EducaçÃo física e mídia: a concepçÃo de corpo e esporte na mídia televisiva



Baixar 71.6 Kb.
Encontro27.04.2018
Tamanho71.6 Kb.




EDUCAÇÃO FÍSICA E MÍDIA: A CONCEPÇÃO DE CORPO E ESPORTE NA MÍDIA TELEVISIVA
Vitor Damião Laurindo

Gisele Franco de Lima Santos


Este trabalho tem por objetivo identificar aspectos relacionados à concepção de corpo e esporte, inseridos na cultura corporal de movimento, transmitidos através dos meios de comunicação de massa, neste caso de um programa da mídia televisiva, direcionado ao público jovem/adolescente. Levantamos a partir de diferentes momentos históricos, concepções filosóficas que induziram e influenciaram, através de interesses ideológicos e econômicos, os pensamentos dos filósofos. Transcorremos também sobre a influência que a televisão exerce devido a sua estrutura e formatos técnicos que “tocam” o nosso emocional, nos tornando alvos passivos e incapazes de realizar uma interpretação crítica dos conteúdos. Para a pesquisa realizamos uma análise das imagens e dos discursos do programa “Malhação”, televisionado pela Rede Globo de Televisão que possui a característica de “merchandising social” para o público jovem. Com isso nos apoiamos em teorias direcionadas para a relação entre Educação Física e Mídia, o que nos dará sustentação para discutir possibilidades de intervenção pedagógicas críticas relacionadas aos valores e aspectos da cultura corporal de movimento transmitidas através das mensagens televisivas. Para a análise das imagens nos baseamos em uma teoria de análise crítica do discurso de Ricoeur (1988), utilizando o vídeocassete para rever as imagens quantas vezes forem necessárias, libertando-nos da leitura “automática” que as imagens televisivas condicionam. A partir das análises encontramos valores pautados no esporte-espetáculo, e no rendimento esportivo que seguem uma lógica econômica mundial e que impõe valores contrários aos abordados. Mas ao mesmo tempo conseguimos encontrar aspectos positivos com relação às concepções filosóficas e valores educacionais levantados, partindo da abordagem sobre o ideal de corpo transmitido pelo programa.
Palavras-Chave: Educação Física, Mídia Televisiva, Corpo

INTRODUÇÃO
Atualmente, ao discutir sobre concepções, devemos levar em consideração os meios pelo qual a humanidade se apóia para construí-las, qual a origem desses valores, e influenciado ou baseado em quais aspectos. A partir do surgimento dos meios de comunicação de massa, principalmente da televisão, passamos a adquirir novos costumes e hábitos, consumindo a ponto de transformar a nossa cultura, tornando uma cultura cada vez mais “televisiva”, “midiática”, que nos fascina diariamente, nos levando a consumí-la cada vez mais, e por isso nos preocupamos com as conseqüências que ela pode causar à cultura corporal de movimento e aos objetivos da Educação Física Escolar.

Historicamente, as concepções sobre a cultura corporal de movimento foram influenciadas a ponto de distorcerem as teorias filosóficas, formando interpretações movidas por interesses ideológicos e condizentes aos dogmas da igreja. Assim, o cristianismo com o passar dos tempos cede lugar aos interesses econômicos que hoje passam a impor costumes, hábitos e valores influenciados pelas relações comerciais, levando-os ao consumo, além de não se corresponderem com os objetivos educativos e pedagógicos, mas à lógica da economia mundial.

Portanto, o presente trabalho tem como objetivo analisar as concepções de corpo transmitidas no programa “Malhação” da mídia televisiva voltado para o público jovem/adolescente, e refletir a respeito das relações entre a mídia e aspectos da cultura corporal de movimento para possibilidades educacionais através da Educação Física. Para esse tipo de análise transcorremos sobre as concepções de unidade e dualismo relacionados ao corpo, a partir dos interesses que motivaram e influenciaram os pensamentos filosóficos de nossa sociedade no decorrer da história.

Escolhemos o programa televisivo “Malhação” pois é considerado de grande influência para o público de nosso interesse, no qual aborda valores que o levam a se caracterizar como um programa de merchandising social.


1. Concepção de Corpo e História: um Retrospecto Sobre a Gênese do Dualismo

Em nossa pesquisa investigamos as concepções de corpo do homem ao longo da história e verificamos que os corpos sempre correspondem às idéias filosóficas ou ideológicas, que relacionam à sua época no qual o corpo possui marcas e carrega consigo o que lhe foi determinado pelo pensamento vigente. Identificamos a unidade do primitivo, posteriormente o corpo se apresenta como instrumento da alma, depois o corpo dilacerado pelo dualismo e finalmente as tentativas de unificação e o sentido na unidade humana.

As concepções filosóficas de corpo caracterizam um novo momento, na medida em que abre espaços para melhor compreensão do humano em suas relações com o mundo. Mas, na nossa realidade concreta nos deparamos com algumas questões como por exemplo: Como está o corpo? O que poderemos contribuir para interpretar a realidade do corpo transmitidas pela mídia para as aulas de Educação Física? Como os meios de comunicação estão tratando as concepções de corpo? Qual a influência que esses valores podem trazer para a vida do ser humano? E como o profissional da Educação Física pode se utilizar dos meios de comunicação e as concepções (iinfluenciadas por qualquer outro interesse menos o educacional) para uma proposta educacional mais crítica?
2. Os Avanços Tecnológicos e os Meios de Comunicação: O Poder da Televisão

Durante muito tempo já vem sendo realizadas pesquisas, em países considerados de primeiro mundo, mostrando que crianças e adolescentes são telespectadores assíduos, exatamente nas fases mais críticas da formação física e mental do ser humano. E segundo Belloni (apud BETTI, 2003, p.93), a questão agrava-se nos países em desenvolvimento, onde a maioria das crianças e jovens não tem acesso fácil a outros meios de comunicação e bens culturais, como cinema, livros, teatro, museus, internet etc., aumentando a importância da televisão e do rádio.

Esses dados só vêm a reafirmar a desigualdade social presente hoje num país como o Brasil onde a maioria das crianças não possuem acesso a outros meios de comunicação que não seja a televisão aberta e o rádio, agravando as diferenças entre as crianças das elites e as das camadas mais pobres. Consequentemente, crianças menos favorecidas além de não possuírem acesso aos outros meios de comunicação, não possuem subsídios para fazerem um bom proveito do que tem acesso, caindo assim no dinamismo do consumo televisivo.

Betti (2003) também coloca que desde 1995 escolas estão sendo equipadas com antenas parabólicas e videocassetes e os professores incentivados para a utilização desses meios nas aulas. Com isso há um desenvolvimento desses meios para os professores lecionarem, mas as propostas de intervenção crítica para a utilização desses meios nas aulas de Educação Física inexistem. Babin & Kouloumdjian (apud BETTI, 2003, p.93) defendem que:

na era do computador a escola deverá subsistir como um lugar de reagrupamento e comunicação, no qual a individualização e o parcelamento dos conhecimentos vão poder corrigir-se e unificar-se. Porque a multiplicação dos meios de comunicação não leva ao aumento da comunicação entre as pessoas, mas ao aumento das recepções individuais de mensagens, em que cada indivíduo se torna uma esfera receptora auto-suficiente [...] o mundo torna-se um vasto self-service. O professor, pela sua experiência e sabedoria, deve exercer papel de “mediador” entre as mídias e os alunos.
Através de Domingues (2003), podemos perceber que há uma série de ações que evidenciam as intenções de certas emissoras, revistas ou sites, sem explicitar os interesses de quem comanda. Bourdieu chama isso de Fundamentos Ocultos de Dominação, na intenção de desvelar algumas situações que, para quem não está atento, se tornaram normais e/ou até corretas.

verifica-se o aumento crescente da execução de um mesmo tipo de atitude. Essas repetições de gestos e/ou falas de novelas, ou ditados reproduzidos nas mídias, criam uma situação que pode ser denominada “mimeses social” e poderá se constatar como se incorporam os discursos midiáticos no cotidiano das pessoas. Isso é muito próximo do conceito de habitus de Bourdieu, quando há a possibilidade ou necessidade de inserção em grupos determinados. Bourdieu traz uma grande contribuição ao analisar o campo jornalístico, identificando-o como muito semelhante aos outros campos onde o peso comercial é muito maior que qualquer outro fator, importando somente o lucro (NORBERT ELIAS apud DOMINGUES, 2003, p.01).


Nos meios midiáticos, a busca pela audiência – representação e especulação do lucro – torna as mídias (excluindo raríssimas exceções) frívolas, banais, sem conteúdo, com notícias ou reportagens sensacionalistas que, segundo Bourdieu apud Domingues (2003, p.01), lidam com as sensações mais íntimas e primitivas do homem:

Ele as chama de “sensações primárias”. Há ocasiões em que as sensações, a emoção, o riso, o choro, entre outras coisas, são naturais e necessárias. Porém, a mídia utiliza-se dessas fragilidades humanas e literalmente abusa, quando “entope” seus meios com programas, editoriais, reportagens, etc, que retratam crimes, tragédias, sexo, violência (...) Tem-se aí uma contradição. Ao mesmo tempo em que toda essa gama variada de atrações chama a atenção, e muitas vezes, consegue “prender” o espectador em frente ao aparelho - pelo menos por alguns instantes – não há o reconhecimento de que, o que está nas manchetes, na verdade está “do nosso lado”, podendo acontecer a qualquer um. Quando Bourdieu critica os cientistas por sua falta de sensibilidade na pesquisa, percebe que muitos deles não se reconhecem no objeto dos seus estudos. Ou seja, isto não é uma questão, somente, cultural, mas algo que acontece com o ser humano.


Na televisão, Barros (2000, p.113) nos salienta que a seqüência de imagens sufoca a análise interpretativa na qual a construção ininterrupta de sua estrutura cria uma expectativa de surpresa permanente, a mobilidade incessante transforma o olho em órgão de compreensão, supervalorizando a hipótese visual, dispensando a demonstração. Sendo assim a construção mental é vítima do choque, a redução dos intervalos impede o pensamento.

A percepção quase imediata das coisas que vêm animar a tela sem se perturbar com a dúvida ou com a razão, oferecendo figuras cristalinas, permite uma paixão pura, logo irreal, transportando-o para um universo puramente ficcional: a ordem visual. Esse tipo de mensagem, em longo prazo, acaba gerando um novo tipo de receptor, acostumado a perceber sensorialmente a mensagem e atribuir-lhe sentido em função do movimento da imagem (BARROS, 2000, p.113).


Por isso a dificuldade de lidar com a televisão, pois nos faz rir, chorar, sentir livres e ao mesmo tempo presos, e a associação entre imagem e som (faltando apenas o olfato e tato) é algo que os torna, pelo menos em parte, reais, fazendo com que as pessoas se sintam dentro da situação, como a “janela de vidro” de suas casas.

Em entrevista à Rede Cultura, o comunicólogo Jesus Martin-Barbero cita o exemplo do cinema mexicano que revoluciona, culturalmente, o país, devido às produções nacionais e suas respectivas exibições. Diz o autor, que estes acontecimentos derivam do fato de que a população se reconhece no “que vê”.As pessoas gostam de se “ver” na TV (mídia), pois se torna uma maneira de se sentirem representadas. Tem-se, então, a possibilidades de entender a proliferação e “sucesso” de programas do tipo “Reality Show”. Domingues (2003) defende que “esses elementos audiovisuais que são ofertados diariamente, fazem a população pensar que precisam dessas bobagens para viver ou conversar, e assim muitas vezes acabam por incorporá-las, ou como “falas midiáticas”, ou mesmo como ações corporais”.


2.1 A Mídia e suas Relações Econômicas

É difícil para um educador aceitar um mundo no qual o desenvolvimento é baseado em suas relações econômicas, ignorando toda evolução intelectual da humanidade em detrimento da acumulação de capital e poder. Observamos esses valores em Brach (apud OLIVEIRA, 2004, p.03) que defende políticas educativas diferentes nas quais o “alvo seja o social e não o deslocamento das atenções públicas para as exigências do mercado que se impõe como um valor sagrado, de força absoluta e sobrenatural”.

Presenciamos no decorrer dos tempos que antigamente a TV e o rádio se tornaram um meio de reunir a família, pois ficava fácil reunir a família diante de um aparelho que oferece uma grande quantidade de informações e diversidades, e que não questiona nem conflitua as pessoas, nem tão pouco as situações de trabalho ou relações sociais que estão presentes na sua realidade.

Domingues (2003), citando Elias defende que estas são situações que já são consideradas normais, não por assim serem, mas por utilizarem-se de um potencial de poder de um nível de persuasão muito evidente, no qual se torna difícil duvidar de algo que está a tanto tempo divulgado na mídia. Por exemplo: a criação do estereótipo corporal, que deve ser magro, forte, esguio, “riscado”, etc...

No caso do esporte a televisão influenciou significativamente ditando formas, construindo novos significados e modalidades de entretenimento e consumo, que com isso o transformou em “esporte telespetáculo” que Betti (2002, p.29) considera como realidade textual relativamente autônoma em face da prática “real” do esporte, construída pela codificação e mediação dos eventos esportivos efetuados pelo enquadramento das câmeras televisivas a edição das imagens e os comentários e sons (música, efeitos sonoros) que se acrescenta a elas, e que interpretam para o telespectador o que ele está vendo.

Betti (2002) disserta a respeito da “falação esportiva” que possui algumas funções como informar e atualizar sobre os fatos esportivos (profissionais e pessoais), conta histórias das partidas e competições, cria expectativas, faz previsões, explica, justifica, promete emoções, cria polêmicas, constrói rivalidades, e elege ídolos. Através dessas funções, a falação garante a coerência e a continuidade do discurso sobre o esporte, no qual notamos uma “mídia para a mídia”, amarrando os temas e possibilitando à programação esportiva uma continuidade dia após dia.

Através de subsídios financeiros e interesses pessoais e/ou políticos envolvidos, a mídia pode ditar tons necessários para que a notícia fique mais atrativa e o “show televisivo” aconteça. Segundo Domingues (2003, p.01):

O fator manutenção das distâncias entre as classes sociais pelo fator econômico, não é o único a influenciar e direcionar as ações midiáticas”. Os futuros educadores, devem ter em mente o quão importante é a consciência e os valores que são empregados em sua fala, pois nela, deixam-se transparecer seus próprios valores e idéias. O que também ocorre na mídia. Os programas, as propagandas, os editoriais ou sites expressam valores e (pré) conceitos que são intrínsecos a quem os escreve, programa, publica ou edita. Quando se fala sobre a influência da mídia, ou esta influência é negada, tornando-se especulação, ou vem à mente a figura de um “ser maligno, manipulador”.


Vivemos num sistema no qual os valores que aprendemos, seja através da família, escola, nas ruas ou pela mídia, está diretamente ligado aos nossos costumes e ideologias e, consequentemente, ao consumo. Domingues (2003) em seu trabalho se depara com questões como: será que as academias estariam tão lotadas de alunos buscando melhorar a estética? Emagrecer para poder ir para praia com uma “barriguinha sarada”? Será que o consumo de revista, sites ou roupas que ajudam a “melhorar” e “moldar” o corpo, seria tão grande?

Domingues (2003) citando Bourdieu, defende que a pressão sobre a televisão é de ordem econômica, citando as relações entre as grandes empresas e as emissoras de TV nos EUA e na Europa, e que devido a isso são necessárias análises de como se relacionam e como se configuram os campos pois:

nas relações sociais envolvidas no campo da Mídia não existirão apenas programas destinados ao entretenimento da população, e sim “donos” de emissoras e rádios, políticos, empresários, etc, interessados politicamente em ações ou procedimentos (sociais ou econômicos) que demandarão, por parte da sociedade, da população – menos esclarecida e mais facilmente persuadida – ações que serão determinantes, não só para que atinjam seus objetivos, mas também para que uma certa “ordem” seja mantida como está.
Estamos consumindo superficialidades, nas quais a televisão nos mantêm na ignorância reproduzindo conteúdos pautados no sentido de nos distrair e vender, sem se preocupar em nos educar e informar. Através disso presenciamos diariamente essa violência cometida pela televisão que se preocupa em manter essa ordem regente incorporada em nossa cultura. Não pretendemos com isso crucificar a mídia, mas sim, entender como são feitas e desfeitas as relações entre mídia e sociedade para que haja a compreensão dos fenômenos que estão rodeando a população ditando concepções superficiais.
2.2 Educação Física e Mídia: Concepções Teóricas sobre suas Relações

Ao relacionar Mídias-Educação-Educação Física nessa perspectiva adotada por nós se torna necessário uma concepção de Educação Física com ela coerente. Não teríamos motivos para relacionar nossa área com a mídia se considerarmos a Educação Física Escolar como uma disciplina que objetiva desenvolver capacidades físicas e habilidades motoras, ou pela formação de futuros atletas ou ainda que se “responsabiliza pela compensação do sedentarismo presente na vida moderna, e que portanto deve voltar-se para objetivos ligados à saúde, estilo de vida ativo etc., numa visão compensatória/terapêutica” (BETTI, 2003, p.96). Apenas a Educação Física concebida como articulação pedagógica entre vivência corporal/conhecimento/reflexão referenciando-se ao conceito de cultura corporal de movimento, poderá ser pedagogicamente frutífera e relacionar-se criticamente com as mídias.

Portanto, nos apoiamos em Betti (2003) para conceituar Educação Física como sendo “uma disciplina que tem por finalidade introduzir e integrar o aluno na cultura corporal de movimento, visando instrumentalizar e formar o cidadão que possa usufruir, compartilhar, produzir, reproduzir e transformar as formas culturais do exercício da motricidade humana”. Assim, entendemos por cultura corporal de movimento:

a parcela da cultura geral que abrange as formas culturais que se vêm historicamente construindo, nos planos material e simbólico, mediante o exercício (em geral sistemático e intencionado) da motricidade humana -jogo, esporte, ginásticas e práticas de aptidão física, atividades rítmicas/expressivas e dança lutas/artes marciais, práticas alternativas BETTI, 2003, p.97).


Seguindo a lógica de Betti (2003), o professor deve efetuar uma interpretação e um uso crítico das suas possibilidades formativas e informativas, em especial da televisão, a mídia de maior consumo e impacto entre os alunos. O aluno desenvolverá sua capacidade de realizar conexões a partir das informações que ele presencia diariamente, sendo capaz de analisá-las e aprofundá-las.

Considerando o impacto emocional provocado inicialmente nas pessoas é que apenas numa segunda fase é possível ao telespectador racionalizar e refletir criticamente, e é esta fase que educadores deveriam demonstrar preocupação e não ignorar os meios em sua intervenção didática. Por isso Betti (2003, p.95) defende que “conjugar tal linguagem, que mobiliza a afetividade e a intuição, com a racionalidade e a reflexão crítica é desafio que se impõe aos educadores. Educar para este “segundo tempo” deve ser uma tarefa da escola”.

Orozco-Gómes (2000) considera como um desafio o tipo de conhecimento requerido para interagir com a TV de uma maneira produtiva e que possibilite aos telespectadores um encontro múltiplo, cada vez mais livre, autônomo, expressivo e, eventualmente, mais crítico. Segundo Orosco-Gómes (2000, p.62):

um conhecimento com essas características supõe, pelo menos, assumir que a relação entre a TV e telespectadores é uma interação múltipla, que envolve a existência da TV em suas três dimensões: meio, linguagem e instituição social. Envolve, igualmente, o telespectador como um sujeito cognoscente, ativo, mental, física e emocionalmente, frente à TV, e situado, de maneira particular, numa cultura, num contexto histórico específico e num estágio de desenvolvimento pessoal determinado.

A partir de todas essas conclusões, nos apegamos à Betti (2003, p.94) ao citar Ferrés que nos propõe as seguintes questões: “se a escola não ensina a assistir à televisão, para que mundo está educando? Se a educação visa formar cidadãos críticos e reflexivos, como alcançar tal objetivo sem prepará-los para realizar de forma crítica a atividade à qual dedicam grande parte do seu tempo?” Ferrés (apud BETTI, 2003, p.94) propõe que a escola eduque para a reflexão crítica:
levar o aluno a compreender o sentido explícito e implícito das informações e estabelecer relações coerentes e críticas entre o que aparece na tela e a realidade do mundo. Ele propõe que a escola eduque no meio, quer dizer, eduque na linguagem audiovisual característica da televisão, ensine os mecanismos técnicos e econômicos de funcionamento do meio, ofereça orientação e recursos para a análise crítica dos programas, e que eduque com o meio, incorporando audiovisual à sala de aula para otimizar o processo ensino-aprendizagem.
Barros (2000) nos coloca a mesma questão e nos ressalta que “ou a escola passa a considerar a mídia em seus projetos pedagógicos ou intensificará seu processo de fossilização, para muitos já irreversível”. Ele também nos coloca que se a proposta pedagógica visa ao desenvolvimento de um espírito crítico, é inútil transformar o aluno num “deglutidor hipocondríaco de pílulas informativas”, no qual o produto informação jornalística, espécie de “fast food” do pensamento, não se presta, sobretudo quando veiculado pela televisão, à reflexão mais profunda sobre seu conteúdo.
3. O Uso da Mídia como Possibilidade de Reflexões sobre o Corpo na Atualidade

3.1 Considerações Metodológicas
Ao pensarmos em uma metodologia para análise das imagens, consideramos através da perspectiva que direcionamos esse trabalho que uma metodologia descritiva, interpretativa e crítica podem possibilitar um diálogo com os fundamentos teóricos que estamos desenvolvendo.

Justificando nossa opção pelo programa Malhação da emissora TV Globo, consideramos a forte influência que esse programa exerce no público jovem, com idade escolar, que assiste e consome esse tipo de programa. Conseguimos a partir das análises das falas, diagnosticar alguns valores enfatizados pelos personagens que se relacionam com autores que utilizamos para o desenvolvimento do trabalho. Dividimos as categorias de análise de acordo com os acontecimentos dos fatos.

Utilizamos então o recurso do videocassete para as descrições das imagens, o que nos proporcionou uma identificação e reidentificação do discurso televisivo quantas vezes fossem necessárias, libertando o intérprete da leitura “automática” que as imagens televisivas condicionam. Como o foco do trabalho são as imagens transmitidas, iremos fazer transcrições das falas dos personagens e analisá-las segundo os pressupostos teóricos defendidos a partir das concepções abordadas no início de nosso trabalho.

Foi necessária a gravação de 8 episódios que se passaram no período da tarde após 17:30, de segunda a sexta-feira, entre os dias 17 a 27 de outubro, escolhidos aleatoriamente, sem nenhum interesse pré-definido pelos dias da programação. As duas falas identificadas se passaram sob forma de conversa entre duas ou mais pessoas com assuntos e personagens diferentes em cada fala.

Ao analisarmos as imagens, em um primeiro momento são formuladas as reações primárias de gosto ou desgosto, de impacto ou indiferença, que pode se diferenciar em função da sensibilidade do espectador e do tipo de imagens assistidas. Após, numa segunda fase, inicia-se uma tomada de distância em relação às próprias reações, e gradualmente é questionado a respeito do caráter racional que levem a inserir lógica nas reações mais ou menos instintivas. Assim, “a primeira fase é da comunicação espontânea e a segunda é a fase do distanciamento progressivo, do confronto, do diálogo”, Betti (2003, p.101).

Utilizamos de um processo denominado “método global”, no qual a análise e reflexão não são analisadas diretamente sobre as imagens, mas a partir da experiência de vida do pesquisador, no qual o espetáculo televisivo não é renunciado, as emoções e sensações são totalmente aproveitadas, e são utilizadas para fins educativos, como ponto de partida para o trabalho crítico.

Esses pressupostos levam ao trabalho de interpretação hermenêutica que Ricoeur entende como uma dialética entre a compreensão e a explicação que trata-se de um duplo movimento: da compreensão à explicação, e depois da explicação à compreensão, no qual o primeiro movimento é composto de duas fases que segundo Ricoeur apud Betti (2003, p.101)
a primeira fase é uma captação “ingênua” do sentido do discurso como um todo, é uma compreensão global, que se faz por conjeturas e se exprime por uma descrição. É ainda uma semântica de superfície. A segunda fase busca validar aquela compreensão, com base em procedimentos explicativos, validação que é garantida por uma investigação do objeto específico da conjetura, e que se fez mediante procedimentos argumentativos (baseado nas teorias explicativas), e pelo conflito de interpretações, que aponta limites e possibilidades das diversas teorias em face da necessidade de sua atualização diante do objeto em foco.
Passaremos então para o movimento de volta, da explicação à compreensão, no qual compreender o discurso torna-se seguir o seu movimento do sentido para a referência, daquilo que ele diz para aquilo de que fala. Portanto sobre o que fala a televisão quando se refere às práticas corporais? Qual a concepção de corpo presente em programas para adolescentes na mídia televisiva? Qual valor é dado ao esporte inserido no cotidiano dos adolescentes? Quais conflitos, perplexidades, perspectivas? Violência, corpo, vitória, derrota, saúde, alegria, competição, ascensão social, diversidade social, discriminação, preconceitos?

Ao final estaremos realizando a apropriação ou reflexão crítica, a fase a conclusão da interpretação hermenêutica: “quando nos apropriamos do sentido de um discurso, apropiamo-nos de uma proposição de mundo, projetamo-nos em novas maneiras de olhá-lo, e, portanto, também em novas maneiras de visualizar a Educação Física” Betti (2003, p.101).


3.2. A Concepção do Esporte Rendimento e Espetáculo no Programa Malhação

Nessas falas os personagens do Colégio estão se reunindo para discutir a respeito da próxima etapa do campeonato de Skate. Eles possuem esse grupo que formam uma equipe e que disputam algumas etapas, e a cada etapa aparece um estímulo extra para ser campeão, como aconteceu em uma etapa anterior a essa que o vencedor ganhou o patrocínio de uma empresa de esportes radicais, e nessa etapa o estímulo é ainda maior, envolvendo mais premiações.

Percebemos que o esporte aqui é encarado como o esporte rendimento, no qual o desempenho se torna essencial para a sua prática, e se destaca quem ganha, obtendo ascensão social entre os colegas e a comunidade. O Skate aparece no ar somente quando as etapas do campeonato se aproximam, e o incentivo ao treino pesado para o rendimento é reafirmado várias vezes pelo dirigente ao citar que os personagens tem que treinar pesado para não fazer feio.

O esporte é abordado somente nas competições, e os relatos sobre ele se baseiam em quem vai ganhar e quem vai perder, além de servir como “gancho” para uma intriga entre o “garoto bonzinho” e o “garoto malvado”. Histórias essas inevitáveis e presentes na maioria das telenovelas, na qual sempre uma pessoa está querendo prejudicar a outra, transmitindo aspectos competitivos, e que nessa trama identificamos a utilização do esporte como instrumento para estabelecer quem é o melhor. Na maioria das vezes, o malvado tenta ser superior ao bonzinho através dos campeonatos de Skate, e se utiliza de formas anti-desportivas para conseguir mérito nas provas, prejudicando o desempenho do garoto “bonzinho”.

Em decorrência desses valores apresentrados, Santin (1987, p.44), nos mostra que “(…) os exercícios ou a prática educativa na Educação Física não se esgota ou não se plenifica nela mesma, mas busca sua plenitude e mesmo sua razão de ser em outra instância”, sendo visualizada “como um conjunto de recursos instrumentais”. Portanto, a inimizade entre um dos personagens é facilmente transpassada para o esporte, reafirmando a idéia de competição, que Santin (1987, p. 45) coloca:

Pela idéia de competição como estímulo e força para o aguçamento do desejo de vencer, ou mesmo, o dever de vencer, aliada às imposições dos princípios da supremacia ideológica, o esporte facilmente se transforma num campo de batalha, onde os companheiros não são apenas adversários, mas são visualizados como inimigos a serem destruídos. O jogo torna-se luta e guerra. Não é mais lazer ou diversão, nem espetáculo. O próprio espectador deixa de aplaudir ou vaiar, para se constituir num fanático exigindo a vitória a qualquer preço pelo seu grito de guerra.


Assim, na medida em que se mantiver uma antropologia dualista continuará o corpo a ser pensado sobre a perspectiva do “corpo serviçal”, que segundo Santin (1987, p.48):
O corpo passa, na atualidade, ao serviço de um ideal de desempenhos ou performances de dominação e de supremacia ideológica. O corpo, com determinado grau de rentabilidade e reforçado pelo princípio da competição, estará a serviço de uma modalidade de esporte para demonstrar a superioridade da nacionalidade ou da ideologia racial ou política.
Através de Santin (1987), podemos relacionar os aspectos competitivos às concepções de corpo que vimos a partir do Renascimento, que apesar da idéia religiosa ter sido enfraquecida, a “(…) inferioridade corporal ainda é mantida pela manutenção do dualismo expresso na antropologia do homem consciência e da relação mente corpo”.
3. O Ideal de Corpo Presente no Discurso de “Malhação”

Agora passaremos a outra conversa na qual uma garota que está de casamento marcado reencontra um amigo de infância que não conversava há muito tempo. A conversa é baseada na “mudança radical” que esse amigo sofreu nesse tempo de ausência.

Nessa fala ocorre uma demonstração de como o personagem trata seu corpo como determinante de sua personalidade. Devido a um apelido de “Lesma” e de seus costumes, de certa forma ele era discriminado pelos colegas, e a partir de uma “mudança radical” ele fica mais bonito, e com uma auto-estima mais alta, tudo graças ao desenvolvimento físico que ele passou a ter de dois anos para cá, passando de um “Lesma” para um “maratonista”, que treina todos os dias e não mantém mais seus antigos hábitos.

Notamos que o personagem possui uma concepção de corpo baseada nos princípios de unidade, no qual o princípio de uso do corpo foi substituído pela idéia de ser corpo, isto é, de viver o corpo, de sentir-se corpo. Sua personalidade e costumes mudaram em decorrência das suas vivências corporais. Segundo Santin (1987, p.50):

Todas as atividades humana são realizadas e visíveis na corporeidade. A própria divindade, em todas as tradições teológicas, precisou tornar-se corporeidade para fazer-se visível, existencial. Tornar-se significa incorporar em seu modo de ser a realidade assumida, isto é, a corporeidade. Assim o homem, em todas as suas funções e vivências, precisa ser corpo, o que é bem diferente dizer que precisa do corpo (…) O homem é essa realidade que se manifesta e que se expõe diariamente às óticas abrangentes nos campos perceptivos, através da infinidade de suas possibilidades expressivas instauradas pela dinâmica da corporeidade. O homem é uma autoconstrução corporal.
Seguindo o pensamento de Santin (1987, p.50), não são um “eu” ou uma “consciência” os proprietários de um corpo, no qual utilizam como bem entendem, “a corporeidade deve estar incluída na compreensão da consciência e do eu”, assim, o eu ou a consciência são corporeidade e não “realidades transcedentais residindo num corpo”.

Com isso observamos diferentes tipos de valores abordados pela mídia televisiva e impostos de uma forma que maximiza o poder de persuasão dos programas televisivos direcionados ao público jovem. E também identificamos momentos no qual um personagem pode transmitir concepções de corpo de extrema importância, possibilitando ao telespectador uma reflexão sobre seus hábitos, mudando seu comportamento quando isso o incomoda, levando-o à uma aquisição de hábitos saudáveis de extrema importância para sua saúde, ao mesmo tempo em que aumenta sua auto-estima deixando de ser “excluído”, que segundo ele, até deixaram de chamá-lo pelo seu apelido.


Considerações finais

Estamos em meio a uma revolução tecnológica, na qual os aspectos comunicacionais precisam ser “olhados” e repensados para uma abordagem mais crítica dos educadores em geral. A “cultura das mídias” está presente e não podemos ignorá-las, pois como observamos, a população está cada vez mais consumindo e adquirindo valores transmitidos e impostos pelos meios de comunicação de massa, principalmente a televisão.

Ao analisarmos os aspectos ligados às concepções de corpo identificamos valores que vários autores pesquisados também acreditam serem significativos, e que transportam tais valores para as práticas educativas. Identificamos valores impostos pela economia mundial através do esporte-telespetáculo, e os aspectos relacionados ao corpo, através do esporte rendimento e competitivo que também possui forte influência econômica.

Helal (apud RODRIGUES, 2005, p.08), fala sobre o universo do esporte estar imerso em aspectos competitivos transformando o atleta em herói por causa do agonismo entre vitória e derrota no qual "o 'sucesso' de um atleta depende do 'fracasso' do seu oponente", complementa ainda que esse componente ocorre no bojo do próprio espetáculo.

Porém, abordagens (como a da última analisada não podem ser ignoradas) pois há uma transmissão de aspectos positivos relacionados à cultura corporal de movimento, e que estimulam, através de suas mensagens, a aquisição de hábitos saudáveis e aspectos ligados à satisfação pessoal, através da prática do esporte.

O papel da mídia na educação é um tema de discussões amplas e profundas. O professor deve se instrumentalizar e se aperfeiçoar para saber lidar criticamente com os meios de comunicação no seu cotidiano de aulas, mas deve também ter em mente que não pode substituir o conhecimento pelo meio.


[...] todo ato comunicativo tem conseqüências educativas. Uma telenovela tem conseqüências educativas para o bem ou para o mal. Todo ato educativo, por sua vez, tem componentes comunicativos, mas nem todo ato comunicativo tem propósitos educativos" (TORO apud RODRIGUES, 2005, p.08).
A partir disso, ao relacionarmos características da cultura corporal de movimento com a Educação Física, temos que levar em consideração a trajetória histórica da inserção dos aspectos ligados às concepções de corpo e as influências que os interesses ideológicos e econômicos provocaram na construção das suas concepções filosóficas.

Nossa intenção quando começamos esta pesquisa foi de abrir possibilidades para o entendimento sobre a relação entre Educação Física e Mídia, considerando a transmissão de informações e posicionamentos através de um programa televisivo, relevante para os jovens, embora definidos por interesses de mercado e audiência, mas contribuindo para despertar curiosidades, mostrando novas situações e outras realidades.

Assim, através das concepções de dualismo e de unidade, podemos identificar como a Educação Física pode se apropriar dos valores transmitidos na mídia televisiva para direcionar futuros passos para mais um tipo de abordagem como possibilidade de intevenção, em um sentido contrário à fragmentação do corpo, proporcionando com isso uma maior valorização da Educação Física e conseqüentemente às ações educativas dos profissionais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSIS, Ronaldo Martins de; VIEIRA, José Jairo. A mídia e a idolatria na Copa de 2002. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 13., 2003, Caxambu. 25 anos de história: o percurso do CBCE na educação física brasileira. Anais... Caxambu: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, 2003.

BETTI, Mauro. A Janela de Vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus, 1998.

____.Educação Física e Mídia: novos olhares, outras práticas. Imagem e Ação: a televisão e a educação física escolar. São Paulo. Editora Hucitec, 2003.

____; ZULIANI, Luis Roberto. Educação Física Escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte – 2002, 1(1); 73-81.

CARVALHO, Sérgio. Comunicação, movimento e mídia na educação física. Santa Maria, v. 3, 1996.

CITELLI, Adílson Odair. Meios de Comunicação e Práticas Escolares. Rev. Comunicação & Educação, São Paulo, (17): 30 a 36, jan./abr., 2000.

FERES NETO, Alfredo. A Esportivização do Mundo e/ou a Industrialização do Esporte. Rev. Motrivivência. Dezembro, 1996

FÍGARO, Roseli. Estudos de Recepção para a Crítica da Comunicação. Rev. Comunicação & Educação, São Paulo, (17): 37 a 42, jan./abr., 2000.

FIGUEIRA JÚNIOR, Aylton José. Potencial da mídia e tecnologias aplicadas no mecanismo de mudança de comportamento, através de programas de intervenção de atividade física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 8, n. 3, p. 39-46, jun. 2000.

MEDINA, João Paulo Subirá, 1948. A educação física cuida do corpo … e “mente” : bases para uma renovação e transformação da educação física. 5. Ed. – Campinas : Papirus, 1986.

OLIVEIRA, Cristina Borges de. Mídia, cultura corporal e inclusão: conteúdos da educação física escolar. http://www.efdeportes.com/ Revista Digital Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v. 10, n. 77, oct, 2004.

OROSCO-GÓMEZ, G. Teleaudiência: premissas para uma pedagogia. Rev. Comunicação & Educação, São Paulo, [18]: 62 a 67, maio/ago. 2000.

[18]: 113 a 122, maio/ago. 2000.

PEREIRA, Ana Maria. Concepção de Corpo: A Realidade dos Professores de Ginástica das Instituições de Ensino Superior do Estado do Paraná. Tese de Mestrado, UNIMEP, Piracicaba – SP, 1998.

RODRIGUES, Eduardo Fantato; MONTAGNER, Paulo César. Esporte-espetáculo, televisão e pedagogia do esporte: o que crianças compreendem e as relações com um programa esportivo de televisão. http://www.efdeportes.com/ Revista Digital Lecturas: Educación Física y Deportes - Buenos Aires - Año 10 - N° 85 - Junio de 2005

____. Esporte-Espetáculo e Sociedade: Estudos Preliminares sobre sua Influência no Âmbito Escolar. Rev. Conexões, v. 1, n. 1, UNICAMP, Campinas – São Paulo.

ROVANI, Marta Gouveia de Oliveira. Imagens da Guerra: do Horror à sedução. Rev. Comunicação & Educação, São Paulo, (17): a 19, jan./abr., 2000.

SANTIN, Silvino. Educação Física: uma abordagem filosófica da corporeidade / Silvino Santin, -- Ijuí: Liv. UNIJUÏ Ed., 1987. – 125p. (Coleção Ensaios; política e filosofia ; 2)

SANTOS, Gisele Franco de Lima. Formação Moral e Tomás de Aquino: considerações sobre o jogo e a brincadeira. UEM – Maringá.

____; COSTA, Adriana Schobiner. Conhecimento sobre o Corpo: As Perspectivas da Corporeidade na Educação Infantil. UEL – LAPEF.

SOUZA, Nádia Geisa Silveira de. Que corpo é esse? O corpo na família, mídia, escola, saúde... 2001. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas: Bioquímica) - Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2001. 167p.



Sites: http://malhacao.globo.com/



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal