Ementas do núcleo II – Ciências Humanas



Baixar 189.69 Kb.
Encontro03.06.2018
Tamanho189.69 Kb.

EMENTAS DO NÚCLEO II – Ciências Humanas


DISCIPLINA: Oficina de Projeto de Pesquisa

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____

EMENTA: A base conceitual para o estudo da estrutura metodológica do projeto de pesquisa. Etapas da construção do projeto. Métodos e técnicas de pesquisa quantitativa e qualitativa. O relatório de pesquisa. A importância da pesquisa no processo de intervenção social. Exercício de elaboração de projeto de pesquisa, que aponte: objeto, problema, referencial teórico e metodologia.

BIBLIOGRAFIA:

BECKER, S. Howard. Método de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec, 1997.


BLALOCK, J.Q.M. Introdução à Pesquisa Social. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 1985.


LAKATOS, Eva Maria e Marconi & ANDRADE, M. Metodologia Científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1991.


DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas, 1995.
DEMO, Pedro. Pesquisa e Construção do Conhecimento. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

MINAYO. M. Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Vozes: SP. 1992.


RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis: Vozes, 1981.
THIOLLENT, Michel. Crítica Metodológica: Investigação Social e Enquete Operária. São Paulo: Polis, 1987.
GOLDENBERG, Miriam. A Arte de Pesquisar. 2. ed. RJ/SP: Record, 1998.





DISCIPLINA: Produção de Artefatos Pedagógicos

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____

EMENTA: Discussão e construção de processos e materiais didáticos, a partir das realidades das escolas indígenas, que contemplem a identidade e os valores dos povos indígenas. Produção de material didático com sucata. Jogos e brincadeiras no processo ensino-aprendizagem.

BIBLIOGRAFIA:

ANTUNES, Celso. Jogos para estimulação das múltiplas inteligências. 8. ed. São Paulo: Vozes, 2001.


DOHME, Vânia. Jogando- O valor educacional dos jogos. São Paulo: Informal Editora, 2003.
FARIA, Ana Luisa. A ideologia no livro didático. Coleção questões da nossa época. São Paulo: Cortez, 2003.
LEBAILLY, Vanessa. Material Reciclado. Coleção Brincar com Arte. São Paulo: IBEP Nacional, 2005.
MACEDO, Lino de; et all. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004.
MACHADO, Marina Marcondes. A importância do brincar: o brinquedo-sucata e a criança. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1995.
RAMOS, José Ricardo da Silva. Dinâmicas, brincadeiras e jogos educativos. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2005.
SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedoteca - sucata vira brinquedo. Porto Alegre: Artmed, 1995.




DISCIPLINA: Teorias Sociais

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____

EMENTA:

Estudo de pensamento sociológico desde sua formação com Comte e o positivismo, até a formalização de teoria sociológica com Durkheim e Weber. Comte: conceitos gerais, surgimento da sociologia; Durkheim: objeto e método da sociologia conceitos fundamentais Weber: objeto e método da sociologia e conceitos fundamentais. A teoria marxista.




BIBLIOGRAFIA:

ARON, Raymond. O Marxismo de Marx. 1.ed. São Paulo: Editora ARX, 2005.


COMTE, A. Coleção grandes cientistas sociais. São Paulo: Ática, 1978.
COUTINHO, Carlos Nelson. Intervenções: o marxismo na batalha das idéias.1. ed. São Paulo:Cortez, 2006.
DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. 6. ed. São Paulo: Nacional, 1971.
DURKHEIM, E. A divisão do trabalho social. Rio de Janeiro: Martins Pontes, 1977.
DURKHEIM, E. O suicídio. Rio de Janeiro: Martins Pontes, 1977.
NETTO, José Paulo. O que é o marxismo. Coleção Primeiros. Passos. São Paulo: Brasiliense, 2006.
WEBER, M. A Ética, o protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1967.
WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1966.






DISCIPLINA: Geografia II

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Geografia I

EMENTA: A natureza do território brasileiro. As divisões regionais brasileiras. O povo brasileiro: diversidade cultural e imigração, dinâmica populacional, mercado de trabalho. O Brasil urbano e industrial: novos investimentos industriais, rede urbana brasileira, qualidade de vida nas cidades a industrialização do campo. Circulação e transporte no Brasil. A inserção do Brasil no mercado mundial: potencialidades e dificuldades.

BIBLIOGRAFIA:

AFFONSO, Rui de Britto Álvares e Silva, Pedro Luiz Barros (Org.).Desigualdades Regionais e Desenvolvimento. São Paulo, FUNDAT:UNESP, 1995


ANDRADE, Manuel Correia. O Planejamento Regional e o espaço agrário no Brasil. S. Paulo, HUCITEC, 1976.
ANDRADE, Manuel Correia. Formação territorial do Brasil. In: BECKER, Berta K. et al – Geografia e Meio Ambiente no Brasil. São Paulo-Rio de Janeiro, HUCITEC: UGI, 1995.
ANDRADE, Manuel Correia. Territorialidade, desteritorialidade, novas territorialidades: os limites do poder nacional e do poder local. SANTOS, Milton et alli. Território, Globalização e Fragmentação. São Paulo: HUCITEC/ANPUR, 1994.
BACELAR, Tânia. Dinâmica regional brasileira nos anos noventa: Rumo à desintegração competitiva? In: Castro, Iná et alli (org.). Redescobrindo o Brasil – 500 anos depois. Rio de Janeiro: Bertrand, 1999 .
BECKER, Berta K. et al. Geografia e Meio Ambiente. S.Paulo/Rio de Janeiro, HUCITEC:UGI, 1995.
BRUM, Argemiro J. O Desenvolvimento Econômico Brasileiro.Petrópolis, Vozes, 1984.
CASTRO, Iná Elias et alli Explorações geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
CASTRO, Iná Elias et alli. (Org.). Brasil, Questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
COSTA, Wanderley Messias. Estado e políticas territoriais no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999.
EGLER, Cláudio. A questão regional no Brasil. In BECKER, Berta K. et al. Geografia e Meio Ambiente no Brasil. São Paulo-Rio de Janeiro: HUCITEC:UGI, 1995. p. 163-180.
GALVÃO, M. V. e FAISSOL, S. - Divisão Regional Brasileira, Revista Brasileira de Geografia, Ano 31, nº 4, Fundação IBGE, out/dez, 1969.
GEIGER, Pedro. As formas do espaço brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.
GOLDENSTEIN, Lea e SEABRA, Manuel Divisão territorial do trabalho e a nova regionalização brasileira. SP: USP. Revista da Geografia, 1983.
IBGE – Divisão do Brasil em Regiões Funcionais Urbanas . Rio de Janeiro, FIBGE, 1987.
IBGE. Regiões de influência das cidades. Revisão atualizada do estudo da divisão do Brasil em Regiões funcionais urbanas. RJ, FIBGE, 1987.
SANTOS, Milton. A urbanização Brasileira. S.Paulo: HUCITEC, 1993.
SANTOS, Milton. Técnica, Espaço, Tempo. Globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: HUCITEC, 1996.
SANTOS, Milton et alli Território, Globalização e Fragmentação. São Paulo: HUCITEC/ANPUR, 1994.




DISCIPLINA: História Geral II

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: História Geral I

EMENTA: Instalação de novas relações econômicas políticas e sociais. Religião e Ciência. Instituições políticas e ideológicas liberais. O mercantilismo. A revolução Industrial. Revolução burguesa na Europa – (1648-1789). Formação da classe Operária. As classes sociais na Europa. As ideologias liberais. O Trabalho. A divisão intelectual do trabalho: noecolonialismo. Imperialismo. Nacionalidade e minorias nacionais. Tensões sociais e processo imigratório. A histografia hoje. A sociedade européia no final do século XX. Conjuntura econômica, política e social da América Latina e sua perspectiva histórica. O capitalismo e a nova divisão internacional do trabalho.


BIBLIOGRAFIA:

ARRUDA, José Jobsonde. História moderna e contemporânea. São Paulo: Ática, 1977.


CARMO, Paulo Sérgio do. A ideologia do trabalho. 7. ed. São Paulo: Moderna ,1992.
CORVISIER, A. História moderna. São Paulo: Diefel, 1986.
DOBB, Maurice H. A evolução do capitalismo. (Os economistas) São Paulo: Abril Cultural, 1983.
DUSSEL, Enrique. Caminhos de libertação latino-americana. Volumes I, II, II e IV. São Paulo: Paulínea, 1985.
FALCON, Francisco J. e MOURA, Gerson. A formação do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Campus, 1989.
HOBSBAWM, Eric J A era do Capital (1789-1848). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
HOBSBAWM, Eric J. Da revolução industrial inglesa ao imperialismo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978.
HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
HUGON, Paulo. História das doutrinas econômicas. São Paulo: Atlas, 1976.
MANTOUX, Paul. A revolução industrial no século XVIII. São Paulo: Unesp/Hucitec, s.d.
MARX, Karl e ENGEL, Frirdrich. Manifesto Comunista. São Paulo: Nova Stella, 1980.
MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. (Os economistas). São Paulo: Abril Cultural, 1984.
MICHALARY, Douglas. História das guerras mundiais. São Paulo: AGEV, 1967.

MOZARÉ, Charles. Os burgueses à conquista do mundo (1780-1895). Lisboa: Cosmo, 1965.


NERÉ, Jacques. História contemporânea. São Paulo, Diefel, 1975.
PEREIRA, Ângela M. C. Burguesia e Trabalho. Rio de Janeiro: Campus ,1979.
POMER, Leo. O surgimento das nações. São Paulo:Atual Unicampo, 1986.
PRADO, Caio. Formação do Brasil contemporâneo . São Paulo: Brasiliense, 1987.
SINGER, Paul A formação da classe operária. São Paulo: Atual, 1985.
______. O capitalismo: sua evolução, sua lógica e sua dinâmica.São Paulo Moderna, 1987.

SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. (Os economistas). São Paulo: Abril Cultural, 1983.


WELLEK, René. História da crítica moderna. São Paulo, Herder, 1967.





DISCIPLINA: História do Brasil II

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: História do Brasil I


EMENTA: As identidades da República: sentidos e significados; civilização, resistência e exclusão. As relações de poder: conhecer e hospedar o outro para dominar.; redefinições no campo político e econômico-social, com a saída de Getúlio Vargas da presidência da República, fim da Segunda Guerra Mundial, início da Guerra Fria e novas elaborações culturais que ganham visibilidade; os “Anos Dourados” que marcaram a década de 50, a emergência dos militares no comando da Nação, os protestos de intelectuais, estudantes e artistas à política ditatorial, os anos 80 e o momento de reabertura para o pensamento democrático brasileiro, os anos 90 e as novas elaborações sócio-culturais que ganham destaque no cenário brasileiro; as lutas de povos indígenas pelo acesso aos bens sociais, entre eles a terra e a educação.


BIBLIOGRAFIA:

ARAÚJO, Ângela Maria Carneiro. A legislação social dos anos 30: um estudo do processo decisório. In: História e perspectivas, Uberlândia - UFV, n. 7, jul/dez 1992.



CARVALHO, José Murilo de. Formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das letras, 1990.
______ . O Rio de janeiro e a República. In: Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
Costa, Emilia Viotti da. A proclamação da República: a historiografia tradicional. In: Da Monarquia à Republica: momentos decisivos. São Paulo: Brasiliense, 1987.
Costa, Ângela Marques da (coord). Quando o sanitarista entra em cena: 1840- 1914. In: No tempo das certezas. São Paulo: Companhia das letras, 2000. (Col. Virando Século).
Dantas, Eugenia; BURITI, Iranilson (orgs). Cidade e região: múltiplas histórias. João Pessoa: Idéia, 2005.
D’Incao, Maria Ângela et al (orgs). Amor e família burguesa no Brasil. São Paulo: Contexto, 1989.
Gomes, Ângela de Castro; CORREA, Vilas-Boas et al. Vargas e a crise dos anos 50. Rio de Janeiro: Relume – Dumará, 1994.
Lacerda, Aline Lopes de. A obra Getuliana ou como as imagens comemoram o regime. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. 1994.
Marins, Paulo Cezar Garcez. Habitação e Vizinhança: limites da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras. In: História da Vida Privada no Brasil. República: da Belle Èpoque à era do rádio. São Paulo: Companhia das letras, 1998.
Munakata, Kazumi. A legislação trabalhista no Brasil. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1985. (Col. Tudo é História).
Napolitano, Marcos. Os Festivais da Canção como eventos de oposição ao Regime Militar Brasileiro (1966-1968). In: REIS, Daniel; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto (orgs). O Golpe e a ditadura militar. Bauru: Edusc, 2004. p. 203-216.
Saliba, Elias Thomé. A dimensão cômica da Vida Privada na República. In: História da Vida Privada no Brasil. República: da Belle époque à era do rádio. São Paulo: Companhia das letras, 1998.
Tavares, M. H. et al. Carro Zero e pau-de-arara: o cotidiano da oposição da classe média ao regime militar. In: SCHWARCZ, Liliam M. (org.). História da Vida Privada no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
Weinstein, Bárbara. Essa não é a República dos meus sonhos. Obstáculos à democracia Política e social no Brasil. In: Revista Brasileira de História: confrontos e perspectivas. São Paulo: Contexto – ANPUH, v. 16, n. 31 e 32.
Wolf, Joel. Pai dos pobres, mãe dos ricos? Getulio Vargas, industriários e construções de classe, sexo e populismo no Brasil. In: Revista Brasileira de História. Confrontos e Perspectivas. São Paulo: Contexto – ANPUH, v. 16, n. 31 e 32. 1996.




DISCIPLINA: Prática para o Ensino de Ciências Humanas II


CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Prática para o Ensino de Ciências Humanas I


EMENTA: Conhecimento e metodologia de ensino. O espaço escolar: conhecimento e socialização. Ensino e aprendizagem: continuidades e rupturas. Sociologia: institucionalização da disciplina e propostas oficiais. Ciências Humanas: história, geografia e temas transversais no ensino fundamental e o campo de atuação do licenciado. Cultura e sociedade: as ciências sociais no ensino médio. Recursos didáticos: o uso da literatura e do cinema como recursos didáticos no ensino das Ciências Humanas. O uso do livro didático: limites e possibilidades.


BIBLIOGRAFIA:

ADORNO E HORKHEIMER.A massa In: Temas Básicos da Sociologia. São Paulo, Cultrix, 1973.


APPLE, M. O currículo oculto e a natureza do conflito. In: Ideologia e Currículo.São Paulo: Brasiliense, 1982.
AZANHA, J. M. P. Uma reflexão sobre a Didática. In: Educação: alguns escritos. São Paulo: Nacional, 1987.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros nacionais, Brasília, MEC/SEF, 1997.
CASTRO, A. D. A articulação da prática de ensino com as matérias pedagógicas In: BERNARDO, M. V. C. (org.) Formação do Professor: atualizando o debate. São Paulo, Educ, 1989 (Cadernos PUCSP)
FAVARETTO, C. F. Sobre o ensino de Filosofia Revista da Faculdade de Educação, v. 19, n. 1, jan. jun 1993, São Paulo, FEUSP, 1993.
MACHADO, O. Introdução e O retorno da sociologia ao currículo do 2º grau. In: O ensino de ciências sociais na escola média. São Paulo: FEUSP, 1996 (dissertação de mestrado).
MACHADO DE ASSIS. Como de escola. In Várias Histórias. Rio de Janeiro, Jackson, 1957.
MEC/SEAF, Parâmetros curriculares nacionais: 3º e 4º ciclos. Versões preliminares de História, Geografia e Pluralidade Cultural (tema transversal). Brasília, MEC/SEAF, 1997.
MORAES, A. C. Métodos inovadores no ensino de Sociologia no 2º grau. São Paulo: Mimeo, 1997.
PENTEADO, H. D. O. Prática de Ensino de Ciências Sociais In: CARVALHO, A. M. P. (org.) A formação do Professor e a Prática de Ensino. São Paulo: Pioneira, 1988.
SCHEFFLER, I. Metáforas em educação. In : A Linguagem da Educação. São Paulo, EDUSP/Saraiva, 1974.
SCHION, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In NÓVOA, A. (org.) Os professores e a sua formação. Lisboa: D. Quixote, 1992.
WEBER, M. Ciência como vocação. In: Ciência e Política: duas vocações, 4. ed., Brasília, UnB, 1983.




DISCIPLINA: Oficina de Pesquisa I

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Oficina de Projeto de Pesquisa


EMENTA: Processo de construção do conhecimento em educação. Atividades teórico-práticas de formação do pesquisador em educação: formulação de problemas de pesquisa e procedimentos de análise; execução de projetos de iniciação científica; construção de relatório de pesquisa.

BIBLIOGRAFIA:

ALVES-MAZOTTI, A. J.E. O Método nas ciências naturais e sociais:Pesquisa qualitativa e quantitativa.São Paulo: Pioneira, 1998.

ARMANI, Domingos. Como Elaborar Projetos: Guia Prático para Elaboração e Gestão de Projetos Sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2000.

BECKER, S. Howard. Método de Pesquisa em Ciências Sociais. Hucitec:SP.1997.


BLALOCK, J.Q.M. Introdução à Pesquisa Social. Zahar: RJ. 1973.
DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. Atlas: SP. 1995.
________. Metodologia Científica em Ciências Sociais. Atlas: SP. 1985.
________. Pesquisa e Construção do Conhecimento. Tempo Brasileiro: RJ. 1994.

MINAYO. M. Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Vozes: SP. 1992.


GOLDENBERG, Miriam. A Arte de Pesquisar. 2. ed.São Paulo:Record,. 1998.
LAKATOS, Eva Maria e Marconi & ANDRADE, M. Metodologia Científica. Atlas: SP. 2a edição. 1991.

MINAYO, M.C. : O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec, 1998.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópilis:Vozes.1981.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 4.ed. São Paulo: Cortez, 1988.

THIOLLENT, M.: Pesquisa-Ação nas Organizações. São Paulo: Atlas, 1997.



DISCIPLINA: Informática Aplicada ao Ensino de Ciências Humanas

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Informática Básica


EMENTA: A informática educativa. Internet na educação. Utilização de computadores para o desenvolvimento de material didático na área de Ciências Humanas.


BIBLIOGRAFIA:

COSTA, R. A Nova Demanda das Licenciaturas: Informática 10 Na Educação, WIE’99 - Workshop de Informática na Escola –SBC’99, Rio de Janeiro, RJ, pp 645-654, Julho 1999.


LÉVY, P. Cibertultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
LUCENA C., FUKS H. A Educação na Era da Internet. Rio de Janeiro: Editora Clube do Futuro,2000.
LUCENA, C., FUKS, H. AulaNet: ajudando professores a fazerem seu dever de casa. Anais do XIX Congresso Nacional da SBC,Vol.1 p. 105, 1999.
MAIA, Rêmulo. Internet na educação. Lavras: UFLA, 2003.
PAPERT, S. LOGO: Computadores e Educação. São Paulo: Ed. Brasiliense,1988.
SANMYA, Feitosa Tajra. Informática na educação. São Paulo: Érica, 2002.
SETTE, S. Informática nas licenciaturas. In: Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 6, 1995, Florianópolis. Anais.Florianópolis: SBC: UFSC, EDUGRAF, 1995, pp 256-267.
ZAMBALDE, André Luís. Computador tutor. Lavras: UFLA, 2003.





DISCIPLINA: História Indígena II

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: História Indígena I

EMENTA: História indígena e do indigenismo. O índio colonial (aldeias e vilas). Teorias do contato. Política indigenista na colônia, no império e na república. Modelos literários e científicos. Práticas missionárias no século XX. Cosmologias do contato. Desaparecimento e emergências.

BIBLIOGRAFIA:

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses Indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003, capítulo 3, p. 129-185.

AZEVEDO, Ana Lúcia Lobato de. 'A terra somo nossa': uma análise de processos políticos na construção da terra Potiguara. Tese de Mestrado em Antropologia Social. Rio de Janeiro: MN-UFRJ, 1986.
BARBOSA, Wallace de Deus. Pedra do Encanto: dilemas culturais e disputas políticas entre os Kambiwá e os Pipipã. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/LACED, 2003.
BRASILEIRO, Sheila. Povo indígena Kiriri: emergência étnica, conquista territorial e faccionalismo. In: OLIVEIRA F., João Pacheco de (org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contracapa, 2004. p. 175-198.

CARVALHO, Marcus. Clientelismo e Contestação: o envolvimento de índios de Pernambuco nas brigas dos brancos na época da Independência. In: MONTEIRO, J. e NOGUEIRA, F. (orgs). Confronto de Culturas: conquista, resistência, transformação. São Paulo e Rio de Janeiro: Edusp/Expressão e Cultura, 1997, p. 329-342.

CHERNELA, Janet e LEED, Eric. As Perdas da História: identidade e violência num mito Arapaço do alto Rio Negro. In: ALBERT, B. e RAMOS,A.(orgs) Pacificando o Branco: cosmologias do contato no Norte Amazônico. São Paulo: Ed. Unesp, 2002, p. 469-486.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Pensar os Índios: apontamentos sobre José Bonifácio. In Antropologia do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986, p. 165-73.

FARAGE, Nádia. As Muralhas dos Sertões: os povos indígenas do rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991, capítulo 4, p. 121-168.

FERNANDES, João Azevedo. De Cunhã a Mameluca: a mulher tupinambá e o nascimento do Brasil. João Pessoa: Ed. UFPB, 2003, capítulo 4, p. 169-264.

GALLOIS, Dominique. Mairi Revisitada: a reintegração da Fortaleza de Macapá na tradição oral dos Waiãpi. São Paulo: NHII-USP, 1993.

GRÜNEWALD, Rodrigo de A. Os Índios do Descobrimento: tradição e turismo. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2001, p. 113-148.

______. Regime de Índio e faccionalismo: os Atikum da Serra do Umã. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: PPGAS-Museu Nacional-UFRJ. 1993.
______. A tradição como pedra de toque da etnicidade. Anuário Antropológico 96. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997, p. 113-125.
______. Os Índios do Descobrimento: tradição e turismo. Rio de Janeiro: Contracapa, 2001.
______. Etnogênese e ‘regime de índio’ na Serra do Umã. In: OLIVEIRA, João Pacheco de (org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contracapa. 2004.
LIMA, Antonio Carlos de Souza. Um Grande Cerco de Paz. São Paulo/Petrópolis: Anpocs/Vozes. 1995.

MONTEIRO, John. As Raças Indígenas no Pensamento Brasileiro durante o Império. In: MAIO, M.C. e DOS SANTOS R.V.(orgs). Raça, Ciência e Sociedade no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil/FIOCRUZ, 1996, p. 15-24.

OLIVEIRA, João Pacheco de. (org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contracapa. 2004.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Os Atalhos da Magia: Notas para uma Etnografia dos Naturalistas Viajantes. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. 3. ed. n°. 2, 1987, p. 155-188.

OLIVEIRA JR., Adolfo Neves de. Faccionalismo Xukuru-Kariri e a atuação da FUNAI. In: ESPÍRITO SANTO, Marco Antonio do, (org.). Política Indigenista: Leste e Nordeste Brasileiros. Brasília: FUNAI/DEDOC, 2000, p. 97 a 106.

PALITOT, Estêvão Martins. Os Potiguara da Baía da Traição e Monte-Mór: história, etnicidade e cultura. Dissertação de Mestrado. João Pessoa. PPGS-UFPB/UFCG, 2005.


PERES, Sidnei Clemente. Arrendamento e terras indígenas: análise de alguns modelos de ação indigenista no Nordeste (1910-1960). Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: PPGAS/MN/UFRJ, 1992.
SAMPAIO, José Augusto L. Notas sobre a formação histórica, etnicidade e constituição territorial do povo Kapinawá. In: REIS, Elisa et al. (orgs.) Pluralismo, Espaço Social e Pesquisa. São Paulo: ANPOCS/HUCITEC, 1995, p.245-271.

SILVA, Aracy Lopes da. Dois Séculos e Meio de História Xavante. In: CUNHA, M. Carneiro da (org). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 357-378.

VALLE, Carlos Guilherme Octaviano do. Terra, Tradição e Etnicidade: Um Estudo dos Tremembé do Ceará. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: PPGAS/ MN/UFRJ. 1993.
VALLE, Carlos Guilherme Octaviano do Experiência e semântica entre os Tremembé do Ceará. In, OLIVEIRA F., João Pacheco de (org.). A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contracapa. 2004.
WEBER, Max. Relações Comunitárias Étnicas. In: Economia e Sociedade. Brasília: UnB. 1991.
WOLF, Eric R. Etnicidade e Nacionalidade. São Paulo:EDUNB/ Editora Unicamp, 2003, p.243-254.
WRIGHT, Robin. História Indígena e do Indigenismo no Alto Rio Negro. Campinas: Mercado das Letras, 2005, capítulo 6, p. 203-270.





DISCIPLINA: Relações Interétnicas

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: Estudo dos processos de construção de fronteiras e de identidades étnicas, procurando discutir os fatores que as modificam e determinam como as teorias e concepções nativas, a competição por recursos, a hierarquia e estratificação entre grupos assimétricos, o estabelecimento de tradições e culturas regionais, a intervenção disciplinar do Estado. Ênfase no Nordeste Etnográfico em termos do desenvolvimento dos estudos indígenas ou quilombolas no Brasil.

BIBLIOGRAFIA:

ALMEIDA, A. W. B. “Os Quilombos e as Novas Etnias”. In: O’DWYER, E. C. (Org.) Quilombos: Identidade Étnica e Territorialidade. Rio de Janeiro, ABA / FGV.


BALDUS, H. Tapirapé. Tribo Tupi no Brasil Central. (páginas 15-71) São Paulo, CEN, 1970.
BANTON, M. 1979. "Etnogénese" in: A Ideia de Raça. Lisboa, Edições 70.
BARTH, F. “Os Grupos Étnicos e suas Fronteiras”. In: O Guru, o Iniciador e Outras Variações Antropológicas. Rio de Janeiro:Contra Capa, 2000.
BOURDIEU, P. “A Identidade e a Representação. Elementos para uma Reflexão Crítica sobre a Idéia de Região”. In: O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989.
BOURDIEU, P. “Espaço Social e Génese de ‘Classes’”. In: O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989.
CARVALHO, Mª R. de “De Índios ‘ Misturados’ a Índios ‘Regimados’” Trabalho apresentado na XIX Reunião da ABA. Niterói, 1994.
CUNHA, M. C. da Antropologia do Brasil. (Páginas 97-119) São Paulo, Brasiliense, 1987 (2ª edição) (1986)
d’ADESKY, J. Racismos e Anti-Racismos no Brasil. (Capítulos 1, 2, 3 7, 10, 11 e 12). Pallas: Rio de janeiro, 2001.
DA MATTA, R. “Digressão: A Fábula das Três Raças, ou o Problema do Racismo à Brasileira” in: Relativizando: Uma Introdução à Antropologia Social. Petrópolis: Vozes, 1981.
FREYRE, G. Casa Grande e Senzala. (Capítulos 4 e 5). Rio de Janeiro, José Olympio, 1983 (22ª edição) (1933)
FRY, P. “Feijoada e Soul Food: Notas sobre a Manipulação de Símbolos Étnicos e Nacionais” In: Para Inglês Ver. Identidade e Política na Cultura Brasileira. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.
GALVÃO, E. Índios e Brancos no Brasil. Encontro de Sociedades. (Páginas 120-134) Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979
GLUCKMAN, M. “Análise de uma Situação Social na Zululândia Moderna”. In: FELDMAN-BIANCO, B. (Org.) Antropologia das Sociedades Contemporâneas. São Paulo, Global, 1987.
GRÜNEWALD, R de A. Os Índios do Descobrimento: Tradição e Turismo. (Introdução e Capítulo 4). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2001.
GRÜNEWALD, R. de A. “Etnogênese e ‘Regime de Índio’ na Serra do Umã” in: OLIVEIRA, J. P. (org.) A Viagem da Volta. Etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1999.
GUSMÃO, N. M. M. de “Herança Quilombola: Negros, Terras e Direito” In: BACELAR, J. & CAROSO, C. (orgs.) Brasil: um País de Negros? Rio de Janeiro: Pallas, 1999.
HOBSBAWM, E. 1984. “Introdução: A Invenção das Tradições” in: HOBSBAWN, E. & RANGER, T. (orgs.) A Invenção das Tradições. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

MENEZES, D. O Outro Nordeste. (Capítulos 1, 2 e 3). Vitória, Artenova, 1970 (2ª edição) (1937)


NOGUEIRA, O. “Preconceito Racial de Marca e Preconceito Racial de Origem” In: Tanto Preto quanto Branco. São Paulo: Queiroz, 1985.
O’DWYER, E. C. “Introdução: Os Quilombos e a Prática Profissional dos Antropólogos”. In: O’DWYER, E. C. (Org.) Quilombos: Identidade Étnica e Territorialidade. Rio de Janeiro: ABA / FGV.
OLIVEIRA, J. P. de. “A Problemática dos ‘Índios Misturados’ e os limites dos estudos americanistas: um Encontro entre Antropologia e História” In: Ensaios em Antropologia Histórica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1999

OLIVEIRA, J. P. de. O Nosso Governo. Os Ticuna e o Regime Tutelar. (Capítulo 1) São Paulo: Marco Zero, 1988.


OLIVEIRA, J. P. de. “Uma Etnologia dos ‘Índios Misturados’: Situação Colonial, Territorialização e Fluxos Culturais” In: A Viagem da Volta. Etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1999
OLIVEIRA, R. C. de. O Índio e o Mundo dos Brancos. (Páginas 1-8, 15-30, 97-123) Brasília: Editora UnB/ Pioneira, 1981 (1964)
SKIDMORE, T. E. “O Ideal de ‘Branqueamento’ depois do Racismo Científico” In: Preto no Branco. Raça e Nacionalidade no Pensamento Brasileiro. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989 .
WEBER, M. “Relações Comunitárias Étnicas”. In: Economia e Sociedade, 1. Brasília: Unb, 1991.




DISCIPLINA: Estado e Políticas Pública no Brasil

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: A constituição da idéia de política pública. A noção de público e privado; a constituição da esfera pública burguesa. As Políticas Públicas de corte social: sua trajetória e desenvolvimento no Brasil. Formulação e avaliação de políticas públicas.


BIBLIOGRAFIA:

AGUILAR, Maria José e & ANDER-EGG, Ezequiel. Avaliação de serviço e programas sociais. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 1994.


ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de. Direitos sociais, organização de interesses e corporativismo no Brasil. Novos Estudos, 25, out. 1989, p. 50-60.
ARENDT, Hannah. As esferas pública e privada. In: A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitário, 1983, p. 31-88.
BARREIRA, Maria Cecília Roxo Nobre. Avaliação participativa de programas sociais. São Paulo: Veras/CPIHTS, 2000.
BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.
BODSTEIN, Regina (org.). Serviços sociais de saúde: construção de atores políticos. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.
CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual. DADOS, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, 1997, 229-250.
COSTA, Sérgio. Esfera pública, redescoberta da sociedade civil e movimentos sociais no Brasil; uma abordagem tentativa. São Paulo, Novos Estudos CEBRAP, 38, mar. 1996, p. 38-51.
DINIZ, Eli; BOSCHI, Renato. O corporativismo na construção do espaço público. In: BOSCHI, Renato R. (org.). Corporativismo e desigualdade. A construção do espaço público no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ/Rio Fundo, 1991, p. 11-29.
DRAIBE, Sônia Miriam. As políticas sociais brasileiras: diagnóstico e perspectivas. Brasília: IPEA/IPLAN. Para a Década de 90, v. 04, mar. 1990, p. 1-66.
FALCÃO, Maria do Carmo B. C. Novas fronteiras entre o público e o privado: o papel das organizações não-governamentais na década de 90. Cadernos CBIA, ano I, n°. 1, 2ª ed., Rio de Janeiro, 1991, p.21-23.
FERNANDES, Rubem César. Privado porém público. O terceiro setor na América Latina. 2. ed. Rio de Janeiro: Durumá, 1994.
FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1954.
HABERMAS, Jurgen. Mudança na estrutura social da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.
LINDBLOM, C. O processo de decisão política. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1991.
MENDES, Cândido (org.) O legislativo e a tecnocracia. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
OLIVEIRA, Francisco de. Estado, sociedade, movimentos sociais e políticas públicas no limiar do século XXI. Rio de Janeiro: FASE, 1993.
SILVA, Luiz Barros; MELO, Marcus André Barreto de. O processo de implementação de Políticas Públicas no Brasil: características e determinantes na avaliação de programas e projetos Cadernos de Pesquisa, n. 48. Campinas, NEPP/UNICAMP, 2000.
SILVA, Maria Ozanira da Silva e. (coord.) Avaliação de políticas e programas sociais: teoria e prática. São Paulo: Veras, 2001.
WEBER, M. Os fundamentos da organização burocrática: uma construção de tipo ideal. In: CAMPOS, E. (org.) Sociologia da burocracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.




DISCIPLINA: Estágio Curricular Supervisionado I

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: A relação dialógica teoria-prática e realidade. A práxis do docente. O papel da avaliação e da pesquisa no processo de formação do professor.




DISCIPLINA: Oficina de Pesquisa II

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Oficina de Pesquisa I


EMENTA: Pesquisa. Formação do Pensamento científico. O perfil do pesquisador. Etapas da Pesquisa Científica. Métodos e Técnicas em Pesquisa Educacional. Construção do Projeto de Pesquisa do Trabalho Monográfico. Definição e estrutura da monografia. Normas do Trabalho de Conclusão de Curso e Normas da ABNT.


BIBLIOGRAFIA:

ALVES-MAZOTTI, A. J.E. O Método nas ciências naturais e sociais:Pesquisa qualitativa e quantitativa.São Paulo: Pioneira, 1998.

ARMANI, Domingos. Como Elaborar Projetos: Guia Prático para Elaboração e Gestão de Projetos Sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2000.

BECKER, S. Howard. Método de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec, 1997.


BLALOCK, J.Q.M. Introdução à Pesquisa Social. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.
DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas, 1995.
________. Metodologia Científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas,1985.
MINAYO. M. Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Vozes: SP. 1992.
GOLDENBERG, Miriam. A Arte de Pesquisar. 2. ed.São Paulo:Record,. 1998.
LAKATOS, Eva Maria e Marconi & ANDRADE, M. Metodologia Científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

MINAYO, M.C. O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec, 1998.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópilis:Vozes,1981.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 4.ed. São Paulo: Cortez, 1988.

THIOLLENT, M.: Pesquisa-Ação nas Organizações. São Paulo: Atlas, 1997.




DISCIPLINA:História Oral e Memória como Práticas Educativas


CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: Reflexão sobre a história do tempo presente enquanto momento básico da construção da História e sua relação com o passado por meio da memória. A utilização da história oral e da memória como mecanismos auxiliadores da aprendizagem.


BIBLIOGRAFIA:

DELGADO, Lucillia A. Neves. História Oral: memórias, tempo e identidades. 1.ed.São Paulo: Autêntica, 2006.


FERREIRA, Marieta de M.; AMADO, Janaina.Usos & Abusos da História Oral.5.ed.Rio de Janeiro: FGV, 2002.
MEIHY, José C. S. Bom. Reintroduzindo a história oral no Brasil.2. ed.São Paulo: Xamã, 1996.
MONTENEGRO, Antônio Torres. História oral e memória. São Paulo: Contexto.





DISCIPLINA: História do Nordeste

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: Estudar a história da região Nordeste a partir das práticas e culturas políticas que constituem a identidade regional – identidades locais, étnicas e de gênero; as idéias e disputas políticas; suas construções simbólicas e imaginárias; as transformações culturais e mudanças espaciais; as representações das identidades espaciais nos discursos literários, cinematográfico, musical, pictórico; os discursos historiográficos; as representações espaciais nos discursos da geografia, da arquitetura, do urbanismo; os diferentes discursos em torno dos espaços agrários e urbanos; a cultura de massa; a mídia; o sagrado e profano, as religiões, as festas.


BIBLIOGRAFIA:

Albuquerque Junior, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 2. ed. Recife/São Paulo: Massangana/ Cortez, 2001.
______ . Nordestino: uma invenção do falo - uma história do gênero masculino (Nordeste – 1920/1940). Maceió: Catavento, 2003.
Bosi, Alfredo. Cultura Brasileira. São Paulo: Ática, 1987.
______ . Dialética da Colonização. São Paulo: Cia das Letras, 1992.
Bursztyn, Marcel. O poder dos donos: planejamento e clientelismo no Nordeste. Petrópolis: Vozes, 1985.
Cândido, Antônio. Literatura e subdesenvolvimento. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989.
Castells, Manuel. O poder da identidade: a era da informação - economia, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999. v. 2.
Certeau, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994. v. 1.
Chaui, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.
Cunha, Euclides da. Os sertões. Rio de Janeiro: José Olympio, s.a.
Eisenberg, Peter. Modernização sem mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
Freyre, Gilberto. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1937.
Gomes, Ângela Castro (org). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004.
Haroche, Claudine. O que é um povo? Os sentimentos coletivos e o patriotismo do final do século XIX. In: SEIXAS, J. et al. Razão e sentimento na política. Brasília: UnB, 2002.
Luca, Tânia Regina de. A revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: Unesp, 1999.
Oliveira, Francisco de. Elegia para uma re(li)gião. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
Prado jr. Caio. A questão agrária no Brasil. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.
Rezende, Antônio Paulo. Freyre: as travessias de um diário e as expectativas da volta. In: GOMES, Ângela Castro (org). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004.
Rego, José Lins do. Usina. Rio de Janeiro: José Olympio, 1995.
______ . Fogo Morto. 45. ed. Rio de Janeiro: José Olympio.1995
Silveira, Rosa Maria Godoy. Regionalismo nordestino. São Paulo: Moderna, 1984.
Schwarcz, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
Trigo, Luciano. Engenho e Memória: o Nordeste do açúcar na ficção de José Lins do Rego. Rio de Janeiro: Topbooks, 2002.





DISCIPLINA: Etnologia Indígena no Brasil

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____

EMENTA: Dados gerais sobre populações “indígenas”. “Indío”: reflexões críticas e histórico de uma categoria colonial. Relatos de viajantes e naturalistas: usos e abusos. Indigenismo: agências de Estado e administração de populações, antropologia e movimento indígena. “Etnologia” nas primeiras décadas do século XX. Primeiras monografias e esforços de sistematização comparativa: de tribos, áreas culturais, de extinção e aculturação.

BIBLIOGRAFIA:
CUNHA, Manuela Carneiro da. Política indigenista no século XIX. Em: CUNHA, M. C. da (org.). História dos Índios no Brasil. SP: Cia. das Letras: Secretaria Municipal de Cultura, FAPESP, 1992.
FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Introdução. Em: FERREIRA, A. R. Viagem ao Brasil. SP: Karpa Editorial, 2002.
GALVÃO, Eduardo. Áreas Culturais Indígenas do Brasil: 1900-1959 e Aculturação Indígena no Rio Negro. In: GALVÃO, E. Encontro de Sociedades. RJ: Paz e Terra, 1979.
KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Dois anos entre os índios. Viagens no noroeste do Brasil (1903-1905). Manaus: EDUA/FSDB, 2005.
LA CONDAMINE, Charles Marie de. Viagem pelo Amazonas, 1735-1745. SP: Ed. Nova Fronteira, Edusp, 1992.
OLIVEIRA, João Pacheco de. Elementos para uma sociologia dos viajantes. Em: OLIVEIRA, J. P. de (org.) Sociedades Indígenas e Indigenismo no Brasil. RJ: UFRJ, Ed. Marco Zero, 1987.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: Cunha, M. C. da (org.). História dos Índios no Brasil. SP: Cia. das Letras: Secretaria Municipal de Cultura, FAPESP, 1992.


POMPA, Cristina. “Introdução” e “O Sertão: Ocupação do Espaço”. In: POMPA, Cristina. Religião como Tradução. Missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial. SP: EDUSC, 2003.

ROQUETTE-PINTO, Edgar. Rondônia. Brasiliana. vol. 39. SP: Companhia Editora Nacional, 1975.


TODOROV, Tzetan. Colombo e os índios. In: TODOROV, T. A Conquista da América. A questão do outro. SP: Martins Fontes, 1996.
WHITE, Hyden. As Formas do Estado Selvagem. Arqueologia de uma idéia. In: WHITE, H. Trópicos do Discurso. Ensaios sobre Crítica da Cultura. SP: Edusp, 1994.




DISCIPLINA: História Social da Cultura

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: História social e cultural; a constituição da história social e da história cultural, seus pressupostos teórico-metodológicos e a sua recepção no Brasil. História e antropologia: diálogos. Metodologia de pesquisa em história social e cultural. Interdisciplinaridade. Brasil – história social e cultural e antropologia indígena.

BIBLIOGRAFIA:

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz. História: a arte de inventar o passado. In: Caderno de História, UFRN, Natal, v. 2, n. 1, jan.jun/1995, p. 07-12.


ARANHA, Gervácio Batista. Realismo vs Nominalismo e a escrita da História: questões para o século XXI. Texto inédito.
BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
CALDEIRA, Teresa P. do R. A presença do autor e a pós-modernidade em antropologia. In: Novos Estudos CEBRAP, n. 21, jul. 1988. p. 133-157.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
______ . A sociedade de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.
DAVIS, Natalie Z. Las formas de la historia social. In: História social, n. 10, primavera-verano/1991.
GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Lisboa: DIFEL, 1989.
______ . Relações de força. São Paulo: Cia das Letras, 2002.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.
______ . Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo. 2. ed. Brasília/São Paulo: Paralelo 15/UNESP, 2000.
RAGO, Margareth; GIMENEZ, Renato A. O. (orgs). Narrar o passado, repensar a história. Campinas: Unicamp/IFCH, 2000.
SHARPE, Jim. A história vista de baixo. In: BURKE, Peter. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da Universidade Paulista, 1992. p. 39-62.
SCHUARCZ, Lílian Moritz; GOMES, Nilda Lino (orgs). Antropologia e história: debate em região de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.
THOMPSON, E. P. Costumes em comum: estudos sobre cultura popular tradicional. São Paulo: Cia das Letras, 1998.




DISCIPLINA: Geografia III

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Geografia II

EMENTA: A Geografia Humana. As diferentes teorias demográficas. Analisar as estatísticas demográficas brasileiras, e o comportamento das variáveis natalidade, mortalidade e crescimento ndemográfico. As causas da existência da fome do Brasil. Os efeitos da globalização sobre as migrações internacionais, problemas raciais e étnicos e a xenofobia à nível mundial.

BIBLIOGRAFIA:

ADAS, M. A Fome : crise ou escândalo? São Paulo : Moderna, 1997.


DAMIANI, A. População e Geografia. São Paulo : Contexto,1998.
KENNEDY, P. Preparando para o século XXI. Rio de Janeiro: Campus.
MARTIN, A. R. Fronteiras e nações. São Paulo; Contexto, 1994.
MORAES, A. C. R. Geografia - pequena história crítica. São Paulo: Ed.Hucitec, 1993.
NAZARETH, J. M. Fronteiras e nações. Lisboa: Editorial Presença.1998.





DISCIPLINA: Estágio Curricular Supervisionado II


CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: Estágio Curricular Supervisionado I


EMENTA: Interdisciplinaridade. Projeto Político Pedagógico da Escola. Ensino Municipal e Estadual. Práticas pedagógicas no processo ensino-aprendizagem





DISCIPLINA: Monografia

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: ____


EMENTA: Execução da proposta de monografia: redação do trabalho final.






DISCIPLINA: Monografia

CRÉDITOS: 04

CARGA HORÁRIA: 60h

PRÉ-REQUISITO: _____


EMENTA: Execução da proposta de monografia: redação do trabalho final.










Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal