Disciplina de farmacologia



Baixar 0.69 Mb.
Página1/11
Encontro19.06.2018
Tamanho0.69 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11




CURSO TÉCNICO EMFarmácia– MÓDULO II


DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA

PROF. ESP.SYLAS RHUANN PORTÁCIO FARMACÊUTICO GENERALISTA

Prezados alunos:
O presente material refere-se ao conteúdo que iremos desenvolver juntos no decorrer Da Disciplina, portanto é de fundamental importância que todos o tenham arquivado em suas casas ou em mãos durante todas as aulas.

Estaremos estudando FARMACOLOGIA, disciplina que proporcionará a vocês um melhor entendimento sobre medicamentos e a forma como atuam.

Sempre que possível e necessário for, estarei auxiliando vocês com outros materiais para o suporte aos estudos da disciplina e listas de exercícios para fixação.

Solicito a vocês a leitura prévia do assunto que trataremos nas aulas para que nosso aprendizado seja mais dinâmico para vocês e também para mim.

Sua participação durante as aulas é de fundamental importância para que você melhor entenda o conteúdo e para que eu, na condição de docente, saiba se as aulas estão sendo proveitosas para vocês.
Obs: Tudo aquilo que for falado, comentado e debatido em sala, se for relevante, também será considerado matéria dada, portanto, não se prendam apenas ao conteúdo da apostila. Participem das aulas e sempre anotem o que for importante.
Estarei à disposição para esclarecimento de dúvidas.

Certo de que faremos um bom trabalho juntos, desde já agradeço.

Atenciosamente,
PROFESSOR RHUANN


APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA
A disciplina de farmacologia aborda todo o entendimento sobre os medicamentos e a forma como estes agem quando em contato com nosso organismo.

Para o aluno futuro técnico em enfermagem é um conteúdo simples e importante que pode ser muito útil em sua vivência prática como profissional, principalmente porque o profissional de enfermagem lida o tempo todo com medicamentos na assistência ao paciente.

Contaremos nesse componente curricular com vários outros conteúdos que vocês já estudaram, que nos ajudarão na formação desses conceitos sobre farmacologia.

O presente material se encontra dividido em TRÊS PARTES para seu melhor entendimento.

Aproveitem nosso tempo juntos para entender um pouco mais sobre esse assunto.

Prontos para começar?

Então, vamos aos nossos estudos!

SUMÁRIO

Palavra do professor autor 2

Apresentação da disciplina de farmacologia 3

Parte 1: Farmacologia: Tópicos iniciais 5

1- Farmacologia: Noções iniciais 6

1.1-Os medicamentos: conceitos importantes 6

1.2-Os medicamentos e suas classificações 7

2-Diferenças entre farmacocinética e farmacodinâmica 10

3-O significado das tarjas dos medicamentos 11

4-Principais formas farmacêuticas 13

5-Vias de administração dos medicamentos 18

6-A prescrição médica 34

7- As tarjas dos medicamentos 36



Parte 2: Farmacocinética e farmacodinâmica/ Sistema nervoso autônomo 39

1-Farmacocinética 40

1.1-Aborção de fármacos 43

1.2- Distribuição de fármacos 47

1.3- Biotransformação de fármacos 51

1.4- Excreção de fármacos 56

2-Farmacodinâmica 58

3- Sistema nervoso autônomo 65



Parte 3: Grupos Farmacológicos 72

1- Ansiolíticos e hipnóticos 73

2- Fármacos antipsicóticos 83

3- Fármacos antidepressivos 84

4- Fármacos analgésicos centrais 89

5- Farmacologia do sistema cardiovascular 96

6- Farmacologia do sistema digestivo 107

7- Farmacologia do sistema urinário 113

8- Anti inflamatórios não esteroidais 117

9- Antibióticos 126

10- Anticonscepcionais 136

11- Insulina e hipoglicemiantes orais 160



Glossário de termos técnicos 173

Referencias 176

PARTE 1: FARMACOLOGIA: TÓPICOS INICIAIS



“ A diferença entre o medicamento e o veneno, pode ser tão somente a dose.” (Paracelso)





1- Farmacologia: Noções Iniciais 

    1. Os medicamentos: Conceitos importantes

Medicamento: Ao conceito de Medicamento têm sido atribuídas diferente definições consoante o contexto em que é utilizado, levando por vezes a uma sobreposição de significado com o termo fármaco.

Contudo, uma definição clara define medicamento como "toda a substância ou associação de substâncias apresentada como possuindo propriedades curativas ou preventivas de doenças em seres humanos ou dos seus sintomas ou que possa ser utilizada ou administrada no ser humano com vista a estabelecer um diagnóstico médico ou, exercendo uma acção farmacológica, imunológica ou metabólica, a restaurar, corrigir ou modificar funções fisiológicas"

Já a Farmacopéia brasileira dá a seguinte definição: "produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. É uma forma farmacêutica terminada que contém o fármaco, geralmente em associação com adjuvantes farmacotécnicos." (Resolução RDC, nº84/02).

Remédio: Um remédio é qualquer substância ou recurso utilizado para obter cura ou alívio. Diferentemente de fármaco, a substância utilizada não necessita ser conhecida quimicamente. Ex: Chás, aromaterapia, massagem, fisioterapia.

O TERMO REMÉDIO É QUASE SEMPRE USADO COMO SINÔNIMO DE MEDICAMENTO.

NÃO CONFUNDA MAIS...

1.2-Os medicamentos e suas classificações:

Ético: Um medicamento ético é aquele prescrito por um médico, que pela força da lei, não pode ter seu marketing voltado para à população em geral. Os éticos são controlados por tarjas vermelha e preta no Brasil e exigem apresentação de receita médica. A propaganda é voltada para publicações especializadas, focando apenas o médico, através de profissionais do marketing dos laboratórios farmacêuticos

Genérico: medicamento com a mesma substância ativa, forma farmacêutica e dosagem e com a mesma indicação que o medicamento original, de marca. E principalmente, são intercambiáveis em relação ao medicamento de referência, ou seja, a troca pelo genérico é possível.

É mais barato porque os fabricantes de genéricos, ao produzirem medicamentos após ter terminado o período de proteção de patente dos originais, não precisam investir em pesquisas e refazer os estudos clínicos que dão cobertura aos efeitos colaterais, que são os custos inerentes à investigação e descoberta de novos medicamentos, visto que estes estudos já foram realizados para a aprovação do medicamento pela indústria que primeiramente obtinha a patente. Assim, podem vender medicamentos genéricos com a mesma qualidade do original que detinha a patente a um preço mais baixo.



Similar: Segundo a Anvisa um similar é: aquele medicamento que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta a mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, preventiva ou diagnóstica, do medicamento de referência registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária, podendo diferir somente em características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículos, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca.

Seu registro só é liberado e publicado pela Anvisa mediante á apresentação dos testes de equivalência farmacêutica e de biodisponibilidade relativa exigidos pelo Ministério da Saúde no cumprimento da Resolução RDC nº 72, de 7 de abril de 2004. No entanto, não é realizado o teste de bioequivalência. Este teste de bioequivalência garante a intercambialidade dos genéricos e devido a isto os medicamentos similares não são intercambiáveis.

ÉTICO E SIMILAR APRESENTAM UM NOME DE MARCA SEGUIDO DO NOME GENÉRICO LOGO ABAIXO.

OS GENÉRICOS NÃO TEM MARCA, APENAS O NOME GENÉRICO. GERALMENTE SÃO MAIS BARATOS!

VEJA A IMAGEM ABAIXO:

Figura 1: medicamentos ético, genérico e similar.



Manipulado: É o fármaco na sua forma farmacêutica (Cápsulas, Cremes, xaropes, comprimidos, etc…). É o resultado do aviamento de receita prescrita por um profissional gabaritado pelo seu conselho de classe, como: médico, nutricionista, dentista, veterinário. Feito artesanalmente, dentro das boas práticas de manipulação. Permite a individualização da fórmula prescrita. Manipulado: Feito com as mãos.

CONCLUI-SE: MEDICAMENTO PODE SER FEITO EM ESCALA INDÚSTRIAL (INDUSTRIALIZADO) OU FEITO UM A UM (MANIPULADO) SEGUINDO UM PEDIDO (RECEITA PRESCRITA).

Fitoterápico: segundo a RDC n°48 de 16 de março de 2004 da Anvisa é o medicamento obtido empregando-se exclusivamente matérias-primas ativas vegetais. É caracterizado pelo conhecimento da eficácia e dos riscos de seu uso, assim como pela reprodutibilidade e constância de sua qualidade. Sua eficácia e segurança é validada através de levantamentos etnofarmacológicos de utilização, documentações tecnocientíficas em publicações ou ensaios clínicos fase 3. Não se considera medicamento fitoterápico aquele que, na sua composição, inclua substâncias ativas isoladas, de qualquer origem, nem as associações destas com extratos vegetais.

Figura 2: medicamento fitoterápico



Homeopático: são medicamentos dinamizados preparados com base nos fundamentos da homeopatia, cujos métodos de preparação e controle estejam descritos na Farmacopéia Homeopática Brasileira, edição em vigor, outras farmacopéias homeopáticas, ou compêndios oficiais reconhecidos pela ANVISA, com comprovada ação terapêutica descrita nas matérias médicas homeopáticas ou nos compêndios homeopáticos oficiais reconhecidos pela ANVISA, estudos clínicos, ou revistas científicas.

O medicamento homeopático pode ser derivado de plantas, animais ou minerais. O farmacêutico homeopata transforma essas substâncias em medicamentos homeopáticos através de uma técnica especial chamada dinamização. Essa técnica libera as propriedades medicinais da substância original. Existem aproximadamente 2000 substâncias cujos efeitos específicos no corpo foram testados. Os medicamentos homeopáticos estão disponíveis em diferentes formas farmacêuticas (preparações): tabletes, glóbulos, líquidos, pós, comprimidos, entre outras. Não são medicamentos homeopáticos: essências florais, medicamentos antroposóficos, cromoterapia, aromaterapica, acupuntura, reiki, iridologia, shiatsu, dentre outros.



  1. Diferença entre farmacocinética e Farmacodinâmica

Farmacocinética é o caminho que o medicamento faz no organismo. Não se trata do estudo do seu mecanismo de ação, mas sim as etapas que a droga sofre desde a administração até a excreção, que são: absorção, distribuição, biotransformação e excreção. Note também que uma vez que se introduza a droga no organismo, essas etapas ocorrem de forma simultânea sendo essa divisão apenas de caráter didático

Farmacodinâmica é o campo da farmacologia que estuda os efeitos fisiológicos dos fármacos nos organismos, seus mecanismos de ação e a relação entre concentração do fármaco e efeito. De forma simplificada, podemos considerar farmacodinâmica como o estudo do efeito da droga nos tecidos.

3-O Significado das Tarjas dos Medicamentos


Os medicamentos possuem uma ampla ação e atuam em diversos sistemas no nosso organismo, desde os mais simples até os mais complexos.

De qualquer forma provocam alterações no nosso organismo, portanto são classificados conforme o grau de risco que o seu uso pode oferecer à saúde do paciente.


Para esta classificação, foi adotado o critério de tarjas (faixas), que são facilmente identificadas nas embalagens dos medicamentos.




Tarja vermelha sem retenção da receita: são vendidos mediante a apresentação da receita. Na tarja vermelha está impresso "venda sob prescrição médica". Estes medicamentos têm contra-indicações e podem provocar efeitos colaterais graves.



Tarja preta: são os medicamentos que exercem ação sedativa ou que ativam o sistema nervoso central, portanto também fazem parte dos chamados psicotrópicos.

Só podem ser vendidos com receituário especial de cor azul. Na tarja vem impresso "venda sob prescrição médica – o abuso deste medicamento pode causar dependência".



Venda Livre ou Não tarjados ou OTC – Over the Counter:

sua venda é livre. São medicamentos com poucos efeitos colaterais ou contra-indicações, desde que usados corretamente e sem abusos.

Estes medicamentos dispensados sem a prescrição médica são utilizados para o tratamento de sintomas ou males menores, como: resfriados, azia, má digestão, dor de dente, pé de atleta e outros.

É importante ressaltar que esses produtos estão isentos de prescrição médica, porque a instância sanitária reguladora federal considerou que suas características de toxicidade apontam para inocuidade ou são significativamente pequenas. Porém, sua utilização deve ser feita dentro de um conceito de automedicação responsável.





Tarja vermelha com retenção da receita: são os medicamentos que necessitam de retenção da receita, conhecidos como medicamentos psicotrópicos. Só podem ser vendidos com receituário especial de cor branca. Na tarja vermelha está impresso "venda sob prescrição médica - só pode ser vendido com retenção de receita".



Tarja amarela:
esta tarja deve constar na embalagem dos medicamentos genéricos
e deve conter a inscrição "Medicamento Genérico", na cor azul.

SAIBA COMO IDENTIFICAR UM MEDICAMENTO GENÉRICO:

 

Figura 3: identificando o medicamento generico



  1. Principais Formas farmacêuticas dos medicamentos

Forma farmacêutica é o estado final que as substâncias activas apresentam depois de serem submetidas às operações farmacêuticas necessárias, a fim de facilitar a sua administração e obter o maior efeito terapêutico desejado. A sujeição das substâncias activas às operações farmacêuticas deve-se ao facto da maioria das substâncias activas não poderem ser directamente administradas ao doente.

Forma no qual o medicamento se apresenta para dispensação podendo ser apresentado como:



  • comprimidos

  • cápsulas

  • drágeas

  • pílulas

  • soluções

  • suspensão

  • emulsão

  • óvulos

  • pomadas

  • supositórios, entre outras. Figura 4: diversas formas farmaceuticas

A escolha da forma farmacêutica

Depende principalmente:



  • da natureza físico-química do fármaco;

  • do mecanismo de ação;

  • do local de ação do medicamento;

  • da dosagem – quantidade de fármaco na forma farmacêutica

As formas farmacêuticas

Podemos definir FORMAS FARMACÊUTICAS (ou preparações medicamentosas), como um medicamento disposto para seu uso imediato, e resultante da mistura de substâncias adequadas e convenientes para determinada finalidade terapêutica.



Forma farmacêutica é a forma final de como um medicamento se apresenta: comprimidos, cápsulas, injetáveis, etc. Normalmente as drogas não são administradas aos pacientes, no seu estado puro ou natural, mas sim como parte de uma formulação, ao lado de uma ou mais substâncias não medicinais que desempenham varias funções farmacêuticas. Esses adjuvantes farmacêuticos têm por finalidade, solubilizar, suspender, espessar, diluir, emulsionar, estabilizar, preservar, colorir e melhorar o sabor da mistura final. Com a finalidade de deixar o fármaco agradável ao paladar e eficiente.

Pós são preparações farmacêuticas que se caracteriza pela mistura de fármacos e/ou substâncias química finamente divididas e na forma seca. Alguns pós são destinados ao uso interno e outros ao uso externo. Os pós podem ser administrados sob a forma simples ou serem ponto de partida para outras formas farmacêuticas como papéis e cápsulas.

Grânulos são formas farmacêuticas composta de um pó ou uma mistura de pós umedecidos e submetidos a secagempara produzir grânulos de tamanho desejado.

Cápsulas são formas farmacêuticas sólidas, as quais uma ou mais substâncias medicinais e/ou inertes são acondicionadas em um invólucro à base de gelatina. As cápsulas gelatinosas podem ser duras ou moles. São administradas por via oral e possuem propriedades de desintegrarem-se e dissolverem-se no tubo digestivo.

Tabletes ou comprimidos são formas farmacêuticas sólidas de forma variável, cilíndrica ou discóide, obtidas por compressão de medicamentos mais o excipiente,

Drágea são formas farmacêuticas obtidas pelo revestimento de comprimidos. Para este fim, se utiliza diversas substâncias, como: queratina, ácido esteárico e gelatina endurecida com formaldeído.

Pastilhas são formas sólidas destinadas a se dissolverem lentamente na boca, constituída por grande quantidade de açúcar e mucilagens associadas a princípios medicamentosos.

Supositórios são preparações farmacêuticas sólidas, à base de substância fundível pelo calor natural do corpo, destinado a ser introduzido no reto, gerando amolecimento ou dissolução do fármaco. O excipiente mais usado é a manteiga de cacau (lipossolúvel) junto com a glicerina gelatinada (hidrossolúvel).

Óvulos são formas farmacêuticas obtidas por compressão ou moldagem para aplicação vaginal, onde devem se dissolver para exercerem uma ação local. O excipienteem geral é a glicerina.

Pomadas são preparações de consistência pastosa, destinada ao uso externo.

Cremes são emulsões líquidas viscosas do tipo óleo e água ou água e óleo.

Emplastros forma farmacêutica que se dissolve à temperatura do corpo, aderindo-se à pele. É usado como esparadrapo.

Soluções são preparados líquidos obtidos por dissolução de substâncias químicas em água.

Loções são soluções que impregnam na pele; veículo é aquoso e usado sem fricção. Sua fluidez permite aplicaçãorápida e uniforme sobre uma ampla superfície.

Emulsão é uma forma farmacêutica líquida de aspecto cremoso feito com a mistura de um líquido em óleo. Como agentes emulsionantes utiliza-se a goma arábica e a gelatina.

Suspensão são formas farmacêuticas que contêm partículas finas de substâncias ativa em dispersão relativamente uniforme. Deve ser agitado antes do uso.

Extratos fluidos são soluções hidroalcoólicas de constituintes solúveisde drogas vegetais.

Injeções são preparações estéreis de soluções, emulsões ou suspensões destinadas à administração parenteral.

Classificação das Formas Farmacêuticas

Podemos destacar vários tipos de classificações das formas farmacêuticas, tais como:



  • Uso interno, externo e parenteral

  • Sólidos, semi-sólidos e líquidos (farmacotécnica)

  • Vias de administração de fármacos (farmacologia)




Figura 5: sólidos, semi –sólidos e liquidos



Uma forma farmacêutica, como mistura que é, contém diversas substâncias que consoante a sua função têm nomenclatura diferente:

  • Substância ativa é a parte farmacologicamente ativa de uma determinada forma farmacêutica. No caso de haver mais do que uma substância ativa, teremos:

  • Base - é a substância ativa, considerada de maior atividade farmacológica, quer pelo seu potencial de ação, quer pelo seu volume ou quantidade; EX: AAS

  • Adjuvante(s) - é a outra, ou outras, substâncias ativas que vão complementar ou reforçar a ação de base. EX cafeína

  • Veículo - O veículo é a parte da forma farmacêutica que lhe confere a forma e o volume, e que confere ao preparado uma maior estabilidade física. Não tem ação farmacológica.

  • Excipiente - é o veículo que unicamente tem uma ação passiva pois destina-se a dar forma, e a aumentar o volume da forma farmacêutica até lhe dar um valor manuseável.

  • Intermédio (ou intermediário) - é o veículo, que vai conferir à forma farmacêutica uma maior estabilidade física (ou seja, confere-lhe homogeneidade). Normalmente são usados nas formas farmacêuticas líquidas ou pastosas em que os diversos componentes têm, por vezes, tendência a separar-se por diferenças de osmolaridade - os intermédios mais correntemente empregados são substâncias tensoativas.

  • Corretivo - O corretivo é uma substância que se junta à forma farmacêutica para lhe modificar as suas características organolépticas e visuais

  • Edulcorantes - São os corretivos que conferem um sabor agradável à preparação (açúcar, mel, sal, etc.).

  • Corantes – dá cor.



LEIA MAIS:

AMPLIE SEUS CONHECIMENTOS SOBRE FORMAS FARMACEUTICAS!

http://www.farmaceuticodigital.com/2012/09/formas-farmaceuticas.html





  1. Vias de Administração dos Medicamentos

Vias de administração é o caminho pelo qual uma droga é colocada em contato com o organismo. A via de administração é um constituinte muito importante para a taxa de eficiência da absorção do medicamento. O método de administração dos medicamentos depende da rapidez com que se deseja a ação da droga, da natureza e quantidade da droga a ser administrada e das condições do paciente. As condições do paciente determinam, muitas vezes, a via de administração de certas drogas.

Classificação

  • Via enteral:

Constitui a via mais comum de administração. Vantagens da via enteral: A distribuição do fármaco circulação é lenta após a administração oral, evitando-se assim a ocorrência de rápidos níveis sanguíneos elevados, alem disso, existe uma menor probabilidade de efeitos adversos. As formas posológicas disponíveis para administração enteral são convenientes e não exigem uma técnica estéril.

Desvantagens da via enteral:

A taxa de absorção varia, esta variação torna-se um problema se o efeito terapêutico desejado de um fármaco for separado de seus efeitos tóxicos por uma pequena faixa de nível sanguíneo. Pode ocorrer irritação da mucosa. Com a administração oral de alguns fármacos, pode ocorrer extenso metabolismo hepático antes de o fármaco alcançar o seu local de ação. Este processo é conhecido como efeito de primeira passagem.

As vias enterais são:


  • Via oral

Esta via é caracterizada pela ingestão pela boca e é considerada a mais conveniente para administrar-se um medicamento, devido ao fato de que a deglutição é um ato natural, realizado todos os dias nas refeições. Além disto, não necessita de ajuda de profissionais de saúde para sua concretização.

Formas farmaceuticas

Pílulas, Drágeas, Comprimidos, Soluções, Emulsões Orais, Tabletes, Suspensões, Granulados, Pós, Cápsulas etc.



VANTAGENS

DESVANTAGENS

Possibilidade de reversão da administração

Interação com alimentos ,

É um meio barato

O paciente não poder deglutir Auto-ingestão

Indolor;

É o mais seguro,

Mais conveniente

O medicamento interferir na digestão e Grande perda da biodisponibilidade




Vômitos e diarréias




Sabor desagradável, Efeito demorado




Irritação gástrica;




Necessidade da boa vontade do paciente



  • Via bucal

Via bucal é uma via de administração aplicada no interior das bochechas. Não é quase utilizada, salvo para administração de efeitos locais.

Formas farmaceuticas

Soluções, Géis, Colutórios, Cremes, enxaguantes bucais, Dispositivos orais, Pastinhas

Pomadas.

VANTAGENS

Fácil remoção do fármaco em caso de efeitos excessivos ou adversos;

Fácil acesso e aplicação

DESVANTAGENS

Dificuldade de conservar soluções devido à ação diluidora da saliva.

Irritação da mucosa

Latência curta

Dificuldade em pediatria


  • Via sublingual

Consiste na absorção de fármacos por debaixo da língua. Esta via de administração evita o efeito de primeira passagem hepático pois a drenagem venosa é para a veia cava superior. As mucosas situadas na região sublingual são altamente vascularizadas por capilares sanguíneos, motivo pelo qual sua absorção é altamente eficaz. Em comparação com a via oral, sua absorção se dá de uma forma muito mais rápida, devido ao contato quase que direto com os capilares sanguíneos situados nessa região.

Mas, devido a essa rápida absorção, torna-se também uma via com riscos consideráveis. Sua utilização também depende da ionização e lipossolubilidade do fármaco.



Formas farmaceuticas

Comprimidos sublinguais



VANTAGENS

Evita a ação destrutiva na Absorção e contato com suco gástrico

Ação mais rápida (absorção pela veia cava superior)

droga passa diretamente para a circulação geral

Sem passagem pelo fígado

Fácil acesso e aplicação



DESVANTAGENS

É incompleta

Dificuldade em pediatria


  • Via retal

A via retal é utilizada quando a ingestão não é possível por causa de vômitos, quando o paciente se encontra inconsciente ou não sabem deglutir. Sua indicação é impopular e desconfortável, onde o fármaco é aplicado acima do esfíncter anal interno e do anel anorretal.

Formas farmaceuticas

Supositório e Enema



VANTAGENS

Efeito rápido

Não produz irritação gástrica

Protege os fármacos suscetíveis da inativação gastrointestinal e hepática

Boa opção para uso pediátrico

DESVANTAGENS

Absorção pode ser errática ou incompleta

Depende da motilidade intestinal

Irritação da mucosa retal.

Reflexo de defecação

Desconforto do paciente

Poucos pacientes aderem a este tipo de via


  • Via gástrica

Esta via é usa em caso de pacientes inconscientes ou impossibilitados de deglutir. Os medicamentos são em água e administrados por meio de uma sonda nasogástrica, tubo de gastrostomia ou jejunonostomia.

Formas farmacêuticas

Drágeas,Comprimidos,Tabletes, pós para solução, soluções enterais prontas para uso.



VANTAGENS

Administração de alimentos ou fármacos diretamente na mucosa gástrica ou intestinal



DESVANTAGENS

Pessoal competente

Equipamentos específicos


  • Via duodenal

Consiste em colocar o medicamento diretamente no duodeno por meio de uma sonda duodenal. É via muito pouco usada, com indicação para os casos de administração de vermífugos.

Formas farmaceuticas

Comprimidos Drágeas Soluções



VANTAGENS

A droga escapa da ação do suco gástrico.



DESVANTAGENS

Irritação da parede do duodeno

Pessoal competente


  • Via parenteral

É a administração do medicamento através dos injetáveis, não utilizam o trato intestinal. Vantagens da via parenteral: O fármaco atinge mais rapidamente o local de ação,produzindo uma resposta rápida, que pode ser necessária em situações de emergência. A dose pode ser administrada com maior precisão. Podem-se ser administrados grandes volumes de medicamentos por via intravenosa.

A administração parenteral pode ser utilizada quando avia enteral é impossível. A disponibilidade é mais rápida e mais previsível. A dose eficaz pode ser escolhida de forma mais precisas. No tratamento de emergências, esse tipo de administração é extensamente valioso. Desvantagens da via parenteral: A absorção mais rápida do fármaco pode resultar em o aumento dos efeitos adversos. É necessária uma formulação estéril, bem como uma técnica asséptica da administração.

Pode ocorrer irritação no local da injeção. A administração parenteral não é apropriada para substâncias insolúveis. Reações alérgicas. Muito dolorosa. Rejeita por muitos pacientes. Pode ocorrer uma injeção intravascular acidental. Os custos desse tipo de intervenção são outra consideração importante.


  • Via endovenosa

É a via onde se tem a mais rápida ação do fármaco administrado, em que há a introdução da medicação diretamente na veia. Os medicamentos injetados na veia devem ser soluções solúveis no sangue. Podem ser líquidos hiper, iso ou hipotônicos, sais orgânicos, eletrólitos, medicamentos não oleosos e não deve conter cristais visíveis em suspensão.

Algumas características são essenciais para que uma substância possa ser injetada pela via intravenosa: - não ser hemolítica; - não ser cáustica; - não coagular as albuminas; - não produzir embolia ou trombose; - não conter pirogênio; Em relação às condições do paciente, podemos citar: - a dificuldade de se encontrar veias adequadas à picada; - a presença de tecidos com muitos hematomas ou mesmo feridos;a intensa dor sentida pelo paciente à aplicação, devida a sua doença ou outro motivo.



NUNCA ESQUEÇA:

A VIA ENDOVENOSA PROPORCIONA EFEITO IMEDIATO, SEM PERDA DO MEDICAMENTO!

FICA A DICA!

Formas farmaceuticas

Soluções e pós para solução injetáveis



VANTAGENS

Efeito farmacológico imediato, Não existe absorção do medicamento pelo organismo

Possibilidade de liberação controlada do medicamento no organismo

Permite a administração de fármacos irritantes

Evita a ação do suco gástrico e o efeito de primeira passagem

Permite administrar grandes volumes e por tempo prolongado

A administração é possível mesmo sem a cooperação do paciente

Propiciam meios para restaurar o equilíbrio ácido-base e o volume sanguíneo do organismo



DESVANTAGENS

É necessário que se mantenha assepsia

Possui custo elevado

Pessoal competente

Não aceita todos os tipos de medicamentos

Existe a probabilidade de ocorrência de reações desfavoráveis

Infecção, flebite, formação de vesículas ou necrose quando extravasado o antineoplásico.

Facilidade de intoxicação

Acidente tromboembólico

Não existe recuperação depois que o fármaco é injetado

Reação anafilática

Choque pirogênico



  • Via intradérmica

A via intradérmica é muito restrita, usada para pequenos volumes (de 0,1 a 0,5 mililitros). Usada para reações de hipersensibilidade, como provas de ppd (tuberculose), Schick (difteria) e sensibilidade de algumas alergias. A via intradérmica é utilizada também para fazer dessensibilização e auto vacinas.

É utilizada para aplicação de BCG (vacina contra tuberculose), sendo de uso mundial a aplicação ao nível da inserção inferior do músculo deltóide. O local mais apropriado é a face anterior do antebraço, devido ser pobre em pelos, com pouca pigmentação, pouca vascularização e de fácil acesso para leitura.



Formas farmaceuticas

Injetáveis Cremes Pomadas



VANTAGENS

Fácil acesso e Efeito local



DESVANTAGENS

Pessoal competente e Equipamentos específicos, volumes pequenos, irritação



  • Via intramuscular

Na via intramuscular, depositam a medicação profundamente no tecido muscular, o qual por ser bastante vascularizado pode absorvê-la rapidamente. A via de administração intramuscular fornece uma ação sistêmica rápida e absorção de doses relativamente grandes (até 5 ml em locais adequados). É recomendada para os pacientes não cooperativos, pacientes que não podem tomar a medicação via oral, e para as medicações que são degradadas pelo suco digestivo.

Formas farmaceuticas

Soluções e pós para solução injetáveis, soluções oleosas injetáveis.



VANTAGENS

Efeito rápido com segurança

Via de depósito ou efeitos sustentados

Aceitação de medicamentos de sol. aquosa - absorção rápida sol. oleosa - absorção lenta Absorção relacionada com tipo de substância

Maior biodisponibilidade do fármaco

Não passa pelo tubo gastrointestinal

Útil para pacientes desacordados, que não conseguem deglutir, com obstruções gastrointestinais ou com vômitos. Injeção acidental em veia ou artéria

Injeção em músculo contraído



DESVANTAGENS

Dolorosa


Substâncias irritantes ou com pH diferente

Não suporta grandes volumes

Pessoal treinado

Trauma ou compressão acidental de nervos

Lesão do músculo por soluções irritantes

Abcessos


  • Via subcutânea

Esta via só pode ser usada para administrar substâncias que não são irritantes para os tecidos. A absorção costuma ser constante e suficientemente lenta para produzir um efeito persistente. A absorção de substâncias implantadas sob a pele (sob forma sólida de pellet) ocorre lentamente ao longo de semanas ou meses. Alguns hormônios são administrados de forma eficaz dessa maneira.

Formas farmaceuticas

Implante de Pellets, soluções e Suspensões injetáveis.



VANTAGENS

Absorção contínua e segura

Evita o efeito de primeira passagem

Pronta absorção a partir de soluções aquosas



DESVANTAGENS

É mais lenta que a Intramuscular

Pode ocorrer a formação de hematomas no local de aplicação

Deve ser realizado rodízio dos locais de aplicação com rigor Pouca necessidade de um treinamento maior Não utilizar grandes volumes

É mais dolorosa que a intramuscular e endovenosa

Lesão tissular

Variabilidade absortiva a partir de diferentes locais


  • Via ocular

As aplicações oculares de medicamentos líquidos na forma de gotas ou pomadas oculares.

Formas farmaceuticas

Instilações (medicamentos líquidos)

Colírios

Pomadas oftálmicas



VANTAGENS

Efeito local e rápido



DESVANTAGENS

Evitar administrar na córnea.

Evitar contato direto no globo ocular.


  • Via vaginal

Os medicamentos aplicados na vagina, geralmente, são utilizados para combater a infecção (efeitos locais).

Formas farmaceuticas

Creme, Gel, Pomadas, Soluções, Emulsões, Óvulos, Lavagens e irrigação, comprimidos vaginais.



VANTAGENS Efeito local Ação farmacêutica rápida

DESVANTAGENS Técnica asséptica Efeito de primeira passagem

  • Via auricular

É a introdução de medicamento no canal auditivo.

  • Via tópica

  • Via transdérmica/ epidérmica.

Administração do medicamento na pele para obter um efeito local ou sistêmico após passar a barreira dérmica.

Formas farmaceuticas

Pomadas, Cremes, emulsões, loções, Bombas de fusão Emplastos Pós Aerossóis Loções Discos transdérmicos Soluções



VANTAGENS

Ação local, agindo aplicação.



DESVANTAGENS

Dependendo da forma pode ser muito demorado.

O efeito do fármaco depende da pele, onde será aplicado.

Eritema


Irritação local

  • Via cutânea

Administração do medicamento na pele, ou em feridas cutânea, ou unhas, ou cabelos com objetivo de obter um efeito local

Formas farmaceuticas

Soluções,Ungüento,Pastas,Cremes,Pomadas,Spray,emplastros.



VANTAGENS

Muito usada para efeitos locais.



DESVANTAGENS

Não tem o efeito desejado para uso sistêmico.



  • Via pulmonar

Administração do medicamento no sistema respiratório por inalação para obter um efeito local no trato respiratório inferior.

Formas farmaceuticas

Inalação, aerossóis, nebulizações



VANTAGENS

Uma grande superfície de absorção

Permite a utilização farmacológica de substâncias gasosas.

Boa absorção alveolar então mais rápida é a ação.

Membranas biológicas de Palpitações fácil travessia

Rica vascularização sanguínea.



DESVANTAGENS

Uma grande superfície de Reações adversas

Requer equipamento

Reações de Tremores e hipersensibilidade

Hipertensão

Taquicardia

Equipamentos contaminados podem provocar infecções hospitalares.



LEITURA RECOMENDADA SOBRE VIAS DE ADMINISTRAÇÃO:

PESSOAL, NÃO DEIXEM DE LER ESSE MATERIAL EM PDF, VALE A PENA ARQUIVAR...

http://www.farmaco.ufrj.br/graduacao/Far_F1/4ViasDDSmacromoleculas.pdf

6-A Prescrição Médica

Uma prescrição (também conhecida informalmente como receita médica) é a indicação de medicamentos que um paciente ou animal deve tomar. É indicado pelos médicos, médicos dentistas ou médicos veterinários e compete aos farmacêuticos obrigatoriamente a manipulação e dispensação, onde efetuarão neste ato a fiscalização da prescrição e orientação ao paciente.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal