Educação Matemática: unidade na história e nos objetivos educacionais



Baixar 29.02 Kb.
Encontro07.01.2018
Tamanho29.02 Kb.

Educação Matemática: unidade na história e nos objetivos educacionais
Drª Lígia Arantes Sad

PPGE - UFES - Vitória - ES



sadli@terra.com.br


A produção cultural de uma sociedade depende do esforço e criatividade de toda a população, e é incorreto atribuir a produção a apenas poucos indivíduos que apenas adicionam os toques finais.

(Anglin, W. S., 1992)

Algumas questões têm sido objetos de reflexões quando pensamos em termos de dos relacionamentos entre história da matemática e formação de professores: Como pensar a função da história da matemática no ensino e aprendizagem da matemática? Entender matemática em um contexto histórico passado ajuda a entender a matemática atual e seu papel no mundo? Que ênfases devem ser trabalhadas para que o futuro professor possa fazer uma transposição didática efetiva em termos da aprendizagem de seus alunos? Nesse campo conjunto de educação matemática e história da matemática, algumas indagações como essas têm respostas ou caminhos possíveis, mas que continuamente se renovam com o dinamismo das próprias ciências, dos interesses de seus estudiosos e dos instrumentos tecnológicos.

Iniciamos por uma reflexão na formação do professor de matemática em relação às preocupações desses profissionais sobre o desenvolvimento matemático de seus alunos. Assim, considerando a importância da aprendizagem matemática nesse processo, indagamos a respeito das potencialidades requeridas ao aluno, bem como o papel da matemática em termos de sua vida, dentro e fora da escola. Ao mesmo tempo questionamos se a inserção de uma abordagem histórica, como uma fonte de produção de conhecimentos ou como uma estratégia metodológica para o professor, pode contribuir a esse processo de desenvolvimento.

As exigências de resultados positivos no ensino e aprendizagem da matemática vêm se configurando nesse início do século XXI em três destacados, embora não separados, campos: um interno à matemática no que diz respeito ao uso dos conhecimentos e habilidades na matemática formal e escolar; outro social, no qual é necessária uma habilidade para usar matemática com direcionamentos e sentido social; e um terceiro, epistemológico, fundamentado no poder pessoal sobre o uso, produção e validação dos significados e conhecimentos. Isso nos leva a pensar em termos de determinadas capacidades e habilidades que são requeridas ao ensino e aprendizagem de matemática: autonomia; iniciativa; pensamento crítico; criatividade; capacidade de trabalhar em grupo; capacidade de argumentação; capacidade de resolver problemas. Quer na inclusão, ou não, dos relacionamentos da matemática à história da matemática ou a qualquer outra área de conhecimentos.


Aprender a pensar e agir

Segundo Matthew Lipman (2001), nós educadores precisamos ensinar a pensar de forma superior, numa combinação que envolve tanto o pensamento criativo quanto o crítico. Sendo que:



"O pensamento crítico envolve o raciocínio e o julgamento crítico.(...) O pensamento criativo envolve habilidade, talento e julgamento criativo. (...) Não há pensamento crítico sem o mínimo de julgamento criativo.(...) Não há pensamento criativo sem o mínimo de julgamento crítico.(...) A comunidade de investigação, especialmente quando utiliza o diálogo, é o contexto social mais apropriado para a geração do pensamento de ordem superior.

Logo, os modos pelos quais podemos utilizar a História da Matemática em sala de aula têm hoje não um objetivo somente narrativo, descritivo, biográfico, mas centralmente de ação problematizadora, utilizando em especial o diálogo. Nessa direção podemos trabalhar o objeto matemático escolhido entre diversas produções de significados e conhecimentos que o constituíram historicamente, bem como as variações de contextos culturais, econômicos, políticos, religiosos e místicos, que o validaram como tal. Por exemplo, a questão do zero (como: ''vazio'', ''nada'', ''número" etc ), dos irracionais (como: ''grandezas geométricas'', ''incomensuráveis'', ''números aproximados'', ''dízimas não periódicas'', "elementos do conjunto dos números reais'' etc), dos negativos (como: ''absurdos'', ''torturas mentais'', ''números opostos dos positivos'', etc), dos infinitésimos (como: ''quantidade evanescente'', ''quase nada'', ''elemento numérico menor que qualquer número real", etc), das funções (como: "relação entre duas quantidades variadas", "curvas ou fórmulas referentes a movimento", "relações representadas pela expressão e seu gráfico", "regra a qual dá um único valor y correspondente para x", etc), e, várias outras questões: do infinito real , do ângulo, do triângulo, dos juros, das mensurações.

Na parte referente à crítica a respeito de construção da História da Matemática por diferentes autores, temos um reforço em Lakatos, o qual polemiza a posição ingênua daqueles que acreditam ser possível uma história realística, a partir de fontes ''puras'' em sua empiricidade, como se fosse possível a re-construção ontológica e de origem dos elementos históricos. Uma argumentação contundente a favor de Lakatos está fundamentada em que: os ''fatos'' históricos são igualmente elaborados em meio a teorias filosóficas, poderes constituídos e valores, sofrendo ainda posteriormente com os filtros de nossa posição de leitor e intérprete dos textos, portanto quando nos debruçamos sobre eles são construídos sob novos interesses, instrumentos e associações. Com essa relativização, embora seja difícil chegar a um consenso sobre critérios gerais e ''universais de cientificidade'', há um consenso com respeito a constituições de resíduos históricos específicos, como por exemplo as realizações (feitos marcantes) de Newton, de Dedekind e outros mais, que nos permite falar a partir de uma história da matemática.

Voltando para o enfoque pedagógico, observamos as funções básicas da História da Matemática, enquanto disciplina na formação de professores, explícitas por Baroni, Teixeira e Nobre (in Biccudo & Borba, 2004):



  • levar os professores a conhecer a matemática do passado (função direta de História da Matemática);

  • melhorar a compreensão da Matemática que eles irão ensinar (funções epistemológica e metodológicas);

  • fornecer métodos e técnicas para incorporar materiais históricos em sua prática (uso da História em sala de aula);

  • ampliar o entendimento do desenvolvimento do currículo e de sua profissão (História do Ensino de Matemática).

Que, por sua vez, podemos fazer convergir para as preocupações dos professores, citadas no desenvolvimento das potencialidades e habilidades requeridas aos alunos de Matemática. Muito embora sejamos experientes para saber que a efetivação dessa convergência, depende de outras variáveis envolvidas na prática de sala de aula.

Dentre essas práticas, não podemos deixar de destacar algumas que consideramos especiais meios na efetivação dessas funções básicas e para a transposição didática contribuidora ao futuro professor, que são: as atividades de investigação (podendo envolver uso de fontes históricas e instrumentos tecnológicos); as atividades trabalhadas em grupo; os seminários e projetos temáticos (simples) com avaliações críticas; os diálogos e discussões a respeito da histórias de noções matemáticas cujo ensino é, em geral, problemático ou tem contexto filosófico rico; e a elaboração de argumentos e justificações relacionadas a objetos históricos.

Os meandros dessas ações não são rígidos, não estão totalmente especificados de antemão, dependem entre outras coisas do grupo de alunos e do professor, nas suas variadas etapas de formações anteriores e perspectivas futuras, bem como dos elementos e aspectos postos sob investigação e sujeitos à natureza complexa das associações do pensamento. De todo modo, realçamos o que seria essencial em termos dessas ações: ter critérios _ comparativos ou não _, observar os modos de produção de significados, exercer a auto-regulação _ autocorretivo, no sentido da falibilidade epistemológica ou ética _, elaborar justificações e julgamentos.

Particularmente, nas investigações e nos diálogos a respeito de noções matemáticas presentes no ensino, a história tem sido útil para:



  • motivar, introduzir um conteúdo matemático, ou exemplificar;

  • compreender as dificuldades de alguns conceitos;

  • agregar elementos às concepções de uma Matemática elaborada por seres humanos, e, portanto, sujeita às condições sócio-culturais de produção, falível, sujeita a críticas;

  • questionar a hegemonia dos estudos da história da matemática sob o ponto de vista somente de culturas dominantes (como a européia), incentivando os estudos e investigações das produções matemáticas de outras culturas, como a nossa;

  • articular a matemática com outras ciências;

  • relacionar e unificar os ramos da matemática;

  • mostrar a importância da notação simbólica (linguagem) na constituição das formas e estruturas matemáticas, no processo histórico de construção dos objetos matemáticos por diferentes culturas;

  • saber situar a matemática cronologicamente: em relação aos produtores e à sua própria constituição, para poder compreender as condições de sua produção.


Considerações finais

As posições em torno do ensino e aprendizagem da matemática situamos aqui com ênfase na forma unificadora diante da história da construção dessa área, a qual denominamos matemática. De modo semelhante, diante dos objetivos educacionais do ensino da matemática, podemos trazer para o curso de formação de professores uma reflexão de unificação, junção com os propósitos traçados pela funções pedagógicas da história da matemática.

A experiência didática com a história da matemática em cursos de Licenciatura não pode ser tomada como modelo, porque cada experiência é sempre uma nova, onde escolhas são feitas de acordo com múltiplas variáveis. Porém, são caminhos e nossas considerações têm por objetivo suscitar reflexões sob a questão de modos de pensar, agir e produzir significados a partir de abordagens históricas; na intenção de que possam, com a transposição didática convergir para resultados positivos de seus alunos na aprendizagem e uso da matemática, na escola ou fora dela.

Acreditamos, como John Fauvel (1999) que não somente a matemática, mas também a educação matemática pode aprender com a sua história, e lutar contra a mecanização do ensino e aprendizagem da matemática, em defesa de uma maior humanização e conseqüente satisfação advindos dessas colaborações mútuas.


Referências Bibliográficas

ANGLIN, W.S. Mathematics and History. The Mathematical Intelligencer. V.14, n.4, 1992, p. 6-12.

BARONI, R.L.S., MARCOS, V.T., NOBRE, S.R. A investigação científica em História da Matemática e suas realções com o Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática. In: BICUDO & BORBA (orgs). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004.

BROLEZZI, A.C. Atividade criativa na sala de aula de Matemática. In: MACHADO, N.J., & CUNHA, M.O. (orgs.). Linguagem, Conhecimento, Ação: ensaios de epistemologia didática. Coleção Ensaios Transversais. São Paulo: 2003.

BYERS, V. Why to study History of Mathematics? International Journal Mathematics Education, Science and Tecnologie, 1982, v. 13, n.1,p.59-66.

CAMBI, F. História da Pedagogia. São Paulo: Unesp,1999.

FAUVEL, J. Can mathematics education learn from its history? Proceedings I - Troisième université d'été européenne - History and Epistomology in Mathematical Education. Belgie: Université Catholique de Louvain, 1999.

LIPMAN. M. O pensar na educação. São Paulo: Vozes, 2001.

MIGUEL, A. & MIORIM, M.A. História da Matemática: uma prática social de investigação em construção. Educação em Revista. 2002, v.36., p.177-203.

História da Matemática na formação de professores: explorações epistemológicas e a prática pedagógica.
Lígia Arantes Sad

O propósito deste texto é apresentar como a História da Matemática vem se inserindo em nossa prática pedagógica, bem como evidenciar os modos de produções epistemológicas que se constituem como contribuintes para a formação continuada de educadores matemáticos. Essa contribuição pode ser vista, exemplificarei, principalmente em termos ontológicos __ ao propiciar um ambiente de reflexão crítica dialógica e compreensão da própria matemática e dos processos de seu ensino e aprendizagem __ e em termos de geração e desenvolvimento de valores e atitudes pertinentes à dinâmica cultural múltipla da humanidade. A História da Matemática, com seu repertório amplo em termos de fontes para investigação de um passado, propicia a produção e negociação crítica de significados e conhecimentos relativos às condições de validação temporais respectivas, em consideração a processos matemáticos que interessaram ou interessam a contextos socioculturais distintos e/ou conviventes.




 Professora Drª do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UFES






©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal