Experimento 1: efeito do método de produçÃo de sementes (aps ou pcs) e da árvore matriz (ou clone) na quantidade e tamanho de cones e sementes produzidos e propriedades tecnológicas do lote de sementes



Baixar 0.9 Mb.
Página1/17
Encontro29.11.2017
Tamanho0.9 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


KELLY CRISTINA CANCELA

INFLUÊNCIA DA MATRIZ (APS) OU CLONE (PCS) E DO TAMANHO DA SEMENTE DE Pinus taeda L. NAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DAS SEMENTES, PERFORMANCE DA MUDA EM VIVEIRO E ALTURA EM CAMPO APÓS 9 MESES


Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Ciências Florestais, Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná.
Orientador: Prof. Dr. Antonio Rioyei Higa

Co-orientadores: Prof. Dr. Joel Mauricio Corrêa da Rosa e Prof. Dr. Antonio Nogueira

CURITIBA

2007

4

RESUMO 5

REVISÃO DE LITERATURA 7

1.1 A espécie Pinus taeda 7



1.1.1 Origem e Importância Econômica 7

1.1.2 Biologia Reprodutiva 9

1.1.3 Beneficiamento da Semente 10

1.1.4 Oferta de Sementes no Brasil e Importância da Fonte 12

1.2 Fatores que influenciam na produção de sementes 15



1.2.1 Fatores Ambientais e Idade 15

1.2.2 Fatores Genéticos 18

1.3 Fatores que influenciam o tamanho/ peso de sementes 19



1.3.1 Fatores Ambientais 20

1.3.2 Fatores Genéticos 22

1.4 Influência do tamanho E PESO das sementes na germinação, sobrevivência e desenvolvimento da muda 23

1.5 Implicações do Beneficiamento de Sementes e Práticas de Viveiro para a Variabilidade Genética do Lote 33

1.6 seleçÃo precoce com base em características dE sementes e mudas 36



Experimento 1: efeito da matriz (APS) ou clone (pcs) na quantidade e distribuição de cones e sementes por tamanho e propriedades tecnológicas do lote de sementes 42

2.1 MATERIAL E MÉTODOS 42



2.1.1 Áreas Produtoras das Sementes 42

2.1.2 Características das Árvores Matrizes Amostradas 43

2.1.3 Coleta e Classificação dos Cones 43

2.1.4 Beneficiamento e Classificação das Sementes 44

2.1.5 Formação dos Lotes de Sementes 45

2.1.6 Teste de progênies com 10 anos 45

2.1.7 Variáveis Analisadas 46

2.1.7.1 Produção e distribuição de cones e sementes por tamanho 46

2.1.7.2 Capacidade de germinação e índice de velocidade de germinação (IVG) 46

2.1.7.3 Número de sementes por quilo 47

2.1.7.4 Valor genético dos lotes de sementes 47

2.1.8 Análises dos Dados 48

2.2 RESULTADOS E DISCUSSÃO 53



2.2.1 Produção de Cones e Sementes 53

2.2.2 Distribuição de Cones e Sementes por Tamanho 60

2.2.3 Propriedades Tecnológicas dos Lotes de Sementes 64

2.2.3.1 Valor genético dos lotes de sementes 73



Experimento 2: efeito do tamanho dos cones e das sementes nas propriedades tecnológicas de um lote de Sementes 74

3.1 Material e métodos 74



3.1.1 Áreas Produtoras das Sementes 74

3.1.2 Árvores Matrizes Amostradas 75

3.1.3 Coleta e Classificação dos Cones 75

3.1.4 Beneficiamento e Classificação das Sementes 76

3.1.5 Formação dos Lotes de Sementes para os Ensaios de Germinação 76

3.1.6 Variáveis Analisadas 76

3.1.6.1 Número, peso e distribuição de cones e sementes por tamanho 76



3.1.7 Análises dos Dados 77

3.2 RESULTADOS E DISCUSSÃO 80



3.2.1 Número de Sementes por Cone 80

3.2.2 Distribuição do Tamanho de Sementes por Cone 85

3.2.3 Propriedades Tecnológicas dos Lotes de Sementes 86

experimento 3: influência da matriz (APS) ou clone (PCS) e do tamanho de sementes na emergência, sobrevivência e características fisicas da muda 91

4.1 Material e métodos 91



4.1.1 Obtenção das Sementes 91

4.1.2 Condições de Semeadura e Desenvolvimento da Muda 91

4.1.3 Variáveis Analisadas 92

4.1.3.1 Emergência 92

4.1.3.2 Características físicas 93

4.1.4 Análises dos Dados 93

4.2 RESULTADOS E DISCUSSÃO 96



4.2.1 Emergência 96

4.2.2 Características Físicas 107

experimento 4: efeito do CLONE E DO tamanho da semente DE ORIGEM nA ALTURA DA PLANTA 9 MESES APÓS O PLANTIO 114

5.1 Material e métodos 114



5.1.1 Obtenção das Mudas 114

5.1.2 Condições de Plantio 114

5.1.3 Teste de progênies com 10 anos 114

5.1.4 Variáveis Analisadas 115

5.1.5 Análise dos Dados 115

5.2 resultados e discussão 117



BIBLIOGRAFIA CITADA 120



RESUMO

Pouca ou nenhuma atenção tem sido dada à variação existente no tamanho de sementes provenientes de diferentes matrizes (oriundas de Áreas de produção de sementes – APS) ou clones (oriundo de Pomares Clonais de sementes - PCS) de Pinus taeda. Trabalhos desenvolvidos sobre o tema tamanho de sementes, entretanto, citam que as diferenças podem ser indicativas da variabilidade genética do lote, e sua desconsideração pode levar a supressão parcial ou completa de sementes originadas de determinadas matrizes que, por ventura, tenham tendência a produzir sementes de categorias inferiores de peso e/ou tamanho – as quais muitas vezes acabam sendo descartadas no beneficiamento ou originando lotes de mudas de desenvolvimento mais lento. Esse fato pode prejudicar, por exemplo, a qualidade genética de plantios comerciais que poderiam ser utilizados para novas seleções. Sendo o Pinus taeda a espécie mais intensivamente plantada no sul do Brasil, um estudo deste gênero é de grande importância para se conhecer as condições relacionadas a produção de sementes de diferentes categorias de tamanho (fatores ambientais, fenotipicos e genéticos) e melhor compreensão das implicações genéticas da classificação de sementes por esta característica para minimização de seus efeitos negativos. Com este objetivo, está trabalho consistirá inicialmente na caracterização de lotes provenientes de APS e PCS com relação a vigor, quantidade de cones e sementes produzidas por cada árvore e distribuição de sementes por categoria de tamanho. Cada categoria de tamanho de cone e semente passará por uma análise de vigor, número de sementes por quilo e peso de 1000 sementes segundo a Regra de análises de sementes (RAS). A seguir, na fase de viveiro, será feita a avaliação do efeito do tamanho da semente sobre a qualidade da muda formada (altura, diâmetro de colo, biomassa seca aérea, sistema radicular,...). As mudas formadas a partir de cada classe de tamanho de semente serão levadas para campo para avaliação do crescimento inicial, mantendo-se a separação em nível de família e parte servirá ainda como material para análise de DNA, através do uso de microssatélites, a fim de se compreender a variabilidade genética dos povoamentos e/ou testes implantados com a espécie Pinus taeda decorrente das diferenças existentes no tamanho de sementes.


Palavras-chave: Pinus taeda, tamanho de sementes, viveiro, campo.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal