Engama – proposta de integraçÃo entre a faculdade unb gama e as escolas de ensino médio despertando o interesse nas engenhari



Baixar 41.3 Kb.
Encontro28.03.2018
Tamanho41.3 Kb.




ENGAMA – proposta de Integração entre a faculdade unb Gama e as escolas de Ensino Médio (Despertando o interesse nas engenharias nas escolas de ensino médio)

Lucas Machado Gaio – lucasquimica@gmail.com

(aluno bolsista do projeto EnGama)



Juliany Martins da Silva – jmartins@aluno.unb.br

(aluno bolsista do projeto EnGama)



Rudi van Els – rudi@unb.br

Universidade de Brasília, Faculdade Gama

Área Especial 2 Lote 14 Setor Central

72405-610 – Gama – Distrito Federal


Resumo: O artigo apresenta os resultados parciais da iniciativa da Faculdade Gama (FGA) Universidade de Brasília de promover o curso de engenharia na região da abrangência do campus. A FGA foi criada em 2008 com o principal objetivo estender a universidade pública aos alunos que habitam as áreas do entorno de Brasília. No caso do campus do Gama, esta área abrange as cidades de Gama, Santa Maria, Ceilândia, São Sebastião, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Riacho Fundo II e Samambaia e os municípios goianos de Luziânia, Valparaíso de Goiás, Novo Gama, Cidade Ocidental e Santo Antônio do Descoberto. Para viabilizar o acesso dos estudantes dessas cidades foi criado um bônus regional, entretanto, mesmo com esse bônus percebe-se que a quantidade de alunos da região ainda é muito reduzida. Para aumentar a participação dos alunos da região de abrangência a FGA criou um projeto de extensão denominado EnGama, que tem como proposta divulgar o curso de engenharia nas escolas de ensino médio da região. Uma das atividades do projeto EnGama é o show de tecnologia, esse show leva alunos da FGA para realizaram experiências de física e química nas escolas de ensino médio pública da região para assim despertar o interesse do aluno nas áreas de ciências, além de apresentar a faculdade e os diversos cursos de engenharia. Até o presente momento foram atendidas 5 escolas de Ensino Médio no Distrito Federal, com a realização de 30 shows de tecnologia com duração de 50 minutos em média, onde aproximadamente 1000 alunos assistiram às apresentações do grupo. Os experimentos foram escolhidos e montados a partir de idéias advindas dos alunos UnB. As experiências são: Fabricação de biodiesel, Eficiência energética, Acústica, Imponderabilidade e Multiplicação de forças. O presente artigo apresenta também as experiências do show de tecnologia e os resultados parcias do projeto, que está sendo financiado pelo edital MCT/FINEP/CT-PETRO – PROMOVE – 01/2008.
Palavras-chave: Engenharia, Inserção social, Show de tecnologia e experiências.

1introdução


A Universidade de Brasília depois 48 anos de fundação iniciou um processo de interiorização tardia para estender o ensino público universitário para as demais cidades que compõem o Distrito Federal. O campus principal da UnB atendia o plano piloto e houve uma demanda para criar campi nas cidades satélites.

É neste contexto que surge o campus na cidade de Gama com a implantação de uma faculdade de cursos de engenharia. A Faculdade UnB Gama (FGA) iniciou suas atividades oficialmente em junho de 2008 com a realização do vestibular para 240 vagas em cursos de engenharia, distribuídas em quatro especialidades: Automotiva, Energia, Software e Eletrônica. A grande novidade no sistema de admissão foi o fato de os alunos fazerem vestibular para o curso de engenharia, deixando a escolha da especialidade após a conclusão do ciclo básico do curso.

Atualmente o curso possui 60 docentes em exercício. Até 2012, deverá contar com um quadro composto por 140 docentes e 60 técnicos de apoio administrativo e tecnológico para atender um corpo discente de 2400 alunos das quatro engenharias.

A escolha da cidade do Gama faz com que o campus fique próximo das diversas cidades no sul do Distrito Federal, são elas, Santa Maria, Ceilândia, São Sebastião, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Riacho Fundo II e Samambaia, além de atender os municípios goianos de Luziânia, Valparaíso de Goiás, Novo Gama, Cidade Ocidental e Santo Antônio do Descoberto. Para viabilizar o ingresso dos estudantes dessas cidades e municípios, a UnB adotou um sistema de ingresso especial, onde os alunos que tenham cursado pelo menos dois anos do ensino médio nessas cidades ou municípios tem uma bonificação de 20% na pontuação dos programas de avaliação seriado e vestibular. O programa de bonificação não faz distinção entre escolas públicas ou particulares, basta ter cursado pelo menos dois anos do ensino médio na região de abrangência do campus. A população total das cidades do DF de abrangência do campus é de 936.630 (http://brasiliabsb.com/pop_df.htm). A maior cidade é Ceilândia com 344.039 habitantes, seguida por Samambaia com 164.319. A cidade do Gama tem 130.580 habitantes e é a sexta maior cidade no Distrito Federal.

Na cidade do Gama há cinco escolas de ensino médio público, com um total de alunos aproximado de 5.311. A maior escola é o Centro de Ensino Médio nº2(CEM2) que conta com aproximadamente 2.000 alunos, seguido pelo Centro de Ensino Médio nº1 (CEM 01). Nas demais cidades do DF de abrangência do Campus, as mesmas possuem as seguintes quantidades de escolas de Ensino Médio em sua região administrativa: Santa Maria com 3 escolas, Ceilândia com 11 escolas, São Sebastião com 3 escolas, Recanto das Emas com 2 escolas e Samambaia com 4 escolas (fonte: http://www.se.df.gov.br)

A escolha de criação de uma faculdade somente de cursos de engenharia vem a atender a demanda engenheiros no mercado de trabalho. De acordo com a notícia publicada no dia 27/07/2008 no site do jornal do estado de SP, Repórter Diário, estima-se que o Brasil precise formar 20 mil engenheiros a mais por ano. Há consenso nas entidades de classe de que o Brasil precisaria formar hoje 50 mil engenheiros por ano. Na Coréia do Sul, exemplo de país que tem crescido em inovação tecnológica, 80 mil engenheiros são formados por ano. A população local é de 49 milhões de habitantes, um quarto da brasileira. Na China, são 400 mil engenheiros formados por ano; na Índia, 250 mil. Mesmo assim, faltam profissionais no mundo todo, garantem especialistas. Existem 495. 581 engenheiros registrados no Brasil hoje, mas nem todos trabalham na área, e já cresce o número de profissionais estrangeiros; são 6 mil atualmente. (fonte: http://www.reporterdiario.com.br ).

Neste sentido a Faculdade UnB Gama (FGA) vem para atender essa demanda. Entretanto, mesmo com essa demanda de engenheiros no mercado, percebe-se que é necessário despertar nos alunos de ensino médio o interesse nos cursos de engenharia.

2ENGAMA

2.1Perfil dos alunos que já entraram na FGA


Um levantamento socioeconômico do perfil de alunos que entraram na FGA mostra que apesar do programa de bonificação ainda é muito pouco a presença de alunos oriundos das regiões de abrangência na faculdade. A tabela 1 mostra a evolução da quantidade de alunos que fizeram ensino médio nas escolas das áreas de abrangência da FGA aprovados no vestibular da UnB.
Tabela 1 – Quantidade de alunos oriundos da região de abrangência do campus.

Ano / semestre

Quantidade

% oriundos da área de abrangência

2008/2

240

10,00%

2009/1

240

12,00%

2009/2

240

17,00%

Esses dados mostram que apesar do programa de bonificação oferecido pela Universidade de Brasília, divulgado nos editais de abertura dos vestibulares, a procura dos alunos que estudam nas escolas de Ensino Médio das cidades contempladas pela FGA, por alguma das quatro modalidades de cursos de engenharia oferecidas pela faculdade é muito baixa.

Isso se deve a vários fatores, dentre eles os principais são: Baixa estima dos alunos de Ensino Médio, que muitas vezes afirmam que “a UnB não é para eles”; Ensino público de baixa qualidade; Opção dos alunos por entrarem primeiramente no mercado de trabalho e não na universidade; As modalidades de curso oferecidas pela FGA não condizer com as escolhas dos estudantes; etc.

Durante as visitas do projeto de extensão as escolas de ensino médio foi feito um questionário para levantar alguns dados referentes aos alunos e a respeito dos cursos. Quando perguntado aos alunos o que os desmotivam a fazer Engenharia, os


resultados se distribuem da seguinte forma:

  • 22% afirmam não querer Engenharia por ser um curso de exatas.

  • 14% afirmam ser um curso muito difícil.

  • 9% afirmam ser difícil passar no vestibular para o curso.

  • 28% afirmam não conhecer nada ou muito pouco sobre a profissão.

  • 12% afirmam não gostar do curso, mesmo conhecendo-o.

  • 15% afirmam outras causas.



2.2Metodologia de apresentação do show


O show de tecnologia tem como foco e prioridade, o esclarecimento do que se tratam os cursos de Engenharia ministrados na FGA, como por exemplo, quais as suas atribuições, as áreas de trabalho de um engenheiro, etc.

Com os experimentos prontos e testados nos laboratórios da UnB, o grupo de trabalho do projeto, parte para a etapa e agendamento de visitas nas escolas de Ensino Médio. Após definida a escola a ser atendida, reuni-se uma comissão composta por alunos e professores, pertencentes ao projeto com a direção, coordenadores e professores da escola, para uma breve explicação do que se trata o projeto e a montagem da programação das apresentações, denominadas shows de tecnologia, para os alunos de terceiros anos daquele estabelecimento de ensino. Normalmente solicita-se para a direção da escola visitada a disponibilização de um espaço onde comporte os alunos que participarão do show de tecnologia, com duração média de 50 minutos. Esse espaço pode ser um laboratório da própria escola ou até mesmo uma sala de aula ampla, bastando que o espaço escolhido para a apresentação possua cadeiras que comportem todos os alunos, bancadas que tornem possível a exposição dos materiais e vidrarias e a execução dos experimentos e tomadas elétricas em funcionamento, o restante dos materiais necessários, tais como notebooks, retroprojetor, extensões e etc, são levados pelo próprio grupo do projeto EnGama.

A execução do projeto na escola agendada ocorre seguindo as seguintes etapas:

1ª – Saída do campus da FGA;

2ª – Chegada na Escola;

3ª – Montagem das experiências;

4ª – Explicação dos objetivos do projeto EnGama para os alunos;

5ª – Realização do show de tecnologia;

6ª – Interação do grupo com os alunos (espaço destinado a perguntas e respostas sobre os experimentos, sobre o curso de Engenharia, sobre o ingresso na UnB, etc.);

7ª – Encerramento;

8ª – Volta ao campus da FGA.

2.3Shows de tecnologia


O show de tecnologia foi produzido a partir de um convite aos alunos das quatro áreas de Engenharia da FGA para que os mesmos fossem a escolas de Ensino Médio, munidos de experimentos simples ligados as áreas de Física e Química com ênfase nos estudos de Engenharia, com o intuito de desmistificar o tabu de se estudar engenharia. Os mesmos, depois de algumas reuniões, propuseram a elaboração de experimentos laboratoriais, ligados a temas abordados em aulas na universidade, de uma forma lúdica, tentando também englobar assuntos vistos pelos alunos das escolas públicas, criando assim uma “ponte” entre os assuntos abordados nos dois cursos. Os experimentos foram escolhidos e montados a partir de idéias advindas de projetos da própria UnB.

Eficiência energética

Eficiência é um experimento simples, que consiste apenas em aquecer aproximadamente 1 litro de água com ajuda de um ebulidor e calcular a variação de tempo e temperatura com o auxilio de um cronômetro e um termômetro, respectivamente. Mas por trás desse simples fato de aquecer água, algo comum no dia a dia de todos, encontramos muita ciência! Pode-se provar que a água não entra em ebulição a 100°C e porque isto acontece, inserido o conceito de pressão atmosférica. Calcula-se a potência utilizada pela água a partir da equação fundamental da calorimetria, estudada pelos alunos no 1º ano do Ensino Médio e a variação da quantidade de calor , pelo tempo. A partir da potência encontrada e a potência declarada pelo fabricante do ebulidor, obtém-se a eficiência do processo. Discute-se então o destino do calor perdido no procedimento, ou seja, se o procedimento teve uma eficiência de 70%, onde estão os outros 30%?

Para o cálculo da potência e eficiência foi produzido um software no ambiente MatLab, que permite fazer o cálculo preciso e com rapidez, evitando perda de tempo com cálculos manuais e erros. O programa também plota um gráfico do processo onde se discute a não linearidade do gráfico, o que contraria a teoria, com base na perda do calor para o meio e outras condições não favoráveis. Ao fim, inserir o simples procedimento ao trabalho do engenheiro, que deve sempre procurar melhorias às fontes de energia já dominadas, isto é, aumentar a eficiência dos métodos já existentes.

Figura 1. Eficiência energética.



Fabricação de biodiesel

A apresentação sobre o biodiesel no projeto EnGama, consiste em uma tentativa de familiarização de alunos de terceiros anos do ensino médio de escolas do DF com o tema proposto. O experimento tem duração aproximada de 20 minutos, hora podendo ser apresentado em um laboratório ou mesmo em salas de aula da própria escola visitada. Esse tem ainda como finalidade a interação dos alunos com temas e conteúdos a serem vistos nos cursos de Engenharia ministrados na FGA (UnB-Gama).

A apresentação mostra as etapas da produção do biodiesel a partir do processo de transesterificação utilizando óleo vegetal, bem como a explicação dos fenômenos químicos presentes. Utilizamos também para elucidar o processo o recurso visual de slides, nos quais são abordados os seguintes temas: Definição de Biodiesel; Biodiesel VS Diesel; Vantagens do Biodiesel; O Processo de Transesterificação; Esquema de Produção do Biocombustível; Formação de Sabão no Processo; Catalisador; Estequiometria.

Ao final da explicação cientifica decorrente da produção do biocombustível, são levantadas algumas questões dirigias aos alunos, abordando as vantagens do uso do biodiesel em relação ao diesel, principalmente quanto ao fator meio ambiente e a simplicidade do processo utilizado para a obtenção do mesmo.

Como encerramento da apresentação, introduz-se para os alunos a proposta do projeto de produção de biodiesel a partir de óleo residual de frituras, vigente na FGA, no qual consiste da coleta desse óleo em restaurantes, lanchonetes e na própria comunidade civil do Gama para a produção do biocombustível, pelo processo de transesterificação já elucidado no experimento demonstrado, voltado para o uso interno da própria UnB, como por exemplo, no abastecimento da frota e dos maquinários movidos a motores com ciclo a diesel.

Figura 2. Fabricação de biodiesel.



Acústica (Tubos Fechados)


Basicamente, o experimento de tubos sonoros fechados, é bastante simples. Consiste em 8 tubos de PVC, com tamanhos variados, cada tamanho foi previamente calculado através da fórmula simples de tubos fechados L = nv/4f, onde n é igual a 1, já que estamos usando o primeiro harmônico. Para que o tamanho dos tubos não seja muito grande, nem muito pequeno, utilizamos 1 oitava acima, ou seja, a freqüência de cada nota cai pela metade.

Objetivo é levar o conhecimento de ondulatória, explicando alguns conceitos de acústica e mostrando os sons emitidos de cada tubo, de uma forma divertida e bastante proveitosa.



Imponderabilidade

No intuito de provocar a atenção de alunos do ensino médio a temas clássicos das ciências da natureza constantemente aplicados na engenharia, entre outros fenômenos, não poderia ser deixado de lado a tão estudada gravidade. Para tal, relaciona-se temas curiosos nos quais a gravidade se faz protagonista, como: viagem espaciais, elevadores, simuladores de diferentes gravidades e outros, ao experimento que possui a seguinte descrição e procedimento:

Com uma caixa contendo um balão em sua parte superior e um alfinete apontado para o balão, um chumbo preso por dois finíssimos elásticos, que se fixam nas extremidades superiores da caixa. Simula-se a gravidade nula (imponderabilidade) ao largar o experimento de determinada altura.

Tal constatação torna-se possível a todos quando se verifica que, durante a queda, os finíssimos elásticos são suficientes para erguer o chumbo a ponto de o alfinete fixado fure o balão.



Multiplicação de forças

O experimento tem como objetivo demonstrar como é possível levantar grandes massas utilizando massas menores (multiplicar a força). Utilizando um eixo onde duas cestas estão suspensas por barbantes de mesmo tamanho, a única diferença entre as duas cesta é onde a outra extremidade do barbante se encontra presa, uma está amarrada no próprio eixo enquanto a outra cesta esta amarrada em um carretel que foi fixado na outra extremidade do eixo, fazendo assim com que exista uma diferença entre os raios de onde estão presas, possibilitando o efeito desejado.

Na prática utiliza-se um eixo com diâmetro de 0,5mm e um carretel com diâmetro de 3,0mm, Obtendo assim um poder de multiplicação de aproximadamente 6 vezes, possibilitando o levantar 6 bolinhas de gude (“bilocas”) no cesto do carretel, utilizando somente uma bolinha no cesto preso ao eixo, além dos itens já citados, existe uma base no experimento somente para dar apoio ao sistema.

2.4Resultados


A partir de dados coletados com alunos da cidade satélite do Gama que tiveram contato com o projeto no campus da FGA no primeiro ano de execução do projeto EnGama, perceber-se que a maioria desses estudantes de terceiro ano que estavam prestes a prestar o vestibular, não optaria por nenhuma das modalidades de engenharia ofertadas pela UnB no campus do Gama, mesmo morando próximo as instalações da universidade na cidade, preferindo optar por cursos, até mesmo na área de ciências da natureza, locados em outras cidades do Distrito Federal. Constatou-se que isso se deve, pois os alunos não sabem o que é um curso de Engenharia e quais as suas atribuições.

Em um primeiro momento, havia-se a expectativa de que essa rejeição ocorre-se devido à grande quantidade de matérias ligadas ao eixo das exatas ou mesmo ao tempo de duração dos cursos de engenharia (cinco anos), mas o que se constatou foi que a maioria dos alunos não cursaria nenhuma das modalidades de Engenharia, pois não tem idéia do que se tratam os cursos de Engenharia de Energia, de Engenharia Automotiva, de Engenharia de Software ou mesmo de Engenharia Eletrônica, cursos ofertados na FGA. Esses estudantes não conhecem as atribuições de um engenheiro, seus campos de trabalho, salários, carga horária, oportunidades, direitos e deveres.

A etapa de visitas nas escolas de Ensino Médio por parte do projeto EnGama teve inicio de fevereiro de 2010 e até maio desse mesmo ano o projeto havia atingido a marca de 5 escolas de Ensino Médio visitadas no Distrito Federal, 30 shows de tecnologia e aproximadamente 1000 alunos alcançados pelo projeto.




Figura 3. Apresentação do Show de tecnologia.


3considerações finais


As expectativas para o final desse ano de 2010 com as visitas nas escolas giram em torno de 10 (dez) escolas visitadas ao longo do ano letivo, 50 (cinqüenta) shows realizados e aproximadamente 2000 (dois mil) alunos contemplados com projeto EnGama.

O projeto EnGama está sendo financiado pela chamada pública MCT/FINEP/CT-PETRO – PROMOVE – 01/2008, que teve como objeto o apoio a projetos visando promover a interação das ciências da engenharia, relacionadas ao setor de petróleo e gás, com o ensino médio.


referências bibliográficas

BANCO MUNDIAL (BM). Conhecimento e inovação para a competitividade; tradução, Confederação Nacional da Indústria. – Brasília: CNI, 2008. 327 p.


BORGES, A. Tarcisio. Novos Rumos Para o Laboratório Escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, vol.19, n.3: p.291-313, dez. 2002.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Mapa Estratégico da Indústria 2007 – 2015. Brasília: CNI/DIREX, 2005, 121p.
INSTITUTO EUVALDO LODI (IEL). Núcleo Nacional. Inova engenharia propostas para a modernização da educação em engenharia no Brasil.Brasília: IEL.NC/SENAI.DN, 2006.103 p.
NEHRING, C. M.; et al. As ilhas de racionalidade e o saber significativo: o ensino de ciências através de projetos. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências. v. 2, n. 1. 2002.
OLIVEIRA, C. H. Qual o papel da Extensão Universitária? Algumas Reflexões Acerca da Relação Entre Universidade, Políticas Públicas e Sociedade. In: 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, 2004, Belo Horizonte.
ROBILOTA, M. R. O cinza, o branco e o preto – da relevância da história da ciência no ensino da física. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis, 5 (Número Especial), p. 7-22, jun.1988.
SCHNAID, F.; ZARO, M. A.; TIMM, M. I. (Orgs). Ensino de Engenharia: do positivismo à construção das mudanças para o século XXI. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006, p. 317.
SERRANO, R. M. S. M. Conceitos de extensão universitária: um diálogo com Paulo Freire. Disponível em: http://www.prac.ufpb.brcopacextelaratividadesdiscussao- 27/10/2006.
www.interjornal.com.br. Notícias SENAI- 25/10/2006 - Desenvolvimento tecnológico no país é abordado pelo SENAI.
Reportagem a Agencia Brasil: Crescimento do Brasil pode ser prejudicado pela falta de engenheiros no mercado. 03/12/2008. Online.
www.interjornal.com.br. Notícias FIEMA - 08/05/2010 - Especialistas em educação tomam posse em conselho da CNI.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal