Dançando Pelada Mais uma vez, esse trabalho de genialidade



Baixar 0.57 Mb.
Página1/10
Encontro26.02.2018
Tamanho0.57 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10

Dançando Pelada






Mais uma vez, esse trabalho de genialidade é dedicado à

minha adorável família (que eu abo muito) e meus amigos, que são

pessoas mais do que maravilhosas. Para Mutti; Vati; Soshie,

John; Eduardo delfonso delgardo; Honor, iibbs, Millie; Arrow e Jottv,

Kimbo, o ramo da Terra dos Hobbits; Salty Dog, Jools e o Mongol;

Bob Grande e Gordo; Jimjams; Elton; Jeddbox; Lozzer, Sra. H. Geoff;

Mizz Morgan; Alan "isso não é permanente" Dsvies, Jenks, a caneta;

Kim e Sendy, Black Dog, Downie calças e sua adorável noiva,

Andy Pandy; Phil e Ruth; Galo do Norte e família; Lukeye Sue; Tony,

a batina; lan, o computador; a Galera do Barulho de Parklands,



St. Nicks, à seleção inglesa: Brende, Yasemin (oi!!!), Margot e todo o

mundo da Piccadily. Um agradecimento especial à maravilhosa

Emma, a melhor pessoa de imprensa conhecida pela humanidade.

Também para os incríveis caras da Scholastic: David;

Gevin, Jessica e Helen.

Meu muito obrigada e meu amor à fabulosa Clare (a Imperatriz)

e para Gillon, como sempre.



Obrigada à família HarperCollins.

E, finalmente, Dançando pelada é dedicado às pessoas

adoráveis que lêem meus livros e escrevem para dizer

o quanto elas os aime.



Amo vocês todos.

Mesmo.

De verdade.

Ela que riu por último,

riu horrores

Domingo, 21 de novembro

Meu quarto

Meio-dia e está tão claro lá fora que o corvo resolveu dar um passeio.

Arrasada
Acabei de ver um pardal ser quase que literalmente arrastado do lugarzinho maneiro que tinha descolado numa árvore. Ele deveria estar com o guarda-chuva aberto. Mas, mesmo que estivesse com o guarda-chuva aberto, o bicho podia acabar escorregando num monte de folhas molhadas e se estatelando bem em cima de outro esquilo que estivesse passando por ali. Assim é a vida.

Bem, assim é a minha vida.

Mais uma vez estou além do Vale da Confusão e começando a caminhar pelo Universo das Bundas Vermelhas Gigantes. Qual é o meu problema? Eu amo o Deus do Sexo e ele é o meu único e único, mas tente falar isso para os meus lábios! Dave Risadinha só precisa dizer: "Você me deve um amasso" e eles começam a fazer biquinho. Bem, no futuro, eles que saiam sozinhos!
12:30

Por que o Deus do Sexo ainda não me telefonou? Os Cadáveres de Dylan voltaram ontem da farra de gravações. Talvez ele possa ter ficado enjoado por causa da viagem de van? Ou, então, ele falou com o Tom e o Tom deixou escapar: "Ah, Robbie, noite passada todo o mundo foi para a festa do peixe e quando a gente estava jogando Verdade ou conseqüência sua nova namorada, a Georgia, acidentalmente deu uns amassos no Dave Risadinha. Você tinha que estar lá. Foi uma ótima demonstração de bundosidade vermelha. Você teria amado!"

Ah, meu deus do céu! Sou uma vagaba de bunda vermelha!
12:35

Por outro lado, ninguém me viu dando uns amassos acidentais no Dave Risadinha, então, talvez esse seja um segredo que nunca contarei para ninguém. Nem depois de morta e enterrada.


12:45

Mas e se a Jas tiver acidentalmente pensado em algo além da própria franja, juntou dois mais dois (ou seja, eu sou um dois e o Dave Risadinha é o outro dois) e fez uma fofoquinha básica com o Tom, o cara que ela chama de namorado?

Afinal de contas, ela é a rádio Jas.
13:00

Queria ligar para a Jas, mas estou evitando ir lá embaixo porque as coisas estão de pernas para o ar. O sr. e a sra. Do Outro Lado da Rua já deram as caras mais de um trilhão de vezes hoje dizendo: "Por quê? Mas por quê?", "Como?" E, de vez em quando: "Eu perguntei por quê? E como?"

Pelo menos eu não sou a única vagaba de bunda vermelha do universo, nem mesmo da rua. Na verdade, Naomi, a gatinha sexy com pedigree do sr. e da sra. Do Outro Lado da Rua, está grávida, mesmo tendo sido mantida sob prisão domiciliar por séculos. Bem, como eu comentei para qualquer um que tivesse a capacidade de entender essa coisa tão ridiculamente simples (ou seja, apenas eu e... é isso aí), Angus não pode levar a culpa dessa vez. Ele é só um amigo fiel, inocente e peludo.
14:05

Fui forçada a ir lá embaixo no intuito de ver se conseguia encontrar um resto de sucrilhos velho para comer. Felizmente, o sr. e a sra. Do Outro Lado da Rua já tinham ido para casa. Mas, mesmo assim, o Líder Pirado (meu pai) estava tendo um chilique, tentando parecer adulto enquanto torcia aquela barba ridícula, erguia as calças e fazia outras coisas do tipo.

- Vati - comecei -, as pessoas levariam você muito mais a sério se não tivesse um texuguinho morando na ponta do seu queixo.

Disse isso de um jeito alegre e très amusement, mas, como sempre, ele ficou incrivelmente irritadinho.

- Se você não é capaz de ser sensível, seja capaz de CALAR A BOCA!

Honestamente? Se eu soubesse que iam me mandar tanto calar a boca, não teria perdido meu tempo aprendendo a falar. Deveria ter virado mímica.


14:15

Fiz uma mímica para mostrar que eu queria uns trocados emprestados, mas Mutti fingiu que não entendeu.


De volta ao meu quarto
14:45

o sr. e a sra. Do Outro Lado da Rua deram as caras novamente junto com a equipe de apoio pirada (o sr. e a sra. Da Casa do Lado). Achei melhor rastejar até lá embaixo e ver o que estava rolando. Não havia nem sombra de Angus, graças a Deus. Não acredito que esse seja o tipo de festinha que ele curta (ou seja, uma festa de linchamento de felinos).

O sr. Do Outro Lado da Rua (Colin) é um pouco parecido com o meu pai. Ele fala berrando, é metido a machão e totalmente irracional.

- Olha - disse ele -, sem dúvida alguma Naomi é... você sabe... uma garota de família. A questão é, quem é o pai? Meu pai (o famoso molestador de gatos) respondeu:

- Bem, Colin, como você sabe, levamos Angus ao veterinário e cortaram... Bem, acho que cortaram. Então, não há dúvidas nesse departamento.

- E o veterinário conseguiu... terminar o serviço? Quero dizer, bem... Você tem certeza de que cortaram tudo?

Isso foi nojento! Eles estavam falando sobre os adendos da cobra calçuda de Angus, que deveriam permanecer na intimidade das calças dele. Meu pai e o sr. Do Outro Lado da Rua ficaram rosnando por séculos, mas como Henry, o magnífico, nosso professor de francês que é tão novo que ainda está na faculdade costuma dizer que esse é lê grand mystère de les pantaloucos".

O que me lembra que tenho que fazer meu dever de casa de francês se quiser continuar sendo a melhor aluna de Henry.


14:55

Eis o meu dever de francês: "Infelizmente, enquanto estava numa [i]te[/i], sua bicicleta foi roubada. Você decide colocar um anúncio no jornal local. Em francês, escreva o que deveria informar o anúncio."


15:00

Meu anúncio informa: "Merci beaucoup."


16:00

Me animei um pouco porque o vovô passou aqui em casa e pôs fogo em si mesmo com o cachimbo. Ele não apagou o troço direito e colocou no bolso da calça. Foi apenas graças ao meu pensamento rápido com a garrafa de soda que o inferno geriátrico foi prevenido.


16:05

Ainda nenhuma ligação do DS. Estou mais uma vez na sala de espera do amor.


16:10

Telefonei para a Jas.

- Jas?

- O quê?


- Por que você perguntou "o quê?" desse jeito?

- De que jeito?

- Você sabe, desse jeito meio... estranho.

- Eu sempre pergunto "o quê?" assim, a não ser que esteja falando francês, nesse caso, eu falo "quoi?" ou, se for alemão, eu digo...

- Jas, cala a boca.

- Que foi?

- Não começa de novo. Será que posso falar sobre o meu assunto?

- Hum, hum.

- Jas!

- Desculpe. Continue, fale sobre o seu assunto.



- Bem, você sabe que a gente estava jogando Verdade ou conseqüência...

Jas começou a rir de uma maneira estranhamente irritante, até mesmo para os padrões dela. As risadas mais pareciam um ronco. Finalmente, ela disse:

- Foi hiperengraçado, não foi? Bem, tirando a parte em que você me obrigou a colocar vegetais na calcinha. Ainda tem terra dentro dela.

- Jas, nem agora nem em qualquer outra hora é o momento certo para uma discussão sobre a sua calcinha. Estou provavelmente passando por uma situação de puro desespero.

- Por quê?

- Bem, o Deus do Sexo não deu sinal de vida e eu pensei que talvez...

- Ah , eu não te dei o recado ontem à noite? O Robbie me pediu para te avisar que quer encontrar com você na torre do relógio. Ele teve que ajudar os pais a desempacotar umas coisas lán na loja hoje de tarde. Acho que eles vão vender uma nova safra de tomates mediterrâneos incríveis que...

- Jas, Jas! Você é obcecada por tomates, essa é a coisa mais deprimente que existe na sua pessoa, mas o que eu quero saber é o seguinte: A QUE HORAS Robbie disse para eu estar na torre do relógio?

Ela estava meio bolada comigo, mas, mesmo assim, respondeu:

- Seis horas.

Obrigada! Obrigada!

- Jas, você sabe que eu sempre te adorei, né?

Ela, então, ficou um pouco nervosa.

- O que você quer agora? Eu tenho meu dever de casa para fazer e...

- Jas, Jas, minha petite amie, não precisa ter um ataque, só estou dizendo que você é a minha amiga número um, e a mais maneira de todos os tempos.

- Sou?


- Mais oui.

- Obrigada.

- E o que você quer me dizer?

- É... tchau?

- Não, você quer dizer o quanto me ama aussi.

- É, tudo bem.

- Tudo bem o quê?

- É verdade.

- Então diga.

Houve um silêncio realmente longo.

- Jas, você está aí?

- Hum-hum.

- Vamos lá, como dizia o poeta, teu é o amor que ousa dizer seu nome.

- Eu preciso falar?



- Oui.

- Eu... amo você.

- Obrigada, te vejo depois, sapata - e desliguei o telefone.

Sem sombra de dúvida sou VAIR amusant!!!


16:30

Tenho tempo suficiente para fazer uma máscara de beleza para desencorajar qualquer espinha espinhenta de erguer sua cabeça horrorosa e, depois, coloquei os bobs térmicos para um cabelo com o máximo de vitalidade. E, finalmente, uma inspeção no meu corpo em busca de algum sinal de orangotanguice.


16:45

Agora, um pouco de posições de ioga calmantes para ficar no estado mental mais adequado para os amassos (apesar de eu apostar que o sr. Ioga deve ter dito: "Evite posições que envolvam a cabeça enquanto estiver usando bobs, já que isso pode causar dores e fazer com que você dê cabeçadas no armário." Só que ele disse isso em ioguês, é claro).

Oh-oh. Sinto alguns neurônios imbecis pintando no pedaço. Calma! Pense em paradas tranqüilas.


17:00

Que maneiro! Estava começando a fazer a posição do cachorro sentado quando Libby brotou do nada e começou a tocar bateria usando o meu traseiro e cantando sua mais nova música preferida: "Cai, cai botão", a

famosa cantiga de roda sobre um botão que cai no bundão de alguém. "Cai, cai botão" substituiu "Mary tinha um peitinho", que costumava ser a música que ela mais amava no mundo.
17:05

Nenhum sinal do Angus. Os pirados ainda estão lá embaixo com seu encontro mundial de discussão sobre felinos. Ouvi um barulho de rolha vindo da cozinha, o que significa que está começando a rolar um vino tinto, o que quer dizer que provavelmente teremos uma troca de socos básica quando eles ficarem bêbados.

Está pintando aquele ataque de tremedeira típico que sempre rola quando preciso pensar no que vestir. Está oficialmente escuro e são só cinco da tarde, por isso vou precisar trocar meu visual diurno para um que tenha mais a ver com a night. Também está meio congela-miolos lá fora.
17:10

Pensei numa camisa pólo preta e botas de couro... (e calças, claro). E, para aquele toque essencial de sofisticação, posso pegar emprestado o perfume Paloma da minha mãe. Ela não irá se importar a não ser que descubra. Obviamente, se isso acontecer, ela me mata.


17:15

Minha mãe carrega um chapéu de chuva de plástico na bolsa! Que deprimente deve ser a visão dela usando esse troço.

Ainda assim, pensando pelo lado positivo, isso significa que ela está tendo uma atitude mais razoável no que diz respeito a se comportar como uma pessoa da idade dela. Tenho esperança de que agora ela jogue no lixo todas as saias curtas e descole umas calcinhas mais normais.

Ah, espera aí, isso não é um chapéu de chuva, mas um par de calças plásticas reservas para Libby. Honestamente, nenhuma proteção é demais quando o que está em jogo são as emergências cocozentas da minha querida irmã.


17:30

Deus do Sexo, lá vou eu!!!

Resolvi não interromper a festa dos pirados. Simplesmente deixei um bilhete na mesinha do telefone:
Queridos M e V,

Espero que a festa de linchamento de gatos esteja indo bem. Encontrei algumas torradas velhas para o lanche e um restinho de geléia de laranja para evitar o escorbuto, e estou saindo. Lembrem-se de mim quando tiverem um tempinho.
Sua filha,

Georgia.

P.S.: Fui encontrar a Jas para fazer o dever de casa de francês.

Volto lá pelas nove.
Há, há, há, há. Très amusant.
18:00

Enquanto eu andava pela rua principal pude ver o Deus do Sexo esperando por mim perto da torre do relógio. Escapuli rapidinho para dentro de uma loja para dar uma conferida nos meus airbags e uma aplicaçãozinha básica de gloss. Também imaginei que talvez fosse legal ensaiar alguma coisa normal para dizer para que mesmo que o meu cérebro pare de funcionar (o que geralmente acontece quando vejo o Robbie), minha boca possa seguir em frente de qualquer maneira. Pensei que uma aproximação simples seria o melhor. Alguma coisa como "Oi" (pausa e um sorrisinho sexy, lábios separados e narinas que não se alargam como loucas) e, depois, "Qual é a parada?".

Maneiríssimo - vai ser o máximo mostrar meu lado excêntrico, mas sem deixar nenhuma pista de que o meu cérebro foi tirar férias no Caribe.

Atravessei a porta da loja e caminhei até onde ele estava. Cara, que tudo, o sr. Maravilhoso estava decolando!

- Oi, Georgia - ele disse com aquela sua voz de Deus do Sexo.

- Oi, parado - eu respondi.

Parado???

Robbie riu:

- É sempre um enigma saber o que você quer dizer quando começamos a conversar, Georgia, mas depois a coisa vai melhorando... - E, então, ele pegou minha mão e me puxou para junto dele. Rolou uma visitinha rápida até o Número Quatro da escala de amassos (beijos de mais de três minutos sem respirar).

Delícia, maravilhoso, maneiríssimo! Se pudesse ficar para sempre grudada na boca dele eu seria feliz. Morta, obviamente, por inanição, mas feliz. Morta feliz. Cala a boca, cala a boca! Cérebro para boca, cérebro para boca: sob nenhuma circunstância fale sobre ficar grudada na boca dele para sempre.

O Deus do Sexo olhou para mim quando parou com seus excelentes amassos:

- Sentiu minha falta?

- E o Papa é um vigário? - eu ri como uma pirada em um hospício (o que quer dizer MUITO).

- Bem, na verdade, não - ele disse.

Do que nós estávamos falando? Pronto, eu já estava boiando na conversa.

Ainda bem que o DS queria me contar tudo sobre Londres e os Cadáveres de Dylan. Fomos tomar um cappuccino no Luigi's. Como eu já repeti muitas vezes, nem gosto de cappuccinos. O que eu mais odeio é aquele efeito de bigode de Papai Noel. Tenho uma maneira perfeita de evitar o bigode de espuma: o que você precisa fazer é beber o café como se fosse um hamster. É só fazer um biquinho bem apertado e então sugar apenas com a ponta dos lábios. Imagine que você é um hamster tomando uma xícara de café no Hammy's, a famosa cafeteria para hamsters.

Cala a boca, cala a boca!

O Deus do Sexo me contou tudo sobre uma espécie de agente que ofereceu um contrato de gravação para os Cadáveres de Dylan. Eles ficaram num hotel hiperdescolado que tinha até serviço de quarto e passearam por Londres.

- Você viu a Troca dos Quartas? - perguntei entre goles de café de hamster.

- Troca dos Quartas?

Ah, não! Eu tinha esquecido de desfazer meus lábios de hamster:

- Guardas. A Troca dos Guardas.

Ele realmente não pareceu se importar em ter uma total idiota como namorada, porque se inclinou sobre a mesa e me beijou. Em público!!! Na cafeteria!!! Como num filme francês. Todo o mundo estava olhando. É claro que isso significava que eu precisava dar uma corridinha até o banheiro para uma aplicação de gloss de emergência. É uma tarefa muito difícil ser a namorada de um Deus do Sexo; uma parada que algumas pessoas nem devem imaginar como é.

Saímos do Luigi's e fomos andando até a minha casa de mãos dadas. Graças a Deus que o Robbie é alto o suficiente para mim. Não preciso ficar pulando igual um orangotango como eu tinha que fazer com o Mark Bocão. Acho que isso deve significar que fomos feitos um para o outro, já que nossos braços são do mesmo tamanho.


22:05

Quando alcançamos o topo da minha rua, eu disse para o Deus do Sexo que seria melhor se ele não fosse apresentado aos meus pais por causa da zoeira com o Angus.

Ele perguntou o que tinha acontecido e eu expliquei:

- Bem, resumindo a história, Naomi está grávida e o dedo da vergonha está apontando para Angus, apesar de ele estar bem, você sabe... Ele não é mais como outros homens no que diz respeito ao adendo das calças dele.

Quando finalmente consegui me separar do DS, ele já tinha me feito ir até um Número Seis hiperalucinante com um toque de Seis e um Quarto (mordidinhas na língua). Consegui não desmaiar e acenei para o Robbie quase como uma pessoa normal quando ele foi para casa. Gosto de pensar que lidei com todo o incidente com muita sofisticação.

É isso que gosto de pensar.

O DS vai me encontrar na terça depois do Stalag 14. Oba!!!!

Tudo está rolando de um jeito hipermaneiro. Bom demais!

Para sempre.
22:32

Errado. Quando botei os pés dentro de casa, Vati já estava tendo um de seus acessos de insanidade usuais.

- Você trata essa casa como se ela fosse a droga de um hotel.

Até parece. Os inspetores sanitários fechariam esse lugar se vissem o estado do meu quarto. Que hotel decente tem uma pirralha fazendo cocô dentro dos armários?


Cozinha
Mutti estava vestindo o que acredito que ela imagine ser um negligé muito sexy. Tentei ignorar isso e perguntei:

- O que aconteceu na festa de linchamento de gatos?

- Bem, apesar do sr. e sra. Do Outro Lado da Rua acharem que, a princípio, Angus deveria ser transformado numa bolsa, eles tiveram de admitir que ele deveria ser inocentado da gravidez de Naomi.

Ela parecia achar tudo isso engraçado. Mas essa é a mesma mulher que, quando perguntei se ela já tinha dado um pé na bunda de alguém, respondeu: "Já, e foi ótimo."

Pobre Angus. Ele é uma vítima inocente da bundosidade vermelha de Naomi. Para mim, essa é uma lição a respeito de todos os problemas que a bundosidade vermelha pode causar. Tive sorte em escapar de tudo isso.
22:45

Estou tão exausta graças às tensões da vida que mal tenho energia para purificar, tonificar e nutrir minha pele, quanto mais colar fita crepe debaixo da minha franja. Estou louca para deitar e repousar em minha câmara de amor.


23:00

Libby colocou todos os brinquedos dela na minha cama DE NOVO! As cabeças dos bonecos estão alinhadas no meu travesseiro. E alguns deles são quase que literalmente apenas cabeças. Não sei muito bem o quanto essas práticas de decapitação serão úteis na futura vida profissional da minha irmã, mas ela é ótima nisso.

Libby pulou de dentro de um armário pelada, embora estivesse usando UMA MONTANHA da sombra da minha mãe e o troço estava em todos os lugares, menos nos olhos dela.

- Oi, Gegê! Sou eu!

- Eu sei que é você, Libby. Querida, olha só, por que você não vai para a sua própria caminha aconchegante e confortável e...

- Cala a boca, menino mau. Deita!

- Libby, não tem como eu me deitar. Você colocou um monte de coisas em cima da minha cama.

- Não.


-Sim.

- Deita.


- Olha, deixa só eu abrir um pouco de espaço... Só vou tirar esse Sr. Batata velho...

- Grrr...

- Não me morde!!!
Meia noite

Se eu tiver que cantar "Ciranda de caquinha" para o sr. Batata mais uma vez, vou me matar.

Fui até a porta do quarto daqueles que se dizem meus pais e falei com eles do corredor. Já vi meu pai de pijama antes e essa não é uma visão para uma pessoa tão sensível e artística quanto moi.

- Oi... sou eu. Georgia. Lembram-se de mim? A filha de vocês. E a sua outra filha, Libby, lembram-se dela? Um metro e vinte, loira, loucamente violenta? Caiu alguma ficha?

- Georgia, o que é agora? - berrou meu pai. - Por que você não está na cama? Você tem aula amanhã.

ai, pai, como é maravilhoso falar com você de novo...

- Georgia, se eu tiver que sair da cama e ouvir mais besteiras saindo da sua boca... Bem, você ainda está na idade de levar umas palmadas, você sabe.

Palmadas? Será que o meu pai surtou de vez? Ele nunca bateu em ninguém na vida dele. Da última vez em que Vati deu um piti por minha causa, ele tentou tacar o chinelo em cima de mim, errou o alvo e quebrou sua hilária (até parece... ) caneca em forma de bunda.

Mutti abriu a porta de repente bem quando eu estava apoiada no batente e quase caí em cima dos airbags dela.

Minha mãe finalmente persuadiu Libby a ir dormir com ela e com o meu pai. E, graças a Deus, Libby foi embora fazendo a maior barulheira enquanto carregava o sr. Batata, o Charlie Cavalo, a Barbie mergulhadora e o resto de seus "amicos". Já estava me ajeitando na cama para mergulhar na terra dos sonhos quando ouvi um barulhinho de pés novamente no meu quarto. Santo deus, ela não tinha deixado nada nojento escondido na beirada da minha cama, será que tinha?

Ela subiu bem em cima de mim e sussurrou no meu ouvido:

- Eu "abo" você, Gegê. Você é minha irmã maior preferida.

Que fofo! Coloquei minha mão em cima da mãozinha dela. Às vezes, eu amo tanto a Libby que acho que poderia mergulhar em um tanque de enguias para salvá-la. Se ela cair em um, o que não é tão impossível quanto parece, em se tratando de minha irmã.

Como um adorável presente de boa-noite, ela sugou minha orelha, o que não foi agradável, especialmente porque a respiração dela é hiperpesada. É como se uma lesma imensa estivesse roncando na sua orelha. Mas, mesmo assim, foi muito fofo.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal