Curso de Primeiros Socorros Avançados



Baixar 110.11 Kb.
Encontro04.04.2018
Tamanho110.11 Kb.

Curso de Formação de Bombeiros Comunitários



Lição 3



AGENTES EXTINTORES E EXTINTORES DE INCÊNDIO







OBJETIVOS:
Ao final desta lição os participantes serão capazes de:


  1. Identificar os agentes extintores mais comuns para as diferentes classes de incêndio;

  2. Identificar os diversos tipos de extintores;

  3. Demonstrar conhecimento sobre a operação dos extintores;

  4. Identificar os extintores apropriados às respectivas classes de incêndio;

  5. Conhecer os extintores obsoletos, mas ainda em uso;

6. Conhecer princípios básicos de inspeção e manutenção.




1. INTRODUÇÃO

Extintores são recipientes metálicos que contém em seu interior agentes extintores para combate imediato e rápido a princípios de incêndio. Os extintores podem ser portáteis ou sobre rodas, conforme o seu tamanho e uso. Os extintores portáteis também são conhecidos simplesmente por extintores e os extintores sobre rodas, por carretas. Os extintores classificam-se em conformidade com a classe de incêndio a que se destinam, ou seja, “A”, “B”, “C” e “D”. Para cada classe de incêndio há um ou mais extintores adequados. Todo o extintor deve possuir, em seu corpo, um rótulo de identificação facilmente localizável. Este rótulo traz informações sobre as classes de incêndio para as quais o extintor é indicado e também instruções de uso. O sucesso na operação de um extintor dependerá basicamente de:



  • Uma fabricação de acordo com as normas técnicas (ABNT);

  • Uma adequada distribuição dos aparelhos na planta;

  • Uma inspeção periódica da área a proteger;

  • Uma manutenção adequada e eficiente; e

  • Pessoal habilitado no correto manuseio do aparelho.

  2. TIPOS DE AGENTES EXTINTORES

Os extintores devem conter uma carga de agente extintor em seu interior, essa carga é chamada de unidade extintora e é especificada em norma.

  2.1 ÁGUA

É o agente extintor mais abundante na natureza. Age principalmente por resfriamento, devido a sua propriedade de absorver grandes quantidades de calor. Atua também por abafamento (dependendo da forma como é aplicada, neblina, jato contínuo, etc). A água é o agente extintor mais empregado, em virtude do seu baixo custo e da facilidade de obtenção. Em razão da existência de sais minerais em sua composição química, a água conduz eletricidade e seu usuário, em presença de materiais energizados, pode sofrer um choque elétrico. Quando utilizada em combate a fogo em líquidos inflamáveis, há o risco de ocorrer transbordamento do líquido que está queimando ou mesmo um “boil over”, aumentando, assim, a área do incêndio.



2.2 PÓ-QUÍMICO SECO

Os pós-químicos secos são substâncias constituídas de bicarbonato de sódio, bicarbonato de potássio ou cloreto de potássio, que, pulverizadas, formam uma nuvem de pó sobre o fogo, extinguindo-o por quebra da reação em cadeia e por abafamento. O pó deve receber um tratamento anti-higroscópico para não umedecer e evitar assim a solidificação no interior do extintor. Para o combate a incêndio de classe “D” utilizamos pós à base de cloreto de sódio, cloreto de bário, monofosfato de amônia ou grafite seco.



2.3 GÁS CARBÔNICO (CO²)

Também conhecido como dióxido de carbono, o CO² é um gás mais pesado que o ar, sem cor, sem cheiro, não condutor de eletricidade e não venenoso (mas asfixiante). Age principalmente por abafamento, tendo, secundariamente, ação de resfriamento. Por não deixar resíduos nem ser corrosivo é um agente extintor apropriado para combater incêndios em equipamentos elétricos e eletrônicos sensíveis (centrais telefônicas e computadores).



2.4 COMPOSTOS HALOGENADOS (HALON)

São compostos químicos formados por elementos halogênios, tais como o flúor, o cloro, o bromo e o iodo. Atuam na quebra da reação em cadeia devido às suas propriedades específicas e, de forma secundária, por abafamento. São ideais para o combate a incêndios em equipamentos elétricos e eletrônicos sensíveis, sendo mais eficientes que o CO². Assim como o CO², os compostos halogenados se dissipam com facilidade em locais abertos, perdendo seu poder de extinção.



2.5 ESPUMA

A espuma pode ser química ou mecânica conforme seu processo de formação. Química, se resultou da reação entre as soluções aquosas de sulfato de alumínio e bicarbonato de sódio; mecânica, se a espuma foi produzida pelo batimento da água, líquido gerador de espuma (LGE) e ar. A rigor, a espuma é mais uma das formas de aplicação da água, pois constitui-se de um aglomerado de bolhas de ar ou gás (CO²) envoltas por película de água. Mais leve que todos os líquidos inflamáveis é utilizada para extinguir incêndios por abafamento e, por conter água, possui uma ação secundária de resfriamento.



3. CONSIDERAÇÕES SOBRE EXTINTORES PORTÁTEIS

São aparelhos de fácil manuseio, destinados a combater princípios de incêndio. Recebem o nome do agente extintor que transportam em seu interior (por exemplo: extintor de água, porque contém água em seu interior). Os extintores podem ser:



3.1 EXTINTOR DE ÁGUA:

Pressurizado ou por pressão injetada.



  • Manual do tipo costal.

Características de um extintor de água (pressurizado)

Capacidade

10 litros

Unidade extintora

10 litros

Aplicação

Incêndio de classe “A”

Alcance do jato

Até 10 metros

Tempo de descarga

60 segundos

Funcionamento: a pressão interna expele a água quando o gatilho é acionado.

Características de um extintor manual de água (bomba manual)

Capacidade

10 a 20 litros

Aplicação

Incêndio de classe “A”

Tempo de descarga e alcance

Conforme o operador

Funcionamento: a pressão é produzida manualmente.

Características de um extintor de água tipo costal:

É preso às costas do operador por alças. O esguicho já é acoplado à bomba. Opera-se com as duas mãos: uma controla o jato d’água e a outra, com movimento de “vai e vem”, aciona a bomba.



3.2 EXTINTOR DE PÓ QUÍMICO SECO:

  • Pressurizado.

  • Pressão injetada

Características de um extintor de PQS pressurizado

Capacidade

1, 2, 4, 6, 8 e 12 Kg

Unidade extintora

4 Kg

Aplicação

Incêndios classes “B” e “C”

Alcance médio do jato

5 metros

Tempo de descarga

15 segundos para extintor de 4 Kg

25 segundos para extintor de 12 Kg



Funcionamento: O pó sob pressão é expelido quando o gatilho é acionado.

Características de um extintor de PQS de pressão injetada

Capacidade

4, 6, 8 e 12 Kg

Unidade extintora

4 Kg

Aplicação

Incêndios classes “B” e “C”

Alcance médio do jato

5 metros

Tempo de descarga

15 segundos para extintor de 4 Kg

25 segundos para extintor de 12 Kg



Funcionamento: Junto ao corpo do extintor há um cilindro de gás comprimido que ao ser aberto pressuriza o extintor, expelindo o pó quando o gatilho é acionado.

3.3             EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO (CO²)

  Características de um extintor de CO²



Capacidade

4, 6, 8 e 12 Kg

Unidade extintora

6 Kg

Aplicação

Incêndios classes “B” e “C”

Alcance do jato

2,5 metros

Tempo de descarga

25 segundos

Funcionamento: O gás é armazenado sob pressão e liberado quando o gatilho é acionado. Segure pelo punho do difusor, quando da operação, para evitar lesões.



3.4             EXTINTOR DE HALOGENADO

Características de um extintor de Halon (Composto halogenado)

Capacidade

1, 2, 4 e 6 Kg

Unidade extintora

2 Kg

Aplicação

Incêndios classes “B” e “C”

Alcance médio do jato

3,5 metros

Tempo de descarga

15 segundos, para extintor de 2 Kg

Funcionamento: O gás sob pressão é liberado quando acionado o gatilho. O halon é pressurizado pela ação de outro gás (expelente), geralmente nitrogênio.

3.5 EXTINTOR DE ESPUMA:

  • Mecânica (pressurizado).

  • Mecânica (pressão injetada).

  • Química.

Características de um extintor de espuma mecânica (pressurizado)

Capacidade

9 litros (mistura de água e LGE)

Unidade extintora

9 litros

Aplicação

Incêndios classes “A” e “B”

Alcance médio do jato

5 metros

Tempo de descarga

60 segundos

Funcionamento: A mistura de água/LGE já está sob pressão. É expelida pelo acionado do gatilho e o passar pelo esguicho, ocorre a mistura com o ar, que forma a espuma.

Características de um extintor de espuma mecânica (pressão injetada)

Capacidade

9 litros (mistura de água e LGE)

Unidade extintora

9 litros

Aplicação

Incêndios classes “A” e “B”

Alcance médio do jato

5 metros

Tempo de descarga

60 segundos

Funcionamento: Um cilindro de gás comprimido acoplado ao corpo do extintor ao ser aberto, pressuriza-o, expelindo a mistura de água/LGE quando acionado o gatilho.

 

Características de um extintor de espuma química

Capacidade

10 litros (total dos reagentes)

Unidade extintora

10 litros

Aplicação

Incêndios classes “A” e “B”

Alcance médio do jato

7,5 metros

Tempo de descarga

60 segundos

Funcionamento: Colocando o extintor de cabeça para baixo, os reagentes

(soluções aquosas de sulfato de alumínio e bicarbonato de sódio) entram

em contato e reagem quimicamente, formando a espuma.

Depois de iniciado o funcionamento não é possível interromper a descarga.



 

4. EXTINTORES SOBRE RODAS (CARRETAS)

Os extintores sobre rodas, também chamados de carretas, são aparelhos montados sobre rodas e com grande quantidade de agente extintor. As carretas recebem o nome do agente extintor que transportam, da mesma forma que os extintores portáteis.

Devido ao seu tamanho e a sua capacidade de carga, a operação destes aparelhos geralmente é realizada por dois operadores.

As carretas podem ser:



  • de água;

  • de espuma mecânica;

  • de espuma química;

  • de pó químico seco;

  • de gás carbônico.

  Características de um extintor tipo carreta de água






Capacidade




75 a 150 litros




Aplicação

Incêndios classes “A”

Alcance do jato

13 metros

Tempo de descarga para 75 litros

180 segundos

‘Funcionamento: Acoplado ao corpo da carreta há um cilindro de gás comprimido que quando é aberto pressuriza o mesmo, expelindo a água após acionado o gatilho.

 

Características de um extintor tipo carreta de espuma mecânica

Capacidade

75 a 150 litros (mistura de água e LGE)

Aplicação

Incêndios classes “A” e “B”

Alcance médio do jato

7,5 metros

Tempo de descarga para 75 litros

180 segundos

Funcionamento: Acoplado ao corpo da carreta há um cilindro de gás comprimido que quando é aberto pressuriza o mesmo, expelindo a mistura de água/LGE, após acionado o gatilho. No esguicho lançador é adicionado o ar que forma a espuma.

Características de um extintor tipo carreta de espuma química

Capacidade

75 a 150 litros (total dos reagentes)

Aplicação

Incêndios classes “A” e “B”

Alcance médio do jato

13 metros

Tempo de descarga para 75 litros

120 segundos

Funcionamento: Com o tombamento do aparelho e a abertura do registro, as soluções dos reagentes entram em contato e reagem formando a espuma química.

Características de um extintor tipo carreta de PQS

Capacidade

20 a 100 Kg

Aplicação

Incêndios classes “B” e “C”

Tempo de descarga para 20 Kg

120 segundos

Funcionamento: Junto ao corpo do extintor há um cilindro de gás comprimido que, ao ser aberto, pressuriza-o, expelindo o pó quando acionado o gatilho.

Características de um extintor tipo carreta de CO²

Capacidade

25 Kg a 50 Kg

Aplicação

Incêndios classes “B” e “C”

Alcance médio do jato

3 metros

Tempo de descarga para 30 Kg

60 segundos

Funcionamento: O gás carbônico, sob pressão, é liberado quando acionado o gatilho.

5. MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO

A manutenção começa com o exame periódico e completo dos extintores e termina com a correção dos problemas encontrados, visando um funcionamento seguro e eficiente. É realizada através de inspeções, onde são verificados: localização, acesso, visibilidade, rótulo de identificação, lacre e selo da ABNT, peso, danos físicos, obstrução no bico ou na mangueira, peças soltas ou quebradas e pressão nos manômetros.



  TIPOS DE INSPEÇÕES:

Semanais: Verificar acesso, visibilidade e sinalização.

Mensais: Verificar se o bico ou a mangueira do extintor estão obstruídos. Observar a pressão do manômetro (se houver), o lacre e o pino de segurança.

Semestrais: Verificar o peso do extintor de CO² e do cilindro de gás comprimido, quando houver. Se o peso do extintor estiver abaixo de 90% do especificado, recarregar.

Anuais: Verificar se não há dano físico no extintor, avaria no pino de segurança e no lacre. Recarregar o extintor se constatado qualquer violação nestes itens.

Qüinqüenais: Fazer o teste hidrostático, que é a prova a que se submete o extintor a cada cinco (5) anos ou toda vez que o aparelho sofrer acidentes, tais como: batidas, exposição a temperaturas altas, ataques químicos ou corrosão. Deve ser efetuado por pessoal habilitado e com equipamentos especializados. Neste teste, o aparelho é submetido a uma pressão de 2,5 vezes a pressão de trabalho, isto é, se a pressão de trabalho é de 14 Kgf/cm², a pressão de prova será de 35 Kgf/cm². Este teste é precedido por uma minuciosa observação do aparelho, para verificar a existência de danos físicos.

6. QUADRO RESUMO DE EXTINTORES

 

Incêndio

Agente Extintor


 

Água

 

PQS

 

CO²

 

Halon

Espuma Química

Espuma Mecânica

Classe “A”

Eficiente

Pouco eficiente

Pouco eficiente

Pouco eficiente

Pouco eficiente

Pouco eficiente

Classe “B”

Não

Eficiente

Eficiente

Eficiente

Eficiente

Eficiente

Classe “C”

Não

Eficiente*

Eficiente

Eficiente

Não


Não

Classe “D”

Não

PQS**

Especial



Não

Não

Não


Não

Unidade Extintora

10 l

4 Kg

6 KG

2 Kg***

10 l


9 l

Alcance

médio do

jato

10 m

5 m

2,5 m

3,5 m

7,5 m


5 m

Tempo de

descarga

60 s

15 s

25 s

15 s

60 s

60 s

 

Método de

extinção

 

 

Resfriamento



Quebra da

reação em

cadeia e abafamento


 

Abafamento e resfriamento



 

Químico e abafamento



 

Abafamento

e resfriamento


 

Abafamento



e resfriamento

OBSERVAÇÕES:

* O uso de PQS não é indicado em equipamentos com componentes sensíveis.

** Para incêndio classe “D” use somente PQS especial.

*** Unidade extintora especificada pelo CB.



Combate a Incêndio MP3-


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal