Devid W. Carraher Senso Crítico



Baixar 0.83 Mb.
Página1/12
Encontro27.02.2018
Tamanho0.83 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12

Devid W. Carraher
Senso Crítico

Do dia-a-dia às Ciências Humanas


Pioneira Manuais de Estudo

CIP-Brasll. Catalogação- na- Publicação

Câmara Brasileira do Livro, SP
Carraher, David Willian.
C299s Senso critico : do dia-a-dia as ciências humanas / David William Carraher. -- São Paulo : Pioneira, 1983.
(Manuais de estudo)
Bibliografia.

Comunicação lingüística 2. Metodologia 3. Pensamento 4.Raciocínio 1. Título.


83-1102
CDD-001.54

-001.42


-160

Índices para catálogo sistemático:


1. Comunicação lingüística 001.54

2. Linguagem: Comunicação 001.54

3. Metodologia 001.42

4. Pensamento : Lógica 160

5. Raciocínio : Lógica 160

Senso Crítico

Do dia-a-dia às Ciências Humanas

Pioneira – Manuais de Estudo

David Willian Carraher

Professor Adjunto

Curso de Mestrado em Psicologia

Universidade Federal de Pernambuco

Senso Crítico

Do dia-a-dia às Ciências Humanas

Livraria Pioneira Editora

São Paulo

Ilustrações de: Lailson Cavalcanti

Capa:


Jairo Porfírio
David William Carraher, 1983

Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida sejam quais forem os meios empregados, (mimeografia, xerox, datilografia, reprodução, gravação em disco ou em fita), sem a permissão por escrito da Editora.

Aos infratores se aplicam as sanções previstas nos artigos 122 e 130 da Lei n.° 5.988 de 14 de dezembro de 1973.
1983
Todos os direitos na língua portuguesa reservados por ENIO MATHEUS GUAZZELLI & CIA. LTDA.

02515 — Praça Dirceu de Lima, 313 Telefone: 266-0926 — São Paulo


Printed in Brazil

Impresso no Brasil

A Bárbara e James Carraher, meus pais, pelo apoio e pela liberdade que me deram para argumentar e defender minhas idéias.

Agradecimentos especiais ao autor e à American Psychological Association pela permissão para fazer as citações retiradas de Milgram, S. “ Issues in the Study of Obedience: A Reply to Baumrind”, American Psychologist, 1964, 19 (11) American Psychological Association, 1964.

ÍNDICE
Introdução A CURIOSIDADE INTELECTUAL--XV
Capítulo 1: ARGUMENTANDO NA VIDA DIÁRIA E NAS CIÊNCIAS HUMANAS--1
1 Argumentação--4

2 A pragmática da comunicação--5

3 A argumentação psicológica--7

4 Criação e defesa de idéias--10

5 Diferenças entre leigos e cientistas--12

6 As duas mentes--16

Exercícios--17
Capitulo 2: O PAU DE CHUVA E OUTRAS FALÁCIAS--27
1 Tendenciosidade--29

2 A sugestão--33

3 Sugestão e socialização--35

4 Conscientização e influência social--37

5 Falácias lógicas--39

Exercícios--48


IX

Capítulo 3: PENSANDO LOGICAMENTE--55


1 É bom pensarmos logicamente?--55

2 Vantagens do estudo da lógica--57

3 Verdade versus validade--58

4 Implicação lógica--65

Exercícios--70
Capítulo 4: LENDO NAS ENTRELINHAS
1 Tome o não dito por dito?--77

2 Pressupostos semânticos--78

3 Idéias subentendidas--79

4 Premissas subjacentes--80

5 A descoberta do implícito exemplos--82

6 Paradoxos e perspectivas múltiplas--88

Exercícios--91
Capítulo 5: USANDO E ABUSANDO DOS CONCEITOS--99
1 O realismo ingênuo--100

2 Conceitos simples e abstratos--101

3 Por que certos conceitos são abstratos?--102

4 Definições conceituais e operacionais--105

5 Conceitos e contexto--107

Exercícios--109


Capítulo 6: ANALISANDO CRITICAMENTE--119
1 Questões de fato--119

2 Questões de valor--120

3 Relações entre fatos e valores--122

4 Questões conceituais--123

5 Os problemas conceituais sofrem influência dos valores--125

6 Análise crítica--126

7 Analisando a obediência--128

8 O senso critico e os valores--135

Exercícios--136
Capítulo 7: PESQUISANDO CRITICAMENTE--141
1 O positivismo lógico--141

2 O neopositivismo--145

3 Agressão e imitação--146

4 Resumo--148

Soluções para exercícios selecionados--150

Referências--155

Índice analítico—161

APRESENTAÇÃO


Na formação humanística dos educandos, seus professores e orientadores destes, algumas das prioridades cognitivas dizem respeito à aquisição, uso sistemático, cultivo e aprimoramento das capacidades de senso crítico, senso de relativismo ou da variação, senso de empatia ou de convergência comunicativa, senso do porvir, senso de identidade lingüístico-cultural e senso ecológico. Destes atributos formativos, que deveriam caracterizar a personalidade do aprendiz e dos responsáveis por seu crescimento intelectual, merece destaque especial o senso crítico, por constituir-se lacuna seríssima na atividade expressivo-comunicativa, desde o "dia-a-dia" aos usos do pensamento e da linguagem nas "ciências humanas", para usar o sugestivo subtítulo deste volume.

Como enfrentar o desafio de ajudar o estudante a pensar com criticidade, a explicitar uma argumentação de maneira lógica, precisa e convincente? O autor de Senso Crítico optou pelo procedimento pedagógico mais eficaz: experienciar essa problemática com alunos. Desse convívio reflexivo frutificaram os textos para a exposição-elucidação teórica e as situações-problema a serem solucionadas pelos participantes. Saliente-se também a relevância cultural da exemplificação: a maior parte dos exemplos provém de fontes brasileiras.

A quem interessará o livro? A testagem da obra em cursos para estudantes de nível universitário recomenda-a para utilização em outras condições de aprendizagem: em cursos de 2." grau, em programas intensivos de formação ou de reciclagem de professores de l" e 2." graus (cursos de extensão ou de especialização) ou de bacharelado, nas diversas habilitações da área de ciên-
Xi

cias humanas. O contexto educacional, os capítulos e a resolução dos problemas cognitivamente desafiadores muito beneficiarão a todos que, conscientes da necessidade de ir além da "intuição", buscam um instrumento que os ajude a pensar de modo mais coerente e produtivo, a fim de tomar decisões não apenas em termos de alternativas possíveis, mas exatas ou adequadas.

Fiel às diretrizes norteadoras da série Manuais de Estudo, da Pioneira, o livro que tenho o privilégio de apresentar constitui uma contribuição muito significativa à literatura sobre o assunto em língua portuguesa.
Dr. Francisco Gomes de Matos

Diretor, Biblioteca Pioneira de Lingüística

Professor, Universidade Federal de Pernambuco.

Presidente, Associação Brasileira de Lingüística (1981-1983)


XII

Agradecimentos


Muitas pessoas leram o presente texto enquanto estava sendo preparado nos últimos anos e ofereceram comentários e reações que possibilitaram uma avaliação constante da obra. Esse feedback tornou-se muito importante ao fazer modificações e elaborar os exercícios. Os estudantes nas Universidades Federais de Minas Gerais e de Pernambuco contribuíram para essa avaliação, provavelmente sem saber, nas discussões sobre os problemas no texto em sala de aula. Outras pessoas colaboraram na forma de sugestões ou reações diretas. Entre essas pessoas, gostaria de mencionar Lúcia Brito, Lúcio Marzagão, George Browne, Luiz Nunes, Maria de Fátima Santos, Shirley Brice Heath, Augusto Burle e Jorge Falcão.

Francisco Gomes de Matos leu todos os capítulos, enquanto em preparação, fazendo comentários, anotações e sugestões detalhadas sobre todos eles. O estilo e a organização do livro se beneficiaram sensivelmente de suas observações.

Agradeço ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Pedagógicas - INEP

- e ao Conselho Nacional para Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq - pelo apoio recebido. Márcia Maria Caldas, Márcia Regina de Sá, Ciro Noronha Jr., Ana Carolina Alves e Ester Rosa trabalharam como assistentes de pesquisa, demonstrando dedicação e interesse exemplares nas investigações empíricas sobre o senso crítico.

O clima intelectual do Curso de Mestrado em Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco tem sido muito favorável à realização deste trabalho e aprendi muito por meio de discussões e trabalho em conjunto com meus colegas.

Terezinha Nunes Carraher prestou colaboração importante neste trabalho desde o início até o fim, tanto intelectualmente como emocionalmente. Nossas discussões abrangeram todos os aspectos do livro e proporcionaram um primeiro teste de coerência e born senso das minhas idéias. Fui levado, várias vezes, a reformular minhas idéias sobre um assunto, com base em suas observações.

Finalmente, gostaria de agradecer ao Enio Guazzelli e à equipe da Pioneira, por sua atenção durante a composição da presente obra.
xiii

Em questões de ciência a autoridade de mil pessoas não tem o mesmo valor que o raciocínio humilde de um só indivíduo


Galileo
Introdução A CURIOSIDADE INTELECTUAL
O presente livro foi escrito como texto prático 1. Para aumentar sua utilidade os capítulos sofreram várias revisões durante os últimos anos buscando se adequá- los a estudantes em sala de aula e a partir de comentários generosamente oferecidos por aqueles que leram o texto em versões anteriores Para facilitar a compreensão evitei considerações históricas notas de pé de página e nomes de autores no corpo do texto. Há um mínimo de terminologia técnica e referências a teorias.

Esse estilo não me permite evidenciar meu debito intelectual a uma gama ampla de pensadores e pesquisadores. Uma analise das idéias no texto revelara uma influência de pelo menos algumas correntes de pensamento. Vale mencionar por exemplo a importância dos pragmatistas e funcionalistas no meu modo de encarar processos cognitivos 2 e comunicação. Eles salientam sempre os usos da linguagem e do raciocínio em situações reais - noções importantes nesta obra. As idéias de Dewey e Austin tiveram eco em vários capítulos aqui 3.

Nota se também uma influência marcada das contribuições de psicólogos sociais especialmente de Asch e Milgram e de seus contemporâneos da Sociologia Garfinkel e Goffman 4. Há ainda uma influência da Filosofia, especialmente a filosofia analítica, nos últimos 3 capítulos. Também há uma influência do trabalho de Jean Piaget 5 em diversas questões epistemológicas.

Existem alguns programas em outros países para desenvolver diversas habilidades intelectuais, mas há razões para questionar a adequação desses programas mesmo para suas finalidades no exterior. Sua adoção no Brasil e mais questionável ainda pois o senso crítico se situa no meio de eventos e tradições que embora tenham aspectos universais, são distintamente brasileiros.


XV

A utilidade de um programa para o desenvolvimento do senso crítico depende principalmente das idéias que o constituem, explícita ou implicitamente. O que um programa pode oferecer é possibilitado e, simultaneamente, delimitado por sua base conceitual. Um programa que trata o senso crítico como uma “reestruturação do campo perceptual" 6 pode sofrer de empobrecimento conceitual. Os problemas tendem a ser interessantes, embora pouco representativos dos encontrados nas ciências humanas. Certamente, muito pode ser aprendido com os trabalhos dos neogestaltistas, porém, ate que ponto o “pensamento crítico” pode ser representado por tal ponto de vista? Do mesmo modo, um programa que caracterize o pensamento critico como uma questão de “ler cuidadosamente e seguir instruções" 7seria limitado em alcance e, conseqüentemente, em impacto. A caracterização do senso crítico tem implicações fundamentais para a utilidade de um programa.

Há, é claro, o risco de estender-se a base conceitual de modo tão amplo que os efeitos de um treinamento rápido sejam difíceis de demonstrar. Este pode ser o maior problema dos programas de "pensamento filosófico" 8 destinados ao primeiro grau, sua lista de habilidades a serem despertadas é tão grande que poucos aspectos parecem ser bem desenvolvidos. Precisamos ser seletivos. A questão é: que habilidades e atitudes são essenciais? Este não é, certamente, um problema para ser resolvido por uma consulta ao dicionário, e um problema para uma analise conceitual e um julgamento correto.

Um indivíduo que inicia sua carreira nas ciências humanas, como pesquisador ou não, presumivelmente tenta entender fenômenos sociais as causas e efeitos do divórcio, tensão entre classes, conflito e cooperação humana, atitudes e sua relação com a estrutura social. Estes fenômenos não são totalmente desconhecidos por ele: ele os vive - alguns deles, pelo menos - todos os dias Ele tem suas próprias opiniões sobre a agitação social, o impacto das mudanças nos papeis sexuais, a melhor maneira de educar as crianças, a desconfiança crescente nos lideres políticos Estas opiniões e idéias, que poderiam constituir uma base para o desenvolvimento intelectual, freqüentemente retardam seu progresso. Os seres humanos são, de um modo geral, relutantes em mudar seu ponto de vista sobre os fenômenos de seu interesse no dia-a dia E por isso que um programa que pretenda desenvolver a habilidade de pensar criticamente em relação a fenômenos sociais deve ser radicalmente diferente de um destinado a digamos, matemáticos. Essa é, também, a razão pela qual tal programa tem que ser metacognitivo, envolvendo conhecimento sobre o próprio conhecimento tanto; a forma “tácita'” do conhecimento quanto a “articulada” serão relevantes. O pensador critico deve entender que ha diversos estilos de pensamento, inferência e comunicação que são completamente apropriados dentro do dia-a dia, mas que interferem no seu trabalho como pensador reflexivo.

Muitas vezes, o leigo se sente inteiramente justificado em manter suas crenças pelo próprio fato de que acredita nelas, considerando as obvias,
XVI
naturais, uma questão de filosofia pessoal, etc. Em outras ocasiões, as crenças são defendidas com base em evidências irrelevantes para a posição ou idéia defendida. O leigo não sente necessidade de fundamentar suas idéias em evidências sólidas. Seus modos "naturais" de argumentar e defender idéias interferem a todo momento com sua atividade intelectual 9. É verdade que o ato de argumentar tem uma característica prática e funcional, seja o expoente um cientista, defendendo e justificando suas conclusões em uma pesquisa, ou um leigo querendo pechinchar no mercado central. Mas os motivos dos agentes são fundamentalmente diferentes — e a dinâmica é diversa. Como cientistas sociais, não podemos aceitar as conclusões de um relatório se não forem, pelo menos, bem fundamentadas. Porém, na vida diária, o que importa é, freqüentemente, "aonde o indivíduo quer chegar"; como ele chegou aí é de pouca importância. Assim, uma idéia é válida nas ciências se a concatenação de evidências fundamentar rigorosamente as conclusões. Entretanto, uma idéia é válida na vida cotidiana se for defensável, aceitável, positiva, razoável — como na frase "Eu acho muito válido que a mulher trabalhe hoje em dia".

Com relação à abrangência das idéias, o leigo tende a se contentar com explicações muito locais. Enquanto ele fica satisfeito com a "explicação" de que um atentado foi realizado contra o papa porque o "homem estava louco", o cientista social - pelo menos o modelo de cientista social que a comunidade trata como competente - iria tentar analisar o acontecimento em termos de processos e fenômenos mais gerais: identificação e ambivalência com relação a líderes, terrorismo, violência e anomia urbanas, eventos internos em países comunistas e sua relação com o Vaticano. Enfim, enquanto o leigo procura "quebrar o galho" intelectualmente, resolver ou eliminar o problema na hora sem voltar a ele, o cientista social com senso crítico tem interesse em construir sistemas explicativos amplos que possam lidar com um número muito grande de fenômenos.


A Natureza do Senso Crítico
Um indivíduo que possui a capacidade de analisar e discutir problemas inteligente e racionalmente, sem aceitar, de forma automática, suas próprias opiniões ou opiniões alheias, é um indivíduo dotado de senso crítico. Como Piaget ressaltou, além da formação de pensadores criativos, a educação tem como objetivo
formar mentes que possam ser críticas, que possam verificar, ao invés de aceitar tudo que lhes é oferecido. O grande perigo hoje em dia é o dos chavões, das opiniões coletivas, de modas pré-fabricadas de pensamento. Temos que ser capazes de resistir individualmente, de criticar, de distinguir entre o que foi provado e o que não foi. Portanto, precisamos de alunos que sejam ativos,
XVii
que aprendam cedo a descobrir por si próprios em parte através de sua atividade espontânea e em parte através do material que lhes apresentamos que aprendam cedo a distinguir o que e verificável da primeira idéia que lhes vem a cabeça 10
E claro que o senso crítico depende de um certo amadurecimento intelectual e formalização do pensamento não encontrados em crianças mesmo as mais inteligentes O senso critico refere se a habilidades já desenvolvidas (e não apenas potenciais), presumivelmente através de leitura, reflexão e da própria prática.

Um pensador critico, conforme a posição adotada neste livro, tende a demonstrar as seguintes características gerais:


1 uma atitude de constante curiosidade intelectual e questionamento;

2 a habilidade de pensar logicamente;

3 a habilidade de perceber a estrutura de argumentos em linguagem natural;

4 a perspicácia, isto e, a tendência a perceber além do que e dito explicitamente, descobrindo as idéias subentendidas e subjacentes;

5 consciência pragmática, um reconhecimento e apreciação dos usos práticos da linguagem como meio de realizar objetivos e influir sobre outros,;

6 uma distinção entre questões de fato, de valor e questões conceituais;

7 a habilidade de penetrar ate o cerne de um debate, avaliando a coerência de posições e levantando questões que possam esclarecer a problemática.
Pretendemos considerar brevemente aqui apenas a questão da curiosidade intelectual Os demais assuntos serão discutidos em detalhe no texto.

Curiosidade intelectual envolve um estilo de abordar problemas na vida diária e na vida profissional. O pensador crítico questiona e analisa as coisas não porque alguém exige que ele o faça, mas porque no fundo, ele tem um desejo de compreender, um


interesse em descobrir por si mesmo, as respostas a interrogações nascidas do contato com pessoas e coisas... A curiosidade assume caráter definidamente intelectual quando e somente quando um alvo distante controla uma seqüência de investigações e observações, ligando-as uma a outra como meios para um fim 11.
Essa perspectiva mais ampla contrasta com as preocupações locais características do leigo. Enquanto a curiosidade social pode se satisfazer rápida mente através de fofoca ou conversas sociais a curiosidade intelectual depende de um investimento do indivíduo durante muito tempo a fim de compreender fenômenos profundamente.

Diversas outras características decorrem naturalmente dessa atitude. Primeiro, o pensador crítico precisa ter uma tolerância e ate predileção por esta-


XVlll

dos cognitivos de conflito, em que o problema ainda não é totalmente compreendido. Se ele ficar aflito quando não sabe "a resposta correta", essa ansiedade pode impedir a exploração mais completa do problema Segundo, ter curiosidade intelectual implica em ter honestidade intelectual, a qual não é simplesmente uma questão do caráter do indivíduo. O pensador menos exigente consigo mesmo tende a ver as interpretações que quiser ou que satisfaçam as exigências mínimas (o que o professor queria). Honestidade intelectual significa estar disposto a reformular posições diante de novas informações, a questionar nossas opiniões e a questionar posições que constituem "modas intelectuais" a forma mais poderosa de dogmatismo 12. Terceiro, uma atitude de curiosidade intelectual implica em adotar perspectivas múltiplas, para examinar as questões sob várias óticas.

A leitura crítica de revistas e jornais produzidos para consumo em massa, bem como a avaliação crítica de filmes, de programas de televisão e de palestras, exigem a habilidade de analisar as distorções de discurso associadas a tais meios de comunicação. A leitura crítica exige que se reflita, por exemplo, sobre como os jornais apresentam informações, possivelmente demonstrando tendenciosidade e favorecendo certas posições.

O profissional que trabalha nas ciências humanas precisa penetrar além da superfície das informações apresentadas nos meios de comunicação porque os fenômenos que pertencem a seu domínio profissional são conceituados, discutidos, analisados e influenciados por esses meios. Essa consciência de como as idéias são produzidas e construídas, muitas vezes para servir interesses de certos grupos, caracteriza o senso crítico como sendo, além de um conjunto de habilidades e atitudes cognitivas, um tipo de consciência da sociologia da comunicação 13. Essa consciência é, sem dúvida, muito importante.

Mas seria um erro reduzir o senso crítico a uma conscientização sociológica. O pensador crítico não é um polivalente que entra em qualquer campo para elucidar suas questões fundamentais. Cada campo tem suas próprias premissas, o seu próprio "born senso", suas próprias perspectivas. Assim, embora haja certas características gerais no desenvolvimento do senso crítico, o exercício do senso crítico num determinado campo exige conhecimento íntimo das questões conceituais, das tradições, dos conflitos atuais, dos paradoxos e dos estilos comunicativos - enfim, um conhecimento das práticas e da rede de significados naquele campo. Por isso, o senso crítico exige, além de certos processos cognitivos e atitudes, uma experiência ampla no campo específico de conhecimento em que se atua.
David William Carraher
xix

Referências


1 Partes desta introdução foram apresentadas em forma mais extensa no 1Simpósio Fluminense de Lógica Filosofia e Teoria da Ciência Niterói, 27 .10. 82 junto com resultados de pesquisas sobre o senso crítico em estudantes universitários brasileiros. O projeto de pesquisa “O Senso Critico “ recebeu apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico Brasília 1981. ” O Desenvolvimento do Senso Critico “, feito junto com F Gomes de Matos recebeu apoio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Brasília, 1981. Dr Gomes de Matos focalizou o problema do senso critico redacional em seus estudos a fim de investigar os processos cognitivos na redação de estudantes universitários.

2 Cognição se refere a aquisição organização e uso do conhecimento constituindo um vasto campo nas ciências humanas particularmente na psicologia Para se referir a teoria ou ao estudo do conhecimento os filósofos tendem a empregar o termo epistemologia Processos cognitivos são aqueles através dos quais representamos mentalmente o conhecimento Tais processos atuam na memória na imaginação na aprendizagem na aquisição de linguagem no raciocínio na percepção na leitura na criatividade e na resolução dos problemas.

3 Ver especialmente Dewey J. Como Pensamos. São Paulo: Editora Nacional 1933; Austin J. Hou to Do Things with Words. Cambridge: Oxford University Press, 1963 Esses pensadores tiveram uma influência muito grande nos campos da educação e linguagem respectivamente. Na área de linguagem ressaltamos as seguintes obras: Searle, J. Speech Acts. Cambridge University Press, 1969; Robinson, W. Linguagem e Comportamento Social. São Paulo: Cultrix, 1977: Goffman, E. Forms of Talk. Filadélfia: University of Pennsvlvania Press, 1981, Savillle-Troike, M. the Ethnography of Communication. Oxford: Basil Blackwell, 1982; e Heath, S. B. Ways with Words. Cambridge: Cambridge Universitv Press, 1983.

4 Recomendo especialmente, Asch, S. Psicologia Social. São Paulo: Editora Nacional, 1966; Milgram, S. Obedience to Authority. Nova York: Harper & Row, 1974; Garfinkel, H. Studies in Ethnomethodology. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1976: Goffman, E. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Rio: Zahar 1959.

5 Ver, por exemplo, Piaget, J. A Psicologia. Lisboa: Livraria Bertrand, 1975.

6 de Bono, E. Lateral Thinking: Creativity Step by Step. Nova York: Harper & Row, 1970 ver também a crítica de de Bono por McPeck, J., em Critical Thinking and Education. Oxford: M. Robertson, 1981.

7 Tal visão e representada por exemplo, por Whimbev , A. e Lockhead, J. Problem Solving and Comprehension Filadélfia: The Franklin University Press, 1982.

8 Lipman, M., Sharp, A. e Oscanyan, F. Philosophy in the Classroom Filadélfia: Temple Universitv Press, 1980.

9 Ver Osakabe, H. “Redações no Vestibular”, Cadernos de Pesquisa, 197,7 23, 51-9. O autor analisou os argumentos de vestibulandos em ensaios. Sua analise demonstra a dificuldade dos estudantes em utilizar provas consideradas apropriadas ao estilo dissertativo.
10 Piaget, J. “ Cognitive Development and Children”, In Ripple, R. e Rockcastle, V. (orgs. ) Piaget Rediscovered: Report on the Conference of Cognitive Studies and Crriculum Development. Ithaca, Nova York: Cornell Universitv, 1964.

11 Dewey, J. Op. cit., pp. 46-7.

12 Dependendo do clima intelectual, honestidade pode se tornar uma questão de coragem intelectual. Ver Gruber, H. Darwin on Man. Cambridge: Harvard University Press, 1981, sobre os problemas da coragem intelectual e da tolerância de não resolução cognitiva no trabalho de um grande pensador e cientista.

13 Ver por exemplo Hartley, J. Understanding News. Londres: Methuen, 1982 Zimet, S. G. com Hoffman, M. e Merrit, J. Using and Abusing Literacy. Portsmouth: The Open University Press, 1977.

O bom senso é, entre todas as qualidades humanas, aquela distribuída mais por igual, pois todo mundo se acha tão dotado dele que até as pessoas mais exigentes nos demais assuntos geralmente não desejam ter uma porção desta qualidade do que já possuem.

R. Descartes. Discurso Sobre Método


1.ARGUMENTANDO NA VIDA DIÁRIA E NAS CIÊNCIAS HUMANAS
Poucos dias depois de vir morar no Brasil, entrei num dos grandes supermercados em Belo Horizonte, procurei a lanchonete e estudei curiosamente o cardápio colocado na parede. Quando encontrei vitamina de aveia na lista, minha curiosidade foi despertada. Será que é uma vitamina de alguma fruta tropical exótica? - perguntei-me. Quando questionei à moça da lanchonete, ela respondeu rapidamente:

- É uma vitamina que usa aveia. Acabou a vitamina de frutas. Só tem de aveia.

- Bom. Mas o que é vitamina de aveia? Eu não sei o que é aveia. Você pode explicar?

- É um negócio que vem numa lata, que se usa para fazer vitamina de aveia.

- Mas é a palavra "aveia" que eu não entendo. O que é aveia?

- Eu já disse. Você quer?

Muitas vezes, no dia-a-dia, respondemos a perguntas sem esclarecer nada, igual àquela moça da lanchonete. À pergunta "Por que os preços estão subindo tanto?", é comum respondermos que "é por causa da inflação". João se comporta de uma maneira irritante "porque ele é assim mesmo". "Por que eu gosto tanto de sorvete de flocos? Claro, porque é gostoso". A última resposta faz-nos lembrar da assertiva: "Pessoas que gostam deste tipo de coisa vão achar que isso é exatamente o tipo de coisa de que elas gostam".

Inicialmente, gostaríamos de esclarecer que esses exemplos não são apresentados aqui com o objetivo de levar o leitor a inibir-se na vida cotidiana, como os convidados de uma festa, em que um analista respondia às piadas com o comentário: "Você sabe por que você está realmente rindo?". Na vida cotidiana é comum e bem apropriado expressarmo-nos informalmente, sem esclarecer ou defender todas as nossas opiniões. O exemplo da lanchonete tal-


1

vez seja mais a exceção do que a regra pois, geralmente, diante de comunicações imprecisas, maiores informações não são necessárias. Imagine os aborrecimentos que você iria causar se respondesse à pergunta "Como vai?", literalmente, descrevendo todas as suas preocupações e acontecimentos recentes. Na vida diária é natural a comunicação ser informal e, por isso, informacionalmente incompleta ou imprecisa.

Por outro lado, nossos estilos informais de comunicação e raciocínio (ou modo de pensar) habitualmente interferem com o trabalho na ciência, onde as regras do jogo são diferentes. As questões são resolvidas de maneiras diversas na vida cotidiana e na ciência e, por isso, muitos iniciantes passam por fases de frustração enquanto estão sendo ressocializados. Nas ciências humanas, normalmente apenas os alunos de pós-graduação recebem esta reeducação e, mesmo assim, somente quando elaboram suas dissertações.

O presente livro visa essa reeducação. Partiremos do pressuposto de que o aluno precisa aprender certas regras que geralmente não são respeitadas na vida cotidiana. Pressupomos, também, que a melhor maneira de iniciar esta reeducação é conscientizarmos o aluno das diferenças entre o raciocínio de leigos e aquele de cientistas. Tentaremos mostrar que tais divergências não são apenas uma questão de convenção, como as divergências de etiqueta social em países diferentes. As divergências são importantes porque refletem diferenças entre as funções da comunicação, do raciocínio e da argumentação na vida cotidiana e na ciência.

Salientemos que essa reeducação é mais difícil para alunos das ciências humanas do que para alunos das ciências exatas, principalmente devido ao fato de que o aluno das ciências humanas trabalha numa área em que ele já tem um vasto conhecimento como leigo, mesmo antes da primeira aula na universidade, em virtude de sua participação na vida. Quem acabou de passar no vestibular de Psicologia já tem suas idéias sobre atitudes, tipos de personalidade, comunicação, adaptação e percepção. Até alguns termos outrora considerados "técnicos" - como crise de identidade, fixação, defesa - já aparecem comumente em conversas de não-psicólogos. Também o jovem iniciante do curso de Sociologia certamente tem noções e opiniões sobre classes, estratificação social, grupos de referência, burocracia e anomia muito antes de ler Marx, Weber e Durkheim, em oposição ao aluno de Informática que, mesmo tendo conhecimento de álgebra booleana, árvores binárias e feedback loops, provavelmente não defende suas opiniões com o mesmo vigor que seu colega da Sociologia. É precisamente esse tipo de conhecimento superficial que pode acarretar uma falsa autoconfiança no aluno das ciências humanas e que, por sua vez, irá dificultando o seu progresso intelectual e, além disso, sua verdadeira formação profissional.

Os tópicos nas ciências humanas são relevantes à vida do aluno e familiares a ele; por isso mesmo, muitas vezes ele se sente plenamente justificado em aceitar ou rejeitar idéias de acordo com suas crenças ou sua "intuição". Maria


2

gosta das idéias de Piaget e, por isso, as considera "válidas", enquanto seu colega, João, discorda de Piaget e parte logo para uma teoria que é "válida" para ele. Um rapaz na mesma turma gosta de algumas idéias que são consistentes com sua maneira de pensar, rejeitando as demais e ficando satisfeito por ter demonstrado seu senso crítico. Podemos até imaginar que um dia ocorra o seguinte diálogo entre os três na sala de aula:

Professor: Mas qual é a importância das observações de Piaget sobre o egocentrismo da criança no estágio operacional (entre aproximadamente 2 e 6 anos)? Vocês se lembram de que a grande quantidade de evidências mostra a dificuldade que a criança tem em assumir a perspectiva do outro. Por exemplo, num estudo, Piaget perguntou a uma criança nesta fase se ela tinha irmãos. Ela respondeu que sim, tinha um, Mas quando Piaget perguntou se o irmão dela tinha irmão, a criança respondeu que não.

Maria: Gostei demais deste exemplo, porque eu sempre achei que as crianças são egocêntricas, Numa escola onde eu trabalhava com crianças excepcionais, vi muitos exemplos de egocentrismo, até em crianças de 15 anos. É realmente impressionante. Eu concordo plenamente com Piaget.

João: Mas essa noção de egocentrismo não é nada mais do que um termo que os adultos inventaram para dominar a nova geração, Quando você pensa sobre o assunto, você vê que a criança se comporta naturalmente, inocentemente, e nenhum desses rótulos serve. A criança não é egocêntrica, nem o contrário. Também você não pode saber o que a criança está realmente pensando. Só ela mesma sabe, e, às vezes, nem ela.

Pedro: Concordo com vocês dois. Claro, a criança é egocêntrica. Você nem precisa fazer um estudo para saber disso. É só entrevistar algumas mães. Afinal de contas, elas conhecem seus filhos muito melhor que qualquer psicólogo. Então, vamos dar razão a Piaget a respeito desse negócio de egocentrismo. Todo mundo sabe que as crianças são assim. Mas o que eu não posso aceitar, pessoalmente, é a idéia que esse egocentrismo é ligado ao desenvolvimento intelectual. Para mim, o egocentrismo é um tipo de impulsividade. É que o ego não desenvolveu o suficiente para controlar os desejos do ido.

Então, João também tem razão quando diz que nossa descrição da criança é uma questão de rótulos inventados pelos adultos. Eu prefiro, como eu já disse, explicar o egocentrismo em termos de impulsividade, mas eu estou vendo que o assunto é muito relativo: depende muito do seu ponto de vista.

À primeira vista, esse diálogo entre os alunos é perfeitamente produtivo, e, se continuar assim, talvez os participantes (e até o professor) vão achar que o intercâmbio de idéias foi um sucesso. Mas, neste caso, as aparências enganam. Sem falar dos sentimentos dos participantes no debate, podemos concluir

3

que tal discussão é sem utilidade na formação profissional - a não ser que servisse apenas para oferecer a oportunidade de falar diante de grupos - e até prejudicial, se os professores, ao considerarem positivas tais discussões, transmitirem aos alunos a falsa impressão de que estas atividades esclarecem problemas e promovem a educação do aluno.



Todos os três debatedores apresentam seus pontos de vista como se a ciência fosse simplesmente uma questão de opinião pessoal. Nenhum dos três discutiu a evidência (ou falta da mesma) apresentada por Piaget para defender o uso do termo "egocêntrico ", e nenhum dos três se sentiu obrigado a justificar sua opinião. Maria concorda com Piaget e apenas expressa sua satisfação com o fato de que Piaget e ela compartilham da mesma idéia. A referência ao trabalho com crianças excepcionais nada mais é do que uma afirmação de que sua experiência anterior corresponde à sua opinião; mas esta informação em si não constitui evidência que possa apoiar sua opinião. Do mesmo modo, João evita uma consideração séria das virtudes e falhas da idéia de egocentrismo de Piaget, preferindo afirmar, também sem evidência, que o egocentrismo é apenas um rótulo, e como qualquer pessoa pode ver - quando pensa - os rótulos não servem para nada. O estilo de Pedro é mais sutil, mais convincente. Ele, diplomaticamente, concorda com os dois lados e mostra uma boa combinação de respeito para com os outros e de convicção ("mas, eu não posso aceitar, pessoalmente ... estou vendo que o assunto é muito relativo"). Embora sua opinião possa parecer mais elaborada devido ao seu estilo, suas colocações são tão primitivas e sem justificativa como as dos outros dois.

Será que estou defendendo a idéia de que as pessoas não devem apresentar suas opiniões em debates? Que nossas opiniões não têm valor algum? Em hipótese alguma. Todo mundo tem direito a opiniões. Mas o simples fato de termos uma opinião, por mais firme que seja, não deve levar-nos a aceitar como se fosse um fato evidente.

O debate apresentado acima é, até certo ponto, representativo da natureza das discussões entre iniciantes nas ciências humanas, sejam estes pessoas mais ou menos dotadas intelectualmente. Tal situação só se torna assunto de preocupação por parte dos educadores se os alunos não mudarem durante sua formação profissional. Portanto, o sucesso da formação do aluno como cientista social dependerá, em grande parte, do grau em que ele desenvolva uma nova forma de pensar e apresentar suas idéias.
1. ARGUMENTAÇÃO

Quando uma pessoa apresenta e defende idéias diante de outros ela está fazendo argumentação. Em vista da grande importância da argumentação no trabalho dos cientistas sociais, consideraremos detalhadamente o papel da argumentação na vida cotidiana e na ciência e analisaremos as características de argumentos, fortes e fracos.


4

Podemos definir como argumento qualquer conjunto de afirmações que inclua, pelo menos, uma conclusão. Quem apresenta um argumento seja uma criança, um professor universitário, pedreiro ou filósofo, usa premissas, às vezes chamadas evidências, para defender ou fundamentar sua conclusão. Pressupõe-se que o ouvinte deve também aceitar a conclusão se levar as evidências em consideração.

Um argumento pode ser apresentado sob forma de uma frase, como no exemplo: "As populações das cidades abaixo da represa de Três Marias estão em perigo porque a chuva continua e, se continuar até amanhã, as autoridades terão que abrir as comportas da barragem". Neste caso, a primeira parte da frase, isto é, até a palavra "perigo", pode ser considerada uma conclusão, cuja veracidade é presumivelmente indicada pela outra metade da frase, ou seja, pela informação sobre a chuva e a necessidade de abrir a barragem. Em outros casos, o argumento poderia estender-se por vários parágrafos, capítulos ou até volumes. No livro, A Interpretação dos Sonhos 1, Freud dedica um capítulo ao argumento de que os sonhos expressam nossos desejos reprimidos. Um argumento de tal complexidade consiste de uma série de subargumentos inter-relacionados e outras idéias que são apresentadas sem maiores justificativas, ou porque são consideradas evidentes ou porque foram demonstradas anteriormente. Os subargumentos contribuem aos argumentos maiores como evidências.

Partindo dessa noção de argumento, todo relatório de pesquisa constitui um argumento complexo com suas próprias conclusões e evidências. As conclusões são justamente as idéias que o investigador julga justificadas pelos dados colhidos e pelo conhecimento existente no campo de estudo.


2. A PRAGMÁTICA DA COMUNICAÇÃO
As funções de argumentos são tão diversas quanto os motivos que nos levam a nos comunicar com os outros. Argumentos bem apresentados podem ajudar-nos a receber vantagens materiais, passar em provas, fundamentar as conclusões de uma investigação, iludir um freguês, racionalizar nossos erros, ridicularizar um oponente. Em certos casos, o próprio conteúdo do argumento revela as razões pelas quais o argumento foi formulado, como no caso de uma defesa judicial: o advogado apresenta evidências que pretendem justificar a conclusão ou o julgamento do réu como inocente para evitar para seu cliente uma pena e a desgraça de ser encarado e tratado como criminoso. Em outros casos, precisamos entender melhor o contexto no qual o argumento foi apresentado para compreender sua função. Um relatório de uma investigação interna de corrupção numa firma pode aparentar uma análise fria e objetiva de transações financeiras enquanto, na realidade, pode ser uma tática para inocentar os diretores, tranqüilizar os acionistas e convencer o público de que reportagens anteriores nos jornais eram falsas.
5

Na vida cotidiana, as pessoas formulam argumentos para realizar seus planos. Um homem aponta as vantagens ou desvantagens de materiais de construção e sistemas de financiamento para convencer sua esposa de que vale ou não vale a pena comprar uma determinada casa. Um vendedor de frutas mostra a ponta de uma penca de bananas ao consumidor para comprovar que a fruta não foi tratada com carboneto. Políticos e porta-vozes de todas as naturezas preparam reportagens, memorandos, palestras e boletins informativos para apresentar conclusões e decisões ao público, através de informações organizadas para convencer, e não apenas informar, de que tais conclusões de decisões são corretas e justificáveis. O senso comum, testemunhos, estatísticas e depoimentos de especialistas são seletivamente apresentados ao público como evidência da validade de certas idéias e planos de ação.

Podemos chamar esses tipos de atividades pragmáticos, no sentido de que a comunicação é instrumental, ao invés de ser apenas uma forma de representar ou de desenvolver conhecimento. A pragmática trata das funções e dos significados da linguagem no contexto social. A afirmativa "Eu completei meus estudos para o doutoramento na França em apenas dois anos" provavelmente constituiria uma tentativa do autor de ser encarado pelos ouvintes como competente, intelectualmente. Após pisar no pé de uma outra pessoa inadvertidamente, a frase "Uai, eu não sabia que você estava aí" seria interpretada como uma negação de intencionalidade, por parte do autor, e uma tentativa de reduzir a tensão sentida pelas duas partes em função do incidente. A linguagem promove interesses e desempenha funções sociais, como demonstra o seguinte diálogo:

Lady Astor: Winston, se você fosse meu marido, eu iria temperar seu

café com veneno.

Winston Churchill: Madame, se eu fosse seu marido, eu iria bebê-lo.


Não se deve interpretar a conversa literalmente como intenções de extermínio mútuo. Ao invés de representar verdades, a linguagem neste exemplo expressa insulto. O significado social das afirmativas não é o conteúdo literal das frases mas, sim, a interpretação que os participantes iriam oferecer às expressões. O significado depende da função social que a afirmativa serve no momento. Por isso, a mesma afirmativa poderia assumir diversas funções, dependendo do contexto em que for emitida e da maneira que for apresentada. Com as entonações certas, a frase "Uai, eu não sabia que você estava aí" pode ter diversos significados, transmitindo até ironia e sarcasmo.

Muitas vezes, tratamos idéias como se fossem verdadeiras ou válidas porque são convenientes. Assim, um estudante poderia acreditar que uma prova de múltipla escolha seja mais "válida" que uma prova de respostas livres; na realidade, suas afirmativas provavelmente expressam mais como ele queria que o professor encarasse provas de múltipla escolha do que representam a realidade em si.


6

Esta orientação aos aspectos pragmáticos, à utilidade das idéias, ao invés da verdade das mesmas, pode nos levar a confundir explicações com afirmativas apenas convenientes ou agradáveis. A tendência manifesta-se freqüentemente em áreas de conhecimento que apelam especialmente ao leigo. Vejamos, no seguinte exemplo, como o autor defende a Astrologia por causa de alegadas conseqüências favoráveis decorrentes da aceitação da mesma. Ora, a questão de se os horóscopos descrevem, de fato, os acontecimentos de nossas vidas e se existem evidências científicas que apóiem os princípios da Astrologia não é levantada, como se fosse irrelevante para julgar a validade das idéias.


Parece-me que se pode dizer duas coisas sobre a Astrologia que sugerem que ela ganhou sua aceitação honestamente, por ser mais competente, mais sofisticada, mais "útil", no sentido pragmático da palavra, na tradição de William James, do que seus competidores intelectuais, Primeiro, a Astrologia é um instrumento incomparável para orientar as pessoas quanto àqueles detalhes de caráter, personalidade e biografia pessoal em outros indivíduos. Essa orientação conduz muitos de nós a conversações mais interessantes e significativas. Segundo, a Astrologia fornece uma teoria de agrupamentos humanos - virtualmente a única que temos - em que os membros de cada grupo são simultaneamente diversos dos iguais aos e inter-relacionados com membros dos demais grupos 2.
Precisamos manter, na medida do possível, uma distinção clara entre a conveniência e o valor explicativo das nossas idéias. Pode ser conveniente um professor acreditar que, se o aluno não progredir, é porque ele não tem a inteligência necessária; e se progredir, é por causa da habilidade do professor em estimular o desenvolvimento do aluno. Porém, tudo indica que a explicação do sucesso/fracasso escolar exige a consideração de muitos outros aspectos da aprendizagem e do raciocínio e integração destes aspectos em análises coerentes e inteligentes. Uma explicação presumivelmente válida, do ponto de vista do professor, é contaminada pelos interesses práticos do mesmo em relação ao assunto.
3. A ARGUMENTAÇÃO PSICOLÓGICA
Quando um argumento é especialmente elaborado para apelar ao ouvinte, a argumentação resultante é chamada "psicológica". A argumentação psicológica tem duas características básicas:

1. Comprometimento forte: o importante é defender uma ou mais conclusões, mesmo que implique numa distorção dos fatos;

2. Emocionalidade: a evidência escolhida especialmente para convencer o ouvinte da validade das conclusões é normalmente emocional ou psicológica.
7

É fácil entender a natureza da argumentação psicológica se pensarmos num exemplo familiar, como as verbalizações de um corretor que ganha uma comissão nos apartamentos que vende. Quando um casal chega no plantão de vendas para estudar os apartamentos, a infra-estrutura da vizinhança e as condições de pagamento, o vendedor já tem a conclusão de sua argumentação pronta: isto é, que o casal não pode fazer melhor negócio do que comprar agora. Ele já havia memorizado as principais vantagens da compra (o apartamento é bonito, barato, bem localizado, etc.) e tem alguns contra-argumentos preparados em antecipação de críticas por parte de possíveis compradores. Se o cliente disser que gostou do apartamento mas que prefere esperar, o corretor mostra uma lista de compradores que já fecharam uma compra no mesmo prédio e menciona que alguém já está muito interessado no apartamento em questão. Se o apartamento é considerado caro, o corretor menciona outros apartamentos de qualidade inferior a este com preços mais elevados. De qualquer modo, um corretor raras vezes fica sem informações que comprovem, segundo ele, que o imóvel representa uma ótima oportunidade para o cliente, O bom corretor pode acompanhar o cliente a diversos lugares, sempre achando mais vantagens para o imóvel que ele está mais interessado em vender (desde que o imóvel esteja dentro dos limites do poder aquisitivo do cliente). Um apartamento no centro da cidade é ótimo (muito conveniente) e um apartamento afastado do centro também (tranqüilo); de modo semelhante, um apartamento pequeno pode ser chamado "uma gracinha" ou "apertado", dependendo do interesse de quem o está descrevendo. E se for necessário, o corretor critica alguns aspectos da construção (preferivelmente detalhes de apartamentos que não interessam ao cliente) só para aumentar sua credibilidade e a impressão de sinceridade.

A finalidade da argumentação psicológica é vencer, conquistar ou provocar o ouvinte, e a evidência constitui a arma do ataque. Se o ouvinte demonstrar que a evidência não tem valor, de seu ponto de vista, o falante procura logo outras evidências. Quem apresenta um argumento psicológico geralmente não está interessado em induzir contemplação e reflexão racional no ouvinte; muito pelo contrário, a finalidade é influenciar o outro, surpreendê-lo, atacá-la inesperadamente, comunicar urgência, trabalhar os sentimentos do outro para dominar a questão e, assim, salientar certos aspectos e menosprezar outros de modo que as defesas do ouvinte não possam entrar em ação.

Para o falante, as conclusões não são o resultado de uma avaliação das evidências, por mais que se insista que o sejam, mas, sim, o próprio ponto de partida do argumento. Observações que possivelmente iriam colocar uma conclusão em perigo são ignoradas ou ativamente menosprezadas de diversas maneiras.

O seguinte exemplo de argumentação psicológica aparece num livro que objetiva informar sobre e incentivar a amamentação materna:
8

O nenê que mama no peito até cresce de maneira diferente do nenê que usa mamadeira, o qual desenvolve ossos maiores e mais pesados durante o primeiro ano de vida - provavelmente devido a quantidades relativamente maiores de cálcio no leite de vaca. Algumas pessoas acham que os nenês alimentados no peito são deficientes em cálcio, mas parece mais plausível que o nenê que usa mamadeira exibe um padrão artificial de crescimento - muito parecido com aquele dos gansos tipo Strasbourg, cuja alimentação é forçada3.


Para a mãe que com tanto carinho e ternura cuida do seu nenê, a insinuação de que quem dá mamadeira está forçando alimentação no nenê, como se fosse um bicho a ser criado para o mercado, agirá no sentido de favorecer a adoção da amamentação materna.

O fato de uma pessoa usar um argumento psicológico não implica em que ela esteja necessariamente defendendo um ponto de vista errado ou que não considera fatos relevantes. O problema é que o argumento é de tal forma que o ouvinte - ou, pelo menos, o ouvinte ingênuo - concorda com as conclusões em função do poder persuasivo do argumento, e não por razões mais diretamente relacionadas com sua validade. Considere, a este respeito, a seguinte discussão do tratamento médico de problemas considerados psicológicos:

A perspectiva médica dos hábitos vê a natureza do "problema" como logicamente situada no órgão afetado - e não na pessoa que os exibe, seja o problema de masturbação ou abuso de alimentação sob forma de gula. Este modo de pensar assemelha-se à idéia de que uma pessoa que fale inglês com sotaque estrangeiro, por ter vivido em outro país quando criança, seria submetida a uma "cirurgia reconstrutiva" da boca, língua e dentes para corrigir seus hábitos de fala deficiente. O tremendo absurdo de uma cirurgia como esta e o sadismo ainda maior dos cirurgiões que a fazem, assim como a enorme credulidade dos pacientes que a ela se submetem, não diminuíram o entusiasmo renovado por todas as novas "curas" deste tipo. Assim, no século 19, cliterodectomia em meninas e circuncisão em meninos eram métodos reconhecidos para o tratamento da masturbação. A amputação do pênis foi defendida, ainda em 1891, por um dos presidentes da Real Faculdade Britânica de Cirurgiões. No século 20, os cirurgiões continuam a mutilar um órgão perfeitamente sadio, o cérebro, para tratamento de certos "maus hábitos" do pensamento, fala e conduta chamados "esquizofrenia". O inventor do "tratamento", Egas Moniz, recebeu pela descoberta deste tratamento o Prêmio Nobel. O próprio tratamento, chamado lobotomia ou leucotomia, também tem sido usado em viciados em drogas4.
O autor parte deste argumento para atacar o uso de técnicas cirúrgicas no controle da obesidade. E quem poderia discordar de Szasz, enfrentando as dificuldades resultantes da natureza psicológica do argumento? O oponente teria, primeiro, que deixar claro que não está a favor da cliterodectomia, da lobotomia ou da decisão do Comitê Nobel de dar o prêmio para Egas Moniz - todas
9

essas idéias que dificilmente poderiam ser defendidas. Szasz vincula suas colocações contra o tratamento cirúrgico da obesidade à argumentação altamente emocional e persuasiva apresentada acima.

Mas o argumento de Szasz não é apenas emocional, pois certas idéias são claramente apresentadas e defendidas. Sua análise pode ser resumida da seguinte forma: "A perspectiva médica da natureza dos hábitos é absurda, porque é baseada na noção de que os maus hábitos constituem problemas médicos cujo controle reside nos órgãos fisiológicos". Os tratamentos de casos citados documentam, sem maiores explicações, a extensão do erro cometido, quando se pensa que problemas comportamentais e sociais são devidos a deficiências de órgãos específicos e que o tratamento destes problemas consiste de intervenções cirúrgicas radicais. Evidentemente o leitor não pode avaliar, com as informações apresentadas, a representatividade dos casos citados; porém, se esse tipo for característico, Szasz realmente teria um argumento muito forte, porque seria muito difícil negar a relevância das cirurgias mencionadas para a conclusão geral.

Devemos ver, portanto, que o argumento de Szasz é um argumento psicológico e também um argumento racional. O aspecto psicológico tem força, ou é convincente, em virtude da repulsa e horror que o leitor sente ao conhecer os casos de abuso citados. O aspecto racional depende do grau em que as evidências apresentadas são relevantes à conclusão e servem para autenticar e justificá-la.


4. CRIAÇÃO E DEFESA DE IDÉIAS
Quando um autor apresenta argumentos, como fez Szasz, isto é, com muita convicção e força, com a finalidade de persuadir o ouvinte, ele está agindo como cientista ou como leigo? Os cientistas sociais devem aprender a argumentação psicológica ou evitá-la, mantendo sempre um ponto de vista mais objetivo e racional? Qual é, por exemplo, o papel de um pesquisador que realiza estudos sobre a aprendizagem nas escolas? Ele deve apenas fazer os seus estudos, deixando a tarefa de defender métodos ou programas educacionais para educadores e políticos; ou deve, ele próprio, comprometer-se defendendo suas conclusões e fazendo sugestões? Um sociólogo deve estudar a sociedade ou trabalhar para mudá-la? As duas atividades são compatíveis ou não?

Propomos que as duas atividades competem ao cientista social. Por um lado, ele trabalha para obter informações sobre os fenômenos sociais, para entendê-los independentemente de suas preferências pessoais. Neste sentido, o cientista é um criador de conhecimento e, em princípio, exerce essa função quando se engaja em pesquisa e teorização. Por outro lado, ele é também um defensor de certas idéias, valores e ações. Estas funções distintas são tão freqüentemente confundidas, tanto por leigos como por cientistas eminentes, que


10

sentimos a necessidade de compará-las e contratá-las detalhadamente.

Imagine esta situação: um psicólogo industrial acaba de reprogramar o treinamento de novos empregados num grande frigorífico e leva sua proposta ao diretor geral. O psicólogo, ao explicar as razões das modificações, antecipa uma certa resistência à proposta por parte do seu chefe. Interessado em pôr em prática a nova idéia, o psicólogo entende que precisa comunicar, não apenas para informar o diretor, mas também para convencê-lo das vantagens do seu plano. Isso significa que ele torna-se defensor das idéias apresentadas na proposta. Para conseguir sua aceitação, ele precisa defender a proposta com argumentos que influenciem o diretor de modo positivo. As seguintes linhas de argumentação representam alguns temas que ele pode enfatizar:
Exemplo
"Eu estava pensando sobre a conversa que tivemos na semana passada sobre os problemas de desempenho dos empregados recém-chegados e cheguei à conclusão de que você colocou uma coisa muito importante..."
Tema Subjacente

A proposta é apresentada como se fosse uma extensão de uma idéia do próprio diretor. Essa estratégia pode conquistar a simpatia dele, Se a proposta for boa, o diretor pode assumir uma parte do mérito,


Exemplo

"O veterinário, Dr. Gusmão, achou que certas idéias poderiam melhorar as condições de higiene no laboratório. Ele disse que..."

Tema Subjacente

Um especialista concorda com o plano.


Exemplo

"Como você sabe, nossa matriz em São Paulo vai mandar uma equipe para cá para avaliar a firma, e um dos critérios que se usa muito é a evidência de flexibilidade por parte da filial. Isto é, se a filial implementar novas idéias..,"

Tema Subjacente

O diretor se preocupa muito com a imagem que o escritório central tem do seu trabalho. Implementar a proposta poderia significar ganhar aceitação da matriz.


Exemplo

"Com a reorganização do setor, como nós propomos, você teria mais tempo disponível para resolver problemas mais importantes da firma, pois os relatórios mensais seriam preparados pelos psicólogos."

Tema Subjacente

Vantagem pessoal para o diretor; ele não precisa preparar relatórios sobre os empregados.


Nota-se que os argumentos apresentados não são diretamente relacionados à validade da proposta, embora representem meios de convencer o diretor da validade da mesma. Em outras áreas das ciências humanas o princípio seria o mesmo: para persuadir o outro, necessita-se de argumentos e temas aos

11

quais o outro é sensível. Se o interlocutor citar autoridades quando apresentar suas idéias, ele provavelmente tenderá a aceitar argumentos que apelam à autoridade do autor. Se, por outro lado, ele for descrente de especialistas, talvez seja melhor desprezar autoridades para que o outro se identifique com o; proponente, como no seguinte exemplo;



Muita gente acha que eles ensinam muita coisa nas escolas, mas não é verdade. Tem muita gente saindo das faculdades com menos na cabeça do que quando entrou...

Ao apresentar tais exemplos, não estamos defendendo o uso indiscriminado da argumentação psicológica, sem consideração do bem-estar de nosso semelhante. Porém, a natureza humana é tal que as pessoas aceitam idéias e planos de ação por razões emocionais e pessoais, por questões de valores, conveniência ou preferência, muito mais do que por razões puramente racionais. Enquanto essa for a natureza do ser humano, os cientistas sociais terão que aprender a ser persuasivos, reconhecendo que tal atividade não é inerentemente científica, ainda quando se aceite que a função de defender e propor idéias também cabe ao cientista social. Como proponentes de idéias e planos de ação, os cientistas não devem confundir suas técnicas de argumentar e raciocinar com as técnicas utilizadas no desenvolvimento do conhecimento.


5. DIFERENÇAS ENTRE LEIGOS E CIENTISTAS
Toda pessoa, além de ser um ser emocional, espiritual e social, é um ser racional, e essa característica supostamente engloba tanto leigos como cientistas, quer se trate de uma sociedade tradicional ou moderna. O ser humano classifica suas experiências, planeja para o futuro, estabelece associações entre eventos e ativamente procura explicações para os eventos que o envolvem, reconhecendo, às vezes, que certas explicações são superiores a outras. Neste sentido, há grandes semelhanças entre os leigos e os cientistas. Sabemos que erros e confusões não são domínio particular dos leigos. Os cientistas podem errar - e erram. Discordam uns dos outros e, como as comunicações entre cientistas em congressos profissionais nos revelam, às vezes, muitas vezes, apegam-se teimosamente a suas teorias e interpretações, apesar de evidências contrárias. Os cientistas são muito falíveis.

Estas considerações nos levam a perguntar: quais, então, são as diferenças entre o leigo e o cientista, e em que sentido o conhecimento dos cientistas sociais é superior àquele dos leigos?

Reconheçamos, de início, que o "cientista social" ao qual nós nos referimos constitui um tipo ideal não encontrado facilmente na realidade. Mesmo assim, parece-nos razoável discutir a questão nestes termos, porque a formação de cientistas sociais tende a incentivar o desenvolvimento de certas atitudes e
12

procedimentos que não são habituais na vida cotidiana. Entre essas atitudes incluímos o pressuposto de que é desejável o uso explícito da linguagem, por exemplo.


Experiência

Muitas pessoas citariam a experiência do cientista como a característica essencial que o distingue dos leigos. Pode-se mencionar os anos de observação do psicólogo infantil, ou sua grande prática em lidar com os problemas de crianças, como indicação de sua qualificação. Entretanto, se o critério essencial de qualificação fosse a experiência, teríamos que indicar as mães com o maior número de filhos criados ou maior número de anos de trabalho materno como grandes autoridades na área da psicologia infantil. Do mesmo modo, o professor com mais anos de serviço seria um grande especialista em ensino e educação e o eletricista com mais experiência seria considerado o mais sábio ou competente especialista em eletricidade. Os cientistas certamente precisam de experiência e convivência, mas não é essa a característica que os distingue dos leigos. Ora, se o leitor pensar que é a natureza ou qualidade da experiência que importa, ao invés da quantidade, teremos virtualmente o mesmo problema que tínhamos a esclarecer antes, pois restaria explicar justamente em que sentido a experiência do cientista é superior àquela do leigo.


Fatos

Talvez o ingrediente mais importante seja o conhecimento dos fatos na área de especialização. Pode-se argumentar que o cientista social é cientista em virtude da grande quantidade de informações de que ele dispõe. Certas pessoas até expressam sua aceitação deste critério através de comentários do seguinte tipo: "Ele é uma verdadeira enciclopédia" ou "Ele sabe muita coisa sobre..." ou "Fulana sabe mais Sociologia do que Fulano". Sem dúvida o especialista leva vantagem sobre o leigo neste aspecto, porque seu trabalho fornecerá muitas informações que o leigo dificilmente encontrará. Quem quiser.

entender as razões para o hábito de bater em crianças, por exemplo, deve saber que a maior parte dos pais que espancam seus filhos "apanharam" quando crianças. Na área da sociologia do trabalho, é importante saber que os estudos em muitas regiões indicam não haver nenhuma relação sistemática entre salário recebido e satisfação com o emprego. No desenvolvimento intelectual, os estudos clássicos de Piaget sobre o raciocínio da criança revelaram novidades tão surpreendentes que o próprio Albert Einstein achou incrível que a criança pequena não tenha noção de conservação 5 e que gradativamente adquira a mesma sem instrução formal sobre o assunto. Mesmo em estudos menos dramáticos, os dados revelam muitos fatos importantes que

normalmente são desconhecidos pelo leigo. ,

Familiaridade com os fatos numa determinada área de conhecimento é um requisito para quem nela quiser atuar, mas não é suficiente. O conheci

13


mento do cientista não se reduz ao conhecimento dos fatos, pois é preciso ver um significado subjacente a eles. Uma dona de casa que decora uma lista de passos numa receita culinária tem muitas informações sobre o preparo de um prato, mas se não entender o sentido dos mesmos vai ter dificuldade na falta de seus instrumentos ou de certos ingredientes. Da mesma forma, o conhecimento nas ciências humanas precisa ser fundamentado e não constituir meras "receitas de bolo". No alemão, o termo humorístico Fachidiot (literalmente, idiota bem informado, em contraste com Fachmann, ou especialista) ridiculariza os especialistas que, apesar de possuírem muitas informações, apresentam uma total falta de perspectiva ou conhecimento mais amplo.
Observação

Além de ser mais bem informado, pode-se também citar o método de observação como um ponto em que o cientista tende a levar vantagem com relação ao leigo. O cientista social tende a fazer uma grande distinção entre suas observações e aquilo que foi inferido a partir delas6. Ele tende a reconhecer, em contraste com o leigo, a facilidade com que pode enganar-se e tenta estabelecer meios para evitar várias fontes de erro nas suas observações. Ao mesmo tempo, ele procura evitar ambigüidades e confusões nas suas comunicações sobre as observações, evitando imprecisões e vaguezas e insistindo na clareza de seus conceitos e afirmações sempre que possível.


Senso Crítico

Finalmente, sugerimos que uma característica essencial do cientista bem preparado é seu senso crítico. Além de adquirir conhecimentos na sua área de especialização, a pessoa com senso crítico levanta dúvidas sobre aquilo em que se comumente acredita, explora rigorosamente alternativas através da reflexão e avaliação de evidências, com a curiosidade de quem nunca se contenta com o seu estado atual de conhecimento. Assim, ela tende a ser produtora ao invés de apenas consumidora do conhecimento, não podendo aceitar passivamente as idéias dos outros. Em grande parte, esta orientação decorre de uma curiosidade insaciável que lhe permite encontrar questões de interesse em fenômenos que os outros não julgam necessário explicar. Enquanto Newton se preocupava muito com a explicação da simples queda de uma maçã, a maioria dos seus (e nossos) contemporâneos não percebia o problema. Para eles, "tudo que sobe tem que descer". A chave da mentalidade científica - que muitos cientistas não têm e alguns leigos têm - consiste na habilidade de encontrar em fenômenos aparentemente não-problemáticos questões que merecem destaque, reflexão e explicação 7.

O leigo, por sua vez, tende a não saber criar e avaliar as evidências apropriadas para desenvolver seu conhecimento, aceitando seletivamente evidências ambíguas ou contraditórias simplesmente para defender pontos de vista já aceitos de antemão - processo que interfere constantemente tanto na quali

14

dade quanto na quantidade de explicações que ele pode desenvolver para fenômenos, sejam eles da Educação, Sociologia. Antropologia, Psicologia ou qualquer outra ciência. Certamente o leigo também desenvolve conhecimento, mas um conhecimento não integrado, com mais inconsistências, do que o desenvolvido pelo cientista social, pois este tem interesse em aprimorar e refinar suas idéias cada vez mais, através de investigações e da reflexão. Enquanto um cientista procura conhecimento que servirá para uma gama de situações e condições diferentes, o leigo, freqüentemente, busca explicações para eliminar dúvidas na hora, para "quebrar o galho".


O homem na sua vida diária está apenas parcialmente, e ousamos dizer excepcionalmente, interessado na clareza entre os elementos de seu conhecimento, isto é, num amplo *insigbtnas relações entre os elementos de seu mundo e os princípios gerais que regem aquelas relações. Ele está satisfeito pelo fato de que um bom serviço telefônico está a seu dispor e, geralmente, não pergunta sobre o funcionamento técnico do aparelho, nem sobre as leis da Física que possibilitam tal funcionamento. Ele compra sua mercadoria na loja, sem saber como a mesma foi produzida e paga com dinheiro, embora tenha uma vaga noção do que é o dinheiro! Ele gratuitamente pressupõe que os outros homens entenderão seu pensamento se expresso em linguagem clara e responderão apropriadamente, sem se preocupar em saber como esta performance poderia ser explicada... Seu conhecimento, finalmente, não é consistente. Ao mesmo tempo ele pode considerar como igualmente válidas afirmações que são de fato incompatíveis uma com a outra. Como pai, cidadão, empregado e membro da igreja, ele pode ter as opiniões mais diversas e menos incongruentes sobre questões morais, políticas e econômicas8.

O investigador, no papel de criador de conhecimento, estuda as evidências que poderiam esclarecer certas questões, às vezes obtendo neste processo novos dados ou informações relevantes. Ele estuda as evidências precisamente porque não sabe as respostas de antemão e, freqüentemente, nem conhece bem o problema. Neste sentido, ele parte de uma posição humilde em relação ao seu próprio conhecimento. Talvez ele tenha uma opinião, talvez muitos especialistas concordem com ele. Talvez ele possa até justificar suas expectativas. Mas, no decorrer dos seus estudos esses fatores não pesam muito, pois as questões serão esclarecidas com base nas evidências e não com base em apenas opiniões ou preferências. Os dados serão interpretados sempre obedecendo a duas qualificações importantes:


1. Fundamentação: O autor precisa justificar suas conclusões, indicando os pressupostos dos quais ele partiu e como se chega destes pressupostos às conclusões. Assim as conclusões podem ser avaliadas mais facilmente, não sendo apenas afirmações soltas no ar.

2. Pluralismo9, O autor deve avaliar e apresentar outros pontos de vista de uma maneira não parcial, mesmo se não os aceitar: a exclusão de outras


15
possíveis interpretações iria caracterizar as conclusões como tendenciosas e diminuir nossa confiança na honestidade ou na esperteza do autor.

O indivíduo que não observa esse modo de proceder coloca o leitor em tal posição que ele não tem condições de acompanhar o raciocínio em que as; conclusões se baseiam e não pode, por isso mesmo, avaliar a sua validade.


6. AS DUAS MENTES
Devemos reconhecer que a importância do conhecimento obtido através de pesquisas depende do escopo ou abrangência dos problemas que pretendemos esclarecer. Infelizmente, o cientista social de formação rigorosa às vezes sente um certo receio de considerar problemas muito complexos, pois nestas investigações há grandes riscos de cometer erros de inclusão (isto é, de tirar conclusões não fundamentadas) e de se oferecer interpretações erradas, O rigor leva-o a limitar-se aos fatos, aos dados, ao observável, ao certo, ao invés de defender um ponto de vista que extrapole informações precisas, Conseqüentemente, este tipo de pesquisador preferirá selecionar um problema restrito, que possa ser estudado muito cuidadosamente, usando instrumentos padronizados e quantificando sempre, e tudo, que possível.

Esse mesmo cuidado, tão necessário em estudos, pode limitar fundamentalmente a capacidade do pesquisador' de contribuir para o desenvolvimento da ciência se ele adquirir medo de controvérsias e problemas metodológicos e, por isso, evitar áreas de estudo em que as conclusões serão possivelmente questionáveis. Essa timidez intelectual constitui um problema não menos sério que a impulsividade intelectual, à qual o leigo é susceptível. O pensador crítico precisa, além de clareza e rigor no seu pensamento, da coragem de adotar uma perspectiva ampla dos problemas que ele está estudando. Os grandes pensadores nas ciências humanas - James, Freud e Piaget na Psicologia, Durkheim, Weber e Marx na Sociologia, e Dewey na Educação - são notáveis em parte porque ofereceram análises abrangentes de diversas áreas de conhecimento, integrando suas observações em sistemas explicativos que visam esclarecer questões amplas e que têm relevância para todas as gerações.

Fazer ciência envolve essas duas mentes. Por um lado, a pessoa precisa

manter sempre uma perspectiva ampla dos problemas que ela estuda, precisa estabelecer associações, usar sua intuição, formular idéias novas, ver semelhanças entre eventos e áreas de conhecimento aparentemente não relacionadas, explorar implicações, sugerir novas investigações, olhar os fenômenos de novas maneiras - em uma palavra: criar. Por outro lado o cientista precisa desenvolver rigor na comunicação de suas idéias e em seu próprio raciocínio, Ele precisa desenvolver a capacidade de refletir sobre suas próprias idéias e observações, controlando o impulso de suas idéias e de aceitar sua intuição ou primeira avalia-


16

ção dos fenômenos de modo pouco crítico, precisa analisar suas idéias e as de outras pessoas para poder melhorar o conhecimento em sua área de trabalho.

Ser cientista e, portanto, pensador crítico envolve manter em equilíbrio duas mentes - uma para análise e reflexão, que exige comprovação e não se satisfaz com evidências fracas - e outra, uma mente criadora, artística, pronta para ver implicações, ser inspirada, ver significâncias e relacionar o presente com seus conhecimentos e as suas experiências anteriores. Saber trabalhar como cientista envolve o discernimento de saber quando uma ou outra mente é apropriada à situação.

No próximo capítulo, começaremos o desenvolvimento da primeira dessas mentes, aquela que é analítica e disciplinada. Consideraremos alguns erros cometidos por leigos que constituem pontos cegos geralmente indetectáveis para o observador não-treinado, a fim de alertar o leitor sobre sua existência e sobre os problemas que tais erros acarretam para os cientistas sociais.


Exercícios - Capítulo 1: Argumentando na Vida Diária e nas Ciências Humanas

I Escolha a melhor resposta entre as alternativas:

*1. A "argumentação psicológica"

(a) Envolve a defesa de certas conclusões, mesmo em face de informações contrárias a elas.

(b) Não deve ser utilizada por cientistas sociais em seu trabalho com leigos, pois não é ética.

(c) É essencial ao trabalho do cientista social no papel de criador de conhecimento.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.


2. Evidência

(a) É aquilo que se tenta comprovar.

(b) Refere-se a um conjunto de números que descrevem um grupo de

objetos, situações ou aspectos.

(c) É aquilo que supostamente justifica certas conclusões.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
*3. "Na vida cotidiana, os argumentos tendem a ser pragmáticos." Esta afirmativa significa que:

*Itens com * têm respostas no fim do livro.


17

(a) O usuário de argumentos freqüentemente não acredita naquilo que

está defendendo.

(b) Que os argumentos servem para a realização das finalidades e

necessidades práticas do usuário.

(c) Que nada pode ser definitivamente comprovado ou refutado na vida real pois, como Einstein demonstrou, tudo é relativo. (d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
4. Por que as pessoas têm, em geral, mais dificuldade em pensar criticamente sobre problemas nas ciências humanas do que nas ciências exatas e biológicas?

(a) Devido à força de suas convicções sobre questões das ciências humanas.

(b) Porque as pessoas tendem a confiar nas suas intuições e impressões irrefletidas.

(c) Porque as escolas não estimulam muita reflexão crítica sobre as

idéias comumente aceitas.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
5. Os argumentos

(a) Sempre contêm pelo menos uma conclusão e algo que presumivelmente a justifica.

(b) Apresentados em relatórios de pesquisa sempre devem ser funda

mentados.

(c) Psicológicos podem também ser, ao mesmo tempo, racionais.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
6. Segundo o princípio do pluralismo

(a) Todas as maneiras de pensar têm o mesmo valor na explicação de problemas.

(b) A democracia deriva do socialismo, e vice-versa.

(c) É melhor confiar nas idéias da maioria dos cientistas do que nas de um só.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.


* 7. Como defensor de idéias e planos de ação, o cientista

(a) Deixa de ser um agente neutro e passa a ser um agente envolvido com relação a estas idéias e planos de ação.

(b) Perde toda sua credibilidade.
18

(c) Deixa de levar em consideração aquilo que os outros defendem. (d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
8. Um Fachidiot

(a) Geralmente já nasce com suas aberrações mentais.

(b) Tem uma visão restrita da área de conhecimento em que é considerado especialista.

(c) Tem dificuldade em se lembrar dos fatos em seu campo de atuação

profissional.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
9. A intuição

(a) Geralmente constitui a evidência mais válida para defender cientificamente as idéias.

(b) Significa a mesma coisa que bom senso, com a diferença de que o

bom senso é voluntário enquanto a intuição é automática.

(c) É o atributo principal que distingue o leigo do cientista social.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
10. O indivíduo intelectualmente tímido

(a) Prefere não concluir nada ao invés de concluir algo duvidoso.

(b) Tende a restringir sua visão a problemas pequenos e simples

"limpos" - nas ciências.

(c) Evita controvérsias.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.
11. As "duas mentes" do cientista consideradas neste capítulo referem-se

(a) À patologia da personalidade múltipla que o trabalho nas ciências humanas causa em pessoas de caráter fraco.

(b) À oposição entre as mentalidades ocidental e oriental no trabalho científico.

(c) À tensão entre o caráter criativo e o caráter cético ou descrente do cientista.

(d) Todas as respostas acima.

(e) Nenhuma das respostas acima.


II. Análise de argumentos.

* 12. "PAU AMARELO - Papai, compre um terreno à beira-mar.

- Meu filho, o dinheiro não dá.
19
Por acaso você já procurou saber como anda a barra na Imobiliária Gomes, bicho? Então, não cause um trauma em seu filho. Bote a cucuruta para funcionar e chegue à seguinte conclusão: fazer os gostos dos filhos é obrigação."

Secção de anúncios classificados. Diário de Pernambuco, 14.07.80.


O autor do anúncio afirma que a conclusão a ser tirada é de que os pais deveriam fazer os gostos dos filhos. Na sua opinião, qual a idéia principal a qual ele deseja que o leitor chegue ao citar essa "conclusão"?

(a) Que o leitor deveria comprar um terreno à beira-mar para os

filhos pela Imobiliária Gomes.

(b) Que os pais não deveriam causar trauma nos filhos.

(c) Que "a barra anda boa" na Imobiliária.

(d) Que o investimento em imóveis oferece uma boa rentabilidade.


Como o autor pretende influenciar o leitor?
(a) Despertando seu sentimento de obrigação paterna.

(b) Pela linguagem simpática do anúncio.

(c) (a) e (b).

(d) Nenhuma das respostas.


13. "É um erro supor que um interlocutor possa desembaraçar-se facilmente de uma criança de 6 anos. O que você não lhe disser, ela descobrirá por si mesma.

É preferível, por exemplo, que ela saiba que uma cabeça de fósforo é uma mistura de fósforo e enxofre, que se inflama à menor fricção, do que descobrir por sua própria conta..."

C. Aubry. Prefácio do livro Por quê? Rio de Janeiro: Editora Liceu.
Qual a conclusão ou idéia principal que a autora está querendo defender acima? (Escolha uma só alternativa.)

(a) Que a criança é muito esperta, de modo geral.

(b) Que é difícil desembaraçar-se de uma criança quando ela quer

saber uma coisa.

(c) Que não devemos deixar fósforos à mão das crianças.

(d) Que devemos explicar as coisas claramente às crianças, quando elas querem saber algo.

(e) Que devemos tratar as crianças com respeito, pois elas são seres humanos como os adultos, mesmo que não saibam as mesmas coisas.
20

Na sua opinião, a autora defende bem essa idéia? (Observação: Não se trata de indagar se você aceita a idéia. A questão é: você acha que a idéia foi bem defendida?) Por quê?


III. O seguinte problema trata da análise de uma reportagem intitulada "Segurança nas estradas evita a morte de 8 mil pessoas" Jornal do Brasil, 08.02.80, p. 7). Leia o texto, responda às perguntas referentes às informações contidas nele e nos gráficos.


"Oito mil pessoas que estavam marcadas para morrer em acidentes nas estradas federais, na década que passou, continuam vivas. Escaparam devido a uma série de medidas... adotadas em meados de 70, quando o Brasil caminhava no sentido de manter a liderança mundial de desastres rodoviários...

O DNER, que coligiu os dados da década, mostrando que o país está agora em posição invejável pelos baixos índices alcançados, prefere não isolar uma causa para a reversão, mas várias causas simultâneas. Na década, morreram em acidentes 33 mil pessoas e 238 mil ficaram feridas; se a tendência se mantivesse, além das 8 mil mortes, projetadas em gráficos, haveria hoje uma lista de mais de 46 mil feridos...

A fiscalização de um limite máximo de velocidade - 80 km/h - ...é um fator para a reversão. Para o DNER, seguramente influiu para diminuir a gravidade de muitos acidentes, mas foi adotado em novembro de 1977, quando a tendência já estava revertida. Na prática, este limite vem demonstrando sua decisiva influência na queda da gravidade dos acidentes.

No período, a frota brasileira de veículos mais do que dobrou. Dados de 1973, quando foi criada a Taxa Rodoviária Única (e com ela um cadastro confiável), indicam que 4 milhões de veículos circulavam no país; em 1980 este número atingia 9,5 milhões de veículos. Com dados como este, além de séries históricas de acidentes, foi possível projetar em gráficos os números prováveis de mortos e feridos, em acidentes, na época. Em 1979, por exemplo, se a tendência de 1973 e anos anteriores fosse mantida, 7 mil pessoas deveriam morrer em acidentes - o número real, no ano, foi de 4 mil e 272 mortes." (Ver os gráficos.)


* 14. Qual a conclusão principal do artigo acima?

(a) Que não há uma causa clara para as mudanças no índice de

acidentes em rodovias federais durante a década passada.

(b) Que as estradas federais no Brasil são muito seguras.

(c) Que as estradas federais no Brasil se tornaram mais seguras na

década passada.

(d) Nenhuma das respostas acima.

21
15. Durante quais anos o número de ferimentos diminuiu,isto é,a segurança nas estradas aumentou? (Olhe o gráfico.)

(a) 1969-72

(b) 1973-75

(c) 1975-77

(d) 1977-79


16. Avalie, com base nas evidências apresentadas, a afirmação de que a fixação de um limite máximo de velocidade foi um fator no aumento da segurança das estradas. (Olhe o gráfico.) Os dados apóiam esta análise? Explique.
* 17. O Brasil tem poucos quilômetros de estradas federais. Como este fato poderia dar a falsa impressão de que as rodovias brasileiras sejam mais seguras que as estradas em outros países? Explique.
18. O número de brasileiros mortos por ano nas estradas federais aumentou ou diminuiu entre 1973 e 1979?
19. Em 1973, o número de veículos registrados no país era 4 milhões e houve 3.256 pessoas mortas nas estradas. Em 1979, havia 9 milhões de veículos e 4.272 mortes. As estradas federais ficaram mais segura?

Explique.


20. A curva de mortes por ano não continuou apresentando a tendência

ascendente dos primeiros anos da década de 70. É possível que isto tenha acontecido sem que as medidas de segurança sejam a causa da mudança? Explique.


IV. Na vida cotidiana, a linguagem desempenha uma gama de funções sociais Usamos a comunicação verbal para criticar, expressar nossas dúvidas, contar vantagem, insinuar, ironizar, negociar, sondar, etc. Baseado em seu bom senso, que tipo de significado social você atribuiria às seguintes comunicações? Em sua opinião, por que o falante teria dito o que disse?

Exemplo:


"No que concerne a nossas férias do ano que vem, eu tenho apenas uma coisa a dizer: Porto Alegre é muito longe daqui!"
Explicação: O locutor está expressando relutância com relação à sugestão de passar as férias em Porto Alegre. Provavelmente, ele prefere passar férias num lugar mais perto de onde mora.
21. "Talvez você ache que a arrumadeira merece mais que um salário mínimo porque você não sabe como elas são. Deixa eu te contar uma estória..." Que tipo de estória provavelmente seguirá?
24
22. "Ô doutor, eu estava passando em frente de sua casa e vi esse muro de arrimo rachado. Esse rapaz aqui é meu filho. Ele é pedreiro." Por que o falante teria dito o que disse?
23. "Você disse que lembrou de trancar a porta quando você saiu. Mas sua chave estava na mesa quando eu entrei na casa."

O que poderia ter motivado este comentário? Explique.


24. "Aí, fiquei por aqui mesmo, com vergonha de voltar. A gente é pobre, mas tem vergonha, não é? Não queria cair na vida na minha terra... Meu pai era homem conceituado, formou até meu irmão em doutor médico." J.

Amado, Mar Morto. O que a locutora está querendo dizer? Explique com suas palavras.


*25. "Sim, eu vi o preço do carro no anúncio. Mas o carro do senhor está com ferrugem no pára-choque. E os pneus estão gastos. Quer dizer, é um bom carro, mas tá com alguns defeitos, né?"

O que o locutor está fazendo? Ele está interessado no carro ou não, na sua opinião? Ele acha o preço alto?


26. "Escute, Sr. Sargento. Eu não vi que o sinal estava fechado. Meu olho estava doendo um pouco e não dava para enxergar direito. Mas talvez eu possa pagar uma comissão direto ao senhor para não ter que pagar a multa na cidade. Está entendendo o que eu quero dizer?"

O que o motorista está querendo dizer?


Questões para discussão.

Na sua opinião, por que muitas pessoas gostam de ler livros sobre os horóscopos?

(a) Para ser informadas e satisfazer sua curiosidade intelectual.

(b) Para poder tomar decisões de acordo com os conselhos dados.

(c) Para se sentir bem e reduzir ansiedades.
A leitura dos horóscopos assemelha-se mais à

(a) leitura de fotonovelas.

(b) leitura de relatórios científicos.
Dê uma olhada nos horóscopos de um livro ou jornal recente. Eles tendem a empregar palavras vagas ou palavras precisas? Adivinhe por quê.
As descrições da personalidade das pessoas de diversos signos, em livros de astrologia, tendem a ser basicamente positivas - salientando habilidades e virtudes - ou negativas, com ênfase em defeitos e problemas?

Por que isso ocorre, na sua opinião?

As pessoas que lêem os horóscopos querem saber a verdade sobre si próprias?
25

2

O PAU DE CHUVA E OUTRAS FALÁCIAS


Uma falácia é um erro de raciocínio que contamina a argumentação, tornando-a sem fundamento apropriado. Geralmente, os filósofos da lógica distinguem dois tipos de falácia: as formais e informais. As falácias formais são raciocínios considerados incorretos em virtude do modo pelo qual o autor passa das evidências ou premissas à conclusão. Observe o seguinte exemplo: "Todos os recipientes do Prêmio Viega de Literatura são escritores. João Carlos é escritor. Logo, ele é recipiente do Prêmio". Estas falácias serão discutidas mais detalhadamente no capítulo 3.

As falácias informais se dividem em dois tipos: as falácias de ambigüidade (às vezes chamadas "falácias verbais") e as falácias de relevância. As falácias de ambigüidade geram mal-entendidos e erros devido ao uso de termos vagos, com significados múltiplos ou inconsistentes. Exemplifiquemos: "Apenas os homens têm a capacidade de refletir sobre sua mortalidade. Eugênia não é homem, é mulher. Logo, ela não é capaz de refletir sobre sua mortalidade". O significado do termo "homem" modifica-se no decorrer do argumento apresentado. É comum que divergências nas ciências humanas decorram de diferenças, muitas vezes despercebidas, sobre o uso de termos. Tal tendência agrava-se quando não há convenções gerais a respeito de termos teóricos de uso freqüente como alienação, capitalismo, classe social, atitude e identidade pessoal.

Mais problemáticas, ainda, para o novato nas ciências humanas são as



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal