Divulgação completa do Novo Gol pela Volkswagen



Baixar 86.62 Kb.
Página1/3
Encontro06.02.2018
Tamanho86.62 Kb.
  1   2   3

Divulgação completa do Novo Gol pela Volkswagen


NOVO GOL FOI DESENVOLVIDO PARA SUPERAR AS EXPECTATIVAS DOS CONSUMIDORES

No desenvolvimento do Novo Gol, a Volkswagen do Brasil aprofundou sua filosofia de conhecer os desejos, opiniões e expectativas do cliente. Para saber o que queria o comprador do carro mais vendido do país, a empresa realizou seis clínicas durante um período de dois anos e meio – a mais ampla pesquisa já realizada antes do lançamento de um carro.

Nessas clínicas, quando o objetivo da pesquisa era revelado, muitos consumidores diziam: “Por favor, não mudem o carro”. O cliente do Gol sempre apreciou virtudes como a mecânica descomplicada e robusta, a qualidade e o comportamento dinâmico do carro. Mas, devagar, vinha demonstrando também o desejo por um design mais ousado e acabamentos mais sofisticados no veículo.

“Desenvolvemos o Novo Gol para superar as expectativas de nossos clientes, mantendo os atributos do modelo e dando a ele novos valores representados pela beleza do novo carro”, afirma Thomas Schmall, presidente da Volkswagen do Brasil. “O Gol é o modelo preferido dos brasileiros, por isso ouvimos mais do que nunca os nossos clientes e os clientes da concorrência antes de mexer nele”, complementa Flávio Padovan, vice-presidente de Vendas e Marketing da empresa.



Beleza, robustez e precisão

O processo de criação de um sucessor para o Gol começou com uma pergunta simples: por que o carro é um sucesso de vendas, líder do mercado há 21 anos? “Era preciso entender isso antes de mais nada, e para tanto estudamos muitas alternativas”, diz Gerson Barone, gerente de Design e Package da Volkswagen do Brasil. “Na realidade, nunca deixamos de estudar a evolução do Gol, porém a decisão de mudá-lo efetivamente foi tomada no final de 2004 “.

Alguns pontos seriam essenciais no conceito do Novo Gol:

- Como e onde o carro deveria evoluir no conforto e espaço para os ocupantes;

- Também deveria estar de acordo com as necessidades atuais e futuras da família brasileira;

- Era preciso transferir do modelo atual para o novo as sensações que pertencem à natureza deste carro, em especial a robustez;

- O carro teria de ser compacto, vibrante, moderno e ousado;

- Continuar sendo um Volkswagen na essência: ter a consagrada tecnologia alemã, mas trazendo o verdadeiro sabor do tempero brasileiro;

- Numa comparação, incorporar ao novo Volkswagen a imagem de um modelo de alta tecnologia, porém muito simples e de design duradouro.

Em meio a essas premissas, uma se impôs como desafio: a precisão nos detalhes. Todas as folgas entre partes fixas e móveis da carroceria teriam que ser mínimas, seguindo o padrão mais elevado de qualidade da marca. Afinal, o conceito de construção de um Volkswagen é o mesmo em qualquer parte do mundo, desde os veículos mais luxuosos até os de entrada.

Como exemplo, a folga no contorno das portas do Novo Gol têm 3,5 mm, uma medida próxima à do Phaeton, o carro mais luxuoso da marca. A região do encontro das lanternas traseiras com a lateral do veículo tem folgas constantes de 0,5 mm, com o objetivo de satisfazer o desejo utópico dos designers de criar um veículo sem divisões e folgas percebidas pelo cliente. “Olhamos o carro como uma obra de arte”, compara Barone.

O processo de criação do Novo Gol começou com maquetes feitas pela equipe de Design & Package da Volkswagen do Brasil, em São Bernardo do Campo, sob o comando de Gerson Barone, gerente dessa área. Dois temas foram enviados ao Centro de Design da Volkswagen em Potsdam (Alemanha), e o melhor deles recebeu retoques de aperfeiçoamento do brasileiro Luiz Alberto Veiga, criador do Fox e chefe da equipe de designers brasileiros no local.

Antes de ganhar suas linhas definitivas, o projeto do Novo Gol recebeu também um leve refinamento nos estúdios de design da empresa em Wolfsburg, passando pelas mãos do italiano Walter de’Silva, designer-chefe do Grupo Volkswagen (que assina projetos como Scirocco, Audi Q7 e Seat Ibiza), e do alemão Klaus Bischoff, diretor de Design da marca Volkswagen.

O resultado do desenho do Novo Gol é uma “silhueta rápida, dinâmica, em cunha, robusta e esportiva”, nas palavras de Barone. A dianteira apresenta contornos avantajados, conferindo ao modelo um ar imponente e uma forte estabilidade visual, desenhada com proporções mais horizontalizadas, remetendo às raízes da marca e, principalmente, a algumas fortes características da primeira geração do Gol.

A traseira cai abruptamente, rápida, tipo “fastback”, com as mesmas intenções de proporções estabelecidas na dianteira. As lanternas, de motivo agora retangular, são postadas estrategicamente nas extremidades, trazendo um pouco do modelo da primeira geração.

Apesar das dimensões compactas, como comprimento total de 3.899 mm, o coeficiente aerodinâmico (Cx) do novo Gol é 0,34 e a sua área frontal mede 2,01 m², o que resulta no produto Cx x A de 0,683 m². O Cx foi determinado em computador e confirmado no túnel de vento da Volkswagen, em Wolfsburg.

A forte linha de caráter — a pequena dobra a aproximadamente meia-altura que se estende por toda a lateral e está presente desde o primeiro Gol, em 1980 — foi desenhada com raio muito pequeno e ângulo extremamente agudo, o que constituiu um desafio para a Manufatura, dada a dificuldade em estampar a peça. Mas as linhas de produção conseguiram realizar o sonho dos designers com esmero e precisão.

O visual da traseira foi concebido de maneira a realçar os dois grupos óticos, complementado pelo defletor de ar (aerofólio) integrado à tampa traseira, numa só unidade estampada. Com isso obteve-se um ar elegante e, ao mesmo tempo, robusto. Mais do que o aspecto visual, o defletor de ar contribui efetivamente para a redução do arrasto aerodinâmico do Novo Gol.

Quanto às dimensões externas, o carro cresceu em altura (37 mm) e largura (5 mm), proporcionando mais conforto aos ocupantes. No interior, houve ainda ganho de espaço para as pernas (19 mm na frente e 14 mm atrás), apesar de o comprimento do veículo ser 32 mm menor, graças ao posicionamento transversal do motor.

Quinze meses antes do início de produção do Novo Gol foram definidas as cores externas, os cromados, os revestimentos e os tapetes, entre outros itens. As cores externas são: branco Cristal, vermelho Flash, cinza Urano e preto Ninja, sólidas; prata Light e cinza Vulcan, metálicas, e vermelho Radiante, especial para o lançamento.

Assim como o exterior, o conjunto interno do Novo Gol foi totalmente redesenhado. O novo painel de instrumentos combina linhas orgânicas, arredondadas, e formas geométricas. Exclusivo no segmento, o painel da versão Power tem duas cores (Antracite e Cool Gray) e detalhes destacados na coloração Moon Silver. Esses detalhes, aliás, também estão presentes nas demais versões, facilitando o acesso do motorista aos comandos.

As teclas e os ícones do painel têm informações concisas e de fácil compreensão. O instrumento combinado tem grafismo técnico e balanceado, que favorece a precisão com rápida leitura. Todas as escalas – de velocidade, combustível, temperatura e conta-giros – são indicadas por ponteiros. Já as informações adicionais são exibidas por um único display frontal ao motorista, o I-System, de fácil assimilação.

As laterais das portas foram renovadas e permitem a aplicação de tecido em todas as versões. Os bancos ganharam novos tecidos, mais agradáveis ao toque, e nova forma, mais ergonômica, além de um porta-revistas nas costas da versão Power. Os tecidos foram escolhidos para aliar tecnologia e bom gosto.

Na versão de entrada do Novo Gol, o tecido Tear Crepe Cinza dos bancos foi combinado à malharia Attraction, bastante atraente, como diz o nome. Com brilho acentuado, os fios coloridos dos bancos foram cuidadosamente combinados com os detalhes internos em Moon Silver, valorizando a forma das peças.

Já o pacote Trend se diferencia ainda pela combinação do Moon Silver com as peças cromadas de efeito acetinado, também presentes na versão Power, que exigiram extremo cuidado com a superfície e os ajustes.

O tecido Spacer Cinza, usado na versão Power, é caracterizado por efeitos em relevo que fazem referência ao mundo dos esportes. O cromo também está presente no revestimento interno do modelo, reforçando a qualidade do acabamento.

A logotipia do nome “Gol” e da motorização, em itálico, traduz dinamismo, seguindo as mais modernas tendências da Volkswagen, presentes no Scirocco e no Passat CC. Já as logotipias das versões surgem adesivadas nas portas, como uma grife.


ERGONOMIA

NOVO GOL OFERECE POSIÇÃO DE DIRIGIR MAIS ALTA E GANHO EM ESPAÇO INTERNO

No momento de criar o “package” (interior) do Novo Gol, os designers começaram pelo ponto “H” dianteiro, que indica a localização dos quadris dos ocupantes do banco em relação à carroceria: foi possível aumentá-lo em 29 mm. Na traseira, o mesmo ponto “H” foi colocado numa posição 11 mm mais elevada.

Combinada com a maior altura interna, a alteração nos pontos “H” proporcionou mais espaço para os passageiros, mesmo com a distância entre eixos 5 mm menor da nova plataforma. “Foi um trabalho minucioso, com grande efeito para os ocupantes do veículo”, diz Gerson Barone, gerente de Design e Package da Volkswagen do Brasil.

Vale ressaltar que, com 2.465 mm, a distância entre eixos do Novo Gol é a maior da categoria. São também superiores à concorrência as bitolas dianteira e traseira. Um ganho apreciável, e que logo é notado pelo motorista, é a maior visibilidade.

Em resumo, em relação ao Gol atual, o maior espaço interno do Novo Gol se expressa por meio de:

- 7 mm para a cabeça no banco dianteiro;


- 19 mm para as pernas na frente;
- 17 mm para a cabeça no banco traseiro;
- 14 mm para as pernas no banco traseiro; e
- 44 mm para os joelhos também no banco traseiro.

Na versão Gol 1.6 Power, a direção é hidráulica de assistência regressiva de série, bem como o ajuste do volante em altura e profundidade, itens opcionais nas outras versões (Gol 1.0 e Gol 1.6).

Os bancos dianteiros do Novo Gol são mais aconchegantes e com maior apoio lateral, os melhores em seu segmento. Além disso, os materiais foram aprimorados e ganharam novas padronagens. Regulagem de altura do banco do motorista e dos cintos dianteiros são de série em todas as versões.

Para facilitar a entrada e a saída, as portas dianteiras e traseiras do carro abrem-se em grande ângulo: 68 graus. As dianteiras possuem dois pontos intermediários de parada, a 29°30' e a 49°, enquanto as traseiras têm uma parada a 40°30'. A solução é a mesma do Fox e do Polo.

Os pontos intermediários são de grande conveniência quando há pouco espaço para abri-las. E, mesmo com o carro estacionado com inclinação lateral de até 20%, as portas se mantêm abertas, graças a um limitador exclusivo na categoria.

A porta do motorista conta com interruptor de luz de cortesia. Os pedais possuem carga bem baixa para serem acionados graças ao comando de embreagem hidráulico e ao acelerador eletrônico. O mesmo ocorre com a alavanca da caixa de câmbio, com igual tipo de acionamento. São detalhes importantes no tráfego denso das cidades brasileiras para proprocionar mais conforto ao motorista.




INTERIOR

FUNCIONALIDADE E ACABAMENTO CUIDADOSO SÃO DESTAQUES DO INTERIOR DO MODELO

Além de aumentar o espaço disponível para os ocupantes, o interior do Novo Gol foi projetado para proporcionar um ambiente agradável e de visual moderno, com materiais de qualidade e um acabamento cuidadoso. Mais moderno e elegante, o novo painel é bicolor e conta com velocímetro, medidor analógico da quantidade de combustível e termômetro do líquido de arrefecimento em todas as versões.

O interruptor do pisca-alerta fica no centro do painel, ao alcance do motorista e do acompanhante. O quadro de instrumentos traz hodômetro digital totalizador e parcial. O conta-giros é de série no Novo Gol 1.6 Power e opcional nas demais vesões (Gol 1.0 e Gol 1.6). A sustentação do painel é feita por suporte próprio dedicado, a exemplo do Fox e do Polo. O amplo porta-luvas tem 4,3 litros de capacidade.

O cuidado com o acabamento reflete-se no fato de toda e qualquer cabeça de parafuso no habitáculo, mesmo na versão básica, ser coberta por capa, o que confere ótimo aspecto visual. O temporizador do limpador de pára-brisa é de série no Gol Power e opcional nas outras duas versões, mas todas contam com o útil acionamento “uma-varrida”.

Outro item de conforto e praticidade é o grande número de porta-objetos no interior do Novo Gol. A versão Power, por exemplo, oferece oito porta-objetos: um em cada porta, um na lateral externa do banco do acompanhante, dois no console (também presente em todas as versões) e um na tampa de acesso à caixa de fusíveis, sob o painel e à esquerda, adequado para deixar um telefone celular.

A versão Power contém ainda uma bolsa para revistas no encosto do banco dianteiro direito e porta-copos dianteiro e traseiro. As demais versões possuem também o porta-copos dianteiro.

Internamente, o Novo Gol Power se diferencia também pelos aros dos instrumentos e dos difusores de ar cromados, que nas outras versões têm cor cinza, bem como pela iluminação para os espelhos dos pára-sóis e pelas capas nos trilhos dos bancos dianteiros que se estendem ao espaço traseiro.

O volume do porta-malas do Novo Gol manteve-se igual ao do Gol atual: 285 litros com o porta-pacotes em posição normal. O modelo oferece como opcional bancos traseiros bi-partidos com acesso ao porta-malas, que é totalmente revestido em todas as versões.




SEGURANÇA,_DURABILIDADE_E_TECNOLOGIA_CONSTRUTIVA'>DESENVOLVIMENTO

NOVO GOL APRESENTA ALTOS NÍVEIS DE SEGURANÇA, DURABILIDADE E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA

Para o desenvolvimento do Novo Gol, as áreas de engenharia da Volkswagen do Brasil e da matriz da empresa, na Alemanha, utilizaram os mais modernos recursos de tecnologia da informação. A carroceria do modelo, incluindo sua rigidez estática e dinâmica, foi traçada primeiro em CAE (Computer-Aided Engineering). O mesmo recurso foi utilizado para simular testes de impacto dianteiro e traseiro, cujos resultados foram confirmados por testes reais (crash-tests).

Para que o modelo tivesse configuração de motor transversal, uma nova e exclusiva plataforma foi desenhada, tendo como base a consagrada plataforma do Polo. A eficácia do CAE no projeto da carroceria do Novo Gol permitiu altos níveis de desempenho, com um número reduzido de protótipos. Desse modo, com tecnologia de ponta, vários meses foram poupados no desenvolvimento do Novo Gol.

A tecnologia da informação serviu também para avaliar a segurança dos passageiros do Novo Gol. Simulações de impacto dos ocupantes contra o painel dianteiro, por exemplo, colaboraram para o alto nível de proteção em caso de colisão. Os recursos tecnológicos foram usados para a análise da dinâmica veicular, inclusive o chamado elastocinematismo, que é o comportamento da suspensão sob a ação de forças de deformação em elementos metálicos e buchas.

A Volkswagen também analisou exaustivamente o comportamento dinâmico do Novo Gol, como as condições e tendências ao subesterço ou ao sobreesterço, permitindo definir os parâmetros de suspensão e rodas que deixam o veículo seguro em qualquer situação, só com o motorista ou completamente carregado. Até a resposta de direção foi analisada em computador.

Posteriormente, assim como nos testes de impacto, todas as predições foram checadas e confirmadas em avaliações reais, em pista. O projeto da estrutura do Novo Gol o levou a uma elevada rigidez torcional estática e dinâmica, sem ocasionar grande aumento de peso.

A freqüência vibratória da carroceria do Novo Gol pode ser comparada à de veículos de categorias superiores, como o Polo. A rigidez da coluna de direção tem sua freqüência natural acima da freqüência do motor em marcha-lenta. Desse modo, o Novo Gol não apresenta a desconfortável trepidação de volante quando o motor está funcionando em marcha-lenta.


SEGURANÇA

CARROCERIA MAIS RÍGIDA; AIRBAGS E ABS COMO OPCIONAIS

O Novo Gol também é destaque em segurança. Além de uma carroceria mais rígida, o modelo oferece como opcional para todas as versões freios com sistema ABS 8.2, inéditos no Brasil, e airbags frontais com bolsas de 60 litros para motorista e acompanhante. Seja com freios convencionais ou com o sistema ABS, o Novo Gol é “best-in-class” em frenagem em sua categoria: é o modelo de entrada que usa o menor espaço para parar completamente: de 100 km/h para 0 km/h em 44,6 metros.

Quanto à segurança passiva, o Novo Gol oferece longarinas dianteiras com deformação programada para absorção modulada da energia dos impactos em zona totalmente fora do habitáculo. Além disso, a carroceria obteve mais 55% de rigidez estática e mais 20% de rididez dinâmica. O capô possui linha de fragilização para dobrar e evitar que, numa colisão frontal, atinja o pára-brisa e/ou invada o interior do veículo.

Na traseira, além de haver também uma zona de deformação programada, há uma integridade estrutural específica para proteger o tanque de combustível em caso de impacto pela retaguarda.

Cuidado especial foi tomado com a aeração interna, otimizada por meio do uso do software Computer Fluid Dynamics, que simula o que acontece nos dutos e saídas de ventilação com o carro em movimento. A área de desembaçamento do pára-brisa é bastante regular, resultando na redução do tempo de desembaçamento sob condições críticas em 30%.

A distribuição do ar é melhor e mais precisa, dentro do mesmo conceito já existente no Fox e no Polo. O resultado é uma sensação de bem-estar inigualável no segmento. Foi dada atenção especial aos controles do ar-condicionado, cujo acionamento é mais leve e preciso.

O condensador do ar-condicionado é 60% maior, graças ao motor transversal, com filtro integrado, gerando maior eficiência e aproveitamento de espaço. O compressor é de nova geração, o que resulta em menores inércia e ruído.


DURABILIDADE

NOVO GOL ENFRENTA CONDIÇÕES CLIMÁTICAS EXTREMAS

O Novo Gol rodou 2 milhões de quilômetros em testes que incluíram durabilidade e provas de qualidade (validação). Os testes ficaram a cargo exclusivamente da Engenharia da Volkswagen do Brasil, mesmo nas rodagens realizadas na Europa, na África e nos Estados Unidos.

Nas diversas condições climáticas a que foi submetido, o modelo enfrentou desde condições de calor e secura extremas, no deserto africano, com temperatura ambiente de 51°C, até o frio e a umidade intensas da região do Ártico, a 28°C negativos. Também foram realizados testes em câmara climática, com temperatura de até 40°C negativos. Com isso, o Novo Gol está apto a rodar em qualquer mercado, confirmando sua vocação para a exportação.


TECNOLOGIA CONSTRUTIVA

DETALHES ÚNICOS NO SEGMENTO CRIAM NOVOS PARADIGMAS

O Novo Gol chega para estabelecer novos paradigmas de tecnologia de desenho e construção de automóveis, especialmente entre os carros de entrada. Há no Novo Gol detalhes construtivos únicos no seu segmento. O interior dos pára-lamas é revestido com uma capa de plástico polipropileno de maneira a evitar golpes de pedras na chapa e assim reduzir o ruído, bem como proporcionar proteção adicional contra corrosão.

Os cuidados chegam a detalhes importantes, como o defletor para direcionar o ar frontal para cada freio dianteiro. Em cada arco de pára-lama existe um pequeno defletor na parte anterior, antes da roda, que, em conjunto, baixam o coeficiente aerodinâmico do Novo Gol em 0,014.

Na seção dianteira, toda a chapa frontal – incluindo grade, faróis, radiador e seu suporte – é removível, sendo que os itens são aparafusados por flanges às longarinas. Assim, no caso de uma batida o reparo pode ser realizado com bastante facilidade e rapidez, sem a necessidade de corte e solda, evitando-se também vestígios do conserto que podem desvalorizar o veículo.

Todas as partes internas da carroceria cobertas por superfícies móveis têm o mesmo acabamento da pintura externa, evitando-se que essas partes sejam pintadas em “primer” ou em tonalidade diferente da cor do veículo.

O Novo Gol também incorpora valor em:

- Cuidado com superfícies internas que são visíveis quando se abrem partes móveis, as chamadas “zonas cinzas”. Partes como o vão das portas na coluna central e da porta traseira na região da caixa de roda têm visual liso e perfeito, deixando imperceptível o forte repuxo de chapa nessas regiões.

- Limitador das portas traseiras encapsulado para evitar ruído de vento e entrada de poeira.

- Dobradiças de porta aparafusadas em vez de soldadas, melhorando a reparabilidade. Além disso, o perfil da dobradiça é em aço de alta resistência, para participação efetiva nos resultados dos testes de impacto.

- As folgas entre partes móveis e fixas são mínimas, mesmo quando comparadas com veículos de segmentos superiores aos do Novo Gol.

- O destravamento das portas é feito pela maçaneta interna com apenas um movimento, não sendo mais necessáro o acionamento do pino de travamento das portas.

- Encapasuladas, as fechaduras são as mais modernas do Grupo Volkswagen, trazendo mais conforto para abertura e fechamento, assim como mais segurança contra arrombamentos.

- Os cilindros das fechaduras, quando forçados com chave que não é do carro ou “micha”, giram soltos graças um sistema de embreagem, mas voltam a funcionar normalmente com a chave correta.

- Os bicos dos esguichadores do lavador de pára-brisa são fixados por dentro do capô, não sendo visíveis externamente.

- São usados selantes expansivos nos furos dos perfis da estrutura para saída do ar quando a carroceria é submersa no tanque de fosfatização, etapa que precede a pintura de acabamento. No processo, o selante é aplicado e, quando submetido por 10 minutos à temperatura de 170 °C (a mesma usada para a secagem da tinta), se expande e solidifica, proporcionando vedação perfeita. Evita-se, assim, entrada de poeira e água nos perfis com conseqüente eliminação de ruídos.

- O conjunto motor-câmbio/diferencial utiliza o conceito de suspensão pendular — como se estivesse “pendurado” — que contribui para reduzir bastante a transmissão de vibração para o interior do veículo. Para controlar os movimentos do conjunto em relação às acelerações e desacelerações bruscas, há sob ele uma barra ligando-o ao subchassi um restritor de torque. A peça é de alumínio forjado torcido, uma exclusividade do Novo Gol em seu segmento, para maior resistência.

- Os suportes dos coxins do conjunto motor-câmbio/diferencial são de alumínio e foram desenvolvidos no Brasil.

- O eixo traseiro que forma a suspensão interdependente do Gol 1.0 é feito de aço estampado de 5 mm de espessura, e de 6 mm quando equipado com a direção hidráulica opcional, o mesmo ocorrendo na versão 1.6.




MOTOR, CÂMBIO E CHASSI

CONJUNTO MOTRIZ DÁ AO NOVO GOL O MELHOR DESEMPENHO E DIRIGIBILIDADE DA CATEGORIA

O Novo Gol já nasce com os motores EA-111 VHT (Volkswagen High Torque) Total Flex, que também passaram a equipar os modelos da linha 2009 da Volkswagen. O motor 1.0 litro VHT é o mesmo presente no Fox. O motor 1.6 litro VHT equipa também os modelos Fox, CrossFox, Polo, Polo Sedan e Golf.

O conceito VHT foi desenvolvido para o Novo Gol, mas a Volkswagen do Brasil decidiu estendê-lo aos outros modelos em razão dos resultados obtidos nos testes: torque excepcional, baixo consumo de combustível e redução nas emissões. O ganho de eficiência foi alcançado por meio de um trabalho de aperfeiçoamento feito pela Engenharia de Motores da Volkswagen do Brasil.

Os motores da família EA-111, produzida na fábrica de São Carlos desde o final de 1995, se caracterizam pela modernidade de projeto e dos métodos de construção. Por exemplo, é o primeiro motor produzido no Brasil que emprega o sistema de fratura da cabeça da biela, que garante extrema precisão de montagem na árvore de manivelas, um sistema adotado pelos principais fabricantes do mundo.

No Novo Gol, a troca de óleo do motor deverá ocorrer a cada 15.000 km ou 1 ano de uso, prevalecendo o que ocorrer primeiro. É preciso apenas observar a recomendação quanto ao óleo, que deve ser 100% sintético, de classificação API SL e viscosidade 5W-40.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal