entidade responsável



Baixar 103.83 Kb.
Encontro14.03.2018
Tamanho103.83 Kb.

FICHA DE

PROJECTO Secretaria-Geral

Processo n.º

M E C E N A T O C U L T U R A L Data Entrada

Técnico Responsável
1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE RESPONSÁVEL
1.1 ENTIDADE RESPONSÁVEL
IDENTIFICAÇÃO:

Responsável Desenvolvimento e Execução do projecto:

CICTSUL - Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa / Instituto de Investigação Científico Bento da Rocha Cabral
MORADA:

Calçada Bento da Rocha Cabral, 14

Lisboa
IDENTIFICAÇÃO:

Responsabilidade Financeira:

Fundação da Universidade de Lisboa
MORADA:

Alameda da Universidade

Lisboa
N.º BI:

N. CONTRIBUINTE / NIPC: 502447699

CAE: 93050
1.2 SECTOR/ÁREA DE ACTUAÇÃO (IDENTIFICAR A RESPECTIVA CAE):
Investigação científica

CAE: 93050


1.3 OBJECTO SOCIAL:
Promover, apoiar e realizar investigação científica em história e filosofia da ciência, na educação e na divulgação científicas.

1.4 IDENTIFICAÇÃO DE OUTRAS ENTIDADES INTERVENIENTES:
SECTOR PÚBLICO (previsto):
- Fundação de Ciência e Tecnologia (através do programa Ciência Viva;)

- Fundação Calouste Gulbenkian (através do Programa de Apoio a Projectos de

Criação Artística e do Programa Ciência e Sociedade);



- Fundo de Apoio à Comunidade Científica

- Governo Regional da Madeira



- Câmara Municipal de Arraiolos

- Câmara Municipal de Lamego

- Câmara Municipal de Guimarães

- CSIC – Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, Madrid


SECTOR PRIVADO:
TriploV

O Triplov, portal onde se publicarão os resultados do projecto, é um espaço de edição sobretudo ibero-americana, por isso com audiência distribuída maioritariamente na América (USA, Brasil, México, Argentina, etc.) e na Europa (Portugal, Espanha, e outros). Disponibiliza textos e imagens de áreas diversas, entre as quais salientamos a História e Filosofia das Ciências, História Natural, Teologia e Esoterismo. Abriga sites institucionais: um do do Instituto S. Tomás de Aquino (http://ista.triplov.com), um da Maçonaria Florestal Carbonária do Brasil (http://triplov.com/carbonaria), um do Centro Cultural da Horta, para edição electrónica do respectivo boletim (http://triplov.com/bolmnch), o da Bolsa Ernesto de Sousa (http://triplov.com/ernesto/bes), e outros.


Apenas Livros Lda.

No regime agora vigente, esta editora de Lisboa publicará em duas colecções de opúsculos, dirigidas ambas por Maria Estela Guedes, ensaios produzidos no âmbito do projecto, que não excedam as 55 páginas: Naturarte, para textos mais científicos ou literários, e Lápis de Carvão, para textos mais esotéricos. Propõe-se editar em papel, mediante patrocínio para custear despesas de impressão, as obras mais volumosas que resultarem do projecto.


Instituto São Tomás de Aquino (ISTA)

O Instituto São Tomás de Aquino (ISTA) é uma instituição dos Frades Pregadores da Ordem dos Dominicanos. O instituto dedica-se ao serviço da reflexão teológica em Portugal. Este Instituto tem existência legal, constituindo-se como “associação de fins não lucrativa” desde 1996. O ISTA é co-organizador dos colóquios passados e presente na área do Naturalismo, fornece apoio em secretariado e tem fornecido espaço para os colóquios.


Associação de Socorros Mútuos Artística Vimaranense.

O VI Colóquio Internacional “Discursos e Práticas Alquímicas” realiza-se na sede da Associação em Guimarães, partilhando-se com ela a organização.


Quinta Essência – Sociedade Agrícola, Lda.

A Quinta Essência, situado na zona de Portel no Alentejo, dedica-se à cultivação de plantas aromáticas e à produção de óleos essências e outros produtos provenientes da agricultura biológica. É parceiro nas Oficinas integradas no projecto do Jardim dos Sentidos.


2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO
2.1 DESIGNAÇÃO DO PROJECTO:
NATURARTE/JARDINS - da concepção e construção cultural dos jardins

2.2 ÂMBITO ESPACIAL DO PROJECTO (LOCAL, REGIONAL, NACIONAL OU INTERNACIONAL):
O projecto tem um âmbito internacional.
2.3 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA (CLASSIFICAÇÃO POR DISTRITO E CONCELHO):
Lisboa, Évora, Arraiolos, Guimarães, Portel, Lamego (Portugal), Ilha da Madeira, Ilha de Faial (Açores), Curitiba e São Paulo (Brasil).

2.4 PERÍODO DE EXECUÇÃO: INÍCIO: / / Março 2006 CONCLUSÃO: / / Março de 2009

2.5 PROJECTO INTEGRADO NO PLANO DE ACTIVIDADES DA ENTIDADE RESPONSÁVEL:
O projecto Naturarte/jardins – Da concepção e construção cultural dos jardins vem na sequência de outros realizados sobre o Naturalismo, área de investigação no CICTSUL1.

À parte da participação em congressos no estrangeiro, respectivas publicações e outras, salientamos, em Portugal, a realização do Colóquio Internacional “Discursos e Práticas Alquímicas”, que vai na sexta edição, a realizar em Junho próximo em Guimarães, o colóquio “A Criação”, realizado no Instituto S. Tomás de Aquino, e o colóquio “Natural?! O que é isso?”

Na Hugin foram publicadas as comunicações aos dois primeiros colóquios: “Discursos e Práticas Alquímicas”, vol. I e vol. II.

As comunicações ao colóquio “A Criação” foram publicadas na revista do CICTSUL, Atalaia-Intermundos.

O projecto conta com o apoio a editora Apenas Livros, que abriu duas colecções de opúsculos para publicação das restantes comunicações e de outros textos editados electronicamente – colecção Naturarte e colecção Lápis de Carvão. Ambas as colecções são dirigidas por Maria Estela Guedes.

Porém o pincipal eixo do projecto é o site TriploV, http://www.triplov.org/jardins , no qual estão publicados todos os resultados da investigação, e muito mais matérias relativas ao Naturalismo e à História Natural, incluídas fichas de espécies que cobrem a ocorrência de Aves, Mamíferos, Répteis e Anfíbios em Portugal e em antigos territórios ultramarinos, bem como um directório de bibliografia de cientistas portugueses e estrangeiros relativa a teriitório nacional e antigas colónias de África.


Os resultados desses estudos e demais actividades, independentemente de outros suportes, estão todos em linha no site do projecto, o TriploV, em:

http://triplov.org
3 CARACTERIZAÇÃO, FUNDAMENTAÇÃO

E OBJECTIVOS DO PROJECTO


3.1 OBJECTIVOS VISADOS COM O PROJECTO

(DEVERÃO SER SUFICIENTEMENTE IDENTIFICADOS E QUANTIFICADOS OS OBJECTIVOS):


O projecto Naturarte – a concepção e construção cultural dos jardins é composto por cinco subprojectos – Os Jardins da Celeste, o Jardim das Cores, A Madeira é um Jardim e o Jardim dos Sete Sentidos - cada um com um ciclo de actividades de investigação e divulgação em torno do tema do Jardim nos seus sentidos múltiplos. O tema de estudo surge em disciplinas variadas: Religião, Filosofia, Artes, Ensino, História Natural, Maçonaria, Alquimia, Biologia, Química e Antropologia...

objectivos gerais

O objectivo geral do projecto consiste em analisar os jardins como construções culturais, em particular na sua relação com a ciência e arte, do período que vai do século XVII ao nosso tempo. A percepção, a tecnologia, a imaginação e o património são as categorias que globalmente percorrem cada uma das perspectivas com que o projecto analisa o corpus seleccionado.

Assim, o grupo " Os Jardins da Celeste" integrado, em termos gerais, dentro da categoria da imaginação, desenvolverá, em termos específicos, a tópica das sociedades de jardineiros, as imagens do paraíso, o Jardim Botânico e o Jardim Zoológico.

Em segundo lugar, o "Jardim das Cores", trabalhará dominantemente a sua vertente tecnológica, com prolongamentos na dimensão pedagógica e lúdica.

O grupo "A Madeira é um Jardim", recorrendo à categoria da imaginação para justificar a sua forma simbólica, utilizará sobretudo a categoria "património" para analisar a sua dimensão política e turística.

Finalmente, o "Jardim dos Sete Sentidos" visa explorar, em termos de percepção, tanto o conhecimento erudita como a sabedoria e o imaginário popular em torno do jardim na sua confluência com o paradigmo moderno dos sentidos, através de expressões várias, que vão das plantas ao canto e das crenças e ritos à poezia.

Os nossos objectivos resumem-se a um ponto simples, embora terrivelmente difícil de alcançar: a sociedade perfeita, a felicidade. Cultivamos flores porque amamos a beleza, e a beleza é o lugar onde se realiza a bem-aventurança. Não existe felicidade fora de um locus, de preferência amoenus. Temos a experiência de abrir os olhos, a boca, todos os sentidos, para absorvermos esses lugares maravilhosos, nos quais nos sentimos bem, como se os pudéssemos incorporar em nós, porque a felicidade é também isso, um repasto de perfumes, formas, cores, canto dos pássaros que ecoam no Jardim das maçãs de ouro e de todos os saborosos e macios pomos. Não há felicidade sem jardim, tal como não existe jardim sem delícias. A imagem que pintamos da felicidade da alma é a de Buda obeso, debaixo de uma Árvore sentado, dela recebendo a iluminação, tal como noutro Jardim, o do Éden, é da experiência com a Árvore que nos vem a ciência. Daí que, nos antigos ritos de lenhadores, o homem seja uma árvore, Bom Primo Olmo ou Boa Prima Acácia.

Entre dizer o que vamos fazer e a apresentação do que foi feito medeia assim um espaço de desiderata – saúde, dinheiro e amor, eis um rol de grau primeiro, bem naturalista, próprio de mentes egotistas. Porém a cidade-jardim, que não precisa de ser a Jerusalém celeste, basta ser a republica de Morus, exige uma constituição, dotada de leis eficazes, justas e muito poucas, que ponham os bens ao serviço de todos.

Jardinar para o bem comum é o segundo degrau do projecto, e neste damos prémio ao que mais se esforçar para garantir a nossa felicidade. É preciso proteger os jardins, são a natureza que resta. Precisamos de proteger as fontes de regeneração da vida, com as espécies que elegemos para viver connosco, nos mares que lavramos, nos rios que cultivamos, nos campos que sulcamos, nos bosques e matas que vamos florestando e desbastando. O que existe na Terra de bon sauvage habita as páginas de Rousseau, as ilhas Mascarenhas de “Paul et Virginie” e a floresta de Tarzan. Já todas as ilhas desertas e misteriosas foram conquistadas pelos náufragos e meninos marotos dos livros de histórias. Só temos o jardim – o território modificado pelo Homem - como futuro verde, precisamos dele para a sobrevivência. É urgente que saiam leis a proibir que se construam bancos, hotéis ou empresas de transporte nos jardins. É urgente estudar os jardins como expressões da ciência e arte de cada época, para sabermos como protegê-los e como criar os do nosso tempo.

Produtos
(Referimos o projecto em anexo para informações mais pormenorizadas)
Conferencias, colóquios e palestras
- Congresso internacional JARDINS do MUNDO - Discursos e Práticas, programada para 9 – 12 de Maio de 2007 no Funchal (Madeira) em colaboração com o Governo Regional da Madeira (ver programa em anexo).
- Um ciclo de colóquios, oficinas e demais actividades de divulgação ao longo da

duração do projecto (2006 – 2009, ver programa anexo dos diversos Jardins para

detalhes)
No âmbito dos Jardins da Celeste, está já programado o VI Colóquio Internacional

“Discursos e Práticas Alquímicas”, a realizar nos dias 23 e 24 de Junho de 2006 na Quinta da Regaleira, em Guimarães, com os temas seguintes: Jardins herméticos e Literatura Egidiana (de e sobre S. Frei Gil).

Durante este colóquio estará patente uma amostra colectiva dos artistas que participam no projecto NATURARTE (ver ‘Exposições’)
Em Fevereiro deste ano teve lugar um Filo-café em Lamego em torno do tema do projecto.
No âmbito do Jardim dos Sentidos prevê-se ainda a apresentação de comunicações no Congresso Internacional Ciências da Vida, a realizar no dia 15 de Agosto de 2006, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil, também como no IV Encontro de Filosofia e História da Biologia, a realizar nos dias 17, 18 e 19 de Agosto deste ano na Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo.

Exposições
- Exposição de pintura de Pedro Proença, prevista para 2007, na Sala do Veado, no Museu Nacional de História Natural, Universidade de Lisboa.
- Exposição de fotografia /multi-media da autoria do fotógrafo José M. Rodrigues

integrada no Jardim dos Sentidos, programada para 2007, na Sala do Veado do Museu Nacional de História Natural em Lisboa.


- Exposição virtual sobre os sentidos e o jardim a realizar em 2007 – 2008 no âmbito do Jardim dos Sentidos.
- Exposição colectiva dos artistas plásticos a colaborar no projecto, durante a realização do VI Colóquio Internacional “Discursos e Práticas Alquímicas”, a realizar nos dias 23 e 24 de Junho de 2006 no Salão Nobre da Quinta da Regaleira, em Guimarães,

Publicações
- Publicação de ensaios e outras obras em redor ao tema do projecto no site www.triplov.org/jardins
- Publicações de opúsculos até 55 páginas a editar pela editora Apenas Livros em forma de duas colecções, Naturarte e Lápis de Carvão (ambas dirigidas por Estela Guedes).
- Jardins nossos – Para publicação no TriploV, e eventualmente em papel, pretendem-se séries fotográficas e textos explicativos que ilustrem alguns jardins e parques de Portugal, da ilha de Madeira, dos Açores e do Brasil. Entre eles, o Jardim Zoológico de Lisboa, a Quinta da Regaleira, o Monte Palace (Madeira), os jardins da cidade da Horta (Açores), o Jardim Botânico de Curitiba e o Parque de Ibirapuera, em São Paulo.
- Um número temático da revista ATALAIA-INTERMUNDOS, editado pelo CICTSUL.
- Edição em cdROM de uma extensa bibliografia contida no site

http://triplov.com/biblos, dirigido a estudiosos da História Natural.

Trata-se de uns milhares largos de referências bibliográficas de cientistas

portugueses e de ciência relativa a Portugal e países de língua portuguesa,

sobretudo africanos, desde o século XVIII.


- Edição de materiais didácticos e interpretativos sobre o jardim a criar no âmbito do Jardim das Cores:

- um livro guião sobre as plantas tintureiras com fotografias e figuras a cores;

- um livro guião sobre o jardim (em suporte papel e em suporte digital)

- folhetos informativos

- posters
- Um catálogo digital da exposição virtual ‘O Jardim dos Sentidos’ (DVD)

Criação de Jardins
- Está previsto a criação de um jardim temático em torno das plantas tintureiras, O Jardim das Cores em parceria com a Câmara Municipal de Arraiolos(ver projecto anexo, parte 3, para uma descrição pormenorizada desta actividade).
No âmbito do mesmo, também se prevê o melhoramento de três pequenos jardins experimentais já existentes e o equipamento de uma oficina com vista à realização de experiências de tinturaria.
Oficinas
- No âmbito do Jardim dos Sentidos está previsto uma serie de oficinas que abordam a ligação entre o jardim e os sentidos: O Gosto, A Visão, O Tacto, O Olfacto e A Audição e ainda....A Intuição (ver projecto anexo, parte 3, para pormenores).


3.2 ENQUADRAMENTO DO PROJECTO NAS LINHAS DE ACTUAÇÃO DO MC (1):
Investigação e divulgação do património cultural relacionado com a concepção e construção do Jardim no sentido amplo.

3.3 ACTIVIDADE INTEGRADA EM PROJECTOS PROMOVIDOS OU APOIADOS PELO MC

OU OUTRAS ENTIDADES PÚBLICAS / PRIVADAS (IDENTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES E PROJECTOS):
Projecto integrado num ciclo de investigações do CICTSUL em torno do Naturalismo
3.4 HISTÓRICO DA REALIZAÇÃO DESTE PROJECTO:

1ª VEZ: PROJECTO REALIZADO DESDE: 1996

O projecto NATURARTE / JARDINS vem na sequência de outros no âmbito do Naturalismo, realizados pelo CICTSUL, desde a sua criação, em 1996. Destacam-se:

O Projecto CulturaNatura (1999-2000), em colaboração com o Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa e com apoio do Museu de Ciência da Universidade de Lisboa, centrado em torno de momentos especiais da nossa relação com a natura e a cultura, com vista a preparar o século XXI.

O Colóquio Internacional Rotas da Natureza na construção empírica e científica do mundo, Julho, 2003, no Museu da Água e na Mãe de Água, em Lisboa.

O projecto “Naturalismo e Herpetologia insular”, cujos textos estão em linha, fruto de cooperação com investigadores do CSIC - Consejo Superior de Investigaciones Cientificas.

Os colóquios internacionais “Natural?! O que é isso?”, “A Criação”, e “Discursos e Práquicas Alquímicas”, que vai na sexta edição.

4 RECURSOS FINANCEIROS E HUMANOS

NECESSÁRIOS PARA A REALIZAÇÃO DO PROJECTO

4.1 ESTIMATIVA DE CUSTOS DO PROJECTO:

ORÇAMENTO GERAL (referimos o projecto anexo para os orçamentos pormenorizados)


I Exposições 26.000,00
II Publicações 92.000,00
III Website 4.000,00
IV Formação 7.000,00
V Congressos e Colóquios 15.000.00
VI Bibliografia 6.750,00
VII Consumíveis 8.100,00
VIII Equipamento 38.000,00
IX Despesas de deslocação/alojamento 44.000,00
X Aquisição de serviços 45.000,00

TOTAL 240.850,00


4.2 FORMA E FONTES DE FINANCIAMENTO DO PROJECTO (IDENTIFICAR RECURSOS PRÓPRIOS E ALHEIOS):
Fontes próprios:
- CICTSUL : Gestão geral do projecto (organização, coordenação, gestão financeira)

- TriploV : Publicação no portal electrónico de trabalhos produzidos no âmbito deste projecto.

- Apenas Livros : Publicação de trabalhos em suporte de papel (opúsculos até 55 páginas)

- ISTA : Co-organização de colóquios e cedência de espaço.

- Associação de Socorros Mútuos Artística Vimaranense:

Cedência de espaço e apoio na realização do o VI Colóquio Internacional Discursos e Práticas Alquímicas (programado nos dias 23 e 24 de Junho de 2006)

- Quinta Essência : Cedência de instalações, co-organização e apoio logístico nas Oficinas previstas no âmbito do Jardim dos Sentidos.
Fontes Alheios:
Sector público:
- Fundação de Ciência e Tecnologia

- Fundação Calouste Gulbenkian

- Fundo de Apoio à Comunidade Científica

- Fundação Luso-Brasileira

- Fundação Berardo

- Fundação Alentejo Terra Mãe

- Museu Nacional da História Natural, Lisboa

- ICAMB


- Câmara Municipal de Arraiolos

- Câmara Municipal de Horta (Ilha de Faial, Açores)

- Câmara Municipal de Funchal (Madeira)

- Governo Regional da Madeira



Sector privado:
- Portugal:

Robialac Dyrup, Barbott, Benetton, Azevedo Campos, Bayer, Ciba Geiger,

Laboratórios Farmacêuticos em geral, GALP, BP, Repsol, Gasolineiras em geral, Horto

do Campo Grande, Centro de Jardinagem de Évora, Grupo Mello Adubos, Caves da

Murganheira, Grupo Pestana Hotéis, TAP, Hovione, Atral Sipan, Associação Nacional de

Farmácias;

- Madeira:

Fundação Berardo

BANIF (Banco Funchal)

Instituto de Turismo


- Açores:

SATA, TAP


- Brasil-Paraguai:

Hidroeléctrica Itaipu Binacional)

SATA, TAP
- Brasil-Paraguai:

Hidroeléctrica Itaipu Binacional)




4.3 N.º DE PESSOAS DIRECTA E INDIRECTAMENTE ENVOLVIDAS NO PROJECTO:
FUNC. DA ENTIDADE RESPONSÁVEL E DE OUTROS INTERVENIENTES:
I Entidade Responsável:
Gestão Financeira:

Fundação da Universidade de Lisboa


Organização, gestão e coordenação geral:

CICTSUL - Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa

Coordenação Científica

Maria Estela Guedes – CICTSUL (Escritora)


Alexandra Soveral Dias – Universidade de Évora (Biologia)
José Eduardo Franco – (História)

Isabel Serra – Universidade De Lisboa / CICTSUL (Matemática)


Marjoke Krom - CICTSUL (Antropologia)
Coordenação Técnica

Marjoke Krom - CICTSUL (Antropologia)



II Consultores
Anna-Carolina Regner (Filosofia das Ciências, Universidade do Vale do Rio Sinos - Unisinos), Rualdo Menegat (Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Thimothy Lenoir (Filosofia das Ciências e Novas Tecnologias, Stanford University), Michel Labrecque (Biologia, Jardin Botanique de Montréal), Andrés Galera (História das Ciências, Consejo Superior de Investigaciones Cientificas – CSIC) Carlos Fernando Ramos, Arquitectura Paisagista, Instituto do Património Histórico Nacional - IPHAN), Miguel Gastão da Cunha (Engenharia Patrimonial, Conselho do Património do Rio de Janeiro), Patrícia Aceves Pastrana (Química, Universidad Autonoma Metropolitana - Xochimilco), Walmir Battu (Grão Mestre da Maçonaria Florestal – Brasil), Mário Fortes(IPPAR, Portugal).

III Investigadores:
JARDINS DA CELESTE - coordenadora: Estela Guedes

Equipa: José Manuel Anes (Universidade Nova, historiador das religiões, Maçonaria da Pedra), Miguel Garcia (Academia Militar, historiador), Estela Guedes (escritora, directora do TriploV, investigadora do CICTSUL), Walmir Battu (Grão-Mestre da Maçonaria Florestal Carbonária do Brasil), Andrés Galera (Departamento de História da Ciência, CSIC, Madrid), Isabel Serra (Fac. de Ciências de Lisboa, co- directora do CICTSUL), Alexandra Escudeiro (Botânica no Jardim Botânico de Lisboa, CICTSUL), Pedro Proença (artista) e Maria Alzira Brum Lemos (Brasil, Ciências da Comunicação), Luís Arruda (Biologia), Maria Elisa Maia (Química, CICTSUL)
A MADEIRA É UM JARDIMcoordenador: José Eduardo Franco

Equipa. José Eduardo Franco (História), Pedro de Andrade (Artes plásticas, Sociologia), José Augusto Mourão (Semiólogo, Teólogo).
jardim dos sete sentidoscoordenadora: Marjoke Krom

Equipa: Helena Novais (Biologia), Mariana Valente (Física, UE), Alexandra Soveral Dias (Biologia, UE), Marjoke Krom (Antropologia, CICTSUL), Catarina Oliveira (Arqueologia,), Maria Elisa Mira (Psicologia), Ana Luísa Janeira (História e Filosofia das Ciências UL, CICTSUL), José Manuel Rodrigues (Fotografia), Willemijn de Jongh (História da Arte, Quinta Essência), Margarida Morgado (Sociologia), Isabel Cruz (Neurociências).

JARDIM DAS COREScoordenadora: Alexandra Soveral Dias

Equipa: Alexandra Soveral Dias (Biologia, UE), Ana Luísa Janeira (História e Filosofia das Ciências UL, CICTSUL), António José Candeias (Química, Univ.Évora), Celeste Santos e Silva (Biologia UE), Cristina Costa (Química UE), Lucília Valente (Estudos Teatrais UE), Mariana Valente (Física UE), Virgínia Henriques (Geografia UE).
IV Exposições

Pedro Proença – Pintor (confirmado)

José M. Rodrigues – Fotógrafo (confirmado)

V Publicações
TriploV – portal electrónico sob coordenação de Estela Guedes (Portugal) e Maria

Alzira Brum Lemos (Brasil)


Apenas Livros – editora sob direcção da Fernanda Frazão
VI Pessoal a contratar para o efeito
Secretária - apoio na execução do projecto

Tarefeiro - bibliografia História Natural

Fotógrafo - documentação visual

Designer - design material informativo e edições

Ilustrador - material educativo Jardim das Cores

Programador - execução Jardim das Cores

5 EXECUÇÃO
5.1 CALENDÁRIO DE EXECUÇÃO:
Início do projecto: 2006

Encerramento do projecto: 2009


6 ENQUADRAMENTO JURÍDICO NO REGIME FISCAL DO MECENATO

INTERESSE CULTURAL (1) X SUPERIOR INTERESSE CULTURAL (2)


MAJORAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DE CONTRATOS PLURIANUAIS (3)
(1) - No caso de se tratar de pessoa colectiva dotada de estatuto de utilidade pública que tenha isenção de IRC, nos termos do art. 9º do CIRC, não é necessário o reconhecimento do interesse cultural. Só será necessário caso se pretenda o superior interesse ou a majoração especial no âmbito de contratos plurianuais.

(2) - Exige-se neste caso uma maior fundamentação da relevância do projecto para o desenvolvimento cultural do país.

(3) - Anexar cópias dos contratos celebrados.

7 OUTROS ELEMENTOS RELEVANTES PARA APRECIAÇÃO DO PROCESSO:

DATA:

ASSINATURA DO RESPONSÁVEL : (ISABEL: quem assina pelo CICTSUL)?

MORADA:


CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE

TELEFONE:

FAX / E-MAIL:

PESSOA A CONTACTAR

TELEFONE:
NOTA: ESTAS FICHAS DE PROJECTO DEVEM SER ACOMPANHADAS POR DOSSIERS DETALHADOS SOBRE O PROJECTO EM CAUSA, AGRADECENDO-SE O ENVIO DE DOIS (2) EXEMPLARES. É TAMBÉM NECESSÁRIO JUNTAR ESTATUTOS, ONDE FIGUREM

NATUREZA JURÍDICA E OBJECTO SOCIAL DA ENTIDADE BENEFICIÁRIA, BEM COMO A DESIGNAÇÃO DA CAE (CLASSIFICAÇÃO

DE ACTIVIDADE ECONÓMICA).

Direcção de Serviços de Relações Públicas e Documentação - Palácio Nacional da Ajuda, 1300-018 Lisboa

Tel.: 00 351 21 361 45 00 - Fax: 00 351 21 362 18 32 – relacoespublicas@min-cultura.pt



1

Centro Interdisciplinar de Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa (CICTSUL)

Instituto de Investigação Científica Bento da Rocha Cabral

Calçada Bento da Rocha Cabral, 14



1250-047 Lisboa






Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal