Estado do paraná



Baixar 0.95 Mb.
Página19/19
Encontro10.08.2018
Tamanho0.95 Mb.
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   19

LEM - LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA - INGLÊS



APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA
O inglês tem preponderância sobre outras línguas, em função do poder e da influência da economia e política norte-americana. Essa influência cresceu ao longo deste século, principalmente a partir da Segunda Guerra Mundial, e atinge seu apogeu na chamada sociedade globalizada e de alto nível tecnológico. Idioma este, que é mais usado no universo dos negócios. Em alguns países seu emprego nas universidades é predominante.

Dentre os critérios para a escolha da Língua Estrangeira a ser incluída no currículo, devem ser considerados três fatores: histórico (papel da língua hegemônica, atualmente o idioma inglês), fator das origens imigratórias da comunidade local (no caso de Marechal Cândido Rondon é o alemão) e o fator relativo à tradição, isto é, troca cultural entre países como instrumental de acesso ao conhecimento de toda uma geração. Portanto, procura-se atender os anseios sociais, lingüísticos e econômicos da clientela escolar.

Em relação às comunidades locais, deve-se, ainda, pensar seriamente na língua cujos países que com ela fazem fronteiras. É o caso do Espanhol e sua importância dentro do MERCOSUL. A Escola Pública poderia propiciar a formação, no que tange ao ensino de Línguas Estrangeiras, o inglês de âmbito mundial e o espanhol de âmbito sul-americano. Oportunizando aos alunos condições de aprenderem, paralelamente, as duas Línguas Estrangeiras que lhes são mais importantes no atual contexto histórico. No colégio Ceretta é proporcionado o ensino da língua inglesa no Ensino Fundamental (5ª à 8ª séries) e língua Espanhola no Ensino Médio (2ª e 3ª séries) e como Celem (Espanhol e Alemão).

A Língua Estrangeira é um espaço no qual se pode ampliar o contato com outras formas de perceber, conhecer e entender a realidade; havendo possibilidades de conhecer, expressar e transformar modos de entender o mundo e construir significados.

Através da língua estrangeira se reconhece a diversidade cultural no mundo em que vivemos, tornando-se possível oportunizar ao educando vivenciar a cultura do outro e ao mesmo tempo valorizar a sua própria cultura. Essa compreensão intercultural promove ainda a aceitação das diferenças nas maneiras de expressão e comportamento, tornando-o um cidadão crítico, participativo e consciente sobre o papel exercido na sociedade.

A aprendizagem da língua estrangeira como contribuição ao processo educacional global, vai muito além da aquisição de um conjunto de habilidades lingüísticas. Leva a uma nova compreensão da linguagem, aumenta a compreensão da própria língua materna e ao mesmo tempo desenvolve uma apreciação dos costumes e valores de outras culturas contribuindo para aumentar a percepção da própria cultura por meio da compreensão da(s) cultura(s). Daí que, essa compreensão promove ainda a tolerância diante das diferenças de maneira de expressão e de comportamento.

Numa perspectiva interdisciplinar e relacionada com contextos reais, o processo ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras adquire uma nova configuração: procura fazer com que o aluno tenha acesso a informações de vários tipos, ao mesmo tempo em que contribua para a sua formação geral enquanto cidadão. Assim, o estudo de outras disciplinas, notadamente da História, da Geografia, das Ciências, da Arte, passa a ter outro significado se em certos momentos forem proporcionadas atividades conjugadas com o ensino de línguas estrangeiras. Esta é uma maneira de viabilizar na prática de sala de aula a relação entre língua estrangeira e o mundo social, possibilitando assim a formação da cidadania do aluno.

A articulação entre teoria e prática proporciona a construção do conhecimento, num processo que deve ser desenvolvido por alunos e professores. Para que essa idéia se concretize é necessário que o professor respeite a cultura original do aluno tornando-a seu ponto de partida para a prática educacional. A visão da prática docente como simples transmissão do saber sistematizado, impede a atividade da interação humana, a qual proporciona ao aprendiz a possibilidade de atribuir valores a sua vida e ao mundo.

O objeto de estudo da disciplina de Língua Estrangeira Moderna é a língua em sua função social contemplando as relações com a cultura, a ideologia, o sujeito e a identidade, ou seja: ensinar e aprender uma língua estrangeira moderna é também ensinar e aprender percepções de mundo e maneiras de construir sentidos, formar subjetividades, independentemente do grau de proficiência atingido.
OBJETIVO GERAL
O ensino da LEM tem como objetivo o desenvolvimento da competência comunicativa (lingüística, textual, discursiva e sociocultural), ou seja, é uma progressiva capacidade de realizar a adequação do ato verbal às situações significativas de comunicação. Para este desenvolvimento, deve-se explorar a habilidade de compreensão e expressão oral oportunizando ao aluno a possibilidade de compreender e expressar-se observando os princípios da gramática e dos elementos culturais. Também explorar-se-á a habilidade de compreensão leitora visando a interpretação, a compreensão, a leitura e a produção (oral, escrita e visual) de diferentes gêneros textuais.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS


  • Vivenciar uma experiência de comunicação oral e escrita pelo uso da Língua Estrangeira Moderna, no que se refere às novas maneiras de se expressar e de ver o mundo, refletindo sobre os costumes e maneiras de agir e interagir;

  • Valorizar o seu semelhante, a natureza e o meio em que vivem através da utilização de textos, diálogos, atitudes e dinâmicas de grupos;

  • Ampliar a visão de mundo, tornando-se um cidadão mais crítico, participativo e consciente sobre o papel das línguas na sociedade;

  • Construir conhecimento sistêmico, sobre a organização textual e sobre como e quando utilizar a linguagem nas situações de comunicação, tendo como base os conhecimentos da língua materna;

  • Conhecer a língua que nos cerca no universo da tecnologia, do mundo informatizado do comércio internacional, das artes (música, cinema, teatro, etc.) e o grande intercâmbio entre os povos;

  • Reconhecer e compreender a diversidade linguística e cultural, bem como seus benefícios para o desenvolvimento cultural do país;

  • Buscar outras fontes de informação na língua inglesa, ampliando, assim, horizontes em conhecimentos literários, técnicos, científicos e culturais.


CONTEÚDOS
Os conteúdos estruturantes são os conhecimentos identificadores e organizadores dos campos de estudos da disciplina da língua estrangeira moderna. Eles se constituem através da história e são legitimados socialmente, por isso, são provisórios e processuais. Assim, ao tomar a língua como interação verbal, como espaço de produção de sentidos marcado por relações contextuais de poder, o conteúdo estruturante Discurso como Prática Social a tratará de forma dinâmica, por meio da leitura, da oralidade e da escrita.

Nas teorias do Círculo de Bakhtin, as quais concebem a língua como discurso, ou seja, um espaço de produção de sentidos, cada palavra transforma-se na arena onde competem as entonações sociais. Toda enunciação envolve a presença de pelo menos duas vozes: a voz do eu e a voz do outro. É no engajamento discursivo com o outro que damos forma ao que dizemos e ao que somos. Sendo assim a Língua Estrangeira Moderna apresenta-se como espaço para ampliar o contato com outras formas de conhecer, com outros procedimentos interpretativos da construção da realidade. A ênfase do ensino recai sobre a necessidade de os sujeitos interagirem ativamente pelo discurso, sendo capazes de comunicar-se de diferentes formas, materializadas em diferentes tipos de texto, considerando a imensa quantidade de informações que circulam na sociedade. Isso significa participar dos processos sociais de construção de linguagem e de seus sentidos legitimados, e desenvolver uma criticidade, de modo a atribuir o próprio sentido aos textos.

O trabalho em sala de aula deve partir de um texto de linguagem num contexto em uso, sob a proposta de construção de significados por meio do engajamento discursivo e não pela mera prática de estruturas lingüísticas. É importante que os textos selecionados abordem diversos gêneros discursivos e que apresentem diferentes graus de complexidade adequados a cada faixa etária.

Na educação escolar atual, além do desenvolvimento de conhecimentos e habilidades, é preciso trabalhar questões sociais, como: o preconceito, a saúde, meio ambiente, relacionamentos humanos, sexualidade, tecnologia, formas de lazer, mídia, consumo, padrões de comportamento, trabalhos/empregos, violência, ética. Pois vivemos em uma sociedade desigual, excludente, injusta e onde a noção de cidadania precisa ainda ser construída para termos cidadãos críticos, criativos e capazes de fazerem as mudanças necessárias onde as pessoas respeitem os princípios éticos e atuem no sentido de desconstruir situações de desigualdades.


CONTEÚDOS BÁSICOS
ESFERA SOCIAL DE CIRCULAÇÃO E SEUS GÊNEROS TEXTUAIS

Esfera cotidiana de circulação


Esfera publicitária de circulação

Esfera produção de circulação


Esfera jornalística de circulação

Bilhete

Carta pessoal

Cartão felicitações

Cartão postal

Convite

Letra de música



Receita culinária

Anúncio**

Comercial para radio*

Folder

Paródia


Placa

Publicidade Comercial


Slogan

Bula

Embalagem

Placa

Regra de jogo



Rótulo

Anúncio classificados

Cartum


Charge

Entrevista**

Horóscopo

Reportagem**

Sinopse de filme


Esfera artística de circulação

Esfera escolar de circulação

Esfera literária de circulação

Esfera midiática de circulação

Autobiografia

Biografia

 


Cartaz

Diálogo**

Exposição oral*

Mapa


Resumo

Conto


Crônica

Fábula


História em quadrinhos

Poema


Correio eletrônico (e-mail)

Mensagem de texto (SMS)

Telejornal*

Telenovela*

Videoclipe*


 * Embora apresentados oralmente, dependem da escrita para existir.

** Gêneros textuais com características das modalidades escrita e oral de uso da língua.


PRÁTICA DISCURSIVA:
Oralidade

ABORDAGEM TEÓRICO-METODOLÓGICA


AVALIAÇÃO

Fatores de textualidade centradas no leitor:

· Tema do texto;

· Aceitabilidade do texto;

· Finalidade do texto;

· Informatividade do texto;

· Intencionalidade do texto;

· Situacionalidade do texto;

Papel do locutor e interlocutor;

· Conhecimento de mundo;

· Elementos extralinguísticos: entonação, pausas, gestos;

· Adequação do discurso ao gênero;

· Turnos de fala;

· Variações linguísticas.

 

Fatores de textualidade centradas no texto:

· Marcas linguísticas: coesão, coerência, gírias, repetição, recursos semânticos;

· Adequação da fala ao contexto (uso de distintivos formais e informais como conectivos, gírias, expressões, repetições);

· Diferenças e semelhanças entre o discurso oral ou escrito.


· Organizar apresentações de textos produzidos pelos alunos;

· Orientar sobre o contexto social de uso do gênero oral trabalhado;

· Propor reflexões sobre os argumentos utilizados nas exposições orais dos alunos;

· Preparar apresentações que explorem as marcas linguísticas típicas da oralidade em seu uso formal e informal;

· Estimular a expressão oral (contação de histórias), comentários, opiniões sobre os  diferentes gêneros trabalhados, utilizando-se dos recursos extralinguísticos, como: entonação, expressões facial, corporal e gestual, pausas  e outros;

· Selecionar os discursos de outros para análise dos recursos da oralidade, como: cenas de desenhos, programas infanto-juvenis, entrevistas, reportagem entre outros.



Espera-se que o aluno:

· Utilize o discurso de acordo com a situação de produção (formal e/ou informal);

· Apresente suas ideias com clareza, coerência;

Utilize adequadamente entonação, pausas, gestos;

· Organize a sequência de sua fala;

· Respeite os turnos de fala;

· Explore a oralidade, em adequação ao gênero proposto;

· Exponha seus argumentos;

· Compreenda os argumentos no discurso do outro;

· Participe ativamente dos diálogos, relatos, discussões (quando necessário em língua materna);

· Utilize expressões faciais corporais e gestuais, pausas e entonação nas exposições orais, entre outros elementos extralinguísticos que julgar necessário.



BIBLIOGRAFIA
ABRAMOVAY, Miriam. Escolas inovadoras. UNESCO, Ministério da Educação, Brasília, 2004.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação. Brasiliense, 1986.

CANDAU, Vera Maria. A didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1991.

Cadernos Temáticos Avaliação Institucional. Secretaria de Estado da Educação do Paraná – SEED. Curitiba, março/2005.

COLL, César. Currículos devem mudar. Revista Nova Escola. Abril, novembro/2003, p. 18-20.

CONGRESSO NACIONAL. A nova LDB nº 9394-96, de 20 de dezembro de 1996.

FERRARI, Márcio. Ensinar bem é saber demonstrar. Revista Nova Escola. Editora Abril, abril/2003, p. 21.

FONSECA, Vitor da. Aprender a Aprender. Educabilidade cognitiva. Artmed, 1998.

GENTILE, Paola. 2005 será o ano da qualidade na Educação. Revista Nova Escola. Editora Abril, março/2005, p. 22-24.

______. É assim que se aprende. Revista Nova Escola. Editora Abril, fevereiro/2005, p. 52-57.

Governo Federal. Brasil – Um país de todos. ABA – Associação Brasileira de Anunciantes. Brasília-DF: Ano 2. Número 4.

GASPARIN, João Luiz. Metodologia Histórica. Crítica. Processo Dialético de Construção do Conhecimento Escolar.

HAYDT, Regina Célia Cazaux. Curso de didática geral. Ática, 1997.

HERNANDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação. Os projetos de trabalho. Artmed, 1998.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora. Educação e Realidade. Porto Alegre, 1994.

LDB – Leis de Diretrizes e Bases.

LIMA, Elvira Souza. Avaliação, educação e formação. In: Avaliação de Desempenho e Progressão Continuada. Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais. PROCAD. Guia de Estudo nº 6, 2001, p. 27-41.

LUCKESI, Cipriano C. Verificação ou avaliação: o que pratica a escola? In: Avaliação da Aprendizagem escolar: estudos e proposições. 15 Ed. São Paulo: Cortez, 2003, p. 85-101.

LÜCK, Heloísa. A dimensão participativa da gestão escolar. Revista Gestão em Rede. Outubro/2004, nº 57, p. 19-20.

MASETTO, Marcos. Didática. A aula como centro. São Paulo: FTD, 1994.

MEIRIEU, Philippe. Aprender sim, mas como? Artmed, 1998.

MELLO, Guiomar Namo de. Diversidade não é desigualdade. Revista Nova Escola. Editora Abril, julho de 2005, p. 22.

______. Que pessoas queremos formar. Revista Nova Escola. Editora Abril, fevereiro de 2005, p. 18.

Papel do gestor é fundamental para melhoria do ensino. Revista Gestão em Rede. Setembro de 2001, nº 31, p. 10-12.

Planejamento em Gestão. Indicadores da Qualidade na Educação 2ª parte. Revista Gestão em Rede. Agosto/2004, nº 55, p. 15-19.

Planejamento em Gestão. Indicadores da Qualidade na Educação 3ª parte. Revista Gestão em Rede. Setembro/2004, nº 56, p. 16-21.

PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Escolarização e Cultura: A dupla determinação. In: SILVA, L. H. et all. Novos Mapas Culturais, Novas Perspectivas Educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996.

SCHOVIS, Elizabeth e GRACE, Chy. Manual de Portfólio. Um guia passo a passo para o professor. Artmed, 2001.

SILVA, Mônica Ribeiro da. Pressupostos Sociológicos para a Organização do Conhecimento na Escola. Curitiba, 2003.

SILVA, Tomaz Tadeu. O Currículo como fetiche, a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

Sua Pesquisa. Com. Educação no Brasil, p. 1-2.

VASCONCELLOS, Celso dos. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad – Centro de Formação e Assessoria Pedagógica, 1993.

______. Superação da lógica classificatória e excludente da avaliação. São Paulo: Libertad, 1998.

______. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança. São Paulo: Libertad, 1998.

VEIGA, Ilma Passos. Perspectivas para reflexão em torno do Projeto Político Pedagógico. In: VEIGA, I. P. e RESENDE, L. M. G. de (orgs). Escola, espaço do Projeto Político Pedagógico. Campinas-SP: Papirus, 1998, p. 9-32.



VEIGA, Ilma Passos. Projeto Político da Escola: uma construção coletiva. 1995, p. 27.




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   11   12   13   14   15   16   17   18   19


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal