Exercícios de revisãO 1- quais as principais diferenças entre o mito e a Filosofia?



Baixar 202.1 Kb.
Página1/4
Encontro02.12.2017
Tamanho202.1 Kb.
  1   2   3   4

EXERCÍCIOS DE REVISÃO

1- Quais as principais diferenças entre o mito e a Filosofia?

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

2- Apesar das diferenças entre os dois tipos de pensamentos, pode-se dizer que existe alguma semelhança entre mito e Filosofia? Justifique.

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

3- Quais as diferenças entre os pensadores de Mileto e os pensadores da Magna Grécia?

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

4-Quais os principais pensadores pré-socráticos e quais são suas archés?

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

5- Sócrates é pensador que marca o inicio do tempo filosófico. Antes de Sócrates já existia pensadores ilustres, que ficaram conhecidos como pré-socráticos. Qual a diferença entre o pensamento dos filósofos pré-socráticos e o pensamento de Sócrates?

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



6- Os diálogos socráticos eram em sua grande maioria, diálogos críticos. Dois desses diálogos socráticos eram a maiêutica e a ironia. O que significa cada um desses diálogos?

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



7-A maior parte do pensamento platônico nos foi transmitida por intermédio da fala de Sócrates, nos diálogos socráticos, escritos por Platão. Um dos aspectos mais importantes da filosofia de Platão é sua teoria das ideias, com a qual procura explicar como se desenvolve o conhecimento humano. Como funciona tal teoria platônica?

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



  1. Qual a semelhança entre a obra de Platão e o filme dos irmão Wachouski?

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

9- Segundo Aristóteles qual a diferença entre matéria e forma?

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



10- Aristóteles resolveu muito satisfatoriamente uma questão que preocupou muito os filósofos anteriores a ele: a da mudança. Afirmou que um objeto pode mudar e continuar “sendo” e apontou quatro causas para o movimento interior que resulta nas transformações da matéria. Quais seriam essas causas? De um exemplo com cada uma delas.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________



APOSTILA DE FILOSOFIA

Profº Dhaniel Gomes





René Descartes

René Descartes (La Haye en Touraine, 31 de março de 1596 – Estocolmo, 11 de fevereiro de 1650[1]) foi um filósofo, físico e matemático francês. Durante a Idade Moderna também era conhecido por seu nome latino Renatus Cartesius.

Notabilizou-se sobretudo por seu trabalho revolucionário na filosofia e na ciência, mas também obteve reconhecimento matemático por sugerir a fusão da álgebra com a geometria - fato que gerou a geometria analítica e o sistema de coordenadas que hoje leva o seu nome. Por fim, ele foi uma das figuras-chave na Revolução Científica.

Descartes, por vezes chamado de "o fundador da filosofia moderna" e o "pai da matemática moderna", é considerado um dos pensadores mais importantes e influentes da História do Pensamento Ocidental. Inspirou contemporâneos e várias gerações de filósofos posteriores; boa parte da filosofia escrita a partir de então foi uma reação às suas obras ou a autores supostamente influenciados por ele. Muitos especialistas afirmam que a partir de Descartes inaugurou-se o racionalismo da Idade Moderna. Décadas mais tarde, surgiria nas Ilhas Britânicas um movimento filosófico que, de certa forma, seria o seu oposto - o empirismo, com John Locke e David Hume.



Vida

René Descartes nasceu no ano de 1596 em La Haye, a cerca de 300 quilômetros de Paris (hoje Descartes), no departamento francês de Indre-et-Loire. A sua mãe, Jeanne Brochard, morreu quando ele tinha um ano. Com oito anos, ingressou no colégio jesuíta Royal Henry-Le-Grand, em La Flèche. O curso em La Flèche durava três anos, tendo Descartes sido aluno do Padre Estevão de Noel, que lia Pedro da Fonseca nas aulas de Lógica, a par dos Commentarii. Descartes reconheceu que lá havia certa liberdade, no entanto no seu Discurso sobre o método declara a sua decepção não com o ensino da escola em si mas com a tradição Escolástica, cujos conteúdos considerava confusos, obscuros e nada práticos. Em carta a Mersenne, diz que "os Conimbres são longos, sendo bom que fossem mais breves. Crítica, aliás, já então corrente, mesmo nas escolas da Companhia de Jesus". Descartes esteve em La Flèche por cerca de nove anos (1606-1615). "Descartes não mereceu, como se sabe, a plena admiração dos escolares jesuítas, que o consideravam deficiente filósofo". Prosseguiu depois seus estudos graduando-se em Direito, em 1616, pela Universidade de Poitiers.



O racionalismo cartesiano

O pensador francês René Descartes propôs um sistema filosófico – ou seja, um conjunto coerente de conhecimentos – que tornava possíveis respostas para todas as questões filosóficas. Antes de Descartes, na Grécia antiga, Platão e Aristóteles haviam criado sistemas que foram atualizados na Idade Média, por Santo Agostinho e, sobretudo por São Tomás de Aquino, ambos sob influência do cristianismo. Com a verdadeira revolução científica que foi o Renascimento – e que resultou em novas formas de ver e interpretar o mundo – surgiu a possibilidade de desenvolvimento de um novo sistema.

Os avanços espetaculares na explicação do mundo por parte das ciências naturais (que culminaram com Newton no final do século XVII) suscitaram o questionamento: seria possível atingir no conhecimento filosófico, o mesmo grau de certeza das ciências naturais? Se o universo era descrito como um mecanismo sofisticado, cujo funcionamento parecia cada vez mais evidente para a razão humana, não poderia ocorrer o mesmo com a alma? Não haveria uma explicação completa para o funcionamento do ser humano, para além corpo material? Qual seria a relação entre corpo e alma? Tais questões foram abordadas por Descartes.

O princípio da dúvida

O ponto de partida de Descartes na busca por um conhecimento verdadeiro foi o chamado princípio da dúvida: deveríamos desconfiar não apenas do saber passado, mas também daquilo que nos é oferecido pelos sentidos. Cada objeto do mundo material se apresenta de forma tão diversa e tão mutante diante de nós, que se torna temerário basear-se somente nos sentidos para se chegar a qualquer conclusão definitiva. Em outras palavras, deve-se duvidar de toda ideia que pode ser posta em dúvida.

A realidade percebida pelos sentidos é enganosa “e é de prudência nunca se fiar inteiramente em quem já nos enganou uma vez” (Meditações). Além disso, nunca podemos ter certeza de estar apenas sonhando. Descartes utilizou um exemplo para explicar as mutações dos objetos do mundo material: um pedaço de cera que acabou de ser retirado de uma colmeia é doce, tem ainda o perfume das flores de onde foi colhido; é duro, frio e produz um determinado som quando nele batemos. Conforme aproximamos o pedaço de cera do fogo, seu odor desaparece, sua forma e cor se modifica e ele acaba se transformando em líquido e pode esquentar até que não possamos mais tocá-lo. Ainda é cera, mas os sentidos a percebem de maneira completamente diferente. Essa percepção da natureza da cera, que se apresenta de forma tão diversa, é fruto da faculdade de entender, que se encontra dentro de cada sujeito.

Penso, logo existo.”

Uma vez que somos capazes de duvidar de tudo e de todos, a única certeza absolutamente incontestável é justamente a nossa capacidade de duvidar. Essa capacidade é fruto de razão; portanto, a única certeza que temos, e que nos define enquanto indivíduos é nossa capacidade de pensar. O pensamento existe, e como não pode ser separado do indivíduo também existe. Essa formulação foi resumida na famosa expressão de Descartes: “Cogito ergo sum” (“penso, logo existo”).

Uma decorrência dessa formulação é a crença de que o Eu pensante é mais real do que o mundo físico. Em outras palavras, a formulação que funda todo o conhecimento verdadeiro tem origem metafísica (ou seja, está além da física): trata-se da descoberta da alma por si mesma. Assim, a expressão “eu sou, eu existo” é necessariamente verdadeira e incontestável a partir do momento em que foi enunciada. Ela é verdadeira porque existe um sujeito pensante capaz de dizê-la.

Da mesma maneira que o homem pode conceber a si mesmo, ele também pode conceber Deus, e esta seria uma prova de sua existência: se concebemos um ser perfeito, ele necessariamente existe, uma vez que não existir seria uma imperfeição. É por isso que a existência das coisas guarda relação com a proximidade que elas têm do pensamento. Dessa forma, a existência dos objetos materiais – por exemplo, uma mesa, uma cadeira (mas também o sol ou a lua) – não seria comprovada pela forma como os percebemos pelos sentidos, mas pelo fato de possuírem propriedades quantitativas que podemos ser medidas e expressas racionalmente em relações matemáticas, como comprimento, largura, altura. Deus, o ser perfeito, não nos engana: ele é a garantia de que as relações matemáticas do mundo correspondem a coisas concretas.

As provas da existência de Deus

Como foi possível perceber no item anterior, não compreender a essência de Deus não impede a filosofia de provar Sua existência. É isto que Descartes tentará realizar através de três argumentos.

Na primeira prova, a existência de Deus é demonstrada por seus efeitos, pelo simples fato de Sua ideia estar em nós. Na segunda prova, a existência de Deus é ainda demonstrada, pelo fato de nós próprios, que temos em nós a ideia de Deus, existirmos.

Na terceira e última prova, a existência de Deus é conhecida pela simples consideração de Sua natureza. Como é possível perceber, nas duas primeiras provas, o argumento procede a partir dos efeitos (da ideia de Deus presente no sujeito e do sujeito que possui a ideia de Deus) de maneira causal; já na terceira prova, o argumento procede a priori, sendo uma reedição do argumento ontológico de Santo Anselmo denominado por Kant de argumento ontológico, deduzido da ideia de Deus a sua existência.

É preciso que se observe ainda que as duas primeiras provas da existência de Deus, presentes no Discurso do Método e as Meditações Metafísicas, são comumente unidos em um único argumento denominado argumento da "marca impressa".Desta forma, o presente argumento passará por duas fases distintas que corresponderiam às duas já citadas provas: na primeira, Descartes pondera que nossa ideia de Deus só pode ser explicada pela postulação de Deus como sua causa; na segunda, ele afirma que "desejo passar adiante e averiguar se eu mesmo, que possuo essa ideia de Deus, poderia existir, no caso de não haver Deus".

Conclui-se, na segunda fase: "... pelo simples fato de que existo e de que a ideia de um ser perfeito, ou seja, Deus é em mim, a existência de Deus está muito claramente provada."

Embora a segunda fase do argumento apresente algumas características próprias interessantes, parece ter sido considerada por Descartes como simples variação expositiva da primeira.Ambas as versões, em todo caso, dependem da necessidade (suposta) de explicar como minha mente (finita e imperfeita) pode trazer em si a ideia de um ser perfeito e infinito.

A questão de Deus é tratada em vários escritos de Descartes: na quarta parte do Discurso do Método, na terceira e na quinta parte das Meditações Metafísicas, na primeira parte dos Princípios e nas Repostas às Objeções.Existem, sem dúvida, diferenças entre as diversas exposições das provas da existência de Deus.

Jesus nos lembra, citando Descartes, que, no Discurso do Método e nas Meditações Metafísicas, é seguido o caminho que Descartes denomina de "ordem da descoberta", ao passo que nos Princípios segue-se a "ordem da exposição", que se inicia com o argumento ontológico. Neste trabalho, nos deteremos nas exposições presentes no Discurso e nas Meditações Metafísicas.

Em caráter geral, observa-se que o ponto de partida das provas cartesiana encontra-se nas conclusões oriundas do cogito: a existência dos meus pensamento e do eu que os possui.O espírito humano é conduzido a Deus, a partir de si mesmo.



Engano dos sentidos

Na busca de uma primeira verdade indubitável, René Descartes descobre que os sentidos enganam e que, portanto, não se pode confiar neles como fonte de conhecimento seguro e objetivo. A própria realidade exterior, com objetos sensíveis e corpóreos, pode ser colocada em duvida, pela frequência com que alucinações são aceitas como reais e pelo fato de as representações de cada um em sonhos (em que nada é real) não serem distinguíveis das representações do mundo exterior no estado de vigília.

Descartes assume, portanto, a crítica cética da sensação, e questiona o mundo de objetos corpóreos e as ciências que o estudam, como “a física, a astronomia ou a medicina”. Apenas a matemática parece escapar dessa incerteza, uma vez que não estuda objetos sensíveis nem se utiliza dos sentidos.

O animal - maquina

O modelo mecanicista cartesiano diz respeito à matéria, mas não a mente. Portanto, todos os corpos e organismos, por mais complexos que sejam, estão em interação recíproca, de acordo com as leis do movimento. Isso significa que a biologia não é, para René Descartes, mais do que um braço da física, que, com o esquema mecanicista, é capaz de explicar a estrutura e o funcionamento de todos os organismos (o corpo humano incluído) como maquinas comparáveis aos artefatos construídos pelo homem, embora mais complexas.

Não existe nos animais e no corpo humano, assim como no restante da natureza, nenhum principio interno ativo. Todas as suas ações provêm do choque das partículas dos diferentes órgãos. A liberdade não existe na natureza, uma vez que tudo é presidido pela necessidade mecânica das leis do movimento. A liberdade só aparece no domínio da mente, na substancia pensante.

A tese de que os animais são meros autômatos é sustentada por Descartes basicamente em oposição à visão escolástica segundo a qual toda criatura viva é dotada de alma, o que implica numa hierarquia de faculdades, muitas vezes referida como as várias partes da alma — vegetativa, sensitiva e racional — que seriam responsáveis por todo comportamento das criaturas vivas sendo, no caso dos animais não-humanos, a parte sensitiva da alma a que apreenderia as sensações. Segundo Descartes, essa explicação faz um apelo excessivo à alma para a explicação dos comportamentos tanto dos homens (seus movimentos puramente fisiológicos) quanto dos animais não-humanos. Descartes insiste na tese segundo a qual tanto o comportamento corporal do homem quanto o comportamento do animal podem ser explicados em termos puramente mecânicos e, se é assim, não é necessário recorrer a conceitos como alma, forma substancial etc.

A tese de Descartes de que os animais são meros autômatos se baseia, num primeiro momento, na tese de que é possível explicar o comportamento do animal por analogia ao comportamento do corpo humano que, por sua vez, pode ser explicado por analogia ao funcionamento de uma máquina complexa o bastante que torne possível a imitação de certo tipo de comportamento humano. Sendo assim, o primeiro passo da argumentação cartesiana será mostrar que o funcionamento do corpo humano pode ser explicado por recurso a movimentos puramente fisiológicos sem recurso a razão, ou pensamento.

É no Discurso sobre o método, Parte V, que esse argumento inicial é melhor exposto. Essa exposição é introduzida através de um resumo das ideias demonstradas em um livro anteriormente escrito, mas não publicado, o Tratado sobre o homem, acerca da hipótese de um homem-máquina, a saber, a hipótese de que um homem seja criado por Deus inicialmente apenas como corpo, sem alma. Apesar de esse homem-máquina não ter qualquer faculdade da alma, Deus, entretanto, teria posto nele tudo o que fosse necessário para andar, comer, respirar e, "na verdade, imitar todas as nossas funções que podemos imaginar proceder da matéria e depender apenas da disposição de nosso órgãos". Descartes justifica essa hipótese afirmando, ainda,

[...] de nenhuma maneira isso parecerá estranho àqueles que, sabendo quantos autômatos diferentes ou máquinas móveis pode engendrar a indústria humana [...] considerando o corpo animal como uma máquina que, tendo sido obra das mãos de Deus, é sem comparação possível mais bem arrumada e tem em si movimentos mais admiráveis do que qualquer daquelas que os homens possam inventar.

Nesse sentido, conclui Descartes que as funções que esse corpo-máquina criado por um ser perfeitíssimo poderia ter seriam "todas aquelas que pode haver em nós sem que o saibamos e, portanto, sem que nossa alma dê qualquer contribuição, isto é, esta parte distinta do corpo cuja função consiste unicamente em pensar."





EXERCICIOS

1-De acordo com Descartes:

“a razão (...) “é naturalmente igual em todos os homens; e, destarte, que a diversidade de nossas opiniões não provém do fato de serem uns mais racionais do que outros, mas somente de conduzirmos nossos pensamentos por vias diversas e não considerarmos as mesmas coisas. Pois não é suficiente ter o espírito bom, o principal é aplicá-lo bem.” DESCARTES. Discurso do Método, para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências. São Paulo: Nova Cultural, 1987, p.29.

Com relação ao fragmento acima, responda.

Quais são as vias diversas, que prejudicam a boa aplicação da razão?

__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

2-Descartes afirmou no Discurso do método que a boa condução da razão na pesquisa da verdade das coisas deve ser feita em poucas regras. Sendo assim, o primeiro dos quatro preceitos básicos do seu método diz o seguinte: jamais acolha alguma coisa como verdadeira que não conheça evidentemente como tal.

A aplicação desta primeira regra evita dois graves defeitos. Responda: quais são e como se caracterizam os dois defeitos a que se referem Descartes?

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

3-No escrito publicado postumamente, Regras para a orientação do espírito, Descartes fez o seguinte comentário:

.Mas, toda vez que dois homens formulam sobre a mesma coisa juízos contrários, é certo que um ou outro, pelo menos, esteja enganado. Nenhum dos dois parece mesmo ter ciência, pois, se as razões de um homem fossem certas e evidentes, ele as poderia expor ao outro de maneira que acabasse por lhe convencer o entendimento.

DESCARTES, René. Regras para a orientação do espírito. Trad. de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999, p. 6-7.

Para alcançar a verdade das coisas, isto é, o conhecimento certo e evidente, é necessário um método composto de regras muito simples que evitem os enganos e as opiniões prováveis. Segundo Descartes, somente duas ciências podem auxiliar na fundamentação do método para a investigação da verdade, são elas:

a) teologia e filosofia.

b) mecânica e física.

c) fisiologia e filologia.

d) aritmética e geometria.

4-“Tomemos [...] este pedaço de cera que acaba de ser tirado da colméia: ele não perdeu ainda a doçura do mel que continha, retém ainda algo do odor das flores de que foi recolhido; sua cor, sua figura, sua grandeza, são patentes; é duro, é frio, tocamo-lo e, se nele batermos, produzirá algum som. Enfim, todas as coisas que podem distintamente fazer conhecer um corpo encontram-se neste. Mas eis que, enquanto falo, é aproximado do fogo: o que nele restava de sabor exala-se, o odor se esvai, sua cor se modifica, sua figura se altera, sua grandeza aumenta, ele torna-se líquido, esquenta-se, mal o podemos tocar e, embora nele batamos, nenhum som produzirá. A mesma cera permanece após essa modificação? Cumpre confessar que permanece: e ninguém o pode negar. O que é, pois, que se conhecia deste pedaço de cera com tanta distinção? Certamente não pode ser nada de tudo o que notei nela por intermédio dos sentidos, visto que todas as coisas que se apresentavam ao paladar, ao olfato, ou à visão, ou ao tato, ou à audição, encontravam-se mudadas e, no entanto, a mesma cera permanece.” (DESCARTES, René. Meditações. Trad. De Jacó Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Nova Cultural, 1996. p. 272.)

Com base no texto, é correto afirmar que para Descartes:

a) Os sentidos nos garantem o conhecimento dos objetos, mesmo considerando as alterações em sua aparência.

b) A causa da alteração dos corpos se encontra nos sentidos, o que impossibilita o conhecimento dos mesmos.

c) A variação no modo como os corpos se apresentam aos sentidos revela que o conhecimento destes excede o conhecimento sensitivo.

d) A constante variação no modo como os corpos se apresentam aos sentidos comprova a inexistência dos mesmos.

e) A existência e o conseqüente conhecimento dos corpos têm como causa os sentidos.

5-“E quando considero que duvido, isto é, que sou uma coisa incompleta e dependente, a idéia de um ser completo e independente, ou seja, de Deus, apresenta-se a meu espírito com igual distinção e clareza; e do simples fato de que essa idéia se encontra em mim, ou que sou ou existo, eu que possuo esta idéia, concluo tão evidentemente a existência de Deus e que a minha depende inteiramente dele em todos os momentos da minha vida, que não penso que o espírito humano possa conhecer algo com maior evidência e certeza”. (DESCARTES, René. Meditações. Trad. de Jacó Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Nova Cultural, 1996. p. 297-298.)

Com base no texto, é correto afirmar:

a) O espírito possui uma idéia obscura e confusa de Deus, o que impede que esta idéia possa ser conhecida com evidência.

b) A idéia da existência de Deus, como um ser completo e independente, é uma conseqüência dos limites do espírito humano.

c) O conhecimento que o espírito humano possui de si mesmo é superior ao conhecimento de Deus.

d) A única certeza que o espírito humano é capaz de provar é a existência de si mesmo, enquanto um ser que pensa.

e) A existência de Deus, como uma idéia clara e distinta, é impossível de ser provada.



  1   2   3   4


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal