Contraponto



Baixar 288.59 Kb.
Página1/6
Encontro10.12.2017
Tamanho288.59 Kb.
  1   2   3   4   5   6

CONTRAPONTO
JORNAL ELETRÔNICO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DO INSTITUTO

BENJAMIN CONSTANT

ANO 6

DEZEMBRO DE 2011



56ª Edição

Legenda:


"Enquanto houver uma pessoa discriminada, todos nós seremos discriminados , porque

é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito"...

Patrocinadores:
(ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DO IBC)
Editoração eletrônica: MARISA NOVAES

Distribuição: gratuita


CONTATOS:

Telefone: (0XX21) 2551-2833

Correspondência: Rua Marquês de Abrantes 168 Apto. 203 - Bloco A

CEP: 22230-061 Rio de Janeiro - RJ

e-mail: contraponto@exaluibc.org.br

Site:exaluibc.org.br

EDITOR RESPONSÁVEL: VALDENITO DE SOUZA

e-mail: contraponto@exaluibc.org.br
EDITA E SOLICITA DIFUSÃO NA INTERNET.

SUMÁRIO:
1. EDITORIAL:

* Mensagens do Velho
2.A DIRETORIA EM AÇÃO:

* Relatório de atividades - Dezembro de 2011


3 . O IBC EM FOCO # VITOR ALBERTO DA SILVA MARQUES:

* Agenda IBC - 2011/2012

4.DV EM DESTAQUE# JOSÉ WALTER FIGUEREDO:

* Férias: confira dicas para uma viagem acessível

* Polo Astronômico é o primeiro no Brasil a atender deficientes visuais

* Juíza que contratou deficientes visuais ganha Innovare

* Deficientes visuais entregam proposta de parceria à direção do TRT da 14ª Região

* Dados do IBGE reforçam importância do trabalho da Fundação Dorina


5.DE OLHO NA LEI #MÁRCIO LACERDA :

* Deficiente é indenizado por ser obrigado a trabalhar de pé

* Professora que recusou aluna com deficiência não cometeu crime

* Justiça eleitoral assegura direitos das pessoas com deficiência


6.TRIBUNA EDUCACIONAL # SALETE SEMITELA:

* O Enem de novo

7.ANTENA POLÍTICA # HERCEN HILDEBRANDT:

* Carta a Papai Noel


8. PAINEL ACESSIBILIDADE # DEBORAH PRATES :

* Opção de Presente: "Bonecos com Deficiência"


9.DV-INFO # CLEVERSON CASARIN ULIANA:

* Guia de Natal: Saiba como escolher o smartphone ideal para você


10. O DV E A MÍDIA # VALDENITO DE SOUZA:

*MOCITEC seleciona 13 projetos

*Primeiro dicionário digital bilíngue para pessoas com deficiência visual

* De repente, 46 milhões

*Os desafios do "Viver sem Limite"

*Pianista mostra superação para atletas no Parapan

*Patente cearense disponibiliza tablet em braile.

*Biblioteca digital mundial


11.PERSONA # IVONETE SANTOS:

Entrevista- Giovanna Maira canta e encanta

12.SAÚDE OCULAR #:

*AIDS: Pacientes descobrem-se soropositivos em exames oftalmológicos

*Casos de conjuntivites contagiosas começam a aparecer

*Báscula: técnica tira óculos de 80% dos portadores de vista cansada


13.REENCONTRO # :

*José da Silva Galdino


14.TIRANDO DE LETRA #:

*Pura Emoção!

*Natal
15.ETIQUETA # RITA OLIVEIRA:

* Animais de estimação e outros bichos


16.BENGALA DE FOGO #:

1. Turismo no RJ

2.Labrador cego é presenteado com um cão-guia
17. GALERIA CONTRAPONTO #:

* Helen Keller aos 75 anos


18. PANORAMA PARAOLÍMPICO # SANDRO LAINA SOARES:

* Parapan: balanço final do bicampeonato brasileiro;

* Dilma homenageia medalhistas dos Jogos Parapan-americanos;

* Câmara rejeita bolsa-atleta para guia de atletas deficientes visuais;

* Terezinha Guilhermina vence a eleição do APC;

* A Logomarca dos Jogos Paraolímpicos: as formas do coração, do infinito e da espiral.


19.CLASSIFICADOS CONTRAPONTO #:

1. Material Especializado

2. Banco de Remédios - Sobras

3.Central de Atendimento do RJ


20. FALE COM O CONTRAPONTO#: CARTAS DOS LEITORES
--

ATENÇÃO:


"As opiniões expressas nesta publicação são de inteira responsabilidade de seus

colunistas".


#1. EDITORIAL


NOSSA OPINIÃO:
Mensagens do Velho
Renitente e recalcitrante o velho ( um representante oficial do tempo, o senhor da

razão), emite seus últimos suspiros; estes nos chegam em forma de mensagens, algumas bem claras, outras a serem decodificadas ...


Depreendemos de pronto que a " famigerada Meta4" ( antídoto mágico, desengavetado pelo governo para fazer a sonhada "inclusão" das pessoas com deficiência), objeto de anseio e apreensão do segmento, deverá continuar sob cerrada vigília, enquanto estiver em trâmite no Congresso Nacional.
A Cruzada da Acessibilidade ( direito a nós garantido por lei), precisa tomar corpo e cobrar seu espaço devido na sociedade.
Enfim, as mensagens são muitas, estão ao alcance de olhos, ouvidos e sensibilidades de quem as queira decodificar.
Entretanto, deliberadamente, nos estertores de sua vida, ele ( o agora moribundo 2011) não fala do nosso "calcanhar de Aquiles", certamente, por achar tão óbvio.
Precisamos investir mais (e sempre) na união e mobilização do segmento.

Para não sermos devorados pela auto descrença do próprio segmento.

#2. A DIRETORIA EM AÇÃO
ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DO INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT
Diretoria Executiva
Relatório de atividades da Diretoria da Associação de Ex-alunos do IBC

Dezembro de 2011


No dia 1 de dezembro a Associação esteve presente em uma audiência pública sobre educação, promovida pelo Ministério Público Federal.

No dia 3 de dezembro foi realizada, em parceria com o Conselho Brasileiro para o Bem Estar do Cego, a segunda etapa do torneio de dominó.

No dia 9 de dezembro a Associação do Ex- alunos se fez presente na formatura do Ensino Fundamental do IBC, representada por Cláudio de Castro Panoeiro, que entregou para cada formando um convite de ingresso na Associação.

Também no dia 9 de dezembro o presidente Gilson Gonçalves realizou uma entrevista com o locutor esportivo da Rádio Manchete, Rodrigo Campos, sobre a carreira desse jornalista.

No dia 10 de dezembro foi realizado um almoço com flash back para comemorar o final do ano de 2011.

Foi realizada no dia 15 de dezembro uma reunião aberta para tratar das questões do Instituto Benjamin Constant, em que se discutiu o relatório final da Meta 4 do Projeto de Lei 8035/2011.

Está sendo concluída a revisão do livro de contos da entidade pelo professor Paulo Felicíssimo.

Está sendo firmado um convênio entre a Associação dos Ex-alunos e o IBC, para que a mesma possa fazer uso do ginásio esportivo aos sábados.

A partir de janeiro de 2012, disponibilizaremos no site da Associação as atas das reuniões de diretoria.
Gilson Josefino - Presidente

#3. O IBC EM FOCO


Colunista: VITOR ALBERTO DA SILVA MARQUES ( vt.asm@oi.com.br)
Agenda IBC - 2011/2012
Estamos chegando a mais um final de ano, e em função do significado dessa data, pretendo fazer nesta coluna, um levantamento das realizações pontuais do IBC, durante este ano que chega ao fim, e do que se vislumbra para o próximo ano, envolvendo eventos relevantes, dos quais farão parte seus alunos, seus ex-alunos, muitos deles,

permanecendo a dignificar de forma marcante, seu corpo funcional, graças a uma educação de qualidade, mantida há mais de um século e meio, por nossa escola, do início do J I, ao final do Ensino Fundamental, apesar do julgamento equivocado e até mesmo preconceituoso de alguns dos especialistas que assessoram o MEC, hoje.

No sentido de enriquecer este espaço, proponho que ele possa contar, nos próximos

números, a partir de fevereiro do ano de 2012, com a colaboração efetiva dos nossos companheiros, seja propondo questões a serem abordadas, seja oferecendo dados documentais ou outros materiais relevantes sobre o nosso IBC, tendo como protagonistas, acima de tudo, todos aqueles que direta ou indiretamente fazem parte

do desenvolvimento técnico-pedagógico do IBC, que mantém todas as suas

atividades em expansão.

Seja no atendimento aos reabilitandos, seja no apoio dispensado aos alunos de escolas de nível médio, bem como do nível fundamental, das diferentes unidades da federação que o solicitem, por seu parque gráfico, na transcrição de títulos em Braille, de forma adaptada ou em tipos ampliados, o IBC notabiliza-se com sua presença vigorosa, reforçando o seu papel, como uma força motriz relevante da inclusão escolar tão

almejada, não obstante, pelos acadêmicos que respaldam o MEC, reiteradamente negada.

Este ano, O IBC a partir de outubro, manteve a sua política de matrículas novas abertas para todos os níveis do ensino: da estimulação, onde se praticam formas de atendimento, passando pelo jardim, atendimento de transição, primeiro e segundo segmentos, correspondendo à escolarização, do segundo ao nono anos, no regime de seriação, com todas as disciplinas do núcleo comum e toda uma gama de atividades extracurriculares, definidas pela área pedagógica.

Em regime de atendimento, o Departamento de Educação mantém, para um universo de alunos com deficiência múltipla, o Programa Educacional Alternativo, no sentido de minimizar os prejuízos por uma multiplicidade de comprometimentos nas áreas da cognição, e neuromotora, fatores de redução de sua autonomia.

Esses programas são conhecidos, por suas peculiaridades, como Atendimento Educacional Especializado, por atenderem de forma alternada, e não, continuada e sequencial.

Além dos cursos de capacitação, sistematicamente oferecidos a cada ano, o IBC mantém um curso de qualificação, iniciado no meio de cada ano, com um programa abrangente, até o seu final, início de dezembro.

Está previsto também para o próximo ano, a implantação do curso de qualificação sob forma de pós-graduação, em princípio na área da Educação Infantil, o que depende ainda da aprovação do MEC.

Certamente, sem o regime de escolarização, empreendido no Ensino Fundamental em nossa instituição, não teríamos o suporte indispensável para a realização desses cursos, seja de capacitação ou de qualificação, já que o regime de estágios não teria como absorver os saberes imanentes de nossa escola como fonte consagrada da experiência e do conhecimento na área da pessoa cega e de baixa visão.

Para o ano de 2012, estão previstas contratações de 15 professores temporários, para suprir a falta de professores, nas disciplinas, de Português, Ciências, Matemática, Geografia, História, Braille, Soroban, Química e ainda outras a serem definidas, conforme edital a ser divulgado na página do IBC, a saber: www.ibc.gov.br
Esses concursos acontecerão, graças a uma parceria do IBC com o Instituto Federal de Tecnologia, que dará aporte financeiro na sustentação desses contratados, por um período de um ano, renovável por mais um, sob o regime de CLT.

Quanto a concursos para docentes e técnicos do quadro permanente, ainda depende de lei a ser encaminhada ao congresso e isso demanda tempo e vontade política.

Sabe-se que em momento de crise econômica mais aguda, para os governos, qualquer desculpa serve.
Aguardo as críticas e qualquer colaboração para:

contraponto@exaluibc.org.br

ou então para: vtr.alberto@gmail.com.
Que o Natal signifique um estado de espírito de generosidade permanente, independente da crença ou da visão de mundo de cada um!
Que o novo ano seja realmente novo para cada um de nós, revestidos do espírito de compreensão e respeito, muito mais que tolerância, sentimento este que se arrasta na fronteira do conflito!
VITOR ALBERTO DA SILVA MARQUES

#4. DV EM DESTAQUE


Colunista: JOSÉ WALTER FIGUEREDO (jowfig@gmail.com)

Férias: confira dicas para uma viagem acessível


Anualmente, a quantidade de pessoas com deficiência que faz turismo cresce, assim como aumenta o nível de exigência quanto à acessibilidade e à qualidade dos serviços prestados pelos locais visitados.

O Brasil ainda deve muito na questão da infraestrutura dedicada a este público, mas algumas iniciativas têm procurado reverter e indicar o (longo) caminho que deve ser seguido. No Brasil, um dos exemplos mais representativos de acessibilidade é a cidade de Socorro, no interior paulista. De 2006 a 2008, o projeto “Socorro Acessível”, aplicou, no município, R$ 1,73 milhão em obras de infraestrutura turística, cursos de qualificação profissional para o atendimento a turistas com deficiências físicas e/ou motoras, além de promover adaptações em passeios, equipamentos e edificações públicas, de acordo com a norma brasileira de acessibilidade nº 9050/2004 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).


O projeto Socorro Acessível, iniciado em 2006, é uma parceria entre o Ministério do Turismo, a prefeitura local, a Associação para Valorização e Promoção de Excepcionais (Avape), a Associação Brasileira de Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta) e o Instituto Casa Brasil de Cultura (ICBC).

Hoje, a cidade pode ser considerada modelo no desenvolvimento do turismo acessível, e serve de exemplo a inúmeras cidades brasileiras e também a outros países. “Diversas cidades, mais de 50, já vieram conhecer o nosso projeto. Já nos visitaram, também, empresários de outros países, como Chile, Costa Rica, Austrália e Estados Unidos. Além disso, em 2011, representantes da Secretaria Especial da Copa 2014 e Rio 2016 fizeram uma visita para conhecer o que temos de acessibilidade nos meios de hospedagem, restaurantes e atrativos turísticos”, explica Carlos Tavares, diretor do Departamento de Turismo e Cultura da Prefeitura de Socorro. Outro ponto importante é que o município também foi convidado para dar uma palestra sobre atividades de aventura adaptadas durante o Congresso Internacional de Acessibilidade, que aconteceu entre os dias 01 e 02 de março de 2011, em Moçambique, na África.

Segundo o diretor, a primeira fase do projeto já foi implantada, e a cidade está começando a entrar na segunda. Até o momento, Socorro já recebeu adaptação em logradouros públicos, hotéis, restaurantes, bares, lanchonetes, lojas e parques e, agora, quer ampliar esta rede. “A próxima etapa é adaptar o museu, construir lombafaixas na cidade, instalar elevador no mirante do Cristo e implantar sinalização de informação para deficientes visuais na rua principal da cidade”, conta Carlos Tavares.
- Outras iniciativas

Outras iniciativas também se espalham pelo país, como é o caso do Hotel Villa BellaSite externo., em Gramado (RS). Desde quando foi construído, em 1989, a ideia era atender a todos os públicos. Para isso, ele foi planejado para ter elevadores e rampas de acesso a todos os setores, e já contava com dois apartamentos adaptados para pessoas com deficiência. “Hoje, 10% de nossos quartos são adaptados e temos acessibilidade total em todas as áreas sociais, incluindo cadeira de elevação na piscina. Possuímos, também, diversos equipamentos que são necessários para tornar a hospedagem mais acessível, como cadeiras de rodas extras, cadeira de banho, Koller (telefone para deficientes auditivos), cardápios em Braille, etc.”, explica Marciano Ramos, recepcionista do Hotel Villa Bella.

No entanto, ter a sua arquitetura favorável e possuir equipamentos não torna um local totalmente acessível. Marciano ressalta que os colaboradores do hotel são capacitados para receber e ajudar as pessoas com deficiência no que for necessário, como por exemplo, auxiliar um cadeirante a sair de uma cadeira, facilitar o descolamento de deficientes visuais e utilizar Libras. “Com isso, recebemos o Certificado de Total Acessibilidade do Instituto Pestalozzi”, acrescenta.
-Ecoturismo e Turismo de Aventura

Esse é um nicho do mercado de turismo que também está crescendo. Interesse que cresce também entre as pessoas com deficiência. No entanto, para esse público, além de turismo e lazer, essa modalidade representa muito mais que isso. Pode significar uma experiência transformadora na vida dessas pessoas no sentido de aumentar a satisfação, possibilitar aumento da autoestima e, principalmente, trazer o sentimento de superação.

O Hotel Fazenda Parque dos Sonhos, localizado em Socorro (SP), é um dos pioneiros em acessibilidade. Além de ter suas instalações adaptadas para as necessidades das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, possui diversas atividades aventureiras adaptadas a esse público. Por exemplo, tirolesa, boia-cross, rapel, caminhada, canoagem, cavalgada, trilha ecológica e rafting podem ser feitos com as devidas adaptações e com segurança.

Segundo o Manual de Boas Práticas de Acessibilidade em Ecoturismo e Turismo de Aventura, elaborado pela ABETA (Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura) e Ministério do Turismo, muitas destas atividades não requerem adaptações tecnicamente complexas para atender às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. No entanto, exigem conhecimentos específicos, principalmente quando se tratam de adaptações de equipamentos de segurança, cujo projeto geralmente não havia sido pensado para este público.

Para Jefferson Maia, pedagogo, artista plástico, esportista e especialista em atividades de pesca, mergulho e praia, uma boa iniciativa nessa área começa com entender as principais limitações das pessoas que pretendem participar das atividades – aliás, recomendação que vale para qualquer público. Além disso, recomenda: “O local deve dispor de embarcações condizentes e embarque/desembarque facilitados, as popas devem ser rebaixadas para retorno do mergulho e banheiros acessíveis. Para a prática da pesca e atividades na praia, basicamente, são necessários esteiras de acesso na areia, rampas, locais próximos com banheiros adaptados, condução urbana acessível e estacionamento próximo, além de calçamento adequado do costado de pesca (se for o caso)”.

Para os empresários interessados em tornar suas atividades mais acessíveis, o manual da ABETA recomenda que sejam observados alguns critérios: o primeiro deles é procurar informações com o Ministério do Turismo, que possui orientações sobre quais atividades podem e como podem ser adaptadas. A segunda recomendação é contratar pessoal especializado e de apoio técnico e mercadológico, pois qualquer tipo de amadorismo nesse processo de adaptação pode colocar em risco ou agravar as condições da deficiência que a pessoa já tenha. É fundamental também que toda a infraestrutura do local seja adaptada conforme determina a legislação em vigor.


- Cruzeiros

Outra excelente opção para quem procura descansar nas férias é curtir alguns dias em alto mar, nos chamados cruzeiros. Grande parte dos navios já são projetados levando em conta a acessibilidade. Os navios da MSC Cruzeiros são bons exemplos e seguem as disposições do US Americans with Disabilities Act, um decreto estadunidense que contém um conjunto detalhado de normas sobre acessibilidade nas áreas públicas.

Na maioria dos navios da empresa, o piso é plano e, onde não foi possível a adaptação, foram instaladas rampas de acesso. A largura das portas e os corredores foram projetados para atender aos cadeirantes. Ao todo, a frota MSC conta com 174 cabines especiais, que possuem interruptores de luz, cartões-chave, controles de ar condicionado e cofres privativos na devida altura. Nos navios da classe Fantasia, até os cabideiros foram posicionados de forma adequada. Os banheiros são especialmente adaptados e equipados com assentos mais baixos (45 cm de altura), com uma barra de apoio junto ao sanitário e duas no box do chuveiro, um lavatório baixo (85 cm de altura) e, em alguns casos, lavatórios sem coluna. Todos os navios estão equipados com cadeiras de rodas, muletas e bengalas.

Em quase todos os navios, os quadros e placas de avisos dos elevadores, áreas públicas, cabines e corredores estão escritos em Braille. Além disso, também existe sistema de áudio que indica os andares. Para os deficientes auditivos, os navios contam com kits de socorro com aparelhos auditivos. Por meio de luzes e vibrações, esses hóspedes são avisados quando o alarme do relógio e a campainha da porta soam, ou até em casos de alarme de incêndio ou de evacuação. São disponibilizados, também, amplificadores individuais sem fio para serem utilizados em áreas públicas, além de um sistema digital nos teatros e painéis de indução magnética na recepção, balcão de informações e no escritório de excursões terrestres de cada navio.

A MSC Cruzeiros recomenda aos interessados em realizar reservas que comuniquem à empresa a respeito de sua deficiência. Assim, ao embarcarem, a tripulação será informada e uma Equipe de Apoio aos Deficientes será designada para prestar assistência sempre que necessário. O hóspede também poderá solicitar assistência no embarque e desembarque ou para check-in e check-out prioritário.
- Termos do Turismo de Aventura

Arvorismo - locomoção por percurso em altura instalado em árvores e outras estruturas construídas.

Bungue jump - salto com o uso de corda elástica.

Cachoeirismo - descida em quedas d’água utilizando técnicas verticais, seguindo ou não o curso da água.

Canionismo - descida em cursos d’água transpondo obstáculos aquáticos ou verticais com a utilização de técnicas verticais. O curso d’água pode ser intermitente.

Escalada - ascensão em montanhas, paredes artificiais ou blocos rochosos, utilizando técnicas verticais.

Montanhismo - caminhada, escalada ou ambos, praticada em ambiente de montanha.

Rapel - técnica vertical de descida em corda. Por extensão, nomeiam-se, também, as atividades de descida que utilizam essa técnica.

Tirolesa - deslizamento entre dois pontos afastados horizontalmente em desnível, ligados por cabo ou corda.

Boia-cross - descida em corredeiras utilizando boias infláveis. Também conhecida como acqua-ride.

Canoagem - percurso aquaviário utilizando canoas, caiaques, ducks e remos.

Mergulho - imersão profunda ou superficial em ambientes submersos, praticado com ou sem o uso de equipamento especial.

Rafting - descida em corredeiras utilizando botes infláveis.

Asa delta - voo com aerofólio impulsionado pelo vento.

Balonismo - voo com balão de ar quente e técnicas de dirigibilidade.

Parapente - voo de longa distância com o uso de aerofólio (semelhante a um paraquedas) impulsionado pelo vento e aberto durante todo o percurso, a partir de determinado desnível.

Paraquedismo - salto em queda livre com o uso de paraquedas aberto para aterrissagem, normalmente a partir de um avião.

Ultraleve - voo em aeronave motorizada de estrutura simples e leve.


Fonte: O Diário
***
Polo Astronômico Casimiro Montenegro Filho é o primeiro no Brasil a atender deficientes visuais

Visitas por enquanto devem ser agendadas e acompanhadas de um monitor


O Polo Astronômico Casimiro Montenegro Filho, localizado no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), recebeu, no dia 15 de dezembro, o primeiro grupo de portadores de deficiência visual - formado por alunos da rede pública de ensino de Foz do Iguaçu.

Os visitantes, com diferentes graus de limitação visual, inauguraram uma nova fase do atrativo turístico voltado ao ensino da astronomia.


A partir de agora, as histórias sobre a ciência da astronomia também podem ser descobertas por pessoas com deficiência visual. Lauane Amaral Guillen Aponte, monitora do Polo Astronômico, comemorou o feito histórico. “Nós tivemos um teste no ano passado com várias entidades, mas essa é a primeira visita oficial, pois a professora (Dineuza Maria do Amaral) fez um curso de astronomia com a gente e essa visita faz parte da conclusão do trabalho dela. A partir de hoje nós vamos começar novas atividades para receber esse tipo de grupo, mas com visitas agendadas. Isso até a gente conseguir todos os equipamentos para que o visitante consiga realizar a visita sem, necessariamente, o acompanhamento de um monitor”, destacou.
Lauane lembrou que toda a equipe do Polo Astronômico se preparou com antecedência, participando do curso “Fundamentos Teóricos e Metodológicos para o Ensino-Aprendizagem em Astronomia: Formação de Educadores”, e que foram eles mesmos que confeccionaram os equipamentos diferenciados para receber esse público. “Como não existe o apelo visual, é preciso criar formas em alto-relevo e objetos táteis e auditivos para explicar a astronomia para esses visitantes”, completou.


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal