Dosagem do ferro



Baixar 55.53 Kb.
Encontro16.01.2018
Tamanho55.53 Kb.

Inserir o nome do Laboratório

Procedimento Operacional Padrão

DOSAGEM DO FERRO

Página de

POPBIO 030

Revisão: 00




FERRO-PP
FUNDAMENTO

Em meio ácido, o ferro ligado á transferrina se dissocia em íon férrico que é reduzido a íon ferroso por ação do ácido ascórbico.

Com a adição do cromógeno ferrozina forma-se um complexo de cor magenta brilhante, cuja absorbância medida em 560 nm é proporcional á concentração de ferro na amostra.
APLICAÇÃO CLÍNICA

A dosagem do Ferro no soro é empregada para avaliar as diversas causas de diminuição e de aumento do ferro sanguíneo. Valores diminuídos: anemias, infecção crônica, processos malígnos, menstruação, nefrose. Valores altos: hemocromatose, talassemia, hepatite virótica.


AMOSTRA

Preparo do Paciente

O sangue deve ser colhido em jejum e pela manhã. O ritmo circadiano afeta as concentrações de ferro, sendo que os valores á tarde são menores com a diferença podendo atingir a 30%.



Amostras utilizadas

Soro.


Para controle terapêutico, é aconselhável colher a amostra sempre no mesmo horário, devido a variações diurnas do ferro sérico.
Estabilidade e armazenamento da amostra

O analito é estável por 6 dias entre 2-8 °C.



Volume ideal utilizado para análise

(Definir o volume ideal a ser encaminhado para análise).



Volume mínimo utilizado para análise

(Definir o volume mínimo a ser encaminhado para análise).



Critérios para rejeição da amostra

Não usar soros hemolisados e fortemente lipêmicos.



Fazer referência ao manual ou POP de coleta, separação e distribuição de material.
REAGENTE UTILIZADO

FERRO PP CAT. 438 MS 80022230079

GOLD ANALISA DIAGNÓSTICA LTDA

CNPJ – 03.142.794/0001-16

Av. Nossa Senhora de Fátima, 2363

Belo Horizonte – MG – Brasil
Farmacêutica Responsável: Ludmilla Parreiras Campos CRF-MG 5463
Componentes do kit

Conservar entre 2-8ºC.

1. Calibrador - Preparação de soro bovino liofilizado com concentração de ferro indicada no rótulo do frasco. O valor da concentração de ferro do Calibrador é rastreável ao método de referência proposto pelo CLSI.

2. Tampão - Contém tiouréia 30 mmol/L e surfactantes em tampão pH 4,5 400 mmol/L.

3. Ferrozina - Contém ferrozina 10 mmol/L e acido ascórbico 32,6 mmol/L em tampão 50 mmol/L pH 4.
Estabilidade

Os reagentes são estáveis até o vencimento da data de validade impressa no rótulo do produto e na caixa quando conservados na temperatura recomendada, bem vedados e se evite a contaminação durante o uso.



Precauções e Cuidados Especiais

  1. Aplicar os cuidados habituais de segurança na manipulação dos reagentes e amostra biológica.

  2. De acordo com as instruções de biossegurança, todas as amostras devem ser manuseadas como materiais potencialmente infectantes.

  3. Recomendamos o uso das Boas Práticas de Laboratórios Clínicos para a execução do teste.

  4. Descartar os reagentes e as amostras de acordo com as resoluções normativas locais, estaduais e federais de preservação do meio ambiente.



EQUIPAMENTOS


Procedimento Técnico Manual

  • Espectrofotômetro (leitura em 560 nm ±20 nm);

  • Banho-Maria mantido a 37°C;

  • Tubos e Pipetas;

  • Cronômetro.


Procedimento Técnico Automatizado

Citar nome, modelo e o local onde se encontra o equipamento; Fazer referência ao manual ou POP para utilização do mesmo.


Procedimento Técnico Alternativo

Citar o equipamento alternativo e os procedimentos para medição dos ensaios. Indicar as possíveis diferenças quando os procedimentos manuais substituírem os procedimentos automatizados.


Procedimento em Analisadores Automáticos

Mencionar o manual ou POP para utilização do equipamento analítico. Anexar o guia de aplicação dos reagentes para o sistema automático.


Influências Pré-Analíticas

Os fatores pré-analíticos são causas importantes de determinações incorretas de ferro sérico, sendo que a contaminação pode ocorrer na coleta, no transporte e no processamento da amostra.

A concentração de ferro no sangue pode ser alterada em função da idade, sexo, período menstrual, uso de contraceptivos orais e de estrogênios.

Interferências


A bilirrubina até 20 mg/dL e lipemia (triglicérides até 1000 mg/dL) não produzem interferências significativas.

A hemoglobina produz resultados falsamente elevados.



PROCEDIMENTO


Procedimento Manual

Notas:

1-O material usado no procedimento deve estar completamente isento de ferro. Recomenda-se utilizar material descartável ou lavado com ácido nítrico a 50 % (v/v) ou detergente iônico. Lavar a vidraria com bastante água corrente e enxaguar com água deionizada para evitar a obtenção de resultados incorretos devido à contaminação com traços de ferro.

2-O uso de detergente iônico para limpeza da vidraria é uma fonte de contaminação com ferro.


A - Condições de Reação

Leitura: Comprimento de onda 560 nm (540 a 580 nm)

Medida: Acertar zero de absorbância com água deionizada na 1°leitura e com tubo Branco na 2° leitura.

Tipo de Reação: Ponto Final.


Preparo do Calibrador

1-Abrir cuidadosamente o frasco de Calibrador (1). Usando uma pipeta volumétrica calibrada, adicionar ao frasco do Calibrador 3,0 mL de água deionizada/destilada.

2-Fechar o frasco com a tampa e deixar em repouso por 30 minutos.

3-Misturar por inversão suave, evitando a formação de espuma. Antes de usar, homogeneizar suavemente.

4-Estável por 5 dias se conservado bem vedado entre 2-8°C e 30 dias na temperatura de 8°C negativos.

5-O Calibrador dissolvido deverá ser mantido fora da temperatura recomendada somente pelo tempo mínimo para retirada do volume de análise.


B-Técnica de Análise
1-Identificar 3 tubos com “Branco”, “Teste” e “Calibrador” e proceder:



Tubos

Branco


Teste

Calibrador



Tampão (2)

800 L

800 L

800 L

Calibrador (1)



--------

100 L

Soro



100 L

-----

Água deionizada

100 L



-----

2-Homogeneizar e fazer as leituras fotométricas do Calibrador e do Teste em 560 nm ou filtro verde (540 a 580 nm), acertando o Zero de absorbância com água deionizada.

A primeira absorbância do tubo Calibrador será AC1 e a do teste será AT1.

Tubos

Branco

Teste

Calibrador

Ferrozina (3)


200 L

200 L

200 L


3-Homogeneizar e incubar a 37°C por 5 minutos.

O nível de água do banho-maria deve ser superior ao nível dos reagentes nos tubos.

4-Fazer as leituras fotométricas do Calibrador e do Teste em 560 nm ou filtro verde (540 a 580 nm), acertando o Zero de absorbância com o Branco. A segunda absorbância do tubo Calibrador será AC2 e a do Teste será AT2.

CÁLCULOS


Ver Linearidade.

Como a metodologia obedece a lei de Lambert-Beer, pode-se efetuar os cálculos através do Fator de Calibração (FC).

∆C= (AC2 – AC1)

∆T= (AT2 – AT1)

CC= Concentração do Calibrador em µg/dL( ver valor no rótulo do frasco)

CT = Concentração do Teste em µg/dL

FC = CC ÷ ∆C

CT = FC × ∆T


Atenção

Antes de calcular a concentração de ferro dos testes, corrigir as primeiras leituras (AC1) do Calibrador e do Teste (AT1) da seguinte maneira:

Volume total da primeira leitura (A1) = 900 µL

Volume total da segunda leitura (A2) = 1100 µL

Fator de correção da primeira leitura (A1) = 900 ÷ 1100 = 0,82
Exemplo

Se CC = 245 µg/dL

Se AC1 corrigida = 0,018 × 0,82 = 0,015

Se AC1 = 0,018

Se AC2 = 0,116

Se AT1= 0,030

Se AT1 corrigida = 0,030 × 0,82 = 0,025

Se AT2 = 0,088

∆C= (AC2 – AC1) = (0,116 – 0,015) = 0,101

∆T= (AT2 – AT1) = (0,088 – 0,025) = 0,063

FC = CC ÷ ∆C = 245 ÷ 0,101 = 2426

CT = FC × ∆T = 2426 × 0,063 = 153 µg/dL




Atenção

• Esta técnica de dosagem é adequada para fotômetros cujo volume mínimo de solução para leitura é igual ou menor do que 900 µL.

• O analista sempre deve fazer uma verificação da necessidade de ajuste do volume para o fotômetro empregado no seu laboratório.

• Os volumes de amostra e de reagente podem ser modificados proporcionalmente, sem alterar o desempenho do teste e os cálculos. Em caso de redução dos volumes é necessário observar o volume mínimo de leitura fotométrica.

• Volumes da amostra menores do que 10 µL são críticos em aplicações manuais e devem ser usados com cautela por que aumentam a imprecisão da medição.

RESULTADOS


Fator de Conversão de Unidades (µg/dL para SI)

µmol/L de Ferro = µg/dL de ferro × 0,179



CONTROLE DA QUALIDADE

Materiais

Identificar os materiais de controle interno e externo da qualidade, citando fabricante e número de catálogo.

Referenciar POP para limpeza e secagem dos materiais utilizados.

Controle Interno

Descrever a calibração periódica de pipetas, equipamentos utilizados, controle de temperatura ambiente e geladeiras para armazenamento dos kits.

Citar a utilização de soros controles (nível normal –código --------- e patológico –código -------) nas análises realizadas juntamente com a freqüência da utilização dos mesmos. Descrever o procedimento de verificação de novos lotes de controles e reagentes.

Citar POP para controle interno.



Controle Externo

Descrever os procedimentos utilizados nas avaliações de qualidade feitas por programas de comparação entre laboratórios ou outros controles de qualidade : PNCQ-SBAC e/ou PELM-SBPC



Gerenciamento dos dados obtidos no Controle Interno e Externo

Definir como os dados de controle são arquivados e gerenciados.

Fazer referência ao manual ou POP de garantia da qualidade.

VALORES DE REFERÊNCIA


1-Adultos

Homens (µg/dL)


Mulheres


(µg/dL)

65 – 170

50 - 170

2-Crianças

Recém Nascidos (µg/dL)


Lactentes

(µg/dL)

Pré-escolar e Escolar

(µg/dL)


100 - 250

40 - 100

50 - 120

Estes valores devem ser usados como uma orientação. É recomendado que cada laboratório estabeleça seus próprios valores de referência.
SIGNIFICADO CLÍNICO

O ferro é essencial à maioria dos organismos vivos, pois participa de numerosos processos vitais, desde os processos oxidativos celulares ao transporte de oxigênio para os tecidos. A homeostasia do ferro é regulada principalmente pela absorção e não pela excreção. O ferro é transportado no sangue por uma proteína chamada transferrina e armazenado no tecido, ligado a uma proteína chamada ferritina.

As principais causas de deficiência de ferro no sangue são:

1- Suprimento inadequado, caracterizado por crianças alimentadas com leite.



  1. Aumento da demanda de ferro como ocorre na gravidez e nas crianças nos primeiros 5 anos de vida.

  2. Perda sanguínea, sendo que a menstruação abundante, hemorragias gastro-intestinal, hemorróidas, carcinoma do cólon e parasitoses, são as causas mais comuns desse tipo de deficiência do ferro sérico no adulto.

  3. Combinação das 3 causas 1, 2 e 3 citadas.

As causas mais comuns de aumento de ferro no sangue são: transfusões repetidas, hemocromatose idiopática, cirrose, talassemia e anemia sideroblástica.
LINEARIDADE

A reação é linear até 1000 µg/dL. Para valores maiores, diluir a amostra com solução de NaCL 150 mmol/L (0,85%) e realizar uma nova determinação. Multiplicar o valor obtido pelo fator de diluição empregado.


SENSIBILIDADE ANALÍTICA

O limite de detecção é igual a 1,25 µg/dL, equivalente a média mais dois desvios padrão (DP) obtidos a partir de 20 determinações em uma amostra protéica não contendo ferro.


LIMITAÇÕES DO MÉTODO

Os resultados deverão ser usados em conjunto com informações disponíveis da avaliação clínica e outros procedimentos diagnósticos.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. Artiss JD, Vinogradov S, Zak B. Clin Biochem 1981; 14: 311-15

  2. Burtis CA, Ashwood ER. Tietz Fundamento de Química Clínica, 4a Ed - Editora Guanabara Koogan SA; 1998.

  3. Itano M. Am J Clin Pathol 1978; 70:516-22.

  4. O Malley J, Hassan A, Schilley J, Traynor H. Clin Chem 1970;16:92.

  5. Stookey L. Anal Chem 1970;42:779-81.

  6. FERRO-PP, Instruções de Uso, Gold Analisa Diagnóstica.







Nome

Assinatura

Data

Elaborado por:







___/___/___

Aprovado por:







___/___/___

Implantado por:







___/___/___

Substitui POP:




Revisado por:







___/___/___

Desativado por:







___/___/___

Razão:







Número

Destino

Cópias








Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal