Edital de pregão presencial nº



Baixar 0.98 Mb.
Página8/8
Encontro10.02.2018
Tamanho0.98 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8

1 -BOTOEIRA INTELIGENTE



1.1 Definição:
1.1.1 A Botoeira é constituída por um módulo de comando, formado por placa de circuito impresso, com microprocessadores, sintetizador de voz, fonte de alimentação com proteções elétricas, terminais de ligação, amplificador de áudio, e demais componentes eletrônicos acondicionados em um uma caixa plástica de ABS injetado, hermeticamente vedada e protegida, nas dimensões 147x97x36mm (comprimento x largura x altura). Os elementos tais como: piezo elétrico, alto-falante, LED indicativo e chave seletora de BIP, estão incorporados no lado periférico do módulo de comando
1.1.2 Principal Função:
1.1.2.1 Orientar a travessia do pedestre em cruzamentos semaforizados, através de mensagens verbais, bem como fornecer o código sonoro (BIP) para deficientes visuais.
1.2 Características Técnicas:
1.2.1 - Proteção Mecânica

1.2.1.1 O corpo da caixa mecânica da botoeira, que acondiciona o modulo eletronico, deverá ser produzido em liga de alumínio, contendo duas partes que se encaixam, tipo base e tampa frontal, sendo a base em formato próprio para acomodação e fixação em coluna cilíndrica de 3 ½ a 5” de diâmetro externo, com furação para passagem dos cabos de controle e fixação por meio de parafuso de ½” com cabeça sextavada. A tampa frontal para fechamento da base, devera ter encaixe justo, com design a prova de chuvas, nas dimensões externas de 270mm x 150mm x 100mm, com acabamento na cor azul royal, em pintura eletrostática micronizada de base polyester.

Sobre a tampa frontal da botoeira deverão estar contido os seguintes elementos:

- Placa de alumínio com Código Braille: Visível e acessível, embutido e gravado na face superior (topo) do corpo da caixa da botoeira inteligente, com a inscrição da seguinte mensagem: “Pressione o botão por 3 segundos”. Área da mensagem 80 x 40mm;

- Botão de acionamento do equipamento, confeccionado em PVC injetado, de cor verde, de fácil substituição, padrão CET/SP;

- Led com diâmetro 5mm, embutido na tampa frontal do corpo da caixa, acenderá sempre que o equipamento for ativado (botão acionado) e enquanto o usuário aguarda a fase verde do pedestre, indicando o processamento das operações.


1.2.2 - Elétrica e Áudio


  • Voltagem: 110 ou 220 Vac – com chave seletora;

  • Alimentação da botoeira: Através do borne de ligação do semáforo de pedestre, por meio do chicote de 9 vias, com um conector de encaixe para conexão junto ao modulo de comando;

  • Potência de saída de áudio: 1Watt;

  • Alto falante: incorporado no modulo de comando, emite mensagens de voz sempre que for acionado e com intervalos de 10 segundos;

  • Piezo Elétrico: incorporado no módulo de comando, sempre que o modo sonoro estiver ativado, deverá emitir um BIP intermitente quando a fase verde de pedestre estiver acesa e um BIP com pulsação acelerada, no entre verde (vermelho piscante).

  • Mensagens sonoras customizadas, gravadas por meio digital em microcontrolador, com sintetizador de voz;

  • Memória não volátil (E2 Prom);

  • BIP: Sinalizador acústico com pressão sonora de 80 dB.

  • Controle de volume interno;


1.2.3 - Código Braille

 

Placa de comunicação, em alumínio natural, visível e acessível, fixada na tampa display, acima do botão de acionamento, com a inscrição da mensagem em sistema braille: “Pressione o botão por 3 segundos”. Área da mensagem 80 x 40mm.




1.2.4 – Comunicação


  • Módulo de comunicação wireless;

  • Comunicação entre duas botoeiras para sincronização do BIP sonoro sem uso do cabo de controle para operação entre dois equipamentos;

  • Alcance para emissão e recepção do sinal entre dois equipamentos: até 20m;

  • Chave seletora no módulo de comunicação para seleção de código identificador de paridade.



1.2.5 - Modo de Operação:
A botoeira inteligente opera em tempo real, como equipamento auxiliar ao grupo semafórico de pedestre, e reproduz em sinal sonoro a informação visual das fases do semáforo de pedestre.
O equipamento opera em dois modos:
MODO EDUCATIVO: Ao pressionar o botão da botoeira, por um tempo menor que 3 (três) segundos, um LED (sinal luminoso), embutido no face da botoeira, ao lado do botão, deverá acender, indicando ao usuário que o comando foi recebido (função de auxílio a deficientes auditivos) e a primeira mensagem educativa então deverá ser emitida verbalmente ao usuário: “Aguarde o sinal verde!”.

A cada intervalo de 10 segundos, enquanto aguarda a fase verde do semáforo de pedestre, a botoeira deverá emitir pelo menos mais duas mensagens educativas, são elas: “Respeite a sinalização” e “Aguarde mais um momento”. Assim que a fase verde do semáforo de pedestre iniciar, o LED (sinal luminoso) deverá apagar-se, indicando que a operação terminou.


MODO SONORO: Configurado basicamente para auxiliar a travessia do deficiente visual, o modo sonoro deverá ser ativado quando o usuário pressionar o botão por tempo maior que três segundos, cuja seguinte mensagem verbal, indicará a confirmação do comando aceito: “Aguarde o BIP sonoro para iniciar a travessia!”. A cada intervalo de 10 segundos, enquanto aguarda a fase verde do semáforo de pedestre, a botoeira deverá emitir pelo menos mais duas mensagens de segurança passiva ao deficiente visual; são elas: “Respeite a sinalização” e “Aguarde mais um momento”.

A botoeira inteligente deverá emitir o BIP sonoro intermitente, modulado em grupos de três (três pulsos em 800 milissegundos por 400 milissegundos de pausa) no início da fase verde do semáforo de pedestre, sendo que a pulsação do BIP sonoro deverá ser constante acelerada em seis pulsos por segundo no entre verde (vermelho piscante),
1.2.6 – Observações


  • A botoeira, NÃO interfere na programação do controlador eletrônico;

  • O tempo do BIP para deficiente visual deverá ser o mesmo tempo previamente programado no controlador para a fase verde do pedestre;

  • Caso o semáforo de pedestre, por alguma falha ou programação, seja desligado, consequentemente a botoeira inteligente também devera permanecer desligada;


ANEXO XVI
Especificação Técnica

1. Lâmpada semafórica de base LED - Veicular



Definição: Conjunto formado por circuito eletrônico dotado de LED´s de alta intensidade, fonte de alimentação própria, proteções mecânicas e elétricas contra curto circuito, choques elétricos, transientes e surtos de tensão, terminais de conexão e demais componentes, que formam um módulo único.
1.1 Proteção Mecânica:


  • Caixa de proteção em ABS injetado, com guarnição apropriada;

  • Grau de proteção IP 65 , à prova de poeira e chuvas;

  • Encapsulamento dos diodos LEDs resistentes a radiação ultra-violeta.


1.2 Lentes:


  • Confeccionada em policarbonato cristal óptico injetado, com proteção UVA;

  • Desenho óptico de direcionamento do foco (ótica secundária);

  • Superfície externa lisa e polida contra o acúmulo de poeira;

  • Diâmetro visível nominal de 200 mm + 5%


1.3 Fixação:


  • Fixação pelo lado interno, facilitando a implantação, substituição ou manuseio do modulo LED, livre de procedimentos especiais ou desmontagem do totem;

  • Seta de indicação do posicionamento impresso na tampa traseira da lâmpada de LED;

  • Presilha de fixação, confeccionada em alumínio (2 mm de espessura), com pressão suficiente para fixação da lâmpada na tampa;


1.4 Tecnologia LED

  • Utilização de tecnologia AIInGaP (Alumínio, Índio, Gálio e Fósforo) para as cores amarelo e vermelho e tecnologia InGaN (Índio, Gálio e Nitrogênio) para a cor verde;

  • Encapsulamento do diodo LED com proteção UVA incolor não tingido



1.5 Características Elétricas e Ópticas


  • Alimentação elétrica nominal do módulo: 80/240 Vca , com tolerância de + 25%, freqüência de 60 Hz;

  • A lâmpada a LED deverá possuir proteção contra transientes e surtos de tensão na alimentação;

  • Qualquer anomalia de um diodo LED não deverá afetar mais que 01 LED existente na placa, ou seja resultar em apagamento ou operação fora dos limites de corrente;

  • Cada modulo deverá conter o mínimo de 80un de LED;




  • A potência ativa máxima de cada modulo veicular, para tensão nominal de 110 Vca, segue:

Vermelho: 10 W

Amarelo : 12 W

Verde : 10 W


  • Intensidade luminosa em cd

Vermelho: 590 cd

Amarelo: 400 cd


Verde: 850 cd



  • Cumprimento de onda de luz dos LEDs:

Vermelho: 625-680 nm

Amarelo: 590-605 nm

Verde: 500-520 nm


  • A lâmpada a LED, deverá operar na temperatura ambiente de –10º C a 70ºC a umidade relativa do ar de até 90º sem prejuízo para seus componentes;




  • Fator de potência da lâmpada a LED deverá ser superior a 0,90.


2. Lâmpada Semafórica de base LED para Pedestre com Contador Regressivo Incorporado

Esta especificação técnica tem por objetivo, determinar os aspectos construtivos do modulo semafórico tipo pedestre com contador regressivo.


O foco vermelho, além do seu pictograma tradicional “boneco vermelho”, deverá adicionalmente sinalizar o tempo do ciclo da fase verde, através de um display numérico, com no mínimo dois dígitos na cor verde, registrando em segundos de forma regressiva o tempo do ciclo restante.

O modulo semafórico pedestre deverá ser constituído com um modulo focal de pedestre “boneco verde” de base LED e um modulo focal de pedestre “boneco vermelho” com contador regressivo de base LED incorporado;



2.1 Modulo focal pedestre a LED

2.1.1 Os módulos focais de pedestre poderão ser construídos por 2 (dois) módulos de LEDs independentes. Na montagem dos focos, todos os módulos deverão estar rigidamente acoplados, de maneira a não permitir deslocamentos, fixados mecanicamente, contendo em cada foco uma pestana própria de alumínio;


2.1.2 A lente visível do pictograma deverá ser obtido diretamente pela disposição dos LEDs sobre a placa de circuito impresso.
2.1.3 A distribuição e ligações em série dos diodos LED (circuito LED) deverão ser feitas de maneira que a falha de um circuito não resulte na desconfiguração do pictograma.
2.1.4 Os diodos LED deverão utilizar tecnologia AlInGaP (Alumínio Índio Gálio Fósforo) para as cores vermelhas e a tecnologia InGaN (Índio Gálio Nitrogênio) para a cor verde.
2.1.5 O encapsulamento do diodo LED deverá ter proteção UVA e deverá ser incolor, não tingido.
2.1.6 A alimentação elétrica nominal do Grupo Focal será de 110 ou 220Vca, com tolerância de ±20% e freqüência de 60Hz ±5%.

2.1.7 A distribuição dos diodos nos circuitos LED do Grupo Focal Pedestre deverá permitir operação normal para a condição de falha de até 10% dos LEDs.


2.1.8 Qualquer anomalia em um diodo LED não deverá resultar em apagamento superior a 5% do total de diodos LED do Grupo Focal.
2.1.9 A potência nominal de cada um dos módulos do Grupo Focal Pedestre deverá ser igual ou inferior a 11W, na tensão nominal de operação.
2.1.10 O fator de potência do Grupo Focal Pedestre não deverá ser inferior a 0,90, quando operada em condição nominal de tensão e temperatura
2.1.11 Os módulos de LED deverão possuir proteção contra transientes, surtos de tensão na alimentação e outras interferências elétricas.

2.1.12 O pictograma “boneco vermelho” deverá permanecer aceso durante todo o ciclo da fase vermelha, com proibição da travessia.


2.1.13 Na fase verde, deverá ficar aceso o pictograma correspondente “boneco verde”, enquanto que no foco superior um display de no mínimo dois dígitos, na cor verde, mostrará o tempo do ciclo restante da travessia, com resolução em segundos, em ordem regressiva.
2.1.14 O tempo mostrado no início de cada período verde deverá ser o tempo aprendido no ciclo anterior;
2.1.15 Intensidade Luminosa


Ângulo Vertical (grau)

Ângulo Horizontal (grau)

Intensidade Luminosa (cd)

Vermelho

Amarelo

Verde

0,0

+ 0,0

110










120





































































2.1.16 Comprimento de onda da cor







COMPRIMENTO DE ONDA ( - nm)

COR




PEDESTRE

VERMELHO




625 – 680

AMARELO




Não Aplicável

VERDE




500 - 520

3. Garantias e Laudos de Ensaios
No ato da entrega dos itens acima, será exigido termo de garantia mínima de 48 meses, bem como laudo de ensaio completo referente ao lote , emitido por laboratório de idoneidade comprovada, que atestem as propriedades indicadas acima para os itens 1 e,2. Os produtos deverão ser entregues selados pelo laboratório responsável pela emissão do laudo. A Prefeitura da Estância Balneária de Praia Grande, se reserva no direito de enviar amostras dos produtos entregues para novos ensaios em laboratórios de sua preferência para dirimir eventuais questões de qualidade técnica e cumprimentos das especificações supra citadas, as expensas do fornecedor.






Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal