Disciplina: filosofia prof.: Gilmar



Baixar 19.29 Kb.
Encontro30.03.2018
Tamanho19.29 Kb.

REVISIONAL – 3º BIMESTRE – 2ª Série

Disciplina: FILOSOFIA – Prof.: Gilmar



1)

“Embora o cientista não se esforce normalmente por inventar novos tipos de teorias fundamentais, tais teorias com frequência têm surgido da prática continuada da investigação. Mas nenhuma inovação desse gênero apareceria se a atividade a que chamei de ciência normal tivesse sempre êxito. De fato com muita frequência o indivíduo envolvido na solução de quebra-cabeças oferece resistência às novidades que se apresentam, e o faz por razões muito aceitáveis. Para ele trata-se de alterar as regras do jogo e qualquer alteração de regras é intrinsecamente subversiva. Esse elemento subversivo torna-se, claro está, mais aparente em inovações teóricas de grande importância como as associadas aos nomes de Copérnico, Lavoisier ou Einstein. Mas a descoberta de um fenômeno não antevisto pode ter o mesmo efeito destrutivo, embora geralmente em um grupo mais reduzido e por um período de tempo mais curto. (...) O que se segue é que, se a atividade normal de solucionar quebra-cabeças tivesse sempre êxito, o desenvolvimento da ciência não poderia conduzir a qualquer tipo de inovação fundamental”.

(Kuhn, “A Função do Dogma na Investigação Científica”, p. 51)

A filosofia da ciência de Kuhn contesta ou confirma a concepção segundo a qual a ciência é “uma atividade cujos praticantes são pessoas de espírito especialmente aberto”? Por quê?

2)(UFPR – 2015) “Embora o acolher de um paradigma pareça historicamente uma precondição para investigação científica mais eficaz, os paradigmas que aumentam a eficácia da investigação não necessitam ser, e geralmente não são, permanentes. Pelo contrário, no esquema de desenvolvimento das ciências maduras vai-se passando, em regra, de um paradigma para outro. [...] [O] praticante de uma ciência madura sabe com precisão razoável a que tipo de resultado pode chegar com a sua investigação. Em consequência disso, está em posição especialmente favorável para detectar um problema de investigação que saia do esperado. Por exemplo, [...] como Copérnico, [...] pode concluir que os fracassos repetidos dos seus antecessores, ao ajustar o paradigma à natureza, é evidência inescapável da necessidade de mudar as regras com que se tenta fazer esse ajustamento. [...] Como se vê por esses exemplos e por muitos outros, a prática científica normal de solucionar quebra-cabeças pode levar, e leva de fato, ao reconhecimento e isolamento de uma anomalia. Um reconhecimento dessa natureza é, penso eu, precondição para quase todas as descobertas de novos tipos de fenômenos e para todas as inovações fundamentais da teoria científica. Depois que um primeiro paradigma foi alcançado, uma quebra nas regras do jogo preestabelecido é o prelúdio habitual para uma inovação científica importante.”

KUHN, Thomas, “A Função do Dogma na Investigação Científica”, p. 48-49. http://hdl.handle.net/1884/29751.



As imagens acima representam duas concepções científicas que se sucederam. Como Kuhn denomina esses tipos de acontecimentos e o que os caracteriza?

3)Explique a concepção de Thomas Hobbes acerca do homem.

4)(UFU)"Entendo por leis civis aquelas que os homens são obrigados a respeitar, não por serem membros deste ou daquele Estado em particular, mas por serem membros de um Estado".

(Hobbes Leviatã Col. Os Pensadores, Abril Cultural, 1978)

Segundo Hobbes, a quem pertence a soberania e quais suas atribuições enquanto soberano?


5) Explique a ideia de liberdade presente em John Locke.
6)O que é metafísica no contexto da filosofia.

7)O que é epistemologia no contexto científico.

8)Leia o texto.

NO RIO, HOMEM É ACORRENTADO NU EM POSTE APÓS SER AGREDIDO.

Mulher que socorreu o homem divulgou o caso na internet e foi criticada

03 de fevereiro de 2014 | 20h 21

FÁBIO GRELLET - Agência Estado


Um rapaz foi agredido, deixado nu e preso com uma trava de bicicleta a um poste, no Flamengo (zona sul do Rio), na noite da última sexta-feira, 31. Os bombeiros foram chamados e precisaram usar um maçarico para libertar o rapaz, encaminhado ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro. A mulher que socorreu o rapaz divulgou o caso na internet e foi criticada porque ele, negro, seria integrante de uma gangue que pratica assaltos na zona sul. O rapaz estava sem documentos, segundo os bombeiros, e o caso não chegou a ser registrado na polícia.

"Fizemos uma reunião, para discutir justamente a segurança na região, que terminou por volta das 22h30 da sexta. Um amigo estava indo embora quando me ligou e contou ter encontrado esse rapaz preso no poste, ferido e nu. Eu fui até lá, chamei os bombeiros e aguardei o atendimento. O rapaz estava nervoso e mal conseguia falar, mas contou ter sido agredido por um grupo que estava de moto e fugiu", narra a artista plástica Yvonne Bezerra de Mello, que socorreu o rapaz.

"Os bombeiros chegaram e socorreram o rapaz, mas eu não acompanhei mais o caso. Quando divulguei as fotos na internet, muita gente veio dizer que ele é ladrão, que tinha que ser punido mesmo. Os furtos na região (do Flamengo) aumentaram muito, eu sei disso, mas não sei quem é o rapaz. Se houver cometido algum crime, quem deve prender é a polícia. Não é possível que as pessoas queiram fazer justiça com as próprias mãos", diz Yvonne, fundadora de uma ONG que atende crianças e adolescentes moradores de áreas de risco. "Não importa quem é a pessoa, não tem cabimento deixar preso num poste. Eu faria a mesma coisa ainda que fosse um cachorro, um gato, qualquer bicho", afirma.




Quais seriam as opiniões de Thomas Hobbes e JJ Rousseau acerca do evento acima ?

9)Explique a ideia do Leviatã em Thomas Hobbes.

10)O que é empirismo?
11)O que é racionalismo?
12)Explique o que é um paradigma científico. Dê um exemplo.
13)Em que a ciência moderna se diferencia da filosofia natural?

14)Qual é a opinião de John Locke acerca do direito de rebelião do povo em relação aos governantes? Explique.


15)(Uel-2015) Leia os fragmentos a seguir.

A monarquia absoluta é incompatível com a sociedade civil, não podendo ser uma forma de governo civil, porque o objetivo da sociedade civil consiste em evitar e remediar os inconvenientes do estado de natureza que resultam necessariamente de poder cada homem ser juiz em seu próprio caso, estabelecendo-se uma autoridade conhecida para a qual todos os membros dessa sociedade podem apelar por qualquer dano que lhe causem ou controvérsia que possa surgir, e à qual todos os membros dessa sociedade terão que obedecer.

[...]

Quem julgará se o príncipe ou o legislativo agem contrariamente ao encargo recebido? A isto respondo: O povo será o juiz; porque quem poderá julgar se o depositário ou o deputado age bem e de acordo com o encargo a ele confiado senão aquele que o nomeia, devendo, por tê-lo nomeado, ter ainda o poder para



afastá-lo quando não agir conforme seu dever?

(Adaptado de: LOCKE, J. Segundo Tratado sobre o Governo (ou Ensaio sobre o Governo Civil). 5.ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

p.250 e p.312.)
Com base nos fragmentos e nos conhecimentos sobre a filosofia política de John Locke, descreva o modelo de governo civil proposto pelo filósofo.
16)No contexto da filosofia moderna, o que é inatismo?
17)Contextualize a Revolução Francesa de 1789 em relação ao Iluminismo.

(UEL) Leia o texto a seguir para responder ás questões 18 e 19.

Hume considerou não haver nenhuma razão para supor que, dado o que se chama um “efeito”, deva haver uma causa invariavelmente unida a ele. Observamos sucessões de fenômenos: à noite sucede o dia, ao dia, a noite etc.; sempre que se solta um objeto, ele cai no chão etc. Diante da regularidade observada, concluímos que certos fenômenos são causas e outros, efeitos. Entretanto, podemos afirmar somente que um acontecimento sucede a outro - não podemos compreender que haja alguma força ou poder pelo qual opera a chamada “causa”, e não podemos compreender que haja alguma conexão necessária entre semelhante “causa” e seu suposto “efeito”.

(FERRATER-MORA, J. Dicionário de Filosofia, Tomo I, São Paulo: Loyola, 2000, p.427.)



18)Com base na filosofia de Hume, explique a importância do conceito de causalidade para o conhecimento dos fenômenos naturais.
19)Explicite a leitura que Hume faz do empirismo.
20)Explique o iluminismo no seu contexto político, econômico, social e religioso.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal