Definition der Metapher



Baixar 186.21 Kb.
Página1/7
Encontro15.01.2018
Tamanho186.21 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7

FILOZOFICKÁ FAKULTA MASARYKOVY UNIVERZITY V BRNĚ

Ústav románských jazyků a literatur

Portugalský jazyk a literatura

O simbolismo de quatro elementos primordiais nos contos de Sophia de Mello Breyner Andresen

Bakalářská diplomová práce



Anna Maťová

Vedoucí práce: Mgr. Silvie Špánková, Ph.D.
2010

Prehlasujem, že som diplomovú prácu vypracovala

samostatne s využitím uvedených prameňov a literatúry.
…………………………………..

Podpis autora práce



Na tomto mieste by som sa chcela poďakovať

Mgr. Silvii Špánkovej, Ph.D. za zhovievavosť, veľkú ochotu a

podnetné rady.
Índice


1. Introdução 7

2. Biografia 9

3. Caracterização da obra 12

3.1. Cadernos de Poesia 12

3.2. Simbolismo na obra 13

4. Quatro elementos primordiais na obra de Sophia 15

4.1. Água 16



4.1.1.Mar 16

4.1.2. Búzio 19

4.1.3. Fonte 19

4.1.4. Rio 20

4.1.5. Tempestade 20

4.2. Terra 21



4.2.1. Jardim 21

4.2.2. Flor 22

4.2.3. Árvore 23

4.2.4. Pinheiros 25

4.2.5. Floresta 26

4.2.6. Maçã 26

4.2.7. Abismo 27

4.3. Ar 27



4.3.1.Vento 28

4.3.2. Névoa 31

4.4. Fogo 32



4.4.1. Luz 32

4.4.2. Luz artificial 34

35



6. Bibliografia 36

6.1. Bibliografia primária: 36

6.2. Bibliografia secundária: 36



Na minha infância, antes de saber ler, ouvi recitar e aprendi

de cor um antigo poema tradicional português, chamado Nau

Catrineta. Tive assim a sorte de começar pela tradição oral, a

sorte de conhecer o poema antes de conhecer a literatura.

Eu era de facto tão nova que nem sabia que os poemas eram

escritos por pessoas, mas julgava que eram consubstanciais ao

universo, que eram a respiração das coisas, o nome deste

mundo dito por ele próprio.
Sophia de Mello Breyner Andresen, «Arte poética V»

1. Introdução


O século XX na área da literatura trouxe as maiores mudanças de toda a história literária, que foram, em geral, muito positivas e de grande valor. Significaram a transformação de grande quantidade dos gêneros e a utilização dos temas mais diversificados, dos mais tradicionais até os mais progressistas. À medida que o tempo passava, os autores despojaram-se das normas e dos limites. Neste ambiente da concorrência muito rica, com certeza, não era simples vencer na vida. Sophia de Mello Breyner Andresen, a poetisa e contista portuguesa, conseguiu-o. Tornou-se uma das maiores personalidades da cultura portuguesa do século XX e foi a primeira mulher portuguesa premiada com o mais famoso galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Camões, em 1999. Alice Vieira, a escritora contemporânea portuguesa, caracteriza esta poeta nas seguintes palavras : «Dizemos «Sophia» como se esta palavra fosse sinónimo absoluto de poesia.»1

A obra de Sophia de Mello Breyner Andresen incluindo poemas, contos, ensaios e em grau menor também dramas é de muito influenciada pelas lembranças da sua infância passada na praia da Granja no Norte de Portugal. «Casa branca» e «jardim de areia e flores» dos seus contos e poemas recuperam as imagens nostálgicas do seu «paraíso perdido».

Os jardins, as florestas junto com as flores são uma parte muito importante na obra de Sophia tal como a ávore é uma parte da terra.

Sentar-se à beira do mar observando-o e sentir o seu cheiro são imagens que representam uma outra fonte indubitável de inspiração da sua obra.

Como podemos ver a obra de Sophia é inspirada pela terra e mar, que representam os dois elementos primordais. Mas não podemos omitir os outros dois elementos, o ar e o fogo, que são também uma parte inesquecível da sua obra. Além de quatro elementos primordiais, merecem ser mencionadas também algumas outras fontes da sua inspiração, por exemplo civilização grega e a temática religiosa.

No nosso país, Sophia de Mello Breyner Andresen é conhecida sobretudo pelos seus poemas e por uma colectânea dos contos denominada «Contos Exemplares». É o livro de sete contos, cujo título remete para o livro «Novelas Ejemplares» de Miguel de Cervantes Saavedra. Contos desta colectânea podem ser caracterizados como «a metamorfose do Ser que se encontra entre as duas margens do Mal e do Bem, da Natureza e da Cultura, do corpo e do espírito, do espaço e do tempo, da Queda e da Ressureição.»2

No trabalho apresentado dedicaremo-nos ao simbolismo de quatro elementos primordiais presentes nos contos do livro «Contos Exemplares» e no conto «História da Gata Borralheira» do livro «Histórias da Terra e do Mar». O trabalho está organizado em quatro capítulos fundamentais. Uma vez que vamos presupor que o significado dos símbolos poderia partir também das experiências da vida da autora, é necessário primeiro mencionar a sua biografia. Depois vai seguir a curta caracterização da sua obra. O terceiro capítulo inclui a própria análise dos contos e será ainda dividido em quatro subcapítulos que vão remeter para os quatro elementos primordiais. Aqui vamos tentar explicar e descrever os símbolos particulares e as suas formas que são representados no livro «Contos Exemplares». Para melhor perceber o significado das imagens, os símbolos vão ser esclarecidos com a ajuda dos exemplos do livro. E finalmente, o quarto capítulo vai resumir as informações adquiridas.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal