz a indizibilidade e a riqueza polissêmica do sensorial humano (Samain, 2007: 78).
Na cultura do ouvir, conforme apresentamos no artigo Cultura do Ouvir: os vínculos sonoros na contemporaneidade (2008), somos desafiados a repotencializar a capacidade de vibração do corpo diante dos corpos dos outros, ampliar o leque da sensorialidade para além da visão. Ir além da racionalidade que tudo quer ver, para adentrar numa situação onde todo o corpo possa ser tocado pelas ondas de outros corpos, pelas palavras que reverberam, pela canção que excita, pelas vozes que vão além dos lugares comuns e tautologias mediáticas.
Esperamos que estas anotações sobre a cultura do ouvir também contribuam para continuidade da investigação e compreensão do que Dietmar Kamper (1997: 136) chamou de “uma nova época do ouvir”. Investigações que poderão nos ajudar a repensar posturas na compreensão dos vínculos sociais, das relações pedagógicas e das práticas dos profissionais da comunicação.

Referências

ARNHEIM, Rudolf. Rundfunk als Hörkunst. Estética Radiofónica. Tradução de Manuel F. Blanch. Barcelona: Gustavo Gili, 1980. [1936]

ALVES, Rubem. O retorno e terno. Campinas: Papirus, 1992.

BAITELLO Jr., Norval. O animal que parou os relógios. São Paulo: Annablume, 1997.

BAITELLO Jr. Norval. “Cultura do Ouvir”. In: ZAREMBA, Lílian; BENTES, Ivana. (Orgs). Rádio Nova. Constelações da radiofonia contemporânea. Vol. 3. Rio de Janeiro: UFRJ/ECO, Publique, 1999. Disponível em: < www.cisc.org.br >. Acesso em: 11 set. 2008.

BAITELLO Jr., Norval. A Era da Iconofagia. Ensaios de Comunicação e Cultura . São Paulo: Hacker, 2005.

BAITELLO Jr., N.; CONTRERA, M.S.; MENEZES, J.E.O. (Orgs.) Os meios da incomunicação. São Paulo: Annablume, 2005.

BAITELLO Jr., N. ; GUIMARÃES, L.; MENEZES, J.E.O.; PAIERO, D. (Orgs.). Os símbolos vivem mais que os homens. São Paulo: Annablume, 2006.

BALSEBRE, Armand. El lenguaje radiofónico. Madrid: Catedra, 2000.

BARROS, Laan Mendes de; KÜNSCH, Dimas A. “’Saber pensar seu pensamento’: reflexões em conjunto sobre epistemologia da comunicação”. Líbero. Ano 10, n. 20, 2007. p. 9-20.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras Escolhidas. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERENDT, Joachin-Ernst. Nada Brahma. Die Welt ist Klang. Nada Brahma. A música e o universo da consciência. Tradução de Zilda Schild e Clemente Mahl. São Paulo: Cultrix, 1993.

BYSTRINA, Ivan. Tópicos de Semiótica da Cultura. São Paulo: CISC, 1995 (mimeo).

CAMPELO, Cleide Riva. Cal(e)idoscorpos. Um estudo semiótico do corpo e seus códigos. São Paulo: Annablume, 1996.

FERRARETTO, Luiz Artur. Rádio: o veículo, a história e a técnica. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2000.

FIORDOLIVA, Vera Lúcia. Estado de São Paulo de ponta a ponta. São Paulo: Eldorado, 2000. Fita cassete.

FLUSSER, Vilém. “El gesto de oír música”. In: Los Gestos. Fenomenología y Comunicación. Barcelona: Herder, 1994.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da Caixa Preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. Por uma filosofia do design e da comunicação. Org. por Rafael Cardoso. São Paulo: Cosac Naif, 2007.

FORGANES, Rosely. Vozes do Timor. São Paulo: Rádio Eldorado AM/ UniSant’Anna, 2001. CD.

GUERRINI Jr., Irineu. A música no cinema brasileiro dos anos sessenta: Inovação e diálogo. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). São Paulo: ECA/USP, 2002.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 1971.

KAMPER, Dietmar. “O padecimento dos olhos”. In: CASTRO, G. et alli. (Orgs.). Ensaios de complexidade. Porto Alegre: Sulina, 1997. p. 131-137.

KAMPER, Dietmar. Bildstörungen: Im Orbit des Imaginärien. Stuttgart: Cantz, 1994.

KAMPER, Dietmar. “Estrutura temporal das imagens”. In: CONTRERA, M.S. et alli (Orgs.). O espírito do nosso tempo: ensaios de semiótica da cultura e da mídia. São Paulo: Annablume, 2004.

KAMPER, Dietmar. Fantasia. Imagem. Corpo. Biblioteca Digital do CISC. Disponível em: <www.cisc.org.br>. Acesso em: 12 set. 2008.

KÜNSCH, Dimas A. Maus pensamentos: os mistérios do mundo e a reportagem jornalística. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2000.

LOTMAN, Iuri M. La Semiosfera. Semiótica de la cultura e del texto. Selección y traducción por Desiderio Navarro. Madrid: Ediciones Cátedra, 1996.

MARCONI, Elisa Moura Marconi Bicudo. Da Natureza do som - uma busca multidisciplinar e multifocal pela alma do estímulo sonoro. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação). São Paulo: ECA/USP, 2005.

MARTINEZ, Monica. Jornada do Herói. A estrutura narrativa mítica na construção de histórias de vida em jornalismo. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2008.

McLUHAN, Marshall. “Rádio. O tambor tribal”. In: Undestanding Media. Os meios de comunicação como extensões do homem [1964]. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 1974.

MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente. São Paulo: Summus, 2003.

MEDITSCH, Eduardo. O rádio na era da informação. Teoria e técnica do novo radiojornalismo. Florianópolis: Insular, 2001.

MEDITSCH, Eduardo (Org.) Teorias do Rádio. Textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005.

MEDITSCH, Eduardo. “Meias-verdades que continuamos ensinando sobre o radiojornalismo na era eletrônica”. Conexão – Comunicação e Cultura. UCS, Caxias do Sul. Vol. 2, n. 3, 2003. p. 99-110.

MENEZES, J.E.O. “Incomunicação e cultura do ouvir”. Líbero, ano IX, n. 18, 2006. p.73-79.

MENEZES, J.E.O. “Pesquisa científica: uma construção coletiva”. Communicare. vol.5, n. 2, 2005, p. 9-11.

MENEZES, J.E.O. “As formas de percepção e as mudanças culturais”. Nife, ano VI, n. 5, 1999. p. 193-196. Disponível em: <www.cisc.org.br>. Acesso em: 11 set. 2008.

MENEZES, J.E.O. “Cultura do Ouvir. Editorial”. Ghrebh- 9. Disponível em: < http://revista.cisc.org.br/ghrebh9/ >. Acesso em 11 set. 2008.

MENEZES, J.E.O. “Cultura do Ouvir: os vínculos sonoros na contemporaneidade”. Líbero. Ano XI, n. 21, 2008. p. 111-118.

MORAES, J. Jota de. O que é música. São Paulo: Brasiliense, 1986.

NUNES, Mônica Rebecca F. O mito no rádio. A voz e os signos de renovação periódica. São Paulo: Annablume, 1993.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. Campinas: Papirus, 1998.

PRADO, Magaly. Audiocast Nooradio – redes colaborativas de conhecimento. Dissertação (Mestrado em Tecnologias da Inteligência e Design Digital). São Paulo: PUC/SP, 2008. Disponível em: < http://nooradio.com.br >. Acesso em: 22 set. 2008.

PRADO, Magaly; LEÃO, Lúcia. Música em fluxo: programas que simulam rádios e a experiência estética em redes telemáticas. Líbero. Ano X, n. 20, 2008. p. 69-79.

PROSS, Harry. Estructura Simbolica de Poder. Barcelona: Gustavo Gili, 1980.

PROSS, Harry; ROMANO, Vicente. Atrapados en la red mediática. Orientación en la diversidad. Hondarribia: Argitaletxe Hiru, 1998.

PROSS, Harry. A sociedade do protesto. São Paulo: Annablume, 1997.

SALEMME, Filomena. Um retrato da fome no Brasil. São Paulo: Rádio Eldorado, 2002. Fita cassete.

SAMAIN, Etienne. “A matriz sensorial do pensamento humano. Subsídios para redesenhar uma epistemologia da comunicação”. In: MÉDOLA, A. et alli. (Orgs.). Imagem. Visibilidade e Cultura Midiática. Livro da XV Compós. Porto Alegre: Sulina, 2007. p. 63-79.

SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

SCARASSATTI, Marco Antonio Farias.Construção poética de emblemas sonoros a partir das imagens alquímicas musicais de Athanasius Kircher. Tese (Doutorado em Educação). Campinas: Unicamp, 2008.

SILVA, Julia Lucia Albano da. Rádio: oralidade mediatizada. O spot e os elementos da linguagem radiofônica. São Paulo: Annablume, 1999.

SFEZ, Lucien. A Comunicação. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do Espelho. Uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

SPERBER, George Bernard. Introdução à peça radiofônica. São Paulo: EPU, 1980.

TRIVINHO, Eugênio. A dromocracia cibercultural. Lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2008.

VALENTE, Heloísa de Araújo Duarte. As vozes da canção na mídia. São Paulo: Via Lettera/Fapesp, 2003.

VIRILIO, Paul. Velocidade e política. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. Uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

WULF, Christoph; BORSARI, Andréa (Orgs.) Cosmo, corpo, cultura. Enciclopedia antropologica. Milano: Bruno Mondadori, 2002.

WULF, Christoph ; GEBAUER, Günter. Mimese na cultura. São Paulo: Annablume, 2004.

WULF, Christoph. “O Ouvido”. Ghrebh- 9. Disponível em: < http://revista.cisc.org.br/ghrebh9/ >. Acesso em: 30 set. 2007.
ANEXO: Observação

Lista com os nomes dos primeiros integrantes do Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura do Ouvir. Não corrigir os nomes, pois os mesmos conferem com os documentos disponíveis na secretaria da pós. Eugenio, Camara, Osorio, Candido não possuem acentos. Trevisan com n final.



Os colegas concordam que seria generoso acrescentar um anexo com os títulos das pesquisas em andamento, já que todos estão de fato contempladas nas ementas?

Eliane Calixto Paiva Dancur, José Eugenio de Oliveira Menezes, Luiz Fernando Camara Vitral, Pedro Serico Vaz Filho, Marcelo Cardoso, Osorio Antonio Candido da Silva, Rodrigo Fonseca Fernandes, Roseli Trevisan Campos e Sérgio Pinheiro da Silva.



 


1 A rede de conceitos e práticas da Cultura do Ouvir orquestradas neste trabalho pretende contribuir para as investigações do Grupo de Pesquisa “Comunicação e Cultura do Ouvir”, do Programa de Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero, grupo este liderado pelo autor do presente texto. No início de agosto de 2008 o grupo é constituído por: Eliane Calixto Paiva Dancur, José Eugenio de Oliveira Menezes, Luiz Fernando Camara Vitral, Pedro Serico Vaz Filho, Marcelo Cardoso, Osorio Antonio Candido da Silva, Rodrigo Fonseca Fernandes, Roseli Trevisan Campos e Sérgio Pinheiro da Silva.

2 Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Coordenador de Pesquisa do CIP –Centro Interdisciplinar de Pesquisa e docente da graduação e pós-graduação da Faculdade Cásper Líbero.

3 O Programa de Pós-graduação em Comunicação da Cásper Líbero, reconhecido pela Capes em junho de 2006, tem a “Comunicação na Contemporaneidade” como área de concentração. Suas duas Linhas de Pesquisa são: Linha A – Processos Midiáticos: tecnologia e mercado e Linha B – Produtos Midiáticos: jornalismo e entretenimento. No contexto da Linha de Pesquisa B, por dois anos funcionou o Grupo de Pesquisa Comunicação, Identidade e Recepção que, a partir de junho de 2008, permitiu a criação de três grupos com diferentes denominações e concentração de pesquisadores com temas afins: 1. Cultura das Mídias e Mediações Culturais, 2. Comunicação, Jornalismo e Epistemologia da Compreensão e 3. Comunicação e Cultura do Ouvir.

4 Para a compreensão da classificação dos meios proposta por Harry Pross em sua obra Medienforschung (Investigação dos Meios), publicada em 1972, podem ser consultados os trabalhos de Baitello (2005: 69 – 79) e Menezes (2007: 21-43). Harry Pross pode ser considerado o inspirador de uma Teoria Integrada dos Meios, conforme relata a página do Grupo de Pesquisa Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia – CISC no Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil. Disponível: < www.cnpq.br >. Acesso em: 11 set. 2008.

5 Encontramos em A dromocracia cibercultural. Lógica da vida humana na civilização mediática avançada, de Eugênio Trivinho uma nota que explica a opção pelos termos “mediático” e “mediatizado”. “A utilização, na presente obra, do termo media (medium, no singular) e de seus derivados mediático (a) e mediatizado (a), atende ao imperativo – incondicional e a priori – de consideração à herança latina de nossa língua. O procedimento, que não cumpre senão princípios básicos de política teórica e epistemológica, tem a vantagem lógica e estratégica de evitar dois enganos: um, histórico-cultural - já socialmente consagrado no Brasil -, o de fixar em português, o termo media por influência direta da prosódia da língua inglesa (“mídia”); outro, etimológico-gramatical, o de converter para o singular o que em latim já era plural” (Trivinho, 2008: 19).

6 Sami Douek, na palestra musical “Rever Flusser – O gesto de ouvir”, realizada no Centro da Cultura Judaica (São Paulo, 15 de setembro de 2008), apresentou um equipamento com oito válvulas para comparar tecnologias analógicas e digitais no armazenamento dos sons. No mesmo evento, Norval Baitello mostrou como Flusser, no texto El gesto de oír música, enfatiza a importância de se resgatar a sensorialiade do corpo.

7 As reportagens de Fiordoliva e a de Salemme foram analisadas em Rádio e Cidade. Vínculos Sonoros (Menezes, 2007).

8 As reflexões sobre Cultura do Ouvir foram debatidas no Núcleo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora durante o XXX Congresso da Intercom, realizado em 2007, em Santos, e publicadas na revista Líbero em 2008.

9 Uma pesquisa sobre as paisagens sonoras de vários períodos históricos e em diferentes locais do planeta foi dirigida pelo compositor canadense R. Murray Schaffer e está disponível na sua obra The Tuning of the World (1977), traduzida para o português como A Afinação do Mundo (1997).

10 A chamada “questão homérica” também foi objeto de estudo de Walter Ong (1998).

11 Marsia, na mitologia grega, era deus do rio Mársias, na Frigia. Tocava flauta, instrumento que a própria deusa Atena, sua inventora, havia desprezado porque disfigurava a face de quem o tocava. Desafiou Apolo, deus da música e da lira, para uma competição e foi vencido por ele.

12 A palestra foi transcrita como Cultura do Ouvir e publicada em Rádio Nova. Constelações da radiofonia contemporânea, Vol. 3, obra organizada por Zaremba, Lílian e Bentes, Ivana (1999). Uma versão atualizada e reescrita está disponível em A Era da Icononofagia. Ensaios de Comunicação e Cultura. Baitello, 2005, p. 98-109.

13 O livro Nada Brahma. Die Welt ist Klang (1983), Nada Brahma. O mundo é som, foi publicado no Brasil como Nada Brahma. A música e o universo da consciência (1997).

14 O texto “O padecimento dos olhos” (Kamper in CASTRO et al. 1997) é a tradução brasileira de um dos capítulos do livro Bildestörungen. Im Orbit dês Imaginären (KAMPER, 1994).

15 Podemos também considerar que também o amor, na linguagem do filósofo e poeta Rubem Alves, vive num sutil fio de conversação, balançando-se entre a boca e o ouvido. “O segredo do amor é a androgenia: somos todos, homens e mulheres, masculinos e femininos ao mesmo tempo. É preciso saber ouvir. Acolher. Deixar que o outro entre dentro da gente. Ouvir em silêncio. Sem expulsá-lo por meio de argumentos e contra-razões” (1992: 25).

16 No contexto das redes de comunicação e da constante aceleração da velocidade, na obra Velocidade e Política, o arquiteto francês Paul Virilio destaca que: ‘a guerra econômica que assola atualmente a Terra é tão somente a frase lenta da guerra declarada, de um assalto rápido e breve por vir, porque é ela que perpetua, na não-batalha, o poderio militar como poder de classe” (1996: 69).

17 Objetivo da Linha de Pesquisa Comunicação e Mídia, do CISC – Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia. Disponível em: < www.cisc.org.br >. Acesso em: 15 set. 2008.

18 Ementa ainda em elaboração a partir do XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Natal, setembro de 2008), quando a direção da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, propôs a alteração da denominação de Núcleo de Pesquisa para Grupo de Pesquisa Rádio e Midia Sonora.

19 Ementa do Grupo de Trabalho Comunicação e Cultura da Compós. Disponível em: < www.compos.org.br >. Acesso em: 15 set. 2008.


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal