Curso pré-nupcial um Manual para o Ministro



Baixar 132.71 Kb.
Página2/3
Encontro29.11.2017
Tamanho132.71 Kb.
1   2   3

Recomendação: Nunca se esqueça de que a primeira coisa a fazer, ao receber seu salário, é separar a parte que pertence ao Senhor, entregando-a ou devolvendo-a a ele.

3.5 PLANEJAMENTO FAMILIAR


3.5.1 Número de Filhos: Foi-se o tempo em que cada casal possuía, em média, 5 ou 6 filhos. Hoje, fatores como: violência, permissividade, alto custo de vida, aliados à presença da mulher no mercado de trabalho, têm contribuído para a redução do número de filhos por casal. Por isso, a média atual é de 1 a 2 filhos por casal.

3.5.2 Métodos contraceptivos: Tempos atrás havia uma forte resistência por parte de alguns irmãos quanto à adoção de métodos contraceptivos, imaginando ser prática pecaminosa, com base na ordem de Deus para crescer e se multiplicar e encher a terra. O fato é que a terra já está cheia, e a ordem foi para que todos contribuíssem para isso, e não apenas um ou alguns casais. Deus dotou o homem e a mulher de inteligência e de capacidade para avaliarem o número de filhos que podem criar, podendo oferecer, além do amor, condições básicas de saúde e de educação.

3.5.3 Pílulas: As pílulas anticoncepcionais são comprimidos feitos com substâncias químicas semelhantes aos hormônios encontrados no corpo da mulher. Elas impedem a ovulação, evitando, assim, a gravidez.

Existem diferentes tipos de pílulas; só o médico pode avaliar corretamente as mulheres que podem e as que não podem usar esse método, e qual o tipo adequado para cada mulher; para isso, ela deve fazer um exame clínico e ginecológico completo (inclusive medir a pressão arterial e fazer o preventivo de câncer).

Um dos problemas é que, entre 5% e 10% das mulheres, têm efeitos colaterais (náuseas, retenção de liquido e manchas na pele). Se usada corretamente, a eficácia da pílula será de 99,1% a 99,7%.


      1. Ligadura de Trompas: A ligadura de trompas é realizada nas mulheres que nunca mais querem filhos. Pode ser feita de várias maneiras, mas sempre exige internação. É uma cirurgia de esterilização voluntária definitiva e, por isso, a mulher tem de ter certeza absoluta de que nunca mais poderá ter filhos.

3.5.5 Preservativo: O preservativo é um método para ser usado pelo homem, no momento da relação sexual, para evitar a gravidez. Sua eficácia é de 75% a 97%, se usada corretamente. Já existe a camisinha feminina; porém, é mais cara.

3.5.6 Vasectomia: A vasectomia é um método contraceptivo para o homem. Consiste de uma pequena cirurgia que interrompe o canal deferente, impedindo a passagem dos espermatozóides na ejaculação. É uma cirurgia ambulatorial. Isto quer dizer que não necessita de internação, pois é feita em postos de saúde e não interfere na potência sexual. A reanastomose (cirurgia que reverte a vasectomia) restabelece a fertilidade em apenas 50% a 60% dos casos. A cirurgia é indicada para homens que já tenham estabilidade familiar e/ou a certeza de não quererem mais filhos. Não é recomendável para homens com menos de 30 anos, que não tenham filhos e a homens que acabam de se separar. Sua eficácia é de 98%.


Informações extraídas do site: www.metodosanticoncepcionais.hpg.ig.com.br

SEÇÃO 4: SEXUALIDADE NO PLANO DE DEUS


4. PROPÓSITOS DO CASAMENTO

Basicamente, são três os propósitos do casamento: companheirismo, procriação e prazer.

4.1 Companheirismo: Em Gn 2:18, lemos: Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só: far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea. Antes disso acontecer, Adão observou que os animais formavam pares, macho e fêmea, e que ele estava só, sem ter com quem compartilhar a vida. E Deus criou a mulher.

4.2 Procriação: Em algumas culturas, ainda prevalece a crença de que a única finalidade do casamento é a procriação ou multiplicação da espécie humana; tanto é assim que, por absurdo que possa parecer, há países onde as mulheres são mutiladas, através da extração do clitóris, órgão feminino responsável pelo prazer sexual, com base na crença de que tal prazer representa pecado.

Biblicamente, a procriação é uma das principais finalidades do casamento, conforme Gn 1:28: E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a.

4.3 Prazer: Uma falsa ideia se espalhou no sentido de desviar o pecado original da desobediência a Deus, pela ingestão do fruto proibido, para o contato sexual entre Adão e Eva. Tal argumento é fraco e mentiroso. Primeiramente porque a ordem de Deus para se multiplicar e encher a terra foi dada antes do pecado. Depois, porque, para Adão e Eva cumprirem essa ordem, teriam de praticar o ato sexual propriamente dito — prova de que Deus nunca teve tal prática por pecado, salvo em circunstâncias fora do casamento.

Ao criar o homem, Deus o dotou de sensibilidade. Assim, sensação de prazer é próprio da natureza humana. O propósito de Deus é de que homem e mulher se completem, se realizem e sejam felizes, desfrutando de prazer na vida a dois.
4.4 SEXUALIDADE E POSSÍVEIS PROBLEMAS: Todo ser humano já nasce com sua sexualidade, trata-se de um aspecto da natureza humana, criado por Deus, com os propósitos vistos e discutidos anteriormente. No momento da fecundação, ocorre a definição do sexo do novo ser em formação: masculino ou feminino, salvo em casos raríssimos; quando acontecem aberrações cromossômicas, podendo resultar nos chamados intersexos (pessoa que nasce com os dois órgãos sexuais, masculino e feminino), caso raríssimo de acontecer.

A sexualidade é parte importantíssima da constituição humana, podendo ser fator gerador de bênção, felicidade e prazer, bem como fator gerador de frustração e de infelicidade. Lamentavelmente, há muitos casais que, apesar de anos de convivência, tanto o homem quanto a mulher (na maioria dos casos, a mulher), vivem privados do prazer da vida, nessa área. Por diversas razões, a saber:


4.4.1 Traumas de infância: Um dos noivos, quando criança, pode ter flagrado os pais em pleno ato sexual, e, a partir daí, ter desenvolvido idéias distorcidas a respeito, como, por exemplo: de violência contra a mãe. Outra situação, ainda mais grave, é o caso de criança que tenha sido violentada sexualmente, por alguém da própria família, ou de fora do círculo familiar (casos que precisam de tratamento psicológico e pastoral).

4.4.2 Disfunção sexual masculina ou feminina: Todo ser humano está sujeito a apresentar algum tipo de disfunção sexual. Existem vários tipos, mas vamos citar apenas dois:

4.4.2.1 Ejaculação precoce: Segundo pesquisas, 25% a 48% dos homens sofrem de ejaculação precoce e quase 75% dos homens têm, eventualmente, episódios de ejaculação precoce. Define-se como ejaculação precoce aquela que ocorre sem controle voluntário. Em princípio, a ejaculação é um fenômeno tão controlável quanto a urina e, como o controle urinário, deve ser aprendida em alguma fase de desenvolvimento. As causas dessa disfunção podem ser: alto grau de excitabilidade, ansiedade e causas orgânicas.

Ejaculação Precoce - extraído do site do Instituto de Infertilidade e Andrologia

4.4.2.2 Anorgasmia — Não devemos confundir anorgasmia com frigidez. A anorgasmia é a incapacidade de se ter o orgasmo no ato sexual. A frigidez é mais ampla: inclui a falta total do desejo sexual (disfunção do desejo sexual).

No caso da anorgasmia, a mulher pode ficar excitada, ter todas as respostas satisfatórias para o ato sexual; porém, o comprometimento é com o orgasmo em si. A resposta do orgasmo simplesmente não aparece.

Infelizmente, muitas mulheres sofrem desta falta de prazer durante o ato sexual. As pesquisas científicas são polêmicas quanto à questão dos números. Muitas afirmam que 45% a 48% das mulheres não possuem o orgasmo; outras dizem que são 68%.



Anorgasmia - extraído do site: www.sexologia.com.br

OBS.: É necessário que cada pessoa esteja atenta, pois, a qualquer sintoma de queda na eficiência ou no interesse pela atividade sexual, deve conversar com o (a) esposo (a), procurando descobrir a causa, que poderá ser tanto de natureza psicológica quanto de natureza orgânica. É bom lembrar que hoje existem muitos recursos à disposição.


4.5 TABUS: Os tabus são crenças irracionais, antibíblicas, criadas pelo homem, que o impedem de ser plenamente feliz, segundo a vontade de Deus. Os tabus variam de cultura para cultura. O que é tabu em alguns países orientais, como é o caso da "excisão clitoriana” não o é aqui, para nós, e vice-versa Vejamos alguns exemplos, entre nós:

4.5.1 Atividade sexual como pecado: Por incrível que pareça, ainda é possível encontrar pessoas que pensam ser o ato sexual algo pecaminoso.

4.5.2 Dormir com o corpo desnudo é pecado? Já se ouviu falar de pessoa (mulher) que alimentava a idéia de que se estivesse dormindo nessa condição, ou de pijama, não subiria ao céu, caso Jesus voltasse e a encontrasse assim.

4.5.3 Atividade sexual de luz acesa é pecado? Embora seja raro, ainda se encontram pessoas, homem ou mulher, que acreditam ser pecado olhar o corpo do esposo(a), durante o ato sexual.


4.6 PRÁTICA SEXUAL

A prática sexual entre o casal é bem diferente da prática sexual entre os animais. Os animais obedecem a um ciclo de acasalamento periódico ou intermitente. Somente na fase do "cio", período fértil para a procriação, é que os machos procuram as fêmeas. Após esse período, eles ficam abstinentes. O comportamento do ser humano é diferente, por razões já vistas. A natureza humana prevê apenas um curto período de abstinência mensal, na mulher, por ocasião do ciclo menstrual.

O que é importante destacar é que a prática sexual entre o casal não deve ser algo mecânico ou um comportamento primitivo. Deve ser fruto de um envolvimento afetivo, carinhoso, culminando no ápice do momento, que é a satisfação sexual plena, do homem e da mulher.

Vejamos algumas práticas sexuais:

4.6.1 Sexo vaginal: Essa é a prática natural criada por Deus, para a reprodução da espécie e para o prazer do casal.

4.6.2 Sexo anal: É considerado prática de sodomia, antinatural, e sua prática jamais deve ser recomendada, principalmente entre os filhos de Deus (Rm.1:26 e I Co 6:9 e 10).


4.7 CRIATIVIDADE

O ser humano é criativo por natureza; é inventivo e versátil. Essa criatividade torna a vida menos penosa, menos rotineira e mais agradável. Para manter sua sexualidade saudável e num bom nível de prazer, o casal precisa desenvolver essa criatividade, também, em seus encontros de intimidade. Alguns cuidados devem ser observados:

4.7.1 Privacidade: Exige ambiente de absoluta exclusividade para o casal, sem nenhuma possibilidade de intromissão de alguém.

4.7.2 Higiene: O cuidado com a higiene pessoal (banho, uso de loções e perfumes, dentes escovados) é fundamental, pois contribui para o bem estar do casal.

4.7.3 Clima favorável: Para algumas pessoas, é importante preocupar-se com o ambiente externo, como: tonalidade de luz e tipo de vestimenta íntima que realce a sensualidade. Por outro lado, é importante e necessário, para todos os casais, carícias preliminares e confissões de amor.

4.7.4 Posições amorosas: Não há problema algum em o casal variar posições amorosas e escolher aquela, ou aquelas, que dêem maior satisfação a ambos.

4.7.5 Cumplicidade: O que acontece no "ninho de amor" do casal deve ser mantido a sete chaves. Trata-se de algo que diz respeito única e exclusivamente a ele. Partilhar isso com alguém de fora significa romper a cumplicidade e trair a confiança do(a) esposo(a).
4.8 PERVERSÕES SEXUAIS

A palavra de Deus, há muito tempo, já disse a respeito dos desvios sexuais ou da degeneração da raça humana (Gn 6:l-7).

A ciência não encara as perversões sexuais como "patologia" ou doença, mas como uma questão de opção sexual de cada um. Porém, Deus, em sua Palavra, considera esses desvios de comportamento sexual como pecados ou perversões. Observemos as seguintes:

4.8.1 Homossexualismo: Trata-se de um indiscriminado desvio da natureza humana. Diz respeito ao envolvimento de duas pessoas do sexo masculino; homem com homem, uma verdadeira aberração do comportamento humano, claramente condenado por Deus (Rm 1:26 a 32 e Lv 18:22).

4.8.2 Lesbianismo: Semelhante ao homossexualismo, o lesbianismo diz respeito ao envolvimento de duas pessoas do sexo feminino: mulher com mulher. Comportamento igualmente reprovado por Deus (Rm 1:26 a 32).

Obs.: Por lei, é proibido qualquer tipo de discriminação, sob pena de se responder judicialmente.


SEÇÃO 5: ADULTÉRIO E DIVÓRCIO
Adultério é pecado contra Deus e contra o cônjuge. Por isso, o casal deve viver o casamento com responsabilidade. Deve lembrar-se de que, para cumprir os votos feitos um ao outro, no altar, diante do Senhor, diante da Igreja, diante dos familiares, parentes e amigos, serão necessários: empenho, honestidade, temor a Deus e determinação.

Jamais o casal cristão pode se deixar levar pelo conceito mundano de permissividade, abrindo mão dos princípios bíblicos e morais referentes ao casamento. A esse respeito, o escritor aos Hebreus (13:4) afirma: Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros, Deus os julgará.

Considere esse texto de Ml 2:14 a 16: Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. Ninguém com um resto de bom senso o faria. Mas que fez um patriarca? Buscava descendência prometida por Deus. Portanto cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. Porque o Senhor Deus de Israel diz que odeia o repúdio; e também aquele que cobre de violência as suas vestes, diz o Senhor dos Exércitos; portanto cuidai de vós mesmos e não sejais infiéis.

O adultério é a única exceção bíblica, aceitável, capaz de romper o vínculo do matrimônio, em virtude das trágicas consequências que ele produz (Mt 19: 3 a 9). “Neste particular, Jesus cita a ‘prostituição’ (gr.pornéia), palavra que, no original, inclui o adultério ou qualquer outro tipo de imoralidade sexual. O divórcio, portanto, deve ser permitido em caso de imoralidade sexual, quando o cônjuge ofendido se recusar a perdoar". (Bíblia de Estudo Pentecostal, p.1427)


5.1 DIVÓRCIO

Casamento não é algo descartável, é para toda a vida. Observe o texto a seguir, em Mt 19:6 a 8: Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Replicaram- lhe: Por que mandou então Moisés dar carta de divórcio e repudiar? Respondeu-lhes Jesus: Por causa da dureza do vosso coração é que Moisés vos permitiu repudiar vossas mulheres; entretanto, não foi assim desde o princípio.

O divórcio não é solução e nem deve ser encarado como rota de fuga para qualquer momento de crise conjugal ou familiar. Crises existem, existirão e poderão ser superadas com a graça de Deus e com o esforço de ambos.

Divórcio é uma expressão que precisa ser apagada do vocabulário do casal. Esse assunto foi amplamente discutido por uma comissão, que apresentou um parecer em Assembléia Geral, cuja conclusão é a seguinte:

“Ata da 35ª Assembléia Geral da Igreja Adventista da Promessa, realizada nos dias 12 a 14 de novembro de 1999, no local denominado Chácara dos Sonhos, em Itupeva-SP.

36° Ponto: A respeito do divórcio. Parecer das Comissões: a) prevenção: dar tratamento preventivo aos casais, através de cursos para orientação aos noivos. O curso não deve tratar apenas de questões sexuais, mas abordar aspectos de uma relação sadia e duradoura; b) divórcio e novo casamento: ratifica-se a decisão já existente, ou seja, conceder o divórcio somente quando ocorrer adultério, isen- tando-se o cônjuge inocente da disciplina; c) dissolução de casamento: por incompatibilidade e outros motivos diferentes do adultério, a contar do rompimento da relação conjugal, aplica-se a disciplina de perda de cargos e atividades na igreja, pelo prazo de 18 meses. O cônjuge inocente não deverá sofrer disciplina; d) novo casamento: havendo novo casamento, quando no dizer de Jesus caracteriza-se o adultério, aplica-se a disciplina de perda de comunhão por um período de 36 meses, deduzindo o período cumprido pelo rompimento da relação conjugal. Aprovada a proposta da comissão.

SEÇÃO 6: LEGISLAÇÃO
6. UM POUCO DE LEGISLAÇÃO (CÓDIGO CIVIL)
6.1 Idade dos noivos

Se os noivos forem menores de 18 (dezoito) anos, torna-se indispensável a presença dos pais no Cartório para assinarem o Termo de Consentimento; caso os pais sejam falecidos, será necessária a apresentação da Certidão de Óbito. Se os mesmos residirem fora da cidade, será preciso que se dirijam a um Cartório de Registro Civil para assinarem o Termo de Consentimento e enviarem aos noivos, que deverão encaminhar o mesmo ao Cartório escolhido, ou, ainda, se um dos pais estiver desaparecido, será necessária a presença de 02 (duas) testemunhas maiores de 18 (dezoito) anos, portando RG original, para atestarem o desaparecimento.

OBS.: Os menores só não precisarão do consentimento dos pais caso sejam emancipados. A emancipação é dada pelos pais aos filhos que tenham 16 ou 17 anos, através de documento registrado em cartório.
6.2 Menores de 16 anos

Só poderão casar mediante ordem judicial, e, para dar entrada no processo de casamento civil, o casal deverá apresentar 02 (duas) testemunhas maiores de 18 (dezoito) anos.


6.3 Documentos Necessários

Todos os documentos a serem apresentados deverão ser originais e estarem em bom estado.


6.4 Solteiros

Certidão de Nascimento e RG.


6.5 Divorciados

Certidão de Casamento com averbação do divórcio e prova da prévia partilha de bens. Se a partilha de bens ainda não tiver sido realizada, poderá haver o casamento; porém, neste caso, o único regime de bens permitido é o de separação universal de bens.


6.6 Viúvos

Certidão de casamento, certidão de óbito do ex-cônjuge, e, caso o(a) noivo(a) tenha filhos do casamento anterior, terá de apresentar prova da prévia partilha de bens. Se a partilha de bens ainda não tiver sido realizada, poderá haver o casamento; porém, neste caso, o único regime de bens permitido é o de separação universal de bens.

ESCLARECIMENTO: Uma viúva que usufrui do benefício de pensão do ex-marido, mesmo contraindo novo matrimônio, não perderá esse direito.
6.7 Datas e Prazos

Os noivos deverão dar entrada no Processo de Casamento Civil, no mínimo, com 30 (trinta) dias de antecedência e, no máximo, com 90 (noventa) dias. Visto que a certidão de habilitação tem validade de três meses, após esse prazo, se o casamento não tiver sido celebrado, os noivos deverão dar entrada no processo de habilitação novamente.


6.8 Nome da Noiva e do Noivo

Como fica o nome da noiva e do noivo, no ato do registro?

A mulher poderá acrescentar os sobrenomes do marido, continuar com os de solteira ou excluí-los, totalmente ou parcialmente. O mesmo se aplica ao nome do marido em relação à mulher.

6.9 Duas Formas de Casamento

6.9.1 Casamento em Cartório

O casamento é realizado nas dependências do próprio Cartório, de forma pública, ou seja, de portas abertas, durante toda a sua realização, em que estarão presentes juiz de casamentos, escrevente autorizado, os noivos e 02 (duas) ou mais testemunhas.

O juiz declarará efetuado o casamento civil após a confirmação de que os noivos estão se casando por livre e espontânea vontade. Em seguida, colherá as assinaturas e entregará aos noivos a certidão de casamento.

ATENÇÃO: A taxa de casamento a ser paga em Cartório varia de Estado para Estado e, se os noivos não tiverem condições de custeá-la, basta alegar essa dificuldade, no Cartório, assinando um atestado de pobreza (previsto em lei).

6.9.2 Casamento Religioso com Efeitos Civis

O casamento é realizado fora do Cartório e quem preside o ato do casamento não é o juiz de casamentos, mas, sim, a autoridade religiosa, de portas abertas, durante toda a sua realização. Após a cerimônia, os noivos receberão um termo de casamento, o qual deverá ser levado ao Cartório num prazo máximo de 90 (noventa) dias, para que se registre o casamento. Caso contrário, o casamento não ficará regularizado, sendo assim, os noivos permanecem solteiros.

Vale ressaltar que as exigências quanto à documentação variam de Cartório para Cartório. Não estranhe e esteja de sobreaviso, pois o Cartório poderá solicitar os seguintes itens:

- Estatuto da IAP, autenticado

- Ata da eleição da Diretoria

- Documento da Igreja comprovando que o pastor está autorizado a celebrar o casamento religioso com Efeitos Civis, na forma da lei

Noutras palavras, antecipe sua ida ao Cartório para conhecer essas exigências.

Dois lembretes importantes para essa forma de casamento:

1º) Durante a cerimônia, no momento apropriado, o ministro deverá perguntar aos noivos: (Pronunciar nome do noivo) "É DE LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE QUE VOCÊ RECEBE, HOJE, A (nome da noiva) POR SUA LEGÍTIMA ESPOSA? Em seguida, o ministro deverá repetir o mesmo procedimento com a noiva.

2º) A DECLARAÇÃO DE CASADOS, de acordo com o Artigo 1.535 do novo Código Civil Brasileiro, deverá obedecer à seguinte estrutura:

"DE ACORDO COM A VONTADE QUE AMBOS ACABAIS DE AFIRMAR PERANTE MIM, DE VOS RECEBERDES POR MARIDO E MULHER, EU, EM NOME DA LEI, e como ministro do evangelho, segundo a autoridade a mim conferida pela Igreja, VOS DECLARO CASADOS, em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo, até que a morte vos separe".
6.9.3 Solicitação de habilitação

Para essa forma de casamento, o oficiante deve enviar ao Cartório um pedido de solicitação de habilitação, por escrito, através dos noivos, ou pessoalmente, conforme modelo abaixo:

“Ao

Cartório de Registro Civil e Notas



De

REF: SOLICITAÇAO DE HABILITAÇÃO PARA CASAMENTO RELIGIOSO COM EFEITOS CIVIS

Prezados Senhores.

Eu,


RG. CPF

ministro evangélico, responsável pela Igreja Adventista da Promessa, situada na

Rua n° Bairro

venho, respeitosamente, solicitar dos senhores a emissão de habilitação para celebrar o casamento religioso com efeitos civis, de:

de Nacionalidade: Brasileira, RG UF e CPF , Profissão:

Residente e domiciliado na Rua n° Bairro: Idade:

e de RG UF CPF Profissão: ,

Residente e domiciliada na Rua: n°

Bairro: Idade:

cuja cerimônia realizar-se-á no dia de de 20 , no endereço acima referido, nos termos da Lei dos Registros Públicos n° 6015 de 31/12/73.

Sem mais, agradeço antecipadamente.
Cordialmente,

(nome e assinatura do ministro)

6.9.4 Ata da Cerimônia

No dia da cerimônia do Casamento Religioso com Efeitos Civis, o oficiante deverá preencher o formulário próprio (ata da cerimônia ou termo da cerimônia), com a sua assinatura, com as assinaturas dos noivos e de um casal de testemunhas, cujo documento deverá ir a um Cartório, até o prazo máximo de 90 dias, para registro oficial, conforme orientação anterior (veja modelo seguinte):


TERMO DE CASAMENTO RELIGIOSO COM EFEITOS CIVIS (Lei 6.015, de 31 de dezembro de 1973)

Aos dias do mês de de dois mil e , às horas, na Cidade de , UF , no templo da Igreja Adventista da Promessa, na Rua , n , Bairro , perante mim, pastor , celebrante, e as testemunhas:

, RG , brasileiro, casado, anos, profissão RG , brasileira, estado civil anos, profissão , ambos residentes na Rua nº Bairro: UF , os nubentes e , sob o regime de ,conforme artigo 1641, inciso II, do Código Civil Brasileiro, receberam-se em matrimônio, após habilitação nos termos do artigo 71, da Lei 6.015, de 31 de dezembro de 1.973, que vige desde 1 de janeiro de 1976 e do ritual evangélico. Ela passa a chamar- se

ELE, , profissão, com anos de idade, de nacionalidade brasileira, natural de , Estado de , nascido no dia de de , domiciliado e residente na Cidade de , Estado de , à rua , número , Bairro, Subsdistrito de . Filho de , nascido em , Estado de com



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal