Dados pessoais



Baixar 48.81 Kb.
Encontro08.06.2018
Tamanho48.81 Kb.



UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

DIRETORIA ACADÊMICA



PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS
1 º período letivo de 2017








DISCIPLINA

NOME


FN301

Desenvolvimento da infância à idade adulta



Horas Semanais

Teóricas

Práticas

Laboratório

Orientação

Distância

Estudo em Casa

Sala de Aula

2

2

00

00

00

00

4

Nº semanas

Carga horária total

Créditos

Exame

Frequência

Aprovação

15

60

4

00

75%

5






Ementa:


Desenvolvimento da cognição ao longo da vida. Teorias de desenvolvimento humano: primeira infância, anos pré-escolares e escolares, adolescência, vida adulta, velhice. Processos cognitivos. Função simbólica. Inteligência, atenção e memória.





Objetivos:

Oferecer aos alunos uma visão dinâmica dos problemas teóricos da Psicologia do Desenvolvimento e das suas aplicações em contextos terapêuticos e pedagógicos.

Promover a compreensão das relações entre as teorias de desenvolvimento humano e as ferramentas utilizadas nas práticas terapêuticas e pedagógicas ligadas ao campo de atuação da Fonoaudiologia.








Programa:

Programa


  1. História e problemas no estudo do desenvolvimento humano: teorias comportamentais, construtivistas, sociointeracionistas e psicanalíticas.

  2. Primeira infância: fatores biológicos e sociais no desenvolvimento cognitivo. Desenvolvimento neuropsicomotor normal. Filogênese e ontogênese. Teoria da mente, atenção diádica, triádica. Memória. Ação. Aprendizagem. Avaliação do desenvolvimento.

  3. Anos pré-escolares: função simbólica, pensamento, linguagem e representação desenho, jogo, escrita. Aspectos sociais e afetivos. Avaliação do desenvolvimento.

  4. A criança na idade escolar. Linguagem, desenho, jogo, escrita. Aspectos sociais e afetivos. Avaliação do desenvolvimento.

  5. Adolescência e juventude: pensamento, linguagem, desenvolvimento cultural, afetivo e social, desenho, jogo, escrita. Avaliação do desenvolvimento.

  6. A vida adulta. Desenvolvimento e aprendizagem ao longo da vida. Avaliação do desenvolvimento.

  7. O idoso. Visões de desenvolvimento. Avaliação do desenvolvimento.

  8. Alterações do desenvolvimento: deficiências sensoriais e motoras, síndromes e transtornos (déficit de atenção, hiperatividade, dislexia, autismo).






Bibliografia: Referências básicas:

ALENCAR, R. (2011). Brincando com bebês. In: NOGUEIRA (org.). Entre o singular e o coletivo: o acolhimento de bebês em abrigos. São Paulo: Instituto Fazendo História. Disponível em:



https://static1.squarespace.com/static/56b10ce8746fb97c2d267b79/t/56bcc65622482e51302a2530/1455212122762/entre_o_singular_e_o_coletivo.pdf

ALTMAN, M. O envelhecimento à luz da psicanálise. J. psicanal.,  São Paulo ,  v. 44, n. 80, p. 193-206, jun. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352011000100016&lng=pt&nrm=iso

BARBIERI, N. A. (2003). Trabalhos com velhos: algumas reflexões iniciais. Pulsional: Revista de Psicanálise. São Paulo: Editora Escuta. Disponível em: http://www.editoraescuta.com.br/pulsional/173_02.pdf

BERNARDINO, L. M. F. Avaliação Psicanalítica aos 3 anos: uma revisão crítica. (2016). In: Anais do VII Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e XIII Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. João Pessoa/PB. Disponível em:



http://docplayer.com.br/28392034-Avaliacao-psicanalitica-aos-3-anos-ap3-uma-revisao-critica-leda-mariza-fischer-bernardino.html

CALLIGARIS, C. A Adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

FERRÃO, V. S. POLI, M. C. (2014). Adolescência como tempo do sujeito na psicanálise. Adolesc. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 48-55. Disponível em: file:///C:/Users/dell/Downloads/v11n2a07%20(1).pdf

GRIFFA, M. C.; MORENO, J. E. (2008) Chaves para a psicologia do desenvolvimento: Adolescência – Vida adulta – Velhice. São Paulo: Edições Paulinas.

KISHIMOTO, Tisuko Morchida (org.). (2002) O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

KUPFER, M. C. M. et. al. (2009) Valor preditivo de indicadores de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Lat. Am. Journal of Fund. Psychopath. Online, v. 6, n. 1, p. 48-68.

PIAGET, Jean (1983) Problemas de psicologia genética. Lisboa: Dom Quixote.

PIEROTTI, M. M. de S.; LEVY, L.; ZORNIG, S. A.-J. (2010). O manhês: costurando laços. Estilos clin.,  São Paulo ,  v. 15, n. 2, p. 420-433   (www.scielo.com.br)

TOMASELLO, Michael. (2003) Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. São Paulo: Martins Fontes.

OLIVEIRA, M. K. de. (2004) Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p. 211-229, maio/ago.2004

PÁDUA, G. L. D. A epistemologia genética de J. Piaget. Revista FACEVV. 1º S 2009. No 2, p. 22-35. Disponível em: http://maratavarespsictics.pbworks.com/w/file/fetch/74473316/A%20EPISTEMOLOGIA%20GENETICA.pdf

VIGOTSKI, Lev Semionovich; LURIA, Alexander Romanovich e LEONTIEV, Alexis, N. (1988) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone. Editora da Universidade de São Paulo.

VYGOTSKY, Lev Semionovich. (1984) A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.


Referências Complementares:

ABERASTURY, A. (1992) O adolescente e a liberdade. ABERASTURY, A.; KNOBEL, M. Adolescência normal. Porto Alegre: Artes Médicas. (Capítulo 1)

ARAÚJO, L. F. e CARVALHO, V. A. L. (2005) Aspectos Sócio-Históricos e Psicológicos da Velhice. In: MNEME Revista de Humanidades; v.6, n. 13, dez.2004/jan.2005.

Disponível em http://www.seol.com.br/mneme

ASSUMPÇÃO JÚNIOR, Francisco Baptista & KUCZYNSKI, Evelyn. (2007) Autismo infantil. São Paulo: Atheneu.

BRUNER, Jerome. (1997) Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas.

CAIXETA, Leonardo e NITRINI, Ricardo. (2002) Teoria da Mente: Uma Revisão com Enfoque na sua Incorporação pela Psicologia Médica. In: Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(1), pp. 105-112

COLL, Cesar; PALACIOS, Jesus e MARCHESI, Alvaro. (1996) Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas.

DANTAS, Heloisa. (1990) A infância da razão. São Paulo: Manole.

DERDYK, Edith. (1989) Formas de pensar o desenho: desenvolvimento e grafismo na infância. São Paulo: Scipione.

FARAH, L. S. D. ; GOLDENBERG, M. O Autismo entre dois pontos. Revista Cefac, Vol. 3, n. 1.

FÁVERO, Maria Helena. (2005) Psicologia e conhecimento. Subsídios da psicologia do desenvolvimento para a análise de ensinar e aprender. Brasília: Editora UnB.

FREUD, Sigmund. (1996) “Esboço de psicanálise”. Obras completas. Rio de Janeiro: Imago.

GARDNER, Howard. Arte, mente e cérebro. (1999) Porto Alegre: Artes Médicas.

GESELL, A. A criança dos 0 ao 5 anos. Tradução de Cardigos dos Reis. 5ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

-------------- e AMATRUDA. Diagnóstico do Desenvolvimento - Avaliação e tratamento do desenvolvimento neuropsicológico do lactente e na criança pequena - o normal e o patológico.Tradução de Vera Lúcia Ribeiro. 3ª ed. São Paulo: Editora Atheneu.

HADDON, Mark. (2004) O estranho caso do cachorro morto. Rio de Janeiro: Record.

KHALFA, J. (org.) (1996) A natureza da inteligência. São Paulo: Editora da Unesp/Cambridge.

LA TAILLE, Yves de; OLIVEIRA, Marta Kohl e DANTAS, Heloisa. (1992) Piaget, Vygotsky, Wallon. São Paulo: Summus Editorial.

LEONTIEV, Alexis N. (1988) "os princípios Psicológicos da Brincadeira Pré-Escolar". In: Vygotsky, L. S. (1988) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo.

LOWENFELD, V. & BRITTAIN, W. L. (1977) Desenvolvimento da capacidade criadora. São Paulo: Mestre Jou.

LURIA, Alexander Romanovich. (1986) Pensamento e linguagem: as últimas conferências de Luria. Porto Alegre: Artes Médicas.

MENDES, DMLF; SEIDL de Moura, M. L. (2004) Desenvolvimento da brincadeira e da linguagem em bebês de 20 meses, Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol 20, n 03, set-dez 2004. (www.scielo.com.br)



OLIVEIRA, V. B. de (org), (2000). O brincar e a criança do nascimento aos 6 anos. Petrópolis – Rio de Janeiro. Editora Vozes 4ª ed.

PIAGET, Jean. (1973) Biologia e conhecimento: ensaio sobre as relações entre as regulações orgânicas e os processos cognoscitivos. Petrópolis: Vozes.

PIAGET, Jean e INHELDER, Barbel. (1989) A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil.

PIAGET, Jean e INHELDER, Barbel. (1995) A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas.

PICCININI, C. A.; MOURA, M. L. S. (2007) Observando a interação Pais-bebê-Criança. São Paulo: Casa do Psicólogo.

PINO, Angel. (2005) As marcas do humano. As origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski. São Paulo: Cortez.


REILY, Lúcia. (2001) Armazém de imagens. Campinas: Papirus.

ROCHA, M. S. P.M.L. (2000) Não brinco mais: a (des)construção do brincar no cotidiano educacional. Rio Grande do sul: Editora UNIJUÍ.

ROHDE, L. A., BARBOSA, G., TRAMONTINA, S. e POLANCZYK, G. (2000) Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Rev. Bras. Psiquiatr. v. 22  s.2 São Paulo dic. 2000 (www.scielo.com.br)

ROHDE, L. A, BENCZIK, E. (1999) Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade  O que é? Como ajudar? Porto Alegre: Artes Médicas.

SCARPA, Ester Mirian. “Aquisição da linguagem”. In: Fernanda MUSSALIM e Anna Christina BENTES. (org.) (2002) Introdução à linguística. Vol. 2. São Paulo: Cortez Editora. Pp.: 203-232.

SCHWARTZMAN, J. S. (1999) Síndrome de Down. São Paulo: Mackenzie.

SEIDL de MOURA, ML; RIBAS, AFP. (2004) Evidências sobre características de bebês recém-nascidos: um convite a reflexões teóricas. In: Seidl de Moura(org), M. L. O bebê do século XXI e a psicologia em desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

SILVA, R. A, LOPES-HERRERA, S. A., DE VITTO, L. P. M. Distúrbio de linguagem como parte de um transtorno global do desenvolvimento: descrição de um processo terapêutico fonoaudiológico. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2007;12(4):322-8.

SILVA, I. R. e GUNTHER, I. A. Papéis Sociais e Envelhecimento em uma Perspectiva de Curso de Vida. In: Psicologia: Teoria e Pesquisa Jan-Abr 2000, Vol. 16 n. 1, pp. 031-040.

TEZZA, Cristovão. O filho eterno. (2007) Rio de Janeiro: Record.

WALLON, Henry. (1988) As origens do pensamento na criança. São Paulo: Manole.

WALLON, Henry. (2007) A criança turbulenta. Petrópolis: Editora Vozes.

WERTSCH, James V.; del RIO, Pablo e ALVAREZ, Amelia. (1998) Estudos socioculturais da mente. Porto Alegre: Artmed.







Critérios de Avaliação: Apresentação de estudos de caso e entrega de trabalhos escritos. Participação nas discussões teóricas e na análise dos casos apresentados, prova escrita.







Observações:





ASSINATURAS:

Adriana Lia Friszman de Laplane








CÓDIGO DE AUTENTICAÇÃO

Verifique a autenticidade deste documento na página www.dac.unicamp.br/link

Código Chave: xxxxxxxxx









EMISSÃO: 8 de June de 2018

PÁGINA: de


UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas

DAC – Diretoria Acadêmica

Rua Sérgio Buarque de Holanda, 251 - Cidade Universitária – Barão Geraldo – Campinas/SP – 13083-970

Diretoria de Registro e Gerenciamento Acadêmico – 00 55 19 3521 6662

www.dac.unicamp.br



Rubrica:







Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal