DeterminaçÃo de nitritos



Baixar 103.76 Kb.
Encontro13.06.2018
Tamanho103.76 Kb.

DETERMINAÇÃO DE NITRITOS




Preparação dos padrões

-Prepare 05 padrões de nitrito na faixa de 10 a 100 g.L-1 em N.


Procedimento:

-Medir 50ml do padrão, adicionar 1ml de solução de acido sulfanílico esperar 4minutos;

-Adicionar no padrão 1ml de acetato de alfanaftilamina, homogenizar.

-Esperar 5 minutos e em seguida levar ao aparelho para leitura com cubeta de 50 mm.

Determinar o comprimento de onda máximo (Entre 500 e 600 nm).

-Preparar um branco (água destilada com os reagentes). Zerar o aparelho com o branco.

-Fazer a leitura dos padrões. Fazer o mesmo procedimento para amostra em triplicata.

-Faça o procedimento estatístico solicitado na aula


Preparo de reagentes:
a) Solução de acido sulfanílico (250ml)

Dissolver 2g de acido sulfanilico em 187,5 ml de água destilada. Adicionar 62,5ml de acido

acético glacial. Conservar sob refrigeração.


  1. Solução de acetato de alfanaftilamina (200ml)

-Dissolver 1g de alfanaftilamina (1- Naphthylamine) em 50ml de acido acético glacial. Adicionar

150ml de água destilada. Homogeneizar.

Conservar sob refrigeração e ao abrigo da luz.


  1. Preparação do padrão (para curva de calibração) - Pesar 1,232g de NaNO e dissolver em

água destilada, completar o volume para 1000ml . Preservar a solução com 1ml de clorofórmio

(CHCl). Guardar sob refrigeração.

Conc. = 250 mg/L N

Tratamento dos dados
1-Faça a curva de calibração. Determine a concentração de nitrito na amostra

2-Aplique o procedimento estatístico solicitado na aula

DETERMINAÇÃO DE NITRATOS



Preparação dos padrões

-Prepare 05 padrões de nitrato na faixa de 0,5 a 10 mg.L-1 em N.


Procedimento:

  1. Pipetar 50 mL da amostra e colocar em um béquer.

  2. Adicionar 1,0 mL de solução 1M HCl e 1,0 mL de solução de ácido sulfanílico misture bem.

  3. Acrescente aproximadamente 5 g de zinco granulado e 0,5g de NaCl deixe reagir por 8 minutos (atenção:tempo crítico da reação , um intervalo menor não favorece a redução completa). Fazer somente agitação manual.

  4. Filtre a solução para a recuperação do zinco, funil buchner sem papel de filtro, e adicione 1,0 mL de alfanaftilamina e 1,0 mL de 2M de acetato de sódio deixe reagir por 5 minutos. Haverá desenvolvimento de uma coloração rosa.

  5. Preparar uma prova em branco substituindo a amostra por água destilada e deionizada

  6. Faça a leitura de absorbância, entre 500 e 600 nm, cubeta de 10 mm, para determinar o comprimento de onda máximo intercalando com as amostras o branco

  7. Determine a Absorbância de cada padrão e da amostra no comprimento de onda máximo .

  8. Faça o procedimento estatístico solicitado na aula


Preparo de reagentes:
a) Solução de acido sulfanílico (250ml)

Dissolver 2g de acido sulfanilico em 187,5 ml de água destilada. Adicionar 62,5ml de acido a

acético glacial. Conservar sob refrigeração.


  1. Solução de acetato de alfanaftilamina (200ml)

Dissolver 1g de alfanaftilamina (1- Naphthylamine) em 50ml de acido acético glacial. Adicionar

150ml de água destilada. Homogeneizar.

Conservar sob refrigeração e ao abrigo da luz.


  1. Preparação do padrão de 100mg/L de KNO3 em N - Pesar 0,7216g de KNO3 e dissolver em

água destilada, completar o volume para 1000ml . Preservar a solução com 1ml de clorofórmio

(CHCl). Guardar sob refrigeração.


Tratamento dos dados

1-Faça a curva de calibração. Determine a concentração de nitrato na amostra

2-Faça os cálculos referentes ao procedimento estatístico solicitado na aula

DETERMINAÇÃO DE SULFATO EM ÁGUA

Método: Nefalométrico

Temperatura: refrigerado

Prazo: 7 dias

Amostragem: Frasco de polietileno ou vidro

Nota: processar o mais rápido possível as amostras que contenham matéria orgânica em excesso, pois é possível a ação bacteriana, reduzindo sulfato a sulfeto
Parte 1 – preparação dos padrões
Prepare 05 padrões de sulfato na faixa de 0,5 a 5 mg.L-1 de SO4

Parte 2 - PROCESSO



  1. Pipetar 50 mL de um padrão e colocar em um béquer contendo 0,05g de cloreto de bário bi hidratado (BaCl2.2H2O)

  2. Acrescente 2,5 mL de solução condicionante.

  3. Agitar em agitador magnético (sem aquecimento) por três minutos. Deixar em repouso por dois minutos. Preparar uma prova em branco substituindo a amostra por água destilada e deionizada

  4. Encher a cubeta com a solução em branco e leia a turbidez. Repetir o processo para os outros padrões e para a amostra.

5-Faça o procedimento estatístico solicitado na aula

Solução padrão de Sulfato

1,4790 g de Na2SO4 anidro (previamente seco, por 02 horas, à 105 0C) em água destilada. levar para l litro

conc. = lOOOmg/L em SO4


Preparo da Solução condicionante





  1. Pipetar 50 mL de água destilada e deionizada em um béquer de 100 mL

  2. Acrescentar 5 mL de ácido clorídrico (HCl) concentrado

  3. Adicionar 15 mL de álcool etílico 95%

  4. Pesar 12g de cloreto de sódio (NaCl) e acrescentar; agitar até a completa dissolução do sal

  5. Pipetar 5 mL de glicerina e adicionar à solução; agitar

Método do Amônio - método do indofenol

amostragem- frasco de polietileno ou vidro -

conservação- H2SO4 até pH = 2 - prazo 24 h temperatura - refrigerado
Princípio- Em meio alcalino (em presença de tartarato de sódio e potássio) ocorre a reação de amônia com hipoclorito formando a monocloroamina. A monocloroamina (em presença de nitruprussiato de sódio) reage com o timol formando o Indofenol O composto absorve em  = 690 nm.

Metodologia

Atenção: Toda vidraria deve ser lavada com HCl 0,1 mol/L e depois enxaguada com água destilada/deionizada A água utilizada na preparação das soluções deve ser milieq..
a-Prepare 05 padrões de amônia na faixa de 0,01 a 0,5 mg.L-1 N, no caso de água ou de 0,05 a 5,0 mg.L-1 N no caso de efluente

b-Preparação do branco. Pipete 10,0 mL água destilada livre de amônia. Utilize água milieq ou água bidestilada e deionizada. Faça três brancos e escolha o melhor durante o procedimento para zerar o aparelho Adicione 2,0 mL do reagente R1. Misture e adicione 1,0 mL do reagente R2. Misture e deixe em repouso por 05 minutos. Adicione 1,0 mL do reagente R3. Espere 05 minutos e leia a absorbância, no comprimento de onda máximo, em uma cubeta de 50mm, em caso de água ou de 10 mm no caso de efluente.

c-Pipete 10,0 mL de cada padrão para um béquer de 50 mL Adicione os reagentes R1, R2 e R3 como anteriormente.Faça o mesmo procedimento para a amostra em triplicata. A leitura da absorbância da mostra tem que cair dentro da faixa da curva de calibração.

-Faça o procedimento estatístico solicitado na aula

3-Classifique no caso de efluente,baseado no teor de nitrogênio amoniacal, com base nas normas nacionais de lançamento de efluentes. Se for água verifique se é potável em temos de amônia, baseando-se nas normas nacionais.
Reagentes

a-água livre de amônia. Água bidestilada ou destilada e deionizada.

b-Reagente R1

2,0 g de hidróxido de sódio + 1,5 g de tartarato de sódio e potássio. Dissolver em água e levar para um balão volumétrico de 100 mL.



c- Reagente R2 Hipoclorito de sódio a 10% p/p

d- Reagente R3 – Pesar 1,0 g de timol. Dissolver em 25 ml de propanol-1 ou isopropanol. Pesar 1,5 g de nitroprussiato de sódio. Dissolver em pequena quantidade de água (10 mL). Transferir as duas soluções para um balão volumétrico de 50 mL e completar com água.
e-Padrão de NH4Cl. Dissolva 381,9 mg NH4Cl anidro, secado à 1000C, em água e leve a solução para 1,0L.
Reações químicas :
NH3 + NaClO NH2Cl + NaOH



Oxigênio Dissolvido

Introdução


O oxigênio dissolvido pode ser determinado através de um eletrodo de membrana sensível e permeável ao oxigênio ou através da titulometria denominada titulação de Winkler


Método 1- Eletrodo sensível ao oxigênio


Calibração do medidor

1-Ligue o medidor da Scoth Gerate e espere estabilizar por 10 a 15 minutos.

2-Zere o aparelho através de um controle mecânico. Em alguns parelhos esta etapa é dispensável.

3-Meça a temperatura ambiente e através da tabela 1 determine a quantidade de oxigênio contida no ar. Esta quantidade é denominada de valor de saturação.

4-Usando a tabela 2 corrija o valor de saturação.

5-Calibre o eletrodo colocando-o dentro de uma pequena garrafa contendo um papel toalha no fundo. Ligue o medidor, espere estabilizar, e ajuste a leitura para fornecer o valor de saturação encontrado na etapa 4. Não desligue o medidor após a calibração.


Medida

Imersa o eletrodo na amostra. Coloque o medidor na posição de leitura. Espere estabilizar.


Tabela 1-Valores de oxigênio dissolvido em função da temperatura

Temp(0C)

OD(mg/L)

Temp(0C)

OD(mg/L)

Temp(0C)

OD(mg/L)

12

10,78

19

9,28

26

8,11

13

10,54

20

9,09

27

7,97

14

10,31

21

8,92

28

7,83

15

10,08

22

8,74

29

7,69

16

9,87

23

8,58

30

7,56

17

9,67

24

8,42

31

7,43

18

9,47

25

8,26

32

7,31

Tabela 2-Fator de correção para o oxigênio dissolvido em função da altitude



Altitude(m)

Fator de correção

Altitude(m)

Fator de correção

Altitude(m)

Fator de correção

0

1

789

0,91

1447

0,84

256

0,97

880

0,90

1544

0,83

343

0,96

972

0,89

1643

0,82

431

0,95

1066

0.88

1743

0,81

519

0,94

1160

0,87

1843

0,80

608

0,93

1254

0,86

1945

0,79

698

0,92

1350

0,85

2047

0,78

6-Determine o OD da sua amostra.

7-Descreva o princípio de funcionamento do oxímetro.

Método 2- Titulação de Winkler

Procedimento:

1-Encha cuidadosamente 02 frascos de DBO com água evitando a introdução de oxigênio extra.

2-Adicione 1 mL de sulfato manganoso e 3 mL de solução alcalina de iodeto de potássio. Tampe os frascos evitando bolhas de ar, inverta-o várias vezes para misturar a solução. Um precipitado de hidróxido de manganês será formado. Deixe o precipitado decantar. Adicione 1 ml de H2SO4 conc., tampe a garrafa e inverta-a várias vezes até que o que o precipitado se dissolva.

3-Deixe em repouso por cinco minutos, no mínimo, após os quais transfira uma alíquota de 50 mL para um erlenmeyer de 250 mL e titule-a com Na2S2O3 1/160 N usando uma solução de amido como indicador.

Tratamento dos dados


1- Escreva as reações químicas envolvidas

2-. Determine o OD de sua amostra - 1mL de Na2S2O3 1/160 N = 1 mg/L de O2 dissolvido.

3- Deduza a relação anterior.

4-Compare os resultados obtidos pelos dois métodos e discuta.

5-Quais os principais interferentes na titulação de Winkler ? Como eles são eliminados?

Preparação das soluções


1- solução de Na2S2O3 1/160 N

I-Prepare uma solução de Na2S2O3 0,1 N

-Pese 12,5 gramas de Na2S2O3.5H2O, dissolva em água destilada em um béquer, junte 0,5 g de NaOH (estabilizante), transfira para um balão volumétrico de 500 mL, deixe em repouso por um dia e padronize com KIO3 0,1 N.



II-Padronização da solução de Na2S2O3 0,1 N

-Prepare 1000 mL de KIO3 0,1 N, dissolvendo 3,565 g de KIO3 em água destilada e transferindo-o para um balão volumétrico de 1000 mL.

-Através de uma bureta transfira 40 ml da solução anterior para um erlenmeyer de 250 mL. Adicione 10mL de KI a 10 % p/V 2 10 mL de HCl 1 N, homogeneize a solução e titule com o Na2S2O3 0,1 N, utilizando amido como indicador. Calcule a normalidade correta do Na2S2O3.

III- Preparação da solução de Na2S2O3 1/160 N

Meça em uma bureta 62,5 mL da solução de tiosulfato de sódio 0,1N e dilua para 1,0L em um balão volumétrico.



IV-Iodeto Alcalino - Pese 500g de NaOH e 150g de KI dissolvendo em água destilada.Complete o volume para 1L.

V-Sulfato Manganoso – Dissolva 480g de MnSO4 em água destilada completando o volume para 1L.

FOSFORO TOTAL


1-Introdução

Esta análise é feita de acordo com o método colorimétrico. O fósforo é analisado como ortofosfato. A solução é acidificada com ácido sulfúrico e os íons ortofosfatos, em presença de íons molibdatos, formam o ácido molibidêniofosfórico. A adição de ácido ascórbico reduz o ácido a fosfomolibidênio (cor azul - max em torno de 880 nm) que é determinado espectrofotometricamente.


Amostragem- frasco de polietileno ou vidro - conservação- H2SO4 até PH = 2

Prazo 24 h temperatura - refrigerado


Toda vidraria deve ser lavada com HCl 0,1 mol /L e enxaguada com água destilada.
2-Metodologia

- Análise do fósforo – método do ácido ascórbico


  1. Prepare 05 padrões de ortofosfato na faixa de:

  1. Análise de água -

0,01 –0,1 mg/L em P ou

  1. Análise de efluente

0,1 –0,25 mg/L em P,

  1. Pipetar 25 mL da amostra, padrões e de três brancos. Adicionar 10 mL do reagente combinado e agitar.

  1. Após 10 minutos, no caso de análise de efluente ler absorbância em uma cubeta de 10 mm (comprimento de onda de 690nm) dos padrões e da amostra contra o melhor branco. No caso de água utilizar cubeta de 50 mm.


-Preparação da amostra- conversão em ortofosfato - Se a amostra possui apenas fósforo na forma de ortofofato, esta etapa é dispensável.

Caso de amostra de água

1-Pipete 400 mL da amostra para um erlenmeyer de 500 mL. Adicione 1,0 mL de H2SO4 25 %. O pH da amostra deve ser aproximadamente 1.

2-Adicione aproximadamente 0,4 g de persulfato de amônio (NH4)2S2O8. Ferva por 30 minutos (ou até que o volume reduza para aproximadamente 40 mL) em uma chapa. Esfrie até a temperatura ambiente e ajuste o pH entre 5 e 8 com uma solução de NaOH 20 % e com uma solução de H2SO4 25 %. Se o pH estiver entre 2 e 12 utilize solução de NaOH 1 mol / L e/ou H2SO4 1mol / l. Caso haja formação de algum precipitado, este deverá ser dissolvido em condições ácidas. A seguir, filtre a amostra, transfira-a para um balão de 50 mL e complete-o com água destilada.

Caso de amostra de efluente

Pipete 100L da amostra e, após a digestão, afira para 100 mL.



-Tratamento dos dados

1-Faça a curva de calibração

2-Faça o procedimento estatístico solicitado na aula

3-Classifique a amostra, no caso de água, baseado no teor de fósforo total, considerando água doce de ambiente lótico. No caso de efluente verifique se o teor de fósforo na amostra está acima do limite de água classe 2.




a- Preparação dos reagentes


Ácido sulfúrico, H2SO4, 5N: Diluiu-se 70mL de H2SO4 concentrado em 500mL de água deionizada.

Solução de tartarato de potássio e antimônio: Dissolveu-se 0,1372g

K(SbO) C4H4O6. 0.5 de H2O em 40mL de água deionizada. Transferiu-se para um balão volumétrico de 50mLe aferiu-se.

Solução de molibdato de amônio: Dissolve-se 10,0048 g (NH4)Mo7O24. 4H2O em 250mL de água deionizada.

Acido ascórbico, 0.1M: Dissolve-se 1.7606 g de Acido ascórbico em 100mL de água deionizada. A solução é estável por aproximadamente 1 semana, logo foi refrigerada.

Reagente combinado: Misturam-se os reagentes nas seguintes proporções para 200mL do reagente combinado: 100 mL de H2SO4 5N, 10mL de solução de tartarato de potássio e antimônio, 30mL de solução de molibdato de amônio e 60mL de solução de ácido ascórbico, respectivamente se que se altere a ordem.

OBS.: Deixaram-se todos os reagentes chegarem à temperatura ambiente antes de misturá-los. O reagente combinado é estável por horas.


a- Preparação do padrão


Padrão de ortofosfato- Dissolver 0,2195 g de KH2PO4 anidro (previamente seco em estufa) em água destilada. Diluir para 1000mL.

Demanda Química de Oxigênio



Método do refluxo fechado

Introdução

O método consiste em se oxidar a matéria orgânica na presente com o dicromato de potássio em meio ácido, à quente e na presença do catalisador sulfato de prata.Na presença de haletos precipita-se haletos de prata e, neste caso, adiciona-se HgSO4 como agente complexante.



:

Após a digestão, o dicromato residual pode ser quantificado espectrofotometricamente a 585nm, no caso de DQO maior que 100mg.L-1 O2, através da comparação com uma curva de calibração preparada a partir do padrão hidrogenoftalato de potássio. Abaixo da concentração anterior pode-se quantificar a DQO através do Cr3+ formado que absorve em 400nm.


Preparação dos padrões

Preparar 05 padrões de hidrogenoftalato de potássio na faixa de 100 a 1000 mg O2/L


Método:

  1. Homogeneíze a amostra ou o padrão e com auxilio de uma pipeta transfira 3 mL para o tubo de DQO. Adicione 1,5 mL da solução digestora e, cuidadosamente adicione 3 ml da solução de ácido sulfúrico e sulfato de prata. Tampar bem os tubos.

  2. Aquecer o termorreator por 10 minutos a 148ºC.

  3. Colocar os tubos no termorreator girar o botão do timer até 120 minutos.

  4. Após as duas horas de aquecimento, deixar esfriar e fazer a leitura em relação a um branco a 585 nm


Tratamento dos dados

1-Faça a curva de calibração.

2-Determine a DQO da solução problema.

3-Verifique se a solução problema está dentro das normas de lançamento de efluentes.



Cálculo

-Determine a DQO teórica de uma solução 1g/L de glicose. A glicose pode substituir o bftalato de potássio? Justifique.


Reagentes:

  • Solução digestora: Pesar 2,2065 g de K2Cr2O7 (seco a 150°C por 2 horas) e dissolver em cerca de 150 ml de água destilada. Adicione 41,8 ml de ácido sulfúrico e, no caso de análise na presença de haletos adicione 8,33g de sulfato de mercúrio II. Resfriar à temperatura ambiente, transferir para um balão de 250 ml e completar o volume com água destilada.

  • Reagente de ácido sulfúrico: 2,53 g de Ag2SO4 dissolvido em 250 ml de H2SO4 Concentrado.Deixar em repouso por dois dias para total dissolução do Ag2SO4.

  • Solução padrão de biftalato de potásssio - Dissolver 0,8500 g de biftalato de potássio, previamente seco à 1200C por uma hora em 1000 ml de água destilada. Esta solução tem DQO teórica de 1000 mg O2/L. Conservar na geladeira. Ela é estável por três meses.

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE DIÓXIDO DE ENXOFRE (SO2) NA FASE GASOSA E NO MATERIAL PARTICULADO DO AR ATMOSFÉRICO
Síntese: O dióxido de enxofre (SO2) é um poluente atmosférico oriundo principalmente da combustão de combustíveis fósseis. Esse gás destaca-se pela sua contribuição para a formação de chuva ácida e por seus efeitos deletérios à saúde humana, agindo diretamente nos olhos, outras mucosas e no trato respiratório. Em contato com a atmosfera, este poluente é oxidado a ácido sulfúrico (H2SO4), o qual pode ser adsorvido ao material particulado e dissolvido em gotículas de água, formando um aerossol extremamente irritante ao sistema respiratório e a flora, com pH geralmente inferior a um. O SO2 presente na fase gasosa do ar pode ser coletando em amostragem do ar realizada a baixa vazão (Low-Vol) e determinado pela oxidação a sulfato com peróxido de hidrogênio. O sulfato formado em solução pode ser quantificado por nefalometria na forma de precipitado de sulfato de bário. Esse método de análise descreve o procedimento para a coleta e determinação de SO2 presente no ar atmosférico.
Material:

  • Barômetro e termômetro para determinação da pressão e temperatura ambiente;

  • Bomba de vácuo com vazão mínima de 2,5 ou 5,0 L.min-1 e sistema de segurança;

  • Bolhômetro de 1 L para calibração da vazão da bomba de vácuo;

  • Cronômetro;

  • Restritor de fluxo variável, feito de cobre;

  • Suporte de plástico (cassete) para filtro de papel de 47 mm de diâmetro;

  • Papel de Filtro de filtro Watmann número 01;

  • Tubo de silicone para conexões;

  • Balança analítica com precisão mínima de 0,1 mg;

  • Denuder (tubo coletor de vidro de borossilicato);

  • Frascos de absorção (borbulhadores) de 150 mL;

  • Trap de segurança (kitassato);

  • Turbidimetro;

  • Agitador e barra de agitação magnética;

  • Béquer de vidro de 50 mL;

  • Tubo de ensaio com dimensões de 150 x 15 mm;

  • Béquer de vidro de 150 mL (2).

Soluções e Reagentes:



  • Solução de ácido clorídrico (HCl) 1,0 mol.L-1. Solubilizar cuidadosamente 8,3 mL de HCl concentrado em 100 mL de água destilada.

  • Solução de peróxido de hidrogênio (H2O2) 0,3%, m/v, acidificada. Adicionar 20,0 mL de H2O2 30%, m/v (20 volumes) e 10,0 mL de HCl 1,0 mol.L-1 em um balão volumétrico de 200 mL e avolumá-lo com água destilada. Homogeneizar.

  • Solução de KMnO4 0,02mol.L-1. Dissolver 0,320g de KMnO4 em 20 mL de água destilada, transferir par um balão de 100 mL. Homogeneizar.

  • Solução de de H2SO4 1:5 v/v- Adicionar cuidadosamente 20 mL de H2SO4 conc. em 80 ml de água destilada. Homogeneizar.



Procedimento:

  1. Calibração da bomba de vácuo – Adaptar na entrada de ar da bomba (vácuo) uma mangueira contendo o restritor de fluxo, cassete low-vol com o papel de filtro, o frasco lavador, os dois traps de segurança e o bolhômetro de vidro. Succionar “bolhas de sabão” de uma solução de água com um pouco de detergente pelo bolhômetro e medir o tempo necessário para que a bolha de sabão percorra o volume calibrado do bolhômetro. Ajustar a vazão para 2,0 L.min-1 ( de 1,8 a 2,2 L.min-1), para amostragem de 24 horas.

  2. Frascos lavadores de gás e traps de segurança. Adicionar 50 mL de solução de H2O2 0,3%, m/v em dois frascos lavadores de gás. Tampar um dos frascos lavadores e reservar (branco). Adicionar 75 mL de solução de KMnO4 0,02mol.L-1 e 75 mL de solução de H2SO4 1:5 v/v em um trap de segurança (kitassato de 500 mL). Em outro trapp de segurança adicionar sílica gel desidratada(azul) e espuma (poliestireno) ou algodão.

  3. Preparação para a amostragem –Adaptar o filtro ao cassete low-vol. Montar o trem de amostragem com o funil, o cassete contendo o filtro, o restritor de fluxo, o frasco lavador e os traps de segurança. Deixar amostrando por 24 horas.



  1. Transferir a solução do frasco lavador para balão de 50 mL e completar o volume com água destilada. Homegeneizar e medir a turbidez da solução resultante pelo método nefalométrico para determinação de sulfato (utilizar solução condicionante). Fazer o mesmo procedimento para o frasco do teste em branco.

  2. Utilizar a curva analítica para a determinação de sulfato pelo método nefalométrico.

  3. Determinar a concentração de SO2 no ar atmosférico a partir das concentrações de sulfato nas soluções e da vazão do ar amostrado. Reportar os resultados em µg.m-3 nas CNTP, corrigindo o volume amostrado pela pressão e temperatura ambiente.

  4. Comparar o resultado encontrado com a norma do CONAMA para qualidade de ar.

8)Sugira uma outra forma de quantificar o SO2 do ar.

Ref. Bibliog. –

1) V.P. Campos, L.P.S. Cruz, E.M. Alves, T.S. Santos, A.D. Silva, A.C.C. Santos, A.M.V. Lima, C.S. Paixão, D.C.M.B. Santos, D.S. Brandão, E.J.S. Andrade, J.I. Moreira. Jr, C.S. Conceição, M.S. Ramos, C.C.G. Pontes, M.F. do Amaral, R.R. Mattos. Monitoramento atmosférico passivo de SO2, NO2 e O3 em áreas urbanas e de influência industrial como prática de química ambiental para alunos de graduação, Quim. Nova, v.29, p.872-5, 2006.

2) L.P.S. Cruz e V.P. Campos. Amostragem passiva de poluentes atmosféricos: Aplicação ao SO2, Quim. Nova, v.25, n.3, p.406-11, 2002.



3) M. Ferm, P.-A. Svanberg. Cost-efficient techniques for urban and background measurements of SO2 and NO2. Atmos. Environ., v.32, p.1377-81, 1998.

4) NBR 12979 - 1993 - Atmosfera - Determinação da concentração de dióxido de enxofre pelo método do peróxido de hidrogênio.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal