Esses estranhos Homens deveriam ficar muito satisfeitos por serem julgados mais maldosos dó que realmente são



Baixar 1.81 Mb.
Página1/37
Encontro01.07.2018
Tamanho1.81 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   37


Esses estranhos Homens deveriam ficar muito satisfeitos por



serem julgados mais maldosos dó que realmente são”.
 DANIEL DEFOE, UM SISTEMA DE MAGIA

Nos eventos históricos, os assim chamados grandes homens nada são



senão rótulos que servem para dar um nome ao evento, e, como os

rótulos, têm a mais remota ligação com o evento em si mesmo. Cada

ato seu, que parece a eles um ato brotado de sua própria vontade, não

é livre de modo algum num sentido histórico, mas depende de todo o

curso da história anterior, e está predestinado a toda a eternidade.”
 LEO NIKOLAEVITCH TOLSTOI, GUERRA E PAZ


Título original: Wicked - The life and times of the Wicked Witch of the West

© Copyright 1995, Gregory Maguire.

© Copyright 2006, Ediouro Publicações.

Publicado de acordo com Regan Books, uma divisão da Harper Collins Publishers.

Direitos cedidos para esta edição à

EDIOURO PUBLICAÇÕES S.A.

Supervisão geral: Marcia Alves Batista
Revisão de textos: Isney Savoy, Gabriela Semionovas Oliveira e Alexandra Costa
Diagramação: Edinei Gonçalves
Capa: Osmane Garcia Filho

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)


Maguire, Gregory

Maligna: Para os que amam ou odeiam o Mágico de Oz/

Gregory Maguire; tradução Chico Lopes. — São Paulo: Ediouro,

2006.
Título original: Wicked

ISBN 978-85-00-02160-2


1. Literatura infanto-juvenil I. Título.
Índices para catálogo sistemático:

1. Literatura infanto-juvenil 028.5

2. Literatura infantil 028.5

Ediouro


EDIOURO PUBLICAÇÕES S.A.

Rua Nova Jerusalém, 345 - CEP: 21042-230 - Rio de Janeiro - RJ

Tel.: (21) 3882-8200 - Fax.: (21) 3882-8212 / 8313
E-mail: editorialsp@ediouro.com.br

Internet: www.ediouro.com.br/prestigio

Este livro é para Betty Levin e para todos aqueles que me ensinaram a amar e a temer a Providência.



Agradecimentos àqueles que primeiro leram este livro:


Moses Cardona, Rafique Keshavjee, Betty Levin e William Reiss.

Seus conselhos foram sempre de grande ajuda.

Quaisquer imperfeições que o livro apresente são erros apenas meus.
Agradeceria também a Judith Regan, Matt Roshkow, David Groff e

Pamela Goddard por sua calorosa acolhida a Maligna.
Finalmente, uma palavra de gratidão aos amigos com os quais muito

conversei sobre o mal nos últimos dois anos: eles são numerosos demais para serem lembrados um a um, mas incluem Linda Cavanagh,

Debbie Kirsch, Roger e Martha Mock, Katie O’Brien e

Maureen Vecchione; a turma em Edgartown, Massachusetts;

e meu irmão, Joseph Maguire, de quem peguei algumas idéias

emprestadas. Por favor, não me processe.





PRÓLOGO

NA ESTRADA DOS

TIJOLOS AMARELOS


A uma milha acima de Oz, a Bruxa se equilibrava à beira do vento, como se fosse uma partícula integrante da Terra, erguida e arremessada a distância pelo ar turbulento. Nuvens de tempestade brancas e roxas se amontoavam a seu redor. Lá embaixo, a Estrada dos Tijolos Amarelos se dobrava e encurvava, como um laço frouxo. Embora as tempestades de inverno e as ferramentas dos agitadores houvessem danificado a estrada, esta ainda conduzia, sem esmorecer, à Cidade Esmeralda. A Bruxa via os companheiros caminhando com dificuldade, contornando as partes tombadas, margeando valas, dando saltos quando o caminho se abria. Pareciam inconscientes de seu destino. Mas não cabia à Bruxa alertá-los.

Ela usou a vassoura como uma espécie de balaústre, descendo do céu feito um de seus macacos voadores. Com isso, acabou caindo no galho mais alto de um salgueiro escuro. Logo abaixo, ocultas pelos ramos, suas presas tinham parado para descansar. A Bruxa enfiou sua vassoura sob o braço. Rastejante e silenciosa, ela desceu ágil e prontamente, até que parou pouco acima deles. O vento agitava as gavinhas oscilantes da árvore. A Bruxa olhou e escutou.

As presas eram quatro. Ela viu uma enorme espécie de Gato ― era um Leão, não era? ― e um reluzente lenhador. O Homem de Lata estava tirando piolhos da juba do Leão, e o Leão grunhia e se contorcia com a irritação. Um Espantalho animado se recostava preguiçosamente ao lado, soprando cabecinhas de dentes-de-leão ao vento. Não se via a menina, escondida pelas cortinas ondulantes do salgueiro.

“Na certa, considerando o que dizem, é a irmã sobrevivente que ficou louca”, disse o Leão. “Que Bruxa! Psicologicamente deformada; possuída pelos demônios. Insana. Uma figura nada agradável.”

“Ela foi castrada ao nascer”, respondeu o Homem de Lata calma-mente. “Ela nasceu hermafrodita; ou talvez inteiramente masculina.”

“Ora, você vê castração por toda parte”, disse o Leão.

“Só repito o que o povo diz”, disse o Homem de Lata.

“Todo mundo tem direito a uma opinião”, disse o Leão, excitado. “Ela foi privada do amor da mãe, foi o que eu ouvi dizer. Foi uma criança mal-tratada. Ficou viciada em remédio por causa de sua pele.”

“Ela foi infeliz no amor”, disse o Homem de Lata, “tal como todos nós”. Fez uma pausa e pôs sua mão no meio do peito, como se estivesse aflito.

“Ela é uma mulher que prefere outras mulheres”, disse o Espantalho, sentando-se.

“Ela é a amante rejeitada de um homem casado.”

“Ela é um homem casado.”

A Bruxa ficou tão atordoada que quase soltou a mão que apertava o galho. A última coisa que a preocupava era fuxico. No entanto, ela ficara longe por tanto tempo que se espantou com as enérgicas opiniões daqueles sujeitinhos insignificantes.

“Ela é uma déspota. Uma tirana perigosa”, disse o Leão com convicção.

O Homem de Lata puxou um cacho da juba mais do que era necessário. “Tudo é perigoso para você, seu covarde. Ouvi dizer que ela é uma dona de casa exemplar para os famosos winkies.”

“Quem quer que ela seja, deve estar lamentando a morte de sua irmã”, disse a menina, numa voz sombria, carregada de significado e sincera demais para alguém tão jovem. A pele da Bruxa formigou.

“Não se meta a simpática agora. Eu não consigo.” O Homem de Lata suspirou, um pouco cinicamente.

“Mas, Dorothy está certa”, disse o Espantalho. “Ninguém escapa ao sofrimento.”

A Bruxa estava profundamente aborrecida com essas condescendências que lhe faziam. Ela se movia em torno do tronco da árvore, esticando-se para tentar enxergar a menina. O vento estava aumentando e o Espantalho tremia. Enquanto o Homem de Lata continuava a remexer nos cachos do Leão, ele se encostou no animal, que o abraçou ternamente. “Tempestade no horizonte”, disse o Espantalho.

A milhas de distância, trovões ecoavam. “Tem uma bruxa à vista!” disse o Homem de Lata, fazendo cócegas no Leão. O Leão ficou assustado e rolou sobre o Espantalho, choramingando, e o Homem de Lata desabou em cima dos dois.

“Bons amigos, vamos ter de nos prevenir contra essa tempestade!”, disse a menina.

Os ventos que se levantavam removeram por fim a cortina de folhagem, e a Bruxa pôde enxergar a menina. Ela estava agachada, com seus braços agarrados aos joelhos. Não era uma garota bonitinha, mas uma garota de fazenda de bom tamanho, vestida de xadrez azul e branco e avental. Em seu colo, um cãozinho comum se aninhava e gania.

“A tempestade faz você ficar desconfiada. É natural, depois do que passou”, disse o Homem de Lata. “Relaxe.”

Os dedos da Bruxa se cravaram na casca da árvore. Ela ainda não conseguia ver o rosto da menina, apenas seus fortes antebraços e o topo de sua cabeça, onde o cabelo negro estava arrumado em um rabo-de-cavalo. Ela tinha de levar a impressão a sério, ou era apenas uma semente de den-te-de-leão que fora soprada ao acaso e pega no lado errado do vento? Se pudesse ver o rosto da menina, a Bruxa sentia que saberia a resposta.

Mas, enquanto a Bruxa esticava o pescoço lá do tronco da árvore, a garota virava seu rosto, escapando. “A tempestade está chegando e vem rapidamente.” A apreensão em sua voz aumentava à medida que o vento rugia. Ela tinha uma veemência rouca, como alguém que argumentasse sob a ameaça de lágrimas iminentes. “Conheço tempestades, sei como elas pe-gam a gente!”

“Nós estamos a salvo aqui”, disse o Homem de Lata.

“Claro que não” respondeu a menina, “porque a árvore é o ponto mais elevado do lugar, e se o raio cair, vai cair bem aqui.” Ela agarrou seu cão. “A gente não viu um abrigo lá em cima na estrada? Vem, vem; Espantalho, se um raio cair, você vai queimar mais rápido que todo mundo! Vem!”

Ela já se pusera a correr, meio desajeitada, e seus companheiros a seguiam no pânico crescente. Quando os primeiros pingos firmes de chuva caíram, a Bruxa conseguiu ver não o rosto da menina, mas seus sapatos. Eram os sapatos de sua irmã. Eles reluziam, mesmo na tarde escura. Reluziam como diamantes amarelos, e brasas de sangue, e estrelas pontiagudas.

Se tivesse visto os sapatos primeiro, a Bruxa nunca teria podido ouvir a menina e seus amigos. Mas as pernas da menina tinham ficado enfiadas debaixo de sua blusa. Agora, a Bruxa se lembrava de sua necessidade. Os sapatos deviam pertencer a ela! ― ela não tinha durado o bastante, ela não os tinha ganhado? A Bruxa bem que gostaria de ter caído do céu direto na cabeça da menina, e brigado para tirar aqueles sapatos de seus pés impertinentes, se houvesse sido possível.

Mas a tempestade da qual os companheiros fugiam, cada vez mais depressa e para longe da Estrada dos Tijolos Amarelos, incomodava a Bruxa mais que o fizera com a menina que corria no meio da chuva e o Espanta-lho que poderia se queimar. A Bruxa não podia se aventurar num aguaceiro tão feroz e penetrante. Em vez disso, tinha de se espremer toda entre algumas raízes expostas do salgueiro negro, onde nenhuma água iria colocá-la em risco, e esperar a tempestade passar.

Ela ia renascer. Sempre que fora preciso, ela o conseguira. O punitivo clima político de Oz a tinha vencido, secado e expulsado ― como uma planta ela vagueara, aparentemente desidratada demais para formar raiz. Mas era certo que a maldição estava na Terra de Oz, não nela. Embora Oz lhe tivesse dado uma vida deformada, não a tinha tornado também muito engenhosa?

Não importava que os companheiros tivessem fugido. A Bruxa podia esperar. Eles acabariam se reencontrando.







A RAIZ DO MAL

Deitada numa cama amarrotada, a esposa disse: “Eu acho que hoje é o dia. Olhe só como estou fraca”.

“Hoje? Isso seria bem de acordo com você, perversa e inconveniente”, disse seu marido, caçoando dela, parado na soleira e olhando para longe, para o lago, os campos, os declives da floresta mais além. Ele avistava apenas as chaminés de Margens Agitadas, de onde subia a fumaça dos alimentos que se preparavam para o desjejum. “O pior momento possível para o meu sacerdócio. Naturalmente.”

A esposa bocejou. “Não há muita escolha. É o que eu sei. Seu corpo fica deste tamanho e vai crescendo ― se você não pode acomodar a coisa, querido, então é melhor sair do caminho. Porque ela tem um rumo próprio e nada vai detê-la agora.” Ela se ergueu, tentando ver melhor por cima da proeminência de sua barriga. “Sinto-me uma refém de mim mesma. Ou do bebê.”

“Pratique um pouco de autocontrole.” Ele se aproximou dela e ajudou-a a sentar-se. “Pense nisso como num exercício espiritual. Vigilância dos sentidos. Continência ética e corporal.”

“Autocontrole?” Ela riu, chegando pouco a pouco à beira da cama. “Eu já nem tenho mais auto... Sou apenas uma hospedeira do parasita. Onde está meu auto, afinal? Onde será que eu deixei essa coisa antiga?”

“Pense em mim.” O tom de voz tinha mudado; ele falava sério.

“Frex” ― ela o afrontou ― “quando o vulcão está pronto, não tem pastor neste mundo que possa aquietá-lo.”

“O que meus confrades vão dizer?”

“Eles vão se reunir e dizer: ‘Irmão Frexpar, como foi que você permitiu que sua mulher parisse seu primeiro filho bem quando tinha um problema comunitário para resolver? Mas que falta de consideração de sua parte; demonstra uma falta de autoridade. Está demitido de sua posição’.” Ela zombava dele, já que não havia ninguém que pudesse demiti-lo. O bispo mais próximo estava longe demais para prestar atenção aos problemas particulares de um clérigo unionista residente no interior.

“É uma ocasião tão terrivelmente inoportuna!”

“Penso que você tem metade da culpa por essa ocasião”, ela disse. “Quero dizer, depois de tudo que fez, Frex.”

“É natural pensar assim, mas eu me pergunto...”

“Você se pergunta?” Ela riu, jogando a cabeça bem para trás. A linha que partia de sua orelha para o côncavo abaixo de sua garganta fez Frex compará-la a uma elegante concha de prata. Mesmo no desleixo da manhã, com uma barriga grande como uma chata, ela era majestosa.

Seus cabelos tinham o brilho laqueado de folhas molhadas de carvalho caídas ao sol. Ele a acusava de ter nascido para o privilégio e admirava seus esforços para superá-lo ― e ao mesmo tempo a amava também.

“Você quer dizer que se pergunta se é o pai” ― ela se agarrou no enxergão; Frex apanhou seu outro braço e puxou-a, endireitando-a como pôde; “ou você questiona a paternidade dos homens em geral?” Ela estava em pé, monumental, uma ilha ambulante. Empurrando a porta num passo de lesma, ela se riu dessa idéia. Ele ouviu sua risada lá de fora enquanto foi se vestindo para a batalha diária.

Frex penteou sua barba e azeitou seu couro cabeludo. Prendeu uma fivela de osso e couro cru na nuca, para manter o cabelo longe de seu rosto, porque suas expressões hoje tinham de ser lidas a distância. Não poderia haver vagueza nos significados. Aplicou um pouco de pó de carvão para escurecer suas sobrancelhas, deu uma esfregada de cera vermelha em suas bochechas flácidas. Escureceu seus lábios. Um pastor bonito atraía mais fiéis do que um que fosse sem graça.

Na cozinha Melena flutuava suavemente, não com a habitual gravidade decorrente da gravidez, mas como se estivesse inflada, um enorme balão transportando suas cordas através da sujeira. Ela carregava uma frigideira numa mão e alguns ovos e maços peludos de cebolinhas de outono na outra. Cantava para si mesma, mas só em frases curtas. Frex não devia ouvi-la.

Com sua sóbria toga bem apertada ao colarinho, suas sandálias presas às perneiras, Frex tirou de seu esconderijo ― embaixo de uma cômoda ― o relatório a ele enviado por um pastor confrade morador na aldeia de Três Árvores Mortas. Escondeu as páginas escuras dentro de um bolsinho de seu traje. Vinha mantendo-as escondidas de sua esposa, temendo que ela se interessasse ― fosse para ver a graça, se era divertido, ou para sofrer a co-moção, se fosse aterrador.

Enquanto Frex respirava profundamente, preparando seus pulmões para um dia repleto de oratória, Melena balançava uma colher de madeira na frigideira e remexia os ovos. O tinido dos cincerros soava através do lago.

Ela não o ouvia; ou ouvia outra coisa, uma coisa que só era audível dentro dela. Era um som sem melodia ― como uma música irreal, lembrada por seu efeito, mas não por suas quebras e recorrências harmônicas. Ela imaginava que era o filho lá dentro dela, cantarolando feliz. Ela sabia que ele seria uma criança dada a cantar.

Melena ouvia Frex lá dentro, começando a improvisar, se aquecendo, decorando as frases de efeito de sua argumentação, convencendo-se a si mesmo de sua correção.

Como era mesmo aquele provérbio, o que sua Babá cantava para ela, havia muitos anos, no berço?


“Nascido na matina,

desgraça repentina;

Nascido pela tarde,

malvado que até arde;

Nascido na noitinha,

desgosto se avizinha;

Se à noite for nascido,

igual ao amanhecido”


Mas ela se lembrava disso como brincadeira, afetuosamente. Desgosto é o final lógico da vida, e, no entanto, continuamos a ter bebês.

Não, disse a Babá, um eco na cabeça de Melena (e categoricamente, como de costume): Não, não, sua garotinha mimada. Nós não continuamos a ter bebês, é bem óbvio. Só temos bebês quando somos jovens o bastante para desconhecer como a vida pode ficar sombria. Depois que percebemos a verdadeira extensão da coisa ― aprendemos lentamente, nós, mulheres ―, secamos de desgosto e interrompemos sensatamente a produção.

Mas os homens não secam, Melena objetou; eles podem ser pais até morrer.

Ah, somos lerdas para aprender, a Babá se opôs. Mas eles não aprendem de jeito nenhum.

“Desjejum”, disse Melena, despejando os ovos num prato de madeira. Seu filho não seria tão burro como a maioria dos homens. Ela o criaria para desafiar a marcha inexorável do desgosto.

“É uma época de crise para a nossa sociedade”, declarava Frex. Para um homem que condenava os prazeres mundanos, ele até que comia com elegância. Ela amava observar o arabesco formado por seus dedos e os dois garfos. Suspeitava que debaixo de seu íntegro ascetismo ele possuísse uma aspiração oculta pelas volúpias da vida.

“Todo dia é dia de grande crise para a nossa sociedade.” Ela zombava dele, respondendo nos termos que os homens costumam usar. Pobre coisa obtusa, ele não ouvia de jeito nenhum a ironia em sua voz.

“Estamos numa encruzilhada. A idolatria cresce. Os valores tradicionais estão em perigo. A verdade está ameaçada e a virtude foi abandonada.”

Ele não estava conversando com ela, mas ensaiando seu discurso contra o próximo espetáculo de violência e magia. Havia em Frex um lado que beirava o desespero; ao contrário da maioria dos homens, ele era hábil para manejá-lo em seu próprio benefício. Com alguma dificuldade, ela conseguiu sentar-se num banco. Corais completos cantavam mudamente dentro de sua cabeça! Será que isso era costumeiro numa mulher que entraria em trabalho de parto? Ela gostaria de perguntar sobre isso às mulheres intrometidas do lugar, que viriam nessa tarde murmurar sobre a sua condição. Mas não ousava. Não podia se livrar de seu belo sotaque, que elas achavam afetado ― mas podia evitar parecer ignorante nesses aspectos tão básicos.

Frex percebeu seu silêncio. “Você não está com raiva por eu ir trabalhar hoje, está?”

“Com raiva?” Ela ergueu suas sobrancelhas, como se nunca tivesse tido uma idéia semelhante.

“A História rasteja atrás dos passos trôpegos das pequenas vidas individuais”, disse Frex, “e ao mesmo tempo as forças eternas convergem. Não se pode atuar nas duas arenas de uma vez só.”

“Nosso filho pode muito bem não ter uma vida pequena.”

“Agora não é hora para discussão. Você pretende me distrair de meu trabalho sagrado de hoje? Estamos diante da presença do mal verdadeiro em Margens Agitadas. Eu não conseguiria mais viver comigo mesmo se ignorasse esse fato.” Ele falava com convicção, e foi devido a essa intensidade que ela se apaixonara por ele; mas, com certeza, era devido a essa mesma intensidade que o odiava também.

“As ameaças são constantes ― voltarão novamente.” Sua última palavra sobre o assunto. “Já seu filho nascerá uma vez só, e se esse dilúvio re-virando dentro de mim é um sinal, eu acho que vai ser hoje.”

“Haverá outros filhos.”

Ela se virou para que ele não visse a raiva em seu rosto.

Mas não pôde sustentar a fúria contra ele. Talvez fosse essa a sua fraqueza moral. (Via de regra, não era muito dada a se preocupar com fraquezas morais; ter como marido um pastor parecia suficiente para suprir o pensamento moral de um casal.) Deslizou melancolicamente para o silêncio. Frex beliscou a comida.

“É o demônio”, disse ele, suspirando. “O demônio está chegando.”

“Não me diga uma coisa dessas no dia em que nosso filho está para nascer!”

“Refiro-me à tentação que está lá em Margens Agitadas! E você sabe o que quero dizer, Melena!”

“Palavras são palavras, e o dito já foi dito”, ela respondeu. “Não exijo toda a sua atenção, Frex, mas eu preciso de um pouquinho dela!” Ela deixou cair a frigideira com ruído no banco que ficava encostado à parede da casa.

“Bem, é assim mesmo”, ele disse. “Contra o que você acha que estou lutando hoje? Como vou convencer meus fiéis a se afastarem do deslumbrante espetáculo da idolatria? Provavelmente, vou voltar hoje à noite vencido por uma atração de impacto maior ainda. Você pode conquistar uma criança hoje. Quanto a mim, posso fracassar.” No entanto, ao dizer isso, ainda parecia orgulhoso; fracassar tendo como causa uma elevada questão moral era satisfatório para ele. Como é que isso poderia ser comparado à carne, ao sangue, à confusão e ao estardalhaço de ter um bebê?

Por fim, ele se levantou para sair. Um vento vinha por cima do lago agora, atingindo as partes mais elevadas das colunas de fumaça da cozinha. Elas pareciam funis de água girando os drenos em estreitas e focalizadas espirais, pensou Melena.

“Fique tranqüila, meu amor”, disse Frex, embora mantivesse sua se-vera expressão pública da cabeça aos pés.

“Sim.” Melena suspirou. A criança deu-lhe um soco lá dentro, no fundo, e ela teve de correr para a casinha de fora outra vez. “Seja um santo, e eu ficarei aqui pensando em você ― minha espinha dorsal, meu escudo. E também tente não ser assassinado.”

“Só se for pela vontade de Deus Inominável”, disse Frex.

“Pela minha também”, disse ela, blasfemando.

“Aplique sua vontade àquilo que é necessário”, ele respondeu. Agora, ele era o pastor e ela a pecadora, uma combinação que ela particularmente não apreciava.

“Adeus”, disse ela, e preferiu o mau cheiro e o alívio da casinha a ficar lhe acenando a distância enquanto ele dava passadas largas em direção à estrada de Margens Agitadas.




O RELÓGIO DO

DRAGÃO DO TEMPO



Frex se preocupava com Melena mais do que ela supunha. Ele parou na primeira cabana de pescador que encontrou e falou com o homem à soleira da porta. Será que uma ou duas mulheres não poderiam passar o dia e, se fosse necessário, a noite, com Melena? Seria uma caridade. Frex se inclinava para pedir o favor com um toque de gratidão na voz, sabendo silenciosamente que Melena não era muito apreciada nesses lugares.

Então, antes de seguir para o extremo de Água Mortiça e em direção a Margens Agitadas, ele parou junto a uma árvore caída e tirou duas cartas de sua bolsinha de pano.

O remetente era um primo distante de Frex, também pastor. Havia algumas semanas, o primo gastara tempo e tinta valiosos na descrição do que vinha sendo chamado de O Relógio do Dragão do Tempo. Frex preparara-se para a sagrada missão do dia relendo sobre o relógio idolatrado.
Escrevo com pressa, Irmão Frexpar, para registrar minhas impressões antes que desapareçam.

O Relógio do Dragão do Tempo está montado num vagão e é tão alto como uma girafa. Não é nada além de um teatro improvisado, cambaleante, disposto nos quatro lados com caramanchões e arcos de proscênio. No teto há um dragão com mecanismo de relógio, um artefato de couro pintado de verde, com garras prateadas, olhos de rubi. Sua pele é feita de centenas de discos de cobre, bronze e ferro sobrepostos. Debaixo das flexíveis dobras de suas escamas há uma armadura controlada pelo mecanismo do relógio. O Dragão do Tempo cobre em círculos seu pedestal, dobra suas estreitas asas de couro (fazem um som parecido ao de um fole) e vomita bolas sulfurosas de um alaranjado flamejante e fedorento.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   37


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal